Nossa rede

Saúde

Sem suporte, a medicina não evolui

Publicado

dia

Nos últimos anos, a medicina tem procurado proporcionar melhor qualidade de atendimento e mais segurança para o paciente. Mas tudo isso tem um custo

Até por ser médico, participo de reuniões e eventos da área de saúde em condição privilegiada e percebo o incômodo dos meus colegas quando o tema é a inflação médica. Isso porque entendemos corretamente que honorários não são os fatores mais relevantes nesta conta e que deveríamos ser muito melhor remunerados. Isso dito, é fundamental entendermos a responsabilidade do ato médico e suas escolhas, no contexto da segurança e qualidade na prestação de serviços em saúde e que não é ele o vilão da inflação do custo médico-assistencial.

Medicina é equipe, é processo e é estrutura. E todo contexto importa para os resultados da assistência. A partir de 2006, iniciou-se em todo o mundo uma marcha para se evitarem mortes por inconformidades e erros que acontecem numa prática assistencial sem rigor métrico e sem ser pautada pelas melhores evidências. Nesse momento nasce o Institute for Health Improvement (IHI). Todo esse movimento tem como objetivo aprimorar os resultados clínicos, reduzir os desperdícios e, o mais importante, aperfeiçoar a experiência dos pacientes.

Melhor atendimento

A busca por maior qualidade na assistência médica, com estabelecimento de uma série de métricas e a realização de suas avaliações, desenvolve enormemente a capacidade de gestão do setor de saúde em vários aspectos. Ela permite uma comparabilidade com transparência e gera a possibilidade de que se confrontem índices de infecção de hospitais, causas de reinternações e dados sobre úlcera de pressão, por exemplo, o que dá melhor poder de escolha ao paciente no momento de decidir onde buscará atendimento e garante um certo protagonismo durante os cuidados com a sua saúde.

Também é possível se questionar se muitos dos avanços que foram alcançados pela medicina nos últimos anos realmente ocorreriam sem uma procura constante por melhor qualidade de atendimento e por mais segurança para o paciente. Em outras palavras: tecnologia não é só aparelho. Deixando essas questões de lado, seria possível trabalhar e alcançar os últimos resultados da redução de úlcera de pressão? E o que falar de diminuição de infecções por Staphylococcus resistente e por pós-ventilação assistida, além de readmissões por insuficiência cardíaca congestiva? E, ainda, de prevenção de dano por uso de medicações de alto risco?

Estima-se que o número de mortes evitadas nos Estados Unidos nos últimos 10 anos somou alguns milhões com o fortalecimento do trabalho focado na medicina baseada em evidências e em valor em saúde com práticas de qualidade. Sistemas de compliance são importantes e times cujos pontos centrais de trabalho são a qualidade e a segurança do cuidado são absolutamente fundamentais. Até porque a experiência do paciente demanda justamente isso.

Sem desperdícios

O que temos de concreto é: a inflação de fato não é somente médica, ela é principalmente assistencial, com contribuição de vários agentes que trabalham em busca de tornar o serviço médico melhor e mais eficiente. E sem esse suporte, acredito que não teríamos evoluído como conseguimos. Mas a inflação médico-assistencial também é fruto de uso abusivo e desnecessário, e isso, sim, que é condenável.

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida

Eduardo Rauen, nutrólogo
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista

Comentário

Saúde

Saúde cancela contratos para fabricar 19 remédios de distribuição gratuita

Publicado

dia

Ministério diz que suspensão é “transitória”, mas documento recebido por laboratórios diz “encerramento da parceria”; Associação deve acionar a Justiça

Remédios: Ministério da Saúde suspende parceria com laboratórios que produzem 19 medicamentos distribuídos gratuitamente pelo SUS (REB Images/Getty Images)

O Ministério da Saúde suspendeu, nas últimas três semanas, contratos com sete laboratórios públicos nacionais para a produção de 19 medicamentos distribuídos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Documentos obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo apontam suspensão de projetos de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs) destinados à fabricação de remédios para pacientes que sofrem de câncer e diabete e transplantados.

Os laboratórios que fabricam por PDPs fornecem a preços 30% menores do que os de mercado. E já estudam ações na Justiça.

Associações que representam os laboratórios públicos falam em perda anual de ao menos R$ 1 bilhão para o setor e risco de desabastecimento – mais de 30 milhões de pacientes dependem dos 19 remédios. A lista inclui alguns dos principais laboratórios: Biomanguinhos, Butantã, Bahiafarma, Tecpar, Farmanguinhos e Furp.

Além disso, devem ser encerrados contratos com oito laboratórios internacionais detentores de tecnologia, além de laboratórios particulares nacionais. Isso porque cada laboratório público, para desenvolver um produto, conta com dois ou três parceiros.

Depois, esses laboratórios públicos têm o compromisso de transferir a tecnologia de produção do medicamento ao governo brasileiro. Essa lista inclui referências da indústria como a GlaxoSmithKline Brasil Ltda. (GSK) e a Libbs, além de Oxygen, Nortec, Biomm, Cristália, ITF, Axis e Microbiológica Química e Farmacêutica Ltda.

Transitório

Procurado, o Ministério da Saúde informou que as PDPs continuam vigentes. Segundo a pasta, foi encaminhado aos laboratórios um ofício que solicita “manifestação formal sobre a situação de cada parceria”.

O órgão federal ainda informou que “o chamado ‘ato de suspensão” é por um período transitório”, enquanto ocorre “coleta de informações”.

O jornal, porém, teve acesso a um dos ofícios em que o ministério é categórico ao informar o encerramento da parceria. O documento, do dia 26 de junho, é assinado por Denizar Vianna Araujo, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde.

A Bahiafarma é informada que, com base em um parecer da Advogacia-Geral da União e da Controladoria-Geral da União, “comunicamos a suspensão da referida PDP do produto Insulina Humana Recombinante Regular e NPH, celebrada com a Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos e solicitamos manifestação formal da instituição pública quanto à referida decisão, no prazo improrrogável de dez dias úteis”.

O presidente da Bahiafarma e da Associação dos Laboratórios Oficiais do Brasil (Alfob), Ronaldo Dias, disse que os laboratórios já estão tratando as parcerias como suspensas. “Os ofícios dizem que temos direito de resposta, mas que a parceria acabou. Nunca os laboratórios foram pegos de surpresa dessa forma unilateral. Não há precedentes”, afirmou.

Consequências

O entendimento da associação de laboratórios é que a entrega de remédios já programada continua garantida. Isso significa que não deve haver interrupção imediata no fornecimento.

Segundo ele, a maior parte pretende fazer um questionamento jurídico. “A primeira medida que a gente pretende tomar é no âmbito judicial. Nossa linha deve ser alegar a arbitrariedade da forma que isso se deu.”

Já o representante de um laboratório de São Paulo, que falou com o Estado de S. Paulo sob a condição de não ter o nome divulgado, disse que a suspensão das parcerias vai criar um problema de saúde e afetar uma cadeia econômica “imensa”, expondo o Brasil à insegurança jurídica.

Ele cita como exemplo uma planta industrial no valor de R$ 500 milhões, construída em uma parceria de um laboratório privado com o Instituto Butantã e financiada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Essa planta toda fica obsoleta. Toda cadeia econômica está severamente afetada”, disse.

“Desmonte”

O presidente da Bahiafarma e da Associação dos Laboratórios Oficiais do Brasil (Alfob), Ronaldo Dias, vê retrocesso para a indústria nacional de medicamentos e um risco para a saúde de milhões de pacientes. O laboratório é um dos que tiveram seus contratos suspensos.

“É um verdadeiro desmonte de milhões de reais de investimentos que foram feitos pelos laboratórios ao longo dos anos, além de uma insegurança jurídica nos Estados e entes federativos. Os laboratórios não têm mais como investir a partir de agora. A insegurança que isso traz é o maior golpe da história dos laboratórios públicos.”

O representante do setor destaca que as Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs) também funcionam como um regulador de preço no mercado. Ele explica que a Bahiafarma, por exemplo, vende insulina a um preço três vezes menor que laboratórios estrangeiros.

Dias ressalta que um processo de compra de medicamento no Ministério da Saúde costuma demorar até 11 meses para ser concluído. Por isso, haveria até risco de desabastecimento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ver mais

Saúde

Semente de girassol versus de abóbora: qual é mais nutritiva?

Publicado

dia

Ambas as sementes caem bem como petiscos saudáveis. Mas quais os benefícios de cada uma?

Qual delas você prefere? (Foto: Ratmaner/Getty Images)

Está em busca de petiscos saudáveis? Então pode colocar tanto a semente de girassol como a de abóbora no rol de opções, até porque cada uma tem seus atrativos.

Segundo a nutricionista Bruna Burti, de São Paulo, a de abóbora apresenta teor interessante de fibras, que geram saciedade, aceleram o trânsito intestinal e ajudam a diminuir a absorção de carboidratos e gorduras – colaborando, assim, no emagrecimento e no controle da glicemia. Ainda exibe vitaminas A, E e do complexo B, além de potássio e ferro.

“Já a semente de girassol é ótima fonte de proteínas”, diz Bruna. Fora as vitaminas A e E, concentra magnésio e selênio. Embora oferte mais gordura, perceba que é majoritariamente da versão poli-insaturada. Segundo a nutricionista, esse tipo é capaz de auxiliar na redução dos níveis de colesterol ruim e triglicérides no sangue.

“Uma dica é consumi-las secas e torradas, como aperitivo”, orienta Bruna. De sabor neutro, também combinam com sopas, saladas, risotos, ovos mexidos… Aventure-se – e confira abaixo nossa comparação, nutriente por nutriente:

Energia

Abóbora: 44 calorias
Girassol: 57 calorias

Gorduras totais

Abóbora: 1,9 g
Girassol: 4,9 g

Gorduras poli insaturadas

Girassol: 3,2 g
Abóbora: 0,8 g

Proteínas

Girassol: 2,2 g
Abóbora: 1,8 g

Carboidratos

Girassol: 1,8 g
Abóbora: 5,3 g

Fibras

Abóbora: 3,5 g
Girassol: 0,6 g

Placar SAÚDE

Girassol 3 X 3 Abóbora

Os valores se referem a 10 gramas do alimento,o que corresponde a cerca de 1 ou 2 colheres de sopa

Fonte: Tabela de Composição de Alimentos, de Sonia Tucunduva Philippi

Ver mais

Saúde

Contra sarampo e febre amarela, EMTU e CPTM recebem campanha de vacinação

Publicado

dia

Ao longo da semana estações da CPTM e o Terminal São Mateus receberão profissionais da área da saúde que farão a aplicação das vacinas

O sarampo continua presente em diferentes regiões do mundo e com a circulação global de pessoas passou a representar um desafio para autoridades de saúde de diversos países, pelo risco potencial de importação e disseminação do vírus.

Mesmo em cidades como São Paulo, onde a doença não era registrada há anos, começaram a surgir novos casos de sarampo. Por conta disso, a CPTM e a EMTU recebem campanhas de vacinação contra sarampo e febre amarela na próxima semana.

Quem passar nesta semana pelo Terminal Metropolitano São Mateus, da EMTU, e pelas estações das linhas 7-Rubi, 8-Diamante e 9-Esmeralda, da CPTM, poderá se vacinar gratuitamente contra sarampo e febre amarela.

No Terminal São Mateus, a imunização acontecerá das 8h30 ao meio-dia, nesta segunda (15) e terça-feira (16). Serão vacinados passageiros com idades entre 15 e 59 anos. As doses aplicadas correspondem à vacina tríplice viral, que além de proteger contra sarampo previne também caxumba e rubéola. A ação é uma parceria da EMTU com a Unidade de Vigilância em Saúde de São Mateus.

Na CPTM, entre segunda e sexta-feira, das 16h às 20h, poderão receber a vacina tríplice viral pessoas com 15 a 29 anos de idade. Na segunda (15), quarta (17) e sexta-feira (19) a vacinação será nas estações Presidente Altino e Osasco, das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda.

Na terça (16) e na quinta-feira (18), haverá imunização nas estações Comandante Sampaio e Quitaúna, da Linha 8-Diamante. A ação é feita com o apoio da Prefeitura de Osasco.

Haverá ainda na quinta-feira, das 10h às 15h30, aplicação de doses da tríplice viral e da vacina contra a febre amarela na Estação Vila Aurora, da Linha 7-Rubi, em parceria com a Unidade Básica de Saúde Parque das Nações.

No dia 20, instituído pelo Governo do Estado como “Dia D da Imunização”, haverá vacinação na Estação Vila Aurora, da Linha 7-Rubi, das 9h às 16h, e nas estações São Miguel Paulista, Jardim Helena-Vila Mara e Jardim Romano, na Linha 12-Safira, das 10h às 16h.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, o avanço da doença foi de 300% no último ano. Os principais sintomas do sarampo são febre, tosse persistente, irritação ocular, coriza, mal estar intenso e congestão nasal.

Depois do surgimento desse quadro, também há o aparecimento de manchas avermelhadas no rosto, que podem passar para os pés e para a palma das mão.

*Com informações do repórter Renato Barcellos

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade