Nossa rede

Brasília

Saúde abre inscrições e vai selecionar 100 médicos para a rede pública

Publicado

dia

Interessados podem se registrar até o dia 24 de agosto; vagas são para preenchimento imediato

Estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado Emergencial da Secretaria de Saúde, que vai contratar 100 médicos de clínica médica para atuar na rede pública. Os profissionais atuarão na linha de frente no combate ao novo coronavírus Sars-CoV-2. Os interessados já podem se inscrever na página do Instituto AOCP, via internet, até as 23h59 do dia 24 de agosto.

Os profissionais contratados atuarão nos hospitais do Gama, de Planaltina, Sobradinho, da Região Leste, Ceilândia, Brazlândia, Asa Norte, Taguatinga e Ceilândia. O período inicial dos contratos dos aprovados é de 12 meses com possível prorrogação por igual período. Os profissionais atuarão com carga horária semanal de 20 horas cuja remuneração mensal é de R$ 6.327.

Todos os detalhes da contratação podem ser obtidos no Diário Oficial do Distrito Federal. Em caso de dúvidas, os candidatos podem enviar e-mail para gesp.sesdf@gmail.com. O resultado final do processo seletivo será divulgado em 2 de setembro no site da Secretaria de Saúde e no DODF.

“A Secretaria de Saúde tem envidado todos os esforços para garantir a assistência à população durante a pandemia. Diante disso, estamos realizando esse processo seletivo setorizado para médicos de clínica médica”, afirma a subsecretária de Gestão de Pessoas, Silene Almeida.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Brasília

Hran é referência em atendimento a pessoas com síndrome de Down

Publicado

dia

Por

Serviço contempla mais de 1,8 mil pacientes e familiares com acolhimento multidisciplinar, que deve ser agendado por telefone

Equipe do hospital atua com cerca de 30 profissionais

O Centro de Referência Interdisciplinar em Síndrome de Down (CrisDown) do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) é referência não apenas no Distrito Federal e região do entorno, mas para outros estados do país, no atendimento a pessoas com síndrome de Down. São cerca de dois mil pacientes cadastrados, contemplando desde gestantes que recebem o diagnóstico da trissomia do cromossomo 21 a outras faixas etárias de público.

Crianças de diferentes idades encontram acolhimento e serviço especializado no Hran | Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

Assim, bebês, crianças, adolescentes, adultos e idosos encontram atendimento humanizado e interdisciplinar no local. Segundo a coordenadora do CrisDown, a terapeuta Carolina Vale, o serviço atende atualmente 1.878 pacientes. A equipe possui em torno de 30 profissionais, entre fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, psicólogo, nutricionista, assistente social, geneticista, pediatra, cardiopediatra, neuropediatra e clínico geral.

A coordenadora do serviço explica que o trabalho é interdisciplinar e foi pensado assim para proporcionar um olhar integral aos pacientes: “O intuito do CrisDown, quando construímos o serviço, foi facilitar essa interlocução entre as áreas e evitar que os pacientes ficassem andando na rede em busca de atendimento com diversos profissionais”.

Um dos pacientes atendidos é o pequeno José Pedro, de 3 anos e 8 meses. Acompanhado da mãe, a professora Eliane Dourado, ele foi acolhido no serviço assim que nasceu e passa por sessões semanais de fisioterapia e terapia ocupacional, além de ter acompanhamento com o ortopedista e a pediatra. “A equipe é muito acolhedora e o atendimento é sempre muito humanizado. Os profissionais são muito comprometidos e solícitos com as nossas necessidades”, avalia Eliane.

A também professora Ana Lúcia Silva de Souza, mãe de Rafael, de 2 anos e 4 meses, leva o filho ao CrisDown desde quando ele tinha dois meses de vida e diz estar satisfeita com o acolhimento recebido. “Viemos participar de uma palestra e, desde então, ele está aqui sendo atendido. O desenvolvimento dele tem sido surpreendente. Ele já está andando, já fala algumas palavras”, comemora.

Pandemia

“Empoderamos as famílias para acreditar que é possível que no futuro esses pacientes se tornem pessoas capazes de desenvolver habilidades essenciais para autonomia e independência”Carolina Vale, coordenadora do CrisDown

Carolina Vale lembra que, com a pandemia, foi necessário repensar a forma de atendimento. “A gente precisava fazer alguma coisa, pois os pacientes tinham perdido muito em termos de desenvolvimento global – motor, cognitivo e de fala – e isso nos angustiava”, relata.

“São seis pacientes pela manhã e seis à tarde”, detalha a terapeuta. “Geralmente, os pais entram junto para acompanhar as atividades e poder auxiliar em casa, mas cada família fica distante, dentro da sala, seguindo os protocolos recomendados”. Mesmo com as dificuldades impostas pelo momento, diz Carolina, o serviço acolheu quase 100 pacientes em 2020.

O serviço

O CrisDown nasceu em 2013 e funcionou primeiramente na Unidade Básica de Saúde (UBS) da 905 Norte. Atualmente, o serviço está disponível no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), onde era a creche. A entrada é separada do hospital, proporcionando mais tranquilidade aos pacientes.

É preciso entrar em contato por WhatsApp (99448-0691) e agendar. “Antes era acolhimento aberto, era possível receber muitas pessoas. Hoje, em função da pandemia, isso mudou. Passamos a trabalhar com agendamento e atendemos três famílias às sextas pela manhã”, esclarece a coordenadora. Quando chegam ao CrisDown, as famílias conversam com a equipe. Após esse acolhimento, é feita a estratificação de risco.

Após essa etapa, explica a gestora, o paciente é classificado de acordo com o risco. “Os vermelhos [marcados com identificação dessa cor] possuem prioridade, e então é feito o agendamento de acordo com a necessidade”, explica.

“Aqui, investimos no presente para modificar o futuro. É preciso oferecer oportunidade e possibilidade para que [os pacientes] possam se desenvolver. Empoderamos as famílias para acreditar que sim, é possível que no futuro [esses pacientes] se tornem pessoas capazes de desenvolver habilidades essenciais para autonomia e independência”, salienta.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Ver mais

Brasília

Saúde disponibiliza 11.936 vagas para o reforço em pessoas imunossuprimidas

Publicado

dia

Por

Agendamento começa nesta quarta-feira, às 14h, e a vacinação a partir da próxima segunda-feira (27)

Começa nesta quarta-feira (22) o agendamento da dose de reforço contra covid-19 para pessoas com alto grau de imunossupressão. O agendamento deve ser feito no site vacina.saude.df.gov.br por aqueles que se enquadram nos critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde. A vacinação começará na próxima segunda-feira (27) e vai até sexta-feira (1º/10) em 19 pontos específicos que poderão ser escolhidos no ato do agendamento. Ao todo, serão disponibilizadas 11.936 vagas, e haverá aplicação das doses em todos os dias da próxima semana.

Antes de agendar, é necessário se cadastrar no mesmo site. Veja o passo a passo e os critérios para agendamento na arte abaixo:

Arte: Secretaria de Saúde do DF

O sistema irá reconhecer se quem preencheu faz tratamento no SUS. Neste caso, no cabeçalho do comprovante de agendamento constará a informação se é preciso, ou não, apresentar laudo médico. Serão aceitos laudos com validade de até seis meses.

Reforço

“A imunização desse grupo será por agendamento, pois, neste momento, o Ministério encaminhou doses apenas para a metade desse público. É necessário comprovar a situação de saúde. Estão aptos a tomar a dose de reforço todos aqueles acima de 18 anos que tenham tomado a segunda dose ou dose única há mais de 28 dias e que se enquadrem na descrição proposta pelo Ministério da Saúde”, destaca o diretor da Vigilância Epidemiológica, Fabiano dos Anjos.

A vacina a ser utilizada para a dose adicional deverá ser, preferencialmente, do laboratório Pfizer-BioNTech ou, de modo alternativo, do laboratório Janssen ou AstraZeneca.

*Com informações da Secretaria de Saúde do DF

Ver mais

Brasília

Vacinação de adolescentes de 13 anos e dose de reforço de idosos em ILPIs começam terça-feira (21)

Publicado

dia

Por

GDF decide manter a vacinação para os mais jovens com base em análises técnicas

O Governo do Distrito Federal começa a vacinar adolescentes de 13 anos a partir da próxima terça-feira (21). A decisão de manter a vacinação dos adolescentes foi tomada após análise técnica e criteriosa da Secretaria de Saúde sobre todas as manifestações favoráveis à vacinação desse público. Além disso, nesse mesmo dia começa a ser aplicada a dose de reforço nos idosos que vivem em Instituições de Longa Permanência (ILPIs), que foram os primeiros a serem vacinados contra a covid-19 no DF.

Adolescentes continuarão sendo vacinados contra a covid-19 no DF – Fotos: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

As instituições que respaldaram tecnicamente essa decisão foram o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Sociedade Brasileira de Imunizações, Sociedade Brasileira de Infectologia, a Sociedade Brasileira de Pediatria e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – órgão regulador que autorizou o uso da vacina contra a covid-19 do laboratório Pfizer-BioNTech para aplicação em adolescentes de 12 a 17 anos no país.

No DF, há 42.539 adolescentes com 13 anos. Quanto aos idosos que vivem em ILPIs, 1.090 já receberam duas doses de vacina e estão aptos a receber a dose de reforço.

Arte: Rômulo Campos

Até o momento, o DF já vacinou 2.124.079 pessoas com a primeira dose, 1.032.661 com a segunda dose e 56.964 com a dose única. Considerando o público adolescente, já foram vacinadas 116.174 pessoas.

Os pontos de vacinação para os adolescentes de 13 anos serão divulgados na segunda-feira (20).

Ver mais

Brasília

Renova-DF abre vagas para cursos de qualificação profissional; bolsa é de R$1,1 mil

Publicado

dia

Por

São 1,5 mil oportunidades para formação em auxiliar de manutenção. Inscrições devem ser feitas a partir desta terça-feira (21); veja como participar.

GDF abre 1,5 mil vagas para programa Renova-DF — Foto: Setrab/Divulgação

A Secretaria de Trabalho do Distrito Federal abriu 1,5 mil vagas para o curso de auxiliar de manutenção no Programa de Qualificação Profissional e Renovação de Equipamentos Públicos (Renova-DF). As inscrições devem ser feitas a partir desta terça-feira (21), pela internet. O prazo vai até sexta (24).

A publicação está no Diário Oficial (DODF) desta segunda-feira (20) e prevê outras 500 vagas para cadastro reserva. Os candidatos selecionados terão direito a um auxílio no valor de um salário mínimo (R$ 1,1 mil).

benefício é pago ao fim do curso, além do auxílio-transporte e seguro contra acidentes pessoais. Para a seleção, segundo o edital, serão avaliados critérios como a condição socioeconômica do inscrito.

Durante a formação, os estudantes vão aprender noções de diferentes profissões, como:

  • carpinteiro
  • jardineiro
  • eletricista
  • encanador
  • serralheiro
  • pedreiro

Os alunos também têm direito a um certificado, autenticado pela entidade qualificadora e pela Secretaria de Trabalho. O curso profissionalizante tem duração mínima de 80 horas, distribuídas em até 20 horas semanais, com início previsto para 5 de outubro.

Quem pode participar

Para participar do programa, o candidato deve atender aos seguintes requisitos:

  • Ser pessoa física, brasileiro nato ou naturalizado, ou estrangeiro em situação regular no país, que esteja desempregado em busca de nova qualificação e/ou requalificação na área da construção civil
  • Ser maior de 18 anos
  • Comprovar situação de desemprego (validação será realizada pela SETRAB)
  • Comprovar residência no Distrito Federal

Quanto às vagas, 90% serão destinadas para aqueles que realizarem o cadastro e cumprirem os requisitos de participação, obedecendo a ordem de classificação.

Do restante, 5% das vagas serão destinadas a detentos do Sistema Prisional do DF que cumprem regime semi-aberto e aberto, e os outros 5% para programas, acordos e projetos de outros entes junto à Secretaria de Trabalho.

As atividades, segundo o edital, serão desenvolvidas nas regiões administrativas, utilizando os equipamentos públicos, como quadras poliesportivas, praças, parquinhos infantis, parques e pontos de encontro comunitário, para as aulas práticas.

Resultados

resultado final da seleção e a convocação dos selecionados para o início das atividades serão divulgados no site da pasta, a partir do dia 28 de setembro.

Os candidatos selecionados deverão comparecer a uma das Agências do Trabalhador entre os dias 29 de setembro e 1º de outubro, das 8h às 17h, para apresentar os documentos comprobatórios originais, a seguir, para análise e comprovação dos requisitos de participação.

 

Ver mais

Brasília

Com 10% de umidade do ar, DF entra em alerta vermelho

Publicado

dia

Por

Registro foi feito em uma estação do Inmet do Gama no domingo (19) acompanhado de termômetros marcando mais de 30º. Atenção às dicas da Defesa Civil

A situação crítica favorece também a ocorrência de incêndios. A queimada de lixo ou qualquer atividade com fogo merece atenção | Fotos Joel Rodrigues/ Agência Brasília

O Distrito Federal está em estado vermelho com relação à baixa umidade do ar. Isso significa que a região entrou no estado de emergência, depois de apresentar níveis críticos, como o índice de 10º registrado no Gama, neste domingo (19). O alerta é do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

O alerta somente é emitido quando a umidade do ar fica abaixo de 12%. Nessa situação, existe grande risco de ocorrências de incêndios florestais. Também é preciso redobrar os cuidados com a saúde porque aumentam os riscos de doenças respiratórias e das pessoas apresentarem dores de cabeça, sangramento do nariz e secura nos olhos, entre outros problemas.

Apesar de parecer pior do que nos anos anteriores, o chefe da Defesa Civil do DF em exercício, tenente coronel do Corpo de Bombeiros Rossano Bohnert, garante que a baixa umidade e o calor são semelhantes e comuns neste período de final da seca.

Valem as dicas de sempre: hidratação constante, evitando a prática de esportes e a exposição ao sol nos períodos mais críticos do dia – além de uma alimentação mais balanceada

Enquanto isso, valem as dicas de sempre: hidratação constante, evitando a prática de esportes e a exposição ao sol nos períodos mais críticos do dia – além de atenção a uma alimentação mais balanceada, sempre que possível. “Sabemos que o consumo de alimentos leves, como saladas, frutas e legumes, ajuda na digestão e dá mais disposição para suportar o calor e ar mais rarefeito”, explica Bohnert.

O Inmet prevê chuvas para a próxima semana, o que ainda não está confirmado.

Primavera

Nesta quarta-feira (22), começa oficialmente a primavera. As chuvas esperadas na estação trazem o clima mais ameno, que caracteriza o período. “Por enquanto, o clima deve continuar do mesmo jeito até quarta-feira (21). Vai predominar o calorzão e a secura. Só teremos possibilidade de chuvas lá para quinta-feira (23)”, explica a metereologista Naiane Araújo, do Inmet.

Com a temperatura máxima passando da casa dos 30º e a baixa umidade do ar, na capital federal, é importante que a população redobre os cuidados. A cartilha que o brasiliense não pode esquecer indica que é preciso beber bastante líquidos, evitar a exposição ao sol nas horas mais quentes do dia, usar hidratante na pele e procurar umidificar o ambiente.

A situação crítica favorece também a ocorrência de incêndios. A queimada de lixo ou qualquer atividade com fogo merece atenção. Os fumantes devem ter o cuidado de não jogar no chão as bitucas de cigarro. Esse hábito torna-se muito perigoso, principalmente nas margens de vias e rodovias. Qualquer pessoa que observar um foco de incêndio deve comunicar ao Corpo de Bombeiros, pelo número 193.

Mensagens de alerta

A Defesa Civil, da Secretaria de Segurança Pública do DF, faz o monitoramento dos alertas emitidos pelo Inmet. O órgão, então, envia mensagens advertindo sobre o tempo e a prevenção de riscos para os moradores cadastrados.

Para se cadastrar no serviços de alerta da Defesa Civil, o interessado deve enviar uma mensagem de texto para o número 40199, com o Código de Endereçamento Postal (CEP) da região.

Ver mais

Brasília

Comitê de revisão do Pdot tem primeira reunião na quinta (23)

Publicado

dia

Por

Encontro será para instalação definitiva das 28 entidades da sociedade civil que participarão da revisão da lei

A primeira reunião oficial com todos os integrantes do Comitê de Gestão Participativa (CGP) da revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (Pdot) será nesta quinta-feira (23), a partir das 14h. O chamamento com a lista completa dos participantes foi publicado na edição de segunda-feira (20) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

“O objetivo da reunião é apresentar um resumo do que foi feito até agora na leitura técnica do Pdot, atualizando os representantes da sociedade civil e ouvindo o que eles têm a dizer”Eneida Aviani, coordenadora de Política Urbana da Seduh

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) convocou as 28 entidades da sociedade civil eleitas para ingressarem no comitê, que faz parte da estrutura do processo participativo da revisão do Pdot.

Em respeito às medidas impostas durante a pandemia, o encontro será promovido de forma virtual, neste link. O acesso será disponibilizado apenas no dia, por meio da plataforma virtual Seduh Meeting, sendo aberto somente aos representantes legais das entidades homologadas.

A primeira reunião será para a instalação definitiva das 28 instituições que representam a sociedade civil organizada no planejamento e gestão do território do DF, no âmbito do processo de revisão do Pdot. Será apresentado aos participantes o andamento desse processo, além do cronograma dos próximos encontros, entre outros assuntos.

“O objetivo da reunião do CGP é apresentar um resumo do que foi feito até agora na leitura técnica do Pdot, sobre os maiores desafios enfrentados no DF, atualizando os representantes da sociedade civil e ouvindo o que eles têm a dizer”, informou a coordenadora de Política Urbana da Seduh, Eneida Aviani.

A reunião será virtual, pela plataforma Seduh Meeting, com acesso restrito aos representantes legais das entidades homologadas | Foto: Divulgação/Seduh

“Com isso, daremos início à gestão participativa do plano diretor, com cada entidade tendo a chance de representar seu segmento”, completou a coordenadora.

Diálogo ativo

Para a secretária executiva de Planejamento e Preservação (Seplan), Giselle Moll, o CGP é mais um canal para manter o diálogo ativo com a sociedade civil organizada e incorporar as demandas da população no processo de revisão do Pdot.

“Buscamos trabalhar em conjunto com o comitê, que será fundamental para balizar todas as nossas reuniões públicas, como também as nossas propostas para o Pdot”, afirmou a secretária executiva.

Ao todo, o comitê é formado por membros de movimentos sociais e coletivos, representantes de organizações não governamentais (ONGs) e de entidades da sociedade civil, membros de cooperativas e associações, representantes do setor empresarial, representantes para as profissões de produtores rurais e arquitetura e urbanismo, membros do conselho de classe profissional e membros de entidades acadêmicas e de pesquisa.

“Trata-se de uma construção conjunta entre o governo e a sociedade. Por isso que o CGP foi criado”Giselle Moll, secretária executiva de Planejamento e Preservação (Seplan)

Processo

O processo de seleção do CGP iniciou em agosto de 2020, quando a Seduh abriu o primeiro edital de chamamento público para inscrição de entidades e instituições representativas da sociedade civil, no portal do Pdot.

O comitê foi criado por meio do Decreto n° 41.004/2020 e compõe a estrutura de governança e gestão participativa do processo de revisão da Lei Complementar nº 803, de 25 de abril de 2009, que aprovou o Plano Diretor de Ordenamento Territorial.

“Trata-se de uma construção conjunta entre o governo e a sociedade. Por isso que o CGP foi criado”, ressaltou Giselle Moll.

Outras possibilidades

Além do CGP, existem outras formas de participação da sociedade na revisão do Pdot. Entre elas, as audiências públicas e as reuniões livres. Essas últimas podem ser organizadas pelos próprios cidadãos, para debater um ou mais eixos temáticos do Plano Diretor e apresentar propostas.

Outra possibilidade são as Oficinas Temáticas, que serão promovidas pela Seduh em todos os sábados de outubro em uma região administrativa diferente, para debater o planejamento territorial.

Na visão da coordenadora Eneida Aviani, uma das principais melhorias trazidas pela atual gestão para avançar os processos foi na integração dos instrumentos da Lei Federal n° 13.465 à legislação do DF, realizada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh).

*Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação do DF

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade
Publicidade

Viu isso?