Nossa rede

Brasília

Dieta cetogênica para diabetes e obesidade: mais entusiasmo que evidência?

Publicado

dia

Um artigo de opinião escrito por especialistas em uma revista científica famosa faz ponderações sobre a restrição extrema de carboidratos desse cardápio

A valorização de fontes de gordura em detrimento das de carboidrato é um dos pontos da dieta cetogênica. (Foto: Dulla/SAÚDE é Vital)

Recentemente, um artigo de opinião publicado no periódico científico JAMA (Journal of the American Medical Association) aqueceu a discussão sobre a dieta cetogênica. Assinado por médicos da Escola de Medicina de Nova York, nos Estados Unidos, o texto questiona o papel dessa alimentação — marcada por uma redução drástica no consumo de carboidratos e um aumento no de gorduras e proteínas — para tratar a obesidade e o diabetes.

Esse plano alimentar, já usado para tratar alguns tipos de epilepsia, caiu nas graças de certos indivíduos em busca da perda de peso. Embora o corte de carboidratos seja uma prática relativamente frequente (e controversa) em regimes de emagrecimento, na dieta cetogênica essa restrição é mais acentuada. Nela, a concentração do nutriente não passa de 10% das calorias diárias. Em uma alimentação balanceada, o mesmo número fica em cerca de 50% — cinco vezes mais, portanto.

Para quem tem diabetes tipo 2 e precisa controlar os níveis de glicose em circulação, parece uma saída lógica praticamente excluir do prato as fontes de carboidrato. Ora, essa substância se converte facilmente em glicose no organismo.

Já para quem deseja afinar a cintura, ficar longe de um nutriente que concentra calorias também parece fazer sentido, não? E alguns estudos realmente sugerem que a dieta cetogênica está associada a perda de peso e redução na glicemia.

Mas o que os autores daquele artigo questionam é se esse padrão de alimentação em si que promove tais benefícios. “Qualquer plano é efetivo quando reduz a ingestão de calorias. A cetogênica não é diferente. O que devemos perguntar é se ela é sustentável e promove saúde em longo prazo”, ponderam os experts no texto.

Dieta cetogênica para o diabetes

De acordo com o artigo americano, as evidências sobre o assunto não são definitivas. O estudo mais robusto, do ano passado, de fato mostra um grau considerável de remissão do diabetes tipo 2 em pessoas que reduziram o consumo de carboidratos durante um ano. Algumas inclusive pararam de usar insulina. Contudo, tais descobertas podem estar enviesadas.

“Era um estudo aberto, sem um grupo adotando outra estratégia para servir de comparação, e que reuniu indivíduos interessados em fazer a dieta”, comenta Bruno Halpern, endocrinologista e coordenador do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). Ou seja, as pessoas já estavam dispostas a aderir a um programa de restrição calórica — e o método não foi comparado com outros regimes alimentares.

No geral, o que parece importar mais para controlar a doença é justamente comer menos calorias do que antes. E, claro, maneirar especificamente em fontes de carboidrato refinado (arroz, massas e pães brancos, refrigerantes, doces etc), que fazem a glicemia disparar mais rapidamente. Ainda assim, esses itens não estão proibidos.

“A dieta cetogênica pode ser uma opção viável para o emagrecimento rápido, que controle o diabetes logo após o diagnóstico. Mas, se ela é interrompida, há um risco de o peso voltar a subir e a glicemia descompensar”, destaca Halpern.

E para emagrecer no longo prazo, ela funciona?

A ideia é que, ao cortar os carboidratos, o corpo passe a usar outras fontes de energia, especialmente as gorduras acumuladas no tecido adiposo. Aliás, esse processo de quebra de gordura para fabricar glicose gera os chamados corpos cetônicos, que aplacariam a fome. São essas moléculas que fizeram esse padrão alimentar ganhar o nome de “cetogênico”.

Mas a eficácia dessa dieta para o emagrecimento é outro ponto abordado no artigo americano. Seus autores citam uma revisão de 13 pesquisas com acompanhamento mínimo de um ano que comparou a eficácia da cetogênica com outras dietas. Resultado: a restrição severa de carboidratos até gerou uma maior perda de peso, mas que não passou de um quilo.

“Essa variação, apesar de significativa do ponto de vista estatístico, pode não ser relevante para a prática clínica”, pontuam os especialistas no texto publicado no JAMA.

Ou seja, é provável que a cetogênica emagreça mais em virtude da redução calórica acentuada. Só que, depois de um tempo, a balança tende a estacionar.

“Isso ocorre em qualquer dieta restritiva, porque o organismo entende que há falta de alimentos no ambiente e passa a economizar calorias”, destaca Mario Kedhi Carra, endocrinologista e presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, a Abeso.

Além disso tudo, o mais desafiador talvez seja sustentar um padrão alimentar cetogênico no médio e longo prazo. Veja: esse tipo de cardápio praticamente elimina arroz, macarrão, pão, batata, diversas frutas e outros alimentos comuns. Esse ataque a vários grupos alimentares nos leva aos efeitos negativos da dieta cetogênica.

Riscos em longo prazo

Por um lado, praticamente todos os especialistas concordam que carboidratos refinados devem ser ingeridos com muita moderação pelo elo com o ganho de peso e outros problemas. Por outro, uma restrição tão severa de carboidratos em geral costuma vir acompanhada da exclusão de itens que fazem bem para a saúde, como os cereais integrais e as frutas.

Aí, o corpo pode sentir falta de fibras, vitaminas e minerais.

O teor de gorduras ingeridas — que chega a 90% — também merece ser debatido. Para atingir esse patamar, frequentemente é preciso comer mais gorduras saturadas, que aumentam as taxas de colesterol LDL e estão associadas a infarto e AVC.

“Por isso, qualquer intervenção do tipo deve ser sempre feita sob orientação médica e nutricional, e só em situações específicas”, destaca Carra.
Para os diabéticos, isso é ainda mais importante. Se o aumento da glicose no sangue faz mal, sua queda brusca também é perigosa, disparando quadros de hipoglicemia. Logo, alterações no cardápio demandam uma supervisão dos profissionais, inclusive para ajustar as doses dos medicamentos.

Ainda não há estudos conhecidos analisando a mortalidade e o risco cardiovascular de quem adere à dieta cetogênica, mas o artigo do JAMA cita outras reações adversas já relatadas na literatura científica: constipação, halitose, dores de cabeça, fraturas ósseas, diarreia e “múltiplas deficiências de vitaminas e minerais”.

Moral da história

“Creio que o objetivo desse artigo é alertar as pessoas de que a dieta cetogênica não é uma solução para tudo”, comenta Halpern.
Carra completa o raciocínio: “Não sou contra esse plano alimentar. Eu creio que ele possa ter suas indicações, mas é algo que exige cuidado e estratégias de manutenção para quando a restrição acabar”, palpita Carra.

Resumindo, pode ser que esse regime funcione para uma ou outra pessoa (principalmente nos primeiros meses), mas não dá para dizer que ele supera qualquer outra intervenção nutricional que resulte em déficits calóricos quando o assunto é o combate ao diabetes tipo 2 e à obesidade. Assim como não dá para bater o martelo sobre sua segurança em longo prazo.

“Embora tenha ganhando atenção nesse departamento nos últimos anos, a evidência suportando seu uso atual é limitada, e os potenciais riscos da dieta são reais”, concluem os autores americanos.

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Brasília

Faixas exclusivas garantem viagens mais rápidas aos passageiros

Publicado

dia

Por

Com 150 km de corredores só para ônibus o DF incentiva o uso do transporte coletivo

A implantação de corredores exclusivos para ônibus é uma importante política para priorizar o transporte público nas grandes cidades. Para incentivar o uso de coletivos e melhorar a mobilidade urbana, a Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob), juntamente com outros órgãos do GDF, tem atuado para ampliar esse serviço em rodovias e em vias urbanas, trazendo ganho de eficiência operacional e, principalmente, otimizando o tempo de viagem para os passageiros.

A faixa exclusiva da EPNB foi a primeira a ser criada no DF, em dezembro de 2011. Com 22 quilômetros de extensão, representa economia de 20 minutos para os passageiros de 95 linhas de ônibus. Por ela passam diariamente cerca de 480 ônibus.

Com os corredores exclusivos do transporte público, ganham os passageiros que utilizam os ônibus e também os demais motoristas, pois os coletivos deixam de circular entre outros veículos. “Além de fluir o trânsito, as faixas exclusivas beneficiam o usuário de ônibus, possibilitando viagens mais rápidas e confortáveis. Assim, o cidadão ganha mais tempo pra ficar com a família antes de sair de casa e pode retornar um pouco mais cedo, aumentando a sua qualidade de vida”, disse o secretário da Semob, Valter Casimiro.

Atualmente, as faixas exclusivas no DF somam mais de 150 quilômetros de extensão: 24 Km na Estrada Parque Taguatinga (EPTG); 55,6 Km na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia) nos dois sentidos do corredor do BRT Sul; 22 Km na Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB); 26 Km nos dois lados das W3 Sul e Norte; 3,2 Km na Estrada Setor Policial Militar (ESPM) e 15 Km no Eixo Monumental, somando as vias S1 e N1.

Conheça cada via

A faixa exclusiva da EPNB foi a primeira a ser criada no DF, em dezembro de 2011. Com 22 quilômetros de extensão, representa economia de 20 minutos para os passageiros de 95 linhas de ônibus. Por ela passam diariamente cerca de 480 ônibus.

Em 2012, outra via importante do DF ganhou seu corredor exclusivo: a EPTG. A faixa começou a funcionar em 31 de janeiro daquele ano, mas utilizada somente por 11 linhas semiexpressas, de forma que os passageiros só podiam embarcar e desembarcar nas cidades de origem e não na EPTG, já que os ônibus dessas linhas não paravam ao longo da via.

Em 2019, os coletivos de linhas convencionais passaram a circular, de forma provisória, nas faixas exclusivas da EPTG no sentido inverso ao dos demais veículos nos horários de pico. A medida temporária foi tomada para contornar o problema da falta de ônibus sem portas do lado esquerdo.

Por determinação da Semob, as operadoras adquiriram os coletivos com portas de acesso dos dois lados, que começaram a operar em janeiro de 2020. A medida facilitou a vida dos passageiros e garantiu segurança na hora de embarcar ou descer dos ônibus.

Atualmente, 238 veículos de 63 linhas passam pelo corredor da EPTG (incluindo as semiexpressas), beneficiando os passageiros que saem de Taguatinga, Ceilândia, Samambaia e Recanto das Emas para a Rodoviária do Plano Piloto e W3 Sul e Norte. Esses usuários ganharam, em média, 30 minutos no tempo de viagem – somando o trajeto de ida e volta.

As faixas exclusivas das vias W3 Sul e Norte e do Setor Policial Sul (ESPM) também foram implementadas em 2012. As duas primeiras possuem 14 e 12 quilômetros de extensão, respectivamente, o que representa uma economia de 10 minutos para os passageiros, enquanto a da ESPM possui 3,5 quilômetros, significando a redução de 5 minutos no tempo das viagens de ônibus. Juntos, esses corredores facilitam o deslocamento dos ônibus de 284 linhas. Mais de 1.350 veículos passam por esses corredores.

Por sua vez, os passageiros de Gama e de Santa Maria passaram a usufruir do corredor exclusivo do BRT Sul em junho de 2014 na EPIA, quando começou a operação do sistema ligando as duas regiões ao Plano Piloto. A média de economia das viagens é de 20 minutos, ida e volta. São mais de 55 km de faixas, por onde passam 138 ônibus diariamente.

A via exclusiva mais recente foi implantada em dezembro de 2020, no Eixo Monumental, visando dar mais rapidez às mais de duas mil viagens de ônibus que passam pela via, beneficiando mais de 160 mil passageiros. A exclusividade funciona na via S1, sentido Cruzeiro-Esplanada dos Ministérios, e na N1, sentido Congresso Nacional-Setor Militar Urbano (SMU). Cada lado do corredor tem 7,5 quilômetros.

Mais investimentos

Atualmente, as faixas exclusivas no DF somam mais de 150 quilômetros de extensão: 24 Km na Estrada Parque Taguatinga (EPTG); 55,6 Km na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (EPIA) nos dois sentidos do corredor do BRT Sul; 22 Km na Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB); 26 Km nos dois lados das W3 Sul e Norte; 3,2 Km na Estrada Setor Policial Militar (ESPM) e 15 Km no Eixo Monumental, somando as vias S1 e N1 | Foto: Renato Alves /Agência Brasília

Em junho deste ano, o GDF anunciou um pacote de obras para o chamado Corredor Eixo Oeste, que interliga Sol Nascente/Pôr do Sol, Ceilândia, Taguatinga, Vicente Pires, Guará, Sudoeste e a Asa Sul, no Plano Piloto. São previstos R$ 500 milhões em investimentos para viabilizar um corredor exclusivo de ônibus entre essas regiões.

O Corredor Eixo Oeste será uma conexão de aproximadamente 30 quilômetros de extensão entre o Sol Nascente e a área central do Plano Piloto, passando pelas avenidas Hélio Prates e Comercial Norte, centro de Taguatinga e EPTG, e se desmembrando em duas: a EPIG e a ESPM.

Prioridade

Para o secretário Valter Casimiro, a implantação de políticas que privilegiam o transporte público é uma medida que visa também atrair novos passageiros. “O incentivo por trocar o uso do automóvel pelo transporte coletivo, bem como por modos não-motorizados, é uma das diretrizes de política urbana para melhoria da mobilidade. Faixas exclusivas para ônibus, implantação de ciclovias e aumento das áreas para pedestres são cruciais para seguirmos esse norte”, completa.

A priorização do transporte público coletivo ao individual está prevista tanto na Lei Federal 12.587/2012, que instituiu a Política Nacional de Mobilidade Urbana, quanto, no âmbito distrital, pelo Plano Diretor de Transporte Urbano, o PDTU, estabelecido pela Lei 4.566/2011.

Na norma local, inclusive, há expressamente a previsão de se implantar as faixas exclusivas como forma de incentivar o deslocamento por ônibus.

* Com informações da Semob

Ver mais

Brasília

Novas inscrições para castração de cães e gatos

Publicado

dia

Por

Campanha acontece nos dias 23 e 24 de setembro. O resultado sai no dia 30 deste mês

O Instituto Brasília Ambiental realiza, nos dias 23 e 24 de setembro, as inscrições do cadastramento para a 4ª campanha de castração de cães e gatos de 2021.

Desta vez, as cirurgias serão realizadas nas clínicas Coração Peludinho, localizada no Gama; Clínica Dr. Juzo, em Samambaia; Clínica PedAdote, no Paranoá; e Animais Hospital Veterinário, em Ceilândia. A expectativa é de que sejam atendidos cinco mil animais do Distrito Federal.

De acordo com o cronograma (abaixo), as inscrições devem acontecer com base na espécie e no sexo do animal. Na quinta-feira (23) serão realizados os cadastros de cadelas e cães, enquanto na sexta-feira (24) gatas e gatos devem ser os cadastrados.

23/9/21 – período matutino – a partir das 10h – Vagas somente para cadelas

23/9/21 – período vespertino – a partir das 14h – Vagas somente para cachorros

24/9/21 – período matutino – a partir das 10h – Vagas somente para gatas

24/9/21 – período vespertino – a partir das 14h – Vagas somente para gatos

O quantitativo de vagas será distribuído da seguinte forma: 1.069 cadelas, 1.129 cachorros, 1.494 gatas e 1.308 gatos. Os tutores interessados em participar da campanha deverão ler atentamente as regras antes de efetuar o cadastro.

Confira aqui as regras da campanha.

Planejamento

O resultado do cadastro e as datas dos atendimentos serão publicados até o dia 30 de setembro, também no site do Brasília Ambiental.

As cirurgias ocorrerão entre os dias 1º de outubro e 26 de novembro, na clínica escolhida pelo responsável no ato do cadastro. Acesse aqui as orientações de cada unidade veterinária para o dia da cirurgia do animal.

Programa de Castração de Cães e Gatos do Brasília Ambiental, que existe desde 2017, faz parte do planejamento estratégico e do Plano Plurianual vigente no órgão, com metas pactuadas.

Esta é a quarta edição da campanha no ano de 2021, visto que as outras oportunidades de cadastramento aconteceram nos meses de janeiro, fevereiro e junho deste ano.

Para dúvidas sobre o programa de castração entre em contato pelo e-mail fauna@ibram.df.gov.br.

* Com informações do Brasília Ambiental

Ver mais

Brasília

Taguaparque recebe a Semana Nacional de Trânsito

Publicado

dia

Por

Neste domingo, o DER-DF reuniu aproximadamente 600 pessoas e contou com a parceria da PMDF e da PRF

Em razão da Semana Nacional de Trânsito 2021, que acontece anualmente entre os dias 18 e 25 de setembro, a Diretoria de Educação de Trânsito do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER/DF) realizou ontem (19) uma grande ação educativa no Taguaparque, em Taguatinga. A campanha aconteceu entre 9h e 12h e contou com a parceria da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Batalhão de Polícia Rodoviária da Polícia Militar do Distrito Federal (BPRv / PMDF).

Aproximadamente 600 pessoas foram abordadas e orientadas sobre o tema deste ano, que é “No trânsito, sua responsabilidade salva vidas” | Foto: divulgação / Detran-DF

As ações educativas incluíram atividades lúdicas para as crianças com a temática trânsito, circuito com carrinhos elétricos, apresentação de cães da PRF, exposição de viaturas e equipamentos de fiscalização de trânsito e atividades de conscientização de trânsito para os adultos. Aproximadamente 600 pessoas foram abordadas e orientadas sobre o tema deste ano, que é “No trânsito, sua responsabilidade salva vidas”.

Segundo a diretora de Educação de Trânsito do DER/DF, Jucianne Nogueira, o objetivo da ação é aproximar a sociedade dos órgãos de fiscalização. “O intuito é que a população contribua juntamente com os órgãos competentes para a obtenção de um trânsito mais seguro”, destacou.

O diretor-geral do DER/DF, Fauzi Nacfur Júnior acompanhou toda a ação. “Todas essas campanhas que nossa Diretoria de Educação promove, junto com nossa Diretoria de Fiscalização, são essenciais para fazerem do trânsito da nossa cidade mais seguro. E quando essas atividades são conjuntas com outros órgãos, como a PM e a PRF, o trabalho é muito mais satisfatório”, comentou o diretor.

Próximas ações

Na manhã de hoje, 20, entre 9h30 e 11h, condutores de veículos leves que passavam pela Estrada Parque das Nações (DF-004) foram orientados sobre comportamentos seguros no trânsito.

Amanhã (21) será a vez dos pedestres receberem orientações. A ação será na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (DF-003), na passarela em frente à Candangolândia, entre 8h e 10h30.

Já na quarta-feira (22), entre 15h e 19h, os ciclistas que trafegam pela DF-480, no Gama, serão abordados para receberem informações sobre como trafegar em segurança.

No dia 23, quinta-feira, o alvo são os motociclistas da DF-015, no Paranoá. E, por fim, na sexta-feira (24) os motoristas de transporte coletivo serão ministrados sobre como manter uma direção responsável. Esta última ação será na Rodoviária do Plano Piloto, entre 9h e 11h.

* Com informações do DER-DF

Ver mais

Brasília

Após perder voo, passageiro agride e xinga funcionária da Gol, no Aeroporto de Brasília

Publicado

dia

Por

Fábio Sousa de Oliveira é auditor fiscal e fazia conexão para Rio de Janeiro, na última quarta-feira (15). Servidor foi detido pela PF e deve responder por lesão corporal e injúria; G1 não localizou defesa.

Aeroporto de Brasília — Foto: Inframérica/Divulgação

Um passageiro foi detido no Aeroporto Internacional de Brasília suspeito de agredir e xingar a funcionária de uma companhia aérea, na última quarta-feira (15). Segundo testemunhas, o auditor fiscal da Secretaria de Fazenda Fábio Sousa de Oliveira, de 40 anos, “se irritou” após perder o voo de Brasília para o Rio de Janeiro.

O boletim de ocorrência registrado na 10ª Delegacia de Polícia, no Lago Sul, cita que o homem “supostamente agrediu física, moral e emocionalmente” uma mulher de 26 anos. A vítima é funcionária da Gol Linhas Aéreas e diz ter sido empurrada (leia mais abaixo nota da companhia).

De acordo com a Polícia Civil, a vítima também prestou depoimento na delegacia. O homem foi liberado depois de assinar um termo circunstanciado, em que assumiu o compromisso de comparecer ao Juizado Especial, quando intimado.

servidor público deve responder por lesão corporal e injúria.

Detido no embarque

O incidente ocorreu por volta das 21h, no portão 5 do embarque doméstico. A Polícia Federal abordou Fábio dentro de um ônibus, que se deslocava em direção a outra aeronave. Segundo a polícia, não houve resistência.

A Secretaria de Fazenda do RJ confirmou à reportagem que Fábio Sousa de Oliveira é auditor fiscal e servidor da pasta. No entanto, “não estava no exercício de sua função”, no momento do ocorrido.

Ver mais

Brasília

Museu de Arte de Brasília exibe arte urbana do Irã

Publicado

dia

Por

São 28 registros que a fotógrafa paulistana Maristela Acquaviva produziu em espaços públicos da capital Teerã em 2018

O Museu de Arte de Brasília (MAB) exibe, a partir desta sexta-feira (17), a mostra de fotos “Arte Urbana no Irã”. São 28 registros que a fotógrafa paulistana Maristela Acquaviva produziu em espaços públicos da capital Teerã em 2018, numa estada de dez dias a convite da Embaixada do Brasil naquele país, em cooperação com o governo local.

A exposição foi montada no primeiro pavimento e pode ser visitada diariamente, exceto às terças, até as 21h.

“As fotos investigam a prática centenária de arte pública no Irã, desde os mosaicos de azulejos do século 18, passando pelos monumentos e painéis erigidos pela monarquia e pela república islâmica no século 20, chegando a manifestações contemporâneas de ‘street art’, com seus grafites e intervenções nos muros da cidade. Revelam uma face do Irã completamente desconhecida do Ocidente”, explica o gerente do espaço da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), Marcelo Gonczarowska, que divide a curadoria da exposição com o colega do MAB Fred Hudson.

A exposição, que também registra belas esculturas, usa parte do material fotográfico de um livro, “Street Art”, numa edição particular que não será comercializada.

Um fotógrafo iraniano, Maziar Kabiri, registrou, em contraponto, imagens da arte de rua na cidade de São Paulo, onde o grafite também se destaca em meio a outras formas de arte em espaços públicos.

“Duas grandes cidades, distantes geograficamente, porém unidas pela popularização da cultura que contribui para torná-las mais atraentes”, diz o texto de apresentação.

Parceria

Esta já é a segunda iniciativa de cooperação cultural entre Irã e a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF durante a gestão. Em 2019, o grupo musical iraniano Navaye Mehr Band esteve no Centro Cultural Três Poderes e no Complexo Cultural Samambaia, que recebeu estudantes de escolas públicas do DF para curtir a apresentação.

Início: 17/09/2021 (sexta-feira)

Local: Galeria do primeiro pavimento do Museu de Arte de Brasília (MAB)

Endereço: SHTN, trecho 01, projeto Orla polo 03, Lote 05, CEP: 70800-200 Brasília – DF

Funcionamento: todos os dias, menos terças-feiras, de 9h a 21h

Entrada gratuita

Classificação livre

Não é necessário agendar a visita

Telefone: 3306-1375

Instagram: @museudeartedebrasília

* Com informações da Secec

Ver mais

Brasília

Sai o edital para a regularização da URB 05, em Arniqueira

Publicado

dia

Por

Esta é a terceira convocação de venda direta da área; propostas serão aceitas até 18 de outubro 

Famílias que optarem por pagamento à vista terão 25% de desconto

A Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) publicou, nesta sexta-feira (17), o último edital da URB 005 do Setor Habitacional Arniqueira. Esta é a terceira convocação de venda direta da área, localizada nos antigos conjuntos 5 e 6 da Região Administrativa. Desta vez, são 158 imóveis contemplados. Os ocupantes têm até 18 de outubro para apresentar a proposta de compra do terreno. A publicação já está disponível para download.

O valor dos terrenos unifamiliares varia entre R$ 52.466,99 (199 m²) e R$ 1,224 milhão (5.155 mil m²) e já prevê a dedução da infraestrutura feita pelos moradores, bem como a valorização decorrente dessa implantação.  As famílias que optarem pelo pagamento à vista terão 25% de desconto no valor de venda do imóvel.

Com área total de 1.189,60 hectares, o Setor Habitacional Arniqueira  foi dividido em 15 áreas para fins de urbanização | Foto: Divulgação/Terracap

Atualmente, instituições financeiras oferecem linhas de crédito específicas para financiar imóveis originários da regularização fundiária. Assim, quem optar por tomar o recurso em uma dessas instituições pagará a prazo para o banco, mas integralmente e com abatimento à Terracap. Também é possível parcelar o financiamento dos terrenos pela Terracap – neste com prazo máximo de pagamento de 240 meses.

Como participar

A fim de descentralizar esse processo e evitar aglomerações, há três maneiras de realizar o procedimento. O contato pode ser feito presencialmente, no edifício-sede da Terracap (Setor de Áreas Municipais/SAM, atrás do Anexo do Palácio do Buriti), das 7h às 19h; na Administração de Arniqueira (SHA Conjunto 04 AE 01), das 8h às 12 e das 13h às 17h; ou de forma remota, pelo site da Terracap.

Quem preferir essa última forma de fazer contato deve acessar a página da Terracap ou o aplicativo da agência e procurar pelo menu “Serviços”, clicar em “Regularização – Venda Direta”; “Terracap – Serviços on-line”; plataforma com os dados de login; “Regularize Venda Direta”; “Passo 1 – Criar cadastro” e “Passo 2 – Criar proposta”. Nesse momento, será feita a confirmação das informações inseridas e o upload dos documentos. Encaminhe-os, e o envio estará concluído.

Mais informações podem ser obtidas por meio dos canais de atendimento da Terracap, no call center (61) 3342-1103, ou pela página da agência.

Arniqueira

974número de lotes disponíveis para cadastro

O decreto que aprova o projeto urbanístico para regularização da URB 005 foi assinado pelo governador Ibaneis Rocha em dezembro do ano passado. Foram levados a registro cartorial 1,4 mil lotes.

O Setor Habitacional Arniqueira, com área total de 1.189,60 ha, foi dividido em 15 áreas para fins de urbanização. Os projetos levaram em conta delimitadores naturais, como córregos – há três na região –, bem como as circunscrições cartoriais.

Atualmente, a Terracap está com cadastramento aberto da URB 001, local conhecido como Colônia Agrícola Vereda da Cruz. Esse é o primeiro passo para participar do processo de regularização fundiária e tem a finalidade de identificar os ocupantes dos lotes – são 974, de uso residencial e misto, disponíveis para cadastro.

*Com informações da Terracap

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade
Publicidade

Viu isso?