Nossa rede

Ciência

Brasileira desenvolve novo tratamento para câncer de ovário

Publicado

dia

Testes indicaram que o composto age contra tumores resistentes ao tratamento mais utilizado atualmente no combate ao câncer de ovário

Pesquisa: estudo está sendo feito por pesquisadores do Brasil, Reino Unido e Itália e coordenado por um professor brasileiro (Jonathan Pow/Getty Images)

Um grupo de pesquisadores do Brasil, Reino Unido e Itália, coordenado por um professor brasileiro, desenvolveu um composto com ação potente e seletiva contra o câncer de ovário. O estudo realizado com o novo composto à base de paládio – metal raro de alto valor comercial – demonstrou sua eficácia contra células de tumor de ovário sem afetar o tecido saudável. Além disso, testes em células tumorais indicaram que o composto age contra tumores resistentes ao tratamento mais utilizado atualmente no combate ao câncer de ovário, que é feito com um fármaco chamado cisplatina.

O trabalho foi conduzido durante a pesquisa de doutorado da professora Carolina Gonçalves Oliveira, atualmente no Instituto de Química da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), que teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A cisplatina é um quimioterápico eficiente para tumores no ovário, mas o tratamento pode causar efeitos colaterais severos aos pacientes, afetando rins, sistema nervoso e audição. Segundo o pesquisador do Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (IQSC-USP) Victor Marcelo Deflon, que coordenou o estudo, isso acontece porque a molécula não é muito seletiva, ou seja, afeta também células saudáveis.

“[O novo composto] tem alta seletividade para células de câncer, isso traz uma expectativa de menos efeitos colaterais. E ele é ativo em células de câncer resistentes à cisplatina, isso é ótimo porque é uma alternativa para tratar câncer nesses casos que são resistentes à cisplatina”, disse Deflon. “Algumas células de câncer aprendem a se defender da cisplatina, então ficam resistentes”, complementou.

Os pesquisadores identificaram o mecanismo de ação do novo composto e concluíram que há diferenças em relação à cisplatina. “O fato de ele [novo composto] atuar em células resistentes à cisplatina mostra que o mecanismo de ação dele é diferente, então a gente foi estudar qual era o mecanismo e acabou encontrando que o potencial alvo dele é uma enzima, não o DNA”, disse.

Testes clínicos

O composto à base de paládio teve ação na topoisomerase, uma enzima presente em tumores e que participa do processo de replicação do DNA, sendo um alvo potencial para quimioterápicos. “Essa enzima tem altas concentrações em células de câncer porque são células que se reproduzem muito rápido e ela está relacionada com metabolismo celular para replicação das células”, disse.

Já a cisplatina age diretamente no DNA, causando mudanças estruturais nele, impedindo a célula tumoral de copiá-lo. Deflon explicou que são alvos diferentes, mas tanto a cisplatina como o composto de paládio inibem o processo de divisão celular do tumor.

A partir dessa descoberta, os pesquisadores devem buscar o desenvolvimento de versões ainda mais eficientes do composto para obter uma molécula que possa ser testada em animais com boas chances de sucesso. Depois de testes bem-sucedidos em animais, a molécula pode ser levada para testes clínicos.

“É uma tentativa de desenvolver um fármaco que tenha menos efeitos colaterais que a cisplatina e, nesse caso, ele é mais seletivo tanto para célula que é sensível à cisplatina quanto para célula que é resistente à substância”, acrescentou.

Comentário

Ciência

Cachorros e gatos podem pegar coronavírus?

Publicado

dia

A OMS informou que não há nenhuma evidência de que cachorros e gatos possam ser infectados pelo vírus, mas chineses investem em máscaras para os pets

CORONAVÍRUS: Cães usam máscaras em cidades com alto índice de infecção (Aly Song/Reuters)

São Paulo — O coronavírus tem infectado pessoas ao redor do mundo. No mundo são cerca de 80 mil pessoas infectadas, com mais de 5 mil fora da China, e mais de 2.700 mortas.

Na China, os donos de cães e gatos têm comprado máscaras para seus pets para protegê-los do vírus. Um vendedor de máscaras específicas para cães disse ao jornal inglês Daily Mail estar vendendo 10 vezes mais máscaras . A transmissão para os animais de estimação, porém, gera controvérsias.

A epidemiologista Li Lanjuan, conselheira técnica da Comissão Nacional de Saúde da China, afirmou que o coronavírus pode ser transmitido aos animais domésticos como cães e gatos, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que não há nenhuma evidência de que cachorros e gatos possam ser infectados pelo vírus.

Também não há evidência de que os pets possam transmitir a doença para os humanos. Autoridades chinesas são, inclusive, criticadas por matar animais sem nenhuma comprovação científica da transmissão.

Por conta da dúvida, os chineses vestem seus animais também com copos, sacolas plásticas e até mesmo meias. Epidemiologistas afirmam que os objetos podem não ser efetivos visto que espaços e lacunas se formam ao redor das bochechas e bordas da boca, facilitando a entrada e saída de ar.

Nas redes sociais, pessoas compartilham fotos dos animais com máscaras.

Matthew VanDyke

These are real photos. Of masks. On pets.

You know you would do it for your or too.

Ver imagem no Twitter

 

 

 

Ver mais

Ciência

Inteligência artificial descobre antibiótico que mata superbactérias

Publicado

dia

Novo estudo revela que cientistas do MIT descobriram, por meio do aprendizado de máquina, uma molécula que mata bactérias resistentes a antibióticos

Antibióticos: cientistas descobrem molécula poderosa utilizando método de inteligência artificial (MR.Cole_Photographer/Getty Images)

São Paulo – Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, conseguiu utilizar a inteligência artificial para descobrir um novo antibiótico. Feito com aprendizado de máquina, o medicamento é capaz de matar até superbactérias – seres que são identificados por serem resistentes até aos remédios mais fortes.

O algoritmo pensado pelos pesquisadores foi utilizado para procurar, em um arquivo virtual com mais de 100 milhões de compostos químicos, aquele que conseguiu matar bactérias e superbactérias utilizando meios divergentes dos medicamentos que já existem no mercado. Publicado na revista Cell, o texto revela que a molécula descoberta recebeu o nome de halicin – que é uma referência para o sistema de AI que aparece no filme “2001 – Uma Odisseia no Espaço”, de Stanley Kubrick.

A molécula, que foi testada em ratos, se provou capaz de atuar como um antibiótico para doenças como tuberculose, além de matar bactérias da família Enterobacteriaceae – que inclui as bactérias do gênero Salmonella -. O medicamento também é eficaz contra a bactéria Clostridium difficile, microrganismo resistente a tratamentos e responsável por infecções sanguíneas e problemas no pulmão.

James Collins, um dos autores do estudo e professor do Instituto de Engenharia e Ciência Médica (IMES), disse em comunicado que acredita que a nova molécula pode ser classificada com um dos antibióticos mais poderosos até então.

Já Roy Kishony, professor de biologia do Instituto de Tecnologia de Israel acredita que o trabalho pode mudar a forma como cientistas procuram por novos remédios: “Este trabalho inovador significa uma mudança de paradigma na descoberta de antibióticos e, de fato, na descoberta de medicamentos em geral”, adicionou o professor.

Após o teste da molécula em animais, a equipe de pesquisadores utilizou o algoritmo para identificar, em seu banco de dados, novos conjuntos de átomos que poderiam se tornar antibióticos. Em apenas três dias, o sistema de AI conseguiu identificar 23 candidatos com estruturas não semelhantes aos antibióticos já existentes.

Feitos os testes, foi comprovado que mais oito moléculas se encaixavam nos requisitos e duas delas poderiam se tornar, juntamente com a halicin, antibióticos poderosos. O estudo, ainda que esteja em fase inicial, ajuda a ter uma dimensão de como os pesquisadores podem se beneficiar da tecnologia para avançar o desenvolvimento de tratamentos e aumentar a quantidade de antibióticos para diversos problemas.

Ver mais

Ciência

Fenômenos astronômicos previstos para 2020 vão além de superlua

Publicado

dia

Calendário prevê eclipses solares, lunares e chuvas de meteoros

(foto: Reprodução )

Os fenômenos astronômicos previstos para 2020 vão além da Superlua do último domingo (9/2). O calendário prevê eclipses tanto solares quanto lunares, conjunções e oposições planetárias, chuvas de meteoros e a ocultação de Marte, uma espécie de eclipse, na qual a Lua passará na frente do Planeta Vermelho.

O primeiro deles está previsto para a madrugada entre 31 de março e 1º de abril, quando ocorrerá a conjunção de Marte com Saturno. “Conjunção é simplesmente uma condição de posição; quem olha da Terra, tem a impressão que os planetas estão bem próximos, quase do lado um do outro”, explica o coordenador do projeto Astro&Física do Instituto Federal de Santa Catarina e doutor em física pela Universidade Federal de Santa Catarina, professor Marcelo Schappo.
No dia 20 de dezembro, outra conjunção atrairá, para o céu, os olhares dos apaixonados por astronomia. “Essa é relativamente rara porque ocorre, mais ou menos, de 20 em 20 anos. Ela tem como protagonistas Júpiter e Saturno, dois planetas muito grandes do nosso Sistema Solar. Eles ficarão muito próximos. É bem legal acompanhar até por quem não tem telescópio”, disse o astrônomo.

Eclipse lunar penumbral

Outro evento destacado por Schappo é o eclipse lunar penumbral que ocorrerá em 5 de junho. Esse não será visível no Brasil, mas exatamente um mês depois, no dia 5 de julho, está previsto outro eclipse lunar penumbral e esse poderá ser visto no país.
Segundo o professor, muitas pessoas confundem o eclipse lunar penumbral com o parcial. “A diferença é que, no parcial, uma parte do disco da Lua entra na sombra da Terra. Já no penumbral, uma parte do disco da lua entra na penumbra da Terra, que é uma região mais iluminada do que a sombra”.
“Então fica um pouco mais complicado perceber a olho nu quando o penumbral é pouco intenso. Esse penumbral de julho será de cerca de 40%, então talvez dê para acompanhar algum obscurecimento da face da Lua”, acrescenta.
Outro eclipse penumbral está previsto para o dia 30 de novembro. “No Brasil, só veremos a parte inicial desse eclipse, porque a Lua estará se pondo quando ele começar. Quem estiver no Norte do país, em um lugar próximo da divisa a Oeste com os outros países da América do Sul, terá a chance de vê-lo por mais tempo”, informou o pesquisador.

Eclipse solar

Neste ano, teremos dois eclipses relacionados ao Sol. O do dia 21 de junho não será visível no Brasil. “Esse será um eclipse muito bonito de se ver porque é o chamado anular. Ele ocorre quando a Lua entra na frente do Sol, mas não completa o obscurecimento dele. Fica um anel de luz e fogo ao redor do Sol. Será ótimo de ser visto em uma faixa do continente africano”, diz Schappo.
No dia 14 de dezembro haverá um eclipse solar total, que ocorre quando a Lua passa pela frente do Sol e obscurece completamente o disco solar. “A faixa de observação da totalidade do eclipse será no Sul da América do Sul. Argentina e Chile serão os melhores locais para a observação”, informa o astrônomo.
No Brasil, esse eclipse será percebido de forma parcial, com a Lua escondendo apenas um pedaço do Sol. Quem estiver na Região Sul do país terá melhores condições de observar essa parcialidade, que ocultará de 60% a 70% do disco solar.
“Para quem estiver mais ao Norte, esse percentual será menor. Brasília, por exemplo, verá uma cobertura de cerca de 20%”, completou o astrônomo que faz um alerta: “É fundamental adotar alguns cuidados para ver eclipses solares. Jamais olhem diretamente para o Sol”.
Segundo ele, “independentemente da parcialidade, o eclipse solar é algo perigoso de se olhar sem a devida proteção”.
Para fazer a observação, a possibilidade mais barata é ir a uma loja de construção ou de ferragens e procurar por um vidro de soldador, de tonalidade 14. Basta colocar o vidro na frente dos olhos para fazer a observação do Sol, tanto durante quanto fora do eclipse.
Outra possibilidade citada por Schappo são as observações indiretas, por meio da projeção de uma sombra do eclipse em uma superfície. “Isso pode ser feito com a ajuda de um físico ou de um observatório astronômico, caso haja na cidade. Em geral, esses profissionais sabem bem como montar esse sistema de observação indireto”.

Ocultação de Marte

No dia 9 de agosto, entre as 5h20 e as 6h20 (horário de Brasília), terá a chamada ocultação de Marte. “Essa é bem interessante. A Lua passará na frente do planeta Marte. É quase como se fosse um eclipse”.
Os fenômenos envolvendo os dois corpos celestes não param por aí. “Lua e Marte estarão praticamente coladinhos no dia 6 de setembro, por volta da 0h30”, o que, segundo Schappo, também é um fenômeno interessante de ser visto.

Chuvas de meteoros

A madrugada entre 13 e 14 de dezembro terá outro evento astronômico bastante interessante: o ápice da chuva de meteoros chamada de chuva de Gemenídeas.“Será a melhor chuva de meteoros do ano, com uma taxa de 150 meteoros a cada hora”.
Popularmente conhecido por estrelas cadentes, os meteoros poderão ser vistos com facilidade, principalmente a partir de lugares mais escuros. “Basta olhar para o céu durante um longo período de tempo. O ideal é se afastar das luzes da cidade. A oportunidade estará associada a uma lua nova, que estará apenas 0,6% iluminada. Isso contribuirá muito para percebermos o fenômeno”, completou o astrônomo.

Calendário astronômico para 2020

31 de março a 1º de abril: conjunção de Marte com Saturno
5 de junho: eclipse lunar penumbral
5 de julho: eclipse lunar penumbral
14 de julho: Júpiter em oposição
20 de julho: Saturno em oposição
21 de julho: eclipse solar (anular)
9 de agosto: ocultação de Marte
30 de novembro: eclipse penumbral
13 a 14 de dezembro: chuva de meteoros
14 de dezembro: eclipse solar total
20 de dezembro: conjunção entre Júpiter e Saturno
Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade