Nossa rede

Cultura

A intimidade do ditador Joseph Stálin

Publicado

dia

Sessenta anos depois da morte do ditador Joseph Stálin, um novo livro revela detalhes de sua vida pessoal

Em 1935, numa de suas raras visitas à mãe, o tirano soviético Joseph Stálin (1879-1953) se viu diante de um desafio inusitado: explicar qual era, exatamente, sua profissão. “Mamãe, lembra-se do nosso czar? Pois bem! De certa forma, sou o novo czar”, disse ele. Ela não ficou satisfeita: “Pondo tudo na balança, você teria feito melhor virando padre”.

Episódios como esse, narrados no livro A vida privada de Stálin (Zahar, 256 páginas, R$ 54,90), apresentam uma faceta pouco conhecida de um homem que a história eternizou como ditador sanguinário, responsável pela morte de milhões de pessoas nos 30 anos em que esteve no poder. Escrito pela pesquisadora francesa Lilly Marcou, especialista em história do comunismo, o livro reúne documentos pessoais de Stálin e seus descendentes para decifrar a intimidade do personagem. O resultado é uma figura contraditória. Impiedoso e gélido com aqueles que julgava adversários, Stálin jamais deixou de desejar “mil anos de vida” a sua “mamãe”. Constantemente lamentava não ter tempo suficiente para ver seu “Pardalzinho”, a filha Svetlana Alliluyeva. “Ele era uma pessoa terrivelmente contraditória”, afirma Lilly.Livro

As raízes dessa contradição estão, segundo ela, no contraste entre a infância humilde de Stálin e o poder que ele adquiriu ao longo da vida. Stálin nasceu no pequeno vilarejo de Gori, na Geórgia, num ambiente de extrema pobreza. Sua mãe era faxineira e ama de leite na casa de um aristocrata. Seu pai era um homem violento, que agredia mãe e filho. Bom aluno nos colégios locais, conseguiu entrar num seminário, mas não realizou o sonho materno de ter um filho padre. Revoltava-se contra a disciplina imposta pelos padres e articulava motins com seus colegas. Tornou-se revolucionário na adolescência. Aos 26 anos, casou-se com Ekaterina Svanidze, uma mulher submissa e religiosa. Amava-a tanto que aceitou casar-se numa igreja, contrariando a ideologia comunista. Teve com ela apenas um filho, Iakov, que morreu anos depois num campo de concentração nazista. Após a morte da mulher, em 1907, casou-se novamente, com Nadejda Alliluyeva, 20 anos mais jovem que ele e filha de militantes bolcheviques. Com ela, teve dois filhos: Vassili e Svetlana, sua preferida.

Mesmo depois de se tornar a autoridade máxima do Partido Comunista, em 1924, Stálin manteve muitos de seus hábitos antigos. Era constantemente presenteado com valiosas obras de arte, mas passou anos vestindo o mesmo sobretudo que o protegeu do frio durante a Revolução Russa. Viajava com frequência para a cidade de Sóchi, no litoral russo, para se recuperar de crises reumáticas. Lá, costumava colher frutas frescas para enviar a Svetlana.Sua relação com a mãe era menos próxima. Os dois trocavam cartas afetuosas, mas Stálin raramente ia à Geórgia visitá-la. Seus filhos já eram crescidos quando visitaram a avó pela primeira vez, em 1935. Passaram apenas uma tarde com ela. No resto da viagem, Stálin e sua família se hospedaram na casa dos familiares de Lavrentiy Beria, chefe do NKVD, o Comissariado do Povo para Assuntos Internos. Beria era um sádico faminto por poder que se tornou um dos auxiliares mais próximos de Stálin. Segundo Lilly, a forte influência de Beria sobre Stálin foi uma das causas para a onda de perseguições e execuções de oposicionistas ao regime soviético entre 1934 e 1939. Lilly afirma que Beria usava sua influência sobre Stálin para eliminar quem dificultasse sua escalada rumo ao topo da burocracia soviética.

A atenção dada pela história ao temperamento de Stálin e à influência da vida pessoal em suas decisões diminuiu gradualmente a partir do governo de seu sucessor, Nikita Kruschov. Ele foi o primeiro a acusar Stálin de genocídio. As revelações de Kruschov sobre Stálin foram parte de um esforço do Partido Comunista para anular o culto à personalidade do ditador. Durante seu governo, Stálin foi um ídolo popular, cuja imagem paternal era construída pela máquina de propaganda do partido. Ela alimentava o fanatismo. Na Segunda Guerra Mundial, quando Moscou estava ameaçada pelas tropas alemãs, Stálin circulou pelas ruas da cidade num carro conversível, e os jornais fizeram a imagem circular pelo país inteiro. A euforia causada por sua presença no metrô de Moscou com a família, em 1932, provocou tumultos e morte. O fervor stalinista sobreviveu à revelação das barbáries praticadas em seu governo. Depois de 1953, seu jazigo no Kremlin tornou-se um ponto de peregrinação de comunistas. Em 2008, ele foi eleito pelos telespectadores da rede de televisão russa VID o terceiro maior russo de todos os tempos – apesar de ter nascido na Geórgia.

vida pessoal atormentou Stálin em seus últimos anos. Os depoimentos a que Lilly teve acesso apresentam indícios de que ele nunca superou o suicídio de sua segunda mulher, em 1932. Punia-se moralmente diante de seus cunhados por não ter percebido a tempo as crises de depressão e bipolaridade de Nadejda. Nos jantares de família, Stálin oferecia brindes à memória dela. Também nunca perdoou seu cunhado, Pável Alliluyev, que presenteou a irmã em segredo com um revólver. A morte da mãe, em 1937, aumentou sua solidão. Stálin não foi ao enterro. Ortodoxa fervorosa, ela foi sepultada de acordo com os ritos comunistas. Recebeu do filho apenas uma coroa de flores. O próprio Stálin, que vivia sempre rodeado por familiares, morreu cercado somente por serviçais. Ele pode ter sido traído por Beria. Na noite de 4 de março de 1953, seu apartamento no Kremlin, a sede do governo, estava silencioso demais. Quando seus seguranças entraram no cômodo, encontraram-no quase desacordado sobre uma mesa. A paranoia que cercava Stálin era tamanha que apenas Beria poderia autorizar a entrada de médicos no prédio. Ele não o fez durante toda a madrugada. Quando Stálin foi levado ao hospital, aos 74 anos, era tarde para conter a hemorragia cerebral. Para Lilly, sua morte foi “assassinato por omissão”.

Outra historiadora, Nina Kruscheva, professora de relações internacionais do New School College de Nova York e bisneta de Nikita Kruschov, o sucessor de Stálin, discorda da tese de Lilly de que Stálin tenha sido uma figura ambígua. “O fato de ter sido um ditador desqualifica as coisas boas que ele tenha feito”, disse ela a ÉPOCA. Sua própria família chegou à mesma conclusão. Em 1967, sua filha, Svetlana, o Pardalzinho, pediu asilo político aos Estados Unidos e denunciou os crimes cometidos pelo pai. Os mimos de Stálin a sua filha favorita não foram suficientes para comprar sua lealdade no longo prazo.

 

Comentário

Cultura

Festival de culinária ‘Goût de France’ reúne 25 restaurantes em Brasília; veja lista

Publicado

dia

Quinta edição do evento será em 21 de março. Chefs foram convidados a pensar cardápio envolvendo gastronomia mediterrânea.

A Embaixada da França anunciou para 21 de março a quinta edição do festival gastronômico “Goût de France” (Gosto da França). Ao todo, 5 mil chefs ao redor do mundo oferecem menus com entrada, queijos, prato principal e sobremesa, acompanhados de vinhos e espumantes. Os preços variam entre R$ 49,90 e R$ 380.

Ao todo, 25 restaurantes na capital federal e outros 22 estabelecimentos do país participam do evento à francesa, que ocorre desde 2015. A lista dos restaurantes e dos cardápios está na página da embaixada.

Para participar, os chefs tiveram de aceitar o desafio de propor pratos que se encaixassem na ideia de “desenvolvimento sustentável” e remetessem a Provence – região no sudeste da França conhecida pela gastronomia mediterrânea, rica em peixes, azeites e ervas.

Uma das participantes é a chef Mara Alcamim, do Universal Diner, que não é tradicionalmente francês, mas oferece, neste ano, um filé mignon com lavanda e ratatouille.

“A gente está desde a primeira edição. Acho muito legal a iniciativa”, disse a chef. “Causa uma energia diferente, independentemente de ser um restaurante francês ou não. O que temos em comum é o DNA de quem sabe fazer comida.”

Outro participante, o chef Tiago Santos, do bistrô Le Jardin, apostou no vinho antes de pensar no prato. Este é o segundo ano em que o estabelecimento se junta ao “Goût de France”.

“Não foi fácil achar um prato que combinasse. Mas primeiro a gente é admirador do vinho francês. E como trabalhamos com um rosê fantástico, a gente pensou em frutos do mar para harmonizar”, afirmou.

‘Desafio’

Ao G1, o embaixador da França no Brasil, Michel Miraillet, disse que o projeto é um desafio. “Sempre é difícil pedir para que os restaurantes mudem seu cardápio por um dia. Mas são todos corajosos”, declarou.

No entendimento dele, os restaurantes tipicamente brasileiros que também entram na aposta demonstram coragem de experimentar novos rumos. “Faz parte do espírito pioneiro brasileiro.”

“A cozinha é um elemento imaterial. Reforça o que não é diplomático. O que me interessa é fazer com que moradores da cidade se digam: ‘Que tal a gente descobrir outra coisa e fugir do comum hoje?'”

Programe-se

Goût de France

  • Data: 21 de março
  • Locais: restaurantes em Brasília, Belém, Cuiabá e Alto Paraíso
  • Preços: de R$ 49,90 a R$ 380

Fonte Exame

Ver mais

Cultura

Blocos de carnaval Baratona e Raparigueiros cancelam desfile nesta terça, no DF

Publicado

dia

Organizadores alegaram falta de recursos para bancar estrutura mínima. Eventos já tinham ocorrido no domingo, data marcada por quatro esfaqueamentos.

Eixo Monumental com foliões e policiais em domingo de carnaval — Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

A Secretaria de Cultura do Distrito Federal informou que os blocos Baratona e Raparigueiros não desfilam nesta terça-feira (5). Segundo a pasta, oficialmente, eles não apresentaram motivo para o cancelamento. No entanto, os organizadores têm alegado falta de recursos para bancar a estrutura mínima dos eventos.

De acordo com o governo do Distrito Federal, cada bloco recebeu R$ 140 mil. Os dois blocos preferiram desfilar apenas em uma data, em vez de duas.

Segundo o diretor da Liga dos Blocos Tradicionais Jean Costa, o valor “não é suficiente”. “O edital do carnaval atribuiu toda a responsabilidade que era do Estado para a gente. Temos que contratar brigadista, UTI, posto médico, segurança. Acaba sendo insuficiente, com a responsabilidade que era antes. Antigamente, o governo entrava com a estrutura toda e bancava as contratações artísticas.”

Em entrevista, o vice-presidente do Raparigueiros, Zanata Gregório, disse que o segundo dia de evento seria bancado por meio de patrocínio com a iniciativa privada. No entanto, com a mudança de governo, não foi firmado acordo neste sentido.

“Eu não posso só colocar uma banda o trio, não. Estamos muito preocupados com a segurança e o conforto dos foliões. Como não teve acordo para esse repasse, a gente preferiu fazer um dia só, com segurança e dentro das nossas condições orçamentárias”, declarou Zanata.

Baratona e Raparigueiros já tinham saído no domingo (3). A data foi marcada por quatro ocorrências de esfaqueamento. Um dos casos envolveu uma vítima de 11 anos, que estava sozinha. Os policiais também registraram quatro furtos e um roubo de carro.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, 70 mil pessoas participaram dos blocos Baratona e Raparigueiros no domingo.

O G1 aguarda retorno da SSP para informar se chegou a liberar o alvará para os dois eventos no segundo dia e se os blocos chegaram a apresentar justificativas formais para o cancelamento.

Pacotão

Os blocos Baratona e Raparigueiros não foram os únicos que optaram por desfilar um único dia. O tradicional Pacotão, que sai nesta terça, também iria sair no domingo, mas preferiu cancelar. Na ocasião, a justificativa também foi a falta de recursos.

“Informamos a todos que o evento do Bloco Pacotão para o dia 03/03/19 (domingo) não irá ser realizado, pois os recursos não foram suficientes para sairmos nas duas datas oficiais do bloco. Mas estamos confirmado para o dia 05/03/19 na terça-feira.”

Fonte G1

Ver mais

Cultura

Saia de casa!

Publicado

dia

Confira destaques da programação cultural de Brasília entre os dias 4 e 9 de março

Célia Porto canta clássicos da MPB no Espaço Cultural Renato Russo
(foto: Marcelo Dischinger/Divulgacao)

De mulher para mulher
No clima da comemoração do Dia Internacional da Mulher, o Espaço Cultural Renato Russo (508 Sul) recebe o espetáculo Varietè, do coletivo feminino circense Mulher do Mundo. O número em formato varietê inclui o uso de trapézio e palhaçaria e aborda a luta pela igualdade de gênero. A peça será apresentada a partir das 20h, nesta sexta. O ingresso sai por R$ 20 (inteira) e a classificação indicativa é de 14 anos.
Carreira aclamada
Com mais de meio século de aclamada carreira, Francis Hime volta a Brasília na sexta, às 21h, com espetáculo no Clube do Choro (Eixo Monumental). Entre os últimos trabalhos do compositor, arranjador, pianista e cantor carioca está o Álbum musical, com seus maiores sucessos, incluindo  parcerias com Chico Buarque e Caetano Veloso. Os ingressos estão à venda na Bilheteria Digital. Custam R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada) e a classificação é livre.
Show de sertanejo
Também no próximo sábado, a partir das 21h, a dupla Humberto & Ronaldo agitará o pessoal da Dona Carmelita (Fazenda Chapadinha, Área Rural Oeste, número 66, Brazlândia). Além da dupla também terá Barão e Mauá, Guilherme Silva, Super Cia e o DJ Gabriel Alves. Os ingressos já estão no 2º lote e custam R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia-entrada) para a pista. Não recomendado para menores de 18 anos.
Teatro para toda a família
A partir deste sábado, o espetáculo Cartas para Elsi desembarca na capital. A temporada vai até o fim do mês e passará por diferentes lugares. Neste fim de semana, as apresentações ocorrem no Teatro Sesc Paulo Autran, em Taguatinga, às 18h. A peça é ambientada nos anos 20 e conta a história da menina Elsi, que busca com aflição Brígida, uma boneca desaparecida. A classificação indicativa é livre.
Estrela da capital

Célia Porto levará ao palco do Espaço Renato Russo (508 Sul) releitura de clássicos da música brasileira. Espere ouvir Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gonzaguinha, Luiz Melodia e outros. Rênio Quintas é nome responsável pelos arranjos do espetáculo Célia Porto, Estrela da Terra. Como parte da programação, Noélia Ribeiro fará uma intervenção poética. O show será no sábado, às 20h, e no domingo, às 19h. Os ingressos custam R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada) e a classificação é livre.

Fonte Correio Braziliense

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade