Nossa rede

Brasil

Servidores protestam contra fusão do Meio Ambiente com Agricultura

Publicado

dia

A proposta de reunir as duas pastas em uma só consta no programa do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que não trata como tema próprio o “meio ambiente”

Brasília – Cerca de 100 pessoas ocupam no início da tarde desta sexta-feira, 19, a entrada do Ministério do Meio Ambiente, em protesto contra a possível fusão da pasta com o Ministério da Agricultura. Os manifestantes, servidores do ministério, estendem um faixa com os dizeres: “Em defesa do ativismo e da gestão ambiental brasileira”.

Além de cartazes em defesa da Amazônia e da democracia, também há pelo menos uma bandeira em menção à campanha do candidato petista à Presidência da República, Fernando Haddad.

No momento, além da entrada do prédio, os manifestantes ocupam uma das faixas da pista em frente ao edifício. Além de servidores da Pasta, também estão presentes funcionários do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

A proposta de reunir Meio Ambiente e Agricultura em uma só pasta consta do programa do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que não trata como tema próprio o “meio ambiente”.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Brasil

MEC diz a universidades federais que manifestação política é ‘imoralidade administrativa’ e deve ser punida

Publicado

dia

Por

Diretor da Rede de Instituições Federais de Ensino Superior encaminhou ofício a instituições públicas com recomendação do procurador Ailton Benedito de Souza.

Universidade Federal do Ceará — Foto: Natinho Rodrigues/SVM

O Ministério da Educação, por meio da Rede de Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes), encaminhou no último dia 7 de fevereiro um ofício em que pede a tomada de providências com objetivo de “prevenir e punir atos político-partidários nas instituições públicas federais de ensino”.

A orientação aos dirigentes das universidades é baseada numa recomendação de 2019 do procurador-chefe da República em Goiás, Ailton Benedito de Souza. Recentemente, o procurador questionou judicialmente a Sociedade Brasileira de Infectologia por ter desaconselhado o uso de medicamentos sem comprovação científica contra a Covid.

No ofício de 2019, Ailton Benedito diz que uma manifestação política contrária ou favorável ao governo representa malferir “o princípio da impessoalidade”.

Segundo a citação do MEC ao texto do procurador, caberia punição a comentário ou ato político ocorrido “no espaço físico onde funcionam os serviços públicos; bem assim, ao se utilizarem páginas eletrônicas oficiais, redes de comunicações e outros meios institucionais para promover atos dessa natureza”.

Em maio do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por unanimidade, que são inconstitucionais atos que vão contra a liberdade de expressão de alunos e professores e tentativas de impedir a propagação de ideologias ou pensamento dentro das universidades.

O caso foi analisado pela corte porque, em outubro de 2018, universidades públicas de ao menos nove estados brasileiros foram alvos de operações policiais autorizadas por juízes eleitorais.

As ações aconteceram para averiguar denúncias de campanhas político-partidárias que estariam acontecendo dentro das universidades.

‘Imoralidade administrativa’

Em outra passagem com referência ao ofício do Ministério Público Federal, é dito que “a promoção de eventos, protestos, manifestações etc. de natureza político-partidária, contrários ou favoráveis ao governo, caracteriza imoralidade administrativa”.

O documento é assinado por Eduardo Gomes Salgado, diretor de Desenvolvimento da Rede de Ifes. Ele diz que “entendeu pela necessidade de envio do documento do MPF às IFES, visando à observância aos parâmetros estabelecidos para a utilização do espaço e bens públicos”.

A recomendação original de 2019 do MPF ainda dizia que “no plano do direito brasileiro, a liberdade de expressão encontra limites, expressos e implícitos, não sendo, pois, assim como qualquer direito, considerado valor absoluto, imune a controle”.

Há também o pedido para que haja canais de denúncia sobre atividades político-partidárias: “O Estado tem o dever-poder de disponibilizar canais físicos e eletrônicos para receber denúncias de atos de natureza político-partidária ocorridos nas instituições públicas de ensino”.

Ajustamento de conduta

Na última terça (3), foi publicado no Diário Oficial da União um termo de ajustamento de conduta do ex-reitor da Federal de Pelotas (RS) Pedro Hallal.

Foi considerado que Hallal proferiu “manifestação desrespeitosa e de desapreço direcionada ao Presidente da República, quando se pronunciava como Reitor da Universidade Federal de Pelotas – UFPel, durante transmissão ao vivo de Live nos canais oficiais do Youtube e do Facebook da Instituição, no dia 07/01/2021, que se configura como ‘local de trabalho’ por ser um meio digital de comunicação online disponibilizado pela Universidade”.

Em janeiro, Hallal publicou uma carta na revista científica britânica “The Lancet” em que criticou o presidente Jair Bolsonaro pela gestão dos problemas causados pela pandemia de coronavírus no Brasil.

Ver mais

Brasil

Sem leitos, Santa Catarina inicia transferência de pacientes para o Espírito Santo

Publicado

dia

Por

Avião partiu por volta das 8h30 de Florianópolis para pegar o paciente em Chapecó. Esta é a primeira vez que Santa Catarina transfere pacientes para outros estados desde o início da pandemia.

Aeronave dos bombeiros chegou a Chapecó às 9h45 desta quarta-feira (3) para transferir paciente com Covid-19 para o Espírito Santo — Foto: Alan Borges/NSC TV

Santa Catarina começa na manhã desta quarta-feira (3) a transferência de pacientes com Covid-19 para Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Espírito Santo. O primeiro transporte é feito pelo avião do Corpo de Bombeiros, que saiu por volta das 8h30 de Florianópolis e chegou às 9h45 em Chapecó, no Oeste, região com maior fila de espera no estado. A aeronave decolou da cidade às 10h50 com o primeiro paciente e a previsão é que chegue ao estado capixaba no período da tarde.

Cada paciente será transportado individualmente por causa da gravidade do estado de saúde. A expectativa é que até 16 pessoas recebam assistência médica no Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, no município da Serra (ES), região da Grande Vitória.

A situação da pandemia se agravou em Santa Catarina, principalmente a partir de fevereiro, e há falta de leitos de UTI. Até a noite de terça (2), 251 pessoas aguardavam para serem transferidas. Pelo menos 35 pacientes morreram nessa espera. A taxa de ocupação de leitos de UTI destinado a pessoas adultas com Covid-19 era de 99,95%, às 22h07 de terça.

Transporte

Aeronave Arcanjo decolou às por volta das 8h30 de Florianópolis e desembarcou na cidade de Chapecó. De lá, o Corpo de Bombeiros viaja até o Espírito Santo — Foto: Reprodução/NSC TV

Aeronave Arcanjo decolou às por volta das 8h30 de Florianópolis e desembarcou na cidade de Chapecó. De lá, o Corpo de Bombeiros viaja até o Espírito Santo — Foto: Reprodução/NSC TV.

O transporte será feito por meio de aviões do Batalhão de Operações de Aéreas (BOA) e de uma empresa terceirizada. Cada aeronave deve transportar um paciente em cada uma das viagens.

A operação desta manhã é feita pela equipe do Arcanjo 2 e deve se repetir ao longo dos dias. Ainda não foi divulgado como serão as ações da empresa privada.

Aeronave no hangar do Batalhão de Operações Aéreas em Florianópolis — Foto: Reprodução/ NSC TV

Aeronave no hangar do Batalhão de Operações Aéreas em Florianópolis — Foto: Reprodução/ NSC TV.

Segundo o superintendente de Urgência e Emergência da Secretaria de Estado da Saúde, Diogo Bahia Losso, o objetivo é atender prioritariamente a região Oeste, com a transferência de pessoas que estão nos hospitais Regional do Oeste, em Chapecó, Regional São Paulo, em Xanxerê, e Terezinha Gaio Basso, em São Miguel do Oeste. Todas essas unidades já registraram mortes de pessoas que aguardavam por um leito.

Também não há mais vagas de UTI na região da Grande Florianópolis. O governo do estado decretou medidas mais restritivas, mas durante os finais de semana, e disse que vai avaliar os resultados, para depois definir se irá adotar novos protocolos.

No Espírito Santo, a ocupação de leitos de UTI é de 72,77%, de acordo com dados divulgados na terça-feira. Em janeiro, o estado recebeu 36 pacientes com Covid-19 transferidos de Manaus, sendo que seis amazonenses morreram durante o tratamento no estado capixaba. Em fevereiro, o estado recebeu pacientes vindos de Rondônia.

Pandemia no Sul do país

Assim como Santa Catarina, os outros estados da região Sul também vivem o agravamento da pandemia e da situação nos hospitais.

No Rio Grande do Sul, a ocupação dos leitos de UTI cresceu TRÊS vezes mais do que a abertura de novos leitos –houve um aumento de 65% no total de leitos de UTI disponíveis em relação a abril de 2020; no mesmo período, o total de pacientes hospitalizados aumentou 183%.

No Paraná, 174 pessoas aguardavam por leitos de UTI para Covid-19 pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na segunda-feira (1º), de acordo com boletim da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Também de acordo com a Sesa, o sistema de saúde da macrorregião oeste está à beira do colapso, com 99% dos leitos de UTI ocupados.

Em todo o país, estados têm sofrido colapso no sistema de saúde, e há cidades com 100% de leitos de UTI ocupados, como mostra o vídeo abaixo.

 

Ver mais

Brasil

Lockdown no Rio? Paes considera endurecer medidas após nota da Fiocruz

Publicado

dia

Por

Decisão poderá ocorrer nesta quarta-feira (3), após reunião entre Paes e o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz

Rio de Janeiro: de acordo com o prefeito, o Conselho Científico do município diz que as medidas atuais estão sendo suficientes (Andre Coelho/Getty Images)

Um dia após a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgar uma nota técnica na qual aponta o agravamento da pandemia de covid-19 em 19 unidades da federação — entre elas o Rio de Janeiro, que tem 88% de taxas de ocupação de leitos de UTIs, de acordo com o órgão — o prefeito Eduardo Paes (DEM) afirmou, nesta quarta-feira, dia 3, que poderá aplicar medidas mais rígidas na cidade. A decisão poderá ocorrer nas próximas horas, após reunião entre Paes e o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

“Eu vi essa nota da Fiocruz, mas as informações que tenho é que existe uma estabilidade na rede municipal de Saúde, nos leitos e filas zeradas. Diante dessa notícia, eu convoquei os técnicos para eles me dizerem o que eu devo fazer. Eu não sou epidemiologista. Mas, se os infectologistas e os epidemiologistas nos disserem que teremos que tomar medidas mais duras, vamos tomar mais medidas sem temor”, disse Paes.

Segundo o Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19, “pela primeira vez desde o início da pandemia, verifica-se em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos e de óbitos, a manutenção de níveis altos de incidência de SRAG, a alta positividade de testes e a sobrecarga dos hospitais”.

Paes disse que está preocupado com a situação de estados e municípios vizinhos e que “não quer ser pego de surpresa”.

“Estou acompanhando de perto (o agravamento no município). Não vou esperar a situação para agir. O que vejo é que a situação está complicada em outros locais e isso me assusta”, declarou ele.

De acordo com o prefeito, o Conselho Científico do município diz que as medidas atuais estão sendo suficientes.

“Eu reuni com o conselho na segunda e olhamos os números do Rio. Existe uma indicação de grau de risco moderado. Estou vendo o que está acontecendo no Brasil e isso me assusta. Mas o que eu ouvi deles é que temos que manter as medidas atuais. Eu tenho certeza que, por mais que a situação tenha melhorado, não somos uma ilha. Existem lugares perto da gente que estão com muitos problemas. Mas eu não vou esperar o pior acontecer para agir. Eu adoraria que a cidade funcionasse normalmente. Aqui não existe negacionismo. Vamos tomar todas as medidas necessárias”, afirmou.

Consórcio de vacinas

Paes confirmou que o município vai participar do consórcio das cidades que estão se unindo para a compra de doses da vacina contra a Covid-19. Segundo o prefeito, os imunizantes serão comprados de acordo com a necessidade de cada município. No entanto, a decisão da aquisição do material passará pelo crivo da Frente Nacional de Prefeitos.

“Será o consórcio que definirá o tipo de vacina a ser comprado e deixamos de ter uma corrida desnecessária e absurda – que poderia até ter o superfaturamento. Esse consórcio é uma garantia caso haja problemas no Plano Nacional de Imunização (PNI). Hoje, estamos no PNI e tenho muita fé que tudo será regularizado. Caso isso não aconteça, vamos comprar (a vacina) junto com o consórcio”, comentou.

 

 

Ver mais

Brasil

SP decreta lockdown hoje, dizem prefeitos; saiba o que deve funcionar

Publicado

dia

Por

Quarentena foi debatida nesta terça com gestores municipais, que abraçaram a ideia; só serviços essenciais devem funcionar pelos próximos 15 dias

Parentes de pacientes internados ou em atendimento domiciliar, em sua maioria portadores da doença coronavírus (COVID-19), se reúnem para compra de oxigênio e envase de botijões em empresa privada em Manaus, Brasil, dia 18 de janeiro de 2021. (Bruno Kelly/Reuters)

Diante do colapso na saúde em cidades do interior de São Paulo, como Araraquara, Campinas e Bauru, o governador João Doria (PSDB) deve anunciar nesta quarta-feira, dia 3, um lockdown para todo o estado. A princípio, a ideia é que o fechamento da economia dure duas semanas.

Doria discutiu a necessidade de medidas mais duras na terça-feira, dia 2, em uma reunião virtual com 616 prefeitos. Patrica Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico do governo paulista, João Gabbardo, chefe do centro de combate ao  coronavírus em São Paulo e Marco Vignoli, secretário de Desenvolvimento Regional, também participaram.

Segundo relatos dos prefeitos, Gabbardo afirmou que, caso não sejam tomadas medidas mais duras, em 11 dias o sistema hospitalar do estado pode entrar em colapso, em vista do que já ocorreu no Rio Grande Sul, Santa Catarina, Paraná e outras 16 unidades da federação, onde a taxa de ocupação de leitos de UTI já passou de 90% e, nos casos mais críticos, bateu a marca dos 100%. No estado de São Paulo, a ocupação de leitos de UTI está em 73,2%, mas alguns hospitais já atingiram a capacidade total.

“A intenção é evitar um cenário parecido com o de Manaus, com falta de insumos e hospitais sem condição de atender novos pacientes nas unidades de terapia intensiva”, diz Luiz Fernando Machado (PSDB), prefeito de Jundiaí. Machado abriu a reunião na tarde de terça e foi escolhido para explicar, durante o encontro com os gestores municipais, por que considera a a quaretena uma medida essencial neste momento. “Queremos evitar um caos na saúde no estado”, afirma.

Com o aval dos municípios, só os serviços considerados essenciais, como supermercados, farmácias e postos de gasolina, devem funcionar nos próximos 15 dias. Doria deve anunciar nesta quarta a data de início da quarentena. Também deve ser detalhado o posicionamento em relação às atividades escolares, que não foi divulgado na terça durante a reunião com os prefeitos.

“Com os hospitais operando no limite e o aumento no número de casos da Covid-19, praticamente todos os gestores municipais defendem uma ampliação das restrições”, diz Orlando Morando (PMDB), prefeito de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

Desde o início do ano, a comunidade científica vem alertando sobre a necessidade de medidas mais duras para conter o avanço da contaminação pelo coronavírus no país. Nesta terça, o número de mortos pela covid chegou a 1.726, um recorde.

A nova variante, que surgiu em Manaus, é um dos maiores motivos de preocupação. “Hoje, estamos entrando de cabeça no sistema no colapso de saúde pelo atraso na vacinação e da demora em adotar lockdowns”, disseo doutor em microbiologia e divulgador científico, Atila Iamarino.

Em Porto Alegre, o hospital particular Moinho dos Ventos, que já atingiu sua capacidade de máxima de atendimento na UTI, decidiu comprar um contêiner para colocar os mortos — o necretório está lotado. O Rio Grande do Sul não tem mais vagas de UTI disponíveis. Mais de 2.820 portadores do coronavírus estão internados em 2.818 leitos, incluindo hospitais públicos e privados.

Os centros de saúde da capital paulista também estão chegando no limite máximo de ocupação. Hospitais particulares como o Einstein e Oswaldo Cruz já não tem mais vagas de UTI. O Sírio Libanês se encontra perto da lotação máxima. Entre os centros de saúde públicos, a Santa Casa e o Emílio Ribas, considerado uma referência no tratamento de doenças infecciosas, também alcançaram 100% da ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva. “A situação é muito preocupante em várias cidades”, diz Machado.

 

 

Ver mais

Brasil

Aeroporto de Brasília instala nova câmera termográfica no desembarque

Publicado

dia

Por

O sistema, que também detecta a utilização de máscaras, tem objetivo de aprimorar a segurança do terminal e o controle de viajantes que chegam à capital federal

O equipamento é capaz de checar a temperatura de 30 pessoas ao mesmo tempo – (crédito: Divulgação/Aeroporto de Brasília)

Os passageiros que desembarcarem no Aeroporto de Brasília em voos domésticos agora terão a temperatura medida por uma solução termográfica automatizada instalada na saída do desembarque doméstico do terminal. A aferição da temperatura no desembarque era feita manualmente pelos bombeiros de aeródromo.

A checagem da temperatura é uma barreira sanitária que a Inframerica estabeleceu em parceria com o Governo do Distrito Federal para evitar o aumento do contágio do coronavírus na capital do país. Com a instalação do novo equipamento, a concessionária agiliza o procedimento de desembarque e possibilita mais conforto para os passageiros.

A instalação foi feita pela empresa Johnson Controls, especialista em tornar os espaços mais inteligentes e que auxilia a Inframerica na implementação de processos inovadores para a retomada dos voos.

O dispositivo, que também detecta a utilização de máscaras, tem a capacidade de processar as informações de 30 passageiros ao mesmo tempo. O usuário poderá conferir a sua temperatura em uma tela presente no local. Os dados são enviados automaticamente ao Centro de Controle Operacional da concessionária.

Além disso, se um indivíduo for identificado com temperatura acima do normal (37ºC), a sala de controle é acionada imediatamente por meio de alarme. A pessoa será submetida a uma nova checagem com um termômetro clínico. Se for comprovada a temperatura elevada, será recomendado que se dirija ao Posto Médico do terminal aéreo. Caso seja necessário, o passageiro será encaminhado a um hospital de referência do Distrito Federal para a realização de exames.

O Aeroporto de Brasília foi o primeiro terminal aéreo brasileiro a instalar esse tipo de câmera e a oferecer esse tipo de serviço no país. Desde maio, todos os passageiros que embarcam no terminal brasiliense têm a temperatura aferida e a ação é acompanhada de perto por um bombeiro civil da concessionária.

A solução termográfica e o alerta quanto ao uso de máscaras são ferramentas que a concessionária disponibiliza aos passageiros para garantir ainda mais tranquilidade na hora de voar, seja partindo ou chegando a Brasília.

Outras ações do Aeroporto de Brasília para garantir a retomada das operações incluem o distanciamento em filas, mesas e cadeiras, disponibilização de álcool em gel, higienização do terminal com produtos sanitários utilizados para desinfecção de UTIs e informativos. É possível checar todas as medidas aqui.

Por conta destas ações que a concessionária vem adotando, o terminal foi reconhecido internacionalmente pelo Conselho Internacional de Aeroportos (Airports Council International – ACI), que credenciou o aeroporto brasiliense com a Airport Health Accreditation (AHA), certificação de boas práticas em medidas sanitárias.

Ver mais

Brasil

Prouni: inscrição na lista de espera termina hoje, veja como fazer

Publicado

dia

Por

O resultado da lista de espera está previsto para o dia 5 de março, e as matrículas deverão ser feitas no período de 8 a 12 de março

Prouni: o Programa Universidade para Todos oferece, nessa edição, 162 mil bolsas para 13.117 cursos em 1.031 instituições de ensino, localizadas em todas as unidades federativas (Site do Prouni/Reprodução)

Termina hoje (2) o prazo para inscrição na lista de espera por bolsas de estudo do Programa Universidade para Todos (Prouni).

O resultado da lista de espera está previsto para o dia 5 de março, e as matrículas deverão ser feitas no período de 8 a 12 de março.

O Ministério da Educação alerta que, ao contrário do que ocorre na segunda chamada, a inscrição na lista de espera não é automática. É, portanto, necessário que a inscrição seja feita pelos candidatos que participaram do processo seletivo Prouni 2021. Essas vagas não serão abertas a novos inscritos.

O Prouni oferece, nessa edição, 162 mil bolsas para 13.117 cursos em 1.031 instituições de ensino, localizadas em todas as unidades federativas. Segundo o Ministério da Educação, desse total, 52.839 bolsas são para cursos na modalidade de educação a distância.

Os cursos disponíveis na lista de espera variam em cada edição. Como os resultados da espera vão sendo divulgados aos poucos, conforme a disponibilidade de vagas, o interessado deve acessar o sistema todos os dias, até o encerramento do período, para ver se foi contemplado.

O Ministério da Educação não envia mensagens informando sobre a aprovação. Caso seja pré-aprovado, o candidato também deve ficar atento ao prazo para a apresentar documentação exigida como comprovantes de renda, identificação pessoal, endereço e escolaridade.

O Prouni é o programa do governo federal que oferece bolsas de estudo, integrais e parciais (50%), em instituições particulares de educação superior. Para ter acesso à bolsa integral, o estudante deve comprovar renda familiar bruta mensal de até 1,5 salário mínimo por pessoa. Para a bolsa parcial, a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

É necessário também que o estudante tenha cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou da rede privada, desde que na condição de bolsista integral. Professores da rede pública de ensino também podem disputar uma bolsa e, nesse caso, não se aplica o limite de renda exigido dos demais candidatos.

É preciso que o candidato tenha feito a edição mais recente do Exame Nacional do Ensino Médio, tenha alcançado, no mínimo, 450 pontos de média das notas e não tenha tirado zero na redação. Excepcionalmente neste ano os estudantes serão selecionados de acordo com as notas do Enem de 2019, uma vez que as provas do Enem 2020 foram adiadas em razão da pandemia de covid-19.

As inscrições devem ser feitas com número e senha do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), na página de inscrição do programa.

Ver mais

Hoje é

quinta-feira, 4 de março de 2021

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?