Nossa rede

Brasília

DF: polícia prende trio do PCC por aplicar golpe em clientes de bancos

Publicado

dia

Os criminosos chegavam a lucrar até R$ 30 mil em finais de semana, enganando vítimas idosas que usavam terminais bancários nas agências

Integrantes de uma organização criminosa ligada à facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC) foram presos pela Polícia Civil do Distrito Federal aplicando uma série de crimes de estelionato e furto mediante fraude em agências bancárias do DF. O esquema permitia ao grupo lucrar R$ 30 mil apenas em finais de semana. Dois homens e uma mulher foram presos durante a Operação Cartão Trocado, deflagrada pela 3ª Delegacia de Polícia (Cruzeiro).

Durante as diligências, foram presos Danilo Alves de Souza, de 29 anos; Eber de Oliveira, 49, e Larissa Batista de Oliveira, de 25, pelos crimes de tentativa de estelionato e associação criminosa. As prisões ocorreram em uma agência bancária da quadra CLSW 105, no Sudoeste.

Nos quartos do hotel onde o grupo estava hospedado e no veículo utilizado pelos autores, foram realizadas buscas e apreendidas frentes falsas de leitora de cartão bancário, diversos artefatos para fraudar terminais eletrônicos, máquinas de cartão bancário, vários aparelhos celulares, um simulacro de carregador de arma de fogo, relógios, e a quantia de R$ 1,5 mil, em espécie.

REPRODUÇÃO/PCDF

De acordo com as investigações, os autores são paulistas e há informações de que o trio faz parte de uma organização criminosa ligada ao PCC. “Eles se deslocaram para o Distrito Federal com o único intuito de aplicar golpes em vítimas, geralmente pessoas idosas, que utilizam os terminais
eletrônicos de agências”, conta a delegada-chefe da 3ª DP, Cláudia Alcântara.

Segundo apurado, após fraudarem os terminais eletrônicos, os criminosos ofereciam ajuda às pessoas com dificuldade em efetuar as transações eletrônicas. Por meio do artifício, eles aplicavam os golpes, gerando altos prejuízos financeiros, tanto à vítima quanto à instituição financeira.

As investigações apontaram, também, que esses golpistas praticavam os crimes durante os finais de semana e feriados, em razão de apenas as áreas de autoatendimento das agências bancárias funcionarem sem a presença do público, funcionários e vigilantes. “Em depoimento na delegacia, um dos autores informou que o grupo conseguia lucrar o valor de R$ 30 mil com os golpes, em cada final de semana”, destaca a delegada.

Os autores também foram autuados por porte de drogas. Eles já possuem antecedentes criminais por  estelionatos praticados em São Paulo e no Rio de Janeiro e, ainda, por porte ilegal de arma de fogo.

Fonte: Metrópoles
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Brasília

Painel interativo permitirá acompanhar registro de feminicídios

Publicado

dia

Por

Informações poderão ser acessadas de qualquer lugar e reunirão panorama completo dos casos ocorridos desde 2015

Painel interativo permitirá o acompanhamento de análises e estudos da Câmara Técnica de Monitoramento de Homicídios e Feminicídios | Foto: Divulgação/SSP

“Muito dificilmente um feminicídio é a primeira violência sofrida. Comprovamos isso por meio dos estudos”Milton Neves, subsecretário executivo de Segurança Pública

Para mais transparência e aumento da interação com os diversos segmentos da sociedade e do governo no enfrentamento à violência contra a mulher, a Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP) lança, nesta segunda-feira (21), o Painel Interativo de Feminicídios. O material será disponibilizado por meio de tecnologia de Business Intelligence (BI), semelhante ao Painel Covid, utilizado pelo Governo do Distrito Federal para divulgação dos dados referentes à pandemia no DF. O lançamento ocorrerá no Palácio do Buriti, com transmissão ao vivo pelo Instagram da SSP, às 14h30.

O painel trará, de forma dinâmica e interativa, as análises e estudos da Câmara Técnica de Monitoramento de Homicídios e Feminicídios (CTMHF), da SSP. Haverá informações detalhadas de todos os feminicídios ocorridos no Distrito Federal desde a publicação da Lei nº 13.104, em março de 2015. O material subsidiará os gestores públicos, o sistema de justiça, acadêmicos, imprensa e população. Os dados serão atualizados sistematicamente e poderão ser acessados por meio do site da SSP, inclusive pelo celular.

“Nosso principal objetivo é envolver cada vez mais todos os segmentos da sociedade no enfrentamento a toda e qualquer violência contra mulher”, explica o secretário de Segurança Pública, delegado Júlio Danilo. “Essa é uma prioridade da gestão do governador Ibaneis Rocha e da Secretaria de Segurança Pública. O painel interativo é, sem dúvida, um avanço essencial para continuidade de implementação de políticas cada vez mais assertivas e direcionadas. Utilizar a BI é inovador, e o acesso a informações qualificadas é essencial para a elaboração de políticas públicas e para o suporte à tomada de decisão e ao monitoramento de resultados.”

“O estudo mostra que existem muitos casos de mulheres que permanecem no ciclo de violência por conta da dependência financeira de seus parceiros, e o programa busca a autonomia financeira das mulheres”Ericka Filippelli, secretária da Mulher

A iniciativa integra o programa Mulher Mais Segura, lançado em março deste ano pela SSP para coordenar iniciativas de proteção e prevenção a crimes dessa natureza. É mais uma entrega que materializa o comprometimento do governo como um todo com essa causa”, resume o titular da SSP. “São inúmeras parcerias para que vítimas de violência tenham, cada vez mais, acesso às políticas de proteção, aos mecanismos de denúncia e aos órgãos de proteção e repressão deste crime.  O painel será essencial para transparência e gestão técnica das políticas públicas”.

O secretário executivo de Segurança Pública, Milton Neves, faz um alerta: “Muito dificilmente um feminicídio é a primeira violência sofrida. Comprovamos isso por meio dos estudos que estarão disponíveis no painel e que apontam que, em cerca de 80% dos crimes ocorridos no DF desde 2015, as mulheres nem sequer tinham registrado um boletim de ocorrência contra o autor. O que impressiona é que, no decorrer da investigação, familiares, amigos e vizinhos relatam nos processos que já tinham visto ou escutado que aquela mulher tinha sido vítima de violência”.

A secretária da Mulher, Ericka Filippelli, elogia a iniciativa: “A transparência da informação, de um estudo tão aprofundado e completo como o realizado pela Secretaria de Segurança Pública, é estratégica para direcionamento de ações e mostra a preocupação do governo com a prevenção desse crime. Na Secretaria da Mulher, utilizamos o estudo como base para nossas ações, como ocorreu com a elaboração do programa Empreender Mulher, por exemplo. O estudo mostra que existem muitos casos de mulheres que permanecem no ciclo de violência por conta da dependência financeira de seus parceiros, e o programa busca a autonomia financeira das mulheres”.

O coordenador da CTMHF, Marcelo Zago, avalia: “A possibilidade de manusear e realizar pesquisas, inclusive dos locais de maior incidência do crime, com buscas por idade ou regiões administrativas em que essas vítimas viviam, torna mais fácil o entendimento da dinâmica do crime e deixará em evidência a importância da denúncia ou registro de ocorrência, mesmo que de forma anônima, para que o Estado possa agir antes da morte dessa mulher”.

Transparência

“A divulgação dos fatores de risco presentes nos feminicídios é de extrema relevância para determinação de políticas públicas centradas na prevenção e proteção das mulheres em situação de violência doméstica e familiar”Luciana Lopes Rocha, coordenadora do Núcleo Judiciário da Mulher do TJDFT

Desde março deste ano, como parte das ações do programa Mulher Mais Segura, os dados da CTMHF passaram a ser disponibilizados no site da SSP. “A diferença é que, a partir de agora, os dados serão desmobilizados de forma interativa ao usuário e não somente publicados de forma estática”, explica Zago. A pesquisa de informações por meio da plataforma de BI possibilitará a busca segmentada de informações, argumenta. “Será possível, por exemplo, realizar a pesquisa dos feminicídios ocorridos em uma região administrativa específica ou ainda a motivação para os crimes num determinado ano”, detalha o gestor.

Para a coordenadora do Núcleo Judiciário da Mulher e titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Luciana Lopes Rocha, a transparência de dados por meio da CTMHF tem sido fundamental para a prevenção ao feminicídio. “A divulgação dos fatores de risco presentes nos feminicídios, sejam eles tentados ou consumados, é de extrema relevância para determinação de políticas públicas centradas na prevenção e proteção das mulheres em situação de violência doméstica e familiar”, afirma.

A magistrada explica ainda que os estudos sobre fatores de risco que levam ao feminicídio são temáticas centrais das políticas públicas de vários países. “Trata-se de uma estratégia de atuação como perspectiva de gênero”, complementa.

Para a titular da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher II (Deam II), delegada Adriana Romana, a transparência dos dados será essencial para divulgar, também, o alto índice de elucidação dos feminicídios no DF. “A divulgação da quantidade de investigações que levaram à prisão dos autores é importante para que a população saiba que esta é uma temática prioritária em nossas investigações”.

A segmentação dos dados poderá contribuir com o direcionamento e organização das visitas feitas pelo Programa de Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid), da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). “Somente em 2021, entre janeiro e abril, o Provid realizou 6,2 mil visitas solidárias, monitorando 1,2 vítimas de violência doméstica e familiar”, informa a coordenadora do Provid, Adriana Vilela. “Desse total, mil eram mulheres. Os dados disponibilizados no novo painel vão contribuir muito com nosso trabalho”.

Proteção da mulher

“O Mulher Mais Segura nos proporcionou a possibilidade de implementar novas estratégias de ação e o fortalecimento daquelas já empregadas”Delegado Júlio Danilo, secretário de Segurança Pública

O programa Mulher Mais Segura reúne medidas, iniciativas e ações de enfrentamento aos crimes de gênero e fortalecimento de mecanismos de proteção a esse público. O lançamento ocorreu em março deste ano, como parte das ações pelo mês da mulher.

Entre as medidas, destaca-se o Dispositivo Móvel de Proteção à Pessoa (DMPP), que atualmente monitora cinco casos de Medida Protetiva de Urgência (MPU) encaminhados pelo Judiciário local. É um mecanismo inédito que permite acompanhar vítima e agressor de forma dinâmica, impedindo que se encontrem e informando ambos, em tempo real, caso haja invasão do perímetro de segurança estabelecido pela medida protetiva.

Mulher Mais Segura coordena ainda iniciativas já implementadas pela SSP, como Viva Flor, Aliança Distrital – Instituições Religiosas no enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar, reformulação da estratégia de divulgação dos vídeos de combate à violência de gênero da Turma da Mônica, Maria da Penha On-Line, Provid e delegacias especiais de atendimento à mulher (Deams). “O Mulher Mais Segura nos proporcionou a possibilidade de implementar novas estratégias de ação e o fortalecimento daquelas já empregadas”, resume o secretário de Segurança Pública. “Desta forma, garantimos mais sincronia entre as medidas e, consequentemente, mais eficiência do que já foi implementado, com ações sistemáticas e o comprometimento da segurança pública e do governo local.”

*Com informações da Secretaria de Segurança Pública

Ver mais

Brasília

Agendamento está aberto para quem tem 49 anos

Publicado

dia

Vacinação começa no fim de semana em cinco pontos na modalidade drive-thru

A Secretaria de Saúde ampliou a vacinação contra a covid-19 para pessoas entre 49 e 59 anos. O agendamento pelo site vacina.saude.df.gov.br já está aberto. A partir das 15h, quem tem comorbidades com 18 anos ou mais também poderá agendar atendimento.

O Comitê Operacional da Vacinação decidiu que 32 mil doses serão utilizadas para a vacinação das faixas etárias, 4 mil para pessoas com comorbidades e 2,6 mil para as forças de segurança .

A vacinação para esse público começa no sábado (19), a partir das 9h, em seis locais que poderão ser escolhidos durante o agendamento: Torre de TV, Parque da Cidade, no estacionamento 12, Faculdade Uniplan, em Águas Claras, Taguaparque e Sesc de Ceilândia.

A ampliação ocorre com a chegada de 30,4 mil doses da vacina Pfizer/BioNTech, recebidas na manhã desta sexta-feira (18) e da expectativa do recebimento de 22,6 mil doses da CoronaVac (sendo dividida entre D1 e D2).

O Comitê Operacional da Vacinação decidiu que 32 mil doses serão utilizadas para a vacinação das faixas etárias, 4 mil para pessoas com comorbidades e 2,6 mil para as forças de segurança.

Vacinação dos vigilantes

A Secretaria de Saúde aguarda a listagem dos trabalhadores vigilantes e bancários para dar início a vacinação desse público. A partir do recebimento, a pasta irá elaborar a estratégia de vacinação e anunciar a data de início.

Até o momento, 849.476 pessoas foram vacinadas com a primeira dose e 328.391 com a segunda dose. A cobertura vacinal da D1 é de 36,77% para o público elegível a receber a vacina, que são pessoas com 18 anos ou mais. Com o reforço, 14,22% dessa população já foi imunizada.

*Com informações da Secretaria de Saúde 

Ver mais

Brasília

Programa de ‘emplacamento inteligente’ do Detran-DF pretende agilizar registro de carros novos ainda na concessionária

Publicado

dia

Por

Sistema foi lançado nesta quinta-feira (17) e, segundo órgão, vai emitir documento digital ‘em poucos minutos’. Veja o que muda.

Documento de carro digital — Foto: Divulgação

O programa 1º Emplacamento Inteligente (PEI), lançado nesta quinta-feira (17) pelo Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF), pretende agilizar a emissão “em poucos minutos” do Certificado de Registro de Veículos (CRV) novos ainda na concessionária, por meio do CPF do comprador e da nota fiscal.

A medida que autoriza as mudanças no processo de emplacamento foi publicada no Diário Oficial. Antes, o primeiro registro de carros ou motos exigia a apresentação de documentos e a realização de vistoria nas unidades de atendimento do Detran, o que podia levar até semanas.

Agora, de acordo com o órgão, o novo sistema vai permitir que o cliente já saia da concessionária com o documento do veículo baixado no celular. Em caso de compras financiadas, basta o usuário apresentar também o contrato do empréstimo.

Com o programa, o Detran contabiliza uma lista de cerca de 30 serviços no portal e no aplicativo Detran Digital. Até a publicação dessa reportagem, o órgão não havia informado se haverá mais custos para o consumidor durante o emplacamento.

Serviço nas concessionárias

Podem aderir ao PEI as concessionárias registradas no DF, mediante requerimento e apresentação da seguinte documentação:

  • Termo de Adesão ao Programa 1º Emplacamento Inteligente – PEI, assinado pelo representante legal da empresa, mediante reconhecimento de firma ou assinatura eletrônica
  • contrato social da entidade registrado na Junta Comercial do Distrito Federal
  • cartão do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica – CNPJ
  • alvará de funcionamento com data de validade em vigor
  • identidade e/ou documento equivalente do responsável pela empresa
  • prova de regularidade fiscal, trabalhista e previdenciária, mediante respectiva certidão com data de validade em vigor.

As empresas que aderirem ao programa deverão prestar, de imediato esclarecimentos sobre os emplacamentos realizados e as demais pendências decorrentes do processo , inclusive aqueles referentes à fiscalização, investigação e auditoria.

O Detran informa que serão cobrados valores da concessionária por cada acesso ao banco de dados e por cada solicitação de correção, alteração, cancelamento e baixa dos dados decorrentes de erros ou falhas no cadastramento. Os custos são de acordo com a Tabela de Preços Públicos do Detran-DF.

Ver mais

Brasília

Covid-19: Ministério Público cobra ao GDF plano de retorno das aulas presenciais na rede pública

Publicado

dia

Por

Retomada está prevista para agosto, após vacinação de professores. Ofício encaminhado à Casa Civil pede data exata e relatório de planejamento.

Foto de sala de aula no DF, em imagem de arquivo — Foto: TV Globo/Reprodução

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) encaminhou, nesta quarta-feira (16), ofício à Casa Civil cobrando um plano de retorno das aulas presenciais na rede pública de ensino. A previsão do Executivo é de que os estudantes retornem às escolas em agosto, após vacinação contra Covid-19 dos professores (veja mais abaixo).

As aulas presenciais na rede pública da capital estão suspensas desde março do ano passado, quando foi registrado o primeiro caso do novo coronavírus. Segundo o ofício encaminhado pelo MPDFT, o documento apresentado pelo governo do DF deve ter a data exata da retomada dos estudantes.

O órgão estabeleceu prazo de 20 dias de resposta.

Fachada do Ministério Público do DF e Territórios, em imagem de arquivo — Foto: Nicole Angel/ G1 DF

Fachada do Ministério Público do DF e Territórios, em imagem de arquivo — Foto: Nicole Angel/ G1 DF

Além de questionar sobre a data de retorno, a força-tarefa do Ministério Público que fiscaliza ações de enfrentamento à Covid-19, também cobrou “relatório de planejamento e execução dos protocolos”, além de “medidas de segurança definidos pelas autoridades sanitárias“.

A requisição leva em conta o anúncio de que todos os profissionais da educação pública serão vacinados. A expectativa é que esse grupo seja imunizado com a vacina Janssen, que tem efeito com apenas uma dose. Segundo o MPDFT, o Ministério da Saúde deve entregar ao Distrito Federal 42 mil unidades do imunizante nos próximos dias.

Retorno das aulas.

Governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha, em imagem de arquivo — Foto: Renato Alves/ Agência Brasília

Governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha, em imagem de arquivo — Foto: Renato Alves/ Agência Brasília.

Em maio, Ibaneis confirmou para agosto a volta das aulas presenciais nas escolas públicas do Distrito Federal. O ensino na rede ocorre em regime remoto desde o dia 22 de junho do ano passando, em razão da pandemia de Covid-19. O ano letivo de 2021 começou em 8 de março, também com aulas online.

Já a vacinação de profissionais da educação que trabalham em creches iniciou em 21 de maio. Agora, a Secretaria de Saúde aguarda chegada das doses da Janssen para ampliar a campanha para trabalhadores de outros graus de ensino.

Ver mais

Brasília

Bolsa alimentação será paga a 82.275 alunos nesta quinta (17)

Publicado

dia

Por

Os valores são de R$ 87,56 e de R$ 175,12, para o estudante que faria uma ou duas refeições na escola, respectivamente

Além do Cartão Bolsa Alimentação, os estudantes em situação de vulnerabilidade também podem se beneficiar com as cestas verdes | Foto: Arquivo/Agência Brasília

O dinheiro do Cartão Bolsa Alimentação referente ao mês de junho será pago nesta quinta-feira (17),  no decorrer do dia. O benefício é destinado a estudantes da rede pública de ensino contemplados pelo Cartão Material Escolar no ano de 2021 e que fazem parte do Bolsa Família. O valor a ser creditado é de R$ 87,56 para quem faria uma refeição na escola, e de R$ 175,12 para quem estaria em período integral durante as atividades presenciais.

O investimento do Governo do Distrito Federal no programa para este primeiro pagamento é de R$ 7,22 milhões. Ao todo, estão sendo beneficiados 82.275 estudantes. O total individual foi calculado com base no valor unitário de R$ 3,98, por refeição.

Cestas verdes

Além deste programa, e no intuito de garantir a segurança alimentar e nutricional dos estudantes em situação de vulnerabilidade durante o período de ensino remoto, a Secretaria de Educação organizou a distribuição de cestas verdes.

Desde maio, são entregues 258 mil cestas verdes para as famílias de estudantes matriculados na rede pública e que manifestaram interesse em receber os produtos. Elas são compostas por frutas e hortaliças provenientes da agricultura familiar, com recursos do Pnae – um investimento de R$ 5 milhões.

*Com informações da Secretaria de Educação

Ver mais

Brasília

Escala de servidores da Saúde passa a ser divulgada em painel

Publicado

dia

Por

Medida reforça a transparência na apresentação dos dados, disponíveis para consulta de toda a população

A partir desta quinta-feira (17), a Secretaria de Saúde (SES) torna disponível, na página Info Saúde – DF, a escala dos servidores da pasta. Adotada para reforçar a transparência das informações, a medida é fruto de parceria entre as subsecretarias de Gestão de Pessoas (Sugep) e de Planejamento em Saúde (Suplans) e a Controladoria Setorial de Saúde (Cont), por meio da Unidade Setorial de Transparência e Controle Social (Ustrac).

Informações serão atualizadas diariamente

“Esse painel com a escala dos servidores é um projeto inovador e vai aumentar a publicidade e a transparência, fornecendo as informações em uma linguagem cidadã para que a população possa consultar os dados de maneira fácil e acessível”, explica o titular da Diretoria de Gestão de Informações Estratégicas (DGIE), Tiago Amaral Flores.

Os dados serão extraídos do sistema interno da SES de forma automática, sem interferência humana, o que minimiza possíveis erros. A atualização do painel será feita diariamente. A elaboração levou em torno de 30 dias, em trabalho desenvolvido internamente pela equipe da SES.

“É importante lembrar que a escala é dinâmica e podem ocorrer mudanças na necessidade do serviço, principalmente nesta fase de pandemia”, alerta o gestor da DGIE.

Consulte aqui o painel.

*Com informações da Secretaria de Saúde

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade
Publicidade

Viu isso?