Nossa rede

Economia

Reforma tributária volta a ser debatida no Congresso. Agora vai?

Publicado

dia

Comissão mista discute a unificação de propostas de parlamentares e do Executivo

PAULO GUEDES: “microimposto” sobre transações digitais é importante para desonerar a folha, segundo o ministro da Economia (Adriano Machado/Reuters)

Paralisada desde abril em função da pandemia, a comissão mista criada para unificar as propostas de reforma tributária de deputados, senadores e do governo federal volta a discutir o tema nesta quinta-feira (30).

Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, teve uma reunião com o relator da reforma, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), da qual também participaram o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, responsável pela articulação com o Congresso, e o secretário da Receita Federal, José Tostes.

Guedes saiu do encontro dizendo a jornalistas que podia adiantar que não haveria aumento de carga tributária com a reforma, mas disse que será necessário aumentar a base de arrecadação.

A contribuição do Executivo, que chegou incompleta há pouco mais de uma semana ao debate, e com mais de um ano de atraso, tem em comum com a dos parlamentares a intenção de mudar a forma como se tributa consumo no país, por meio de um imposto sobre valor agregado (IVA), adotado em grande parte dos países desenvolvidos.

Esse imposto substituiria todos os outros no caso das propostas dos senadores e deputados, mas somente os federais PIS e Cofins, na do governo.

A intenção do ministro da Economia é enviar ao Legislativo até agosto o restante de sua reforma, que incluirá o que ele chamou de “microimposto” sobre transações digitais, como forma de desonerar a folha de salários das empresas para trabalhadores de baixa renda.

Uma alíquota de 0,2%, segundo cálculos iniciais da equipe econômica, indica um potencial de arrecadação de R$ 120 bilhões ao ano.

Por lembrar a CPMF, antigo “imposto do cheque” extinto em 2007, o plano de Guedes tem gerado resistência, sobretudo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que já disse diversas vezes que não aceitará um imposto do tipo.

Guedes argumenta que, para desonerar a folha, precisa de uma contrapartida e que a base de tributação desse imposto seria bem maior do que a da CPMF.

Com a arrecadação, o ministro também pretende viabilizar o programa social “Renda Brasil”, possível substituto do Bolsa Família, e aumentar a faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), hoje em R$ 1,9 mil.

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Economia

Bilionários por um dia: sócios da Magic Empire ganham fortuna repentina com alta misteriosa de ações

Publicado

dia

Por

Empresa de Hong Kong tem só nove funcionários. Papeis subiram 6.149% na Bolsa americana, em mais um caso de valorização súbita de companhias chinesas que fazem IPO nos EUA

As fortunas rapidamente se diluírem quando os preços dos papéis despencaram (Bloomberg/Reprodução)

Dois fundadores do Magic Empire Global, um banco de investimento pouco conhecido de Hong Kong, tornaram-se bilionários por um dia após uma desconcertante alta nas ações da empresa, para logo em seguida ver suas fortunas rapidamente se diluírem quando os preços dos papéis despencaram.

As ações da Magic Empire, que fornece serviços de subscrição e consultoria e ajudou apenas uma empresa a abrir o capital em dois anos, subiram 6.149% desde sua estreia em bolsa nos EUA na sexta-feira, dando-lhe um valor de mercado de US$ 5 bilhões.

Isso significava que os cofundadores do banco, Gilbert Chan e Johnson Chen, tinham participações no valor de US$ 1,8 bilhão e US$ 1,3 bilhão, respectivamente, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. A dupla em conjunto controla cerca de 63% da empresa.

O que ninguém esperava é que as ações caíssem 89% na terça-feira, fechando em US$ 12,32, apenas três vezes mais do que seu preço na oferta pública inicial de US$ 4. Com isso, a participação de Chan agora vale cerca de US$ 90 milhões e a de Johnson está avaliada em US$ 65 milhões.

Valorizações e desvalorizações súbitas

O caso da Magic Empire é o mais recente de uma série de valorizações súbitas de companhias da China ou de Hong Kong que fazem IPOs nos EUA . A empresa de consultoria tinha apenas nove funcionários até o fim do ano passado e informou que a receita caiu 17%, para US$ 2,2 milhões em 2021.

Desde sua criação em 2016, a Magic Empire concluiu oito listagens nas Bolsas americanas- uma delas foi retirada e as outras estão sendo negociadas abaixo do seu preço de IPO.

Saiba mais sobre Chan e Chen

Chan, presidente da Magic Empire, estudou contabilidade na Universidade Chinesa de Hong Kong e trabalhou como auditor antes de passar nove anos na divisão de finanças corporativas da CCB International Capital Ltd. Chen, diretor executivo da empresa e ex-colega de universidade de Chan, foi auditor da KPMG antes de ingressar na Guotai Junan Capital.

Os dois, ambos com 41 anos, acreditavam que havia falta de consultores de finanças corporativas para pequenas e médias empresas em Hong Kong e criaram a Giraffe Capital, entidade operacional da Magic Empire. O nome foi inspirado no filho de Chan, que ama o animal. Chan detém uma participação de 36,8% na empresa, enquanto Chen detém 26,3%.

Procurado pela reportagem, um representante da Magic Empire se recusou a comentar sobre o desempenho das ações e a riqueza dos fundadores.

(O Globo)

Ver mais

Economia

Inflação ao produtor dos EUA, 50 balanços com Magalu, JBS, B3 e Oi e o que mais move o mercado

Publicado

dia

Por

Mercado internacional estende ganhos da véspera por dados de inflação abaixo do esperado nos Estados Unidos

Relatório financeiro: Dia será o mais agitado da agenda de balanços (deepblue4you/Getty Images)

Investidores internacionais dão continuidade à corrida para ativos de risco nesta quinta-feira, 11, ainda com resquícios do bom humor por dados de inflação abaixo do esperado nos Estados Unidos.

O Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) de julho, divulgado na véspera, desacelerou de 9,1% para 8,5% — ante expectativa de queda para 8,7%.

Os números serviram de grande impulso para as bolsas de valores, com o Ibovespa encerrando o último pregão acima de 110.000 pontos pela primeira vez desde o início de junho. Nos Estados Unidos, o Índice Nasdaq saltou quase 3% e entrou tecnicamente em bull market, superando 20% de alta em relação à mínima do ano.

A forte alta foi reflexo não só da inflação mais baixa, mas também da perspectiva de que o Federal Reserve irá reduzir o ritmo de alta na próxima reunião para 0,50 ponto percentual. A probabilidade voltou a ser majoritária após os dados de quarta-feira, 10.

Nesta quinta, porém, o mercado deve voltar a se debruçar sobre a dinâmica da inflação americana, com divulgação do Índice de Preço ao Produtor (PPI, na sigla em inglês) às 9h30 nos Estados Unidos.

O consenso é de desaceleração de 11,3% para 10,4%. A tendência é de que o PPI dê um novo gás ao apetite ao risco, caso saia abaixo das projeções.

Desempenho dos indicadores às 7h20 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): + 0,30%
  • S&P 500 futuro (Nova York): + 0,18%
  • Nasdaq futuro (Nova York): + 0,08%
  • FTSE 100 (Londres): – 0,10%
  • DAX (Frankfurt): – 0,10%
  • CAC 40 (Paris): – 0,17%
  • Hang Seng (Hong Kong)*: + 2,40%
  • Shangai Composite (Xangai)*: + 1,60%

50 empresas divulgam resultados

Mas além do cenário macroeconômico, investidores também seguem atentos à parte micro das empresas, com a agenda de balanços pegando fogo.

O dia será o mais agitado da temporada de resultados do segundo trimestre, com a janela de divulgações se aproximando do fim. São cerca de 50 balanços previstos esta quinta.

Entre os resultados mais aguardados estão o das grandes varejistas de e-commerce, como Americanas (AMER3), Via (VIIA3), Magazine Luiza (MGLU3)e Enjoei (ENJU3). Das maiores da bolsa em valor de mercado, terá Raízen (RAIZ4), Natura (NTCO3), JBS (JBSS3), CCR (CCRO3), Cyrela (CYRE3), Marfrig (MRFG3) e a própria B3 (B3SA3), responsável pela administração da bolsa brasileira.

O dia ainda terá os balanços de Oi (OIBR3), Grupo Mateus (GMAT3), Cogna (COGN3), JHSF (JHSF3), Arezzo (ARZZ3), Vivara (VIVA3) e Sabesp (SBSP3) entre os mais esperados. Azul (AZUL4) apresentará seus números antes do início do pregão.

Reação aos balanços da última noite

A quinta também deverá ser de reação à série de balanços divulgados na noite passada. O Banco do BrasiL (BBAS3), o último entre os grandes de varejo a apresentar resultado, registrou o maior lucro líquido da noite: R$ 7,8 bilhões, 55% maior que o do mesmo período de 2021. Os balanços de Braskem (BRKM5), Equatorial (EQTL3), BRF (BRFS3), Minerva (BEEF3), Taesa (TAEE11) e Petz (PETZ3) também estiveram entre os mais importantes da última noite.

Ver mais

Economia

Inflação abaixo do esperado nos EUA alimenta aposta de menor ritmo de alta de juros do Fed

Publicado

dia

Por

Índice de Preço ao Consumidor americano desacelera em julho e mercado volta a ver elevação de 0,5 p.p. em setembro como o cenário mais provável

Jerome Powell: presidente do Federal Reserve; próxima reunião de política monetária será em setembro (Samuel Corum/Getty Images)

O Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) de julho caiu de 9,1% para 8,5% na comparação anual, permanecendo estável frente ao mês anterior. O dado, divulgado nesta quarta-feira, 10, serviu de alívio para o mercado financeiro, que projetava alta de 0,2% no mês e CPI de 8,7% no acumulado de 12 meses.

A expectativa de que o pior da inflação americana já tenha ficado para trás impulsionou as apostas em ativos de risco, como bolsa, moedas emergentes e até criptomoedas.

No mercado de juros futuros, investidores aumentaram as apostas de que o Federal Reserve (Fed) irá reduzir o ritmo de alta de juros de 0,75 ponto percentual para 0,50 p.p. na próxima reunião de política monetária, em setembro.

A alta mais branda havia perdido o posto de ajuste mais provável no fim da última semana, quando dados do mercado de trabalho americano saíram mais fortes que o esperado — reforçando a tese de que um aperto monetário mais duro seria necessário para conter a inflação. Mas os números desta quarta mudaram a direção das apostas.

A probabilidade de redução do ritmo, que era de 30% no início desta manhã, saltaram para acima de 60% após a divulgação do CPI, segundo o monitor do CME Group. Se confirmada, a alta irá elevar a taxa básica de juros americana para o intervalo entre 2,75% e 3%.

O CPI de julho também alimentou as expectativas de que o ciclo de alta de juros encerre em 3,5%. Para a reunião de novembro, a probabilidade de ajuste ainda residual, de 0,25 p.p. passou para 38,5% frente aos 16,3% do dia anterior.

As maiores apostas ainda são de mais duas altas de juros de 0,50 ponto percentual. A chance de os juros americanos encerrarem o ano entre 3,75% e 4% caíram 27% para perto de 10%, e a de irem para entre 3,5% e 3,75%, de 47,1% para 38,4%.

 

Ver mais

Economia

China registra a maior inflação em dois anos

Publicado

dia

Por

O aumento dos preços é puxado pelos alimentos, especialmente a carne suína

China: país registra a maior inflação em dois anos (XU JINBAI/ Feature China/Future Publishing/Getty Images

A inflação na China atingiu seu nível mais alto em dois anos, em julho, mostraram dados oficiais divulgados nesta quarta-feira. O aumento dos preços é puxado pelos alimentos, especialmente a carne suína.

Ainda assim, os aumentos de preços na segunda maior economia do mundo são modestos em comparação com a inflação descontrolada em outros países, desde a invasão da Ucrânia pela Rússia e as interrupções no mercado de alimentos.

O índice de preços ao consumidor da China cresceu 2,7% ao ano em julho, de acordo com o National Bureau of Statistics.

O índice sobe “devido ao aumento dos preços da carne de porco, legumes frescos e outros alimentos”, disse a estatística Dong Lijuan.

Segundo ela, o preço dos alimentos subiu 6,3% em relação ao ano anterior e, no caso da carne suína, chegou a 20,2% devido ao aumento da demanda e à relutância dos produtores em vender para maximizar o lucro.

Em contraste, o índice de preços ao produtor, que mede a inflação industrial, subiu 4,2% em julho, em relação ao ano anterior, ante 6,1% no mês anterior, segundo dados oficiais.

O Instituto Nacional de Estatística atribui isso à queda dos preços de matérias-primas no mercado internacional, como petróleo bruto e metais não ferrosos.

(Agência O Globo)

Ver mais

Economia

Inflação nos EUA, onda de balanços com BB e Smart Fit, reação à CVC e o que mais move o mercado

Publicado

dia

Por

Mercado espera que Índice de Preço ao Consumidor americano dê indícios sobre tamanho da alta de juros do Federal Reserve

Inflação americana: consenso é de alta de 8,7% para CPI de julho (o: Khanchit Khirisutchalual/Getty Images)

Investidores iniciam esta quarta-feira, 10, à espera de que o Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos dê novas pistas sobre o futuro da política monetária do Federal Reserve (Fed).

A expectativa é de que o CPI de julho, que será divulgado às 9h30, desacelere de 1,3% para 0,2% na comparação mensal e, na anual, de 9,1% para 8,7%. Para o núcleo do CPI o consenso é de aceleração de 5,9% para 6,1% no acumulado em um ano.

Economistas tentam descobrir qual será o pico da inflação americana. Números abaixo das projeções de mercado tendem a fortalecer a tese do “pouso suave”, de que o Fed não irá conter a alta de preços ao preço de uma dura recessão.

Dados do payroll, que saíram acima do consenso na sexta-feira, 5, aumentaram a probabilidade de o Fed manter o ritmo de alta de juros em 0,75 ponto percentual — em vez de reduzir para 0,50 p.p., como sinalizado.

A chance, nesta manhã, está em 70% para uma elevação de 0,75 p.p. em setembro, segundo o CME Group. Investidores aguardam os dados desta quarta para reforçarem ou reduzirem as apostas de um aperto monetário mais intenso.

Índices futuros americanos iniciaram o dia em alta, após terem fechado em queda no último pregão sob expectativas para o CPI. O índice Nasdaq, com maior concentração de empresas mais sensíveis à taxa de juros, teve o pior desempenho de Wall Street, caindo mais de 1%. Nesta manhã, é o que mais sobe no mercado de futuros.

No Brasil, onde o fim do ciclo de alta de juros se torna cada vez mais claro entre economistas, o Ibovespa fechou em alta pelo sexto dia consecutivo. No mercado, já se fala em rotação para ações de crescimento, que seriam as mais beneficiadas pela redução da inflação e consequente afrouxamento da política monetária do Banco Central.

Desempenho dos indicadores às 7h20 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): + 0,21%
  • S&P 500 futuro (Nova York): + 0,24%
  • Nasdaq futuro (Nova York): + 0,27%
  • FTSE 100 (Londres): + 0,11%
  • DAX (Frankfurt): + 0,02%
  • CAC 40 (Paris): + 0,03%
  • Hang Seng (Hong Kong)*: – 1,96%
  • Shangai Composite (Xangai)*: – 0,54%
  • Nikkei 225 (Tóquio)*: – 0,65%

Reação à CVC

O último pregão, porém, não foi dos melhores para as ações da CVC (CVCB3), que fecharam em queda de 10,96%, em meio ao pessimismo para o resultado divulgado após o encerramento dos negócios. Para piorar, a ação teve recomendação revisada de compra para neutra por analistas do J.P. Morgan no início da semana de seu balanço.

Em resultado divulgado na última noite, a companhia registrou prejuízo líquido de R$ 94,8 milhões, 43,2% abaixo do apresentado no mesmo período do ano passado. Já o caixa da companhia encolheu em R$ 300 milhões em meio a compromissos para arcar com os gastos de viagens futuras de seus clientes. As reservas confirmadas dispararam 124,4% no período para R$ 3,75 bilhões.

Balanços do dia com BB e SmartFit

Para esta noite, mais de 20 balanços estão previstos. Entre os mais aguardados está o do Banco do Brasil (BBAS3), que será o último entre os bancões a apresentar resultado. A agenda de balanços da noite ainda terá MRV (MRVE3),  Alianasce Sonae (ALSO4), Braskem (BRKM5), C&A (CEAB3), Soma (SOMA3), BRF (BRFS3),  Estapar (ALPK3), SLC (SLCE3), Minerva (BEEF3) e Petz (PETZ3). Já o resultado da Smart Fit (SMFT3) está previsto para esta manhã.

Vendas do Varejo

Nesta manhã, também serão divulgadas as vendas do varejo de junho sob estimativa de 0,1% de queda frente ao mesmo período do ano passado.

Ver mais

Economia

Mega-Sena desta quarta sorteia prêmio de R$ 8 milhões; saiba como apostar

Publicado

dia

Por

Apostas podem ser feitas até as 19h nas casas lotéricas credenciadas, pela internet ou no aplicativo da loteria

Mega-Sena desta quarta sorteia prêmio de R$ 8 milhões; saiba como apostar (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A Caixa Econômica Federal realiza nesta quarta-feira o concurso 2.509 da Mega-Sena, com um prêmio estimado em R$ 8 milhões. O sorteio está marcado para as 20h no Espaço da Sorte, em São Paulo. Haverá transmissão ao vivo pelas redes sociais da instituição.

As apostas da Mega-Sena podem ser feitas até as 19h do dia do sorteio nas casas lotéricas credenciadas, pela internet ou no aplicativo da loteria. O palpite mínimo custa R$ 4,50.

Além desse modelo de aposta, com seis números selecionados, que paga o prêmio principal, ainda é possível ganhar prêmios ao acertar quatro ou cinco dezenas.

Como apostar na Mega-Sena? Qual valor?

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pela internet. A aposta simples, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50.

Probabilidades de vencer a Mega-Sena

A probabilidade de acertar as seis dezenas com uma aposta simples de R$ 4,50 é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa Econômica Federal.

Valores para jogar na Mega-Sena

  • 6 números: R$ 4,50
  • 7 números: R$ 31,50
  • 8 números: R$ 126,00
  • 9 números: R$ 378,00
  • 10 números: R$ 945,00
  • 11 números: R$ 2.079,00
  • 12 números: R$ 4.158,00
  • 13 números: R$ 7.722,00
  • 14 números: R$ 13.513,50
  • 15 números: R$ 22.522,50

Como fazer um bolão da Mega-Sena

Para aumentar as chances de ganhar, muitos jogadores optam por adquirir cotas dos bolões, já que concorrem com uma maior quantidade de jogos e de números em uma aposta, gastando menos.

Para realizar o bolão, basta formar um grupo, escolher os números da aposta, marcar a quantidade de cotas e registrar em qualquer uma das 13 mil lotéricas do país. Ao ser registrada no sistema, a aposta gera um recibo de cota para cada participante que, em caso de premiação, poderá resgatar o prêmio individualmente.

O apostador também pode adquirir cotas de bolões organizados pelas lotéricas. Para isso, é preciso solicitar ao atendente a quantidade de cotas que deseja e guardar o recibo para conferir a aposta no dia do sorteio. Nesse caso, poderá pagar uma tarifa de serviço adicional de até 35% do valor da cota, a critério da lotérica.

Na Mega-Sena, os bolões têm preço mínimo de R$ 10. Porém, cada cota não pode ser inferior a R$ 5. É possível realizar um bolão de no mínimo duas e no máximo 100 cotas. É permitida a realização de no máximo dez apostas por bolão. Nos casos de mais de uma aposta, todas elas deverão conter a mesma quantidade de números de prognósticos.

Link para apostar na Mega-Sena

As apostas podem ser feitas nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa em todo o país ou pela internet, através deste link.

(Com informações de Agência O Globo)

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?