Nossa rede

Tecnologia

Na busca por recuperação, Uber apresenta resultados do 3º trimestre

Publicado

dia

Companhia deve apresentar novamente resultados negativos por conta do impacto da crise do novo coronavírus

Dara Khosrowshahi: presidente da Uber deve apresentar resultados negativos da empresa neste trimestre (Anushree Fadnavis/Reuters)

A Uber apresenta nesta quinta-feira (5) seus resultados financeiros do terceiro trimestre de 2020. A companhia não vive o seu melhor ano em razão da pandemia do novo coronavírus, que afetou o serviço de transporte de passageiros da empresa. Por outro lado, a empresa vem de uma grande vitória após uma votação na Califórnia decidir que empresas de aplicativo não precisam tratar motoristas e entregadores como funcionários.

Na análise de especialistas de Wall Street, a Uber deve reportar queda de 15,9% na receita do trimestre em relação ao mesmo período do ano passado. Será a segunda queda seguida no faturamento. Isso resultaria em uma baixa de cerca de 570 milhões de dólares, fazendo com que a empresa apresente faturamento próximo de 3,2 bilhões de dólares.

A maior queda, é claro, deverá vir do segmento destinado ao transporte de passageiros. O mercado projeta que passageiros irão gastar 6,5 bilhões de dólares em corridas durante o trimestre ante 12,6 bilhões de dólares do mesmo trimestre do ano passado (é importante lembrar que a Uber fica apenas com uma fatia deste valor, já que o restante é destinado aos condutores).

Por outro lado, há a expectativa de crescimento no setor de entrega de refeições capitaneado pelo aplicativo Uber Eats, que passou por mudanças recentes. O segmento deve movimentar 7,9 bilhões de dólares no trimestre, mais do que o dobro dos 3,7 bilhões de dólares registrados no terceiro trimestre de 2019. A projeção é da consultoria americana Visible Alpha.

Para os acionistas, a expectativa é de que a companhia apresenta novamente queda no valor do lucro por ação para 0,61 dólar por papel. No terceiro trimestre do ano passado, a companhia obteve lucro por ação de 0,68 dólar por papel.

Avaliada em 71,8 bilhões de dólares, a Uber vivia um trimestre instável no mercado de capitais até esta quarta-feira, quando as ações disparam 14,5%, reflexo dos resultados da votação na Califórnia. Cada papel da empresa estava sendo negociado ontem por quase 41 dólares. Para efeito de comparação, as ações da Uber chegaram a valer 18,90 dólar por papel em março.

 

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Tecnologia

Como se preparar para combater o cibercrime em 2022

Publicado

dia

Por

Relatório disponibilizado para a Bússola aponta que sistemas de IoT, cadeias de suprimentos globais e ambientes em nuvem serão alvos dos hackeres

Home office causou gaps e, com o trabalho híbrido, será possível montar estratégias mais robustas para os problemas. (Oliver Nicolaas Ponder / EyeEm/Getty Images)

 

Relatório com as previsões para 2022, elaborado pela Trend Micro, empresa de soluções de cibersegurança, revela que as organizações globais vão estar mais preparadas e alertas para enfrentar o cibercrime, com uma abordagem abrangente, proativa e que prioriza a nuvem para mitigar os riscos. Segundo os pesquisadores, os hackers concentrarão os ataques de ransomware em servidores e serviços expostos.

Pesquisa, visão de futuro e automação serão fundamentais para que as organizações gerenciem os riscos e protejam sua força de trabalho. A Trend Micro bloqueou 66,3 bilhões de ameaças de e-mail, arquivos e URLs maliciosas, de janeiro a setembro deste ano, o que representa praticamente o mesmo número detectado em todo o ano de 2020.

Temos mais pesquisadores cibernéticos incorporados em todo o mundo do que qualquer concorrente, e esses insights e descobertas são amplamente usados dentro da indústria, alimentando nossas próprias ofertas de produtos”, diz Kevin Simzer, diretor de Operações da Trend Micro.

Devido ao grande número de funcionários que continuarão trabalhando no formato home office, pesquisadores afirmam que ransomware em servidores e serviços expostos serão os alvos. De acordo com o relatório, as vulnerabilidades serão transformadas em armas em tempo recorde e, conectadas a bugs de escalonamento de privilégios, vão produzir campanhas de sucesso.

“Foram dois anos duros para as equipes de cibersegurança, tumultuados pelo trabalho em casa e pela explosão de ataques corporativos”, afirma Jon Clay, vice-presidente de Inteligência de Ameaças da Trend Micro.

Para Clay, à medida que o trabalho híbrido se estabelece e as atividades são retomadas, os líderes de segurança tornam-se capazes de traçar uma estratégia mais robusta para fechar esses gaps e dificultar a vida dos cibercriminosos.

Sistemas de IoT (Internet das Coisas), cadeias de suprimentos globais, ambientes em nuvem e funções de DevOps serão os alvos preferidos em 2022. Cepas mais sofisticadas de malware terão na mira pequenas e médias empresas. No entanto, a Trend Micro prevê que muitas organizações estarão prontas para o desafio porque estão implementando desde já uma estratégia para mitigar os riscos emergentes, por meio de:

  • Rigorosas políticas de proteção de servidor e controle de aplicativos para enfrentar as ameaças de ransomware;
  • Patches baseados em riscos e um foco de alerta alto na detecção de brechas de segurança;
  • Proteção de linha de base aprimorada para SMBs (Server Message Block, ou “bloco de mensagens do servidor”) centrados na nuvem;
  • Monitoramento de rede para maior visibilidade em ambientes IoT;
  • Princípios Zero Trust para proteção das cadeias internacionais de suprimentos;
  • Segurança em nuvem com foco no risco ao DevOps e nas melhores práticas do setor;
  • Solução XDR (Extended Detection and Response, ou “Detecção e Resposta Estendida”) para identificar ataques em todas as redes.

 

Ver mais

Tecnologia

Funcionários da Apple terão que comprovar 3º dose da vacina contra covid

Publicado

dia

Por

A nova regra vale para trabalhadores do varejo e corporativo

Logo da Apple: empresa cofundada por Steve Jobs acaba de atingir nova marca inédita nos mercados globais | Foto: GettyImages (Costfoto/Barcroft Media/Getty Images)

A Apple planeja exigir dos funcionários das lojas e escritórios comprovantes que mostrem o esquema vacinal completo contra covid-19, e que incluam a terceira dose de um imunizante, informou o portal de notícias The Verge, citando um e-mail interno. O novo protocolo começa a partir do dia 24 de janeiro.

Para aqueles que não tomarem a vacina, a empresa vai cobrar testes negativos de covid-19 diariamente como condição para entrar nos locais de trabalho da Apple, segundo o relatório.

“Devido à diminuição da eficácia da série primária de vacinas Covid-19 e ao surgimento de variantes altamente transmissíveis, como Ômicron, uma dose de reforço agora faz parte da atualização da vacinação contra Covid-19 para proteger contra doenças graves”, disse o comunicado.

Muitas empresas nos EUA vêm fortalecendo suas regras contra covid-19, obrigando a vacinação e adiando os planos de retorno ao escritório, pois a variante Ômicron aumenta as infecções em todo o país. A Meta Platforms, o Google da Alphabet, a Amazon.com foram algumas das companhias que adotaram medidas recentes.

 

Ver mais

Tecnologia

Com trabalho híbrido, Google gasta US$1 bi em escritórios em Londres

Publicado

dia

Por

Empresa de tecnologia aposta que os trabalhadores de tecnologia vão querer voltar para o escritório – pelo menos temporariamente

O escritório do Google em King’s Cross Central em Londres, Reino Unido (Jason Alden/Bloomberg)

O Google, da Alphabet, deve gastar 1 bilhão de dólares para comprar seus próprios escritórios em Londres, mantendo uma presença importante na capital do Reino Unido em um momento em que as empresas lutam para saber como gerenciar os hábitos de trabalho dos funcionários.

A compra e reforma do complexo Central Saint Giles, para o qual se mudou em 2011, está sendo realizada à medida que a empresa termina a construção do sua nova sede gigante no Reino Unido na área de King’s Cross, que conta com piscina, salas de massagem e de exercícios.

A última compra é uma aposta do Google de que os trabalhadores de tecnologia vão querer voltar para o escritório – pelo menos temporariamente. O Google disse em comunicado na sexta-feira que reformará os escritórios para adicionar espaço de trabalho mais flexível para as equipes.

Em agosto do ano passado, o Google aprovou 85% dos pedidos dos funcionários para trabalho remoto ou realocação assim que seus escritórios reabrissem totalmente. A empresa espera que cerca de 60% de seus funcionários trabalhem no escritório alguns dias por semana, com cerca de 20% aptos a se candidatar a trabalhar permanentemente em casa.

As discussões do Google para comprar a propriedade de Central Saint Giles foram relatadas em outubro.

A demanda por edifícios de escritórios em Londres se manteve durante a pandemia, mesmo que as empresas continuem a fazer malabarismos para gerenciar o retorno à vida nos escritórios.

O Google disse que pretende acomodar 10.000 funcionários em suas instalações no Reino Unido assim que todos os projetos de construção e renovação em andamento estiverem concluídos. Atualmente são mais de 6.400.

Ver mais

Tecnologia

Rússia derruba grupo de hackers a pedido dos EUA, diz FSB

Publicado

dia

Por

As prisões foram uma rara demonstração aparente de colaboração entre os países, em um momento de altas tensões entre ambos sobre a Ucrânia

(Witthaya Prasongsin/Getty Images)

A Rússia realizou uma operação especial contra o grupo criminoso especializado em ataques de ransomware REvil a pedido dos Estados Unidos, e prendeu e acusou formalmente os membros do grupo, disse o serviço de inteligência doméstica russo FSB nesta sexta-feira.

As prisões foram uma rara demonstração aparente de colaboração entre a Rússia e os Estados Unidos, em um momento de altas tensões entre os dois países sobre a Ucrânia. O anúncio veio justamente quando a Ucrânia estava respondendo a um grande ataque cibernético que desativou sites do governo, embora não haja indicação de que os incidentes estejam relacionados.

Uma operação conjunta da polícia e do FSB vasculhou 25 endereços, detendo 14 pessoas, disse o serviço de segurança, listando ativos que apreendeu, incluindo 426 milhões de rublos, 600 mil dólares, 500 mil euros, equipamentos de informática e 20 carros de luxo.

A Rússia informou diretamente os Estados Unidos sobre as medidas que tomou contra o grupo procurado pelos EUA, disse o FSB em seu site. A embaixada dos Estados Unidos em Moscou disse que não poderia comentar imediatamente.

“As medidas investigativas foram baseadas em um pedido dos… Estados Unidos”, disse o FSB. “A associação criminosa organizada deixou de existir e a infraestrutura de informação utilizada para fins criminosos foi neutralizada.”

O canal de televisão REN transmitiu imagens de agentes invadindo casas e prendendo pessoas, imobilizando-as no chão e apreendendo grandes pilhas de dólares e rublos. Os membros do grupo foram acusados ​​formalmente e podem pegar até 7 anos de prisão.

Uma fonte familiarizada com o caso disse à Interfax que os membros do grupo com cidadania russa não seriam entregues aos Estados Unidos.

Os Estados Unidos foram atingidos por uma série de ataques cibernéticos em busca de resgate. Uma fonte com conhecimento direto do assunto disse à Reuters em junho que o REvil era suspeito de ser o grupo por trás de um ataque de ransomware à maior empresa de carne do mundo, a JBS.

Os EUA acusaram repetidamente o Estado russo no passado de atividade criminosa na internet, o que a Rússia nega.

 

Ver mais

Tecnologia

Trends: veja as novidades de 2022 nas mídias sociais

Publicado

dia

Por

Com as inovações, que aparecerão ainda no primeiro semestre de 2022, as redes sociais continuarão sendo instrumento para o marketing

Brasil é o terceiro país que mais usa redes sociais no mundo (AFP/AFP)

Em 2021, a plataforma Cupom Válido reuniu dados da Hootsuite e WeareSocial e concluiu que o Brasil é o terceiro país que mais usa redes sociais no mundo.

Com esse dado, podemos afirmar que as redes sociais continuarão sendo instrumento de pesquisa para todos que fazem marketing, a fim de usá-las da melhor forma possível, enriquecendo o repertório de divulgação de conteúdo e também como ferramenta funcional de extrema importância.

Novidades não faltam para este ano que já começou.

O Instagram promete liberar a todos os usuários, ainda no primeiro semestre de 2022, três tipos de feed: o modelo atual, incluindo recomendações de contas que os usuários não seguem; em ordem cronológico, sem recomendações da rede social e o ‘favoritos’, opção para usuários criarem sua própria lista a partir de suas preferências.

Além disso, essa nova atualização também possibilita visualizações de posts do Instagram no Twitter que inclui a própria legenda do aplicativo.

Outra novidade são as Comunidades liberadas no Twitter. Elas funcionam como grupos que atraem usuários interessados pelo mesmo tema. O Tweet Take também atuará trazendo uma nova opção chamada ‘Quote Tweet com reação’ quando o usuário poderá acionar a câmera de seu celular para gravar uma reação ao post publicado.

O TikTok não poderia ficar de fora e chega em 2022 testando um modelo parecido com a Twich, onde os criadores conseguem monetizar ganhando gorjetas de seus fãs.

Ele também fechou uma parceria com a Atmosphere, empresa de serviços e canais de TV voltadas para negócios, para expansão de alcance e utilidade, aparecendo em tablets e televisores de salas de espera, restaurantes etc. Essa parceria começará a funcionar em algumas regiões dos Estados Unidos, com conteúdos exclusivos e poderá ser facilmente replicável em outras partes do mundo.

Todas essas novidades ainda não foram lançadas, mas prometem aparecer por aqui em breve.

Os criadores não param de pensar em alternativas para expansão de seus aplicativos que ampliam, dia a dia, suas funcionalidades.

Vamos ficar de olho! E aproveitar muito essas e outras inovações!

Ver mais

Tecnologia

Novos smartphones dobráveis mostram que a tecnologia está amadurecida

Publicado

dia

Por

Ainda que restrito ao mercado asiático, a chegada do dobrável Honor Magic V acompanha indicadores de que 2022 será um novo momento para a categoria

(Honor/Reprodução)

A fabricante de smartphones chinesa Honor apresenta nesta segunda-feira, 10, o seu primeiro aparelho com tela capaz de se dobrar. Chamado de Magic V, à primeira vista, o dispositivo não traz recursos muito diferentes dos apresentados em modelos anteriores. Contudo, somado a outros lançamentos recentes, também de marcas chinesas, como o Mi Mix Fold, da Xiaomi e o Oppo’s Find N, o mercado dá sinais de que este é um novíssimo momento para as telas que abrem e fecham.

A investida chinesa, é claro, acompanha o movimento de outra gigante do setor: a Samsung, pioneira da categoria dobrável, que estreou em 2019 com o Galaxy Fold, experimentou no último ano um crescimento na demanda de 106%, segundo a IDC. O detalhe é que a marca possui uma fatia de mercado de 88%. A concorrência, é claro, cresceu o olho e não pretendem deixar a coreana surfar sozinha. Segundo a Counterpoint, há espaço para que as marcas cresçam 10 vezes em vendas até 2023.

Do ponto de vista do consumidor, trata-se de um bom momento para comprar um aparelho do tipo. Eles figuram, digamos, como a próxima categoria de inovação. Assim, para aqueles que há tempos já compram as principais linhas, como os iPhones e Galaxys, a mudança pode sinalizar o acesso a mais recursos.

Há também a chegada do Android 12L, o novo sistema operacional otimizado para tablets e celulares dobráveis. Além de ser um sinal de que até o Google aposta no setor, com a nova versão um n número de aplicativos terá mais fluidez na troca de tamanhos ao abrir e fechar das telas. Alguns recursos, como a barra de notificações, também foi reformulada para ficar mais ao alcance das mãos que mudam de posição ao alternar os tamanhos.

Logo, como no lançamento do iPhone X, em 2019, que marcou o nício da venda de aparelhos cheios de câmeras, chegando em um momento onde até as categorias de entrada são apresentadas com mais de três lentes, é certo de que o luxo dos dobráveis deve se popularizar com o tetmpo. Talvez não com os modelos que viram tablets, mas sim com os que se dobram ao meio, relembrando os estilosos celulares flips, da década passada.

No fim, as fabricantes têm em comum a busca por exibir as inovações de forma que chamem a atenção dos consumidores em um mercado cada vez mais repleto de opções. Como costuma dizer Tim Cook nas apresentações da Apple, trata-se de procurar pela “melhor versão já fabricada”.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?