Nossa rede

Aconteceu

Greve no Metrô-DF: sem acordo, paralisação chega ao 12º dia; veja horários de trens

Publicado

dia

A greve dos metroviários chega ao 12º dia consecutivo, nesta segunda-feira (13), no Distrito Federal. Sem acordo, representantes da categoria e da Companhia do Metropolitano do DF (Metrô-DF) não têm prazo para uma nova audiência de conciliação. O último encontro foi em 6 de maio.

Com a paralisação, o metrô funciona de segunda a sábado das 5h30 às 23h30, com efetivo variável durante o dia. Nos horários de pico (veja abaixo) 75% da frota deve estar em funcionamento, segundo decisão da Justiça. No restante do dia, 30% dos trens devem transitar. Já no domingo, o horário é das 7h às 19h.

Nos horários de maior movimento, 15 trens fazem o trajeto entre Ceilândia, Samambaia e o Plano Piloto.

  • Segunda a sexta-feira: 6h às 8h45 e das 16h45 às 19h30
  • Sábados: 6h às 9h45 e das 17h às 19h15
Interior de um vagão do Metrô no DF — Foto: Luis Rodnei/TV Globo

Interior de um vagão do Metrô no DF — Foto: Luis Rodnei/TV Globo

Frota mínima

Na semana passada, o Tribunal Regional do Trabalho da 10ª região (TRT-10) acolheu o pedido do Sindmetro e determinou a redução de 80% para 75% da frota mínima de trens em funcionamento em horários de pico durante a greve.

A medida reconsidera uma decisão liminar (provisória) que previa o emprego de, pelo menos, 19 das 24 composições nos períodos de maior movimento.

A decisão da Justiça foi tomada após metroviários e representantes do Metrô-DF trocarem acusações na audiência de tentativa de conciliação. Na sessão, o Metrô afirmou que o sindicato que representa a categoria não tem respeitado a decisão judicial que determinava o funcionamento mínimo do serviço.

Já os servidores alegam que o quantitativo determinado pela Justiça é maior até que o utilizado em dias sem paralisação. A categoria argumenta ainda que a decisão estava sido cumprida “dentro dos limites de funcionamento do metrô”.

Em caso de descumprimento, o TRT prevê a aplicação de multa diária de R$ 100 mil às partes “por ação ou omissão”, como a organização de atos que impeçam a circulação de trens ou o acesso dos trabalhadores aos postos de serviço.

Entenda a greve

A greve dos metroviários teve início na quinta (2). A categoria reivindica a manutenção do acordo coletivo de trabalho que venceu em abril e é assinado de dois em dois anos.

Os Sindmetro-DF pede ainda o cumprimento de sentenças judiciais que determinam o reajuste dos salários dos servidores pelo INPC. Além disso, a entidade quer um acordo para que a jornada de trabalho dos pilotos mude oficialmente de 8 horas para 6 horas diárias.

Comentário

Aconteceu

Manifestação pela educação altera trânsito na Esplanada dos Ministérios

Publicado

dia

A Polícia Militar estima que 5 mil pessoas compareçam à manifestação. O protesto é contra o corte de verbas para a educação

A manifestação contra o corte na verba destinada à educação está marcada para começar às 10h
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Os moradores do Distrito Federal devem ficar atentos às mudanças no trânsito na região central de Brasília, nesta quarta-feira (15/5). Uma grande manifestação de alunos e professores contra o corte de verbas na educação feito pelo Governo Federal está marcada para às 10h. O ato terá início em frente ao Museu da República e deve reunir 5 mil pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar.
Na Esplanada dos Ministérios, todos os retornos estão fechados na altura do Museu da República, alterando o trânsito na região. Nessa terça-feira (14/5), militares da Força Nacional cercaram o prédio do Ministério da Educação (MEC). Os portões permanecem fechados desde o início do dia. O objetivo dos policiais é evitar danos materiais ao edifício.

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )

Por volta das 11h, cinco faixas do Eixo Monumental foram ocupadas pelos estudantes e professores. Todo acompanhamento da manifestação será feito pela PM. De acordo com a corporação, o número de policiais na Esplanada será proporcional ao de manifestantes. Os militares ainda contam com apoio do Departamento de Trânsito (Detran).
A equipe do Correio faz a cobertura do protesto em tempo real, trazendo as informações em primeira mão.
Ver mais

Aconteceu

Polícia prende mais dois suspeitos da morte de diretora do HRT

Publicado

dia

O motorista particular de Gabriela Rabelo Cunha, 44 anos, foi o primeiro suspeito preso. Rafael Henrique Dutra da Silva, 32, usou o celular da vítima durante dois meses após a morte para se passar por ela

Gabriela Rabelo Cunha, 44 anos, foi assassinada em outubro do ano passado
(foto: Facebook/Reprodução)

Agentes da Divisão de Sequestros da Polícia Civil (DRA) prenderam mais dois acusados de participar do assassinato da diretora do Hospital Regional de Taguatinga (HRT), Gabriela Rabelo Cunha, 44 anos. O crime aconteceu em outubro do ano passado e o primeiro suspeito a ser preso foi o motorista particular dela, Rafael Henrique Dutra da Silva, 32, detido em janeiro deste ano acusado de ocultação de cadáver e latrocínio.
De acordo com a Polícia Civil, os outros dois acusados de participar do crime foram presos na última semana. As investigações constataram que Rafael a matou para movimentar a conta bancária da servidora e apropriar-se dos bens dela. No dia do assassinato, ele seguiu com a médica à uma agência bancária de Sobradinho. No caminho de volta à Taguatinga, ele parou o veículo, alegando que escutou um barulho na roda. Nesse momento, um outro suspeito entrou no automóvel, simulando o assalto.
Os agentes constataram que a médica foi morta por enforcamento e teve o corpo deixado em uma estada de chão, próximo à Brazlândia. Durante dois meses, o motorista ainda manteve contato com a família de Gabriela usando o telefone dela. Após a prisão, ele levou os policiais ao local do crime.
Exames do Instituto Médico Legal (IML) constataram que o corpo realmente era da médica. Na residência do suspeito, tinham inúmeros objetos da vítima, além de cartões bancários e dois veículos.

Comparsas

Rafael teria contratado os outros dois suspeitos, um de 19 e outro de 29 anos, para ajudá-lo a cometer o assassinato. No entanto, aos investigadores, eles contaram que não sabiam que o motorista iria matar a médica, pensaram apenas que iriam roubar o veículo. No entanto, apenas um deles foi ao local do cirme.
“O mais novo dirigiu o carro de Gabriela, enquanto ela foi rendida no banco de trás. Nesse momento, Rafael sentou ao lado da médica e a enforcou com uma corda por mais de 20 minutos, até ela perder a vida”, explicou o delegado à frente do caso, Leandro Ritt. De acordo com o investigador, o outro acusado, de 29 anos, era amigo de infância de Rafael e teria o ajudado a conseguir o contato do outro comparsa.
O investigador ressalta que o trio confessou ter participado do crime. O jovem de 19 anos teria recebido R$ 5 mil após o crime e teria investido o dinheiro em um motocicleta, que ainda pegou fogo por sobrecarga no motor um dia após o assassinato da médica. “O outro disse que não recebeu nada pelo crime, porque acreditava se tratar apenas de um roubo a veículo. Como ele não estava na cena do crime, só teria descobrido o assassinato momentos depois”, esclareceu.
Todos serão acusados de latrocínio e ocultação de cadáver, porém, como um dos suspeitos não estava na cena do crime e afirmou não saber que o caso seria um assassinato, caberá à Justiça julgar por quais crimes ele responderá. Caso condenados, eles podem cumprir pena de 20 a 30 anos de prisão.
Ver mais

Aconteceu

Acidente entre dois carros deixa três pessoas feridas no Paranoá

Publicado

dia

Uma das vítimas estava com suspeita de fratura no quadril e precisou ser levada por uma aeronave ao hospital

O acidente aconteceu por volta das 12h, na DF-001, no Paranoá
(foto: CBMDF/Divulgação)

Três mulheres ficaram feridas após a colisão entre dois carros na DF-001, no Paranoá. O Corpo de Bombeiros foi acionado para socorrer as vítimas por volta das 12h. De acordo com os militares, elas tiveram ferimentos graves.
A condutora de um dos veículos, de 38 anos, foi transportada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital Regional do Paranoá. Segundo os socorristas, havia suspeita de hemorragia interna.
A outra motorista, de 27, quebrou a perna esquerda e estava com suspeita de fratura no quadril. Ela foi levada para o Instituto Hospital de Base do DF (IHBDF) de helicóptero. Outra mulher, de 27, teve escoriações e reclamava de dores na coluna cervical. Ela foi levada para o o hospital do Paranoá. A Polícia Militar também foi acionada para fazer o controle de trânsito na região do acidente.
Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade