Nossa rede

Brasília

Empresários afirmam que não têm mais paciência com Rollemberg

Publicado

dia

Por mais de duas horas, empresários fizeram a Celina perguntas e pedidos referenciados, principalmente, à crise regional e à sensação de ineficácia do atual governo do DF

20150827004359

Os empresários perderam a paciência com Rodrigo Rollemberg e a burocracia no Distrito Federal. Críticas ácidas contra o Buriti deram o tom, ontem, do almoço do grupo empresarial Lide com a presidente da Câmara Legislativa, deputada Celina Leão. Falando sobre o que o presidente do Sinduscon, Luiz Carlos Botelho,  chamou de “genocídio econômico”, empresários declararam que não vão mais esperar o governo e que estudam transferir seus empreendimentos para outras unidades da Federação.

Formado por 40 empresários de peso, o grupo desferiu golpes diretos contra o secretário de Habitação Thiago de Andrade, a demora do Executivo para a simplificação das normas de construção e a desocupação da orla do Lago Paranoá. Em praticamente todas as reclamações, a líder do Legislativo fez coro com o empresariado.

Por mais de duas horas, empresários fizeram a Celina perguntas e pedidos referenciados, principalmente, à crise regional e à sensação de ineficácia do atual governo do DF.

“Hoje Brasília e o Brasil atravessam uma fase difícil. Onde a iniciativa privada e os governos têm que estar conversando o tempo todo. Nós temos em Brasília uma burocracia atormentadora, que está inibindo os negócios e atrapalhando o desenvolvimento”, afirmou o presidente regional do Lide, o empresário Paulo Octávio.

Tempo de tolerância passou

“Eu acho que passou o tempo da tolerância com o governo”, resumiu Celina. Segundo os empresários, Rollemberg havia se comprometido a desburocratizar a máquina pública no início do governo, especialmente, em relação à construção civil. Nove meses depois, nada saiu do papel e o setor produtivo criticou sem ressalvas a pasta da Habitação e a gestão de Thiago de Andrade.

Alegando que o governo está usando o plano de desocupação da orla para ficar bem nos holofotes, empresários desferiram uma saraivada de queixas. Enquanto o GDF estabeleceu a marca de 30 metros das margens, eles  afirmam que as normas vigentes  impõem uma limitação muito menor, de três metros. Questionaram ainda o fato de o Buriti começar a desocupação sem ter definido um plano de uso e segurança da região.

Celina critica secretário de Habitação

Endossando as palavras dos empresários em relação aThiago de Andrade, a presidente da Câmara Legislativa disse: “Eu acho o secretário de Habitação um super técnico, mas eu acho que ele não está no tempo que Brasília precisa, na rapidez Brasília precisa. Porque, burocrata por burocrata, nós temos vários”.

Grande parte dos nós burocráticos que afligem o empresariado dependem da pasta para ser desenrolados. Nesse sentido, Celina questionou a demora que a pasta está tendo para enviar o projeto da Lei de Uso e Ocupação do Solo para Câmara (LUOS). Do ponto de vista da deputada, caso o GDF encaminhe o texto só em 2016, corre o risco de não conseguir aprová-lo até 2018, em função da polêmica da matéria.

“Eu falei com o governador sobre isso. Acho que o tempo dele (Thiago) é um tempo burocrático, diferente do tempo de Brasília. E se ele não dá conta da missão, ou pede para sair ou cumpre missão e resolve o problema”, declarou a presidente da Câmara.

Quanto a desocupação da orla, Celina comentou que é favorável à ideia, mas questionou a forma com que o GDF conduz o processo. Segundo Celina, o governo deveria ter se reunido com os moradores antes de começar as derrubadas definindo como seria o projeto ocupação das terras públicas.

Perguntada sobre qual seria a nota que daria para o governo Rollemberg, Celina se esquivou. A presidente  acredita que o Buriti está acertando em áreas importantes, a exemplo da Segurança Pública.

Mas o deputado Bispo Renato (PR) também estava presente e não fez cerimônia para responder: “Nota zero”. Para a plateia empresarial, o deputado argumentou que a gestão Rollemberg se confunde com o governo de Agnelo Queiroz e repete os mesmos erros administrativos, sem conseguir alavancar o desenvolvimento do DF.

Surdez e isoporzinho

Ao longo dos últimos meses, os empresários propuseram ao governo iniciativas para desburocratizar a máquina, a exemplo de um projeto para alvarás digitais. Segundo Paulo Octávio, o DF e o Brasil precisam de “um choque de capitalismo”. Quanto à orla, a irritação dos empresários cresceu ainda mais quando tiveram conhecimento da organização de um evento na orla chamado “Isoporzinho”, com a  participação de parentes de Rollemberg. Os empresários alegam que ao invés das derrubadas, o governo deveria focar esforços nas áreas abandonadas nas margens para criar parques e projetos semelhantes ao Pontão do Lago Sul.

Ponto de vista

Ex-deputado federal e empresário, Osório Adriano recorreu à história para criticar a desocupação da Orla. Osório lembrou que, no governo José Aparecido, saiu do papel um projeto de construção de ciclovias com acessos até às margens do Lago Paranoá. Nas palavras do empresário, sem as devidas medidas segurança as ciclovias trouxeram a criminalidade à região. “Aconteceu que abriram aquele espaço, não tomaram conta. Deixaram daquele jeito. Houve um crime, uma morte. Passado mais um mês, outro crime: mais uma morte. Até que desistiram das tais ciclovias”, alertou. Osório também considerou que os passos de Rollemberg se confundem com os de Agnelo. “O Rodrigo é meu amigo. Mas está faltando dele entusiasmo, dinâmica, está faltando tudo. Porque não consegue analisar projetos. Em Uberlândia e em Goiânia constroem-se  prédios tirando o trabalho daqui, daqueles que moram e residem em Brasília, dos trabalhadores de Brasília. Está faltando capacidade ao meu amigo Rodrigo Rollemberg para tocar o DF”, denunciou. Foi aplaudido pelos colegas.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Política BSB

Suspeito de invadir sistema do TSE é preso em Portugal pela PF

Publicado

dia

Por

Buscas também estão sendo realizadas no Brasil. Investigações apontam que o ataque hacker conseguiu acessar dados de 2020 de funcionários do tribunal

(crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)

A Polícia Federal (PF), com colaboração das autoridades portuguesas, deteve, neste sábado (28/11), um suspeito de hackear o sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), durante o primeiro turno das eleições municipais, em 15 de novembro. A prisão foi realizada em Portugal, país onde teria partido a primeira invasão, quando o grupo conseguiu acessar dados internos de funcionários ainda em setembro, conforme as investigações. Também são feitas buscas no Brasil.

Estão sendo cumpridos, no Brasil, três mandados de busca e apreensão e três medidas cautelares de proibição de contato entre investigados nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Além da prisão, em Portugal é cumprido um mandado de busca e apreensão. “O inquérito policial aponta que um grupo de hackers brasileiros e portugueses, liderados por um cidadão português, foi responsável pelos ataques criminosos aos sistemas do Tribunal Superior Eleitoral – TSE quando do primeiro turno das Eleições de 2020”, diz a PF. Os crimes apurados são os de invasão de dispositivo informático e de associação criminosa.

Ainda segundo as investigações, não foram identificados indícios de que as ações criminosas tenham comprometido a votação do primeiro turno, bem como a integridade dos resultados. Inicialmente, acreditava-se que o grupo estava em posse de informações de anos anteriores, mas, as apurações revelaram que houve acesso a dados gerados em 2020. Apesar da amplitude do ataque, as diligências indicam que os registros acessados foram até setembro deste ano, e não alcançaram o período das campanhas, análises de contas e o dia da votação

De acordo com o presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, os ataques tiveram “motivação política”. “Milícias digitais entraram imediatamente em ação tentando desacreditar o sistema. Há suspeita de articulação de grupos extremistas que se empenham em desacreditar as instituições, clamam pela volta da ditadura e muitos deles são investigados pelo STF (Supremo Tribunal Federal)”, disse Barroso ao anunciar a criação de uma Comissão de Segurança Cibernética para acompanhar o caso. A equipe de trabalho também vai mirar outras investidas criminosas que promovem descrédito ao sistema eleitoral, como a divulgação de notícias falsas sobre o processo de votação. A comissão será presidida pelo ministro Alexandre de Moraes, que já conduz um inquérito sobre fake news em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF).

Ver mais

Brasília

Bolsonaro: Forças Armadas são “oxigênio” do país e bandeira não mudará de cor

Publicado

dia

Por

Durante cerimônia em academia da Aeronáutica, o chefe do Executivo se disse emocionado ao relembrar trajetória como integrante da Força. Segundo ele, a liberdade do povo brasileiro passa pelos militares

(crédito: Clauber Cleber Caetano/PR)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (27/11), durante cerimônia de promoção à graduação de sargentos da Escola de Especialistas de Aeronáutica em Guaratinguetá, São Paulo, que as Forças Armadas são o “oxigênio do país”. O chefe do Executivo se disse ainda emocionado em acompanhar o evento. Contou ter passado pela mesma escola em 1972 e que é um exemplo vivo de que é possível atingir qualquer objetivo.

“Jovens alunos da nossa sagrada escola de especialistas da Aeronáutica. É um dia de muita emoção para vocês, para mim também. Essa escola deixa marcas em todos nós. Aqui, aprendemos hierarquia, disciplina, a lealdade ao povo brasileiro e mais que uma profissão: servir a Pátria. Por aqui o atual comandante se formou em 86. Em 72 eu, presidente da República, prestei o concurso. É uma prova que cada um de vocês pode atingir seus objetivos”, declarou.

Carreira árdua

Bolsonaro relatou que a carreira é árdua e que “muitas vezes não há prazer”, mas que a satisfação em cumprir uma missão “não tem preço”.

“Aqui nos forjamos para qualquer obstáculo. Em qualquer situação poderá ser vencido, passa pela vontade e determinação de cada um de nós. Podemos até não ter prazer muitas vezes, mas a satisfação do dever cumprido, de ajudar o próximo, de poder olhar para o céu e dizer: ‘Meu Deus, muito obrigado por essa missão’, isso não tem preço”, emendou Bolsonaro.

O mandatário repetiu que a bandeira brasileira “jamais terá outra cor”. “Só nós, militares, podemos dizer aos 210 milhões de habitantes que a liberdade do nosso povo passa por nós e com o sacrifício da própria defenderem o bem maior de um povo, que nasceu e será livre e jamais permitirá que a cor de sua bandeira seja mudada. A honra e o prazer de estar aqui não têm preço. A satisfação de olhar no semblante de todos vocês e ver lacrimejar nos olhos dos pais dos parentes e dos amigos também não tem preço. Este dia marcará a vida de vocês para sempre”, afirmou o presidente.

Ele ainda criticou governos anteriores, afirmando que as Forças Armadas representavam “outra coisa” para os presidentes passados. No entanto, não especificou a fala.

“Tenho a certeza de que há poucos anos as Forças Armadas representavam outra coisa para quem estava no governo. Hoje é exatamente o contrário. Vocês são o nosso oxigênio. A vocês também devemos lealdade e reconhecimento, por isso que estou aqui”, enalteceu.

Aglomeração

Por conta das centenas de formandos, houve aglomeração quando foi permitido que familiares se aproximassem para cumprimentá-los. O presidente também desceu do palanque e tirou fotos com os presentes. A solenidade ocorreu em ambiente aberto e embora, militares e formandos estivessem de máscara, Bolsonaro não utilizou o equipamento de higiene. O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e os deputados Hélio Lopes e Eduardo Bolsonaro, tampouco utilizaram o item de proteção.

A previsão é de que o presidente  Bolsonaro retorne a Brasília no meio da tarde de hoje e se reúna durante o restante do dia com Rogério Marinho, ministro de Estado do Desenvolvimento Regional; Marcos Pontes, ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovações; Braga Netto, ministro-Chefe da Casa Civil da Presidência da República; Pedro Cesar Nunes Ferreira Marques de Sousa, subchefe para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República e Ernesto Araújo, ministro de Estado das Relações Exteriores.

Ver mais

Política BSB

Câmara abre comissão para debater assassinato de João Alberto no RS

Publicado

dia

Por

Colegiado se propõe a discutir soluções que vão além de tipificações penais para crimes que envolvem racismo. Deputados Rodrigo Maia e Orlando Silva defendem um esforço coletivo para combater o racismo estrutural na sociedade brasileira

Orlando Silva (PCdoB-SP): deputados devem debater racismo com mais profundidade – (crédito: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados – 27/5/20).

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), participou da abertura de uma comissão para debater a morte de João Alberto Freitas, 40 anos, espancado até a morte em frente a um Carrefour, em Porto Alegre, em 19 de novembro último. O encontro foi idealizado pelo deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). Maia destacou a importância do grupo e disse esperar que o debate seja continuado e, também, enfrentado no parlamento da Câmara.

Orlando Silva destacou que é comum parlamentares proporem novas punições penais em reação a esses episódios, mas não entrarem em debates aprofundados para mudar a estrutura da sociedade no combate ao racismo.

Na avaliação de Maia, o conselho é uma oportunidade de “introduzir de forma definitiva na pauta da Câmara essa questão”. O presidente da Câmara concordou com Orlando sobre a necessidade de encontrar soluções junto com a sociedade “para que o Brasil possa, de uma vez por todas, deixar para a nossa história, história triste, mas para a história, toda a violência, discriminação e todo o racismo no país”, destacou.

“Que a gente possa aproveitar não apenas nesses últimos dias do ano, mas aproveitar para que esse grupo possa se tornar um ambiente permanente de debate com a sociedade, e que o parlamento da Câmara possa ter, sempre, essa agenda como agenda prioritária da sociedade, para que o país possa ter menos desigualdade, onde todos sejamos respeitados por todos. Que a gente nunca mais veja, ou que veja com muito menos intensidade que infelizmente a gente vê hoje, todo racismo e violência contra o negro no brasil”, disse Maia.

O parlamentar se colocou à disposição para ampliar o debate e levá-lo ao plenário.

 

Ver mais

Política BSB

Maioria do STF rejeita queixa-crime do Greenpeace contra Ricardo Salles

Publicado

dia

Por

Greenpeace alegou difamação por parte do ministro, que sugeriu participação da entidade no derramamento de óleo que atingiu praias brasileiras.

Greenpeace alegou difamação por parte do ministro, que sugeriu participação da entidade no derramamento de óleo que atingiu praias brasileiras.

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou pela rejeição de uma queixa-crime do Greenpeace contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

O Greenpeace acionou o STF por entender que foi alvo de difamação do ministro, que acusou a ONG de ter sido responsável pelo derramamento de óleo em praias do Nordeste.

Na época, Salles afirmou, por meio de uma rede social, que o Greenpeace deveria explicar a razão de ter navios próximos ao litoral quando as manchas de óleo surgiram, e classificou os ativistas de “ecoterroristas”, “terroristas”, “greenpixe”.

O caso é discutido no plenário virtual da Corte, quando os ministros colocam seus votos no sistema e não há discussões.

A maioria dos ministros seguiu o voto da relatora do caso, Cármen Lúcia, pela rejeição da ação. A ministra afirmou que o Supremo tem entendimento consolidado de que a prática dos crimes de injúria e calúnia somente é possível quando a vítima é pessoa física.

Ela disse ainda que os fatos narrados pelo Greenpeace configuram injúria e não difamação. Isso porque não há a imputação de fato preciso, concreto e determinado, mas sim de fatos genéricos e de valor depreciativo.

“A difamação, semelhante ao que ocorre em caso da calúnia, consiste em imputar a alguém fato determinado e concreto ofensivo a sua reputação. É necessário, portanto, que se descreva o fato desonroso atribuído a alguém”, escreveu.

O voto foi acompanhado pelos ministros Dias Toffoli, Marco Aurélio, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes.

Até agora, só o ministro Edson Fachin divergiu e votou pelo recebimento da queixa-crime, defendendo que há indícios mínimos para a apuração dos fatos.

Fachin afirmou que entende “inegável que, à luz de todo nosso ordenamento, a pessoa jurídica mostra-se dotada de personalidade, com obrigações e também direitos, sendo passível de sofrer inúmeros prejuízos em decorrência de palavras ou ações que abalem a sua reputação junto à sociedade”.

O ministro disse que as declarações de Salles “parecem ter sido propagadas em contextos que, inequivocamente, comunicaram a terceiros, pois publicizadas em redes de longo alcance social, tendo potencial de atingir a honra” da ONG.

Ver mais

Política BSB

STF julga se crime de injúria racial pode ou não prescrever

Publicado

dia

Por

Julgamento é realizado uma semana após um homem negro ser espancado e morto por dois homens brancos em Porto Alegre

(Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Uma semana após um homem negro ser espancado e morto por dois homens brancos em uma unidade do Carrefour em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, o Supremo Tribunal Federal (STF) voltar a julgar, nesta quinta-feira, 26, se o crime de injúria racial pode prescrever ou não. O relator é o ministro Edson Fachin

O caso é um habeas corpus contra uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que considerou o crime ser imprescritível. No entendimento do STJ, “a lei 9.459/97 introduziu a injúria racial no ordenamento jurídico brasileiro e criou-se mais um delito no cenário do racismo, portanto, imprescritível, inafiançável e sujeito à pena de reclusão”.

O crime em questão ocorreu em 2013, quando uma mulher de Brasília, então com 72 anos, foi condenada a um ano de reclusão e multa pelo crime de injúria qualificada por ter ofendido a frentista de um posto de gasolina. A decisão foi confirmada pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios e considerada finalizada pelo Ministério Público em 2014.

A defesa argumenta que por ela ter mais de 70 anos, a legislação prevê que os prazos de prescrição são reduzidos pela metade, o que faria com ela não sofresse qualquer penalidade.

No entendimento da Procuradoria-Geral da República, o crime de injúria racial não prescreve. Fachin já chegou a indeferir um pedido de liminar feito pela ré.

O caso está no STF desde 2018 e o presidente da corte, o ministro Luiz Fux, colocou na pauta do plenário em um momento muito simbólico. No último dia 20 de novembro foi comemorado o Dia da Consciência Negra. No dia anterior, João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, morreu após ser espancado por dois seguranças brancos.

 

Ver mais

Política BSB

Mourão: Fala de Eduardo sobre China não interfere na atuação do governo

Publicado

dia

Por

Mourão disse que foi apenas uma “declaração” de Eduardo Bolsonaro; depois destacou relacionamento comercial com a China

(Curitiba – PR, 28/06/2019) Presidente da República em Exercício Hamilton Martins Mourão apresenta palestra no Graciosa Country Club. (Romério Cunha/VPR/Flickr)

O vice-presidente Hamilton Mourão minimizou nesta quinta-feira a fala do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sobre “espionagem da China”, dizendo que foi apenas uma “declaração” de um parlamentar e que o trabalho do governo com o país asiático continua.

— É exatamente isso o que você falou, declaração. Nada mais do que isso. Estamos trabalhando de forma objetiva e mantendo contato com nossa contraparte na China. A gente segue nosso trabalho normal aqui no governo — disse Mourão, ao chegar no Palácio do Planalto.

Na segunda-feira, Eduardo Bolsonado afirmou que o Brasil aderiu ao programa Rede Limpa, do governo dos Estados Unidos, para impedir a “atos de vigilância do governo chinês” na quinta geração de telefonia móvel (5G).

A declaração motivou uma reclamação formal da embaixada da China ao governo brasileiro, na qual afirma que as declarações do deputado perturba a parceria com o Brasil.

Eduardo é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara. Entretanto, Mourão disse que o órgão não representa o governo:

— A Comissão de Relações Exteriores não é governo, é uma comissão parlamentar.

Também na manhã desta quinta-feira, o vice-presidente participou de um evento promovido pelo Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC). Em seu discurso, ressaltou que o país asiático é o maior parceiro comercial do Brasil e que essa situação foi intensificada durante a
pandemia do novo coronavírus:

— A China é nosso maior parceiro comercial há uma década. A crise mundial gerada pela pandemia do Covid-19 não alterou esse quadro, ao contrario, as autoridades chinesas estimam que a importação de produtos brasileiros baterá recorde neste ano de 2020, contrastando com o contexto de desaceleração generalizada verificado no comercio internacional.

O conselho publicou um documento defende alinhamento dos dois países em torno de três prioridades comerciais: infraestrutura, tecnologia e finanças.

 

Ver mais

Hoje é

sábado, 28 de novembro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?