Nossa rede

Brasília

Cras buscam melhoria na prestação de serviços

Publicado

dia

Treinamento para equipes dos 29 centros de referência reúne servidores em prol da padronização e da qualidade no atendimento socioassistencial

A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) promoveu nesta semana a Oficina de Alinhamento sobre Atendimento Socioassistencial, com equipes dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) do Recanto das Emas, Riacho Fundo II e Samambaia.

“Esse curso focou no nivelamento de informações e sugestões dos servidores para elaboração de uma nota técnica que será divulgada para toda a rede socioassistencial”Mayara Noronha Rocha, secretária de Desenvolvimento Social

Foi a oitava edição do curso para capacitação dos profissionais que atuam nas 29 unidades socioassistenciais, que tem a finalidade de padronizar as informações e aprimorar o atendimento, nesses centros, às famílias em vulnerabilidade social.

“Esse curso focou no nivelamento de informações e sugestões dos servidores para elaboração de uma nota técnica que será divulgada para toda a rede socioassistencial. Essa é mais uma ação para qualificar os nossos serviços e o atendimento às famílias em risco social”, enfatiza a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha.

Capacitação

O curso foi dividido em cinco capítulos. O primeiro foi sobre a apresentação da secretaria ao usuário, com escuta qualificada com respeito e acolhimento, divulgação das políticas públicas, programas, benefícios para o representante familiar.

Equipes dos Cras do Recanto das Emas, Riacho Fundo II e Samambaia participaram desta oitava edição do curso voltado aos servidores das 29 unidades de atendimento a famílias em vulnerabilidade social | Divulgação/Sedes.

A oficina foi ministrada pela coordenadora de Proteção Básica da Subsecretaria de Assistência Social, Nathália Eliza de Freitas, que conduziu os debates com os servidores. “A intervenção do servidor no atendimento é de grande importância, pois é o momento de averiguar as necessidades das famílias e atendê-las em suas demandas”, enfatiza.

A segunda parte tratou da demanda, que é a percepção sobre questões subjetivas e perguntas direcionadas, com a observação dos vínculos familiares, preenchimento dos dados informados pelo usuário. Para o gerente do Cras Samambaia Expansão, Ricardo Carvalho, o atendimento socioassistencial acarreta mudanças nos indivíduos.

“Quando o cidadão passa por um atendimento de escuta qualificada, é nítida a transformação em sua vida, seja direta ou indiretamente”Ricardo Carvalho, gerente do Cras Samambaia Expansão

“Quando o cidadão passa por um atendimento de escuta qualificada, é nítida a transformação em sua vida, seja direta ou indiretamente. A prática de recepcionar pessoas no dia a dia traz aprendizagem para os servidores e ressignificação na vida das famílias atendidas”, afirma Carvalho.

Já o foco da terceira fase do curso foi a intervenção, que é a compreensão e a análise das necessidades objetivas e latentes de cada família, quais as ações que podem ser desenvolvidas, quais articulações com a rede que podem ser estabelecidas, além do trabalho social e de vínculos que pode ser feito com famílias e grupos.

A assistente social do Cras do Recanto das Emas, Samira de Alkimim, ressaltou que esse tipo de iniciativa é importante para os servidores terem a dimensão do impacto de um bom trabalho na vida das pessoas.

“Trabalhamos com um direito fundamental que é a dignidade do ser humano. Existem pessoas que estão privadas do básico, que é a alimentação, e quem está no atendimento acolhe essas pessoas. Mas quem está passando pela privação é o usuário, mais que um atendimento, o trabalho da secretaria é garantir sobrevivência”, pontua.

O quarto item do curso são as orientações sobre a confirmação das informações, como o servidor deve confirmar esses dados com o usuário, a inclusão das informações na base de dados e o reforço das orientações passadas, e obter o feedback, que é o retorno dado pelo usuário em relação ao atendimento.

A última etapa da capacitação foi para reforçar junto aos profissionais a importância do atendimento, que viabiliza direitos com a promoção de cidadania. A coordenadora Nathália Eliza explicou ainda sobre a importância da identificação de demandas. “Isso acaba direcionando os indivíduos para garantia de direitos, como sobrevivência e dignidade, com a finalidade de reduzir insegurança alimentar e aliviar situações de angustia vividas por famílias.”

*Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Social do DF

Brasília

GDF envia Refis 2021 para Câmara Legislativa

Publicado

dia

Por

GDF quer renegociar débitos como forma de sanear as contas das empresas e arrecadar R$ 1,5 bilhão

O Governo do Distrito Federal enviou para a Câmara Legislativa o Projeto de Lei Complementar para implementar o Programa de Incentivo à Regularização Fiscal do Distrito Federal (Refis 2021). A proposta, elaborada pela Secretaria de Economia, faz parte do Pro-Economia II e traz uma nova chance para pessoas físicas e jurídicas renegociarem seus débitos com o GDF.

Pela primeira vez, o GDF concedeu descontos tanto no valor principal da dívida quanto em juros e multas, que chegaram a até 95%

A abertura de um novo Refis já foi aprovada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). O projeto, enviado para a análise dos deputados distritais, homologa o Convênio ICMS 190, de 20 de outubro de 2021, que altera o Convênio ICMS 155, de 10 de outubro de 2019.

“O objetivo do Refis 2021 é abarcar situações que surgiram durante a pandemia e ajudar as empresas e os cidadãos a regularizarem sua situação, voltarem a investir e assim movimentarem a economia”, afirma o secretário de Economia, André Clemente.

Assim como o Refis 2021, a maior parte das 34 medidas do Pró-Economia II depende de aprovação da Câmara Legislativa. “Estamos confiantes de que, assim como na primeira etapa do Pró-Economia, os deputados distritais aprovarão as nossas propostas, pois sabem da importância para o setor produtivo e para os cidadãos. A Câmara Legislativa tem se mostrado muito sensível às pautas prioritárias para nossa cidade”, acredita André Clemente.

Entre novembro de 2020 e março deste ano, o Refis 2020 alcançou números expressivos. O mais arrojado programa de renegociação de dívidas da história do DF alcançou o montante de R$ 3,125 bilhões refinanciados. Foram 41.307 Pessoas Físicas e 11.317 Pessoas Jurídicas beneficiadas pelo programa.

Pela primeira vez, o GDF concedeu descontos tanto no valor principal da dívida quanto em juros e multas, que chegaram a até 95%. Puderam ser renegociadas dívidas relativas a ICMS, Simples Candango, ISS, IPTU, IPVA, ITBI, ITCD, Taxa de Limpeza Pública, além de débitos não tributários.

Desta vez, a Secretaria de Economia prevê que as negociações aconteçam entre 10 de janeiro e 31 de março de 2022, com a regularização de débitos oriundos de declarações espontâneas ou lançamentos de ofício cujos fatos geradores tenham ocorrido até 31 de dezembro de 2020; além de saldos de parcelamentos deferidos referentes a fatos geradores ocorridos até a mesma data.

O Refis 2021 é mais uma medida para reaquecimento da economia e mitigação dos efeitos da pandemia

O Refis 2021 concederá descontos nos mesmos termos do programa anterior, com negociações relativas a ICMS, Simples Candango, ISS (incluindo profissionais autônomos e sociedades uniprofissionais), IPTU, IPVA, ITBI, ITCD, Taxa de Limpeza Pública, além de débitos não tributários.

As reduções também permanecem as mesmas, limitadas a valores de até R$ 100 milhões:

1. Redução do valor principal do imposto atualizado nas seguintes proporções:
a) 50% do seu valor para débitos inscritos em dívida ativa até 31 de dezembro de 2002;
b) 40% do seu valor para débitos inscritos em dívida ativa entre 1° de janeiro de 2003 e 31 de dezembro de 2008;
c) 30% do seu valor para débitos inscritos em dívida ativa entre 1° de janeiro de 2009 e 31 de dezembro de 2012.

2. Redução de juros e multas, inclusive as de caráter moratório, nas seguintes proporções:
a) 95% do seu valor, para pagamento à vista ou em até 5 parcelas;
b) 90% do seu valor, para pagamento em 6 a 12 parcelas;
c) 80% do seu valor, para pagamento em 13 a 24 parcelas;
d) 70% do seu valor, para pagamento em 25 a 36 parcelas;
e) 60% do seu valor, para pagamento em 37 a 48 parcelas;
f) 55% do seu valor, para pagamento em 49 a 60 parcelas; e
g) 50% do seu valor, para pagamento em 61 a 120 parcelas.

O Refis 2021 é mais uma medida para reaquecimento da economia e mitigação dos efeitos da pandemia. Além de proporcionar o saneamento fiscal de empresas e profissionais, o que possibilita a geração de emprego, renda e arrecadação, as negociações dos débitos trazem a possibilidade de recuperação de créditos de difícil recebimento por parte do governo, o que é revertido em investimentos públicos em obras e serviços de qualidade para a população. Para se ter uma ideia, o Refis 2020 já injetou mais de R$ 671 milhões nos caixas do GDF.

A Secretaria de Economia estima que cerca de 90 mil pessoas jurídicas e outras 388 mil pessoas físicas estão aptas a participar do Refis 2021. A expectativa é de que R$ 1,5 bilhão em débitos sejam renegociados nesta nova edição do Refis.

* Com informações da Secretaria de Economia

Ver mais

Brasília

Vacinação contra a covid-19 e emergências funcionam normalmente nesta terça

Publicado

dia

Por

Confira os serviços da rede pública de saúde que irão funcionar no feriado

Nesta terça-feira (30), feriado do Dia do Evangélico, alguns serviços de saúde não irão funcionar, como as unidades básicas de saúde (UBSs) e os ambulatórios dos hospitais. As emergências, Samu e a vacinação contra a covid-19 seguem de forma ininterrupta. Os atendimentos ambulatoriais retornam na quarta-feira (1º/12).

Veja onde se vacinar no feriado

– UBS 1 Itapoã (8h às 17h – pedestre)
Primeira dose para adolescentes a partir de 12 anos, adultos e gestantes e puérperas;
Segunda dose de AstraZeneca, CoronaVac e Pfizer-BioNTech;
Dose de reforço para adultos e profissionais de saúde*;
Dose adicional para imunossuprimidos;
Vacinação contra Influenza.

– Praça dos Cristais (18h às 22h – drive e pedestre)
D2 de Pfizer-BioNTech
Dose de reforço para adultos e profissionais de saúde*;

*A dose de reforço é aplicada em quem recebeu a D2 há pelo menos cinco meses.

Funcionamento dos demais serviços

Upas e emergências – atendimento 24 horas, todos os dias, nas dez Unidades de Pronto Atendimento (UpAs) e nas emergências dos hospitais públicos.

Samu – Atendimento 24 horas, pelo telefone 192.

Caps – Os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) do tipo I, II e AD estarão fechados na terça-feira (30) e funcionam normalmente na quarta (1°). Nos Caps do tipo III, atendimento 24 horas, todos os dias.

Unidades básicas de saúde (UBSs) – estarão fechadas no feriado e funcionam normalmente na quarta-feira, conforme a programação de cada região.

Ambulatórios – fecham na terça e reabrem na quarta.

Farmácias de alto custo – fecham no feriado de terça-feira. Na quarta, as três unidades – Gama, Ceilândia e Asa Sul – estarão abertas.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Ver mais

Brasília

Hortos medicinais reúnem mais de 80 espécies de plantas

Publicado

dia

Meta é produzir medicamentos fitoterápicos para complementar diversos tratamentos de usuários da rede pública de saúde

“O objetivo dos hortos medicinais é promover bem-estar, educação em saúde, cultura de paz, mas, acima de tudo, poder ofertar plantas medicinais como recursos terapêuticos seguros e saudáveis para melhoria da qualidade de vida da população do Distrito Federal, reforçando nossa defesa pelo Sistema Único de Saúde”
Marcos Trajano, médico de família e comunidade e referência técnica distrital (RTD) de fitoterapia
Nem todo mundo sabe, mas a Secretaria de Saúde (SES) possui quatro hortos medicinais na rede de unidades da pasta. Foram criados com o objetivo de cultivar plantas que serão utilizadas em procedimentos de saúde, visando agregar fitoterápicos para complementar o tratamento de usuários da rede pública.

Os quatro hortos medicinais funcionam na Unidade Básica de Saúde 1 do Lago Norte, na Casa de Parto (São Sebastião) e nas farmácias vivas do Riacho Fundo e do Centro de Referência em Práticas Integrativas (Cerpis), em Planaltina.

“O objetivo dos hortos medicinais é promover bem-estar, educação em saúde, cultura de paz, mas, acima de tudo, poder ofertar plantas medicinais como recursos terapêuticos seguros e saudáveis para melhoria da qualidade de vida da população do Distrito Federal, reforçando nossa defesa pelo Sistema Único de Saúde”, explica médico de família e comunidade Marcos Trajano, referência técnica distrital (RTD) de fitoterapia.

O Programa Distrital de Plantas Medicinais, com cultivo biodinâmico, visa expandir os hortos medicinais para as sete regiões de saúde do DF | Fotos: Sandro Araújo/Agência Saúde

O cultivo biodinâmico de introduzir plantas medicinais em agroflorestas é o embrião do Programa Distrital de Plantas Medicinais, que visa expandir os hortos medicinais para todas as sete regiões de saúde, com a meta de implantar 15 novos hortos até o fim de 2022. Atualmente, 39 unidades já entraram com o processo para a implantação dos hortos medicinais. Até 2024, a intenção é ter 40 unidades em toda a rede.

De acordo com Trajano, os hortos medicinais da UBS 1 do Lago Norte, do Cerpis de Planaltina e da Casa de Parto oferecem as plantas medicinais cultivadas para os pacientes, a partir de prescrições de profissionais habilitados.

Um dos quatro hortos medicinais do DF, no da UBS 1 do Lago Norte são cultivadas mais de 80 espécies de plantas
“Aqui podemos indicar uma planta medicinal para o tratamento de determinadas doenças. Às vezes, será mais acessível e eficaz para o paciente fazer o chá de determinada planta, especialmente quando não há disponibilidade de outra opção de remédio. Na Casa de Parto, cultivamos plantas medicinais que auxiliam no processo de recuperação no pós-parto”, exemplifica.

Na UBS 1 do Lago Norte são cultivadas mais de 80 espécies de plantas medicinais diferentes.

 Além de incentivar serviços ambientais, essa atividade ampliará o conjunto de cultivos no Distrito Federal, promovendo cultura de paz por meio da cooperação entre servidores, gestores e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), ampliando o escopo de ofertas da SES.

O cultivo biodinâmico de plantas medicinais em agroflorestas é fruto do desenvolvimento tecnológico entre diversos setores da SES, com participação de entidades da sociedade civil, fundações públicas federais, entidades tecnológicas do DF e universidades de outras unidades federativas.

Uso de plantas medicinais

Apesar de agregar as plantas cultivadas nos hortos medicinais em tratamentos de usuários do sistema de saúde, a produção ainda é insuficiente para atender toda a população do DF. Mesmo assim, em três dos quatro hortos, é feita a entrega da planta fresca aos próprios usuários, mediante prescrição

Já a produção de medicamentos fitoterápicos ocorre somente nas farmácias vivas do Riacho Fundo, que distribuem para 25 UBSs, e na do Cerpis de Planaltina, que distribui dentro da Região Norte de Saúde.

A Farmácia Viva do Riacho Fundo tem a capacidade de produção anual de 30 mil medicamentos. Hoje, são utilizadas oito plantas medicinais para a fabricação de 13 fitoterápicos que estão cadastrados na Relação de Medicamentos (Reme). Na do Cerpis, em Planaltina, onde são promovidas atividades educativas abertas à população, além de se cultivar, colher, manipular e distribuir os fitoterápicos, é feita também a entrega de plantas frescas.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Ver mais

Brasília

Renavam terá atualização e serviços ficarão indisponíveis temporariamente

Publicado

dia

Por

A transferência de veículos, mudança de categoria veicular, conversão de placas e outras funções estão temporariamente suspensas

(crédito: Divulgação/Detran-DF)

O Registro Nacional de Veículos Automotores (RENAVAM), sistema que armazena os dados dos veículos que circulam pelo país, será atualizado pela Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) nesta segunda-feira (29/11). Com isso, não será possível a realização de serviços como, a transferência de veículos, mudança de categoria veicular, conversão de placa, entre outros.

Segundo o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), algumas das transações referentes aos serviços de veículos estarão bloqueadas pela base nacional, o que acarretará na indisponibilidade de  emissão de documentos e serviços de processos.

Por conta dos ajustes necessários, os atendimentos para o serviços em questão, tanto em formato presencial quanto virtual só voltarão a disponibilidade quando estiverem concluídas as alterações. A Diretoria de Tecnologia do Detran-DF está atuando na implantação de soluções e nas adaptações sistêmicas devidas.

Ver mais

Brasília

Números de empregos crescem com estímulo do GDF

Publicado

dia

Por

Pesquisa da Codeplan mostra que taxa de desemprego despencou e é a menor dos últimos 5 anos

https://youtu.be/COvutACLkxo

Ver mais

Brasília

Manutenção e trocas de sinalização e placas de endereçamento

Publicado

dia

Por

GDF segue investindo na melhoria desses dispositivos; pelo menos 266 foram substituídos por novos nos últimos três meses

Com o propósito de manter a sinalização das cidades visível e conservada, o Governo do Distrito Federal (GDF), por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), mantém a renovação das placas de endereçamento nas ruas de Brasília. De agosto a setembro de 2021, foram substituídas pelo menos 266 delas, entre 147 bandeirolas, 49 do tipo S, 26 totens e 44 prismas.

O GDF investe por mês cerca de R$ 52 mil para sinalizar a cidade com novas placas | Foto: Divulgação  

As bandeirolas são aquelas dispostas nas esquinas que indicam o nome da quadra ou mesmo do conjunto, muito comuns no Guará. Já as placas tipo S são as sinalizações verdes, marrons e azuis espalhadas, principalmente, pelo Plano Piloto e nos Lagos Sul e Norte, onde também estão os totens e os prismas – estes em formato triangular, com a indicação da letra de um bloco.

Nesse período de renovação das sinalizações, foram atendidas cerca de 15 regiões administrativas. Superintendente de Operações do DER, Murilo Melo Santos diz que a substituição das placas de endereçamento é um trabalho rotineiro, inclusive com manutenção e limpeza.

Fauzi Nacfur é superintende do DER e ressalta que a atenção do governo na conservação das placas de endereçamento garante ao cidadão o direito de se localizar. “Além de ser um instrumento importante de mobilidade, ajudando as pessoas a se locomoverem e a se situarem pelas cidades”, afirma.

Investimentos

O GDF investe por mês cerca de R$ 52 mil para sinalizar a cidade com novas placas. Anualmente, 4,6 mil novas placas são fabricadas pelo DER, outras 200 restauradas por terem sido acidentadas ou avariadas, 320 reformadas após atos de vandalismo – pichações ou amasso – e 80 revitalizadas por idade avançada.

Mensalmente, pelo menos R$ 20 mil são gastos com a manutenção das placas (investimento com placas recuperadas). As depredações e o vandalismo são alguns dos casos que levam às trocas, demandadas por meio das ouvidorias do órgão, do DER e das administrações regionais.

“Placas caídas ou comprometidas por colisões de veículos têm prioridade na substituição. Tudo para não deixar os cidadãos desinformados na localização dos endereços”, explica Murilo.

Até julho de 2022, o DER prevê implantar placas de endereçamento na Vila Planalto, na Vila Telebrasília, no Guará, no Gama, no Sol Nascente, no Pôr do Sol, no Núcleo Bandeirante e na Candangolândia.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?