Nossa rede

Mundo

Kuczynski afirma que Peru enfrenta “golpe de Estado disfarçado”

Publicado

dia

Kuczynski é suspeito de ter recebido dinheiro da Odebrecht e terá seu futuro definido hoje

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, afirmou nessa quarta-feira (20) que o país enfrenta “um golpe de Estado disfarçado”, com o pedido de sua destituição, que será debatido e votado hoje no Congresso.

“A Constituição e a democracia estão sob ataque. Estamos sob um golpe, sob o disfarce de interpretações legais supostamente legítimas”, disse Kuczynski, em mensagem transmitida pela televisão, onde esteve acompanhado pelos vice-presidentes Martín Vizcarra e Mercedes Aráoz.

O pleno do Congresso, dominado pelo partido fujimorista Força Popular, ouvirá a defesa do presidente nesta quinta-feira, diante das acusações de que uma empresa sua recebeu dinheiro da construtora Odebrecht. Em seguida, haverá debate sobre o pedido de destituição por suposta “incapacidade moral permanente”.

Kuczynski exigiu do Congresso “respeito pela decisão popular” que o colocou na presidência nas eleições de 2016, com pouco mais de 40 mil votos sobre Keiko Fujimori, a líder da Força Popular.

O governante assegurou que durante sua defesa no Congresso responderá “com clareza pontual” às acusações de que teria se beneficiado com pagamentos da Odebrecht.

A permanência de Kucyznski no cargo foi seriamente questionada depois que, na semana passada, surgiu a denúncia de que uma empresa sua ofereceu serviços de consultoria à construtora brasileira Odebrecht entre 2004 e 2007.

Kuczynski reconheceu que recebeu pagamentos por um contrato de assessoria, assinado pelo seu então sócio Gerardo Sepúlveda com a Odebrecht, quando ele era ministro do governo de Alejandro Toledo.

No entanto, o atual governante assegurou que não tinha conhecimento de que o dinheiro era proveniente desse contrato até que a denúncia fosse feita, na semana passada, pela comissão parlamentar que investiga a Lava Jato no Peru.

O presidente admitiu que cometeu “erros”, ao explicar a forma como sua empresa fez esses trabalhos, algo que atribuiu à falta de perícia para se comunicar.

“A verdade é que não sou um bom comunicador, mas sou uma pessoa transparente, alguém que jamais cometeu um ato de corrupção em toda a sua vida”, afirmou.

Ele também disse que seus compatriotas “foram testemunhas” da disposição ao diálogo durante seu governo, mas que foi confrontado em todo momento pela “atitude abusiva da maioria opositora que controla o Congresso”.

O chefe de Estado disse que se apresentará no Congresso “com a consciência tranquila, firmeza de espírito e fé” nas instituições democráticas, “uma convicção” que, segundo disse, os seus dois vice-presidentes compartilham. Além disso, ele anunciou que nenhum deles “quer ser parte de um governo que nasça de manobras injustas e antidemocráticas”.

Se o pedido de destituição for aprovado – necessita de 87 votos favoráveis dos 130 congressistas, a presidência deverá ser assumida por Vizcarra ou, se ele declinar, por Mercedes Aráoz.

Se os dois vices renunciarem, o titular do Congresso, que neste momento é o fujimorista Luis Galarreta, teria que assumir a presidência e convocar de imediato novas eleições gerais, que devem ser realizadas no prazo máximo de um ano.

“Temos que nos defender e eu farei isso com todo o meu esforço. Quero dizer, com todo o meu coração, que se os senhores me apoiarem, sua confiança não será frustrada”, afirmou.

O presidente peruano pediu aos congressistas “uma reflexão antes de dar um passo tão destrutivo como o proposto” para esta quinta-feira.

 

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Mundo

Governo britânico considera volta do lockdown em toda Inglaterra

Publicado

dia

Por

Índices de contágio disparam em Londres e no noroeste da Inglaterra, e número de hospitalizados duplica a cada oito dias

(Hannah McKa/Reuters)

Ver mais

Mundo

Taiwan aciona caças após China enviar 18 aviões durante visita dos EUA

Publicado

dia

Por

Aeronaves chinesas sobrevoaram a ilha, cruzando a instável linha média do Estreito de Taiwan, durante visita de uma autoridade dos Estados Unidos

Caça taiwanês durante exercício militar (Ann Wang/Reuters)

Taiwan acionou caças, nesta sexta-feira, depois que 18 aeronaves chinesas sobrevoaram a ilha, cruzando a instável linha média do Estreito de Taiwan, em reação à visita de uma autoridade de alto escalão dos Estados Unidos para conversas em Taipé.

A China já havia anunciado exercícios de combate e criticado o que classificou como um conluio entre a ilha, que reivindica como parte de seu território, e os EUA.

O subsecretário de Assuntos Econômicos norte-americano, Keith Krach, chegou a Taipé na quinta-feira para uma visita de três dias. Ele é o funcionário mais graduado do Departamento de Estado a visitar Taiwan em quatro décadas, ao que a China prometeu dar a “resposta necessária”.

A China vem acompanhando cada vez mais alarmada o estreitamento da relação entre Taipé e Washington, e intensificou exercícios militares perto da ilha, o que incluiu dois dias de manobras aéreas e marítimas de larga escala nesta semana.

Taiwan disse que 18 aviões chineses se envolveram nesta sexta-feira, muito mais do que em aparições anteriores do tipo.

O governo local mostrou um mapa da rota de voo dos aviões chineses na linha média do Estreito de Taiwan, que aeronaves de combate dos dois lados normalmente evitam atravessar.

O jornal taiwanês Liberty Times disse que caças de Taiwan foram acionados 17 vezes ao longo de quatro horas, alertando a Força Aérea chinesa a manter distância.

O jornal também mostrou uma foto de mísseis sendo instalados em um caça F-16 na base aérea de Hualien, no litoral leste de Taiwan.

Ver mais

Mundo

Síria critica declarações de Trump sobre planos para matar Assad

Publicado

dia

Por

Trump disse que havia considerado a possibilidade em 2017, mas seu secretário de Defesa na época, o general Jim Mattis, se opôs à operação

(crédito: Brendan Smialowski / AFP)

A Síria chamou nesta quarta-feira os Estados Unidos de um Estado “bandido e fora da lei” após declarações do presidente Donald Trump, que disse que em 2017 havia contemplado a “eliminação” do presidente sírio Bashar al-Assad.

Trump disse que havia considerado essa possibilidade, mas que seu secretário de Defesa na época, o general Jim Mattis, se opôs à operação.

“As declarações do chefe do governo dos Estados Unidos (…) mostram claramente o nível (…) de práticas políticas erráticas” dos Estados Unidos, afirmou o ministério das Relações Exteriores, citado pela agência de notícias estatal Sana.

“As confissões de Trump confirmam que o governo americano é um Estado bandido e fora da lei, que pratica os mesmos métodos que as organizações terroristas, com assassinatos e liquidações”, acrescentou o ministério.

Trump disse à rede de televisão Fox News que “preferia eliminar” Assad e que “pediu que o ato fosse planejado”, após um ataque químico em abril de 2017, atribuído ao regime sírio.

“Eu teria preferido eliminá-lo. Tinha tudo pronto”, disse Trump. “Mattis não queria fazer isso. Mattis era um general muito superestimado, e eu o deixei ir”.

Em setembro de 2018, o presidente dos Estados Unidos havia afirmado o contrário, que nunca tinha discutido com o chefe do Pentágono o possível assassinato de Assad.

A Síria vive uma guerra civil devastadora que deixou centenas de milhares de mortos, e o regime de Assad é acusado de uma série de crimes, incluindo tortura, execuções sumárias, estupro e uso de armas químicas.

 

 

 

 

Ver mais

Mundo

Barbados planeja remover rainha Elizabeth II do posto de chefe de Estado

Publicado

dia

Por

Ex-colônia britânica que conquistou a independência em 1966, Barbados manteve um vínculo formal com a monarquia britânica

Elizabeth II: atualmente, o governador-geral de Barbados é nomeado pela rainha sob recomendação do primeiro-ministro da ilha (Aaron Chown/Pool via/Reuters)

Barbados quer destituir a rainha Elizabeth 2ª do cargo de chefe de Estado e se tornar uma República, afirmou o governo da nação caribenha, reavivando um plano discutido várias vezes no passado.

Uma ex-colônia britânica que conquistou a independência em 1966, Barbados manteve um vínculo formal com a monarquia britânica, assim como alguns outros países que já fizeram parte do Império Britânico.

“Chegou a hora de deixarmos totalmente nosso passado colonial para trás”, disse a governadora-geral de Barbados, Sandra Mason, fazendo um discurso em nome da primeira-ministra do país, Mia Mottley.

“Os barbadianos querem um chefe de Estado barbadense. Esta é a declaração final de confiança em quem somos e no que somos capazes de alcançar. Portanto, Barbados dará o próximo passo lógico em direção à soberania plena e se tornará uma República quando celebrarmos nosso 55º aniversário da independência.”

Esse aniversário acontecerá em novembro do próximo ano.

O Palácio de Buckingham informou que o caso era assunto do povo de Barbados. O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido reiterou que a decisão caberia a Barbados.

“Barbados e o Reino Unido estão conectados em nossa história, cultura, idioma compartilhados e muito mais. Temos uma parceria duradoura e continuaremos a trabalhar com eles, juntamente com todos os nossos valiosos parceiros caribenhos”, disse uma porta-voz do ministério das Relações Exteriores.

Atualmente, o governador-geral de Barbados é nomeado pela rainha sob recomendação do primeiro-ministro da ilha. O governador-geral representa a rainha em eventos formais, como a abertura do Parlamento estadual, que foi a ocasião em que Mason fez o discurso na terça-feira.

Ver mais

Mundo

Força de segurança de Maduro faz execuções e tortura na Venezuela, diz ONU

Publicado

dia

Por

Maioria das execuções ilegais cometidas por agentes estatais não foi alvo de processos no país, onde o Estado de Direito entrou em colapso diz relatório

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro (Manaure Quintero/Reuters)

As forças de segurança da Venezuela e grupos aliados cometeram violações de direitos humanos sistemáticas, incluindo execuções e tortura, que equivalem a crimes contra a humanidade, disseram investigadores da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta quarta-feira.

Existem motivos razoáveis para acreditar que o presidente Nicolás Maduro e seus ministros do Interior e da Defesa ordenaram ou contribuíram para os crimes documentados no relatório para silenciar a oposição, disseram.

A maioria das execuções ilegais cometidas por agentes estatais não foi alvo de processos na Venezuela, onde o Estado de Direito e as instituições democráticas entraram em colapso, acrescentaram os investigadores da ONU.

A missão de averiguação de fatos da ONU disse que outras jurisdições nacionais e o Tribunal Penal Internacional (TPI), que iniciou um exame preliminar sobre a Venezuela em 2018, deveriam estudar a abertura de processos e que compartilhará sua base de dados, que contém os nomes de autoridades identificadas pelas vítimas.

“A missão encontrou motivos razoáveis para acreditar que, desde 2014, as autoridades e as forças de segurança venezuelanas planejaram e executaram violações de direitos humanos graves, algumas das quais — incluindo execuções arbitrárias e o uso sistemático da tortura — equivalem a crimes contra a humanidade”, disse a presidente do painel, Marta Valinas, em um comunicado.

O governo de esquerda de Maduro não respondeu de imediato ao relatório, que se baseou em mais de 270 entrevistas com vítimas, testemunhas, ex-autoridades e advogados, além de documentos confidenciais.

“Longe de serem atos isolados, estes crimes foram coordenados e cometidos de acordo com políticas de Estado, com o conhecimento ou apoio direto de oficiais de comando e autoridades de governo de alto escalão”, disse Valinas.

A missão descobriu que oficiais dos militares, da polícia e da inteligência cometeram execuções extrajudiciais, entre elas a do ex-chefe do Serviço Nacional de Inteligência, general Christopher Figuera.

O painel disse haver motivos razoáveis para crer que o serviço de inteligência falsificou ou plantou provas em vítimas e que seus agentes torturaram detidos. Um deles foi o parlamentar de oposição Fernando Albán, que o governo disse ter cometido suicídio em 2018, mas cujo partido disse que ele foi assassinado.

Criado pelo Conselho de Direitos Humanos para investigar violações a partir de 2014, o painel não teve acesso à Venezuela.

Ver mais

Mundo

Um quarto dos jovens americanos acha que o Holocausto é um mito

Publicado

dia

Por

A pesquisa sobre o conhecimento dos americanos acerca do Holocausto é da organização judia Claims Conference, que entrevistou jovens entre 18 e 39 anos

Museu sobre o Holocausto em Israel: mais de 6 milhões de judeus foram mortos (Uriel Sinai/Getty Images)

Uma nova pesquisa mostra que parte significativa dos jovens nos Estados Unidos nega o Holocausto, tragédia que matou mais de 6 milhões de judeus na Europa antes e durante a Segunda Guerra Mundial.

Um em cada dez americanos acredita que o Holocausto não aconteceu. Quase um em cada quatro (23%) acredita que a tragédia é um mito ou que o número de judeus mortos foi superestimado.

Ao todo, 12% dos entrevistados disseram ainda que nunca ouviram falar da palavra Holocausto.

A pesquisa é da Claims Conference, uma organização pela luta dos judeus, que entrevistou jovens entre 18 e 39 anos com o intuito de chegar às gerações Z e millennial.

Foram ouvidos 200 jovens em cada um dos 50 estados americanos, por telefone e online. A organização afirma que os entrevistados foram uma amostra representativa da participação demográfica dos jovens de cada estado.

Levado a cabo pelo governo nazista de Adolf Hitler na Alemanha e em países vizinhos, o Holocausto é considerado um dos maiores extermínios da história. Em 1945, momentos finais da Segunda Guerra Mundial, dois em cada três judeus vivendo na Europa haviam sido mortos pelos nazistas — muitos foram assassinados publicamente pelas ruas ou no anonimato de seus esconderijos, enquanto milhares padeceram nos campos de concentração espalhados pelo continente.

Na pesquisa com os jovens americanos, mesmo entre os que sabem sobre o Holocausto, há pouco conhecimento da dimensão da tragédia. Quase dois terços (63%) não sabia que 6 milhões de judeus foram mortos, e parte acreditava que o número de mortes era menor do que 2 milhões.

Ao todo, 48% não conseguiu nomear um campo de concentração que tenha existido no período. Foram mais de 40.000 campos de concentração.

Quando lhes foi apresentado o nome de algum dos campos diretamente, só 56% conseguiu identificar o campo de Auschwitz, talvez o campo de concentração mais famoso da tragédia humanitária.

Ver mais

Hoje é

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?