Nossa rede

Brasil

Corrupção e má gestão agravam situação do Amazonas durante pandemia

Publicado

dia

Operação do Ministério Público Federal apontou desvio de R$ 100 milhões em recursos da saúde desde 2016

Amazonas: novo coronavírus já matou mais de mil pessoas e infectou quase 13 mil (Bruno Kelly/Reuters)

O quadro dramático na saúde do Amazonas, onde o novo coronavírus já matou mais de mil pessoas e infectou quase 13 mil até a manhã desta terça-feira, tem também motivos anteriores à pandemia. A covid-19 atingiu um Estado com um sistema fragilizado por má gestão e desvios milionários de verbas, que ocorrem há vários governos, disse o presidente do Conselho de Medicina local, José Bernardes Sobrinho.

Desde 2016, o Operação Maus Caminhos, do Ministério Público Federal (MPF), investiga o mau uso de verbas. Atualmente, dois ex-secretários usam tornozeleira eletrônica e ex-gestores e empresários já foram presos. Atrasos em salários, que já são baixos, número reduzido de médicos e falta de investimentos completam o cenário que culminou com o desastre sanitário pelo qual passa o Estado. “Digo que é uma tragédia anunciada já há muito tempo. Há má gestão e subtração de recursos”, afirmou Bernardes Sobrinho.

As investigações de procuradores da República apontam o médico e empresário Mouhamad Moustafa, sócio e administrador da Salvare Serviços Médicos, como chefe de um esquema criminoso que desviou mais de R$ 100 milhões em recursos públicos. Até o início de março, Moustafa acumulava sete condenações criminais, que somavam 81 anos de cadeia.

Na mesma investigação também apareceram dois ex-secretários de Saúde – Pedro Elias e Wilson Alecrim -, além de funcionários públicos e políticos.

Os desvios ocorreram, conforme as apurações, no Instituto Novos Caminhos, organização social que geria unidades de saúde. As fraudes envolveriam pelo menos quatro empresas e contratos superfaturados. O MPF ajuizou dezenas de ações penais e de improbidade administrativa. Na época das denúncias, os acusados alegaram inocência.

A corrupção tornou críticas as condições de trabalho dos profissionais de saúde. Quase 2 mil dos infectados pela doença no Estado – mais de 10% do total – são trabalhadores do setor. Quinze morreram e, desses, cinco eram médicos, afirmou Bernardes Sobrinho. A contaminação massiva teria sido consequência de um erro: pacientes com suspeita da covid-19 não usavam máscaras ao serem atendidos. “Em locais bem estruturados, a mortalidade é pequena. Curitiba tem 1 mil UTIs. A ocupação até recentemente era de 31%”, disse.

Segundo o Conselho Regional de Medicina local, em janeiro de 2019, o órgão contava com 5.114 médicos ativos inscritos. Em janeiro de 2020, o número caiu para menos de 4.865. “Tem uma evasão muito grande. Os médicos estão indo embora de Manaus. Por quê? Primeiro, condições de trabalho ruins. Segundo, o governo paga com três, quatro meses de atraso. Eles vão fazer pós-graduação em São Paulo e Rio e ficam.”

Bernardes Sobrinho disse ainda que a falta de UTIs agrava o problema. “Tem uma Sala Rosa no Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto em que todos estão esperando por uma vaga na UTI. Só que desses que estão na Sala Rosa, grande parte morre, não chegam lá. Há uma fila de sete, oito esperando lugar”, afirmou.

Quando há vaga, a escolha do paciente que vai ocupá-la é feita com base em critérios da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), explicou. “É uma preocupação constante entre nós médicos. Eu sou médico, tenho dois filhos médicos, duas noras médicas e uma neta médica. Se eu ou minha família precisar de uma UTI, vou ter de fretar uma UTI aérea e ir embora para Ribeirão Preto, minha cidade, lá eu consigo UTI. Porque aqui a gente vai acabar morrendo”, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Brasil

Covid-19: capital paulista anuncia vacina para quem tem 28 e 29 anos

Publicado

dia

Por

População desta faixa etária será imunizada a partir de terça-feira

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A prefeitura de São Paulo anunciou hoje (22) as próximas etapas de vacinação contra a covid-19 na capital paulista. Na próxima semana, pessoas de 28 anos e de 29 anos começam a ser vacinadas.

A vacinação de pessoas de 29 anos moradoras da capital tem início na próxima terça-feira (27) e ocorre até quarta-feira (28). Já quem tem 28 anos será vacinado entre quinta-feira (29) e sexta-feira (30).

A prefeitura espera imunizar 143.861 pessoas com 29 anos e 145.496 com 28 anos.

Amanhã (23) serão vacinadas na cidade as pessoas de 30 anos. No sábado (24) e na segunda-feira (26) ocorre uma repescagem de quem tem entre 30 e 34 anos e que ainda não se imunizou e também a segunda dose para todos os grupos elegíveis.

Nesta quarta-feira (21), a cidade de São Paulo ultrapassou a marca de 9 milhões de doses aplicadas contra a covid-19, sendo 6.660.013 de primeiras doses, 2.166.711 de segundas doses e 305.894 doses únicas. A cidade alcançou 75,5% da população elegível com a primeira dose.

Onde se vacinar

A lista completa de postos e as datas de vacinação estão disponíveis na página Vacina Sampa:

Vacinação de gestantes e puérperas

A prefeitura também anunciou hoje que vai oferecer a vacina da Pfizer/BioNTech para as gestantes e puérperas da cidade que tomaram a primeira dose da vacina AstraZeneca/Oxford/Fiocruz. A imunização em segunda dose dessas grávidas e puérperas vai começar a ser feita na segunda-feira (26).

Segundo a prefeitura, 652 gestantes e puérperas tomaram a primeira dose da vacina AstraZeneca/Oxford/Fiocruz na capital paulista. Essa vacinação será aplicada em casa.

De acordo com a administração municipal, a lista das gestantes e puérperas elegíveis será encaminhada para as respectivas Unidades Básicas de Saúde (UBSs). As UBSs ficarão responsáveis por contatar essas munícipes e realizar a imunização na casa delas.

Em maio, o Ministério da Saúde suspendeu a aplicação da vacina da Fiocruz em gestantes e puérperas. Mas algumas pessoas desses dois grupos já haviam recebido a primeira dose quando a suspensão foi anunciada.

O Ministério da Saúde recomendou então que essas grávidas que já haviam tomado a vacina da Fiocruz seguissem utilizando esse mesmo imunizante para a segunda dose. Mas fez uma ressalva: a aplicação da segunda dose, nesses casos, só seria permitida 45 dias após o parto.

Com a preocupação gerada pela chegada da variante delta ao país, o governo de São Paulo decidiu ontem (21) contrariar o Ministério da Saúde e adiantar a aplicação da segunda dose para essas gestantes e puérperas do estado paulista que já haviam recebido a vacina AstraZeneca/Oxford/Fiocruz. No entanto, com a suspensão do uso desse imunizante nestes dois grupos, o governo paulista decidiu utilizar a vacina da Pfizer/BioNTech para a aplicação de segunda dose.

A variante delta é uma grande preocupação para o governo de São Paulo. Só na capital paulista, 12 casos já haviam sido confirmados até ontem. Essa variante tem sido responsável pelo aumento no número de casos em diversos países. Estudos têm demonstrado que uma pessoa só estará protegida contra a variante delta se tiver tomado as duas doses da vacina.

Ver mais

Brasil

Patos de Minas: hospital faz primeira cirurgia de aneurisma por microscopia

Publicado

dia

Por

Unidade da Fhemig, o Hospital Regional Antônio Dias é a primeira na cidade a realizar o procedimento pelo SUS

(crédito: Fhemig/Divulgação)

O Hospital Regional Antônio Dias (HRAD), da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), localizado em Patos de Minas, fez a primeira cirurgia de aneurisma por microscopia. O procedimento delicado, que exige aparato tecnológico e qualificação da equipe médica, é considerado importante passo para consolidação de serviço de alta complexidade em neurocirurgia e neurologia no Noroeste e Alto Paranaíba do Estado.

O procedimento aconteceu em maio e o hospital é a primeiro em Patos de Minas a realizar o procedimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Os neurocirurgiões do Regional, Marcelo Lamberti e Marcelo Almeida foram os responsáveis pela microcirurgia.

“A mortalidade nesses casos pode chegar a 50% e o risco de sequelas neurológicas nos pacientes também é alto. As estruturas cerebrais são minúsculas, algumas com até 1 milímetro. O espaço em que trabalhamos no cérebro também é muito estreito. A visualização plena das estruturas cerebrais nos possibilita fazer as cirurgias, antes impensáveis, de forma segura e eficaz, mantendo a vida do paciente”, explica Lamberti.

Por isso, o uso do microscópio em neurocirurgia é prática consagrada na literatura mundial, sendo absolutamente recomendada por ser a forma mais segura de se operar nesses casos.

“A paciente apresentava aneurismas múltiplos e um deles já rompido, o que colocava sua vida e sua função neurológica em risco. Teve boa evolução no pós-operatório, recebendo alta sem déficits neurológicos. Anteriormente, casos semelhantes ficariam aguardando na fila da Central de Regulação de Leitos para transferência a outros municípios com alta complexidade, o que poderia levar dias e comprometer o tratamento”, relata o neurocirurgião Marcelo Almeida.

O microscópio Zeeis, modelo S88, foi adquirido em abril deste ano pelo HRAD. as pinças cirúrgicas especiais, bem como os clipes metálicos para contenção dos aneurismas foram cedidos pelo Hospital João XXIII, também da Rede Fhemig.

Paciente

A auxiliar de produção Maria Josefa Medeiros, de 49 anos, deu entrada no HRAD no dia 6 de maio deste ano com dores de cabeça fortes, que surgiram repentinamente, associadas a alterações no nível de consciência e sinais de irritação meníngea.

A tomografia detectou os aneurismas e ela logo foi encaminhada para cirurgia de emergência, que durou aproximadamente 4 horas. “O pós-cirúrgico foi melhor do que esperávamos, pois ela não apresentou nenhuma sequela”, conta Carla Castro, filha da paciente.

Ela acordou da anestesia geral imediatamente após o término da cirurgia, lúcida, e foi encaminhada para UTI. A paciente seguiu sob cuidados na terapia intensiva, tendo alta alguns dias depois.

Ver mais

Brasil

Cerca de 60 pessoas vítimas de trabalho escravo são resgatadas em MG

Publicado

dia

Por

Trabalhadores rurais eram mantidos em situação degradante no Sul de Minas e, após denúncias, foram resgatados e levados volta para o interior da Bahia

(crédito: PRF/divulgação)

Cerca de 60 pessoas foram resgatadas em lavouras cafeeiras no Sul de Minas vítimas de trabalho escravo em fazendas de Ilicínea e Boa Esperança. A operação foi realizada pela Polícia Rodoviária Federal, auditores fiscais do trabalho e o Ministério Público do Trabalho. Após a ação, os trabalhadores rurais foram levados de volta para o interior da Bahia.

De acordo com a PRF, a operação que combateu o trabalho escravo no Sul de Minas aconteceu entre os dias 13 e 20 de julho de 2021 em fazendas de Ilicínea e Boa Esperança. A investigação começou após denúncias anônimas.

“No decorrer da operação, a força tarefa encontrou vários trabalhadores rurais em situações de trabalho análoga à de escravidão, submetendo-se a jornadas exaustivas e sujeitando-se a condições degradantes”, destaca a assessoria da PRF.

A PRF informou que os trabalhadores eram mantidos em alojamentos em situações precárias. “Frentes de trabalho sem banheiro e locais para refeições e não eram fornecidos os equipamentos de proteção individual a contento”.

Além disso, os próprios trabalhadores eram responsáveis por todo o custeio do transporte e de alimentação do estado de origem até as propriedades rurais no Sul de Minas. “Algo totalmente ilegal nesse tipo de contratação de mão-de-obra”, ressalta o representante da PRF.

“A grande maioria veio em março, para o início da colheita. Alguns deles já tinham desenvolvido essa atividade na mesma fazenda por alguns anos. Tinha trabalhador que completava o terceiro ano nesse sistema de emprego. Então, é um trabalho recorrente, que vem acontecendo há alguns anos”, acrescentou.

Durante a operação, nenhuma pessoa foi presa e os desdobramentos seguem a cargo do Ministério Público do Trabalho para apuração de responsabilidade civil e criminal dos empregadores.

Na sequência, as vítimas foram levadas de volta para o interior da Bahia. Segundo a PRF, as pessoas foram em ônibus fretado para cidades do interior da Bahia.

Ver mais

Brasil

Pacaembu, Presidente Prudente e Teodoro Sampaio estão com inscrições abertas para processos seletivos

Publicado

dia

Por

Prefeitura de Pacaembu está com inscrições abertas para processo seletivo — Foto: Facebook/Reprodução

Nesta quarta-feira (21), três cidades da região de Presidente Prudente estão com inscrições abertas para processos seletivos.

Escola Técnica Estadual

Presidente Prudente

A Escola Técnica Estadual (Etec) Adolpho Arruda Mello, em Presidente Prudente (SP), abriu inscrições para dois novos processos seletivos para a contratação temporária de professores do ensino médio/técnico.

As oportunidades disponíveis são:

  • Fundamentos de Redes (Redes de Computadores);
  • Desenvolvimento de Jogos para WEB III (Programação de Jogos Digitais).

 

A remuneração será de R$ 18,35 por hora-aula.

As inscrições terão início no dia 26 de julho e devem ser feitas pelo site até o dia 9 de agosto.

Teodoro Sampaio

Em Teodoro Sampaio (SP), a Escola Técnica Estadual (Etec) Professora Nair Luccas Ribeiro abriu dois novos processos seletivos para contratação temporária de professores do ensino médio e técnico.

As oportunidades são para:

  • Gestão Estratégica de Resultados (Recursos Humanos);
  • Desenvolvimento de Modelos de Negócios (Administração).

 

A remuneração será de R$ 18,35 por hora-aula.

Interessados devem se inscrever de 26 de julho até o dia 9 de agosto pela internet.

Pacaembu

A Prefeitura de Pacaembu abriu inscrições para novo processo seletivo com o objetivo de contratar estagiários de nível reserva.

De acordo com o edital, há oportunidades para alunos dos cursos de administração, ciência da computação, ciências contábeis, direito, economia, educação física, enfermagem, farmácia, pedagogia, serviço social e psicologia.

Os contratados deverão exercer atividades em carga horária semanal de 30 horas, com bolsa-auxílio de R$ 500.

Para concorrer, os interessados devem se inscrever pela internet até o dia 26 de julho.

Ver mais

Brasil

Entenda o que muda no ensino médio de SP em 2022

Publicado

dia

Por

A partir de 2022, os alunos do 2º ano do ensino médio das escolas estaduais de São Paulo terão uma aula a mais por dia. Os alunos do 3º ano passarão a ter 8 aulas por dia em 2023. Ensino híbrido (remoto e presencial) será mantido. Veja outras mudanças.

Jovens em escola da rede de ensino do Estado de São Paulo — Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governo de São Paulo anunciou nesta terça-feira (20) a expansão do Novo Ensino Médio para o segundo ano a partir de 2022. Dentre as principais mudanças, os alunos terão uma aula a mais por dia. Além disso, o ensino híbrido será mantido, ou seja, mesmo com a retomada das aulas presenciais, o aprendizado remoto será mantido.

O investimento será de R$ 303,5 milhões, e há a previsão da contratação de até 10 mil professores.

Entenda o que muda:

  • Atualmente, os alunos do ensino médio no período diurno têm 35 aulas semanais (7 por dia). Eles passarão a ter 40 aulas semanais (8 por dia);
  • No noturno, são 25 aulas semanais. Eles passarão a ter 33 aulas semanais (aumentando em 8 aulas a carga geral);
  • A mudança será gradual: os alunos do 2º ano terão uma aula a mais por dia já a partir do próximo ano;
  • Os alunos do 3º ano passarão a ter 8 aulas por dia em 2023;
  • Para as turmas do período noturno, a ampliação para 8 aulas diárias irá ocorrer já a partir do 1º ano;
  • As aulas presenciais não serão obrigatórias em agosto. Em setembro, cada escola pode reavaliar essa definição;
  • O ensino híbrido, com aulas online e presenciais, vai continuar;
  • A partir de 2022, o segundo ano contará com 10 aulas semanais dedicadas ao aprofundamento curricular escolhido conforme as opções apresentadas pela escola. No terceiro ano, serão 20 aulas.

Novo Ensino Médio

No ano letivo de 2021, a implementação do novo currículo do ensino médio teve início para os mais de 460 mil alunos matriculados no primeiro ano, de acordo com o secretário da Educação, Rossieli Soares. Em 2022, o novo modelo será expandido para 422 mil alunos do segundo ano.

Atualmente, o Novo Ensino Médio atende estudantes do primeiro ano da rede pública estadual por meio dos três componentes ofertados pelo programa Inova Educação – Projeto de Vida, Eletivas e Tecnologia e Inovação.

A ideia é que o próprio aluno escolha uma ou duas áreas para se aprofundar em conhecimentos específicos, conforme interesse individual.

A relação trouxe 10 opções de aprofundamento curricular:

Quatro delas são nas áreas de conhecimento:

  • Linguagens:
  • Matemática;
  • Ciências Humanas;
  • Ciências da Natureza.

Seis delas são opções integradas, que apresentam combinações:

  • Linguagens e Matemática:
  • Linguagens e Ciências Humanas:;
  • Linguagens e Ciências da Natureza;
  • Matemática e Ciências Humanas;
  • Matemática e Ciências da Natureza;
  • Ciências Humanas;
  • Ciências da Natureza.

Com os dados obtidos via Secretaria Escolar Digital (SED), as escolas vão definir os aprofundamentos curriculares a serem ofertados a partir de agosto, durante o processo de rematrícula.

Mais de 376 mil estudantes do primeiro ano do ensino médio – 89% do total potencial de respondentes – da rede pública estadual manifestaram interesse no aprofundamento do currículo do Novo Ensino Médio.

Na manifestação, o estudante também pode demonstrar interesse em outros dois grupos de itinerários formativos.

O segundo deles mescla as áreas do conhecimento com a qualificação profissional, via Novotec Expresso, e permite um aprofundamento curricular em uma das áreas do conhecimento e dois certificados profissionalizantes durante o ano.

São cursos relacionados:

  • Programação;
  • Design;
  • Dados;
  • Tecnologia;
  • Ciências sociais;
  • Comunicação.

O terceiro grupo, alinhado ao programa Novotec Integrado, oferece a oportunidade de o estudante sair com um diploma de curso técnico e com o do ensino médio.

Ver mais

Brasil

Ministério da Justiça leiloará bens apreendidos de traficantes

Publicado

dia

Por

Lotes estão avaliados em cerca de R$ 80 milhões

© Geraldo Magela/Agência Senado

O Ministério da Justiça e Segurança Pública fará, a partir de hoje (19), o que classifica como “o maior leilão da história”, já feito pela Secretaria Nacional de Política Sobre Drogas (Senad). Os imóveis a serem leiloados em dez lotes estão divididos em dez lotes e avaliados em R$ 80 milhões, entre salas comerciais, terrenos e imóveis urbanos, denominados “Estância Colibri” e a Estância 21, estimada em mais de R$ 10 milhões.

“Os bens estão relacionados a crimes de lavagem de dinheiro, apreendidos de João Arcanjo Ribeiro. Os lances podem ser dados até o dia 22 de julho e acontecem de forma online”, informou o ministério. “Para viabilizar as vendas, tornando-as mais atrativas, os lances iniciam abaixo do valor avaliado, equivalente a 75% do preço de mercado, e o pagamento pode ser parcelado”, acrescentou. Os lances podem ser apresentados no site.

Estratégia

Com relação à estratégia do governo de reverter, via leilões, os bens apreendidos de criminosos em políticas públicas, já foram arrecadados, só no Mato Grosso, mais de R$ 42 milhões com a venda de pelo menos 2.635 bens, em 20 leilões desde 2020.

“Desse total, mais de R$ 37 milhões se referem a 2.404 itens leiloados do patrimônio apreendido de João Arcanjo Ribeiro”, disse o secretário Nacional de Políticas sobre Drogas, Luiz Roberto Beggiora.

O Ministério da Justiça contabiliza cerca de 400 bens em processo de venda, que devem ser inseridos nos próximos leilões, de forma a reforçar, com a arrecadação, os cofres públicos. Segundo o ministério, quando esses bens são oriundos a crimes relacionados ao tráfico de entorpecentes, têm como destino o Fundo Nacional Antidrogas (Funad), de forma a financiar projetos que reforçam a segurança pública e o combate às drogas no país. Agência Brasilk

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade
Publicidade

Viu isso?