Nossa rede

É Destaque

Com Bolsonaro nos EUA, Mourão e Maia assumem a presidência

Publicado

dia

Vice-presidente e presidente da Câmara assumem comando com segunda viagem de Bolsonaro aos Estados Unidos em dois meses

Rodrigo Maia: presidente da Câmara estava em Nova York, mas não foi a evento que virou polêmica (Adriano Machado/Reuters)

Numa quarta-feira de tensão para o governo, com o ministro da Educação convocado a se explicar na Câmara dos Deputados, o presidente Jair Bolsonarochega a Dallas, no Texas, para sua segunda visita aos Estados Unidos em dois meses. Com a viagem, o Brasil terá dois presidentes interinos em dois dias. Nesta quarta-feira, assume o vice, Hamilton Mourão. Amanhã, Mourão embarca para a China, e o país será comandado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Nas últimas semanas Maia se envolveu em uma série de discussões sobre os rumos da reforma da Previdência, com críticas da atuação de Bolsonaro e de seus aliados. Mourão, por sua vez, é um dos principais alvos do guru de Bolsonaro, Olavo de Carvalho.

Na primeira viagem aos EUA, Bolsonaro encontrou Donald Trump e comemorou articulações para a entrada do Brasil na OCDE, o clube de países ricos, que mais tarde se mostraram um tiro na água. Agora, chega ao Texas após ter cancelado participação num jantar em Nova York em que receberia o prêmio Personalidade do Ano, concedido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. Com oposição à visita até do prefeito da cidade, o democrata Bill de Blasio, Bolsonaro decidiu visitar um estado tradicionalmente republicado e conservador.

O jantar em Nova York, aconteceu ontem, e contou com a presença do presidente do senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli. Rodrigo Maia estava na cidade mas não foi ao evento, e voltou ainda ontem ao Brasil. Em Dallas, no Texas, Bolsonaro deve participar de um almoço em que será homenageado pelo World Affairs Councils of Dallas e encontrará ainda o ex-presidente George W. Bush.

Nos Estados Unidos, Bolsonaro deve ser questionado sobre as questões internacionais que têm se mostrado as mais relevantes da agenda de seu governo. A principal é o papel do Brasil na crise venezuelana. Nesta terça-feira, um novo tema veio à tona, com a declaração de seu filho Eduardo sobre armas nucleares. Eduardo, presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, defendeu ontem que o Brasil tenha armas nucleares para “ser levado mais a sério”. Em nova viagem internacional, Bolsonaro tem a chance de fazer o país ser levado a sério na defesa de pautas historicamente caras à sua diplomacia, e não por reiteradas bombas — de fumaça — que vem pautando sua política internacional.

 

Comentário

É Destaque

Praça dos Três Poderes: GDF transfere gestão do espaço para STF

Publicado

dia

União vai ficar responsável por cuidar de área verde ao redor de prédio do Judiciário. Revitalização deve custar R$ 10 milhões.

Praça dos Três Poderes, em Brasília, com vista para o Congresso Nacional — Foto: Tony Winston/Agência Brasília/Divulgação

Um acordo entre o governo do Distrito Federal e a União transferiu a gestão de parte da Praça dos Três Poderes, em Brasília, para o Supremo Tribunal Federal (STF). Com a medida, o Judiciário terá que cuidar do espaço e da área verde ao redor do prédio.

A decisão, assinada na quinta-feira (16), vale por cinco anos – até 2024 – e inclui o Bosque dos Ministros e o dos Pinus. O objetivo, segundo o documento, é “incentivar a prática de atividades culturais voltadas ao fortalecimento do turismo cívico, em benefício da população do DF”.

Para cumprir o acordo, o STF poderá firmar parcerias com outras entidades, públicas ou privadas. As empresas ou os órgãos interessados podem propor atividades, projetos, obras e serviços de manutenção do local. A revitalização deve custar cerca de R$ 10 milhões, de acordo com GDF.

O governo do DF não informou qual será a participação de órgãos locais na manutenção da Praça dos Três Poderes.

Governador Ibaneis Rocha assina acordo de cooperação técnica para revitalização da Praça dos Três Poderes — Foto:  Renato Alves/Agência Brasília

Governador Ibaneis Rocha assina acordo de cooperação técnica para revitalização da Praça dos Três Poderes — Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Abandono

Na cerimônia, o governador Ibaneis Rocha (MDB) afirmou que a ideia de transferir a gestão do espaço é “cuidar do conjunto arquitetônico da Esplanada dos Ministérios”. A iniciativa, segundo o chefe do Executivo local, deve ser ampliada desde a Catedral até a Praça dos Três Poderes.

“Nós temos aqui vários palácios abandonados, os ministérios abandonados e até as paradas de ônibus precisam ser revistas”, disse.

Ibaneis citou ainda a necessidade de construção de mais banheiros públicos na cidade, principalmente em pontos que concentram mais visitantes. À reportagem, o GDF não esclareceu como colocará em prática a revitalização desses locais.

Fachada do STF, em Brasília — Foto: Reprodução/JN

Fachada do STF, em Brasília — Foto: Reprodução/JN

Três Poderes

A Praça, no coração de Brasília, abriga as sedes dos três poderes do Estado: o Palácio do Planalto (poder Executivo), o Congresso Nacional (poder Legislativo) e o Supremo Tribunal Federal (poder Judiciário).

Ver mais

É Destaque

Duas equipes da EBC acompanham Mourão; coisa rara para um vice

Publicado

dia

Vice está em viagem para Líbano, Itália, China e Japão

O vice-presidente Hamilton Mourão embarcou nesta quinta para um périplo no exterior. Terá compromissos no Líbano, na Itália, na China e no Japão. Na comitiva, duas equipes da EBC, que vão cobrir os compromissos do vice.

Mourão terá uma equipe cobrindo sua agenda na Itália e outra na China.

É raro uma equipe da EBC viajar com vice. Duas, então, nem se fala. Em tempo: EBC está sob comando do também general Santos Cruz.

A Secretaria de Comunicação informou que dois profissionais da EBC acompanham a viagem de Mourão.

 

Ver mais

É Destaque

Servidor da Casa Civil é o novo presidente do Inep

Publicado

dia

Esta é a terceira troca de comando no Inep desde o início do ano; atualmente, Alexandre Lopes é diretor legislativo do Ministério da Casa Civil

Alexandre Ribeiro Pereira Lopes: engenheiro de formação assumirá o comando do Inep (Inep/Divulgação)

Brasília — O Ministério da Educação anunciou por meio de nota Alexandre Ribeiro Pereira Lopes como novo presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A nomeação deve ser formalizada no Diário Oficial da União da próxima segunda-feira, dia 20.

Atualmente, Lopes é diretor legislativo do Ministério da Casa Civil, onde trabalhou com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, no período em que ele foi secretário executivo da pasta.

Segundo o MEC, Lopes é servidor público da carreira desde 1999 e já atuou como secretário de Gestão Administrativa e Desburocratização e subsecretário de Políticas Públicas do Governo do Distrito Federal.

Ele é formado em engenharia química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e em direito pela Universidade de Brasília (UnB).

Esta é a terceira troca no comando do Inep desde o início do ano. Lopes assumirá após o delegado Elmer Coelho Vicenzi pedir para deixar o cargo, após menos de um mês na função.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade