Nossa rede

Mundo

Trump impõe critérios políticos para tirar sobretaxa

Publicado

dia

Mesmo após o detalhamento, os diplomatas europeus insistem que os critérios não estão claros e que não é possível saber o peso de cada argumento

O governo americano apresentou cinco exigências aos países que querem ser isentos da taxa para as exportações de aço e alumínio. O detalhamento já foi apresentado a diplomatas japoneses, europeus e coreanos. Na avaliação de alguns negociadores, os critérios, no entanto, são mais políticos do que comerciais. E não ficou claro como os EUA vão controlar o cumprimento dessas exigências.

A mais polêmica estabelece que os governos que querem evitar a taxação do aço precisam apoiar as disputas lideradas pelos Estados Unidos nos tribunais da Organização Mundial do Comércio (OMC). A exigência deve criar uma saia-justa para várias chancelarias que, nos últimos meses, ensaiaram levar o governo americano a julgamento na entidade. Também seria uma medida complicada para países que, por motivos comerciais, não têm interesse de atacar o governo chinês.

Trump também quer que os governos sejam “parceiros” dos EUA em termos de segurança, condicionando aspectos comerciais a uma aliança no setor de Defesa. Não ficou claro para os negociadores o que isso significaria de fato. Uma das críticas é de que as exigências, além de políticas, são amplas e subjetivas.

Mas os critérios estabelecidos pelo governo Trump também envolvem aspectos comerciais. Os americanos pedem um compromisso dos governos em um esforço mundial contra a produção em excesso no setor siderúrgico. Eles também querem garantias de que os países vão lutar contra o desvio de aço subsidiado de países de origem. A suspeita dos EUA é de que, embora oficialmente a China diga que exporta apenas 2% do aço ao mercado americano, um volume muito maior seja primeiro vendido a outros países e, dali, reexportado para o território americano.

Por fim, o governo também passaria a monitorar o volume das exportações de aço para o mercado americano. Com base nisso, existe a possibilidade de que cotas sejam estabelecidas para cada exportador. O que passar desse volume seria sobretaxado.

Crítica

Mesmo após o detalhamento, os diplomatas europeus insistem que os critérios não estão claros e que não é possível saber o peso de cada argumento, nem quem os monitoraria.

No fim de semana, a comissária de Comércio da União Europeia, Cecilia Malmstrom, se reuniu com o representante de Comércio da Casa Branca, Robert Lighthizer. Ao sair do encontro, ela disse que Lighthizer não apresentou esclarecimentos suficientes.

Longe da troca pública de acusações entre os governos, diplomatas de ambos os lados estão mantendo contatos nos bastidores para organizar um novo encontro ainda nesta semana. Desta vez, a reunião envolveria apenas os técnicos.

Retaliação

A área técnica do governo discute, de forma preliminar, uma lista de itens que podem ser eventualmente levados a uma negociação de país a país com os Estados Unidos na questão do aço. Entre eles, está a elevação das tarifas de importação do etanol de milho produzido lá, o adiamento da sanção do acordo de céus abertos e a parceria entre Embraer e Boeing.

Uma fonte disse que “tudo” está em discussão. Porém, não há decisão alguma sobre como esses itens serão usados na negociação – e nem se serão de fato levados à mesa. Até porque, concretamente, ainda não começou a negociação entre os governos de Brasil e EUA sobre o tema.

A estratégia brasileira é, primeiro, esperar os resultados dos entendimentos entre as empresas americanas que serão prejudicadas com a aplicação da sobretaxa ao aço importado e a administração de Donald Trump.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada nesta terça-feira, 13, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, disse que o Brasil vai dar apoio a essas empresas A negociação governo a governo é uma outra frente, que ainda não foi aberta. Nela, o ponto forte será a tese de que as indústrias siderúrgicas brasileira e americana são complementares.

    Clique para comentar

    You must be logged in to post a comment Login

    Comentar

    Aconteceu

    Por que a Coreia do Norte começou a lançar tantos mísseis de repente?

    Publicado

    dia

    Foto fornecida pelo governo da Coreia do Norte mostra o teste de um míssil no dia 17 de janeiro Foto: Agência Central de Notícias da Coreia do Norte

    Mais dois testes foram realizados nesta terça-feira. Kim Jong-un aprendeu que as explosões são a melhor maneira de chamar a atenção de Washington, especialmente quando a situação global já está instável

    A Coreia do Norte começou o ano novo com a convocação de uma reunião do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, o único partido do país, durante a qual muito pouco foi dito sobre os Estados Unidos. Aquele silêncio sobre o assunto não durou muito.

    Kim Jong-un, o ditador norte-coreano, lançou seis mísseis balísticos em quatro testes de armamentos desde 5 de janeiro. Em um mês, foram quase tantos mísseis quanto a Coreia do Norte lançou em todo o ano passado. Nesta terça-feira, os militares sul-coreanos confirmaram que o Norte disparou mais dois mísseis de cruzeiro, em seu quinto teste de 2022.

    A mensagem era clara: o líder norte-coreano sente que está sendo ignorado e quer pressionar o governo de Joe Biden a prestar atenção ao seu país de economia pobre.

    Individualmente, os testes podem não ter grandes novidades – eles envolveram mísseis que já foram testados ou armas que ainda estão em desenvolvimento. Mas juntos, sinalizam que Kim planeja usar 2022 para tirar o governo Biden de seu sono diplomático.

    Kim precisa que Washington faça concessões econômicas para melhorar a economia devastada de seu país. Ao longo dos anos, ele aprendeu que a melhor maneira de chamar a atenção de um presidente americano é com armas. E que o melhor momento para fazê-lo é quando o mundo tem menos condições de arcar com a instabilidade.

    Por esse ângulo, 2022 parece um ano promissor.

    A China está ocupada se preparando para os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim no próximo mês. A Coreia do Sul elege um novo presidente em março. A Rússia insinua uma possível invasão da Ucrânia e mantém o governo Biden em suspense.

    Durante uma reunião do Politburo na quarta-feira passada, Kim sugeriu que seu governo poderia mais uma vez começar a testar mísseis de longo alcance e dispositivos nucleares, após suspender tais testes antes de sua reunião de cúpula de 2018 com o então presidente Donald Trump.

    — O objetivo de Kim é tornar rotineiros os voos de mísseis balísticos de curto alcance, como um fato da vida sem repercussões. A partir daí, ele passará para provocações maiores, retomando testes de mísseis de médio e longo alcance, intervalados por um teste nuclear, como fez em 2017 — disse Lee Sung-yoon, especialista em Coreia do Norte na Escola Fletcher da Universidade Tufts, em Boston.

    Naquele ano, a Coreia do Norte testou o que chamou de bomba de hidrogênio e também lançou três mísseis balísticos intercontinentais. Foi também o ano em que Trump assumiu o cargo nos Estados Unidos. A Coreia do Sul tinha acabado de destituir sua presidente.

    Quarta-feira foi a segunda vez que Kim ameaçou suspender a moratória sobre mísseis de longo alcance e testes nucleares. Depois que sua diplomacia com Trump terminou sem um acordo em 2019, ele disse que não se sentia mais obrigado ao compromisso. Mas ele não voltou a realizar esses testes, e seu país logo precisou lidar com a pandemia de coronavírus.

    Este ano também marca o início da segunda década de Kim no poder, e os testes oferecem-lhe  uma chance para reafirmar sua autoridade. Desde que assumiu, ele se concentrou em fortalecer o arsenal do país, para assim validar o governo dinástico de sua família, apresentando-se como o protetor da Coreia do Norte contra invasões estrangeiras.

    A Coreia do Norte por ora se concentra em testar mísseis que podem carregar o que chama de armas nucleares “menores, mais leves e táticas”. Esses tipos de armas não representam uma ameaça direta aos Estados Unidos, mas podem aumentar a influência de Kim junto a Washington, colocando aliados americanos como Coreia do Sul e Japão sob ameaça nuclear.

    Washington não tomou medidas para atrair Kim e levá-lo a negociar, exceto propor negociações “sem pré-condições”, um pedido morno que a Coreia do Norte rejeitou. Enquanto isso, o país vê as armas como ferramentas para trazer Washington à mesa de negociações. E por essa lógica, quanto mais poderoso o arsenal, mais poder Kim tem.

    “A Coreia do Norte espera que, se continuar a demonstrar suas capacidades nucleares, mas confiná-las à Península Coreana, não irá irritar a opinião pública nos Estados Unidos e fortalecerá as vozes que pedem um acordo”, escreveu em artigo recente Cha Du-hyeogn, um dos principais especialistas em Coreia do Norte no Asian Institute for Policy Studies, com sede em Seul.

     

    Ver mais

    Mundo

    Suprema Corte se recusa a acelerar contestação aos limites de aborto no Texas

    Publicado

    dia

    Por

    No mais recente revés para os direitos reprodutivos, a decisão deixa a lei draconiana do aborto em vigor para o futuro próximo

    Os três liberais no tribunal discordaram da decisão de quinta-feira. Fotografia: Daniel Slim/AFP/Getty Images

    No mais recente revés para os direitos ao aborto no Texas , a Suprema Corte se recusou na quinta-feira a acelerar o processo judicial que contesta a proibição do estado da maioria dos abortos.

    Devido a divergências dos três juízes liberais, o tribunal se recusou a ordenar que um tribunal federal de apelações devolvesse o caso a um juiz federal que havia bloqueado temporariamente a aplicação da lei. O tribunal não ofereceu nenhuma explicação para sua ação.

    A proibição do Texas provavelmente permanecerá em vigor no futuro próximo, após uma decisão do quinto tribunal de apelações do circuito dos EUA em Nova Orleans de enviar o caso à Suprema Corte do Texas, que é totalmente controlada por juízes republicanos e não precisa agir imediatamente.

    Os provedores de aborto pediram ao tribunal superior para revogar a ordem de apelação, que eles disseram nos documentos do tribunal não ter outro objetivo além de atrasar os procedimentos legais e impedir que as clínicas ofereçam abortos além de aproximadamente seis semanas de gravidez.

    A lei devastou os cuidados com o aborto no Texas, escreveu a juíza Sonia Sotomayor. “Em vez de impedir um painel do Quinto Circuito de ceder às novas táticas de atraso do Texas, o Tribunal permite que o Estado mais uma vez estenda a privação dos direitos constitucionais federais de seus cidadãos por meio de manipulação processual”, escreveu Sotomayor, acompanhado pelos juízes Stephen Breyer e Elena. Kagan. “A Corte pode olhar para o outro lado, mas eu não.”

    O presidente da Suprema Corte, John Roberts, juntou-se aos três liberais em dezembro em uma dissidência que pedia a permissão de um desafio mais amplo à lei e um rápido retorno ao tribunal federal de primeira instância. Roberts não observou sua posição na quinta-feira.

    As clínicas temem que seu desafio à lei possa não ser resolvido antes que os juízes decidam em um caso do Mississippi que poderia reverter os direitos ao aborto em todo o país. Essa decisão, que pode anular o caso Roe v Wade de 1973, é esperada para o final de junho.

    A lei do Texas que proíbe o aborto quando a atividade cardíaca é detectada, geralmente em cerca de seis semanas – antes que algumas mulheres saibam que estão grávidas – está em vigor desde setembro. No mês passado, o tribunal superior manteve a lei em vigor e permitiu que apenas uma contestação estreita contra as restrições prosseguisse.

    Os provedores pensaram que sua melhor chance de um resultado favorável era antes do juiz distrital dos EUA, Robert Pitman, em Austin. Pitman emitiu uma ordem em outubro bloqueando a lei, embora o tribunal de apelações tenha suspendido sua decisão apenas alguns dias depois.

     

    Ver mais

    Mundo

    Iêmen: mais de 200 mortos ou feridos após ataque aéreo na prisão

    Publicado

    dia

    Por

    Hospitais sobrecarregados em Saada após ataque destruir prédios no coração do norte dos Houthi

    A imagem de vídeo mostra a destruição em uma prisão Saada no norte do Iêmen depois de ter sido atingida por um ataque aéreo. Fotografia: Ansarullah Media Centre/AFP/Getty Images

     

    Mais de 200 pessoas estão mortas ou feridas após um ataque aéreo a uma prisão no Iêmen , e pelo menos três crianças foram mortas em um bombardeio separado, em uma dramática escalada do conflito de longa data no país.

    Os rebeldes houthis divulgaram imagens de vídeo horríveis na sexta-feira mostrando corpos nos escombros e cadáveres mutilados do ataque à prisão, que destruiu edifícios na prisão em Saada, no norte do país.

    Mais ao sul, na cidade portuária de Hodeida, as crianças morreram quando ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita atingiram uma instalação de telecomunicações enquanto brincavam nas proximidades, disse a Save the Children.

    “As crianças estariam brincando em um campo de futebol próximo quando os mísseis atingiram”, disse a Save the Children. Houve também um apagão de internet em todo o país.

    Os ataques ocorrem cinco dias depois que os houthis levaram a guerra de sete anos para uma nova fase, reivindicando um ataque de drones e mísseis em Abu Dhabi que matou três pessoas.

    Os Emirados Árabes Unidos, parte da coalizão liderada pela Arábia Saudita que luta contra os rebeldes, ameaçaram represálias .

    Trabalhadores humanitários disseram que os hospitais ficaram sobrecarregados em Saada após o ataque à prisão, com um recebendo 200 feridos, segundo os Médicos Sem Fronteiras.

    Basheer Omar, porta-voz do Comitê Internacional da Cruz Vermelha no Iêmen, disse à AFP: “Há mais de 100 mortos e feridos… os números estão subindo”. Outras fontes disseram que 60 foram mortos.

    Ahmed Mahat, chefe da missão dos Médicos Sem Fronteiras no Iêmen, disse: “Há muitos corpos ainda no local do ataque aéreo, muitas pessoas desaparecidas. É impossível saber quantas pessoas foram mortas. Parece ter sido um ato horrível de violência.”

    O conselho de segurança das Nações Unidas deve se reunir na sexta-feira em uma sessão de emergência sobre os ataques houthis contra os Emirados Árabes Unidos, a pedido do Estado do Golfo, que ocupa um dos assentos não permanentes no conselho desde 1º de janeiro.

    Os Emirados Árabes Unidos fazem parte da coalizão liderada pela Arábia Saudita que luta contra os rebeldes desde 2015, em um conflito intratável que deslocou milhões de iemenitas e os deixou à beira da fome.

    A coalizão reivindicou o ataque em Hodeida, um porto vital para o país despedaçado, mas não disse ter realizado nenhum ataque a Saada.

    A agência de notícias estatal da Arábia Saudita disse que a coalizão realizou “ataques aéreos de precisão … para destruir as capacidades da milícia Houthi em Hodeida”.

    A guerra civil do Iêmen começou em 2014, quando os houthis desceram de sua base em Saada para invadir a capital, Sana’a, levando as forças lideradas pela Arábia Saudita a intervir para sustentar o governo no ano seguinte.

    As tensões aumentaram nas últimas semanas depois que a Brigada dos Gigantes, apoiada pelos Emirados Árabes Unidos, expulsou os rebeldes da província de Shabwa, minando sua campanha de meses para levar a cidade de Marib mais ao norte.

    A guerra civil do Iêmen foi uma catástrofe para milhões de cidadãos que fugiram de suas casas, com muitos à beira da fome no que a ONU chama de pior crise humanitária do mundo.

    A ONU estimou que a guerra matou 377.000 pessoas até o final de 2021, direta e indiretamente por fome e doenças.

     

    Ver mais

    Mundo

    Boris Johnson é acusado de chantagear deputados do próprio partido

    Publicado

    dia

    Por

    Diversos conservadores já disseram dispostos a apoiar uma moção de censura de Boris Johnson

    Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson (Toby Melville/Getty Images)

    O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, foi acusado nesta quinta-feira, 20, por deputados de seu partido de chantagear os parlamentares que pedem sua renúncia. William Wragg, vice-presidente da comissão do Partido Conservador, encarregada de lançar uma moção de censura, disse que recebeu várias denúncias de intimidação.

    Nos últimos dias, muitos membros do Parlamento sofreram pressões e intimidações por parte de integrantes do governo por seu desejo declarado ou suposto de pedir um voto de desconfiança da liderança do primeiro-ministro”, afirmou. Segundo ele, algumas abordagens seriam o equivalente a “chantagem”.

    “É claro que é dever do gabinete garantir os interesses do governo no Parlamento. No entanto, não é sua função violar o código ministerial e ameaçar retirar financiamento de parlamentares”, disse Wragg. “Além disso, são inaceitáveis os relatos que recebi, de que funcionários do governo, assessores especiais e ministros vêm incentivando a publicação de histórias na imprensa para constranger aqueles que não demonstraram confiança no primeiro-ministro.”

    Dissidente

    Reiterando a denúncia de Wragg, o deputado Christian Wakeford disse que líderes do Partido Conservador ameaçaram retirar o financiamento para a construção de um novo colégio em sua região no norte da Inglaterra, se ele não parasse de criticar Johnson.

    As declarações de Wakeford foram colocadas em dúvida ontem por alguns conservadores, já que o deputado, na quarta-feira, 19, desertou para o Partido Trabalhista, o maior da oposição no Reino Unido. De acordo com Wakeford, as ameaças o fizeram questionar seu lugar dentro do Partido Conservador.

    Assediado por “fogo amigo”, Johnson – que já foi chamado de “morto ambulante” por Roger Gale, um veterano deputado conservador – ignorou as denúncias de chantagem durante visita a um centro de diagnóstico médico no sudoeste da Inglaterra. “Não vi nenhuma evidência que corrobore qualquer uma dessas alegações”, disse o premiê, embora tenha acrescentado que investigará as denúncias.

    As acusações são a última bomba a cair no colo de Johnson, acusado pela oposição de mentir para o Parlamento sobre as festas organizadas na sede do governo, em Downing Street, durante o período de confinamento da pandemia.

    Embora ele tenha se desculpado, na semana passada, Johnson negou ter infringido qualquer regra e pediu a todos que aguardassem as conclusões de uma investigação interna, conduzida pela funcionária de alto escalão Sue Gray, que pode ser publicada nos próximos dias.

    Diversos conservadores, no entanto, já perderam a paciência com o premiê e se disseram dispostos a apoiar uma moção de censura. Mas, para que o processo siga adiante, 54 deputados do partido – 15% dos 360 parlamentares da bancada – precisam apoiar a medida. De acordo com estimativas da imprensa britânica, quase 60 já criticaram publicamente o premiê, mas apenas 30 demonstraram publicamente disposição em derrubá-lo.

    Se sobreviver à moção de censura, Johnson estaria imune a uma nova votação pelos próximos 12 meses. No entanto, de acordo com o jornal Guardian, a liderança do Partido Conservador analisa uma mudança de regra para encurtar esse período para 6 meses.

    No momento em que pesquisas dão ao Partido Trabalhista uma rara vantagem de mais de 10 pontos porcentuais, a deserção de Wakeford e as críticas de veteranos deputados conservadores assustaram alguns aliados de Johnson. Ontem, o secretário de Saúde, Sajid Javid, admitiu o desconforto com o pedido de renúncia feito por David Davis, ex-ministro do governo, na quarta-feira.

    “Em nome de Deus, vá embora”, disse Davis ao premiê durante sessão do Parlamento. Javid reconheceu que o momento é delicado. “A declaração foi prejudicial, é claro. Preferia que ele não tivesse dito algo assim”, afirmou. “Mas o primeiro-ministro foi ao Parlamento e pediu desculpas.”

    Medidas

    Tentando recuperar apoio político, Johnson anunciou, na quarta-feira, o levantamento de várias restrições impostas na Inglaterra contra a variante Ômicron – cuja onda está diminuindo no país. De acordo com o premiê, o teletrabalho será flexibilizado e as máscaras não serão mais obrigatórias, assim como o passaporte sanitário para acesso a grandes eventos.

    Ver mais

    Mundo

    Promovido por Biden, projeto de reforma eleitoral não avança no Senado

    Publicado

    dia

    Por

    Para impedir a votação do projeto, republicanos empregaram a regra da “obstrução”, que exige a cooperação de pelo menos 60 dos 100 membros do Senado

    Reforma eleitoral proposta por Biden não avança no Senado dos EUA (CHIP SOMODEVILLA / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images/AFP)

    O projeto de reforma eleitoral promovido pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, foi barrado de avançar no Senado nesta quarta-feira, 19. O objetivo da lei era defender o direito de voto para as minorias. Essa foi a quinta vez em menos de um ano que os republicanos bloqueiam a tentativa dos democratas em avançar com a pauta.

    Para impedir a votação do projeto, republicanos empregaram a regra da “obstrução”, que exige a cooperação de pelo menos 60 dos 100 membros do Senado para manter os projetos de lei vivos. Atualmente, o Senado está dividido em 50 democratas e 50 republicanos. Sem senadores republicanos quebrando fileiras, os democratas não conseguiram ultrapassar o limite de 60 votos necessário para levar o projeto à votação.

    O líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, um democrata, propôs reformular a regra de obstrução, reduzindo o limite de 60 votos para 50. Porém, dois democratas, os conservadores Joe Manchin e Kyrsten Sinema, votaram contra a mudança de regras.

    Estados controlados pelos republicanos aprovaram projetos de lei que, segundo especialistas, foram projetados para suprimir o voto nas eleições federais, especialmente entre eleitores negros hispânicos e pobres. Democratas e ativistas pelos direitos do sufrágio defenderam o projeto de lei como uma resposta necessária aos esforços republicanos para restringir o voto.

    “Eu sei que não é 1965. É isso que me deixa tão indignado. É 2022 e eles estão descaradamente removendo mais locais de votação de condados onde negros e latinos estão super-representados”, disse o democrata Cory Booker, de Nova Jersey, no Senado.

    O projeto de lei de direitos de voto que foi aprovado pela Câmara, mas enterrado pelo Senado, teria estabelecido padrões mínimos de votação federal para que qualquer eleitor registrado pudesse solicitar uma cédula por correio. Também teria estabelecido pelo menos duas semanas de votação antecipada e expandido o uso de urnas que tornam a votação mais conveniente em muitas áreas.

    A legislação dos democratas ainda tentava remover o partidarismo da forma como os distritos congressionais são redesenhados a cada década. Atualmente, o “gerrymandering” favorece o campo para qualquer partido que esteja no poder em vários estados.

    “Estou profundamente desapontado que o Senado não tenha defendido nossa democracia. Estou desapontado, mas não dissuadido”, disse Biden no Twitter, após a votação. “Continuaremos avançando na legislação necessária e pressionando por mudanças nos procedimentos do Senado que protegerão o direito fundamental ao voto”, acrescentou.

    Ver mais

    Mundo

    Banco central russo sugere proibição total de criptomoedas no país

    Publicado

    dia

    Por

    A fim de assegurar a manutenção das políticas monetárias nacionais, o banco central da Rússia sugere tornar ilegal o comércio, a mineração e o uso de criptomoedas no país

    Investidores institucionais russos não devem ter permissão para investir em criptoativos (Sputnik/Alexei Druzhinin/Reuters)

    A Rússia deve banir as criptomoedas, segundo o banco central do país em um relatório divulgado nesta quinta-feira, 20.

    O relatório, “Criptomoedas: tendências, riscos, medidas”, foi apresentado durante uma entrevista coletiva online com Elizaveta Danilova, diretora do Departamento de Estabilidade Financeira do Banco da Rússia.

    O relatório diz que as criptomoedas são voláteis e amplamente utilizadas em atividades ilegais, como fraudes. Ao oferecer uma saída para as pessoas retirarem seu dinheiro da economia nacional, elas correm o risco de prejudicá-la e dificultar o trabalho do regulador de manter políticas monetárias ideais, diz o relatório.

    O relatório, “Criptomoedas: tendências, riscos, medidas”, foi apresentado durante uma entrevista coletiva online com Elizaveta Danilova, diretora do Departamento de Estabilidade Financeira do Banco da Rússia.

    O relatório diz que as criptomoedas são voláteis e amplamente utilizadas em atividades ilegais, como fraudes. Ao oferecer uma saída para as pessoas retirarem seu dinheiro da economia nacional, elas correm o risco de prejudicá-la e dificultar o trabalho do regulador de manter políticas monetárias ideais, diz o relatório.

    A mineração de criptomoedas, que cresceu na Rússia nos últimos anos e até ganhou alguns sinais de aprovação do parlamento do país no ano passado, também foi criticada.

    A mineração cria uma nova oferta de criptomoedas, por isso estimula a demanda por outros serviços de criptomoedas como corretoras e “cria um gasto não produtivo de eletricidade, o que prejudica o fornecimento de energia a edifícios residenciais, infraestrutura social e objetos industriais, bem como a agenda ambiental da Federação Russa”, disse o relatório.

    A “solução ideal” seria proibir a mineração de criptomoedas na Rússia, disse o regulador no relatório.

    O banco central planeja monitorar as transações de criptomoedas por residentes russos e coordenar com os países onde as corretoras de criptomoedas estão registradas para obter informações sobre transações de usuários russos, diz o relatório.

    O regulador acredita que, no futuro, o aprimoramento da infraestrutura bancária atual, bem como a implementação do rublo digital, uma moeda digital emitida por bancos centrais (CBDC) atualmente em andamento pelo Banco da Rússia, irá satisfazer a necessidade dos russos por opções de pagamento digital rápidas e baratas, efetivamente dando a eles as vantagens de cripto sem cripto.

    Quanto ao apelo de investimento dos criptoativos, isso pode ser substituído pelos ativos digitais, que serão emitidos na Rússia sob a lei de ativos digitais, em vigor desde 2020, disse o Banco da Rússia.

    Anteriormente, o Banco da Rússia disse que os russos realizam mais de 5 bilhões de dólares em transações de criptomoedas ao ano, mas não esclareceu como esse número foi calculado.

    Ver mais
    Publicidade

    Escolha o assunto

    Publicidade

    Viu isso?