Nossa rede

Brasil

Sistema de transplantes do Brasil é inspirado no modelo espanhol

Publicado

dia

No Brasil, as listas de espera por órgãos são estaduais e obedecem a critérios de precedência, gravidade ou compatibilidade. Rede integrada funciona para a identificação e transporte dos órgãos pelo país

Derick morreu após ser baleado em um assalto
(foto: Arquivo Pessoal)

Manuela trabalha como coordenadora de transplantes em um hospital de Madri. É ela quem organiza o processo de doação de órgãos, desde a identificação de possíveis doadores até a abordagem às famílias que perderam seus entes queridos. Uma noite, depois do plantão, vê seu filho morrer em um trágico atropelamento. Esse é o início do filme Tudo sobre minha mãe, do cineasta espanhol Pedro Almodóvar (1999). Líder mundial em doação de transplantes de órgãos há mais de 20 anos, o modelo de organização em rede espanhol foi a referência no Brasil para o Sistema Nacional de Transplantes, coordenado pelo Ministério da Saúde.
A Organização Nacional de Transplantes (ONT) da Espanha credita parte do êxito à comunicação com a sociedade, que leva o tema até para as telas de cinema. O trabalho da personagem de Almodóvar é crucial no funcionamento do Sistema Nacional de Transplantes do Brasil.
O sistema conta com uma Central Nacional de Transplantes, cujo trabalho é semelhante ao da ONT e é coordenada pelo Ministério da Saúde, que faz a intermediação com as 26 centrais estaduais e a do Distrito Federal, que organizam as listas de espera por órgãos nos estados.

Em todos os hospitais que realizam transplantes, há uma comissão interna. Atualmente, são 574 comissões formadas por uma equipe multidisciplinar. Essas comissões organizam as rotinas e os protocolos, inclusive de morte encefálica, que possibilitam o processo de doação de órgãos e tecidos para transplantes, pela abordagem das famílias, e se encarregam da captação e manutenção dos órgãos até que o transplante seja feito. Também integram a rede 72 Organizações de Procura de Órgãos (OPOs), que acompanham a viabilidade de doações na rotina dos hospitais e notificam à Central sobre a possibilidade de realização de transplante, dando início ao processo que vai levar o órgão disponível ao paciente adequado.
 O encaixe entre o receptor e o doador considera compatibilidade sanguínea, peso, altura e às vezes condições clínicas, a depender do histórico de saúde do receptor e do doador. Todos os hospitais que realizam transplantes possuem essa estruturas, mesmo os hospitais privados, como o Hospital Brasília, por exemplo.
Quando a central estadual é avisada da disponibilidade de um órgão no estado, a consulta é feita ao primeiro da lista local. Confirmadas as condições preliminares de compatibilidade e gravidade, disponíveis no sistema, o hospital que incluiu o paciente na lista é acionado e avisa o paciente da possibilidade de um órgão.
“Cada estado tem uma lista. Quando é notificada, consulta os pacientes.  Se não houver receptor, avisa à Central Nacional, que verifica a compatibilidade em outros locais e cuida da logística”, explica  Joseane Gomes Fernandes Vasconcellos, diretora da Central do Distrito Federal.
“O paciente já começa a ser preparado para receber o órgão, mesmo que o transplante não se confirme por alguma intercorrência. Tudo tem que ser ágil, por causa do tempo de isquemia, ou seja, o número de horas que cada órgão pode ficar fora do corpo”, explica Mayara Casarian, enfermeira que integra a equipe de transplantes do Hospital Brasília. Além de abordar as famílias, em casos de morte encefálica de pacientes, ela acompanha a equipe de captação de órgãos, quando a Central de Transplantes do Distrito Federal notifica que há um órgão compatível para um paciente do Hospital Brasília.
“Recentemente, fomos buscar um fígado em Goiânia. Tudo certo. O órgão era saudável. Compatibilidade confirmada e o paciente já estava sendo preparado. Na volta, a estrada estava interditada por um  protesto. Não contávamos com isso. Nesses casos, acionamos os batedores da polícia militar ou o Corpo de Bombeiros, que sabem que podem ser requisitados por uma central de transplantes. Eu já estava quase telefonando para a polícia, quando o trânsito foi liberado. Deu tudo certo e o transplante foi realizado com êxito”, conta.

Doação Presumida

Outro fator que explica o desempenho da Espanha é a oferta de órgãos. O país tem uma taxa de 48,2 doações por milhão de pessoa (pmp), bem mais alta do que a taxa da União Europeia, de 22 ppm, e dos Estados Unidos, 32 pmp. No Brasil, a taxa é de 17 doações pmp e a meta da Associação Brasileira de Transplantes (ABTO) é chegar 20 pmp.  Segundo a legislação espanhola, toda pessoa falecida é doadora, a menos que tenha declarado o contrário em vida.
Em 1997, quando publicou a Lei dos Transplantes (Lei nº 9.434) e o Decreto nº 2.268, para instituir e regulamentar o Sistema Nacional de Transplantes, o Brasil adotou a doação presumida. Como na Espanha, em vida, era necessário registrar, por exemplo, na cédula de identidade, o desejo de não ser doador de órgãos. Mesmo assim, a família era consultada.
O mecanismo não funcionou e foi revogado pelo Lei  nº10.211/2001. Profissionais que trabalham com transplantes relatam que houve desconfiança da sociedade com relação ao interesse na aferição na morte cerebral, já que o Sistema Público de Saúde (SUS) remunera os hospitais pelos procedimentos, portanto, pelos órgãos captados.
De acordo com o presidente da ABTO, Paulo Pêgo, vários países adotam a doação presumida. “Mas, para isso, é preciso uma confiança muito forte nas instituições. No Brasil, a questão está mais relacionado com o fato de as pessoas entenderem mais o funcionamento do sistema. Na minha opinião, não seria ruim se a pessoa tivesse a opção de declarar, em vida, que é doador e não o contrário, como era, quando tinha que declarar que não era”, opina.

Mitos

Um terceiro fator que distancia e que leva o Brasil, a maior rede pública de transplante do mundo, a ter resultados mais modestos do que a Espanha e os Estados Unidos, o que mais realiza transplantes em números absolutos, é que, nesses países, são realizados transplantes de coração parado, ou seja, também de paciente com morte cardíaca e não apenas encefálica, como estabelece a legislação no Brasil.
Se o paciente não é reanimável, coloca-se o corpo em um equipamento que vai fazer a compressão toráxica, que vai simular o batimento cardíaco, assim como no caso da morte encefálica.  Mas o processo de extração nesse tipo de doador é mais urgente e delicado. A entrevista com a família tem que acontecer muito rápido. É altamente complexo e com custo muito elevado”, explica Daniela Ferreira Salomão, chefe da Coordenação-Geral do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde.
Para ela, no Brasil, esse tipo de doação poderia fomentar ainda mais mitos, como ocorreu na época da doação presumida, que gerou especulação sobre tráfego de órgãos. “Não existe tráfico de órgão no Brasil. O sistema é muito fechado. Não há brecha para isso acontecer.  A doação de órgão não é uma cirurgia simples. Depende de toda uma estrutura para cuidar do doador, fazer a extração do doador em centro cirúrgico. Tem uma logística complexa e todo esse trabalho envolve um grande número de pessoas. Os brasileiros não precisam se preocupar com isso”, assegura Daniela.

12 horas para decidir

É difícil explicar, mas é fácil entender as emoções da vendedora Elda de Oliveira Barros, de 43 anos, quando, há dois anos, ela perdeu o filho Derick Nardelli de Souza (foto), de 19 anos, baleado em um assalto. Ela conta que, assim que Derick chegou ao Hospital Regional João de Freitas, em Arapongas (PR), ao ser socorrido, iniciou-se o protocolo de morte cerebral, processo que foi repetido duas vezes por dois médicos diferentes e confirmado por um terceiro médico de outro hospital.
“Uma equipe nos abordou. Era uma sexta-feira à noite. Foram muito respeitosos e nos deram tempo para decidir. Levamos 12 horas para tomar a decisão. Não foi fácil. Neste momento, ninguém está em condições de decidir nada. Fomos para casa pensar. Quando meu pai morreu, eu falei em doar os órgãos, o que não ocorreu por causa das condições de saúde dele. O Derick disse que, se morresse, queria que seus órgãos fossem doados. Eu nem levei a sério. Você nunca pensa que um filho vai morrer antes. Mas meu outro filho se lembrou do diálogo, e foi quando decidimos”, conta Elda.
“É muito importante que as famílias conversem sobre o tema em casa. É muito difícil decidir isso na hora da perda. Geralmente, as famílias que aceitam doar os órgãos já tiveram a conversa antes” , diz Gislaine Albuquerque, enfermeira da equipe de transplantes do Hospital Brasília, acostumada a fazer a abordagem.

Transporte pela FAB e voos comerciais

Daniel Colchete: “Procuro isolar o que está acontecendo no avião e agir como se a aeronave estivesse vazia. A emoção fica para depois”
(foto: Claudia Dianni/CB/D.A Press).

Em um país de dimensões continentais, fazer um órgão cruzar o território a tempo de ser utilizado com sucesso em um transplante, considerando o tempo de isquemia fria (TIF), ou seja, máximo de horas que pode ficar fora do corpo, é desafiador. No caso do coração, são apenas quatro horas, o que inviabiliza a captura, por exemplo, de um coração em Rondônia para ser transplantado em Porto Alegre, depois de três horas e meia de voo, sem contar os percursos terrestres.
O TIF do pulmão também é curto, de quatro a seis horas. São 12 horas para fígado e pâncreas e até 24 horas, para rins. Por isso, uma vez identificados doador e receptor, se a distância tiver que ser vencida por via aérea, o trabalho em rede ganha ainda mais relevância e o sucesso depende de agilidade. O Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA) coordena a distribuição dos voos. Para isso, possui equipe da Central Nacional de Transplantes (CNT) para gerenciar a logística de distribuição.
Recebida a demanda da CNT, começam as buscas pelo voo adequado mais próximo, primeiro pela malha comercial. Quando o trecho não é atendido pelas linhas aéreas, o Comando de Operações Aeroespaciais (Comae) da Força Aérea Brasileira (FAB) é acionado.
Em 2017, o Decreto nº 9175, de outubro, assinado pelo ex-presidente Michel Temer, determinou que a FAB mantenha, permanentemente, uma aeronave disponível para o transporte de órgãos. Por isso, há tripulações de sobreaviso em Manaus (AM), Belém (PA), Natal (RN), Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ) e Canoas (RS). Até setembro, a FAB transportou 121 órgãos. “É um trabalho que exige muita coordenação. Muitas vezes não tem aeroporto perto para o pouso. Às vezes, é preciso contar com o Corpo de Bombeiros para fazer o trajeto terrestre até o hospital. Já transportei órgão de criança e, em outros casos, pessoas em coma. Procuro isolar o que está acontecendo no avião e agir como se a aeronave estivesse vazia. A emoção fica para depois”, conta o tenente Daniel Colchete Pinto, piloto que já participou da missão várias vezes.

Asas do Bem

Desde 2001, as companhias aéreas comerciais colaboram transportando órgãos gratuitamente. Mas, a partir de 2014, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) institucionalizou a participação das companhias com o programa Asas do Bem,  que inclui  parcerias com as companhias aéreas, o Ministério da Saúde, a Central Nacional de Transplantes,  o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), órgão do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), e operadores aeroportuários.
As aeronaves que transportam órgãos têm prioridade de pouso e decolagem. De acordo com a Abear, às vezes, os pilotos que transportam órgãos fazem o comunicado aos passageiros, como forma de incentivar a doação. Não é uma regra, mas uma opção do piloto. Segundo a Abear, no primeiro semestre, as companhias aéreas transportaram 626 órgãos.

Comentário

Brasil

Homem comete suicídio após matar atual e ex-companheira em São Paulo

Publicado

dia

Ao todo, acusado matou quatro pessoas a tiros, entre elas uma criança

foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)

Um homem matou quatro pessoas a tiros, entre elas uma criança, em São Vicente, município do litoral sul de São Paulo, na manhã desta quinta-feira, dia 5. Na sequência, o atirador cometeu suicídio. Outras duas pessoas teriam ficado feridas.

A Polícia Militar (PM) informou que foi acionada por volta das 5h20 desta quinta-feira para atender uma ocorrência de agressão contra uma mulher.

O atirador teria atacado sua atual companheira, a ex-companheira e uma família nas Ruas A, Gabriel dos Passos e Carijós, nos bairros Jóquei Clube e Humaitá, em São Vicente. O homem que comentou os crimes ainda não foi identificado.

 

Ver mais

Brasil

Registros de óbitos aumentam 21% nos últimos dez anos, aponta IBGE

Publicado

dia

Os dados são da pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2018

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )

Mortalidade na infância continua em queda e chega a 2,8%. Em sentido contrário, o percentual de homens jovens, entre 20 e 24 anos, por causas externas, cresce para 46,6%, de acordo com as Estatísticas de Registro Civil 2018, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados apontam que, entre 2008 e 2018, o volume de óbitos ocorridos e registrados no mesmo ano, com informação de sexo e idade, passou de 1.055.672 para 1.279.948, com aumento de cerca de 21%.
Quando analisada a série histórica desde 1978 por idade, há queda significativa na proporção de óbitos de crianças menores de um ano e de menores de cinco anos, passando de 26,9% e 32,6% para 2,4% e 2,8%, respectivamente. Por outro lado, com o envelhecimento populacional, os óbitos de pessoas com 65 anos ou mais passaram de 30,1% em 1978 para 59,8% do total de óbitos registrados em 2018.

De 1988 a 2018, a chamada sobre mortalidade masculina por causas externas (homicídios, suicídios, acidentes, afogamentos, quedas etc), dos 20 aos 24 anos cresce 46,6%. Nesse grupo, aponta o Instituto, os óbitos cresceram 11 vezes, em 2018. “Ou seja, um indivíduo do sexo masculino de 20 anos tinha 11 vezes mais chance de não completar os 25 anos do que uma pessoa do sexo feminino. Em 1988, este valor para as jovens era de 7,3 vezes, com acréscimo de 46,6% no período”, informa o levantamento. Contudo, se forem considerados somente os registros de óbitos por causas naturais no grupo de 20 a 24 anos, um homem de 20 anos teria 2,2 vezes mais chance de não completar os 25 anos do que uma mulher na mesma idade.

Regiões Norte e Nordeste têm aumento nos óbitos por causas externas entre homens de 15 a 24 anos

Entre 2008 e 2018, ao analisar os registros de óbitos por causas externas em homens de 15 a 24 anos, o IBGE constatou houve aumentos em 16 das 27 Unidades da Federação. Os estados do Norte e Nordeste mostraram os maiores aumentos, com destaque para Sergipe (113,8%), Ceará (113,6%) e Roraima (100,0%). Por outro lado, houve quedas significativas no Paraná (-49,9%), Espírito Santo (-45,4%) e São Paulo (-37,8%).

Sub-registro

A estimativa do sub-registro de nascimentos foi de 2,6% em 2017, indicando que 97,4% dos nascimentos em 2017 foram registrados no mesmo ano ou até o primeiro trimestre de 2018. Em 2016, a estimativa de sub-registro de nascimentos foi de 3,2% e, em 2015, de 4,2%. Já a estimativa do sub-registro de óbitos foi de 4,1% em 2017, indicando que 95,9% dos óbitos de 2017 foram registrados no mesmo ano ou até o primeiro trimestre de 2018. Em 2016, a estimativa de sub-registro de óbitos foi de 4,4% e, em 2015, de 4,9%.

Total de registros

Em 2018, do total de 2,98 milhões de registros de nascimentos em cartórios do Brasil, 2,89 milhões eram de nascimentos ocorridos e registrados no ano e com a Unidade da Federação de residência da mãe conhecida, destaca o IBGE. Em comparação com 2017, houve aumento em torno de 1% nestes registros, porém, as regiões Sul e Sudeste tiveram quedas de 0,1% e 0,4%, respectivamente, enquanto as regiões Nordeste (2,6%), Norte (2,3%) e Centro-Oeste (2,0%) tiveram aumentos.
De 1998 a 2018, o percentual de nascimentos cujas mães tinham menos de 24 anos caiu (de 51,8% para 39,4%). Já nas faixas etárias acima dos 30 anos houve elevação (de 24,1% para 36,6%). Na região Norte, constatou-se o maior índice de registros de nascimentos de crianças cujas mães tinham até 24 anos. Por outro lado, tanto na região Sudeste como na Sul foram observadas as maiores proporções de nascimentos entre mães de 30 a 39 anos.
Em 2019, o IBGE adotou nova metodologia para o cálculo do sub-registro de nascimentos e óbitos, não comparável com a anterior. Em 2017, a estimativa de sub-registro de nascimentos foi de 2,6%, enquanto o sub-registro de óbitos ficou em 4,1%. A pesquisa Estatísticas do Registro Civil investiga registros de nascimentos, casamentos, óbitos e óbitos fetais informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, bem como os divórcios declarados pelas Varas de Família, Foros, Varas Cíveis e Tabelionatos de Notas do país.
Ver mais

Brasil

Ação da PF mira em quadrilha que tentou traficar mais de 2,6 toneladas de cocaína

Publicado

dia

Um empresário do interior de São Paulo seria o suposto chefe do esquema

A Justiça determinou ainda a apreensão de 15 aeronaves
(foto: Reprodução/Twitter Polícia Federal )

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (4/12), a Operação Voo Baixo, para desarticular uma quadrilha especializada no tráfico de drogas. A corporação indicou que começou a investigar o grupo em maio de 2018 e, desde então, apreendeu cerca de 2,6 toneladas de cocaína e prendeu outras 11 pessoas.

Um empresário do interior de São Paulo seria o suposto chefe do esquema, que, segundo a PF, articulava a compra e o transporte aéreo da droga de traficantes bolivianos, recebia a cocaína no Mato Grosso do Sul e então levava os entorpecentes para São Paulo em aviões.

Na manhã desta quarta, os agentes cumprem 46 ordens judiciais — 13 mandados de prisão temporária e 33 de busca e apreensão — em quatro Estados: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Bahia.

A Justiça determinou ainda a apreensão de 15 aeronaves e o sequestro de imóveis, entre eles 3 fazendas. De acordo com a PF, os investigados podem ser indiciados pelos crimes de tráfico e associação para o tráfico de drogas, com penas que variam de 5 a 15 anos e multa e 3 a 10 anos e multa, respectivamente.

 

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade