Nossa rede

Economia

Sinais de aceleração no Brasil testam apetite estrangeiro

Publicado

dia

Em 2019, saída líquida de capital estrangeiro da B3 totalizou 44,5 bilhões de reais – excluindo a entrada de recursos via ofertas de ações

Euforia do mercado interno não atraiu estrangeiros e bolsa terminou 2019 com a maior saída líquida de capital externo em 15 anos (Peter Cade/Getty Images)

O rali que destacou a bolsa brasileira entre os mercados acionários globais no ano passado ainda não balançou o investidor estrangeiro.

Os estrangeiros retiraram cerca de R$ 4,7 bilhões em ações brasileiras em 2019, de acordo com dados da B3. Excluindo a entrada de recursos via ofertas de ações, a saída líquida salta para cerca deR$ 44,5 bilhões, a maior desde ao menos 2004.

Embora gestoras de recursos incluindo Fidelity e BlackRock tenham mantido posição overweight no mercado brasileiro, a maior parte dos investidores estrangeiros segue com uma postura mais cautelosa em relação ao país. O ritmo mais lento do que o esperado da recuperação econômica não ajudou, enquanto outros mercados emergentes da Indía à Argentina não entregaram promessas de reformas. Os investidores locais, famintos por maiores retornos à medida que as taxas de juros caem a mínimas históricas, ocuparam esse espaço.

“O estrangeiro não se animou tanto quanto o investidor local”, disse Pedro Sales, sócio e gestor da estratégia de ações brasileiras da Verde Asset Management. “A bolsa se tornou muito mais interessante para o brasileiro, que viu o seu custo de capital sair de um patamar super alto para um patamar super baixo.”

O movimento de queda da taxa de juros tem impulsionado a migração de produtos de renda fixa para investimentos de maior risco. Com a Selic a 4,5%, contra 14% há apenas alguns anos, os locais têm buscado cada vez mais alternativas aos seus investimentos tradicionais em títulos do Tesouro ou poupança. No ano passado, o investidor pessoa física respondeu por mais de 18% da negociação na bolsa brasileira, a maior fatia desde ao menos 2013, segundo dados da B3.

Sinais incipientes de que o crescimento econômico tem começado a ganhar tração no Brasil têm emergido ao longo dos últimos meses. Desde que o PIB do terceiro trimestre surpreendeu para cima, dados de vendas do varejo, produção industrial e criação de empregos vieram acima do esperado.

O ano começou com um tom positivo para o mercado acionário. Recentemente, o maior fundo de índice de ações brasileiras registrou a maior entrada líquida semanal em sete anos, enquanto houve uma redução na posição líquida vendida dos investidores estrangeiros nos contratos do Ibovespa futuro nos primeiros pregões do ano. Além disso, estrategistas estão projetando que a bolsa apresente o quinto ganho anual seguido neste ano.

“O Brasil está bem preparado para receber muito interesse por parte dos investidores mais adiante”, disse Ray Zucaro, diretor de investimentos da RVX Asset Management em Miami. De acordo com ele, uma combinação de moeda estável, juro menor e valuations interessantes devem ajudar o Brasil a se destacar na América Latina.

Os investidores estrangeiros estão dando um olhar mais atento e “fazendo seu dever de casa” com Brasil, disse Zucaro.

Comentário

Economia

Prévia do PIB deve mostrar sinais de fraqueza econômica no final de 2019

Publicado

dia

Dados de novembro da economia, como indústria e varejo, vieram piores do que o esperado, o que deve estar refletido no IBC-Br

Economia: o IBGE divulga o PIB fechado de 2019 só no dia 04 de março (Mario Tama/Getty Images)

São Paulo — O vai-e-vem das expectativas econômicas no Brasil segue sem respiro. O dado de novembro do IBC-Br, índice considerado pelo mercado como uma prévia do PIB, será divulgado pelo Banco Central às 9 horas desta quinta-feira (16).

A expectativa é de frustração, já que os dados daquele mês na indústria, serviços e comércio varejista, divulgados entre esta semana e a passada, mostraram um desempenho aquém do esperado.

A indústria foi a primeira decepção, na ultima quinta-feira (09). Após três meses de recuperação, a produção industrial recuou 1,2% em novembro ante outubro e 1,7% ante novembro de 2018. A expectativa já era de recuo, porém menor, de 0,7% na comparação mensal.

Nesta terça-feira (14) saíram os dados de serviços, mais uma ducha de água fria. Após dois meses de alta, o setor recuou 0,1% em novembro na comparação com outubro. Em relação a novembro de 2018 houve alta de 1,8% e o resultado foi positivo em 0,9% no acumulado de 2019. O volume, no entanto, segue 9,8% abaixo daquele registrado em novembro de 2014.

Ontem, foi a vez de o comércio varejista decepcionar. Apesar da 7ª alta seguida, o volume de vendas cresceu 0,6% em novembro sobre outubro, metade do esperado pelo mercado, e 2,9% na comparação com novembro de 2018.

“Na avaliação geral, parece que a economia perdeu um pouco de fôlego em novembro e dezembro”, diz Sérgio Vale, da MB Associados.

Logo após a divulgação dos dados do varejo, o Itaú Unibanco ampliou sua previsão de queda para o IBC-Br de novembro, de -0,2% para -0,3%. “Isso reforça nossa visão de um PIB de 2020 avançando mais próximo de 2% do que de 3%”, diz Luka Barbosa, economista do Itaú Unibanco, que prevê 2,2% para o dado anual.

A corretora Necton foi na mesma direção, revisando a previsão do IBC-Br de novembro de 0,7% para estabilidade. A mudança, segundo eles, refletiu justamente os resultados abaixo do esperado nos setores já citados.

A consultoria 4E manteve sua expectativa de que o índice venha em 0,2%, enquanto o BNP Paribas revisou sua projeção, de estabilidade para queda de 0,2%. “O índice deve refletir a decepção do crescimento de novembro. À época, a percepção era de que o mês estava melhor”, diz Gustavo Arruda, economista do BNP responsável por Brasil.

A incerteza deve manter o mercado atento para os novos sinais da atividade. O Banco Central divulga o IBC-Br de dezembro em 14 de fevereiro, enquanto o IBGE divulga o PIB fechado de 2019 só no dia 04 de março.

Ver mais

Economia

Fed vê perspectivas econômicas “favoráveis” nos EUA no início de 2020

Publicado

dia

PIB dos EUA cresceu 2,1% no terceiro trimestre de 2019 e mercado de trabalho continua mostrando força, com taxa de desemprego de 3,5% em dezembro

Dólar: FED deve manter juros em patamar de 1,5% a 1,75% (Douglas Sacha/Getty Images)

Washington — A economia dos Estados Unidos começa 2020 com uma perspectiva “favorável”, apesar de algumas preocupações geradas pelas tensões comerciais com outros países, disse nesta quarta-feira o Federal Reserve (Fed) no chamado “livro bege”, um relatório do banco central sobre o estado da economia americana.

“As expectativas a curto prazo permanecem modestamente favoráveis em todo o país”, diz o documento.

O setor manufatureiro tem situação estável, e os gastos dos consumidores continuam a ser o principal motor da economia, segundo o relatório, que também aponta que as preocupações comerciais continuam a assombrar os agricultores, embora a trégua com a China pareça ter ajudado a diminuir essas tensões.

As informações do “livro bege” serão usadas na primeira reunião do comitê de política monetária do Fed deste ano, nos próximos dias 28 e 29, para avaliar a evolução dos juros, atualmente no patamar de 1,5% a 1,75%. Analistas do mercado não preveem alterações nas taxas básicas, justamente devido ao bom panorama da economia.

O presidente dos EUA, Donald Trump, criticou várias vezes o banco central – que tem autonomia em relação ao governo – e insiste que a instituição deveria baixar os juros “a zero ou menos” para contribuir com a expansão econômica do país.

O PIB dos EUA cresceu 2,1% no terceiro trimestre de 2019 em relação ao mesmo período no ano anterior, segundo o cálculo oficial definitivo. Por sua vez, o mercado de trabalho continua mostrando força e terminou dezembro com taxa de desemprego de 3,5%, o menor nível dos últimos 50 anos.

 

Ver mais

Economia

Economistas melhoram previsão para déficit e dívida bruta em 2020 e 2021

Publicado

dia

De acordo com relatório Prisma Fiscal, déficit primário deve ser de 82,3 bilhões em 2020 apesar da meta permitir buraco de 124,1 bilhões

Real: para 2021, projeção segundo o relatório Prisma passou a ser de déficit primário de 47,151 bilhões de reais (Nelson_A_Ishikawa/Getty Images)

Brasília — Economistas melhoraram as perspectivas para os resultados primários do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) em 2020 e 2021, prevendo uma folga ainda maior para o cumprimento das metas fiscais, conforme relatório Prisma Fiscal divulgado nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia.

No relatório, eles também passaram a ver a dívida bruta em níveis mais baixos.

De acordo com a mediana dos dados coletados até o quinto dia útil deste mês, a estimativa passou a ser de déficit primário de 82,335 bilhões de reais em 2020, sobre saldo negativo de 83,992 bilhões de reais calculado antes.

A meta oficial para o ano é de um rombo bem maior, de 124,1 bilhões de reais.

Para 2021, a projeção segundo o relatório Prisma passou a ser de déficit primário de 47,151 bilhões de reais, ligeiramente abaixo do patamar de 47,613 bilhões de reais no levantamento do mês passado. A meta indicada para o próximo ano é de um déficit de 68,5 bilhões de reais.

Apesar da melhoria apontada nas estimativas, o país fechará 2020 no vermelho pelo sétimo ano consecutivo, sem conseguir economizar para pagar os juros da dívida pública. Na prática, isso faz o tamanho da dívida aumentar.

Para 2020, os economistas consultados pelo Prisma agora veem a dívida batendo em 78% do Produto Interno Bruto (PIB), melhor que o nível de 79% apontado anteriormente.

Já para 2021, a expectativa é de que a dívida irá ficar praticamente estável a 78,07% do PIB, sobre 79,45% no levantamento divulgado em dezembro.

Nesta semana, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, reforçou que a dívida bruta do Brasil não mais ultrapassará o patamar de 80% do PIB, nos cálculos do governo, ajudada pela redução na conta de juros na esteira da redução da Selic a seu menor patamar histórico. Atualmente, a taxa está em 4,5% ao ano.

Também contribuíram para tanto, em 2019, a devolução antecipada de empréstimos pelo BNDES ao Tesouro e um primário melhor que o inicialmente esperado, auxiliado por receitas extraordinárias, especialmente as ligadas a leilões de petróleo.

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade