Nossa rede

Saúde

Psicodélicos podem ser tratamento alternativo para o alcoolismo

Publicado

dia

Segundo novo estudo, 83% dos participantes que usavam psicodélicos em casa relataram uma redução significativa no desejo de beber

Segundo a OMS, 237 milhões de homens e 46 milhões de mulheres pelo mundo sofram de transtornos relacionados ao alcoolismo. (Thinkstock/VEJA/VEJA)

Nos últimos anos, os cientistas vêm investigando o potencial terapêutico de psicodélicos, como LSD e cogumelos mágicos, para uma série de condições psicológicas, incluindo depressão e transtorno do estresse pós traumático(TEPT). Os resultados encontrados até agora têm indicado a eficácia desse método alternativo. Agora, estudo publicado no Journal of Psychopharmacologyaponta que essas substâncias também podem ser eficientes no tratamento do alcoolismo. Segundo os pesquisadores, 83% dos participantes que usavam psicodélicos em casa relataram uma redução significativa no desejo de consumir bebida alcoólica.

Os pesquisadores destacaram que ainda não foi possível explicar os mecanismos biológicos e neurológicos do por que isso acontece. No entanto, uma das possíveis explicações para o resultado reside no fato de que as drogas psicodélicas entram em contato com os receptores de serotonina – também conhecido como hormônio do bem-estar – e essa interação desencadeia a redução dos desejos de alguma forma. A equipe ressaltou, no entanto, que as evidências não devem ser encaradas como uma maneira de curar o problema.

Outro estudo, publicado em 2018, na revista Frontiers of Pharmacology, havia indicado que o uso de psicodélicos com acompanhamento psicoterapêutico tinha se mostrado seguro e eficaz no tratamento do alcoolismo.

O estudo

Para chegar a estes resultados, os pesquisadores da Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, conduziram uma pesquisa online para investigar pessoas diagnosticadas com transtornos relacionado ao alcoolismo que haviam reduzido a ingestão de bebidas alcoólicas após utilizar drogas psicodélicas.

Do total de 343 participantes que responderam aos questionários, 38% relataram ter diminuído o consumo de álcool através do uso de LSD, enquanto 36% afirmaram que a psilocibina (composto ativo dos cogumelos mágicos) proporcionou efeito similar. Ao todo, 83% dos participantes pareciam ter maior controle sobre os desejos relacionados ao vício com o uso de psicodélicos. A equipe ainda descobriu uma correlação entre a intensidade da natureza mística e espiritual proporcionada pela experiência psicodélica e a melhora dos sintomas do alcoolismo. A razão para estes resultados permanece desconhecida.

Ainda assim, os novos resultados apontam para o potencial terapêutico dos psicodélicos. Segundo os pesquisadores, os achados ressaltam a necessidade de investigar essas substâncias mais de perto para compreender sua atuação como tratamento alternativo para diversas condições psicológicas.

Alcoolismo

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo excessivo de álcool pode trazer sérias consequências para a saúde física e mental, além de ser responsável por 3 milhões de mortes por ano. A entidade estima que 237 milhões de homens e 46 milhões de mulheres pelo mundo sofram de transtornos relacionados ao alcoolismo.

Já o Ministério da Saúde ressalta que o consumo excessivo de álcool pode comprometer o fígado (cirrose, hepatite alcoólica e câncer de fígado), o estômago (gastrite), o pâncreas (pancreatite) e os nervos (neurite). O alcoolismo ainda está relacionado a maioria dos acidentes de trânsito, violência doméstica, badernas e comportamentos anti-sociais.

Portanto, se achar que tem o problema e deseja parar de beber, procure ajuda de um profissional de saúde. O Sistema Único de Saúde (SUS), por exemplo, oferece atendimento gratuito nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) espalhados por todo o país.

Comentário

Saúde

Hran realiza primeira cirurgia de cura do diabetes tipo 2 do SUS

Publicado

dia

A partir de agora, o procedimento será oferecido gratuitamente para toda a população na rede pública de saúde do DF

Cirurgia é considerada segura e pouco invasiva
(foto: Breno Esaki/Secretaria de Saúde do DF)

Profissionais do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) realizaram, na manhã desta terça-feira (25/6), a primeira cirurgia de cura para o diabetes tipo 2 pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O procedimento trata-se de uma espécie de cirurgia bariátrica e de redução do estômago, e será oferecido pela rede pública de saúde do Distrito Federal a partir de agora, segundo o Executivo.
A intervenção foi comandada pelo médico Renato Teixeira, coordenador do Serviço de Cirurgia do Diabetes do DF. A paciente, segundo ele, não respondia mais ao tratamento clínico contra a doença, que continuava a evoluir e estava prestes a provocar cegueira.
Antes, a cirurgia era realizada apenas na rede privada. Contudo, em 2018, o Conselho Regional de Medicina (CRM) autorizou a implementação do tratamento cirúrgico para o diabetes.
Na operação, considerada pouco invasiva, o estômago é cortado em duas partes. Depois, o intestino é cortado em forma de Y e uma dessas partes é ligada ao estômago. Assim, o alimento é desviado para mais perto do fim do intestino.
O procedimento é seguro, pode evitar mortes, sequelas e infartos, e ajuda a diminuir os custos com o tratamento. A expectativa do governo é acabar com as filas para esse tipo de cirurgia no DF e oferecer uma opção segura e efetiva ao paciente.
A operação foi transmitida ao vivo para autoridades, profissionais da saúde e visitantes, no auditório do Hran. Além do governador Ibaneis Rocha (MDB), uma comitiva com integrantes do Executivo local e do federal, além do Legislativo acompanhou os trabalhos.

Classificações

O diabetes é uma doença caracterizada pelo aumento dos níveis de glicose no sangue, sendo a primeira causa de morte não traumática no mundo. Existem duas classificações: no tipo 1, a pessoa nasce com a doença devido a alterações no pâncreas. No tipo 2, o paciente a adquire devido a predisposições e associação à obesidade.
A prevalência da obesidade no Brasil é de 10% e afeta cerca de 450 mil pessoas no DF e Entorno. O diabetes do tipo 2 tem mortalidade e sequelas maiores do que o do tipo 1, sendo que, no país, a cada 1 mil pessoas com esse tipo da doença, 27 morrem todos os anos devido a casos de infarto do miocárdio.
Ver mais

Saúde

Conheça o Lego para crianças que não enxergam

Publicado

dia

Brinquedo ajuda no entendimento do braille, o sistema de escrita com pontos em relevo que permite a pessoas cegas ler pelo tato

Lançamento do Grupo Lego em parceria com ONG brasileira ajuda crianças a aprenderem braille (Foto: Luca_Daviddi/Getty Images)

A disponibilidade de audiolivros e aplicativos para deficientes visuais é cada vez maior. Por isso, o aprendizado do braille às vezes tem ficado em segundo plano. Só que isso dificulta o desenvolvimento da autonomia das crianças que não enxergam ou têm baixa visão

Para virar esse jogo, o Grupo Lego, junto com a Fundação Dorina Nowill para Cegos e a Universidade Estadual Paulista, criou o projeto Lego Braille Bricks. São kits de 250 peças moldadas com o mesmo número de pontos em relevo de letras e números do alfabeto para deficientes visuais.

“Se não entenderem coisas simples como letras maiúsculas, separação de palavras e pontuação, essas crianças poderão ter dificuldades, mais tarde, de se inserir na universidade e no mercado de trabalho”, justifica Ika Fleury, membro do Conselho Curador da Fundação Dorina Nowill. Com o brinquedo, a meninada aprende se divertindo.

Outras formas de aprender Braille

O Lego não é a única forma de os pequenos desbravarem o alfabeto para cegos: jogos interativos que dependem do tato também podem ser usados na escola. Mas, segundo Ika Fleury, eles são apenas complementos.

A máquina de escrever com teclas em braille ou o reglete com punção (instrumento de madeira com ponta metálica que perfura o papel) compõem o sistema tradicional.

 

Ver mais

Saúde

Dicas de saúde da vovó que funcionam até hoje

Publicado

dia

Mel para aliviar a tosse, canja para amenizar sintomas da gripe… Entenda por que algumas soluções naturais antigas têm fundamento, sim.

Nós vamos a médicos e seguimos as orientações deles para cuidar da saúde e principalmente para nos medicarmos (lembre-se: automedicação NUNCA é uma boa ideia), mas tem casos em que a receita da vovó é que parece fazer tudo melhorar. Aquele chá quando a comida não desce bem, a canja durante a gripe…

Os remédios fazem efeito, é claro, mas essas estratégias que passam de geração para geração e chegaram até nós, muitas vezes, são a salvação! E olha só que legal: para muitas delas, existem explicações médicas que indicam que não se trata de crendice ou “chute sortudo” dos antigos, não.

O clínico geral e geriatra Paulo Camiz, professor colaborador de Clínica Geral no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e parte do corpo clínico dos hospitais Sírio Libanês e Albert Einstein (SP) explicou para o MdeMulherqual é a dinâmica de cinco dicas de saúde da vovó certeiras.

Canja de galinha atenua os sintomas da gripe

A receita de canja de galinha tem vários elementos que aliviam os sintomas mais chatos da gripe. O ingrediente principal – a carne de galinha ou de frango – é rico em zinco, que age na formação dos glóbulos brancos, cujo papel na defesa do organismo é importantíssimo.

A cebola e o alho usados para a base do tempero da canja atuam diretamente no sistema imunológico. Além disso, o fato de ser consumida quente fluidifica as vias aéreas, ou seja, ajuda a desentupir o nariz e diminui a sensação de irritação da garganta.

Mel faz bem para quem está com tosse

Graças à glicose-oxidase, uma enzima que inibe inflamações e ajuda na reconstrução de tecidos do corpo, o mel é um anti-inflamatório que realmente alivia a tosse. Ele também tem ação mucolítica, o que significa que dissolve o muco das vias respiratórias e dá uma forcinha na expectoração.

Em uma revisão de estudos sobre a ação do mel sobre a tosse, em que foram analisadas pesquisas dos EUA, do Irã e do Brasil, concluiu-se que o mel consegue ser mais benéfico e de efeitos mais rápidos que os xaropes industrializados – e com menos efeitos colaterais, por ser natural.

Chá de camomila ajuda a dormir

A camomila é rica em apigenina, um flavonoide que se liga a um receptor semelhante àquele em que os calmantes farmacológicos atuam. Ou seja: tem efeito calmante, sim.

O melhor chá de camomila para dormir é o feito com as folhas secas naturais, tá? O de saquinho é infinitamente mais fraco.

Chá de boldo auxilia na digestão

A comida não desceu ou não bateu bem e você está com AQUELE mal-estar. Solução: um chá de boldo. Gostoso não é (a não ser que você seja fã de sabores amargos – daí, ele é uma delícia!), mas faz você ficar bem na hora.

O boldo tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que estimulam a secreção de bile, algo super necessário no processo digestivo. Ele dissipa gases e elimina a azia de forma muito rápida. Respire fundo e beba tudo de uma vez. Vale a pena.

Ameixa solta o intestino preso

Além de ser riquíssima em fibras (que estimulam a flora intestinal, trabalham o bolo fecal e ajudam na evacuação), a ameixa é fonte natural de sorbitol, elemento de efeito laxante muito conhecido e até utilizado em remédios para tratamento de intestino preso.

Não está conseguindo fazer o número 2? Invista em ameixas in natura ou secas e esteja pronta para correr para o banheiro.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade