Nossa rede

Mundo

Poluição dos oceanos por plástico custa ao mundo US$2,5 trilhões por ano

Publicado

dia

Valor representa impactos negativos sobre importantes serviços ambientais que o mar fornece. Achou salgado? Pois ele é “subestimado”, segundo os cientistas

Ecossistema em risco: praia na Indonésia tomada por lixo plástico. (RIAU IMAGES / Barcroft Media/Getty Images)

São Paulo – A poluição marinha por lixo plástico impõe mudanças perigosas ao equilíbrio dos oceanos e para a própria economia mundial. Os custos resultantes dos seus efeitos negativos sobre os ecossistemas marinhos somam impressionantes US$ 2,5 trilhões — por ano — segundo um estudo publicado esta semana no Boletim da Poluição Marinha.

Na prática, esse valor representa todas as perdas e danos causados aos serviços ambientais importantes que o mar fornece, como a produção de oxigênio e alimentos, armazenamento de carbono e a manutenção do equilíbrio térmico no mundo. Nesta lista entram, ainda, atividades e benefícios inestimáveis ligados a atividades de lazer (contemplar o mar na praia não custa nada e é muito relaxante).

Todos esses serviços que os oceanos fornecem aos seres humanos e demais espécies também estão em risco por outras ameaças ambientais, à exemplo das mudanças climáticas e a poluição por despejos ilegais de esgoto e rejeitos químicos industriais. O consumo e descarte massivo e irregular de resíduos plásticos é mais uma fonte de pressão para o ambiente marinho.

Na ponta do lápis, o estudo estima que cada tonelada de resíduo plástico reduz em US$ 33.000 o valor ambiental dos serviços ecossistêmicos marinhos. Estima-se que 8 milhões de toneladas de poluição plástica entram nos oceanos do mundo a cada ano. A multiplicação dos fatores gera, como se vê, um resultado indigesto.

O estudo busca aumentar a compreensão dos efeitos holísticos da poluição marinha por plástico e o impacto resultante nos serviços ecossistêmicos, e por sua vez, no bem-estar humano, na sociedade e na economia. O que é conhecido tende a ser baseado em pesquisas locais de pequena escala.

“Uma compreensão sólida do impacto ecológico, social e econômico do plástico marinho é essencial para fornecer subsídios para uma negociação global eficaz e eficiente em relação ao uso, manejo e descarte sustentável do plástico, um material com muitos benefícios e de amplo uso”, defendem os pesquisadores no estudo.

Para a pesquisa, os cientistas revisaram estudos globais que reúnem mais de 1190 dados sobre poluição marinha por lixo plástico, e estimaram os impactos globais sobre a ecologia, sociedades e economias. As estimativas não levam em conta os impactos diretos e indiretos sobre as indústrias de turismo e transporte, nem sobre a saúde humana (devido, por exemplo, à  ingestão de frutos do mar contaminados).

“Nossos cálculos são uma primeira tentativa de colocar um preço no plástico. Sabemos que temos que fazer mais pesquisas para aperfeiçoar, mas estamos convencidos de que nossos resultados subestimam os custos reais para a sociedade humana global”, disse ao jornal britânicoThe Guardian, Nicola Beaumont, economista ambiental do Laboratório Marinho de Plymouth, que liderou o estudo.

Há ainda muita coisa que os cientistas desconhecem sobre a poluição plástica, mas o que eles já sabem é suficiente para indústrias, cidadãos e tomadores de decisão repensarem sua produção e consumo.

Comentário

Mundo

Holanda julgará quatro pessoas por assassinato pela derrubada do voo MH17

Publicado

dia

Investigadores identificaram como suspeitos três russos e um ucraniano pela derrubada do avião da Malaysia Airlines, em 2014

Os promotores da Holanda devem indiciar quatro pessoas por assassinato no caso da derrubada, com um míssil russo, do voo MH17, da Malaysia Airlines, na Ucrânia em 2014 e o julgamento começará em março de 2020, anunciaram nesta quarta-feira (17) as famílias das vítimas.

“Um julgamento começará em 9 de março de 2020 contra quatro pessoas acusadas de assassinato”, afirmou à imprensa Silene Fredriksz, que perdeu um filho e sua nora na tragédia, pouco depois de um encontro das famílias das vítimas com as autoridades holandesas sobre a investigação.

Três russos e um ucraniano são suspeitos na derrubada do avião MH17

A equipe internacional que investiga a derrubada do voo MH17 anunciou nesta quarta-feira que ordens de prisão foram emitidas contra três russos e um ucraniano suspeitos de envolvimento no caso.

Os investigadores identificaram como suspeitos os russos Serguei Dubinski, Igor Girkin e Oleg Pulatov, assim como o ucraniano Leonid Karchenko. Os quatro são processados por assassinato pela Promotoria holandesa.

 

Ver mais

Mundo

Doador de sêmen é considerado pai por Justiça na Austrália

Publicado

dia

O Supremo australiano decretou que o homem, que doou o sêmen há mais de 10 anos, tem direito de visitar regularmente a criança

Austrália: o homem identificado como Robert, doou sêmen para uma amiga lésbica em 2006 (FatCamera/Getty Images)

Um homem que há mais de 10 anos doou sêmen para uma amiga lésbica tem direitos parentais sobre a filha gerada pela mulher, decidiu nesta quarta-feira a Suprema Corte da Austrália.

O tribunal destacou que o homem figura na certidão de nascimento da menina e se manteve “extremamente próximo” da filha, o que lhe dá o direito de se manifestar sobre a possibilidade de que ela vá morar na Nova Zelândia.

O homem, identificado apenas como “Robert” nos documentos legais, concordou em doar seu esperma a uma amiga em 2006 para uma inseminação artificial.

Segundo o tribunal, apesar de não viver junto, “Robert” tem um “papel central no suporte financeiro da menina, em sua educação e no seu bem-estar em geral”.

Os problemas surgiram quando a mãe da menina e sua companheira decidiram se mudar para a Nova Zelândia, em 2015.

A juíza Margaret Cleary decretou que um tribunal inferior se enganou ao decidir contra a paternidade, e determinou que a menina permaneça na Austrália para que “Robert” tenha direito a visitas regulares.

Ver mais

Mundo

Egito acusa ONU de querer “politizar” morte de Mursi

Publicado

dia

Ex-presidente egípcio Mohamed Mursi desmaiou e faleceu pouco depois após sair de audiência no tribunal

Mohamed Mursi: Ex-presidente egípcio morreu após mal súbido (Mark Wilson/AFP)

O governo do Egito acusou nesta quarta-feira a ONU de querer “politizar” a morte de Mohamed Mursi, uma reação ao pedido do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos por uma investigação “minuciosa e independente” sobre o falecimento, na segunda-feira, do ex-presidente islamita.

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Ahmed Hafez, criticou em um comunicado o pedido da ONU após a morte do ex-presidente, que faleceu quando estava no tribunal. Ele afirmou que esta é uma “tentativa deliberada de politizar um caso de morte natural”.

“Qualquer morte súbita na prisão deve ser acompanhada por uma investigação rápida, imparcial, minuciosa e transparente, realizada por um órgão independente para revelar a causa da morte”, afirmou na terça-feira Rupert Colville, porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos.

Mohamed Mursi ficou preso durante quase seis anos e permaneceu em isolamento. Na segunda-feira, quando estava no tribunal, desmaiou e faleceu pouco depois.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade