Nossa rede

Ciência

Museu Emílio Goeldi reflete crise na ciência brasileira

Publicado

dia

O orçamento da instituição, que esteve prestes a fechar as portas, não é suficiente para garantir o investimento em pesquisas

O Museu Emílio Goeldi existe há 150 anos e é responsável por produzir conhecimento científico e sociocultural a respeito do ecossistema amazônico e das populações que habitam a região. As pesquisas desenvolvidas pela instituição auxiliam, por exemplo, na elaboração de políticas públicas na área. No início de setembro, o Presidente Michel Temer afirmou via Twitter que o fechamento do Museu era inadmissível e que os recursos para mantê-lo seriam garantidos. O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação (MCTIC) confirmou a liberação de R$3 milhões de reais para manter as atividades do Goeldi até o fim do ano. Mas mesmo com a restauração quase integral do orçamento de R$ 12,7 milhões, o valor só é suficiente para manter os atuais contratos da instituição (que incluem gastos com segurança, energia elétrica, limpeza) e não bastam, portanto, para que o museu possa continuar investindo em pesquisa

“Estamos fazendo tantas reduções orçamentárias ao longo dos últimos 2 anos que chegou a um ponto em que a instituição não conseguiria sobreviver a esse corte. Inclusive, esse corte incluiu um contingenciamento de receitas próprias, ou seja, do dinheiro que havíamos arrecadado no ano anterior e que deveria entrar no nosso orçamento desse ano. Isso foi algo histórico”, diz Nilson Gabas, Diretor do Museu Emílio Goeldi. “E mesmo com o orçamento integral, não dá para fazer investimento em pesquisa”.

Dentre as principais pesquisas produzidas pelo museu, e que estão ameaçadas pelo corte orçamentário, está o projeto “Seca Floresta”, criado para estudar como a Amazônia se comporta em uma situação de seca extrema, um cenário previsto para os próximos anos devido às mudanças climáticas. “Esse é um experimento de larga escala temporal e espacial, que, se for parado agora, vai interromper uma coleta de dados que não pode ser feita em nenhum outro lugar do mundo”, diz o Dr. Alexandre Aleixo, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade e Evolução do Museu. Aleixo alerta, ainda, para o fato de que, na falta de investimento do governo nacional, os pesquisadores podem acabar dependentes de bolsas e editais estrangeiros: “Se eu ficar nessa dependência [de editais internacionais], quem vai ditar a agenda de ciência e tecnologia do país serão os estrangeiros. Por que os países desenvolvidos investiriam, por exemplo, em pesquisas com zika vírus, se não é uma realidade para eles?”

O orçamento brasileiro dedicado à ciência, na verdade, vem sendo reduzido desde o final de 2014, quando foi estipulado um corte orçamentário de 25% para o ano seguinte. De 2015 para 2016, o corte foi de 36% e, agora, chegou aos 44%. O ideal, segundo a Estratégia Nacional de Tecnologia e Inovação (Encti), é que ao menos 2% do PIB nacional seja investido na área de ciência e inovação para que um país possa ser competitivo. Na média, o Brasil investe apenas 1,2%.

Em resposta à reportagem, o Ministério do Planejamento afirma que, pelas regras orçamentárias vigentes e por força da Lei de Responsabilidade Fiscal, o governo se viu obrigado a contingenciar despesas devido à situação econômica do país, e que nenhuma área recebeu mais investimento do que as demais. Já o MCTIC promete que, para o próximo ano, está dando prioridade a seus institutos (16 unidades de pesquisa e as 6 organizações sociais) e que vem acompanhando criteriosamente as suas atividades e situações orçamentárias de maneira a evitar que impactos significativos venham a ser observados.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Ciência

Vênus é um planeta russo, diz Rússia após descoberta científica

Publicado

dia

Por

Mas dizer que o planeta é naturalmente russo é a mesma coisa que dizer que a Lua é americana: o que não é o caso

Vênus: planeta pode abrigar micróbios (3quarks/Getty Images)

É possível dizer que um planeta pertence a uma determinada nacionalidade? Aparentemente, sim. Ou pelo menos é o que a Rússia disse sobre Vênus após a descoberta de sinais que podem indicar a presença de micróbios no planeta. “Nosso país foi o primeiro e o único a ter sucesso ao pousar em Vênus. A espaçonave russa conseguiu informações sobre o planeta — e é igual o inferno por lá”, afirmou o chefe da Agência Espacial Federal Russa (Roscomos), Dmitry Rogozin

Em partes, ele está correto. A União Soviética (a Rússia dos dias atuais) foi o único país a conseguir pousar uma sonda em Vênus — mas não durou muito, uma vez que o ambiente do planeta não é exatamente tranquilo. Mas dizer que o planeta é naturalmente russo é a mesma coisa que dizer que a Lua é americana — uma vez que o astronauta americano Neil Armstrong foi o primeiro a pisar no satélite.

A agência espacial russa também anunciou na quinta-feira que tem planos para lançar uma expedição independente até o planeta sem “envolver a cooperação internacional”. Mas a Roscomos não é a única com interesses no planeta — que não é russo.

A companhia Rocket Lab, com sede em Long Beach, na Califórnia, nos Estados Unidos, já está trabalhando em uma missão para chegar a Vênus. A ideia é que um satélite pequeno, chamado de Photon, deva ser lançado ao espaço já em 2023. Até a Nasa entrou na dança e avalia aprovar, até abril do ano que vem, duas missões científicas planetárias a partir de quatro propostas que estão sendo revisadas, incluindo uma para Vênus que, segundo cientistas, pode ajudar a determinar se há ou não vida no planeta, segundo a agência de notícias Reuters.

Vênus era um planeta deixado de lado pelas agências espaciais por ter um ambiente inóspito, apesar de ser o mais próximo da Terra. Ele é o planeta mais quente do nosso sistema solar, mesmo Mercúrio estando mais próximo do Sol. E é claro: a pressão do ar na superfície do planeta é cerca de 90 vezes mais forte do que a terrestre.

Na última segunda-feira, cientistas de diversas nacionalidades anunciaram a descoberta da presença do gás de fosfina na atmosfera do planeta — o que pode indicar a presença de seres vivos no local, mais especificamente de micróbios.

A fosfina, um gás altamente tóxico, é composto por hidreto de fósforo e é comumente utilizado em inseticidas na Terra, uma vez que não é encontrado em seu estado natural por aqui. Não se sabe a origem da substância em Vênus, mesmo depois de várias análises e mais estudos devem ser feitos para garantir a descoberta, que não deixa de ser um marco importante para a ciência. Segundo os cientistas, a fosfina na Terra é produzida por micróbios anaeróbicos (sem oxigênio) — e o mesmo pode ser verdade para o planeta quente, que beira os 462,2º graus celsius. Os astrônomos ainda não coletaram espécimes de micróbios de Vênus e não têm imagens deles.

Ver mais

Ciência

Nasa planeja nova missão para Vênus após possível sinal de vida no planeta

Publicado

dia

Por

Equipe internacional de pesquisas descreveu nesta segunda-feira evidências de possíveis micróbios que residem nas nuvens venusianas

Ver mais

Ciência

Astrônomo brasileiro identifica asteroide potencialmente perigoso

Publicado

dia

Por

Asteroide poderia ter causado uma devastação global caso colidisse com a Terra — como se 2020 precisasse de mais essa

Asteroide: brasileiro descobriu objeto perigoso (dottedhippo/Getty Images)

Um astrônomo amador brasileiro identificou um asteroide potencialmente perigoso que estava indo em direção à Terra dias antes de ele passar pelo planeta. O asteroide, que poderia ter causado uma devastação global caso colidisse com a Terra, passou perto, mas com uma distância segura de cerca de 40 milhões de quilômetros — 100 vezes mais distante que a Lua fica da Terra, por exemplo.

Apesar de ele ter passado a uma distância considerável da Terra, os especialistas acreditam que a situação é um alerta em relação aos grandes objetos que podem se aproximar do planeta sem sequer serem identificados. O objeto, chamado de Asteroid 2020 QU6, tinha um quilômetro de diâmitro e foi encontrado por Leonardo Scanferla Amaral no Observatório Campo dos Amarais em 27 de agosto. O QU6 passou bem perto da Terra no dia 10 de setembro — e (ainda bem) nada de grave aconteceu.

Ver mais

Ciência

Nasa descobre que asteroide está se desintegrando no espaço

Publicado

dia

O asteroide Bennu está deixando pequenas rochas ao longo de sua trajetória e os cientistas ainda não sabem por que isso está acontecendo

Ver mais

Ciência

AstraZeneca diz que vacina da covid-19 ainda pode ficar pronta em 2020

Publicado

dia

Presidente da empresa afirmou que a vacina será distribuída igualmente entre os países e que a AstraZeneca será capaz de fabricar até 3 bilhões de doses

Vacina: testes de Oxford e AstraZeneca foram pausados na terça (Paul Biris/Getty Images)

Os testes da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida em parceria com a universidade britânica de Oxford e a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca foram pausados nesta terça-feira, 8, após um dos voluntários apresentar sintomas que podem ter relação com a proteção. Padrão em pesquisas científicas, em tempos de covid-19, a pausa preocupou as pessoas ao redor do mundo — mas não há motivo para pânico.

Segundo o jornal britânico The Guardian, o presidente da AstraZeneca, Pascal Soriot, afirmou que a vacina ainda pode ficar pronta neste ano. Soriot não sabe ao certo quando os testes retornarão, uma vez que isso depende da avaliação do comitê responsável pela vacina, mas afirma que a companhia e a universidade estão “no caminho para ter uma data para submeter a vacina para aprovação regulatória no final de 2020”. Se atrasar, ele acredita que a vacina ficará pronta “no máximo no começo do ano que vem”.

“É muito comum que testes sejam pausados, e muitos especialistas te dirão isso. A diferença é que com outros testes de vacinas, o mundo inteiro não está de olho, é claro. Eles param, eles estudam, e recomeçam”, afirmou Soriot.

A vacina está sendo testada em cerca de 60 mil pessoas ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Ela está atualmente na fase 2/3 de testes na Inglaterra e na Índia e na fase 3 no Brasil, na África do Sul e em mais de 60 locais nos Estados Unidos — onde a vacina será testada em 30 mil pessoas. É também considera a opção mais avançada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A paciente que ficou doente pode ter tido uma mielite transversa, doença causada por um processo inflamatório na medula espinhal, comumente causado por infecções virais — mas, segundo Soriot, ainda não se sabe ao certo qual foi a doença e testes estão sendo feitos.

Em nota a Universidade Federal de São Paulo – Unifesp (uma das responsáveis pelos testes da vacina da universidade britânica do Brasil) afirmou que, por aqui, “o estudo envolve cinco mil voluntários e avança como o esperado”. “Muitos já receberam a segunda dose e até o momento não houve registro de intercorrências graves de saúde”, afirmou a universidade.

Chamada de ChAdOx1 (AZD1222), a proteção de Oxford e da AstraZeneca é baseada no adenovírus (grupo de vírus que causam problemas respiratórios, como resfriados) enfraquecido de um chimpazé. A vacina do Instituto de Biotecnologia de Pequim em parceria com a empresa chinesa CanSino também é feita com base no adenovírus, que não é um processo totalmente desconhecido pelos cientistas.

A opção também contém a sequência genética das espículas do SARS-CoV-2. “Quando a vacina entra nas células dentro do corpo, ela usa o código genético para produzir as espículas de proteínas do vírus. Isso induz a uma resposta imune, o que prepara o sistema imunológico para atacar a doença se ela infectar o corpo”, explica a universidade britânica em um comunicado publicado em seu site oficial.

Soriot também disse que a vacina será distribuída igualmente entre os países uma vez que for aprovada e que a AstraZeneca será capaz de fabricar até 3 bilhões de doses. Ele também afirma que está confiante que, com todas as vacinas que estão sendo desenvolvidas por outras empresas, o mundo todo conseguirás e proteger do vírus que já deixou mais de 27 milhões de infectados.

A corrida pela cura

Nunca antes foi feito um esforço tão grande para a produção de uma vacina em um prazo tão curto — algumas empresas prometem que até o final do ano ou no máximo no início de 2021 já serão capazes de entregá-la para os países. A vacina do Ebola, considerada uma das mais rápidas em termos de produção, demorou cinco anos para ficar pronta e foi aprovada para uso nos Estados Unidos, por exemplo, somente no ano passado.

Uma pesquisa aponta que as chances de prováveis candidatas para uma vacina dar certo é de 6 a cada 100 e a produção pode levar até 10,7 anos. Para a covid-19, as farmacêuticas e companhias em geral estão literalmente correndo atrás de uma solução rápida.

Quais são as fases de uma vacina?

Para uma vacina ou medicação ser aprovada e distribuída, ela precisa passar por três fases de testes. A fase 1 é a inicial, quando as empresas tentam comprovar a segurança de seus medicamentos em seres humanos; a segunda é a fase que tenta estabelecer que a vacina ou o remédio produz, sim, imunidade contra um vírus, já a fase 3 é a última fase do estudo e tenta demonstrar a eficácia da droga.

Uma vacina é finalmente disponibilizada para a população quando essa fase é finalizada e a proteção recebe um registro sanitário. Por fim, na fase 4, a vacina ou o remédio é disponibilizado para a população.

Com isso, as medidas de proteção, como o uso de máscaras, e o distanciamento social ainda precisam ser mantidas. A verdadeira comemoração sobre a criação de uma vacina deve ficar para o futuro, quando soubermos que a imunidade protetora realmente é desenvolvida após a aplicação de uma vacina. Até o momento, nenhuma situação do tipo aconteceu.

Ver mais

Ciência

Rússia libera 1º lote de vacina contra covid-19 sem finalizar testes

Publicado

dia

A Rússia foi o primeiro país a registrar uma vacina contra o novo coronavírus, apesar da preocupação da comunidade científica

Sputnik V: vacina teve primeiros resultados divulgados na última semana (Fundo de Investimento Direto Russo/Divulgação/Reuters)

A Rússia liberou nesta terça-feira, 8, o primeiro lote de vacina contra o novo coronavírus para circulação mesmo sem concluir todos os testes clínicos necessários para a aprovação de uma vacina. O anúncio foi feito pelo ministério da saúde russo, que afirmou que a proteção “passou nos testes laboratoriais de qualidade necessários”.

Na última semana foram divulgados os primeiros resultados preliminares da “Sputnik V”, que apontaram que a vacina foi capaz de induzir resposta imune nos voluntários e se mostrou segura nos testes de fase 1 e 2. Segundo o Instituto Gamaleya, que está produzindo a vacina, cerca de 80 milhões de doses precisariam ser produzidas para atingir a imunidade de rebanho.

O ministro da saúde da Rússia, Mikhail Murashko, afirmou nesta segunda-feira, 7, que as primeiras entregas da vacina serão “pequenas”. Anteriormente ele havia dito que a vacina seria dada primeiramente para profissionais da área da saúde e professores.

O instituto russo também disse que recrutou cerca de 25 mil voluntários dos 40 mil que farão parte da fase 3 (a última) de testes. As testagens serão feitas de forma duplo-cega, quando nem o paciente e nem os médicos sabem qual droga está sendo administrada.

A vacina russa é baseada no adenovírus humano fundido com a espícula de proteína em formato de coroa que dá nome ao coronavírus.

No mês passado a Rússia foi o primeiro país a registrar uma vacina contra o coronavírus no mundo, apesar da desconfiança global causada pela falta de estudos que comprovassem a eficácia da proteção.  Também em agosto, o país informou que promoverá uma vacinação em massa já em outubro deste ano.

Mais de 20 países já fizeram pedidos de mais de 1 bilhão de doses da vacina russa, mesmo com a preocupação da comunidade científica. Segundo o presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Jorge Callado, a Sputnik V deve chegar ao Brasil em 2021.

Um movimento parecido está sendo ensaiado pelo presidente americano Donald Trump, que afirmou recentemente que uma vacina contra o vírus pode estar disponível já em outubro. “Teremos em breve essa incrível vacina, com velocidade nunca vista antes”, disse ele. “A vacina será muito segura, muito efetiva, e as pessoas do mundo estarão felizes e voltaremos à prosperidade sem precedentes”, continuou.

Uma possível vacinação já em outubro ou no começo de novembro também foi ventilada em documentos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) americano. Segundo reportou a imprensa americana, o órgão enviou aos estados uma ordem para que “preparem locais e equipamentos para uma vacinação em massa já no mês que vem”. Se confirmada, a data pode ser antes das eleições presidenciais americanas, em 3 de novembro.

Os protocolos que a agência de saúde enviou aos estados parecem ter sido pensados para as vacinas das americanas Pfizer (em parceria com a alemã BioNTech) e da Moderna. O governo americano já fez acordo com ambas para comprar boa parte da produção.

Dias depois de o caso do CDC ir a público, a Pfizer anunciou que os resultados da última fase de testes de sua vacina devem sair já no começo de outubro.

Quais são as fases de uma vacina?

Para uma vacina ou medicação ser aprovada e distribuída, ela precisa passar por três fases de testes. A fase 1 é a inicial, quando as empresas tentam comprovar a segurança de seus medicamentos em seres humanos; a segunda é a fase que tenta estabelecer que a vacina ou o remédio produz, sim, imunidade contra um vírus, já a fase 3 é a última fase do estudo e tenta demonstrar a eficácia da droga.

Uma vacina é finalmente disponibilizada para a população quando essa fase é finalizada e a proteção recebe um registro sanitário. Por fim, na fase 4, a vacina ou o remédio é disponibilizado para a população.

Com isso, as medidas de proteção, como o uso de máscaras, e o distanciamento social ainda precisam ser mantidas. A verdadeira comemoração sobre a criação de uma vacina deve ficar para o futuro, quando soubermos que a imunidade protetora realmente é desenvolvida após a aplicação de uma vacina. Até o momento, nenhuma situação do tipo aconteceu.

Ver mais

Hoje é

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?