Nossa rede

Brasil

João Doria, do PSDB, é eleito prefeito de São Paulo

Publicado

dia

Ele é o primeiro candidato a vencer no 1º turno em SP desde 1992. Prefeito eleito defendeu candidatura de Alckmin à presidência em 2018.

joao-doria-021

João Doria, do PSDB

João Doria, do PSDB, foi eleito neste domingo prefeito de São Paulo para os próximos quatro anos. O resultado saiu às 20h34, com 96,48% das urnas apuradas. Ao final da apuração, o tucano tinha 3.085.187 votos, o que corresponde a 53,29% dos votos válidos. Doria é o primeiro prefeito de São Paulo eleito em primeiro turno desde 1992, quando as eleições passaram a ter dois turnos. Ele vai tomar posse em 1º de janeiro de 2017.

Apesar do resultado já definido no primeiro turno, a votação também foi marcada pelo alto índice de votos brancos (5,29%), nulos (11,35%) e de abstenções (21,84%), que juntos somam 38,84% do eleitorado de 8.886.324 pessoas aptas a votar.

A vitória de Doria confirma a aposta do governador Geraldo Alckmin em sua figura como candidato. Doria se impôs sobre outros nomes do PSDB, e em uma campanha de 45 dias saiu da faixa de 5% na primeira pesquisa para vencer no primeiro turno, derrotando três candidatos que já foram prefeitos: Fernando Haddad, Marta Suplicy e Luiza Erundina.

Em entrevista coletiva após o anúncio de sua vitória, Doria afirmou que vai governar “para todos” e que vai “modernizar a cidade”.

“A todos vocês que acreditaram em mim, muito obrigado. E aos que não votaram também quero agradecer, porque vou governar para todos. Quero muito o apoio das pessoas, o apoio dos jovens. Vamos fazer uma gestão com muita juventude, para modernizar a nossa cidade, colocar São Paulo no plano digital, colocar São Paulo no posto que ela perdeu anos atrás. São Paulo não é dos paulistas, São Paulo é de todos os brasileiros.

O prefeito eleito também voltou a dizer que é gestor, não político. ”Assim vou fazer à frente da Prefeitura, sem desrespeitar os políticos e nem a política. Mas eu sou um gestor. O que São Paulo precisa neste momento é de um administrador”, declarou a jornalistas.

Conversa com Haddad
Antes mesmo da definição matemática da eleição, Doria recebeu telefonema do atual prefeito, Fernando Haddad (PT), reconhecendo sua vitória. “Vamos fazer a transição da melhor forma possível”, disse Doria em entrevista à GloboNews.

“Haddad me telefonou me cumprimentando, Marta também. Vamos trabalhar, em breve podemos fazer os primeiros passos. Sempre fiz com muita humildade. Comecei a campanha com 3% chegando a essa posição histórica na vida de São Paulo. Quero agradecer a todos os que me delegaram. Vamos governar para todos.”

“Fiz uma grande campanha respeitando os políticos. Essa é a nossa conduta. Teremos uma relação produtiva e republicana com a Câmara Municipal. População mais pobre precisa de um prefeito mais presente.”

João Doria tem 58 anos e é natural de São Paulo. É presidente licenciado do grupo Doria e do comitê executivo do lide – grupo de líderes empresariais. Doria foi secretário municipal de turismo e presidente da Paulistur nos anos 80. Ocupou ainda o cargo de presidente da Embratur. Ele se candidata à prefeitura de São Paulo pela primeira vez.

O vice-prefeito eleito na chapa de Doria é o deputado federal Bruno Covas.

Alckmin em 2018
Em discurso após ter a sua vitória confirmada, Doria defendeu a candidatura de Alckmin para a presidência da República em 2018, ao mesmo tempo em que a plateia gritava “Brasil pra frente, Geraldo presidente”.

“Temos uma longa trajetória, mas é legítimo [ter a candidatura de Alckimin]. Não há nada de ilegítimo em ter a vontade o desejo de ter um homem com essa história, com essa biografia, com esse bom sentimento, com essa índole de ser um servidor. Não há mal em se pensar, não há mal em se desejar, não há mal em se escrever um caminho iluminado. Poderá, sim. Dependerá muito de nos também. Se ele for candidato a presidência da República, terá o apoio do povo brasileiro”, disse Doria.

arte ficha cidade de são paulo (Foto: Editoria de Arte/G1)

Haddad reconhece
Em segundo lugar ficou Fernando Haddad, do PT, com 16,68%, seguido por Celso Russomanno, do PRB, com 13,58%; Marta Suplicy, do PMDB, com 10,11%, e Luiza Erundina, do PSOL, com 3,16%

O candidato do PT, Fernando Haddad, reconheceu a vitória do adversário e ligou para parabenizar Doria. O atual prefeito de São Paulo se colocou à disposição para fazer a transição de governo. “Liguei para João Doria Junior antes de vir para cá, colocando toda equipe da Prefeitura à inteira disposição. A começar por mim”, disse Haddad.

“Penso que nós temos que dar o exemplo e fortalecer as instituições para que possamos elaborar um plano de transição que seja o mais tranquilo possível, para que a cidade só ganhe”, afirmou o petista.

Russomanno, que apareceu liderando as pesquisas de intenção de voto no início da campanha, terminou em terceiro lugar, depois de perder eleitorado a cada pesquisa. Marta Suplicy, que deixou o PT para ser candidata pelo PMDB, chegou a figurar em segundo nas pesquisas mas acabou em quarto lugar.

Campanha

João Doria (PSDB), candidato a prefeito de São Paulo, posa com o governador do Estado, Geraldo Alckmin, no Colégio Santo Américo, no Jardim Colombo, na Zona Sul (Foto: Ernesto Rodrigues/Estadão Conteúdo)

Doria destacou ao longo da campanha o perfil de empresário. “Não sou político, sou um gestor”, repetiu. Ele afirmou que não vai construir novas creches e vai promover parcerias com organizações sociais para acabar com a fila. O candidato disse ainda que vai privatizar o Pacaembu, Anhembi e Interlagos, extinguir a Secretaria da Promoção da Igualdade Racial e vai manter a Secretaria da Pessoa com Deficiência.

O tucano largou com números muito baixos de intenção de voto e sem apoio de boa parte do seu partido. Acusado pelos adversários de comprar votos na pré-campanha, Doria se viu sem o apoio de quadros históricos do PSDB, como Andrea Matarazzo, que migrou para o PSD e se tornou candidato a vice de Marta (PMDB) e o ex-governador Alberto Goldman.

Com uma propaganda baseada em sua biografia de homem que trabalhou para alcançar o patrimônio, Doria cresceu exponencialmente nas semanais finais. Nas caminhadas pelos bairros, o candidato fez questão de posar comendo coxinha, tomando café em padaria e abraçando eleitores.

O candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, João Doria, oferece uma coxinha para uma eleitora em padaria no Tatuapé (Foto: Tahiane Stochero/G1)

Enfatizando a gestão de suas empresas, o tucano foi incisivo ao dizer que só precisa de quatro anos para administrar a cidade e que, se eleito, não vai tentar a reeleição.

Com 13 partidos compondo a chapa (PSDB, PPS, PV, PSB, DEM, PMB, PHS, PP, PSL, PT do B, PRP, PTC e PTN), Doria foi o candidato com o maior tempo de campanha no horário eleitoral da TV (Doria teve 3min06; Haddad, 2min35; Marta, 1min57; Russomanno; 1min12).

Outras propostas do plano de governo de Doria:
– completar e ampliar as equipes do Programa de Saúde da Família, requalificando os profissionais, capacitando-os para melhorar o desenvolvimento de suas atividades.
– promover foco no currículo e nas aprendizagens esperadas. Todas as diretrizes, programas e ações administrativas devem ser priorizadas, planejadas e acompanhadas a partir desse foco.
– tornar mais atrativo o sistema público de transportes de ônibus por meio de ações que agreguem mais conforto, regularidade e agilidade às viagens cotidianas.
– criar núcleos de desenvolvimento regional, por meio de entidades organizadas da sociedade civil, com o objetivo de identificar vocações e ações para o desenvolvimento da região.

Veja o resulado das eleições (100% dos votos válidos apurados)

– João Doria (PSDB): 53,29% (3.085.187)
– Fernando Haddad (PT): 16,70% (967.190)
– Celso Russomanno (PRB): 13,64% (789.986)
– Marta (PMDB): 10,14% (587.220)
– Luiza Erundina (PSOL): 3,18% (184.000)
– Major Olimpio (SD): 2,02% (116.870 votos)
– Ricardo Young (REDE): 0,45% (25.993 votos)
– Levy Fidelix (PRTB): 0,37% (21.705 votos)
– João Bico (PSDC): 0,10% (6.006 votos)
– Altino (PSTU): 0,08% (4.715 votos)
– Henrique Áreas (PCO): 0,02% (1.019 votos)

– Votos em branco: 5,29% (367.471)
– Votos nulos: 11,35% (788.379)
– Abstenções: 21,84% (1.940.454)

Veja fotos de Doria ao longo da campanha eleitoral:

Doria tira foto com eleitores durante caminhada em feira (Foto: Andressa Roge/G1)

Doria conversa com gestoras do Hospital Santa Marcelina (Foto: Bruna Vieira/ TV Globo)

Momento da chegada de João Dória (PSDB) ao estúdio da Globo em São Paulo para o debate (Foto: Fábio Tito/G1)

Doria cumprimenta o morador de rua Abimael de Jesus, na Sé, após visita ao Poupatempo (Foto: Will Soares/G1)

João Doria, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB, toma um café em um shopping na Avenida Paulista na manhã desta quinta-feira (Foto: Marcelo D. Sants/Framephoto/Estadão Conteúdo)

 
Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Brasil

“Precisamos apresentar melhores resultados” diz Mourão sobre desmatamento

Publicado

dia

Por

Em evento, o vice-presidente admitiu que o governo federal ainda tem muito o que fazer em medidas de proteção ao meio ambiente

Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, durante Viagem a Carajás. (Romério Cunha/ VPR/Divulgação)

“O governo está agindo. Agora, precisa apresentar melhores resultados. Isso é uma realidade”, declarou Mourão, após encontro realizado na tarde desta sexta-feira, 23, no Itamaraty, onde recebeu embaixadores que assinaram, em setembro, a carta da Parceria das Declarações de Amsterdã, formada por Alemanha, Dinamarca, França, Itália, Holanda Noruega e Reino Unido, além da Bélgica, que não faz parte do grupo.

O ministro Ernesto Araújo, de Relações Exteriores, e a ministra Tereza Cristina da Agricultura, participaram do encontro, para apresentar medidas que o governo tem tomado no combate ao desmatamento na Amazônia. Na conversa, diz Mourão, não foi apresentado nenhum pedido específico pelos países. Houve apenas uma exposição de informações pelo governo.

“Não pediram nada. Apenas mostramos o que estamos fazendo. Qual é a visão? Como é muito pouca coisa publicada a respeito, parece que está todo mundo do governo de braço cruzado, em relação ao que está acontecendo lá”, afirmou Mourão, referindo-se à devastação da floresta.

O vice-presidente, que comanda o Conselho Nacional da Amazônia, um comando militar que atua na floresta, disse que o Brasil persegue a meta de reduzir o desmatamento atual para menos da metade da área degradada, até 2023, chegando a cerca de 4 mil km². “Seriam aqueles números melhores que nós tivemos na década passada. Temos que fazer o impossível para que isso aconteça”, comentou.

Está prevista uma viagem com os embaixadores por áreas do Pará e Amazonas, entre os dias 4 e 6 de novembro, com sobrevoo em regiões protegidas e desmatadas. Na carta enviada em setembro a Hamilton Mourão, os oito países europeus afirmaram que a disparada do desmatamento no Brasil dificulta a compra de produtos brasileiros por consumidores do continente.

“Enquanto os esforços europeus buscam cadeias de suprimentos não vinculadas ao desflorestamento, a atual tendência crescente de desflorestamento no Brasil está tornando cada vez mais difícil para empresas e investidores atender a seus critérios ambientais sociais e de governança”, afirmaram, na ocasião.

O número de focos de fogo na Amazônia registrados neste ano superou todas as ocorrências dos 12 meses de 2019. Apesar de ainda faltarem 70 dias para o ano terminar, o bioma já sofreu, entre 1º de janeiro e esta quinta-feira, 22, com 89.604 focos, ante 89.176 observados no ano passado, de acordo com registros do Programa Queimadas do Inpe. Nos 22 dias de outubro, o total de pontos de incêndio, de 13.574, já é 73% superior ao observado nos 31 dias deste mesmo mês no ano passado. É também a maior taxa para outubro desde 2017.

As queimadas vêm avançando pela floresta, assim como pelo Pantanal, já há alguns meses. Em setembro, a Amazônia já tinha tido 60% mais focos que no mesmo mês de 2019, fechando como o segundo pior setembro da década.

No Pantanal, o total de queimadas neste ano já é mais que o dobro do observado em todo o ano passado no bioma, de longe o pior cenário desde o início dos registros, em 1998. E o Cerrado também começou a queimar mais agora em outubro, já superando em 52% os focos dos 31 dias de outubro de 2019.

Ver mais

Brasil

Pandemia causa atrasos nas obras de recuperação de Mariana

Publicado

dia

Por

A pandemia da covid-19 obrigou a Fundação Renova a reestruturar o processo de reassentamento das pessoas atingidas

Obras em Mariana (MG) (Fundação Renova/Divulgação)

A pandemia da covid-19 obrigou a Fundação Renova, responsável pelo processo de reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais, a reestruturar o processo de reassentamento das pessoas atingidas. 

A barragem se rompeu em 5 de novembro de 2015, deixando 19 mortos, destruindo comunidades e impactando dezenas de municípios na bacia do Rio Doce.

O diretor-presidente André de Freitas disse que em janeiro a expectativa era chegar ao fim de 2020 com 85% do projeto concluídos, mas em março tudo mudou e foi necessário parar as obras, para evitar a disseminação do vírus na comunidade e entre os trabalhadores.

“A gente tirou todo mundo dos canteiros, porque a única coisa que a gente não queria ser era um vetor de transmissão de covid, tanto para as comunidades em que a gente trabalha, como para os nossos colaboradores”, disse Freitas, em coletiva virtual nesta sexta-feira (23) para apresentar os resultados parciais do programa de recuperação dos danos causados pelo rompimento em Mariana, que no dia 5 de novembro faz 5 anos.

Freitas lembrou que, em Minas Gerais, o rompimento causou impacto nos distritos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, em Mariana; e Gesteira, em Barra Longa. Depois de algumas etapas do retorno de operações nos canteiros, hoje, a Renova está com um terço da força de trabalho antes prevista antes da pandemia para este período. Os reassentamentos de Bento Rodrigues e de Paracatu, atualmente deveriam estar com 5 mil trabalhadores.

“Teve um impacto bastante significativo na nossa capacidade de operação nos reassentamentos. A gente mudou a estratégia. Como consegue ter menos gente na obra por questão de restrição do espaço e para operar sempre dentro das condições com segurança, focamos os esforços na infraestrutura. A gente espera chegar no fim do ano com 95% das obras de infraestrutura construídas”, afirmou, destacando que estão incluídas aí ruas asfaltadas, água potável, prédios públicos como escolas, postos de saúde, postos de serviços e estação de esgoto.

Segundo o diretor-presidente, há 37 casas em processo de construção, duas concluídas e até o fim do ano, três ou quatro devem estar prontas. “Com esse investimento focado em infraestrutura a gente consegue avançar com maior velocidade em 2021 na construção das casas que ainda permanecem. Isso foi algo que exigiu ajuste na nossa estratégica”, apontou.

Mariana_MG, 01 de setembro de 2020

Fundacao RENOVA

Na imagem, as obras do reassentamento do novo Bento Rodrigues

Imagem: NITRO Historias Visuais

Mariana_MG, 01 de setembro de 2020 Fundacao RENOVA Na imagem, as obras do reassentamento do novo Bento Rodrigues Imagem: NITRO Historias Visuais – Divulgação/Fundação Renova/NITRO Histórias Visuais

Freitas disse que o processo de reassentamento é complexo e prevê a participação dos atingidos. “Quando se fala em reassentamento, muitas vezes a imagem que vem na nossa cabeça é em algo bastante padronizado, quase na linha do Minha Casa, Minha Vida, uma coisa bastante simples, e não é. A gente está construindo cidades inteiras. É um processo muito complexo, extremamente participativo, onde os atingidos sentam com os arquitetos e falam como eram as suas casas no passado, falam como gostariam que fosse, escolhe os materiai”, pontuou.

Atraso

O diretor-presidente reconheceu que é muito tempo levar cinco anos para reconstruir a cidade de Bento Rodrigues, mas ponderou que é um processo inédito e altamente participativo. Só a escolha do terreno levou mais de um ano. “A gente tem um processo de várias etapas e várias medidas acordadas com o Ministério Público e as comunidades. É um processo muito complexo que é o que a gente acredita que deve ser”, observou, acrescentando que o trabalho vai entregar para a comunidade de Bento Rodrigues algo consistente com o futuro que a cidade deseja.

Além dos reassentamentos coletivos, a Renova está fazendo a modalidade de reassentamento familiar. “A gente adquire imóveis, reforma e dá todas as condições para as pessoas que optaram por esta modalidade. Já são aí 49 imóveis adquiridos nesse processo”, concluiu.

Água

Freitas contou que o processo de reparação tem ainda outros desafios, um deles é a água do Rio Doce, que foi atingida pelos rejeitos tóxicos da barragem do Fundão. De lá saíram aproximadamente 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos, que causaram grande impacto, principalmente nos 100 primeiros quilômetros do rio até a Usina Risoleta Neves, de Candonga. Grande parte, segundo ele, foi retida, mas nos outros 600 quilômetros do rio até a foz foi uma partícula muito mais fina, que permaneceu na calha do rio. “É claro que esse rejeito impactou a qualidade”.

De acordo com o executivo, são cerca de 6 mil pessoas envolvidas no processo de reparação de Mariana até a foz do Rio Doce. Ele garantiu que a qualidade da água vem se recuperando com o trabalho já realizado. “Hoje a gente pode afirmar que a qualidade da água voltou aos patamares que ela tinha antes do rompimento. Essa água pode e vem sendo consumida desde que tratada com um sistema convencional como é a realidade de qualquer outro rio do país.”.

O diretor-presidente acrescentou que também é possível atestar a qualidade da água porque já havia dados anteriores ao rompimento, elaborados pelo Instituto de Águas de Minas Gerais. “A gente tem dados pretéritos sobre essa qualidade da água e consegue afirmar que a água retornou a patamares semelhantes ao que tinha antes do rompimento”, assegurou.

Esgoto

O saneamento é outra questão que vem sendo enfrentada na recuperação, o que para Freitas, é o principal desafio ambiental da água do Rio Doce. Ele destacou que as estimativas do Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Doce indicam que 80% do esgoto na região é lançado sem tratamento no rio. Dos municípios incluídos no projeto da Renova, 25 chegam a coletar o esgoto nas casas, mas lançam tudo no rio sem tratamento. “Pelos nossos cálculos a gente estima que todo ano é lançado esgoto sem tratamento no Rio Doce, em um volume de mais ou menos 140 milhões de metros cúbicos, três vezes o volume de rejeitos que saíram de Fundão para a Bacia de Rio Doce. Então, o desafio grande ambiental para a água é esse”.

A Renova, conforme informou, investe aproximadamente, R$ 600 milhões em ações de saneamento básico nos municípios da região atingida pelo rompimento da barragem, a grande maioria para tratamento de esgoto e uma parte menor para destinação de resíduos sólidos.

“Com isso a gente espera resolver uma parcela desse desafio do esgoto que existe no Rio Doce, através de nossos recursos compensatórios que são os para serem investidos em ações para a sociedade, que não têm a ver com o impacto do rompimento da barragem”, afirmou. Segundo Freitas, a estimativa é que a Renova invista R$ 300 milhões para as obras de saneamento nos próximos três anos.

Para ele, essas obras vão ajudar os municípios a alcançarem as metas do novo marco geral do saneamento básico, com os investimentos feitos também na capacitação técnica e no fortalecimento da infraestrutura das cidades. “Os municípios da calha do Rio Doce, com esses investimentos vão estar melhor posicionados para cumprir com os objetivos do marco do saneamento. A gente espera que eles consigam capitalizar em cima desses recursos e resolver ainda uma parcela maior desse desafio do esgoto”.

Indenizações

Nos quatro anos de trabalho da Fundação Renova foram pagos cerca de R$ 2,6 bilhões para mais de 320 mil pessoas, em indenizações e auxílios financeiros, para as que conseguiram comprovar que sofreram danos. Mas, de acordo com Freitas existe a barreira para atender os atingidos que não conseguem fazer a comprovação, uma vez que o Código Civil brasileiro diz que a indenização não pode ser feita sem o dano comprovado. “É uma questão do marco legal brasileiro, mas a gente reconhece que a situação da calha do Rio Doce é de grande informalidade e as pessoas têm essa dificuldade de comprovar”, relatou.

Mas essa dificuldade está sendo contornada com uma solução construída a partir de uma decisão da 12ª Vara Federal para dois municípios, Baixo Guandu, no Espírito Santo; e Naque, em Minas Gerais, que definiu um novo sistema de indenização com uma alta flexibilização dos processos de comprovação e, de acordo com o diretor-presidente, com valores bastante atrativos, chegando perto na maioria dos casos de R$ 100 mil para cada ofício a ser indenizado.

“A gente vem processando essas indenizações novas. Em algumas semanas já chegamos a mais de 350 casos pagos, mais de R$ 30 milhões pagos nessas indenizações. A gente vem ganhando escala, recentemente, saiu uma decisão similar da 12ª Vara Federal para o município de Linhares ampliando um pouco a decisão para Naque e Baixo Guandu, trazendo novas categorias que não haviam sido incluídas lá. A gente está muito animado em fazer com que esse sistema avance e dar resposta para as pessoas que estão esperando e que tinham uma dificuldade de avançar justamente por causa dessa fragilidade na comprovação”, concluiu.

Agenda integrada

No final de 2019 foi elaborada uma agenda integrada para o uso de recursos compensatórios que se materializou em 2020 nos municípios da região atingida pelo rompimento nos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo. Freitas informou que são recursos que não têm nada a ver com os impactos do rompimento da barragem, mas serão investidos em infraestrutura. “Com os dois estados se construiu uma agenda para investimentos em infraestrutura, saúde e educação na ordem de R$ 830 milhões. A gente tem um forte investimento em estrada no Espírito Santo e em Minas. Isso fortalece o acesso a muitas regiões. A gente entende que essas estradas vão ser um vetor de desenvolvimento econômico de longo prazo para a região”.

Além disso, estão sendo aplicados R$ 75 milhões na reestruturação do Hospital de Governador Valadares, que estava com as obras paralisadas há cinco anos. “É um hospital regional que atende a uma área onde vivem cerca de 1,5 milhão de pessoas também é um benefício para a sociedade como um todo. Na educação, são R$ 240 milhões investidos em 900 escolas das redes estadual e municipal, beneficiando quase 300 mil alunos com a reestruturação das escolas.”. Segundo Freitas, “tem muita coisa já feita e bastante para fazer ainda”, concluiu.

Ver mais

Brasil

Sobe para 49 o número de cidades do PI que decretaram emergência devido à seca

Publicado

dia

Por

O Piauí também apresentou uma alta na área com seca, entre os meses de agosto e setembro de 2020, de 79,29% para 92,11%, conforme os dados divulgados pelo Monitor das Secas na quarta-feira (21).

Mais de 40 municípios declararam situação de emergência por causa da seca — Foto: reprodução tv clube

Subiu para 49 o número de municípios do Piauí que já decretaram emergência devido à seca em 2020, de acordo com a Secretaria de Defesa Civil Estadual. O aumento de cidades atingidas por este fenômeno reflete na expansão da área com estiagem de 79,29% para 92,11%, entre agosto e setembro, no estado, segundo os dados divulgados pelo Monitor de Secas na quarta-feira (21).

Na quinta-feira (22), o Governo do Piauí reconheceu a situação de emergência em mais sete municípios. Foram eles: Campo Grande do Piauí, Conceição do Canindé, Itainópolis, Isaías Coelho, Picos, São Lourenço do Piauí e Vera Mendes.

O secretário de Defesa Civil, Geraldo Magela, informou  que, neste ano, foi observada a expansão da estiagem para a região mais central do estado. “O decreto é baseado também nesse monitoramento, onde foi observado que a seca avançou mais para a região central do estado, mesmo começando na região que faz limite com os estados do Ceará e Maranhão”, disse.

Piauí aumenta área de seca entre agosto e setembro de 2020 — Foto: Divulgação/Monitor das Secas

Piauí aumenta área de seca entre agosto e setembro de 2020 — Foto: Divulgação/Monitor das Secas

Apesar da alta da área de seca, segundo o gestor, o número de municípios afetados pelo fenômeno é quase o mesmo comparado ao ano passado. “A seca está um pouco maior neste ano do que no ano passado, que foi mais de 40, mas não chegou a 49. Normalmente essa é a média. Pode ser preocupante quando são menos que 40 ou mais de 50”, pontuou Geraldo Magela.

Ver mais

Brasil

Paraná atinge marca de 5 mil mortos pela Covid-19, diz secretaria

Publicado

dia

Por

Ver mais

Brasil

Ajuda de R$ 30 milhões para Ibama e ICMBio deve estar disponível em 48 horas

Publicado

dia

Por

Ministério do Desenvolvimento Regional sai em socorro de órgãos de preservação e fiscalização, que acumulam aproximadamente R$ 25 milhões em contas a saldar por causa de restrições orçamentárias impostas pelo Ministério da Economia

Ministério do Desenvolvimento Regional sai em socorro de órgãos de preservação e fiscalização, que acumulam aproximadamente R$ 25 milhões em contas a saldar por causa de restrições orçamentárias impostas pelo Ministério da Economia

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) ofereceu um repasse de R$ 30 milhões de recursos de emergência da Defesa Civil para que o Ministério do Meio Ambiente (MMA) cubra as dívidas de mais de R$ 25 milhões acumuladas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio). A oferta foi feita diretamente pelo ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento) ao colega Ricardo Salles (Meio Ambiente), que aceitou a oferta. O repasse de emergência sairá da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, que é vinculada ao MDR. A previsão é de que o recurso possa estar disponível em 48 horas.

O Ibama e o ICMBio estão com contas de serviços básicos em atrasos há pelo menos 90 dias. Há faturas em aberto de contratos de manutenção predial, contas de luz, abastecimento de veículos e aluguéis de aeronaves. No Ibama, o rombo acumulado chega a mais de R$ 16 milhões e, no ICMBio, as contas em aberto somam mais de R$ 8 milhões. São aproximadamente R$ 25 milhões em dívidas.

Operações suspensas

O governo publicou uma autorização que libera, de forma extraordinária, R$ 16 milhões ao MMA. A pasta deve repassar R$ 8 milhões para cada autarquia, mas isso não acaba com o rombo, que tende a crescer nas próximas semanas. Desde a meia-noite de ontem, o Ibama suspendeu, por causa da falta de recursos, as operações de seus 1,4 mil agentes que estavam em campo. A ordem partiu da Diretoria de Proteção Ambiental, que opera o Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfog). A determinação incluiu os brigadistas que atuavam no Pantanal e na Amazônia, dois biomas que enfrentam forte onda de queimadas neste ano.

Até 20 de outubro, foram registradas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) altas acentuadas nos focos de calor, quando comparadas ao ano passado. Na Amazônia, houve alta em 211%; no cerrado, 86%; e, no Pantanal, 408%.

Não foi a primeira vez que as atividades foram temporariamente suspensas. No fim de agosto, Salles chegou a afirmar que, devido a bloqueios financeiros para o Ibama e para o ICMBio, as ações contra o desmatamento ilegal seriam paralisadas. Na ocasião, o vice-presidente Hamilton Mourão contestou, disse que não havia nenhum bloqueio e o governo voltou atrás.

Procurado pelo Correio, o Ibama afirmou que a falta de recurso ocorre desde setembro. “A autarquia passa por dificuldades quanto à liberação financeira por parte da Secretaria do Tesouro Nacional. Para a manutenção de suas atividades, o Ibama tem recorrido a créditos especiais, fundos e emendas. Mesmo assim, já contabiliza R$ 19 milhões de pagamentos atrasados, o que afeta todas as diretorias e ações do instituto, inclusive, as do Prevfogo”, disse o órgão, em nota.

Dinheiro sobrando

A dificuldade de pagamento deve-se, basicamente, a uma restrição de teto orçamentário que o MMA, Ibama e ICMBio sofreram, por imposição do Ministério da Economia. Neste ano, o orçamento total previsto para a pasta foi de R$ 563 milhões. A pasta de Paulo Guedes, porém, cortou uma cifra de R$ 230 milhões desses recursos para fazer caixa para o governo.

Ex-presidente do Ibama, Suely Araújo rebate a justificativa. “Tem dinheiro sobrando. O governo é que não se programou para pagar os fornecedores. É problema de gestão do MMA e do Ministério da Economia, e mostra uma desarticulação inaceitável”, acusou.

Ambientalistas reagiram à suspensão dos trabalhos. “Esta é mais uma prova da política antiambiental adotada por este governo. Alegar falta de recursos para combater as queimadas, sendo que o próprio governo inviabilizou o Fundo Amazônia, que contava com mais de R$ 1 bilhão que poderiam ter sido utilizados para isso, é a evidência da total falta de interesse em combater toda a destruição que, infelizmente, acompanhamos nos últimos dois anos”, lamentou Rômulo Batista, porta-voz da Campanha da Amazônia.

Para o secretário-geral do Observatório do Clima, Marcio Astrini, o Fundo Amazônia, que foi congelado por conta da política ambiental do governo Bolsonaro, financiava o combate às queimadas em alguns estados. “O congelamento também impacta na redução de orçamento”, destacou.

Ver mais

Brasil

Auxílio emergencial chegou a 29,9 mi de domicílios em setembro, diz IBGE

Publicado

dia

Por

A proporção de domicílios que recebeu algum auxílio relacionado à pandemia diminuiu de 43,9% em agosto para 43,6% em setembro.

Auxílio emergencial tem sido utilizado mais para pagar contas do que para gastos, revela Nubank (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Ver mais

Hoje é

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?