Nossa rede

Brasília

Infecções de pele chegam à Penitenciária Feminina do DF

Publicado

dia

A unidade era a única do sistema prisional na qual não havia registro das doenças que contaminaram 2,6 mil detentos no Distrito Federal

O surto de doenças de pele que contaminou ao menos 2,6 mil detentos do sistema prisional do DF chegou à única unidade que, até esta quinta-feira (3/8), não havia registrado casos de infecção: a Penitenciária Feminina (PFDF), mais conhecida por Colmeia. Servidores confirmaram ao Metrópoles que a interna apresentou sintomas de impetigo bolhoso e foi isolada da massa carcerária para evitar uma contaminação generalizada.

Agentes que trabalham na Colmeia confirmaram à reportagem que a detenta chegou na semana passada. Na quarta-feira (2), ela começou a apresentar problemas de pele semelhantes aos que atingem presidiários de outras unidades do DF.

Até agora, foram identificadas quatro enfermidades: escabiose, também conhecida como sarna; tinea, provocada por um fungo e causadora de erupções cutâneas em formato circular; pitiríase, que acarreta manchas e coceiras; e a furunculose, que faz eclodir furúnculos.

O surto de doenças de pele que contaminou ao menos 2,6 mil detentos do sistema prisional do DF chegou à única unidade que, até esta quinta-feira (3/8), não havia registrado casos de infecção: a Penitenciária Feminina (PFDF), mais conhecida por Colmeia. Servidores confirmaram ao Metrópoles que a interna apresentou sintomas de impetigo bolhoso e foi isolada da massa carcerária para evitar uma contaminação generalizada.

Agentes que trabalham na Colmeia confirmaram à reportagem que a detenta chegou na semana passada. Na quarta-feira (2), ela começou a apresentar problemas de pele semelhantes aos que atingem presidiários de outras unidades do DF.

Até agora, foram identificadas quatro enfermidades: escabiose, também conhecida como sarna; tinea, provocada por um fungo e causadora de erupções cutâneas em formato circular; pitiríase, que acarreta manchas e coceiras; e a furunculose, que faz eclodir furúnculos

O último balanço da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social (SSP), divulgado na semana passada, revelava que havia 2.601 detentos infectados. A maior parte dos casos se concentrava no Complexo Penitenciário da Papuda.

Na Penitenciária do Distrito Federal 1 (PDF 1), tinham sido triados 3.876 presos e 950 foram medicados. Na PDF 2, todos os internos passaram por avaliação e 480 receberam remédios. No Centro de Internamento e Reeducação (CIR), foram, respectivamente, 672 e 168. Todas essas unidades integram a Papuda. Já no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), localizado no Setor de Indústria e Abastecimento, 150 detentos passaram por triagem e quatro precisaram de medicamentos.

Ainda não há números oficiais sobre o problema na Colmeia. A preocupação agora é que a doença não se alastre. Servidores da penitenciária feminina investigam se a mulher chegou à cadeia infectada ou se contraiu o impetigo dentro da unidade.

Isolamento no CPP
No CPP, houve registro de um novo caso infeccioso. Um homem foi colocado em uma cela separada para evitar que a doença se alastrasse. Na quarta-feira (2), a diretoria do centro foi informada de que um preso da Ala F do Bloco 2 apresentava sintomas de impetigo bolhoso.

Após a publicação da matéria, a SSP encaminhou nota à reportagem confirmando os dois casos, no CPP e na PFDF. “Estão sendo tratados com uso de antibiótico. Os dois foram isolados”, disse no documento. “O procedimento de separação foi recomendado pelos médicos responsáveis pela triagem nas duas unidades prisionais”, completou.

O surto de doenças infecciosas no sistema prisional do DF foi revelado pelo Metrópoles em 13 de julho. Na ocasião, 10 esposas de detentos da Papuda relatavam ter lesões nos braços e nas pernas. Depois de pedidos da Justiça e do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), a SSP iniciou o tratamento.

Vistoria na Papuda
Na última sexta-feira (28), uma comitiva formada por representantes do Conselho de Direitos Humanos do Distrito Federal (CDHDF), da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados e do Ministério da Saúde esteve na Papuda para averiguar as providências adotadas pelas autoridades.

Apesar do tratamento fornecido nas unidades prisionais, as comissões constataram que ainda havia dezenas de presos com infecções de pele.

 

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Brasília

OAB Nacional concede honraria ao governador Ibaneis Rocha

Publicado

dia

Por

Pelos serviços prestados à população, chefe do Executivo do DF recebe medalha, troféu e diploma Raymundo Faoro

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, recebeu, nesta terça-feira (19), na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Nacional, a Medalha Raymundo Faoro. A honraria é concedida pela instituição desde 2008 a cidadãos que prestam trabalho em defesa do Estado democrático de Direito no país. Em sessão anterior, o ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli recebeu a mesma condecoração, que foi acompanhada por um troféu e uma placa.

De acordo com o presidente da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz, a política, em seu processo natural, é o único caminho possível para a redenção do povo brasileiro — e tem recebido contribuições importantes de ex-integrantes da instituição, tanto no Governo do Distrito Federal quanto no Congresso Nacional.

“Vale a pena governar uma cidade, vale a pena se entregar à política, fazer a boa política e cuidar das pessoas”Governador Ibaneis Rocha

“A honraria Raymundo Faoro foi pensada para servir de reconhecimento aos trabalhos prestados por grandes homens e mulheres públicos que, assim como ele, ofereceram seus esforços para a defesa das liberdades democráticas. Hoje a advocacia brasileira tem a satisfação de homenagear Ibaneis Rocha e o seu papel essencial em favor da preservação do Estado democrático de Direito brasileiro”, disse.

Advogado de formação, Ibaneis foi, por dois mandatos, conselheiro seccional e presidiu a OAB-DF entre 2013 e 2015, antes de assumir o comando do Executivo distrital, em 2019. Para ele, o caminho trilhado tem sido compensador. “Vale a pena governar uma cidade, vale a pena se entregar à política, fazer a boa política e cuidar das pessoas. Então posso dizer que antes cuidava de advogados; agora cuido de pessoas.”

Quem foi Faoro

Membro da Academia Brasileira de Letras, Raymundo Faoro foi presidente do Conselho Federal da OAB entre 1977 e 1979, durante o período da ditadura militar no Brasil. À frente da OAB, foi um dos artífices do fim do Ato Institucional nº 5 (AI-5) e do início da redemocratização do país, com o chamado processo de abertura. Toda essa articulação refletiu em mais respeitabilidade da instituição junto à sociedade.

Participaram da solenidade em homenagem ao governador, além de conselheiros da OAB, a secretária de Desenvolvimento Social e primeira-dama do DF, Mayara Noronha Rocha; o secretário de Atendimento à Comunidade, Severino Cajazeiras; o consultor jurídico do GDF, Rodrigo Becker; o presidente do Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do DF, Ney Ferraz, e o ex-secretário da Casa Civil, Valdetário Monteiro.

 

Ver mais

Brasília

Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia

Publicado

dia

Por

Conversa ocorreu no último domingo (17/10), em grupo extraoficial composto apenas por bombeiros. Corporação diz que “não coaduna com qualquer tipo de comportamento discriminatório”.

(crédito: Reprodução/Instagram Bombeiros de Luziânia)

O Corpo de Bombeiros do Estado de Goiás (CBMGO) investiga homofobia em troca de mensagens entre militares de Luziânia, município do Entorno do Distrito Federal. O caso ocorreu no domingo (17/10), em um grupo de WhatsApp extraoficial composto apenas por militares da corporação.

No aplicativo, um bombeiro do 5º Batalhão Bombeiro Militar mandou foto de duas camas juntas do alojamento do quartel, dando ideia de que duas pessoas haviam dormido juntas no local. Em seguida, as ofensas começaram.

“O pessoal que saiu de serviço deixou umas roupas de cama”, disse o militar que mandou a imagem. Ele complementa: “Se não aparecer o dono, vamos ter que desfazer a cama”.

Outro militar se queixa: “na época que eu trabalhava aí, não tinha disso”. Logo após, outros bombeiros mandam figurinhas em tom preconceituoso ou de chacota, e falam sobre “masculinidade” (veja imagens abaixo).

Militares de diversas patentes participaram da conversa, como cabo, soldado, sargento e até um subtenente. Em nota, a corporação disse que “não coaduna com qualquer tipo de comportamento discriminatório”.

“O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO) informa que a corporação irá abrir procedimento para investigar a denúncia”, informaram os militares.

Confira as mensagens

Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia
Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia(foto: Reprodução/WhatsApp)

 

Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia
Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia(foto: Reprodução/WhatsApp)

 

Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia
Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia(foto: Reprodução/WhatsApp)

 

Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia

Corpo de Bombeiros investiga homofobia em mensagens de militares de Luziânia (foto: Reprodução/WhatsApp)

Criminalização da homofobiaEm 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) votou, por maioria, pela criminalização da homofobia. A norma foi inclusa na Lei do Racismo.

Desde então, “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito” em razão da orientação sexual da pessoa pode ser considerado crime. A pena varia de um a três anos de prisão, além de multa.

Caso ocorra ampla divulgação do ato homofóbico, como em uma rede social, a pena poderá ser de dois a cinco anos, além de multa.

Ver mais

Brasília

DF recebe 51.708 vacinas e retoma imunização de adolescentes

Publicado

dia

Por

Governador Ibaneis Rocha anunciou nas redes sociais a chegada de 32,7 mil doses para jovens de 12 a 17 anos

O Distrito Federal recebeu, nesta terça-feira (19), mais 32.760 doses da vacina Pfizer-BioNTech destinadas à primeira dose do público entre 12 e 17 anos. Com isso, a vacinação dos adolescentes será integralmente retomada em todas as regiões administrativas já nesta quarta-feira (20), a partir das 10h. O anúncio foi feito pelo governador Ibaneis Rocha, em suas redes sociais.

A Secretaria de Saúde também recebeu outras 18.948 doses do mesmo laboratório destinadas para aplicação da segunda dose. Os pontos de vacinação que atenderão os adolescentes serão divulgados no final da tarde, no site da Secretaria de Saúde. Até esta terça, a vacinação desse público estava restrita às regiões de Sobradinho e Planaltina, que ainda dispunham de doses.

A vacina Pfizer é a única autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação em adolescentes. O subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, convida a população para comparecer aos pontos de vacinação o quanto antes.

“Com a chegada dessas novas doses, a Secretaria de Saúde, a partir desta quarta, terá doses em toda a rede do DF. Mãe e pai, levem seus filhos que têm entre 12 e 17 anos ao ponto mais próximo, ou o próprio adolescente pode ir só. O importante é se vacinar. Faça sua parte e juntos vamos vencer a covid-19”, ressalta o subsecretário.

*Com informações da Secretaria de Saúde do DF

Ver mais

Brasília

GDF avalia criação de batalhão para garantir segurança de servidores da Saúde

Publicado

dia

Por

O SindSaúde-DF enviou um ofício ao governador Ibaneis Rocha (MDB) pedindo a criação de um batalhão de policiais que atue exclusivamente nas unidades de saúde a fim de evitar agressões e insultos aos servidores

(crédito: Agência Brasil/Marcelo Camargo)

O Sindicato dos Empregados em Estabelecimento de Serviços de Saúde em Brasília (SinSaúde-DF) enviou ao Governo do Distrito Federal um ofício pedindo a criação de um batalhão hospitalar. A medida visa garantir aos profissionais de saúde e aos pacientes mais segurança no dia a dia e evitar agressões e insultos nas unidades públicas da Secretaria de Saúde.

O documento encaminhado ao governador Ibaneis Rocha (MDB) solicita medidas para conter as violências que têm sido constantemente registradas. Segundo a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, há pedidos de ações a curto e a médio prazo.

“Em curto prazo, pedimos para que aumentem o número de vigilantes nas unidades. A médio prazo, pedimos que designem policiais para atuarem exclusivamente nos hospitais. Queremos segurança, principalmente, nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) e pronto-socorros que são os locais onde as pessoas costumam estar mais tensas”, diz Marli.

Segundo a presidente, há casos de agressões que não chegam a ser registrados. “São ameaças de morte, de agressão, xingamentos. Precisamos cuidar dos servidores para que eles possam prestar um serviço de qualidade à população”, completa.

Resposta

O ofício está em análise pelo GDF. Procurado, o Executivo local afirmou, por meio de nota, que a Secretaria de Saúde “lamenta os recentes acontecimentos envolvendo agressões físicas e verbais aos profissionais de saúde da linha de frente de atendimento e se solidariza com todos os profissionais que passaram por estes episódios. É inadmissível que servidores públicos sejam tratados desta forma no desempenho de suas funções em prol da assistência à Saúde no Distrito Federal, independente do setor que atuem. Ressalta-se que desacato a servidor público no desempenho de suas funções pode configurar crime, previsto no código penal.”

A pasta informa que, devido aos últimos acontecimentos, está providenciando reforço na segurança das unidades e estuda outras alternativas para evitar que mais episódios lamentáveis deste tipo ocorram. Tão logo haja decisões sobre este assunto, serão anunciadas pela pasta.

 

Ver mais

Brasília

Emater vai implantar agrofloresta em escola de Tabatinga

Publicado

dia

Por

Projeto surgiu de demanda espontânea dos estudantes, que já cultivam uma horta no terreno da unidade de ensino

A Emater-DF iniciou um trabalho de implantação de agrofloresta com alunos do Centro Educacional Várzeas, escola situada na área rural de Tabatinga, em Planaltina. O plantio será feito em uma área da instituição de ensino. Os alunos já mantinham uma horta com o apoio do escritório da empresa.

Agrofloresta é uma alternativa socioeconômica e ambiental que considera tanto as necessidades do agricultor, de uso e de consumo, quanto as necessidades da natureza, de preservação e diversidade. O primeiro passo para a implantação no Centro Educacional Várzeas foi dado na última semana, com uma palestra sobre o tema ministrada pelo coordenador do escritório especializado em agricultura orgânica e agroecologia da Emater-DF, Daniel Rodrigues Oliveira.

Alunos do Centro Educacional Várzeas, na área rural de Tabatinga, participaram de palestra com orientações sobre o funcionamento da agrofloresta | Foto: Divulgação/Emater-DF

“Foi uma palestra de sensibilização, para apresentar os princípios da agrofloresta, e um pouco motivacional, de organização e planejamento. Depois visitamos a área onde será plantada a agroflorestal. Foi legal porque foi uma demanda espontânea que surgiu da escola, de alguns alunos”, explicou Rodrigues.

O gerente do escritório local, Alessandro Rangel, afirma que há estudos para que esse tema integre a grade curricular da escola a partir do próximo ano. “Eu achei muito interessante que eles tenham escolhido esse assunto porque os alunos daquela escola são, na maioria, filhos de produtores rurais ou empregados de fazendas, e eles plantam milho, soja e feijão”, avalia.

*Com informações da Emater-DF

Ver mais

Brasília

Hemocentro precisa de sua ajuda para aumentar os estoques

Publicado

dia

Por

Com o objetivo de estimular as doações, projeto de expansão da Linha Vermelha foi prorrogado até o fim deste mês

A Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) está operando com níveis baixos de vários tipos sanguíneos devido à redução no número de doações nos últimos dias. Para reforçar os estoques e estimular a população a praticar este ato de solidariedade, foi prorrogada, até o dia 28 deste mês, a Linha Vermelha, projeto lançado em setembro em parceria com o Taguatinga Shopping.

Hemocentro disponibiliza serviço de transporte gratuito, ida e volta, até Taguatinga | Foto: Arquivo/Agência Brasília

“Às vezes, as pessoas só precisam saber como ajudar e onde. Uma única doação pode salvar até quatro vidas”Maíra Garcia, gerente de marketing do Taguatinga Shopping

Com queda de 13% no movimento de doadores de sangue este mês, os estoques do Hemocentro para os tipos sanguíneos O positivo e O negativo se encontram em níveis críticos. Enquanto em setembro a média foi de 168 doações por dia, o índice em outubro não passou de 148 bolsas coletadas até o momento.

A chefe da Seção do Ciclo do Doador do Hemocentro, Anne Ferreira, reforça: “A doação de sangue é importante para garantir o atendimento a diversos tipos de pacientes que estão na rede pública de saúde, principalmente aqueles que passaram por transplantes, que estão em tratamento de algum tipo de câncer ou que possuem anemias crônicas e precisam de transfusões regulares”.

A decisão de prorrogar a extensão da Linha Vermelha foi tomada graças ao alto índice de adesão dos doadores à iniciativa. “O pioneirismo e sucesso do projeto nos mostram o quanto as pessoas estão disponíveis para praticar a solidariedade”, pontua a gerente de marketing do shopping, Maíra Garcia. “Às vezes, [as pessoas] só precisam saber como ajudar e onde. Temos orgulho de poder fazer essa ponte por meio do TGS Solidário. Afinal, uma única doação pode salvar até quatro vidas”.

As doações devem ser agendadas previamente pelo site Agenda DF. Até o dia 30, devido à baixa nos estoques, doadores do tipo O negativo estão dispensados de agendamento, podendo participar da ação com senha preferencial. Para tanto, basta comprovar o tipo sanguíneo a partir de cadastro no Hemocentro ou por meio de exame de tipagem sanguínea.

O projeto

Parceiros de longa data por meio de diversas edições da campanha Doe Sangue, Doe Vida, do projeto TGS Solidário, o Hemocentro de Brasília e o Taguatinga Shopping uniram-se para oferecer ao público o projeto-piloto de extensão da Linha Vermelha. Um veículo especial, identificado com a logomarca do Hemocentro, faz o percurso gratuito de ida e volta entre o shopping e a instituição, sempre às terças e quintas-feiras.

Para doar sangue, é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 51 kg e se encontrar em boas condições de saúde. Quem passou por cirurgia, exame endoscópico ou adoeceu recentemente deve consultar o site do Hemocentro para saber se está apto a doar sangue.

Linha Vermelha

  • Transporte gratuito a partir da entrada principal do Taguatinga Shopping, às terças e quintas-feiras, até o dia 30 deste mês.
  • Saídas: às 9h e às 13h, do shopping para o Hemocentro, e às 12h e às 16h, no percurso inverso.
  • Mais informações no Instagram, no site TGS Solidário ou pelo WhatsApp (61) 99974.4020.

*Com informações do Hemocentro

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade
Publicidade

Viu isso?