Nossa rede

Aconteceu

Indenizações a famílias das vítimas do incêndio podem levar até 10 anos

Publicado

dia

Caso não haja acordo com Flamengo, disputa pode chegar nos tribunais superiores. Valor inclui estimativa de quanto os atletas ganhariam até fim da carreira

As dez vítimas da tragédia no Ninho do Urubu (Fotomontagem/Arquivo pessoal)

Caso as famílias das vítimas do incêndio no centro de treinamento do Flamengo não aceitem a indenização oferecida pelo clube em acordos extrajudiciais, a disputa nos tribunais pode chegar a dez anos. A avaliação é feita por especialistas em direito esportivo. “Os processos demoram muito em função da infinidade de recursos que a legislação permite”, explica o advogado Martinho Neves.

Na segunda-feira 11, o presidente do clube, Rodolfo Landim, afirmou que a intenção do Flamengo é “indenizar essas famílias o mais rápido possível”.

Para Domingos Zainaghi, uma eventual disputa judicial pode chegar ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). “A indenização vai depender do entendimento dos juízes. Digo no plural porque uma decisão de primeira instância deverá ser questionada no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e até no STJ, em Brasília”, avalia.

O Código Civil determina que quem causa prejuízo tem o dever de indenizar. O valor prevê a cobertura de danos efetivos (ressarcidos como danos morais) e dos lucros cessantes, que representam aquilo que o atleta ganharia até o fim da carreira e que deixou de ganhar. A estimativa é feita caso a caso. O goleiro Christian Esmério, vítima que colecionava convocações para a seleção, tinha um potencial de crescimento em campo que poderia ser levado em consideração em uma ação.

Os especialistas evitam estimar os valores indenizatórios. Em geral, a oferta dos clubes é bem menor do que pedem as vítimas. Atualmente, os atletas do Flamengo tinham remuneração de 1.000 a 2.000 reais, chamada de Bolsa Aprendizagem. Pela Lei Pelé, só maiores de 16 anos podem assinar um contrato de trabalho.

No futuro, os rendimentos subiriam. Em um ponto fora da curva, o atacante Gabigol, ex-Santos, foi contratado por 1,2 milhão de reais/mês no time principal. “É difícil definir o valor dos danos morais, pois estar-se-á buscando indenizar a dor, e esta não tem como ser medida”, diz Zainaghi. De acordo com Flamengo, as dez vítimas tinham seguro de vida.

Fonte Veja

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Aconteceu

Carol Castro exibe bumbum em foto na praia: ‘Engajamento’

Publicado

dia

A atriz Carol Castro aproveitou o calor para relaxar na praia, nesta quinta-feira (27). Solteira, Carol compartilhou com os seguidores uma foto tomando sol de biquíni, exibindo o bumbum.

“Engajando ‘Insânia’ em 60 países”, escreveu ela na legenda, fazendo referência ao seu novo trabalho, a série “Insânia”. Nos comentários, os fãs elogiaram a atriz. “Protetor solar”, disse um. “Linda”, declarou outro. “Tu é maravilhosa demais”, finalizou um terceiro.

Ver mais

Brasil

Cliente que teve dedo amputado em mercado pede R$ 200 mil em danos morais na Justiça

Publicado

dia

Na última quarta-feira (26), foi distribuído para a 5ª Vara Cível de Sorocaba, no interior de São Paulo, uma ação de R$ 200 mil de danos morais e estéticos de uma cliente, de 50 anos, que teve um dedo amputado quando uma empilhadeira passou por cima do pé em um mercado. As informações são do G1.

O caso da vítima aconteceu no dia 23 de dezembro do ano passado. Conforme o boletim de ocorrência registrado pela mulher, ela estava sozinha fazendo compras quando entrou em um corredor que não estava isolado e, na sequência, a empilhadeira passou por cima do pé dela ao se movimentar.

Segundo o operador do equipamento, ele aguardava clientes passarem pela área quando a cliente teria colocado o pé embaixo da máquina. Ao tentar se afastar, a vítima foi atingida.

O atacadista, conhecido como Assaí, tentou fazer um acordo com a cliente, que não foi aceito. O advogado da mulher entrou com a ação na Justiça contra o mercado, que ainda não foi notificado.

Na época do acidente, o Assaí informou, em nota, que foram prestados os primeiros socorros e a unidade acionou imediatamente o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), que levou a cliente para um hospital. “”Um funcionário foi destacado para acompanhá-la e garantir que a cliente recebesse toda a assistência necessária. Desde o primeiro momento, a empresa acompanhou o caso com atenção e vem custeando todas as despesas médicas e hospitalares para garantir o bem-estar da cliente. Além disso, vem mantendo contato e permanece à disposição da família para o que precisarem. Adicionalmente, a empresa reforçou com a loja todos os processos para o trânsito das empilhadeiras a fim de garantir que novas ocorrências não voltem a acontecer”, dizia o comunicado.
Ver mais

Aconteceu

TIM inaugura loja no metaverso

Publicado

dia

Loja da TIM no metaverso Cryptovoxels (Tim/Reprodução)

Trata-se de um tipo de replicação para o mundo virtual de uma loja conceito aberta no Rio de Janeiro

metaverso está, aos poucos, se tornando um lugar de interesse para as grandes marcas e empresas. Um relevante sinal disto é o desembarque da operadora TIM nas terras virtuais, que inaugura nesta quinta-feira, 27, uma loja dentro do Cryptovoxels plataforma de construção de metaverso.

O curioso é que o espaço se baseia em um lugar no mundo real, também inaugurado hoje. Trata-se de uma loja conceito, que teve um soft opening no final do ano passado no Barra Shopping, no Rio de Janeiro, e que, segundo a telefônica, ‘marca o início de uma nova experiência na jornada do cliente, repleta de inovação e com direito à chegada na nova camada da realidade que integra os mundos real e virtual’.

A nova loja é vista pela TIM como parte da estratégia omnichannel, no qual se tenta integrar todos os canais de atendimento ao cliente em um só. Nela, o cliente poderá experimentar acessórios e smartphones já com a tecnologia 5G e até equipamentos para conexão de residências utilizando a ultra banda larga fixa da TIM Live. O próprio consumidor poderá realizar atividades básicas desde consultar, imprimir, pagar faturas, adquirir planos, serviços e muito mais.

Já a replicação da loja no virtual foi uma idelização da agência MetaMundi, que funciona como um crossover da Metaverse Agency, de Byron Mendes, e Dellarte Soluções Culturais, de Steffen Daueslberg. Os mesmo produtos da loja conceito estarão lá e se o cliente decidir por realizar uma compra, será direcionado do metaverso para o site de vendas da TIM.

“Aproveitamos a abertura da flagship para marcarmos nossa entrada no metaverso. Escolhemos o Cryptovoxels pois ele é o mais habitado por marcas e, principalmente, por brasileiros. Com esse passo, faremos também com que os nossos clientes já estejam habituados ao mundo metaverso e associem a nova realidade à marca TIM”, afirma Bruno Vasconcellos, diretor de e-commerce e canais remotos da TIM Brasil.

Na TIM virtual

O espaço é dividido em duas partes: no primeiro andar, uma experiência estética similar à da loja conceito do Barra Shopping; no segundo, com acesso feito via teleporte, há um espaço “gamer”, com portfólio de produtos da TIM e de seus parceiros.

E, ainda no primeiro trimestre de 2022, será lançada uma arena de eventos virtuais com foco em música e entretenimento. Ali, por exemplo, a marca traria convidados para apresentações.

Na TIM real

O estabelecimento tem uma área para exposição de smartphones, gadgets e outros acessórios.

Outra área exclusiva para atendimento ao cliente, com disponibilidade de especialistas em tecnologia para sanar dúvidas e outros consultores de atendimento.

Há também um espaço dedicado para serviços oferecidos por parceiros da TIM, como Netflix, HBO, Deezer e Ampli.

Ver mais

Aconteceu

Mecânico bate contra árvore e destrói Ferrari Enzo ultrarrara

Publicado

dia

O carro destruído é avaliado em mais de 3 milhões de euros (cerca de R$ 26 milhões)

Foi o que ocorreu com um mecânico de uma concessionária da cidade de Baarn, nos Países Baixos, que perdeu o controle da Ferrari e foi bater contra uma das árvores que beiram a estrada.

O homem parece ter perdido o controle do veículo, por causa da estrada molhada, e colidiu contra o tronco.

Uma dinâmica aparentemente banal, se não fosse que a Ferrari é avaliada em mais de 3 milhões de euros (cerca de R$ 26 milhões).

Ferrari Enzo entre os carros mais raros (e valiosos)

O modelo Enzo, criado para comemorar os 55 anos da casa italiana, foi produzido entre 2002 e 2004 em apenas 399 unidades.

O mecânico não se feriu, pois a estrutura de segurança e os airbags o protegeram do impacto. Mas o veículo sofreu sérios danos na mecânica e na carroceria.

As estruturas de carbono e outros elementos obtidos a partir de fusões “racing” — para reduzir o peso para apenas 1.255 kg — exigirão reparos e substituições longos e complexos.

As tecnologias necessárias para os reparos são oferecidas por poucos centros especializados no mundo inteiro, autorizados pela Ferrari.

Com certeza, a conta será uma das mais caras que um mecânico comum pode imaginar.

Nos Países Baixos havia apenas três exemplares de Ferrari Enzo, todos guardados em garagens blindadas e, em tese, conduzidos com muita atenção.

Isso porque a potência exuberante (660 hp) do motor V12 6.0 e os sistemas de estabilidade e controle de tração, como era usado na época do lançamento em 2002, deixam o carro difícil de dirigir.

Após o acidente, e provavelmente por muito tempo, apenas duas Ferrari continuarão em circulação no país europeu.

 

Ver mais

Brasil

Fenômeno que deixa nuvens coloridas chama atenção em Minas Gerais; veja fotos

Publicado

dia

Fotógrafo mineiro Vini Pissá flagrou nuvens coloridas no céu da cidade de Iguatama, localizada a 243 quilômetros de Belo Horizonte

Ver mais

Aconteceu

Por que a Coreia do Norte começou a lançar tantos mísseis de repente?

Publicado

dia

Foto fornecida pelo governo da Coreia do Norte mostra o teste de um míssil no dia 17 de janeiro Foto: Agência Central de Notícias da Coreia do Norte

Mais dois testes foram realizados nesta terça-feira. Kim Jong-un aprendeu que as explosões são a melhor maneira de chamar a atenção de Washington, especialmente quando a situação global já está instável

A Coreia do Norte começou o ano novo com a convocação de uma reunião do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, o único partido do país, durante a qual muito pouco foi dito sobre os Estados Unidos. Aquele silêncio sobre o assunto não durou muito.

Kim Jong-un, o ditador norte-coreano, lançou seis mísseis balísticos em quatro testes de armamentos desde 5 de janeiro. Em um mês, foram quase tantos mísseis quanto a Coreia do Norte lançou em todo o ano passado. Nesta terça-feira, os militares sul-coreanos confirmaram que o Norte disparou mais dois mísseis de cruzeiro, em seu quinto teste de 2022.

A mensagem era clara: o líder norte-coreano sente que está sendo ignorado e quer pressionar o governo de Joe Biden a prestar atenção ao seu país de economia pobre.

Individualmente, os testes podem não ter grandes novidades – eles envolveram mísseis que já foram testados ou armas que ainda estão em desenvolvimento. Mas juntos, sinalizam que Kim planeja usar 2022 para tirar o governo Biden de seu sono diplomático.

Kim precisa que Washington faça concessões econômicas para melhorar a economia devastada de seu país. Ao longo dos anos, ele aprendeu que a melhor maneira de chamar a atenção de um presidente americano é com armas. E que o melhor momento para fazê-lo é quando o mundo tem menos condições de arcar com a instabilidade.

Por esse ângulo, 2022 parece um ano promissor.

A China está ocupada se preparando para os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim no próximo mês. A Coreia do Sul elege um novo presidente em março. A Rússia insinua uma possível invasão da Ucrânia e mantém o governo Biden em suspense.

Durante uma reunião do Politburo na quarta-feira passada, Kim sugeriu que seu governo poderia mais uma vez começar a testar mísseis de longo alcance e dispositivos nucleares, após suspender tais testes antes de sua reunião de cúpula de 2018 com o então presidente Donald Trump.

— O objetivo de Kim é tornar rotineiros os voos de mísseis balísticos de curto alcance, como um fato da vida sem repercussões. A partir daí, ele passará para provocações maiores, retomando testes de mísseis de médio e longo alcance, intervalados por um teste nuclear, como fez em 2017 — disse Lee Sung-yoon, especialista em Coreia do Norte na Escola Fletcher da Universidade Tufts, em Boston.

Naquele ano, a Coreia do Norte testou o que chamou de bomba de hidrogênio e também lançou três mísseis balísticos intercontinentais. Foi também o ano em que Trump assumiu o cargo nos Estados Unidos. A Coreia do Sul tinha acabado de destituir sua presidente.

Quarta-feira foi a segunda vez que Kim ameaçou suspender a moratória sobre mísseis de longo alcance e testes nucleares. Depois que sua diplomacia com Trump terminou sem um acordo em 2019, ele disse que não se sentia mais obrigado ao compromisso. Mas ele não voltou a realizar esses testes, e seu país logo precisou lidar com a pandemia de coronavírus.

Este ano também marca o início da segunda década de Kim no poder, e os testes oferecem-lhe  uma chance para reafirmar sua autoridade. Desde que assumiu, ele se concentrou em fortalecer o arsenal do país, para assim validar o governo dinástico de sua família, apresentando-se como o protetor da Coreia do Norte contra invasões estrangeiras.

A Coreia do Norte por ora se concentra em testar mísseis que podem carregar o que chama de armas nucleares “menores, mais leves e táticas”. Esses tipos de armas não representam uma ameaça direta aos Estados Unidos, mas podem aumentar a influência de Kim junto a Washington, colocando aliados americanos como Coreia do Sul e Japão sob ameaça nuclear.

Washington não tomou medidas para atrair Kim e levá-lo a negociar, exceto propor negociações “sem pré-condições”, um pedido morno que a Coreia do Norte rejeitou. Enquanto isso, o país vê as armas como ferramentas para trazer Washington à mesa de negociações. E por essa lógica, quanto mais poderoso o arsenal, mais poder Kim tem.

“A Coreia do Norte espera que, se continuar a demonstrar suas capacidades nucleares, mas confiná-las à Península Coreana, não irá irritar a opinião pública nos Estados Unidos e fortalecerá as vozes que pedem um acordo”, escreveu em artigo recente Cha Du-hyeogn, um dos principais especialistas em Coreia do Norte no Asian Institute for Policy Studies, com sede em Seul.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?