Nossa rede

Notícias DF

Hospital Universitário de Brasília vai ficar sem UTI até o fim do ano

Publicado

dia

A reestruturação do Hospital Universitário de Brasília (HUB) realizada pela nova gestora, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), tem causado preocupação aos residentes, aos funcionários e aos pacientes atendidos no local. Os procedimentos cirúrgicos da pediatria estão suspensos desde o fim de julho, a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) permanece interditada para reforma, alguns aparelhos da radiologia não funcionam e há rumores de que a maternidade pode fechar. Alunos marcaram para amanhã uma manifestação em frente ao prédio da Clínica Médica. Mais de 150 pessoas confirmaram presença no evento chamado Basta! Crise HUB.

Embora exista a consciência de que as mudanças são para contratar servidores concursados e ampliar o hospital, a preocupação é o que será feito durante os seis meses sem os serviços. Os estudantes alegam que ainda não foram informados se concluirão a formação em unidades da rede pública do DF.

O coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub), Antônio César de Oliveira Guedes, considera o fechamento da pediatria cirúrgica um dos casos mais graves. Para ele, a dificuldade de formar profissionais na área, atualmente, já é grande o suficiente para enfrentar mais empecilhos. “Esse fechamento é muito grave. É um local onde mais se precisa de formação acadêmica. Os pediatras estão em falta na rede de saúde. A sociedade não pode pagar por esse ato”, ressaltou Guedes. Ontem, ele tentava reunir documentos sobre os motivos da situação. “Os diretores estão viajando, não consegui. Dependendo do que verificarmos, vamos entrar com uma representação no Ministério Público”, completou.

A assessoria de imprensa do hospital, no entanto, informou, por meio de nota, que o HUB passa por uma reformulação estrutural para melhorar o atendimento dos pacientes clínicos e cirúrgicos. Na pediatria, os procedimentos cirúrgicos eletivos estão suspensos por tempo indeterminado, até que seja feita a reestruturação do local e a equipe seja totalmente composta. “Por hora, os pacientes com casos mais graves estão sendo transferidos para outros hospitais da rede de saúde do DF”, informou o texto.

 Protesto

Parte da mudança está na força de trabalho. A Ebserh publicou edital de concurso público para preencher 1.102 vagas. Elas devem substituir os precarizados no setor. O problema é que, cientes do certame, alguns funcionários pediram demissão para estudar, e os postos de trabalho não podem ser preenchidos. Após aprovação, eles só poderão fazer parte do quadro no primeiro semestre de 2014. “Como ficaremos até janeiro? A UTI neonatal já fechou. E se a maternidade fechar? São atendidas 1,5 mil mulheres em trabalho de parto por ano. Com o fechamento até o ano que vem, isso cairá pela metade e nós ficaremos sem ter onde aprender”, contou um residente, que preferiu não se identificar.

 Por isso, os estudantes pretendem protestar. Na página de uma rede social, eles consideram que o HUB vive uma crise, “com prejuízo das atividades de alunos, residentes e, principalmente, do antendimento aos pacientes”. Em uma lista, os criadores do evento enumeram os principais problemas. Entre eles, está a proposta de atraso do curso de medicina; e o fechamento de todo o serviço de neonatologia, com consequente encerramento das atividades do Centro Obstétrico, da enfermaria da maternidade, do pré-natal, entre outros.

Quanto ao fechamento da UTI em junho último para reforma, o HUB informou que concluirá a obra até o fim do ano. “O espaço, que era de 609,97m², passará a ter 790m². A capacidade subirá de seis para 19 leitos. A reforma tem investimento de R$ 1,5 milhão da Ebserh”, informou a assessoria do hospital.

Na área da pediatria, desde o início de 2013, as chefias clínica e cirúrgica discutem a união dos dois setores para melhorar a assistência, dada a carência de profissionais para esse tipo de atendimento no DF. “Unidas as duas áreas, todos os profissionais do setor poderão cooperar para uma assistência mais eficaz”, completou a nota encaminhada pela assessoria.

Cinco anos de movimento

Em 2008, alunos das faculdades de Medicina e Ciências da Saúde da UnB criaram o movimento SOS HUB para pedir a reativação do pronto-socorro, fechado em abril daquele ano. Em 2011, os protestos tornaram-se frequentes não somente pelo objetivo inicial, mas pela revitalização do Hospital Universitário como um todo. Uma das marcas do movimento foi uma pichação em um tapume dizendo: “Pronto-socorro fechado há dois anos: incompetência? Incomode-se! Lute pelo hospital!”. Depois das manifestações, a diretoria foi trocada e o Centro de Pronto Atendimento (CPA) reaberto, em 21 de setembro de 2011. Desde então, a gestão da unidade de saúde foi alterada. A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada para solucionar os problemas de pessoal e de infraestrutura dos hospitais universitários federais. A Ebserh assumiu o HUB em 17 de janeiro deste ano e, desde então, investiu R$ 9 milhões em equipamentos para diversos setores da instituição

Notícias DF

Unidades do Detran passam a funcionar com 70% dos servidores

Publicado

dia

Por

Instrução publicada no Diário Oficial do DF desta quarta-feira (21/10) autoriza o revezamento de servidores no trabalho presencial e o teletrabalho aos servidores que se enquadrem nos grupos de risco

(crédito: Hiram Vargas/Esp. CB/D.A Press)

Os funcionários das unidades administrativas internas do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) podem retornar ao regime presencial de trabalho. De acordo com publicação feita no Diário Oficial do DF desta quarta-feira (21/10), o percentual presencial mínimo é de 70% dos servidores. A medida vale para funcionários, estagiários e colaboradores da autarquia.

Segundo o Detran, as unidades implementaram os protocolos e medidas de segurança recomendados pelas autoridades sanitárias e retorno gradual começou em 1º de junho.

A instrução da autarquia autoriza o revezamento de servidores no ambiente presencial, alternando-se
em turnos ou dias. Além disso, o teletrabalho pode ser mantido para servidores que se enquadrem nos grupos de risco para a covid-19. Estes deverão preencher um formulário de autodeclaração e, no prazo de 10 dias, entregar ao Núcleo de Qualidade de Vida a comprovação médica que ateste a condição declarada.

Os servidores que permanecerem em regime de teletrabalho deverão continuar a anexar semanalmente relatório de suas atividades.

Ver mais

Aconteceu

Empresa fundada por ex de Wassef ganha licitação de R$ 9 milhões

Publicado

dia

A Globalweb Outsourcing, fundada por Cristina Boner, venceu licitação de R$ 8,999 milhões na Postal Saúde, subsidiária dos Correios que opera planos privados de saúde.

A empresa, hoje em nome da filha de Cristina, Bruna Boner Leo Silva, será contratada para serviços de computação em nuvem por três anos.

A Globalweb ficou em segundo lugar no pregão eletrônico da licitação, mas a primeira colocada, com preço 1 centavo mais barato, foi desclassificada por critérios técnicos.

A empresa é investigada no Tribunal de Contas da União por contratos e aditivos de R$ 218 milhões firmados durante o governo de Jair Bolsonaro.

Cristina Boner é ex-mulher de Frederick Wassef, ex-advogado de Flávio e Jair Bolsonaro.

Fonte: O Antagonista

Ver mais

Brasil

Moro pede ao STF depoimento presencial de Jair Bolsonaro

Publicado

dia

Ex-ministro Sergio Moro

Ex-ministro da Justiça quer manter o entendimento do ministro Celso de Mello

O ex-ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira (5), que mantenha o entendimento do ministro Celso de Mello, decano da corte, que determinou o depoimento presencial do presidente Jair Bolsonaro no inquérito que apura sua suposta tentativa de interferência na Polícia Federal.

Os advogados do ex-juiz da Lava Jato citam precedentes anteriores da corte e falam ainda em ‘equidade de posições’ entre ouvidos nas investigações, levando em consideração que Moro prestou depoimento presencialmente na Polícia Federal no âmbito das apurações.

A manifestação se deu em contrarrazões apresentadas por Moro no âmbito do recurso em que a Advocacia-Geral da União questiona a decisão de Celso de Mello. O decano determinou a oitiva presencial de Bolsonaro por considerar que a possibilidade de depoimento por escrito não se aplica a casos em que os chefes dos Poderes figuram como investigados, tendo citado em sua decisão diferentes precedentes da corte em tal sentido. O tema chegou a ter impasses durante a licença médica de Celso, tendo o vice-decano, Marco Aurélio Mello, suspendido as investigações do inquérito Moro x Bolsonaro até que a corte decidisse sobre o caso, além de ter enviado o processo para o plenário virtual do Supremo.

Após antecipar seu retorno à Corte, assim como sua aposentadoria, Celso de Mello retirou o caso do plenário virtual e, nesta segunda, 5, pediu que o presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, inclua o caso na pauta de julgamentos do tribunal. Existe uma expectativa de que o presidente da corte indique para julgamento o processo já nesta quarta-feira, 07, devido à proximidade da aposentadoria de Celso de Mello, marcada para 13 de outubro. Auxiliares de Fux afirmam que seria difícil o presidente recusar este “último pedido” do decano do tribunal.

Na manifestação enviada ao Supremo, os advogados de Moro rebateram o principal argumento da AGU no pedido para que Bolsonaro fosse ouvido por escrito – o precedente do ex-presidente Michel Temer, que depôs por escrito em inquéritos em que era investigado por decisão dos ministro Luís Roberto Barroso e Edson Fachin.

No entanto, os defensores de Moro frisam que ‘é preciso reconhecer que a exceção à regra’ no caso em que o relator da Operação Lava Jato no Supremo avalizou o depoimento por escrito do ex-vice de Dilma. Segundo os advogados do ex-juiz da Lava Jato tal exceção se deu ‘em razão das particularidades do caso concreto’, as quais não se repetem na no caso de Bolsonaro, ‘haja vista o reiterado pronunciamento da autoridade policial pela necessidade de oitiva presencial e leitura jurídica da norma realizada pelo relator’.

Outro argumento de Moro é o de que a decisão de Celso de Mello ‘prestigia a equidade de posições entre aqueles que ostentam a condição de arguidos em procedimento investigatório’. Isso porque, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, que também aparece como investigado no inquérito sobre suposta tentativa de interferência política na PF, foi ouvido presencialmente no âmbito das investigações no início de maio. A oitiva, realizada em Curitiba, base da operação que Moro conduziu por anos antes de entrar para o governo Bolsonaro, durou mais de oito horas.

Ver mais

Brasil

“Russomano é amigo e estou pronto a ajudá-lo”, diz Bolsonaro

Publicado

dia

Presidente anunciou publicamente que apoiará candidato do Republicanos

Apesar de dizer inicialmente que não apoiaria qualquer nome para as eleições municipais de 2020, o presidente Jair Bolsonaro decidiu entrar ativamente no pleito e anunciou publicamente que o primeiro nome a receber seu apoio no pleito deste ano será o candidato do Republicanos para a Prefeitura de São Paulo, Celso Russomano.

Durante conversa com jornalistas no Aeroporto de Congonhas, Bolsonaro disse que Russomano é “amigo de longa data” e que está pronto para ajudá-lo na disputa pelo comando do Executivo municipal da capital paulista.

– Não pretendia entrar nas decisões de eleições municipais, mas Russomano é um amigo de velha data e estou pronto para ajudá-lo no que for preciso – disse.

Russomano, que esteve no Aeroporto de Congonhas para receber o presidente da República, falou sobre o que ele chamou de “frente” para combater o presidente da República e ressaltou que qualquer articulação contra o líder do Executivo federal “não vai dar em absolutamente nada”.

– O que é triste é eles terem armado uma frente para combater o presidente Bolsonaro, usando a prefeitura inclusive, para fazer esse tipo de coisa. Não é assim que se faz política. Então, essa frente que eles estão criando aí, para combater o presidente Bolsonaro, não vai dar em absolutamente nada, pode ter certeza – completou.

Ver mais

Brasil

SP envia à Anvisa documento para registrar vacina, diz Doria

Publicado

dia

Governo do Estado acelera o processo de registro da CoronaVac, que está em sua última etapa de testagem

O governo do Estado de São Paulo enviou documentos à Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o registro da potencial vacina contra Covid-19 desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac e que está sendo testada no Brasil em estudo liderado pelo Instituto Butantan, disse nesta sexta-feira o governador do Estado, João Doria (PSDB).

“O governo do Estado de São Paulo registrou na Anvisa documentação da vacina CoronaVac para a análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e obtenção do seu registro. A Anvisa recebeu através da plataforma digital, criada para agilizar o procedimento de registro das vacinas, não apenas da CoronaVac”, disse Doria em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

“O objetivo é tornar o mais rápido possível, dentro das normas científicas e do protocolo da Anvisa, o processo de registro da CoronaVac, uma das vacinas mais promissoras na sua última etapa de testagem em todo o mundo”, acrescentou.

 

Ver mais

Aconteceu

PCDF deflagra Operação Poderoso Chefão

Publicado

dia

Nesta quinta-feira (17), policiais da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes

Cibernéticos – DRCC, juntamente com equipes do Departamento de Polícia Especializada e da SPCOM da 15a Delegacia de Polícia, além da participação dos Promotores de Justiça do Núcleo de Combate ao Crime cibernético do MPDFT – NCYBER, deflagraram a Operação Poderoso Chefão em desfavor de suspeitos de integrarem uma organização criminosa armada, especializada na prática de furtos mediante fraude a contas bancárias de vítimas de diversos Estados e do Distrito Federal. Os prejuízos arcados por pessoas físicas e jurídicas ultrapassam R$ 2,5 milhões.

A investigação é decorrente de vestígios obtidos após a prisão, realizada pela DRCC em agosto de 2019, de um dos líderes da organização e que apontaram para um extenso esquema de lavagem de capitais, envolvendo empresas de fachada, incluindo bancas na Feira dos Importados do DF, uma empresa de materiais de construção e um bar de narguilé.

Nesse sentido, após autorização judicial, nesta quinta-feira, os policiais cumpriram 23 mandados de prisão preventiva, 36 mandados de busca e apreensão em endereços no Distrito Federal, Goiás, São Paulo e Bahia, além do sequestro de 22 veículos e bloqueio de ativos financeiros que poderão totalizar R$ 10 milhões, a fim de garantir eventual ressarcimento das vítimas e pagamento de custas e multas processuais.

Ver mais

Hoje é

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?