Nossa rede

Mundo

Guerrilha recebe mísseis portáteis do governo Maduro

Publicado

dia

Parte dos 5 mil mísseis do governo Maduro foram repassados para guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN), da Colômbia, que se refugiam no país

Venezuela: um dos líderes guerrilheiros nega a cooperação entre chavismo e ELN (Lokman Ilhan/Getty Images)

São Paulo – A ameaça é leve, fácil de usar e eficiente – qualquer veículo aéreo que se desloque pelo espaço na distância entre 500 metros e 5,2 km, na altitude entre 10 metros e 3,5 mil metros, corre o risco de ser abatido bem depressa pelo míssil russo SA-24, o Igla-S, carregado com uma ogiva de 1,2 quilo de alto explosivo. A arma é portátil, para ser disparada por um homem só.

A Venezuela comprou 5 mil unidades desde 2010 e o país é de longe o maior usuário da América Latina. Agora, na hora da crise do regime de Nicolás Maduro, ameaçado por uma intervenção militar internacional, ele está repassando um número desconhecido de conjuntos de disparadores e de “agulhas” – como são chamados os mísseis finos e longos – para guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN), da Colômbia, que se refugiam desde 2017 em 12 dos 23 Estados venezuelanos. A informação circula entre os serviços de inteligência de Brasil e EUA, a partir de fontes colombianas.

Autoridades da Defesa do regime de Maduro contestam a informação. Um dos líderes guerrilheiros, Israel Ramírez, disse, em vídeo gravado em Havana, que não há cooperação entre chavismo e ELN. Mas não é o que sustenta o general Luis Navarro, comandante colombiano, segundo o qual os rebeldes, “ou certo número deles”, receberam instrução de combate para uso do Igla-S.

A negativa da Venezuela é interpretada pelo analista Pedro Scarpa, ex-pesquisador do Centro de Estudos Estratégicos da Universidade Militar Bolivariana, como “um artifício para justificar um ataque contra uma aeronave estrangeira. Se lançado pelo ELN, descaracterizaria o envolvimento da tropa regular venezuelana – e permitiria criar dúvida quanto à obtenção, por um desvio de estoque”.

O conceito do míssil foi apresentado na Rússia em 1972, entrou em produção em 1981 e é adotado, em três versões, por cerca de 30 países – o Brasil, entre eles. Desenhado para ser apoiado no ombro, o sistema pesa pouco mais de 17 quilos.

Um visor digital lateral e mais dois sensores acoplados fazem a localização do alvo em aproximação. Sinais claros de cor, vibração e barras indicam a sequência para o disparo e, quase como em um videogame, a exatidão do enquadramento. É o suficiente. O preço varia segundo dispositivos opcionais, mas pode custar entre US$ 60 mil e US$ 90 mil. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Comentário

Mundo

Imagens sugerem que base de mísseis na Coreia do Norte foi aprimorada

Publicado

dia

Segundo um grupo de pesquisas dos EUA, uma base de lançamento de mísseis no país foi aprimorada

Coreia do Norte: grupo dos EUA afirma que um veículo continua estacionado na instalação de observação, que registra dados (Korean Central News Agency (KCNA)/Reuters)

Um grupo de pesquisas dos Estados Unidos (EUA) informou que uma análise feita por seus integrantes indica que uma base de lançamento de mísseis na Coreia do Norte foi aprimorada.

Nessa quinta-feira (16), o grupo, denominado 38 North, divulgou os resultados da análise de imagens de satélite, que mostram a Estação de Lançamento de Satélite Sohae, em Tongchang-ri, localizada na parte noroeste da Coreia do Norte.

Segundo a equipe, uma foto tirada em 18 de abril parece mostrar que a construção de um prédio em L foi concluída em uma área onde são montados os componentes relacionados a lançamentos.

O grupo afirma que um veículo continua estacionado na instalação de observação, que registra dados.

Acredita-se que a estação de lançamento esteja pronta para entrar em operação.

 

Ver mais

Mundo

Negociação sobre o Brexit fracassa e May se vê mais perto da demissão

Publicado

dia

Nos últimos dias ficou claro que o acordo de May pode falhar novamente em uma quarta votação, marcada para o início de junho

Theresa May: temendo a permanência da primeira-ministra, os deputados conservadores pediram na quinta-feira que ela estabeleça uma data clara para sua partida (Francois Lenoir/Reuters)

As negociações entre o governo e a oposição para encontrar uma saída ao bloqueio do Brexit se romperam nesta sexta-feira (17), empurrando um pouco mais para a saída a primeira-ministra Theresa May, já pressionada por seu próprio partido.

As discussões “foram o mais longe possível”, anunciou o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, atribuindo o fracasso à “crescente fraqueza e instabilidade” do Executivo.

Iniciados no início de abril, esses contatos tinham como objetivo encontrar um acordo sobre o Brexit que pudesse obter o apoio da maioria parlamentar. Desde janeiro, a Casa rejeitou três vezes o texto assinado pela primeira-ministra em novembro com seus 27 parceiros europeus.

Segundo Corbyn, porém, nas últimas semanas, “a posição do governo se tornou cada vez mais instável, e sua autoridade foi corroída”, minando a “confiança na capacidade do Executivo de chegar a um acordo”.

“Muitas vezes, as propostas de sua equipe de negociação foram publicamente contraditas por declarações de outros membros do gabinete”, disse ele, enfatizando que tudo isso ocorria enquanto o Partido Conservador avançava no processo de seleção de um novo líder.

May prometeu aos conservadores mais eurocéticos que deixaria o cargo assim que conseguisse a aprovação do acordo negociado com Bruxelas. Ela chegou ao poder em 2016, após a renúncia de David Cameron em razão da vitória do Brexit no referendo.

Os eurocéticos consideram que a primeira-ministra fez concessões inaceitáveis à União Europeia durante os dois anos de negociações e não querem que ela continue no comando para a segunda, e mais importante, etapa do Brexit: o acordo sobre a futura relação entre ambas as partes.

Nos últimos dias, ficou claro, contudo, que o acordo de May pode falhar novamente em uma quarta votação, marcada para o início de junho na Câmara dos Comuns.

E, temendo a permanência da primeira-ministra, os deputados conservadores pediram na quinta-feira que ela estabeleça uma data clara para sua partida, independentemente do resultado da votação parlamentar.

“Com lágrimas nos olhos”

Depois dessa votação, explicou Graham Brady – responsável pela organização do grupo parlamentar conservador -, “ela e eu nos encontraremos novamente para chegar a um acordo sobre o cronograma para a eleição de um novo líder partidário”.

“E isso vai acontecer independentemente do resultado da nova votação”, ressaltou.

“Os homens de cinza disseram a uma Theresa May com lágrimas nos olhos que seu tempo acabou”, resumiu nesta sexta o jornal conservador “Daily Telegraph”.

“Na prática, isso significa que Theresa May partirá no final de julho, o mais tardar, para permitir que o partido eleja um novo líder a tempo de sua assembleia geral em setembro”, apontou o jornal, prevendo “uma luta” pelo poder que causará enormes divisões internas.

Enquanto May se reunia com Brady, o controverso ex-ministro das Relações Exteriores Boris Johnson, um fervoroso defensor do Brexit e um dos principais rivais de May dentro de sua própria formação, anunciou publicamente que seria um candidato para o cargo de primeiro-ministro.

Após o referendo de junho de 2016, em que 52% dos britânicos votaram a favor do Brexit, o Reino Unido deveria ter deixado a UE em 29 de março.

A repetida rejeição do Parlamento ao acordo de divórcio com Bruxelas levou May a pedir um adiamento “flexível” do Brexit, até 31 de outubro. O país pode deixar o bloco mais cedo se encontrar uma solução para o bloqueio.

 

Ver mais

Mundo

Segundo líder da oposição, diálogo pelo Brexit terá pausa

Publicado

dia

Segundo Jeremy Corbyn, conversas sobre o divórcio do Reino Unido e da União Europeia “foram agora o mais longe possível”

Brexit: Corbyn enviou uma carta à Theresa May (Hannah Mckay/Reuters)

Londres – Líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, a principal sigla da oposição, Jeremy Corbyn afirmou nesta sexta-feira que foi “o mais longe possível” nas conversas com o governo sobre a saída do país da União Europeia, o Brexit. Segundo ele, é preciso agora haver uma pausa no diálogo, embora Corbyn disse que estaria disposto a avaliar novas propostas mais adiante.

A decisão dos oposicionistas não foi uma surpresa e significa que a trajetória do país fora da UE continua a não ter clareza, quase três anos após eleitores votarem para abandonar o bloco, no plebiscito de 2016.

Em carta à premiê Theresa May, Corbyn afirmou que as conversas entre as partes sobre o Brexit em busca de uma maioria entre os legisladores britânicos para o Brexit “foram agora o mais longe possível”.

Corbyn disse que o Partido Trabalhista havia abandonado as conversas porque negociadores mostraram-se incapazes de acertar suas diferenças. Ele acrescentou que seu partido está cada vez mais preocupado a respeito de qualquer acordo, já que a premiê deve deixar o posto dentro de meses.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade