Nossa rede

Mundo

França aprova lei para reconstruir Catedral de Notre-Dame

Publicado

dia

Aprovação da lei, após meses de disputas, marca apenas o início de um processo de reconstrução cheio de polêmicas e altamente controverso

Catedral de Notre-Dame: local foi destruído por um incêndio em 15 de abril (Rafael Yaghobzadeh/Reuters)

A Assembleia Nacional da França aprovou uma lei para a reconstrução da Catedral de Notre-Dame, em Paris, destruída por um incêndio em 15 de abril. A votação terminou com 91 votos a favor, oito contrários e 33 abstenções.

A medida aprovada, cercada de controvérsias, poderá permitir a construção de um novo pináculo – uma espécie de torre que forma a parte mais alta da construção – com características modernas, em substituição ao anterior, do século 19, que entrou em colapso em meio às chamas.

A decisão da Assembleia Nacional (câmara baixa do Parlamento francês), onde o partido do presidente Emmanuel Macron possui maioria, prevaleceu sobre a do Senado (câmara alta), controlada pela oposição. Em votação anterior, os senadores haviam decidido que a catedral deveria ser reconstruída mantendo exatamente as mesmas características de antes do incêndio.

A aprovação da lei após meses de disputas marca apenas o início de um processo de reconstrução cheio de polêmicas e altamente controverso. “A parte mais difícil virá a partir de agora. Precisamos reforçar a catedral de modo permanente para então reformá-la”, disse o ministro francês da Cultura, Franck Riester.

Macron afirmou que a reconstrução deve ser concluída dentro de cinco anos, o que alguns especialistas consideram uma meta demasiadamente ambiciosa.

O presidente anunciou um concurso internacional que, segundo afirmou, poderia resultar em uma “expressão arquitetônica contemporânea” para substituir o pináculo destruído. A medida gerou fortes reações na sociedade francesa.

Em abril, uma pesquisa indicou que a maioria dos franceses prefere que a Notre-Dame seja reconstruída com as mesmas características de antes do incêndio, que também destruiu a cobertura e danificou a estrutura de pedra do teto abobadado.

A forma arquitetônica da catedral não foi diretamente mencionada no texto da nova lei, mas chegou a ser discutida na Assembleia, onde muitos parlamentares expressaram preocupação com os planos de Macron. A oposição afirmou que o processo estava sendo apressado simplesmente para assegurar que a reconstrução esteja pronta antes dos Jogos Olímpicos de 2024, que serão realizados em Paris.

“Não estamos confundindo rapidez com pressa”, rebateu Riester, alertando que a catedral não está “inteiramente a salvo” e que há risco de colapso em algumas áreas. “O objetivo é dar à Notre-Dame uma restauração adequada para o lugar que ela possui no coração dos franceses e do mundo inteiro”, disse o ministro.

A nova lei prevê a arrecadação de 850 milhões de euros através de contribuições prometidas por empresas e doadores privados. Segundo Riester, apenas 10% desse montante anunciado foi efetivamente repassado.

O antigo pináculo, que ficava a uma altura de 93 metros, foi obra do restaurador do século 19 Eugène Viollet-le-Duc, em substituição a uma estrutura medieval destruída no século 18. O edifício da Notre-Dame e a área ao redor, que cobre a margem do Rio Sena, são considerados patrimônios mundiais pela Unesco.

Comentário

Mundo

Brexit: Reino Unido e UE concordam em intensificar a busca por um acordo

Publicado

dia

Com menos de sete semanas faltando para o Brexit, ainda não há certezas sobre os rumos da saída do Reino Unido da União Europeia

Brexit: Boris Johnson e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker se reuniram nesta segunda (16) (Stefan Rousseau – PA Images/Getty Images)

São Paulo – O primeiro-ministro britânico Boris Johnson e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, concordaram nesta segunda-feira sobre a necessidade de intensificar os contatos em busca de um acordo de divórcio faltando 45 dias para o Brexit, informou Downing Street.

“Os líderes concordaram que as discussões devem se intensificar e as reuniões diárias serão realizadas em breve”, de acordo com um comunicado divulgado no final da reunião no Luxemburgo.

Os contatos devem ocorrer no nível político entre os dois chefes das negociações e as negociações entre Juncker e Johnson continuarão, afirma o texto.

Antes, a Comissão Europeia afirmou que o Reino Unido ainda não apresentou alternativas viáveis aos termos atuais do contrato de divórcio fechado em novembro com a UE.

“O presidente Juncker lembrou que é responsabilidade do Reino Unido apresentar soluções legalmente operacionais compatíveis com o acordo de retirada. Essas propostas ainda não foram feitas”, afirmou o executivo da comunidade em comunicado.

 

Ver mais

Mundo

Indonésia investiga dezenas de empresas suspeitas de provocar incêndios

Publicado

dia

Mais de 9 mil soldados dos bombeiros tentam combater os incêndios, que dispararam desde o início do mês e provocaram o cancelamento de voos na Indonésia

Indonésia: um terço dos focos de calor estão em concessões de óleo de palma (17%), fábricas de papel (11%) ou madeira (3%) (Antara Foto/Bayu Pratama S/Reuters)

Jacarta — Mais de 30 empresas das ilhas de Sumatra e Bornéu estão sendo investigadas pelas autoridades da Indonésia como suspeitas de provocar parte dos graves incêndios sofridos pelo arquipélago asiático há meses, informaram fontes oficiais nesta segunda-feira.

Os terrenos das companhias foram isolados pela polícia e as empresas podem enfrentar processos legais, disse à Agência Efe, o porta-voz do Ministério do Meio Ambiente, Djati Witjaksono Hadi.

Entre as companhias investigadas estão quatro subsidiárias de empresas malaias e uma de Singapura que administra plantações de óleo de palma, um setor responsável por grande parte do desmatamento na Indonésia.

O porta-voz não deu mais detalhes sobre a identidade das empresas ou as acusações que poderiam ser movidas contra elas.

Os incêndios na Indonésia, que começaram no início da estação seca em junho e pioraram este mês, causaram uma crise ambiental, sanitária e diplomática, já que a fumaça se espalhou para Malásia e Singapura.

As nuvens de fumaça causaram o atraso e o cancelamento de centenas de voos este mês, o fechamento de escolas em Sumatra e Bornéu e pioraram até piorar o nível de insalubridade da qualidade do ar em Singapura e Malásia, cujos governos pediram à Indonésia que tome medidas a respeito.

Das milhares de fontes de calor detectadas por satélite, cujo número disparou desde o início do mês, quase um terço está em concessões de óleo de palma (17%), fábricas de papel (11%) ou madeira (3%), como indicado hoje pela Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, sigla em indonésio).

Mais de 9 mil soldados dos bombeiros e outras agências indonésias combatem os incêndios, especialmente graves na região central e norte de Sumatra e no centro e oeste de Bornéu, onde as autoridades onde as autoridades da Malásia e da Indonésia também tentam provocar chuvas descarregando compostos químicos nas nuvens.

As autoridades indonésias calcularam que, até agosto, que 320 mil hectares foram calcinados e 39% das fontes de calor atuais estão localizadas em turfeiras, um solo rico em carbono cuja queima tem um enorme impacto nas emissões de CO2 e o aquecimento global.

 

Ver mais

Mundo

Coalizão árabe diz que ataque na Arábia Saudita não foi lançado do Iêmen

Publicado

dia

A coalizão árabe afirmou que as evidências indicam que as armas utilizadas no ataque contra duas refinarias na Arábia Saudita são iranianas

Arábia Saudita: ataque com drones atingiu duas refinarias da petroleira saudita no final de semana (Stringer/Reuters)

Riad — O porta-voz da coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita, Turki al-Maliki, informou nesta segunda-feira que, de acordo com as investigações preliminares, os ataques cometidos no sábado contra duas refinarias da petroleira saudita Aramco não foram lançados do Iêmen, embora os rebeldes houthis tenham reivindicado a autoria da ofensiva.

“Como informação preliminar, o ataque não foi lançado do território iemenita, como haviam reivindicado os houthis, já que eles são instrumentos nas mãos da Guarda Revolucionária iraniana para cumprirem a agenda do Irã”, afirmou o porta-voz em entrevista coletiva em Riad.

“As investigações com as entidades competentes seguem em andamento, mas as evidências e indícios apontam que são armas iranianas”, disse o representante da coalizão, que acusou o Irã de estar por trás do “covarde ato terrorista”.

Maliki não deu mais detalhes sobre os ataques. Segundo ele, os resultados definitivos “serão anunciados assim que terminarem as investigações e as armas serão expostas à imprensa”.

“Estamos trabalhando para precisar o lugar de lançamento da operação”, detalhou Maliki, acrescentando que os ataques não tiveram como alvo somente a economia saudita, “mas a segurança econômica mundial”.

Os rebeldes houthis reivindicaram o ataque de sábado, cometido com dez drones contra duas refinarias da Aramco no noroeste da Arábia Saudita. No entanto, Estados Unidos e o governo do Iêmen acusaram o Irã.

A ofensiva provocou um corte de praticamente metade da produção da maior petroleira do mundo, afetando bolsas de valores e preços do petróleo ao redor do planeta.

Apesar da reivindicação dos houthis, surgiram especulações de que esses ataques poderiam ter sido lançados do Iraque, onde há milícias xiitas respaldadas pelo Irã, o que Bagdá negou no domingo.

O primeiro-ministro iraquiano, Adil Abdul-Mahdi, declarou em conversa por telefone com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, que o Iraque não permite que o seu território seja utilizado contra países vizinhos.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade