Nossa rede

É Destaque

Evangélicos do DF se unem para ganhar força nas próximas eleições

Publicado

dia

Além da Câmara dos Deputados e do Senado, alguns nomes cobiçam a concorrência para o Palácio do Buriti

 

Presidente regional do PRB, Wanderley Tavares (E) é nome forte na disputa pelo Buriti; Cristovam Buarque (C) pode se aliar a evangélicos na tentativa de reeleição ao Senado; Bispo Rodovalho (D) se destaca em pesquisas eleitorais, mas não definiu posicionamento

 

Em 2014, eles elegeram nove deputados distritais e cinco federais. De olho na corrida eleitoral de 2018, os planos são mais ambiciosos: aumentar a representação e alcançar o protagonismo dos cargos majoritários — Palácio do Buriti, Vice-Governadoria e Senado. Para cumprir a missão, os evangélicos inflamaram as negociações nos bastidores do cenário político do Distrito Federal. Nas últimas semanas, PRB, PSC e PHS intensificaram a aproximação com o senador Cristovam Buarque (PPS-DF). O Pros, do deputado federal e pastor Ronaldo Fonseca, flerta com o governador Rodrigo Rollemberg (PSB), em busca de reeleição. E, com o recente reforço da ex-deputada distrital Eliana Pedrosa, o Podemos ganhou uma moeda de troca nas conversas que envolvem as negociações relativas ao próximo pleito.

A força política do segmento é inegável. Há 830 mil evangélicos na capital, segundo dados da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) de 2016 — fatia que representa 30,8% da população. Para se ter noção do alcance, apenas os distritais religiosos eleitos angariaram o apoio de 160.353 eleitores no último pleito. O PRB emplacou o parlamentar mais bem colocado: Julio Cesar, com 29.384 votos. Agora, ele deve concorrer para o cargo de deputado federal.

Os planos do PRB, contudo, são mais amplos. Presidente do diretório regional, Wanderley Tavares é um nome forte na disputa pelo Executivo local. Para ampliar o domínio, o empresário busca encorpar a aliança firmada com PHS e PSC com um dos mais tradicionais nomes da política local: Cristovam Buarque. O cenário é favorável. O parlamentar do PPS enfrentará as urnas pela primeira vez sem o apoio petista (leia Memória) e busca um novo grupo político para tentar a reeleição ao Senado.

 

Alianças

O possível acerto, que contaria, ainda, com PHS e PSC, de Jair Bolsonaro, deve ser ampliado. O grupo mantém contato com PSD e Solidariedade, dos deputados federais Rogério Rosso e Augusto Carvalho, respectivamente. “O PRB está conversando com todos os partidos. A ideia é compor uma aliança cristã, com um grupo cuja unidade se dê pelas boas ideias”, pontuou Wanderley Tavares. O republicano também busca outros pré-candidatos ao Palácio do Buriti, como Jofran Frejat (PR), Izalci Lucas (PSDB) e Alírio Neto (PTB).

A coalizão cristã busca outros nomes com grande representação no segmento. O ex-deputado federal e fundador da Igreja Sara Nossa Terra, bispo Robson Rodovalho (PP), é sondado regularmente pelo grupo — e por várias outras prematuras coligações. Apesar de não confirmar sua candidatura, ele costuma aparecer bem posicionado nas pesquisas de intenções de votos.

Em 2006, conquistou o cargo de deputado federal, alcançando o apoio de evangélicos e da Igreja Católica. Enquanto o ex-parlamentar não define o posicionamento para as próximas eleições, a mulher dele, bispa Lúcia Rodovalho, torna-se alvo de grandes alianças. Um partido de direita chegou a oferecer a candidatura à Vice-Governadoria à líder evangélica.

 

Palanque

As siglas PRB, PSC e PHS ainda buscam uma aproximação com o Podemos, antigo PTN. A sigla da ex-deputada distrital Eliana Pedrosa mira uma vaga majoritária, com o intuito de usá-la como palanque para a campanha do pré-candidato ao Palácio do Planalto Álvaro Dias. “Queremos construir uma frente que assuma um compromisso com as bandeiras que o nosso partido defende. Entre elas, o respeito à família”, destacou o presidente do diretório regional, distrital Rodrigo Delmasso.

A legenda do parlamentar, entretanto, não fechou as portas para o PSB, de Rollemberg — Delmasso teve um encontro informal com o governador na semana passada. Ainda assim, as diferentes posições podem ser um empecilho para fechar o acordo. Neste ano, após o governador regulamentar, depois de 17 anos, a lei anti-homofobia, que prevê punições em casos de discriminação por orientação sexual, um movimento da frente evangélica, comandada pelo distrital, derrubou a legislação. Outro embate aconteceu quando o chefe do Palácio do Buriti anunciou uma portaria da Secretaria de Cultura que criava uma política cultural específica para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais (LGBTI).

Nesse meio tempo, o partido socialista está mais próximo de fechar uma aliança com o Pros, de Ronaldo Fonseca. O deputado federal teve uma reunião com o governador no último dia 25 e deve encontrá-lo, novamente, na próxima semana. Nos bastidores, o entendimento é de que, atualmente, há maior possibilidade de a legenda fechar com o PSB do que com a frente evangélica.

830 mil
Quantidade de evangélicos no Distrito Federal, segundo dados de 2016 da Companhia de Planejamento do Distrito Federal
(Codeplan)


30,8%
Parcela da população de evangélicos


37,5%
Dos deputados distritais são evangélicos

62,5%
Dos deputados federais eleitos pelo DF integram a frente parlamentar evangélica do Congresso Nacional


Articulações

Partidos envolvidos na negociação

 
PRB
A sigla, comandada no Distrito Federal pelo pastor Wanderley Tavares, conta com a força da Igreja Universal do Reino de Deus. O nome do presidente do diretório regional é cotado para o Palácio do Buriti — oficialmente, ele não confirma que concorrerá ao cargo. Nome forte no segmento evangélico, o correligionário Egmar Tavares se colocou à disposição do partido para disputar qualquer posto. A legenda ainda lançará a deputado federal Julio Cesar, distrital mais votado nas últimas eleições.
PPS 
Sem ninho, o principal nome do partido, senador Cristovam Buarque, busca espaço no campo político. O parlamentar do PPS conversa diariamente com lideranças evangélicas e buscará o apoio de Rogério Rosso e Augusto Carvalho, presidentes das Executivas Regionais do PSD e do Solidariedade, respectivamente. O partido também se movimentará por cargos eletivos, com o nome da distrital Celina Leão para o posto de deputada federal.
PSC 
Sem grandes nomes para a disputa pelo Palácio do Buriti, Vice-Governadoria ou Senado, a sigla se movimenta para angariar apoio e conquistar cargos na Câmara dos Deputados e na Câmara Legislativa. Nas conversas, pesa o fato de o pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro compor o time do partido. Uma eventual aliança significa força para campanhas por cargos eletivos e majoritários.
PHS 
O partido trabalha, a princípio, para integrar proporcionais de deputado federal e distrital. A disputa por cargos majoritários dependeria diretamente do tamanho da chapa e dos nomes envolvidos. Na Câmara Legislativa, a legenda é representada por Lira.
Podemos
Antigo PTN, o partido recebeu, no último mês, um nome tradicional no meio político: Eliana Pedrosa. A ex-deputada distrital e ex-secretária de Estado nas gestões de Joaquim Roriz e José Roberto Arruda deve entrar na disputa por um cargo majoritário, uma vez que o Podemos precisa de palanque em Brasília para promover a campanha pelo pré-candidato ao Palácio do Planalto Álvaro Dias.

MEMÓRIA

Sem apoio dos petistas

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) enfrentará as urnas longe dos braços dos petistas pela primeira vez. Desde que apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o parlamentar virou alvo do PT. Uma reconciliação é considerada inviável. Na visão de eleitores e filiados ao Partido dos Trabalhadores, ele contradisse o histórico político, uma vez que foi governador do DF e senador pela legenda, além de ocupar o posto de ministro da Educação no mandato de Lula — Cristovam deixou a sigla após ser demitido do ministério, por telefone.

 Fonte:  Ana Viriato/Correio Braziliense

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

É Destaque

Após Moro virar réu, Lula diz: ‘Espero que ele tenha o direito de defesa que não tive na Lava Jato’

Publicado

dia

Por

Petista espera que ex-ministro da Justiça disponha de direito de defesa e presunção de inocência, além de um julgamento “digno decente e respeitoso”

© Folhapress / Marlene Bergamo

Nesta terça-feira (24), o ex-juiz, Sergio Moro (União Brasil), virou réu em uma ação popular apresentada por deputados federais do PT, onde pedem a condenação do ex-juiz por prejuízos causados à Petrobras e à economia brasileira, conforme noticiado.
Após a decisão da Justiça, o ex-presidente Lula disse hoje (23) esperar que Moro tenha o direito de defesa que ele não teve durante a Lava Jato.

“Só espero que ele tenha o direito de defesa e a presunção de inocência que eu não tive com ele [na Lava Jato]. Espero que ele tenha um julgamento digno, decente e respeitoso. Mas acho que Moro cometeu um crime contra esse país”, declarou Lula citado pela Folha de São Paulo.

O petista disse ainda esperar que o ex-ministro da Justiça possa ter um tratamento honesto por parte da imprensa, e não com a cobertura parcial que ele afirma ter tido quando investigado e condenado nos casos do tríplex e do sítio, segundo a mídia.o.
A ação judicial do partido foi apresentada no dia 27 de abril e enviada à 2ª Vara Federal Cível de Brasília. Na segunda-feira (23), o juiz federal Charles Renaud Frazão de Morais recebeu a inicial, o que significa que dará curso à ação. E determinou: “Cite-se o réu”.
Se acordo com a Folha, os petistas não estipularam o valor da indenização a ser pago em caso de condenação.
Ver mais

É Destaque

Projeto que propõe censura a pesquisas eleitorais avança no Senado

Publicado

dia

Por

Mudanças também incluem enfraquecimento da fiscalização dos partidos e afrouxamento da Lei da Ficha Limpa

(Flickr/Edilson Rodrigues/Agência Senado)

O projeto que altera o Código Eleitoral e censura a divulgação de pesquisas no dia do pleito, aprovado pela Câmara dos Deputados no ano passado, avançou no Senado. O relator, Alexandre Silveira (PSD-MG), comunicou aos colegas que seu parecer estará pronto nas próximas semanas.

Entre os líderes, porém, não há consenso sobre o melhor momento para a votação. Segundo fontes próximas ao presidente Rodrigo Pacheco (DEM-MG), há disposição para votar o texto, mas ainda não foi definido se essa votação ocorreria antes das eleições desse ano.

Com 898 artigos, a legislação traz novas regras que diminuem a transparência e enfraquecem a fiscalização de partidos. Entre os pontos criticados por especialistas estão o enfraquecimento da Lei da Ficha Limpa e medidas que afrouxam o controle de gastos do Fundo Partidário. O projeto impõe ainda a censura ao proibir a divulgação de pesquisas eleitorais na véspera e no dia do pleito.

Alguns senadores defendem que o projeto seja votado agora, mesmo que certas medidas só possam valer nas próximas eleições. O princípio da anualidade determina que regras eleitorais só podem ser alteradas até um ano antes do pleito — é discutível a quais pontos do projeto ele se aplica.

— Tivemos reuniões sobre o projeto no ano passado e com o novo relator deve agora avançar, e é necessário. Não para essa, mas para as eleições seguintes, naturalmente — diz o senador Carlos Portinho (RJ), líder do PL.

Portinho defende que a exigência de uma “taxa de acerto” das pesquisas eleitorais, por exemplo, poderia valer a partir de agora, por não se tratar de uma regra de processo eleitoral.

Outros senadores discordam. Álvaro Dias (PR), líder do Podemos, afirma que o projeto não é prioridade no momento e que regras sobre pesquisas eleitorais fazem parte do processo eleitoral e devem respeitar a anualidade.

— Seria mudar as regras do jogo em meio à competição. Não acho que seja o momento adequado para essa discussão — disse Álvaro Dias.

Um dos motivos para a reforma do Código aprovada na Câmara dos Deputados foi a tentativa de impedir o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de criar normas sem a previsão do Congresso. Para parlamentares, o tribunal acabou “legislando”, por exemplo, quando criou as regras sobre cotas de gênero, racial e sobre divisão de recursos do fundo eleitoral.

O projeto inclui o princípio da anualidade para decisões do TSE. Regras que afetam o pleito não poderão ser alteradas pela Justiça em prazo anterior a um ano do pleito. Permite também ao Congresso Nacional cassar resolução do TSE que considere exorbitar os limites e atribuições previstos em lei.

O texto aprovado na Câmara também altera o período de inelegibilidade definido pela Ficha Limpa. O prazo continua a ser de oito anos, mas começará a contar a partir da condenação. Antes, era após o cumprimento da pena, o que torna a punição mais longa.

Procurado, o senador Alexandre Silveira não respondeu sobre eventuais alterações ao projeto da Câmara que tenha sugerido em seu relatório, que ainda não foi divulgado.

Ver mais

É Destaque

Rodrigo Maia vira meme ao perder a chance de chefiar campanha de João Doria

Publicado

dia

Por

Com a desistência de João Doria (PSDB) de se candidatar à Presidência da República, quem acabou caindo na boca do povo foi Rodrigo Maia. E tem gente comparando o ex-presidente da Câmara a um personagem da “Turma do Chaves”.

© Folhapress / Bruno Rocha/Agência Enquadrar

Na segunda-feira (23), o tucano João Doria anunciou ter desistido de concorrer à Presidência do Brasil por pressão do seu partido, o PSDB. A cúpula tucana estaria mais de acordo a apoiar a candidatura da senadora Simone Tebet (MDB). “Serenamente entendo que não sou a escolha da cúpula do PSDB”, lamentou Doria.
Não demorou muito para o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, consolar o amigo Doria.
Há de ressaltar que Rodrigo Maia era uma peça importante no projeto de João Doria de concorrer à Presidência pelo PSDB, vindo a ser responsável pela coordenação do plano de governo da candidatura do tucano.
A candidatura do ex-governador de São Paulo acabou não se concretizando, assim como os planos de Maia de ser o chefe de campanha de Doria. No Twitter, estão dizendo que Rodrigo Maia acabou caindo em promessa que nunca será cumprida por João Doria.
Ver mais

É Destaque

Sergio Moro vira réu em ação apresentada por deputados do PT

Publicado

dia

Por

O ex-juiz Sergio Moro virou réu em uma ação popular apresentada por deputados federais do PT, onde pedem a condenação do ex-juiz por prejuízos causados à Petrobras e à economia brasileira.

© Pedro Ladeira

O ex-juiz Sérgio Moro virou réu em uma ação popular apresentada por deputados do PT na Justiça Federal do DF.
O juiz Charles Renaud Frazão de Morais recebeu a petição inicial na segunda-feira (23), o que, por sua vez, determinou a citação de Moro.
Na ação, os deputados pedem que Moro seja condenado a ressarcir os cofres públicos por alegados prejuízos à Petrobras por sua atuação na Lava Jato.
Conforme a Folha de São Paulo, os parlamentares do PT afirmam que Moro “manipulou a maior empresa brasileira, a Petrobras, como mero instrumento útil ao acobertamento dos seus interesses pessoais”, e que esta atitude teria afetado toda a cadeia produtiva e mercantil do país.
Além disso, a ação cita que Moro teve “condutas profundamente alheias aos ditames imponíveis à atividade judicial”, alegando que desvios de finalidade, excessos e abusos cometidos pela Lava Jato “resultaram em perdas e danos superiores ao interesse público”.
Ver mais

É Destaque

O PSDB cancela reunião que definiria apoio à Tebet

Publicado

dia

Por

A questão do adiamento envolve forças políticas dentro do ninho tucano que viram uma oportunidade de lançar um outro nome como candidato

(Agência Brasil/Marcelo Camargo)

O PSDB decidiu cancelar a reunião da Comissão Executiva Nacional que estava convocada para esta terça-feira, 24, informou o partido . Após a desistência do ex-governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de concorrer ao Palácio do Planalto, o encontro dos líderes da legenda definiria o apoio à senadora Simone Tebet (MDB) como cabeça de chapa da terceira via, no acordo que também envolve o Cidadania.

A questão do adiamento envolve forças políticas dentro do ninho tucano, capitaneadas pelo deputado federal Aécio Neves, que viram uma oportunidade de lançar um outro nome como candidato à Presidência pelo partido. A ideia seria sugerir Eduardo Leite, que ficou em segundo lugar nas prévias do partido, realizadas no fim do ano passado. Ocorre que o presidente da legenda, Bruno Araújo, defende o apoio à Tebet. Por conta do impasse, a decisão do partido foi adiada.

Nesta segunda-feira, 23, o ex-governador de São Paulo não aguentou a pressão e desistiu de concorrer à Presidência da República. O anúncio foi feito logo depois de uma reunião com líderes do PSDB.  Desde a semana passada, os caciques do partido tentavam fazer com que o ex-governador desistisse espontaneamente de concorrer.

A situação ficou mais complicada na semana passada quando MDB, PSDB e Cidadania indicaram, de forma ainda não definitiva, que a senadora Simone Tebet será a cabeça de chapa dos três partidos na disputa ao Palácio do Planalto, representando a terceira via. A decisão, de fato, sairia somente nesta terça-feira após reunião da Executiva das três legendas, realizadas de forma separada.

No conjunto de motivos da desistência de Doria estava a resistência ao seu nome dentro do próprio ninho tucano. Desde que venceu as conturbadas prévias do PSDB vários líderes não aceitaram seu nome, preferindo o ex-governador do Rio Grande do Sul.

No último dia para deixar o comando do governo de São Paulo por conta da Lei Eleitoral, no fim de março, Doria ameaçou desistir dos planos de concorrer à Presidência, ficar no cargo até o fim do mandato, e sair da vida pública em janeiro de 2023. Aos 45 do segundo tempo, ele renunciou ao mandato com a condição de que teria o apoio do PSDB. Agora, isolado, deixou a vida pública com um “até breve”.

Ver mais

É Destaque

Cientistas criam tomate transgênico com vitamina D equivalente a de 2 ovos

Publicado

dia

Por

Esse tipo de vitamina é responsável por regular nutrientes como o cálcio, essencial para manter os ossos, dentes e músculos saudáveis

(Reprodução/Suzie Howell/The New York Times)

 

Cientistas britânicos modificaram a composição genética de tomates para torná-los uma fonte robusta de vitamina D, que é responsável por regular nutrientes como o cálcio, essencial para manter os ossos, dentes e músculos saudáveis.

Estima-se que 1 bilhão de pessoas no mundo sofram de carência de vitamina D, o que está associado a uma infinidade de condições, desde câncer a doenças cardiovasculares.

Liderada por pesquisadores do John Innes Center, em Norwich, a iniciativa também pode ajudar pessoas adeptas ao veganismo (que não se alimentam de nenhum produto que contenha carne, ovos, leite, mel ou outros ingredientes derivados de animais). Embora a vitamina D seja criada em nossos corpos após a exposição à luz solar, sua principal fonte são os alimentos, especialmente laticínios e carnes.

Como as folhas de tomate contêm naturalmente um dos blocos de construção da vitamina D3, chamado 7-DHC, os cientistas usaram a ferramenta Crispr — uma espécie de “tesoura genética” — para ajustar o genoma da planta, de modo que o 7-DHC se acumule substancialmente no fruto do tomate, bem como nas folhas.

Depois que as folhas e o fruto fatiado foram expostos à luz ultravioleta por 1 hora, um tomate continha níveis equivalentes de vitamina D a dois ovos de tamanho médio ou 28 gramas de atum, escreveram os pesquisadores em um artigo publicado na revista científica Nature Plants.

A vitamina D3 é considerada a melhor para aumentar os níveis de vitamina D no corpo. E a maioria dos seus suplementos vem da lanolina, que é extraída da lã de ovelha. Como a ovelha permanece viva, funciona para vegetarianos, mas não para veganos.

Os cientistas agora estão avaliando se a luz do Sol, em vez da luz ultravioleta, pode efetivamente converter 7-DHC em vitamina D3.

Novas regulações no Reino Unido permitiram que os pesquisadores avaliassem essa teoria — mas pode levar algum tempo até os tomates que estejam prontos para chegar às prateleiras dos supermercados.

De acordo com Jie Li, principal autor do estudo, dois tomates geneticamente modificados de tamanho médio devem ser suficientes para suprimir as necessidades humanas básicas de ingestão de vitamina D de fontes alimentares. Ainda segundo ele, é quase imperceptível a diferença entre esses tomates transgênicos e um tomate selvagem.

“Eles têm gosto de tomate”, acrescentou Cathie Martin, outra autora do estudo.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?