Nossa rede

Brasília

Empresa investigada por superfaturamento no Mané Garrincha assume obras do metrô no DF

Publicado

dia

Metrô diz que ‘não há impeditivo legal’ para contratar companhia, que ressalta ‘excelência de suas obras’. Estação na Asa Sul custará R$ 18,7 milhões, 9,5% a menos do que o previsto.

Estação de metrô no Distrito Federal (Foto: Tony Winston/Agência Brasília)

A Via Engenharia foi a vencedora da licitação para construir a estação Cine Brasília do metrô do Distrito Federal, na 106 Sul. A obra custará R$ 18,7 milhões aos cofres públicos – uma diminuição de 9,5% em relação ao valor inicialmente previsto, de R$ 20,7 milhões. O resultado do certame foi publicado na edição desta quarta-feira (14) do Diário Oficial do DF.

A empresa foi alvo da Operação Panatenaico em 2017, durante investigação da Polícia Federal sobre um suposto esquema de corrupção que superfaturou obras do estádio Mané Garrincha, em Brasília, em troca de propina. No total, 21 pessoas foram indiciadas, entre as quais o presidente da Via, Fernando Queiroz.

No ano passado, a companhia também foi alvo da Justiça do Distrito Federal, que determinou a suspensão de cláusulas do contrato de construção do novo Centro Administrativo do DF, construído em consórcio entre Odebrecht e Via Engenharia.

‘Não há impeditivo legal’

Questionado sobre a entrega da obra na Asa Sul à empresa, o Metrô do DF informou, em nota, que “até o momento, não há impeditivo legal que desabilite a empresa”. A ordem de serviço deve ser assinada até o fim do mês.

A empresa afirmou que a companhia “apresentou menor preço e qualificação, atendendo a todas as condições da convocação” e disse que “não pode impedir a participação de empresas”.

O Metrô informou que, “já que as maiores empreiteiras do país estão sendo investigadas por envolvimento em esquemas de corrupção”, pediu orientação a seis órgãos de controle – entre eles, a Controladoria-Geral, o Tribunal de Contas e o Ministério Público do DF – antes de lançar o edital.

Cláusula anticorrupção

A empresa disse ainda que o contrato da estação Cine Brasília prevê uma “cláusula anticorrupção inédita no Brasil”. O Metrô exige que a empresa assine um termo de conduta – é mandatório que tenha um programa de integridade interno com os funcionários, a fim de evitar atos de corrupção.

Em nota, a Via informou que o programa de integridade “está acessível no site do Grupo Via, e começou a ser implantado em julho de 2016”. A empresa ressaltou que “é reconhecida pela excelência de suas obras, atestadas por certificações internacionais de qualidade, de gestão ambiental e de segurança do trabalho”.

A única concorrente da Via Engenharia na obra na 106 Sul era o consórcio CGE-Convap, desclassificado por ter deixado de cumprir duas exigências do edital: apresentou preços unitários incompatíveis com preços de insumos e salários de mercado; e deixou de indicar microempresas para subcontratação compulsória.

Outra estação a caminho

O governador Rodrigo Rollemberg assinou, nesta quinta-feira (15), a ordem de serviço para concluir as obras da estação 110 Sul, paralisadas desde década de 1990.

As intervenções no local estão orçadas em R$ 23 milhões e compreendem a finalização da estação e a construção de passagem para pedestres (sob os Eixinhos e o Eixão) e de acessos em superfície. Cerca de 3 mil pessoas serão beneficiadas com a estação, segundo o GDF.

O trabalho na 110 Sul será retomado na próxima semana, de acordo com o diretor-presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado. “A obra tem todo um cronograma: a parte de acabamento, a de sinalização e a construção de duas passarelas. A previsão é de que até dezembro tudo esteja pronto”, disse.

 

Comentário

Política BSB

Bolsonaro diz que vai trabalhar pela modernização do Mercosul

Publicado

dia

Presidente discursou em reunião de chefes de Estado do bloco

Ao discursar na sessão plenária da 54ª Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, em Santa Fé, na Argentina, o presidente Jair Bolsonaro disse que vai trabalhar para acelerar a modernização do bloco sul-americano. Durante o encontro, o Brasil vai assumir a presidência pro tempore (rotativa) do grupo pelos próximos seis meses.
“Quero aproveitar a ocasião para firmar o compromisso do meu governo com a modernização e a abertura do nosso bloco, fazendo dele um instrumento de comércio com o mundo, sem o viés ideológico que tanto critiquei enquanto parlamentar. Vencemos essa barreira, e a conclusão do acordo de livre comércio com a União Europeia é resultado concreto dessa nova orientação”, disse.
Após o acordo com a União Europeia, Bolsonaro disse que o bloco planeja concluir as negociações com a Associação Europeia de Livre Comércio e avançar nas conversas com o Canadá, a Singapura e a Coreia.
O presidente destacou o acordo assinado, nesta terça-feira (17/7), que elimina a cobrança de roaming internacional de serviços de telecomunicações entre pessoas que residem nos países-membros do bloco. “Temos aí um exemplo da diferença para melhor que o Mercosul pode fazer no cotidiano do cidadão, eliminando dificuldades e burocracias.”
Bolsonaro também disse que o Brasil vai continuar o trabalho da presidência pro tempore argentina de revisão da tarifa externa comum (TEC) para a modernização da política comercial do Mercosul e de reforma institucional do bloco com enxugamento do número de órgãos. “Para que sigamos colhendo frutos, precisamos trabalhar por um Mercosul enxuto e dinâmico”, defendeu.
O presidente também afirmou que, à frente da presidência rotativa do grupo, vai focar nas negociações externas. “Compartilhamos a visão de que para cumprir seu papel de motor do desenvolvimento o nosso bloco deve se concentrar em três áreas: as negociações externas – aí com grande apoio do meu ministro das Relações Exteriores, no zelo das indicações das embaixadas também sem o viés ideológico do passado. E quem sabe um grande embaixador nos Estados Unidos brevemente. Então, focamos nisso, na nossa tarifa externa comum e em nossa reforma institucional.”
Ver mais

Política BSB

Caso de Adélio Bispo é arquivado sem recursos por parte de Bolsonaro

Publicado

dia

No dia 14 do mês passado, o juiz Bruno Savino decidiu que Adélio é inimputável, em razão de problemas mentais

 

 

(foto: Reprodução da Internet)

A 3ª Vara Federal em Juiz de Fora (MG) informou que não cabem mais recursos na decisão que inocentou Adélio Bispo do ataque que cometeu contra o presidente Jair Bolsonaro, ainda durante a campanha eleitoral, em setembro do ano passado. A defesa de Bolsonaro não apresentou recurso, o que levou o caso a ser encerrado pela Justiça.

No dia 14 do mês passado, o juiz Bruno Savino decidiu que Adélio é inimputável, em razão de problemas mentais. Na decisão, o magistrado aplica medidas alternativas e determina que ele seja mantido na prisão, por medida de segurança, tendo em vista seu alto grau de periculosidade. “Pelo exposto, em razão da inimputabilidade do réu ao tempo do fato, absolvo impropriamente Adélio Bispo de Oliveira, nos termos do art. 386, VI, do Código de Processo Penal”, diz um trecho do documento.

Dentro de três anos, de acordo com o despacho, Adélio deve passar por novos exames psicológicos, para saber se ele está recuperado e se poderá voltar ao convívio da sociedade. O agressor é portador de Transtorno Delirante Persistente. No dia 17 do mês passado, o Ministério Público foi notificado da decisão, mas não quis apresentar recurso. No dia 28 do mesmo mês, foi a vez da defesa do presidente, que também não recorreu. Os advogados de Adélio abriram mão do prazo de recurso, o que acelerou o arquivamento da ação. A Polícia Federal continua investigando, em um segundo inquérito, se outras pessoas participaram do atentado, como mandantes, ou se ajudaram na execução do ato.

Ver mais

Notícias DF

Rede Anjos do Amanhã recebe uma tonelada de alimentos

Publicado

dia

Rede solidária ajuda público atendido pela Vara da Infância e Juventude. Produtos foram arrecadados em um evento do Iate Cube de Brasília

A parceria entre a Rede Solidária e o Clube ocorre há três anos
(foto: TJDFT/Divulgação)

Pedir alimentos como entrada em eventos tem sido uma ótima forma de ajudar o próximo. Nesta semana, uma iniciativa do Iate Clube de Brasília recolheu uma tonelada de produtos, que foram entregues à Rede Solidária Anjos do Amanhã.
A parceria entre a rede e o clube ocorre há três anos. Em maio, um evento possibilitou a doação de meia tonelada de alimentos. Os produtos arrecadados serão destinados a instituições de acolhimento do Distrito Federal e famílias acompanhadas pelo Anjos do Amanhã.

Anjos do Amanhã

Criada em 2006 pela Vara da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), o Anjos do Amanhã é uma rede solidária que conta com apoio de voluntários em busca de recursos para destinar ao público atendido pela Vara da Infância e Juventude, entre crianças, adolescente e familiares.
Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade