Nossa rede

Saúde

Cresce no Brasil expectativa por vacinação em meados de janeiro

Publicado

dia

O Ministério da Saúde disse que uma “melhor hipótese” para o começo da vacinação seria em 20 de janeiro, mas Anvisa e Fiocruz correm contra o tempo

Dose de vacina contra a covid-19: projeção otimista do governo é começar vacinação em janeiro (Charles Platiau/Reuters)

As notícias desta semana aumentaram a expectativa de que o Brasil possa confirmar um começo de vacinação ainda para o mês de janeiro. Na terça-feira, 5, a Fundação Oswaldo Cruz divulgou nota afirmando que segue com o plano de importação de 2 milhões de doses da vacina de AstraZeneca e Universidade de Oxford, vindas de um laboratório parceiro que fabrica o imunizante na Índia.

“A estratégia é contribuir com o início da vacinação, ainda em janeiro, com as doses importadas”, escreveu a Fiocruz em nota.

As doses de AstraZeneca/Oxford importadas nesta leva pela Fiocruz estão sendo fabricadas pelo Instituto Serum, parceiro da AstraZeneca na fabricação do imunizante contra a covid-19 e o maior fabricante de vacinas do mundo.

Vale lembrar, não há relação direta entre essa compra e a compra da Covaxin, do também indiano Bharat Biotech, negociada por clínicas particulares, que tentam comprar 5 milhões de doses.

A Fiocruz também confirmou que o Serum venderá as doses a 5,25 dólares cada ao mercado, incluindo ao Brasil. Com a compra das 2 milhões de doses, além de custos de logística e armazenamento, o custo ao Brasil deve chegar a pouco mais de 59 milhões de reais.

Além da importação de doses prontas, a Fiocruz é uma das oito parceiras na produção da vacina de AstraZeneca/Oxford, na fábrica de Biomanguinhos. A fundação espera ter capacidade de produzir 210,4 milhões de unidades da vacina ao longo de 2021. Na compra do insumo para produção, o custo é menor que a das doses prontas, a 2,30 dólares.

Prazo limite

O Ministério da Saúde disse nesta semana que uma “melhor hipótese” para o começo da vacinação seria em 20 de janeiro e a “pior”, em 10 de fevereiro, mas ainda não confirmou uma data.

Para manter o prazo otimista de 20 de janeiro, contudo, a Anvisa terá de trabalhar sob pressão, uma vez que nem Fiocruz nem Sinovac/Butantan apresentaram, por ora, os pedidos de registro das vacinas.

Segundo a agência Reuters, esperava-se que a Fiocruz apresentasse uma solicitação para a vacina da AstraZeneca até esta quarta-feira, 6, mas pedidos adicionais de informações por parte da Anvisa adiaram essa data para até sexta-feira, 8.

Como a Anvisa disse que precisaria de 10 dias para a análise (e com a vacinação começando cinco dias depois disso), fica mais distante a possibilidade de começar a vacinação em 20 de janeiro.

Técnicos da Fiocruz se reuniram ontem com a Anvisa para tratar do pedido de registro emergencial. Nesta quarta-feira, 6, há ainda uma reunião marcada para tratar de outra vacina, a do Instituto Butantan com a Sinovac.

Pressionado pela falta de perspectiva do início da vacinação no Brasil — enquanto vizinhos como Argentina e Chile já começaram a vacinar –, o governo federal espera conseguir começar a vacinação ainda neste mês para conter as críticas.

O Instituto Butantan havia estabelecido prazo de 10 de janeiro para submeter à Anvisa o pedido de registro da Coronavac. Antes disso, falta a divulgação dos dados de eficácia, que estava prevista para dezembro mas foi adiada. Nova divulgação deve acontecer nesta quinta-feira, 7.

Em dezembro, o governo paulista afirmou que o imunizante havia atingido o “limiar da eficácia”, com a expectativa de que seja portanto maior que 50%.

O governo do estado de São Paulo manteve nesta semana sua projeção de começar a aplicar doses da Coronavac, da chinesa Sinovac, em 25 de janeiro.

A AstraZeneca também precisa ainda explicar os resultados de eficácia, que foram maiores com o uso de só uma dose e meia (em vez das duas planejadas), o que gerou questionamentos da comunidade científica. A dosagem menor gerou eficácia de 90%, e a menor, de 70%. A AstraZeneca admitiu que a dosagem menor foi um erro, mas que isso não compromete os resultados. Países como o Reino Unido e o México já começaram a aplicar a vacina.

Vacinados no mundo

Ao todo, mais de 13 milhões de doses de vacinas da covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo. Pelo menos 33 países já começaram algum tipo de vacinação fora dos testes, segundo levantamento diário da agência Bloomberg.

O país com maior número absoluto de vacinados até agora são os EUA, com quase 4,7 milhões de doses aplicadas (para 1,4% da população). Já o país com maior porcentagem da população vacinada é Israel, que já vacinou 14% da população, com 1,2 milhão de doses.

Por ora, boa parte da imunização global vem das vacinas de Pfizer/BioNTech e Moderna, embora as primeiras doses da vacina de AstraZeneca/Oxford tenham começado a ser aplicadas no Reino Unido nesta semana. China e Rússia também começaram a imunizar a população mesmo antes do fim da fase de testes de suas vacinas nacionais.

As doses com RNA mensageiro também têm saído mais caras por ora. A vacina da Pfizer custou ao governo americano cerca de 19,50 dólares, e 14,76 dólares à União Europeia (um desconto de 24%, segundo lista obtida pela consultoria Bernstein Research e divulgada pelo Washington Post). Já a Moderna é mais barata nos EUA (15 dólares, contra 18 dólares da UE).

De todas as candidatas, a mais barata é a vacina de Oxford/AstraZeneca. Aos europeus, que financiaram parte da pesquisa e desenvolvimento, a vacina está sendo vendida para os europeus por pouco mais de 2 dólares. Outra expectativa de vacina a baixo custo é a da da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, cuja vacina ainda está em período de testes e que está sendo negociada com EUA e Europa na casa dos 10 e 8,50 dólares, respectivamente, segundo a Bernstein.

A Anvisa afirmou que também acompanha o desenvolvimento da vacina da Janssen, mas preços de negociação com o Brasil ainda não foram divulgados e não há previsão para a conclusão dos testes e aprovação global do imunizante.

Também há no Brasil conversas para uma compra futura de doses da Sputnik V, vacina russa do Instituto Gamaleya e que ainda não terminou a fase de testes, embora já esteja sendo usada na Rússia.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Saúde

Butantan entrega à Anvisa documentos que faltavam para autorização da Coronavac

Publicado

dia

Por

Também presente em coletiva, Doria disse que as doses da Coronavac proporcionalmente reservadas a SP no plano nacional não deixarão o território do estado

O Instituto Butantan entregou na manhã desta sexta-feira todos os documentos que faltavam para a obtenção da autorização para uso emergencial da CoronaVac, vacina contra covid-19 do laboratório chinês Sinovac, e faltam apenas dois esclarecimentos que serão dados à agência reguladora nesta tarde, disse o presidente do Butantan, Dimas Covas.

Ele afirmou, durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, que espera que a Anvisa autorize o uso emergencial da CoronaVac no domingo e que a vacinação contra covid-19 no país comece na próxima semana.

“Esses documentos que foram solicitados ao Butantan, todos foram entregues até a manhã de hoje. Neste momento existem dois questionamentos apenas que serão respondidos agora às 14h numa reunião técnica entre Butantan e Anvisa“, afirmou

“Portanto no domingo tenho convicção que teremos a autorização para uso emergencial”, acrescentou.

O governo de São Paulo também informou que está providenciando o encaminhamento de 4,5 milhões de doses da CoronaVac para um depósito do Ministério da Saúde em Guarulhos, como parte do lote inicial de 6 milhões de doses do imunizante que serão usadas no Programa Nacional de Imunização.

Também presente na coletiva, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), desafeto político do presidente Jair Bolsonaro com quem tem tido atritos por causa da CoronaVac e do combate à pandemia, disse que as doses da CoronaVac proporcionalmente reservadas a São Paulo no plano nacional não deixarão o território do Estado.

Ver mais

Saúde

Mercado privado prevê vacina no Brasil em março, mas só para empresas

Publicado

dia

Por

Setor encomendou 5 milhões de doses do laboratório indiano Bharat Biotech. Vacina ainda depende de registro na Anvisa

(Javier Zayas Photography/Getty Images)

O mercado privado de vacinas no Brasil prevê um imunizante contra a covid-19 disponível no país em março. Segundo o presidente da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (Abcvac), Geraldo Barbosa, foram encomendadas 5 milhões de doses do laboratório indiano Bharat Biotech.

Cerca de 60% desse total devem estar em solo brasileiro na primeira remessa. Mas para que o cronograma seja cumprido, ainda é necessário o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Eles nos deram o prazo de que vão submeter o registro no dia 15 de fevereiro e vamos sempre acompanhar. Eles já solicitaram o certificado de boas práticas da fábrica. Todos os cronogramas estão sendo cumpridos”, disse Barbosa.

Representantes do mercado privado de vacinas do Brasil foram até a Índia na semana passada para conhecer os processos de fabricação da chamada Covaxin. O laboratório indiano assinou um acordo com a empresa brasileira Precisa Medicamentos, para fazer a distribuição e venda no Brasil.

De acordo com Barbosa, o foco do mercado privado é atender empresas, que querem comprar uma vacina para os funcionários. E que neste primeiro momento não deve ser disponibilizado um imunizante em clínicas, vendido diretamente às pessoas. Veja os principais trechos da entrevista.

Como foi a inspeção da comitiva ao laboratório na Índia?

Quando assinamos o memorando de entendimento, colocamos que precisávamos ver in loco, a qualidade, se a vacina não era conflitante com o mercado público. A gente também queria saber como foram feitos os estudos de eficácia e qualidade. Eu posso dizer que fiquei impressionado com o investimento da Índia e a capacidade de tecnologia. Tem uma estrutura incrível, isso ficou bem evidente e realmente tudo o que falaram é muito maior. Saímos com mais certezas do que dúvidas.

O que ficou acordado?

O memorando foi ratificado. Agora, nós dependemos só do registro da Anvisa. Eles nos deram o prazo de que vão submeter o registro no dia 15 de fevereiro e vamos sempre acompanhar. Eles já solicitaram o certificado de boas práticas da fábrica. Todos os cronogramas estão sendo cumpridos. E está mantida a previsão de ter uma vacina no mercado privado em março.

Já há uma previsão, agora, de quanto vai custar cada dose?

Estamos cuidando do custo efetivo, que envolve seguro, a logística, barreiras regulatórios. Tudo isso será feito pelo laboratório e impacta no preço. Ainda não temos este valor. A questão do seguro não imaginávamos qual seria o valor. Os riscos envolvidos com a vacina contra a covid-19 fizeram aumentar o preço de um seguro em 300%, em média, se comparado com o seguro de uma outra vacina.

Quantas doses foram encomendadas? Como será a distribuição?

Nós solicitamos 5 milhões de doses e na visita pedimos doses adicionais. Mas eles nos informaram que só vão disponibilizar mais, após cumprirem todos os contratos com os governos. A distribuição será feita de forma escalonada, mas a gente espera receber 60% deste total já na primeira remessa.

O setor privado foi muito criticado por fazer uma negociação ao mesmo tempo do setor público. Como a associação avalia essas críticas?

Essa foi uma crítica muito superficial porque desconsidera que o nosso objetivo é ofertar para o mercado corporativo, que vai dar a vacina de forma gratuita para os seus funcionários. Claro que podemos distribuir para pessoas físicas, mas isso só vai ocorrer se tivermos doses adicionais, ou se sobrar. Vamos somar mais 2,5 milhões de brasileiros protegidos. Se o mercado privado pode contribuir, é mais do que justo. Todo mundo que criticou tem plano de saúde, tem algum plano de saúde suplementar, e não usa 100% o SUS. A nossa busca é suplementar o que o governo está fazendo.

Ver mais

Saúde

Profissionais de saúde recuperados da covid-19 estão protegidos, diz estudo preliminar

Publicado

dia

Por

Segundo os pesquisadores, 44 indivíduos foram reinfectados pela covid-19 em um total de 6.614 pessoas; anticorpos podem durar por até cinco meses

Saúde: profissionais da área podem ter anticorpos mais duradouros (Amanda Perobelli/Reuters)

Segundo os pesquisadores, 44 indivíduos foram reinfectados pela covid-19 em um total de 6.614 pessoas que, em testes, apresentaram anticorpos suficientes para uma proteção contra a doença por pelo menos cinco meses – de junho a novembro de 2020. Isso quer dizer que existe uma proteção de ao menos 83% em relação aos trabalhadores que não foram expostos ao vírus. O estudo é preliminar e ainda não passou pela revisão de pares.

Apesar disso, os pesquisadores britânicos alertam que alguns participantes, mesmo com um nível alto de anticorpos em seu organismo, continuam a disseminar o vírus para outras pessoas. “Agora sabemos que grande parte das pessoas que tiveram o vírus e geraram anticorpos estão protegidas contra reinfecção, mas essa proteção não é completa e ainda não sabemos quanto tempo dura. E, o mais importante, acreditamos que as pessoas podem continuar a transmitir o vírus”, resume a autora principal do estudo, Susan Hopkins.

Para chegar a essa conclusão foram analisados cerca de 20.800 profissionais de saúde, incluindo funcionários do hospital na linha de frente do atendimento de pacientes com covid-19, convidados a fazer diagnósticos regulares para verificar se ainda eram portadores do vírus ou se geraram anticorpos – um sinal de uma infecção mais antiga.

Ver mais

Saúde

Estes dois fatores psicológicos podem reduzir a eficácia das vacinas contra covid-19

Publicado

dia

Por

Nem tudo está perdido: cientistas também apontam formas de driblar problemas no sistema imunológico causados por doenças psicológicas

Vacina: fatores psicológicos podem atrapalhar eficácia (Amanda Perobelli/Reuters)

Tanto o estresse quanto a depressão já são dois itens conhecidos na redução da imunidade humana, reduzindo a eficácia de outros imunizantes, principalmente na população mais velha. Os desafios, segundo os cientistas, foi intensificado por conta da pandemia, que forçou as pessoas ao isolamento e ao distanciamento social – que impactaram diretamente a saúde mental de alguns indivíduos.

“Em adição aos problemas físicos causados pela covid-19, a pandemia também causa problemas na saúde mental, causando ansiedade e depressão, bem como outros problemas. Estressores emocionais como esses podem afetar o sistema imunológico das pessoas, prejudicando a habilidade de o corpo se livrar de infecções”, afirmou Annelise Madison, uma das autoras da pesquisa.

Segundo ela, o estudo traz luz à eficácia da vacina e ajuda a entender “como os comportamentos de saúde e estressores emocionais podem alterar a habilidade do corpo humano de desenvolver uma resposta imune”. “O maior problema é que a pandemia pode estar amplificando esses fatores de risco”, disse.

As vacinas funcionam ao desafiar o sistema imunológico dos seres humanos e, após horas de uma vacinação, uma resposta imune é criada ao mesmo tempo em que o corpo começa a reconhecer uma ameaça biológica em potencial – todo esse processo leva a produção de anticorpos que lutam contra patógenos específicos. De acordo com a ciência, é a continuidade da produção desses anticorpos que determinam o quão eficaz uma vacina é a longo prazo.

Os imunizantes são uma das formas mais eficazes e seguras para proteger a sociedade de doenças – e não é de hoje que fatores como depressão, estresse e solidão estão diretamente ligados a uma piora no sistema imunológico das pessoas.

Mas existe um lado bom. Segundo os pesquisadores, as vacinas em circulação têm uma eficácia aproximada de 95% – e, mesmo que os fatores psicológicos desempenhem um papel negativo, é possível fazer algumas coisas para amplificar os efeitos da vacina. Exercícios físicos e uma boa noite de sono antes da vacinação pode ajudar a gerar uma resposta imune ainda mais forte. Nem tudo está perdido.

Ver mais

Saúde

Indonésia anuncia eficácia de 65,3% da CoronaVac e aprova uso emergencial

Publicado

dia

Por

Dados preliminares são de testes em estágio avançado. No Brasil, eficácia foi de 78% para casos leves e de 100% contra mortes, casos graves e internações

CoronaVac na sede da empresa Sinovac, na China (Thomas Peter/Reuters)

A Indonésia aprovou nesta segunda-feira, 11, o uso emergencial da CoronaVac, vacina contra covid-19 produzida pela chinesa Sinovac — e que no Brasil é desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan. A agência reguladora do país também informou que o imunizante apresentou 65,3% de eficácia nos testes realizados no país, segundo resultados preliminares.

“Esses resultados atendem aos requisitos da Organização Mundial da Saúde de um mínimo de eficácia de 50%”, disse Penny K. Lukito, responsável pela agência reguladora de alimentos e medicamentos do país, BPOM.

Na semana passada, o Butantan informou que, nos testes feitos no Brasil, a Coronavac teve eficácia de 78% em casos leves e de 100% em casos moderados e graves — isto é, afirmando que nenhum dos vacinados precisou ser hospitalizado ou teve a doença de forma grave. Mas falta ainda a divulgação da eficácia geral nos testes brasileiros.

Com base em dados divulgados pelo diretor do Butantan, Dimas Covas, na semana passada, pesquisadores já estimam que a eficácia tenha sido na linha da Indonésia, de pouco mais de 60%.

A Indonésia já recebeu 3 milhões de doses da CoronaVac, e está programada para receber cerca de 122,5 milhões.

A Indonésia está enfrentando o pior surto de covid-19 no sudeste da Ásia e as autoridades estão contando com uma vacina para ajudar a aliviar as crises econômicas e de saúde que devastam o país. No total, 836.718 casos e 24.343 mortes por covid-19 já foram registrados no país.

O Butantan fez o pedido de registro emergencial da Coronavac junto à Anvisa na última sexta-feira, 8. No fim de semana, a Anvisa solicitou mais detalhes sobre a Coronavac, após o envio da documentação inicial. O secretário de Saúde paulista, Jean Carlo Gorinchteyn, disse que o material completo já havia sido enviado, mas que irá procurar a Anvisa na manhã de hoje. Na opinião de ex-presidentes da Anvisa ouvidos pelo Estadão, o pedido não coloca em risco a aprovação da vacina.

Após meses de embates, o governo federal anunciou que vai adquirir todo o estoque da Coronavac e incluir a vacina no Plano Nacional de Imunização. O governo federal comprou 46 milhões de doses da Coronavac, com parte do montante produzido no Butantan e parte importado, e distribuirá o imunizante a todos os estados de acordo com os grupos prioritários e população de cada lugar.

A outra vacina no Brasil mais próxima da aprovação é de AstraZeneca e Universidade de Oxford, testada em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que também teve o pedido de registro junto à Anvisa feito na sexta-feira.

Ver mais

Saúde

Delegação da OMS vai à China esta semana para investigar origem do coronavírus

Publicado

dia

Por

Negociações para a visita estão em andamento há algum tempo. Não ficou claro se os especialistas da OMS vão viajar para Wuhan, onde o coronavírus foi detectado pela primeira vez

Pandemia derruba lucro dos bancos chineses (Aly Song/Reuters)

A China confirmou que um grupo de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) vai chegar ao país nesta quinta-feira, 14 para conduzir uma investigação sobre as origens da pandemia do coronavírus. Um comunicado de uma sentença da Comissão Nacional de Saúde chinesa afirmou que a delegação vai se reunir com as autoridades de saúde do país.

Não ficou claro se os especialistas da OMS vão viajar para a cidade de Wuhan, onde o coronavírus foi detectado pela primeira vez, no fim de 2019.

Negociações para a visita estão em andamento há algum tempo. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, expressou frustração com o atraso na semana passada, dizendo que membros da equipe científica internacional partindo de seus países de origem já tinham iniciado a viagem como parte de um acordo entre a entidade e o governo chinês.

A China tem exercido um controle estrito de todas as pesquisas domésticas sobre a origem do vírus. A Austrália e outros países pediram uma investigação sobre a origem da pandemia.

Ver mais

Hoje é

domingo, 17 de janeiro de 2021

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?