Nossa rede

Economia

Coronavírus leva varejo a tombo recorde de 18,6% nas vendas de abril

Publicado

dia

Mês de escalada da doença e endurecimento do distanciamento social teve forte efeito no comércio, que registrou maior declínio mensal em duas décadas

ESSENCIAL – Segmento de supermercados e produtos alimentícios: sem restrições de funcionamento, segmento de supermercados recuou 11,8% em abril – Germano Luders/Exame/Veja

A pandemia causada pelo novo coronavírus revela a cada dia as consequências deixadas mundo afora e, no Brasil, os efeitos mais severos podem ser demostrados nos dados de abril, mês da escalada da doença e de endurecimento das medidas de distanciamento social. No período, as vendas no comércio varejista registraram uma queda jamais vista na passagem histórica da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE. Na passagem de março a abril, as vendas do setor recuaram 16,8%, fortemente impactadas pelas medidas restritivas adotadas por diversos estados na segunda quinzena de março a fim de se evitar a propagação da  Covid-19. O resultado divulgado nesta terça-feira, 16, é o pior desde o início da série histórica, em janeiro de 2000, e a segunda queda consecutiva, acumulando uma perda de 18,6% nos últimos dois meses. Foi a primeira vez que a entidade calculou os resultados de um mês inteiro em que o país está no quadro de isolamento social.

O recuo nas vendas do varejo atingiu todas as oito atividades pesquisadas pelo instituto. Mesmo segmentos considerados essenciais, que não fecharam as portas para conter a disseminação da enfermidade, sofreram. Foi o caso de “artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos”, que registrou uma queda acapachante de 17%, mesmo com farmácias e supermercados, que vendem esses produtos, tendo funcionado no mês de abril. O setor de “hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo”, por sua vez, recuou 11,8% na passagem mensal. As maiores perdas foram vistas em mercados como “tecidos, vestuário e calçados” (-60,6%); “livros, jornais, revistas e papelaria” (-43,4%) e “outros artigos de uso pessoal e doméstico” (-29,5%).

Segundo o gerente da pesquisa, Cristiano Santos, as perdas do mês de março no comércio varejista foram menores devido às atividades essenciais terem registrado um bom desempenho, elevando os números do setor. “Em março, podemos imaginar o cenário em que essas atividades essenciais absorveram um pouco das vendas das outras atividades que tinham caído muito, mas nesse mês isso não foi possível. Tivemos também uma redução da massa salarial que, entre o trimestre encerrado em março para o encerrado em abril, caiu 3,3%, algo em torno de 7 bilhões de reais. Isso também refletiu nessas atividades consideradas essenciais”, explica Santos.

Completam o grupo de atividades do setor: “equipamentos e material para escritório, informática e comunicação”, que registrou perdas de 29,5%; “móveis e eletrodomésticos”, com queda de 20,1% e “combustíveis e lubrificantes” (-15,1%). Já o volume de vendas do comércio varejista ampliado, que integra também as atividades de “veículos, motos, partes e peças” (-36,2%) e “materiais de construção” (-1,9%), caiu 17,5% nesse mês. “No caso do ampliado, ele já vinha numa queda intensa desde o mês passado (-13,7%), especialmente devido ao recuo em veículos, motos partes e peças”, diz Santos.

Na comparação com abril do ano anterior, o comércio varejista também recuou 16,8%. Todas as atividades pesquisadas caíram, com destaque para “tecidos, vestuário e calçados” (-75,5%); “livros, jornais, revistas e papelaria” (-65,6%); “outros artigos de uso pessoal e doméstico” (-45,6%), “equipamentos e material para escritório, informática e comunicação” (-45,4%) e “móveis e eletrodomésticos” (-35,8%).

Queda em todos os estados

A PMC mostrou que as vendas do mês de abril em comparação com março recuaram em todas as 27 unidades da federação. Os piores desempenhos foram registrados no Amapá (-33,7%), em Rondônia (-21,8%) e no Ceará (-20,2%). No comércio varejista ampliado, a variação negativa também se deu em todos os estados brasileiros, com destaque para Amapá (-31,6%), Espírito Santo (-23,4%) e São Paulo (-23,3%). Espera-se uma leva melhora nos números da próxima pesquisa, a ser divulgada no mês de julho.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Economia

Dólar oscila sem viés definido com cautela sobre casos de Covid-19 nos EUA

Publicado

dia

Pedidos semanais de seguro desemprego ficam abaixo do esperado, mas mercado mantém dúvida sobre recuperação da economia americana

Dólar: moedas emergentes perdem valor com medo de Covid-19 nos EUA (Pixabay/Reprodução)

O dólar oscila sem direção definida na tarde desta quinta-feira, com o avanço dos casos de coronavírus nos Estados Unidos impondo doses de cautela no mercado financeiro.

Às 14h30, o dólar comercial subia 0,1%, sendo vendido por 5,352 reais. O dólar turismo também se mantinha com variação inalterada, cotado a 5,64 reais.

Na véspera, o país voltou a registrar novo recorde de diário com mais de 60.000 infectados. De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, já são mais de 3 milhões de infectados no país. Autoridades do Federal Reserve vêm reforçando a visão de que a maior economia do mundo não vai apresentar forte recuperação sem que a doença tenha sido controlada.

Apesar do tom mais pessimista que se desenha no mercado de câmbio, a moeda americana passou a manhã inteira em terreno negativo contra o real, refletindo os pedidos semanais de auxílio desemprego dos EUA, que vieram abaixo do esperado. De acordo com o Departamento de Trabalhos dos Estados Unidos, foram feitos 1,314 milhão de pedidos de seguro desemprego na última semana.

Embora ainda alto em relação aos números pré-pandemia, a quantidade confirmou a tendência de queda e ficou abaixo dos 1,375 milhão de pedidos projetados por economistas. O dado publicado na semana passada também foi revisado para de baixo, de 1,427 milhão para 1,413 milhão de pedidos.

Desde o início da pandemia, o dado tem servido como um termômetro de curto prazo para avaliar os impactos da doença na economia. O número vem caindo de forma constante desde meados de abril, quando atingiu o pico de 6,648 milhões de pedidos em apenas uma semana.

Logo após a divulgação do resultado, o dólar passou a perder força contra as principais moedas emergentes, como o peso mexicano e o rublo russo. Porém, o peso mexicano também virou para alta, acompanhando o movimento do real, da lira turca e da rúpia indiana

 

Ver mais

Economia

Guedes quer destinar recursos do Fundeb para o Renda Brasil

Publicado

dia

Dinheiro viria de aumento de repasse federal a fundo que ajuda a bancar educação básica. Auxílio para infância pode chegar a R$ 200

 

Ver mais

Economia

Com pandemia, 57% das empresas exportadoras tiveram redução de receita

Publicado

dia

Número se refere aos meses de abril e maio e indicam desaceleração no recuo em relação ao bimestre anterior, quando queda foi de 80%, diz CNI

Trabalhadores carregam containers em porto no Estado de Santa Catarina (Paulo Prada/Reuters)

Ver mais

Economia

Dólar recua após vendas no varejo dispararem

Publicado

dia

Por

Dado aumenta otimismo sobre recuperação da economia brasileira, mas casos de Covid-19 nos EUA seguem pressionando os mercados

Dólar: moeda recua, após dois pregões de alta (Yuji Sakai/Getty Images)

O dólar recua contra o real, nesta quarta-feira, 8, com o maior otimismo sobre a recuperação da economia brasileira, após o IBGE divulgar os dados de vendas no varejo referentes ao mês de maio, quando o setor apresentou crescimento mensal de 13,9%. A expansão da atividade ficou acima das projeções de mercado, que esperava um aumento de 6% nas vendas.

Às 15h10, o dólar comercial caía 0,4% e era vendido por 5,366 reais. O dólar turismo, com menor liquidez, recuava 0,4%, cotado a 5,65 reais.

Para Arthur Mota, economista da Exame Research, o resultado das vendas no varejo foi muito bom por mostrar o início da recomposição do setor ainda no meio do segundo trimestre. “A pancada no varejo no trimestre será menor do que esperávamos há dois meses e tem motivado uma revisão mais positiva para a economia”, afirmou.

No ambiente externo, o dólar também opera misto frente a outras moedas emergentes, subindo contra o a lira turca e a rúpia indiana, mas perdendo valor em relação ao peso mexicano e ao rublo russo.

O que motiva a maior cautela nos mercados é os casos de coronavírus nos Estados Unidos, que voltou a bater novo recorde diário, na véspera, registrando mais de 60.000 novos infectados em 24 horas. De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, já são 2.996.098 casos confirmados no país e 131.480 mortes.

Ontem, o Federal Reserve voltou a dizer, por meio de seu vice-presidente de supervisão, Randal Quarles, que o futuro da economia americana segue “altamente incerto”, apesar de alguns dados econômicos, como os últimos payrolls, tenham apontado para uma recuperação mais rápida do que o esperado.

“O Covid-19 ainda não ficou para trás. Nós sabemos que o sistema financeiro ainda vai enfrentar mais desafios”, disse Quarles.

Ver mais

Economia

Após “fundo do poço”, varejo surpreende com avanço de 13,9% em maio

Publicado

dia

Apesar do avanço, alta não foi suficiente para o setor recuperar as perdas de março e abril, que refletiram os efeitos do isolamento social

Varejo (Paulo Whitaker/Reuters)

As vendas no varejo do Brasil registraram aumento recorde em maio com menor impacto do isolamento social, mas o setor recuperou apenas parte das perdas dos dois meses anteriores devido às restrições para combate ao coronavírus.

Em maio, as vendas varejistas subiram 13,9% na comparação com o mês anterior, melhor taxa desde o início da série histórica em janeiro de 2000, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

O resultado positivo se dá depois de perda recordes de 16,3% em abril, após queda de 2,8% em março.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve perda de 7,2%, terceira taxa negativa consecutiva.

“Foi um crescimento grande percentualmente, mas temos que ver que a base de comparação foi muito baixa. Se observamos apenas o indicador mensal, temos um cenário de crescimento, mas ao olhar para os outros indicadores, como a comparação com o mesmo mês do ano anterior, vemos que o cenário é de queda”, explicou o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Mas os resultados foram melhores do que as expectativas em pesquisa da Reuters, de alta de 6,0% na comparação mensal e de queda de 12,1% por cento sobre um ano antes.

(Divulgação/IBGE)

As decisões de fechar lojas físicas e outros estabelecimentos por todo o país devido ao surto de coronavírus pesaram em cheio sobre o consumo, bem como as incertezas trazidas pela pandemia em torno da economia e do trabalho.

Mas de acordo com o IBGE, de todas as empresas consultadas na pesquisa, 18,1% relataram impacto do isolamento em suas receitas em maio, contra 28,1% em abril.

Em maio, todas as atividades pesquisadas registraram ganhos. O maior crescimento percentual foi visto em Tecidos, vestuário e calçados, de 100,6%.

As vendas de Móveis e eletrodomésticos subiram 47,5%, enquanto de Outros artigos de uso pessoal e doméstico aumentaram 45,2%.

O setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que tinha recuado em abril, viu aumento de 7,1% nas vendas em maio.

No varejo ampliado, houve crescimento de 19,6% sobre abril, sendo que a atividade de Veículos, motos, partes e peças registrou alta de 51,7%, enquanto a de Material de construção aumentou 22,2%.

 

Ver mais

Economia

IGP-DI avança 1,60% em junho com pressão no atacado e varejo, diz FGV

Publicado

dia

Os Bens Intermediários registraram alta de 2,75% em junho, pressionados pelo avanço de 12,11% dos combustíveis e lubrificantes para a produção

Homem usando máscara entra no shopping Cidade São Paulo em meio a pandemia de Covid-19 (Amanda Perobelli/Reuters)

Os preços no atacado aceleraram a alta e voltaram a subir no varejo, levando o Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) a avançar 1,60% em junho, contra alta de 1,07% no mês anterior, de acordo com os dados divulgados nesta quarta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

A expectativa em pesquisa da Reuters junto a economistas era de um avanço de 1,39%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI), que responde por 60% do indicador, acelerou a alta a 2,22% no mês, de 1,77% em maio.

Os Bens Intermediários deixaram para trás o recuo de 0,09% em maio e registraram forte alta de 2,75% em junho, pressionados principalmente pelo avanço de 12,11% dos combustíveis e lubrificantes para a produção.

Para o consumidor os preços voltaram a subir, com o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI), que responde por 30% do IGP-DI, ganhando 0,36% em junho, ante recuo de 0,54% no mês anterior.

Os preços de Transportes passaram a subir 1,05% de queda de 2,06% antes, enquanto Alimentação acelerou a alta de 0,37% para 0,57%.

Por sua vez, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI) teve avanço de 0,34% em junho, de 0,20% no período anterior.

O IGP-DI é usado como referência para correções de preços e valores contratuais. Também é diretamente empregado no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) e das contas nacionais em geral.

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?