Nossa rede

Tecnologia

Como os restaurantes podem alavancar as vendas por meio do Instagram?

Publicado

dia

Para obter sucesso com as estratégias no Instagram, o restaurante precisa prestar atenção em algumas funcionalidades da plataforma; confira as dicas

Ao atuar de forma eficiente é possível tornar o canal em uma máquina de vendas, além de estreitar ainda mais o relacionamento com os clientes (Lorenzo Di Cola/Getty Images)

Por Fabricio Nunes

Todos os dias, as pessoas usam as redes sociais por infinitas razões. O Instagram, especificamente, possui mais de 1 bilhão de usuários ativos no mundo todo, sendo que o Brasil é o terceiro país com maior número de acessos, segundo um estudo recente realizado em parceria pelas empresas We Are Social e Hootsuite. Como se trata de uma plataforma totalmente imagética, ou seja, com imagens e pouco texto, as pessoas adoram postar e ver conteúdos — e isso também se enquadra nos posts relacionados à comida. Por isso, é tão importante que os bares e restaurantes não deixem de utilizá-la, já que ela vem ganhando cada vez mais espaço dentro do segmento food service.

Na verdade, não ter um perfil no Instagram pode trazer falta de visibilidade ao restaurante. Por outro lado, estar nesse ambiente e fazer o uso certo pode fazer com que o estabelecimento consiga alcançar e atrair novos clientes em potencial com o tempo, seja na loja física, seja no delivery. Com as melhorias constantes nessa rede social, está ficando cada vez mais fácil e prático conhecer o público-alvo, interagir e alavancar as vendas por meio da plataforma. Mas quais são as funcionalidades mais interessantes para o empresário explorar?

Hoje, por exemplo, já temos a integração da plataforma de delivery com o botão de ação “pedir refeição”, que possibilita ao cliente realizar o pedido de sua refeição diretamente do Instagram ou do Facebook do restaurante, sem precisar sair do ambiente da rede social. No Instagram é possível ainda a inserção de figurinha nos Stories, uma ação mais estratégica para compartilhamento e divulgação de promoções ou determinados produtos. É bom para o estabelecimento, que ganha mais recursos para o seu perfil, e para os clientes, que conseguem rapidamente fazer seus pedidos diretamente na rede. Além disso, o estabelecimento consegue ainda visualizar métricas de desempenho de seu cardápio e fazer campanhas de marketing mais inteligentes.

Falando em marketing, para obter sucesso com as estratégias no Instagram, o restaurante precisa prestar atenção em algumas funcionalidades da plataforma. É fundamental ter uma bio organizada, por exemplo, com informações como segmento, qualidades do restaurante, localização, link para um site ou cardápio digital. Isso porque, muitas pessoas, ao acessarem o Instagram de um restaurante, já buscam logo pelo cardápio.

Também é interessante criar hashtags que mencionem o nome do restaurante e incentivar os clientes a usá-la ao marcar o estabelecimento. Isso ajuda a controlar o conteúdo gerado pelos usuários, aumentar o engajamento e mostrar uma experiência única para os novos visitantes. Além da bio e das hashtags, existe uma outra obrigação para o perfil de um restaurantes, que são os destaques. Com eles, o cliente poderá ter em mãos o máximo de informações possíveis como horários, avaliações de cliente, equipe e o mais importante, o menu.

Outras ações para aumentar as vendas e atrair novos clientes a partir do marketing no Instagram são as promoções. Essa estratégia pode aumentar tanto o engajamento, porque ao se interessar pela oferta há chances dos seguidores comentarem na publicação, como também o alcance, uma vez que os clientes podem marcar um amigo no post. Além do conteúdo, é importante pensar na imagem e ter fotos boas. Pratos arrumados, decorados e limpos nas bordas são algumas das estratégias válidas.

A verdade é que focar em uma estratégia digital tirando o máximo proveito das ferramentas e funcionalidades que o Instagram disponibiliza é algo que todos os restaurantes devem fazer daqui em diante. Ao atuar de forma eficiente é possível tornar o canal em uma máquina de vendas, além de estreitar ainda mais o relacionamento com os clientes.

Aconteceu

TIM inaugura loja no metaverso

Publicado

dia

Loja da TIM no metaverso Cryptovoxels (Tim/Reprodução)

Trata-se de um tipo de replicação para o mundo virtual de uma loja conceito aberta no Rio de Janeiro

metaverso está, aos poucos, se tornando um lugar de interesse para as grandes marcas e empresas. Um relevante sinal disto é o desembarque da operadora TIM nas terras virtuais, que inaugura nesta quinta-feira, 27, uma loja dentro do Cryptovoxels plataforma de construção de metaverso.

O curioso é que o espaço se baseia em um lugar no mundo real, também inaugurado hoje. Trata-se de uma loja conceito, que teve um soft opening no final do ano passado no Barra Shopping, no Rio de Janeiro, e que, segundo a telefônica, ‘marca o início de uma nova experiência na jornada do cliente, repleta de inovação e com direito à chegada na nova camada da realidade que integra os mundos real e virtual’.

A nova loja é vista pela TIM como parte da estratégia omnichannel, no qual se tenta integrar todos os canais de atendimento ao cliente em um só. Nela, o cliente poderá experimentar acessórios e smartphones já com a tecnologia 5G e até equipamentos para conexão de residências utilizando a ultra banda larga fixa da TIM Live. O próprio consumidor poderá realizar atividades básicas desde consultar, imprimir, pagar faturas, adquirir planos, serviços e muito mais.

Já a replicação da loja no virtual foi uma idelização da agência MetaMundi, que funciona como um crossover da Metaverse Agency, de Byron Mendes, e Dellarte Soluções Culturais, de Steffen Daueslberg. Os mesmo produtos da loja conceito estarão lá e se o cliente decidir por realizar uma compra, será direcionado do metaverso para o site de vendas da TIM.

“Aproveitamos a abertura da flagship para marcarmos nossa entrada no metaverso. Escolhemos o Cryptovoxels pois ele é o mais habitado por marcas e, principalmente, por brasileiros. Com esse passo, faremos também com que os nossos clientes já estejam habituados ao mundo metaverso e associem a nova realidade à marca TIM”, afirma Bruno Vasconcellos, diretor de e-commerce e canais remotos da TIM Brasil.

Na TIM virtual

O espaço é dividido em duas partes: no primeiro andar, uma experiência estética similar à da loja conceito do Barra Shopping; no segundo, com acesso feito via teleporte, há um espaço “gamer”, com portfólio de produtos da TIM e de seus parceiros.

E, ainda no primeiro trimestre de 2022, será lançada uma arena de eventos virtuais com foco em música e entretenimento. Ali, por exemplo, a marca traria convidados para apresentações.

Na TIM real

O estabelecimento tem uma área para exposição de smartphones, gadgets e outros acessórios.

Outra área exclusiva para atendimento ao cliente, com disponibilidade de especialistas em tecnologia para sanar dúvidas e outros consultores de atendimento.

Há também um espaço dedicado para serviços oferecidos por parceiros da TIM, como Netflix, HBO, Deezer e Ampli.

Ver mais

Brasil

Doze capitais já podem receber novas redes 5G; veja lista

Publicado

dia

Quinta geração de internet móvel oferece alta velocidade

O Ministério das Comunicações informou nesta quarta-feira, 26, que 12 capitais brasileiras já estão totalmente prontas – tanto em infraestrutura quanto em legislação – para receber a quinta geração de internet móvel, o 5G.

Leiloado em novembro do ano passado, o padrão 5G oferecerá internet de alta velocidade em todas as capitais brasileiras até 31 de julho deste ano. Eis as prontas até então:

  • Brasília (DF);
  • Curitiba (PR);
  • Florianópolis (SC);
  • Fortaleza (CE);
  • Natal (RN);
  • Palmas (TO);
  • Porto Alegre (RS);
  • Rio de Janeiro (RJ);
  • São Paulo (SP);
  • Vitória (ES);
  • Aracaju (SE);
  • Boa Vista (RR)

Para as demais localidades, é importante que haja adequação de leis municipais e da instalação de infraestrutura adequada para o funcionamento da tecnologia. De acordo com os termos do leilão do 5G, empresas que arremataram as concessões de uso das bandas também firmaram o compromisso de ampliar para 100% do território nacional a cobertura do padrão atual, o 4G.

“Nossa missão é garantir a tecnologia 5G conectando o Brasil e levando a internet para todos os brasileiros”, afirmou em nota o ministro das Comunicações, Fábio Faria. “Ao longo dos anos, faremos com o que o país tenha assegurado a cada um o direito de acesso à internet; todos nós sabemos a importância que isso tem”, complementou.

Para que a tecnologia chegue a todas as cidades, é ideal a adequação da Lei Geral das Antenas. O prazo para o processo vai até 2029.

Na parte de infraestrutura, o Decreto nº. 10.480 de 2020 detalha a expedição de licenças para que as operadoras possam realizar a instalação da rede. A instalação das novas antenas do 5G difere das tecnologias anteriores, já que necessitam de densidade maior de replicadores de sinal.

Os grandes centros urbanos terão uma antena para cada 100 mil habitantes – número 10 vezes maior do que o que se usa atualmente no padrão 4G. “Este é mais um dispositivo que contribui para a expansão das redes 5G, que, em comparação às tecnologias anteriores, requerem maior densidade de antenas (mas de menor tamanho)”, explica o secretário de Telecomunicações Arthur Coimbra.

A responsabilidade de fiscalização e regulamentação das antenas que serão instaladas em todo o Brasil é da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que participará de todo o processo de transição da atual rede de antenas para o novo padrão.

Ver mais

Saúde

Sim, é possível ser dependente de telas

Publicado

dia

Marcio Atalla: O celular é a última coisa que você pega antes de dormir e a primeira ao acordar? Cuidado

Pesquisas cientificas já comprovam que o vício em telas, sobretudo em smartphones conectados à internet, é real. É um vício como qualquer outro, que altera o comportamento e a maneira como o cérebro funciona. A chegada das telas, nas décadas passadas, em forma de TV e de computador residencial, já foi um grande impacto na construção do comportamento sedentário e do início de uma grande mudança na forma como interagimos uns com os outros. Atualmente, com o grande avanço tecnológico, esse quadro só piorou.

Mas como não falar das maravilhas em se ter o mundo ao alcance das mãos? Ter a possibilidade de resolver os mais variados problemas com a utilização apenas de um teclado? Agendamentos médicos, transferências bancárias, rastreamento de pessoas em caso de urgência, ligações em vídeo para matar saudades daqueles que estão fisicamente muito longe… A tecnologia nos trouxe muitas possibilidades, podemos e devemos usá-las, claro.

No entanto, temos que lidar com esse tema de forma muito consciente. Saber o que toda essa facilidade tecnológica pode fazer de bem e o que pode fazer de mal. Segundo um estudo feito por médicos psiquiatras de universidades japonesas e alguns americanos de Universidade de Portland, envolvendo estudantes universitários, o uso da Internet mudou drasticamente nossas vidas e também a maneira como nos comunicamos. Os usuários estão cada vez mais conectados à Internet, e o tempo gasto com pessoas no mundo real só diminui. Os homens geralmente se isolam para se envolver em jogos online, enquanto que as mulheres preferem passar tempo na mídias sociais. A associação com quadros de depressão e ansiedade já é comprovada, com maior incidência entre mulheres.

Mas por que será que as pessoas perdem tanto tempo, e a maior parte dele, em redes sociais, vendo pouco conteúdo relevante, postando fotos, deixando comentários etc.? Porque as pessoas falam de si mesmas em 90% do tempo e recebem feedback como likes e comentários de forma imediata. Segundo uma pesquisa feita pela Universidade de Harvard, esse comportamento gera um mecanismo de recompensa no cérebro, graças à liberação de hormônios ligados ao prazer, como a dopamina, a endorfina, a ocitocina e a serotonina. O grande problema é que esse prazer é efêmero, e, em busca de mais momentos de prazer como esse, a pessoa não consegue viver e aproveitar o mundo real, mas apenas transformá-los em postagens. Enfim, a felicidade e a autoestima dependem do número de curtidas e da repercussão que recebem nas redes sociais.

Claro que adolescentes e crianças são os mais vulneráveis, e para eles a atenção deve ser ainda maior. Não apenas porque iniciam o uso das telas desde pequenos, o que aumentam as chances de criar dependência, mas principalmente, porque a maturação total do cérebro só acontece a partir dos 21 anos, e com ela, a maior capacidade de autocontrole, de “frear” comportamentos perigosos ou inadequados.

Mas atenção! Ser adulto não é salvo-conduto para evitar o vício. Muitos insistem em dizer que não são dependentes, mas mantém um comportamento bem diferente do que a própria percepção que tem de si mesmos em relação às telas, sobretudo celulares. Portanto, se você leva seu celular pro banheiro, não consegue se sentar à mesa para uma refeição sem que ele esteja em seu campo de visão, e é a última coisa que você pega antes de dormir e a primeira ao acordar, sim, você pode estar tão dependente que nem percebe, e seu comportamento é de negação. Vale uma autorreflexão!

Ver mais

Brasil

Uber vai contratar 70 profissionais em menos de um mês. Veja vagas

Publicado

dia

Durante a semana de recrutamento em fevereiro, a empresa vai realizar as últimas etapas do processo de seleção

Em menos de um mês, a Uber quer preencher 70 vagas para o seu centro de tecnologia no Brasil. Para alcançar essa meta acelerada, a empresa vai realizar uma semana de recrutamento, que será a fase final do processo seletivo.

A segunda edição da “Engineering Hiring Week” acontece entre os dias 14 e 18 de fevereiro.

Profissionais de engenharia e desenvolvimento mobile Android e iOS de todo o Brasil podem se cadastrar no processo seletivo.

Antes do evento, serão realizadas duas etapas: entrevista com recrutador e o Pair Programming challenge, uma sessão de 1 hora para resolução de problema algorítmico.

Quem for selecionado vai receber um convite para a fase final, que terá mais duas entrevistas para avaliação de habilidades técnicas como arquitetura, programação e resolução de problemas.

Funcionários da Uber de todo o mundo vão participar dessa etapa de conversas. E a resposta sobre a vaga será dada após uma semana.

Os novos funcionários vão trabalhar na sede, o Uber Campus, com regime híbrido ou poderão ter elegibilidade para trabalho 100% remoto.

Rafael Pereira, head do centro de tecnologia da Uber no Brasil, explica que uma das características mais interessantes sobre as funções é sentir o impacto imediato dos produtos sendo desenvolvidos.

Embora o time esteja no Brasil, os projetos desenvolvidos no país têm aplicação global. Para saber mais sobre os projetos do centro de tecnologia, a empresa vai realizar um encontro online nesta quarta-feira, 26, às 18h. Confira no site. 

Os interessados podem se inscrever pelo site.

Ver mais

Tecnologia

Netflix frustra previsões, faz projeções fracas e ações caem

Publicado

dia

Por

O total de assinantes globais da empresa atingiu 221,8 milhões

(Getty Images/Reprodução)

 

A Netflix ficou aquém das previsões de Wall Street para novos assinantes no fim de 2021 e apresentou uma previsão mais fraca do que o esperado para o início de 2022, já que os rivais aumentaram a competição na batalha por clientes.

O maior serviço de streaming do mundo adicionou 8,3 milhões de clientes de outubro a dezembro, quando lançou uma nova programação, incluindo os filmes Red Notice e Don’t Look Up e uma nova temporada de The Witcher. O total de assinantes globais da empresa atingiu 221,8 milhões.

Analistas do setor projetaram que a Netflix adicionaria 8,4 milhões de clientes, de acordo com dados da Refinitiv. As ações da Netflix caíram nas negociações do after market.

A Netflix elevou os preços na semana passada em seu maior mercado, Estados Unidos e Canadá, onde analistas dizem que o crescimento está estagnado, e agora busca expansão no exterior.

A empresa enfrentou uma montanha-russa durante a pandemia, com crescimento acentuado no início de 2020, quando as pessoas ficaram em casa e os cinemas foram fechados, seguido por uma desaceleração em 2021. A Netflix conquistou mais de 36 milhões de clientes em 2020 e 18,2 milhões em 2021.

Em 2022, espera-se que o crescimento de assinantes da Netflix se estabilize e volte ao ritmo registrado antes da pandemia, dizem analistas. A próxima programação da empresa inclui novas temporadas de OzarkBridgerton e Stranger Things e um documentário de três partes sobre Kanye West.

Mas as concorrentes, incluindo Walt Disney e AT&T HBO Max, estão investindo bilhões na criação de nova programação para seus serviços de streaming.

A Netflix registrou receita de US$ 7,71 bilhões no quarto trimestre, em linha com estimativas de US$ 7,71 bilhões.

Ver mais

Tecnologia

Dona do TikTok viu receita desacelerar em 2021, mas faturou US$ 58 bi

Publicado

dia

Por

Fontes internas indicam que ByteDance e outras empresas de tecnologia chinesas estão sendo afetadas pelo endurecimento das regras do país

(SOPA Images/Getty Images)

A ByteDance, proprietária do aplicativo de vídeos TikTok, viu sua receita total crescer 70% ano a ano, para cerca de US$ 58 bilhões em 2021.

Mesmo assim, à medida que a China endurece sua regulamentação de grandes empresas de tecnologia, os números indicam um crescimento mais lento do que um ano antes. Em 2020, a receita total da empresa com sede em Pequim cresceu mais de 100%, para US$ 34,3 bilhões.

A mesma desaceleração vem sendo observada em outras companhias do setor, como a Tencent Holdings e o Alibaba Group. Os reguladores chineses lançaram novas regras que regem como as empresas devem operar e interagir com seus usuários.

As informações são da Reuters, que afirma que os números foram divulgados a um pequeno grupo de funcionários em uma reunião interna.

A ByteDance é uma das maiores empresas privadas de tecnologia do mundo, com negociações recentes no mercado secundário de private equity avaliando-a em cerca de US$ 300 bilhões.

Seguindo os esforços antitruste de Pequim, a companhia recentemente se reorganizou em seis unidades de negócios. Foi a maior mudança organizacional desde que o fundador da empresa, Zhang Yiming, disse em maio que deixaria o cargo de CEO.

Além do TikTok, os outros aplicativos da ByteDance incluem seu equivalente chinês Douyin, o agregador de notícias Jinri Toutiao e a plataforma de streaming de vídeo Xigua.

Informações do rastreador de aplicativos Sensor Tower indicam que os usuários gastaram aproximadamente US$ 2,3 bilhões no TikTok e na versão iOS do Douyin.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?