Nossa rede

Mundo

Como irá terminar a tragédia em Hong Kong

Publicado

dia

Desde o fim do ano passado, a China busca assegurar o controle total sobre a ex-colônia britânica de Hong Kong

Hong Kong: protestos marcaram os últimos meses (Willy Kurniawan/Reuters)

A decisão da China de reprimir Hong Kong com uma nova lei de segurança chocou o mundo. Mas para quem leu a resolução emitida pelo Comitê Central do Partido Comunista da China em novembro do ano passado, isso não é surpresa. Na seção desse documento referente a Hong Kong, o CPC sinalizou sua intenção de assegurar controle total sobre a ex-colônia britânica. Leis mais rigorosas de segurança nacional e o estabelecimento de novos mecanismos de cumprimento da lei não especificados seriam apenas dois componentes de uma estratégia muito maior e mais abrangente.

Agora que a China está adotando seriamente essa estratégia, deveríamos esperar que ela fosse seguir as medidas adicionais anunciadas em novembro passado. Além de ignorar a legislação de Hong Kong com uma nova lei de segurança nacional, o PCC também pretende alterar os procedimentos para nomear o chefe do executivo e as principais autoridades da cidade. Ela fortalecerá a maneira de aplicação da lei de Hong Kong e conduzirá uma campanha para instilar “consciência nacional e espírito patriótico” entre funcionários públicos e a juventude de Hong Kong. O objetivo é integrar muito mais a economia da cidade à do continente. Como se a tão temida lei de segurança não fosse ruim o suficiente, o pior ainda está por vir.

De qualquer forma, a implementação da lei de segurança provavelmente será suficiente para encerrar o chamado “um país dois sistemas”, modelo de governança de dois sistemas que a cidade mantém desde o retorno ao domínio chinês em 1997. Segundo observações de um vice-presidente do comitê permanente do Congresso Nacional do Povo (CNP), o Artigo 4º da lei proposta autorizará relevantes “agências de segurança nacional do governo central” a estabelecer filiais operacionais permanentes em Hong Kong.

Embora ainda não se saiba a quais “relevantes agências nacionais de segurança” isso se refere, pode-se ter certeza de que nelas estão incluídos o Ministério de Segurança do Estado (MSS), o Ministério de Segurança Pública (MSP) e a Polícia Armada Popular (PAP). Funcionários da Administração do Ciberespaço, responsáveis pela segurança cibernética e a censura on-line, também podem ser enviados para Hong Kong.

Pior ainda, a lei proposta dará a essas agências um abrangente mandato. De acordo com o Artigo 7º , cada agência terá o dever de “impedir, interromper e punir quaisquer atividades que dividam o país, subvertam o poder do Estado, organizem e se envolvam em terrorismo, e atividades por forças estrangeiras e externas que interfiram nos assuntos da Região Administrativa Especial de Hong Kong.”

Caso seja rigorosamente cumprido, poderemos ter agentes de segurança chineses envolvidos em vigilância, intimidação e prisões não apenas dos residentes de Hong Kong, mas também de estrangeiros considerados como ameaça à segurança nacional. A PAP pode muito bem ser implantada para suprimir grandes manifestações e distúrbios que certamente ocorrerão. Embora ainda não esteja claro de que maneira os indivíduos acusados ​​de atividades subversivas serão processados, há uma forte possibilidade de serem transferidos para os tribunais chineses, onde a obtenção de condenações por acusações falsas será mais fácil do que nos tribunais de Hong Kong, que permanecem majoritariamente independentes.

A população de Hong Kong não se submeterá ao estado policial da China sem resistência. No curto prazo, a aprovação da nova lei só aumentará as tensões na cidade, como demonstrado por um recente choque entre manifestantes e a polícia de Hong Kong. Quando os agentes de segurança chineses iniciarem suas atividades de fiscalização nos próximos meses, eles provavelmente encontrarão uma feroz resistência de ativistas locais pró-democracia. A escalada da violência precipitará um colapso econômico à medida que o capital e os talentos fugirem do hub financeiro global da Ásia.

Enquanto isso, os falcões da China nos Estados Unidos verão essa iminente catástrofe como uma dádiva de Deus. Em novembro passado, o Congresso aprovou a Lei de Direitos Humanos e Democracia dos EUA em Hong Kong , que exige que o Departamento de Estado dos EUA certifique anualmente que Hong Kong “continua a garantir tratamento sob a lei dos Estados Unidos da mesma maneira que as leis dos Estados Unidos eram aplicadas para Hong Kong até 1º de julho de 1997.” Se agentes de segurança chineses começarem a prender ativistas pró-democracia e seus apoiadores ocidentais em Hong Kong, é impossível imaginar que o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, permita que o departamento homologue nova certificação do status da cidade.

No caso da não certificação, isso acabaria com todos ou com a maioria dos privilégios comerciais e de turismo que os EUA mantêm para Hong Kong desde 1997, possivelmente causando um golpe fatal na economia da cidade. E os EUA não serão o único país do ocidente a fazer a China pagar caro por sua agressiva iniciativa. Para os aliados dos EUA que hesitaram em tomar partido nos desdobramentos sino-americanos, essa ação da China facilitará muito sua decisão. Quaisquer dúvidas que possam ter sobre mergulhar o mundo em outra guerra fria terão sido diminuídas. A China os deixará sem alternativa a não ser se juntar a uma coalizão anti-China liderada pelos EUA.

Pode-se ter certeza de que os líderes da China levaram em consideração todas essas consequências calamitosas e calcularam que a imposição da nova lei de segurança em Hong Kong compensaria os riscos. A comunidade internacional precisa provar que eles estão errados.

*Minxin Pei é Professor de Assuntos Governamentais na Faculdade Claremont McKenna e Membro Não Residente do German Marshall Fund dos Estados Unidos. É autor do livro China’s Crony Capitalism. (Capitalismo Clientelista da China) e primeiro Presidente da Biblioteca do Congresso nas Relações EUA-China.

 

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Mundo

Wuhan mostra ao mundo como as economias podem se recuperar

Publicado

dia

Consumidores demoram a retornar, cautelosos e com hábitos como cozinhar em casa e fazer compras online persistindo após bloqueio de 76 dias

Pedestres usando máscaras protetoras passam por lojas em Wuhan, na China, 1º de maio de 2020. (Qilai Shen/Bloomberg)

Ver mais

Mundo

Lombriga é encontrada em amígdala de mulher com dor de garganta no Japão

Publicado

dia

Divulgação/The American Society of Tropical Medicine and Hygiene

Uma mulher de 25 anos teve uma surpresa ao procurar ajuda médica por causa de uma dor de garganta no Japão. Ao ser examinada, os médicos encontraram uma lombriga com 4 cm de comprimento que estava em uma das amígdalas da jovem. O animal permaneceu vivo ainda após a retirada.

O relato foi feito na edição de julho do jornal da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene. O caso aconteceu no Hospital Internacional St. Luke’s, em Tóquio.

Segundo o relato, a mulher chegou ao hospital reclamando de sintomas de gripe, com uma sensação de desconforto na garganta. A lombriga estava alojada dentro da amígdala da jovem e precisou de uma pinça para ser retirada. Após o procedimento, a mulher apresentou rápida melhora.

Os médicos identificaram o verme de cor preta como uma lombriga. O animal é um verme e um dos parasitas que podem ser encontrados em pessoas que comem peixe ou outro tipo de carne crua.

A jovem confirmou aos médicos que, dias antes de sentir o incômodo na garganta, tinha comido sashimi, um prato japonês com peixes e frutos do mar crus.

Os autores da publicação disseram que casos do tipo são cada vez mais comuns no mundo. O motivo é o consumo crescente de pratos japoneses como o sashimi e também o sushi.

 

Ver mais

Mundo

EUA rejeita reivindicações sobre Mar do Sul da China e agrava tensão

Publicado

dia

Os EUA enviam navios de guerra com frequência para Mar do Sul da China para demonstrar apoio à liberdade de navegação no local

Porta-aviões norte-americano USS Nimitz é reabastecido no Mar do Sul da China 07/07/2020 Marinha dos Estados Unidos (Christopher Bosch/Reuters)

Os Estados Unidos rejeitaram na segunda-feira as reivindicações da China sobre recursos marítimos na maior parte do Mar do Sul da China, o que levou Pequim a criticar os EUA e dizer que a posição norte-americana aumenta a tensão na região e ainda sublinhou um relacionamento cada vez mais exasperado.

A China não ofereceu nenhuma base legal coerente para suas ambições no Mar do Sul da China, e há anos vem intimidando outros países do litoral do sudeste asiático, disse o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, em um comunicado.

“Estamos deixando claro: as reivindicações de Pequim sobre recursos marítimos na maior parte do Mar do Sul da China são completamente ilegais, como é sua campanha de assédio para controlá-los”, disse Pompeo, crítico destacado da China no governo Trump.

Há tempos os EUA se opõem às reivindicações chinesas de expansão territorial no Mar do Sul da China, e com frequência enviam navios de guerra à rota marítima estratégica para demonstrar apoio à liberdade de navegação no local – mas os comentários de segunda-feira refletiram um tom mais duro.

O mundo não permitirá que Pequim trate o Mar do Sul da China como seu império marítimo”, disse Pompeo.

O comunicado dos EUA apoia uma decisão tomada quatro anos atrás em conformidade com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), que invalidou a maioria das reivindicações chinesas de direitos marítimos no Mar do Sul da China. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, repudiou a rejeição norte-americana da pretensão chinesa.

“Ela atiça intencionalmente uma polêmica a respeito das reivindicações de soberania marítima, destrói a paz e a estabilidade regionais e é um ato irresponsável”, disse ele em uma coletiva de imprensa de rotina.

“Os EUA enviaram repetidamente grandes frotas de aviões e navios militares sofisticados ao Mar do Sul da China… os EUA são os encrenqueiros e destruidores da paz e da estabilidade regionais.”

A China reclama 90% do mar potencialmente rico em recursos energéticos, mas Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã também reivindicam partes dele.

Cerca de 3 trilhões de dólares de mercadorias atravessam a rota marítima todos os anos. A China construiu bases em atóis da região, mas diz que suas intenções são pacíficas.

Analistas disseram que seria importante ver se outros países adotam a postura dos EUA e o que Washington pode fazer –se é que fará algo– para fortalecer sua posição e impedir que Pequim crie “fatos nas águas” para reforçar suas reivindicações.

 

Ver mais

Mundo

Universidade da Rússia diz ter terminado teste de vacina contra covid-19

Publicado

dia

Segundo a OMS, vacina está na fase 1 de testes; somente 2 estão na fase final, sendo elas a da AstraZeneca com a Universidade de Oxford e a chinesa Sinovac

Coronavírus: Rússia é o quarto país mais afetado pela doença (Gavriil GrigorovTASS/Getty Images)

Os testes clínicos de uma vacina que está sendo desenvolvida na Rússia contra o novo coronavírus foram concluídos, segundo a Universidade de Sechenov. Neste domingo (12), a chefe da pesquisa, Elena Smolyarchuk, afirmou à agência de notícias russa TASS que a pesquisa mostrou que a vacina é efetiva contra a doença. Apesar disso, a vacina, que é desenvolvida pelo Gamaleya Institute, consta na lista da Organização Mundial da Saúde (OMS) como em “fase 1 de testes”.

Para uma vacina ser aprovada e distribuída, ela precisa passar por três fases de testes. A fase 1 é a inicial, quando as empresas tentam comprovar a segurança de suas vacinas em seres humanos; a segunda é a fase que tenta estabelecer que a vacina produz sim imunidade contra um vírus, já a fase 3 é última fase do estudo, tenta demonstrar a eficácia da vacina. Para que uma vacina seja finalmente disponibilizada para a população, é necessário que essa fase seja finalizada e que a proteção receba um registo sanitário. Por fim, na fase 4, a vacina é disponibilizada para a população.

“A pesquisa foi concluída e mostrou que a vacina é segura. Os voluntários serão liberados nos dias 15 e 20 de julho”, disse Smolyarchuk. Apesar da alta, os voluntários seguirão sendo monitorados por seis meses para checar os efeitos da proteção.

Segundo o jornal russo Moscow Times, a intenção da Rússia é que a vacina já comece a ser distribuída em agosto.

De tal forma, é provável que a vacina da Rússia não seja distribúida já em agosto, por estar somente na fase 1 de testes, de acordo com a OMS.

Os testes clínicos começaram com 38 voluntários pagos no começo de junho, quando, também, os militares russos iniciaram uma testagem paralela da mesma vacina, sem divulgar os números exatos de pessoas que foram testadas. No ínicio deste mês, Smolyarchuk afirmou que os pacientes que receberam uma dose da medicação tiveram efeitos colaterais como dor de cabeça e temperatura alta — resolvidos em 24 horas, segundo ela.

A Rússia é o quarto país mais afetado pela covid-19 no mundo, segundo o monitoramento em tempo real da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Por lá são 732.547 infectados e 11.422 mortes.

Segundo a OMS, atualmente 158 vacinas estão sendo criadas e outras 23 já estão em fases de testes clínicos. De todas elas, apenas duas estão na última fase de testes, sendo elas a versão da AstraZeneca com a Universidade de Oxford e a chinesa Sinovac.

Nunca antes foi feito um esforço tão grande para a produção de uma vacina em um prazo tão curto — algumas empresas prometem que até o final do ano ou no máximo no ínicio de 2021 já serão capazes de entregá-la para os países. A vacina do Ebola, considerada uma das mais rápidas em termos de produção, demorou cinco anos para ficar pronta e foi aprovada para uso nos Estados Unidos, por exemplo, somente no ano passado.

Uma pesquisa aponta que as chances de prováveis candidatas para uma vacina dar certo é de 6 a cada 100 e a produção pode levar até 10,7 anos. Para a covid-19, as farmacêuticas e companhias em geral estão literalmente correndo atrás de uma solução rápida.

Nenhum medicamento ou vacina contra a covid-19 foi aprovado até o momento para uso regular, de modo que todos os tratamentos são considerados experimentais.

Ver mais

Mundo

Farmacêuticas dos EUA querem iniciar fabricação de vacina em setembro

Publicado

dia

Governo Trump ajudou a financiar o desenvolvimento de quatro vacinas contra a covid-19 até agora

Covid-19: companhias farmacêuticas em parceria com o governo dos Estados Unidos estão a caminho de fabricar ativamente a vacina até o final do verão do hemisfério norte (Dado Ruvic/Reuters)

Companhias farmacêuticas em parceria com o governo dos Estados Unidos estão a caminho de fabricar ativamente a vacina para a Covid-19 até o final do verão do hemisfério norte, disse uma autoridade do governo nesta segunda-feira.

“Se você disser quando literalmente os materiais da vacina estarão em produção e manufatura, será daqui provavelmente quatro ou seis semanas, mas estaremos fabricando ativamente até o final do verão”, disse a autoridade, que não quis ser identificada.

Ele acrescentou que o governo já está trabalhando com empresas para equipar e aparelhar instalações de fabricação e para adquirir materiais brutos.

O governo Trump ajudou a financiar o desenvolvimento de quatro vacinas para a Covid-19 até agora através do Programa Operação Velocidade de Dobra, que tem como objetivo produzir 300 milhões de doses da vacina até o final de 2021.

O governo norte-americano ofereceu outorgas de centenas de milhões de dólares até 1 bilhão de dólares para a Johnson & Johnson, a Moderna Inc, a AstraZeneca Plc e a Novovax Inc.

Também foi assinado um contrato de 450 milhões de dólares no início do mês com a Regeneron Pharmaceuticals Inc para ajudar a fornecer tratamentos para pacientes que estão doentes com o vírus.

Testes clínicos para terapias podem produzir resultados em questão de semanas, tornando possível a produção de centenas de milhares de doses até o outono, afirmou a autoridade do governo.

 

Ver mais

Mundo

Google, Microsoft e Facebook se juntam contra nova regra de vistos dos EUA

Publicado

dia

Novas regras do governo Trump barram a entrada de alunos se as respectivas instituições de ensino realizarem aulas exclusivamente online durante a pandemia

Aeroporto: há mais de 1 milhão de estudantes estrangeiros em universidades e faculdades dos EUA (Kate Munsch/Reuters)

Estudantes estrangeiros já foram impedidos de ingressar nos Estados Unidos devido às novas regras do governo Trump que barram a entrada de alunos no país se as respectivas instituições de ensino realizarem aulas exclusivamente online durante a pandemia de coronavírus, de acordo como um documento judicial registrado no domingo.

O documento assinado por dezenas de universidades e faculdades foi apresentado em apoio a uma ação civil da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que tenta derrubar as novas regras de imigração emitidas no dia 6 de julho, que pegaram instituições acadêmicas de todo o país de surpresa.

O texto afirma que as autoridades imigratórias “já estão impedindo que estudantes em retorno reentrem no país” e citou o caso de um aluno da Universidade DePaul que voltava da Coreia do Sul e foi barrado no Aeroporto Internacional de San Francisco.

A Universidade DePaul não quis liberar o aluno para conceder entrevista. Um porta-voz da Agência de Proteção da Alfândega e da Fronteira dos EUA não comentou sobre os estudantes cujo ingresso está sendo negado em respeito às novas regras.

O comunicado foi somente um de uma série de documentos apresentados por várias associações comerciais, sindicatos trabalhistas e empresas de tecnologia, como Google, Microsoft, Facebook e Twitter, para apoiar a ação civil. Estes foram seguidos por mais de duas dúzias de cidades grandes e pequenas e condados que repudiaram a regra do governo Trump.

Há mais de 1 milhão de estudantes estrangeiros em universidades e faculdades dos EUA, e muitas escolas dependem da renda destes, que muitas vezes pagam mensalidades integrais.

Ver mais

Hoje é

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?