Nossa rede

Economia

Como as eleições americanas podem afetar o mercado financeiro

Publicado

dia

Em disputa travada durante a pandemia, mercado teme que contagem de votos por correios estenda indefinição sobre resultado

Donald Trump e Joe Biden: candidatos à presidência dos Estados Unidos (Bússola/Reprodução)

A poucas semanas das eleições americanas, a corrida pela Casa Branca tem ganhado cada vez mais destaque nas mesas de operações do mercado financeiro mundial. E ainda que o candidato democrata Joe Biden apareça a frente do presidente republicano Donald Trump em pesquisas de intenção de voto, o único consenso entre os investidores é que o evento trará ainda mais volatilidade para os mercados.

“Devido à animosidade dos debates e do período de consolidação das novas propostas, o segundo semestre dos anos de eleição costuma apresentar maior volatilidade. Isso é visível no índice VIX (também conhecido como índice do medo). O mesmo vale para a volatilidade do Ibovespa, sinalizando que o mercado brasileiro não passa impune”.

“O mercado não gosta de incerteza e, por consequência, de eleições”, define Henrique Duarte, diretor da Valor Investimentos. E essas, especificamente, trazem elementos únicos que devem aumentar ainda mais a insegurança dos investidores.

Contagem de votos

Realizada em meio à maior pandemia em um século, a expectativa é de que o número de votos por correios cresça mais de 200% em relação aos cerca de 20 milhões das eleições de 2016, o que pode atrasar a contagem de votos. “O mercado teme que se leve mais tempo para descobrir quem é o presidente e isso adiciona mais turbulência”, comenta Paulo Clini, diretor de investimentos da Western Asset.

Contestações

Atrás nas pesquisas eleitorais, Trump tem jogado dúvidas sobre a legitimidade dos votos por correio, que ele considera uma receita para fraudes. Por outro lado, Biden, que tem adotado uma postura mais cautelosa com relação aos riscos de contaminação da covid-19, tem incentivado seus eleitores a votarem por meio de correio. De acordo com pesquisa do Instituto Ipsos, 71% dos eleitores republicanos disseram que preferem o voto presencial, enquanto apenas 39% dos democratas preferem essa modalidade.

Um dos temores do mercado é de que, caso perca, Trump conteste o resultado das eleições, alegando fraude nos votos por correio. Recentemente, questionado se iria fazer a uma transferência de poder pacífica, se perder, o presidente americano apenas respondeu “Bom, vamos ver o que vai acontecer”. Em meio a esse contexto, grandes bancos de investimento, como JPMorgan e Citigroup, chegaram a afirmar que uma vitória esmagadora de Joe Biden poderia ser positiva para as bolsas de valores, tendo em vista que diminuíram as chances de o resultado ser contestado.

Mas, a contestação de resultados não é vista com maus olhos somente pelo mercado financeiro. Logo após a declaração de Trump, senadores do próprio partido do presidente reagiram de forma negativa, defendendo o sistema eleitoral americano. Líder dos republicanos nos Senado, Mitch McConnell, chegou a afirmar por meio do Twitter que a transição ocorrerá como todas as outras desde 1792.

&

mpostos

Um dos principais pontos de divergência entre democratas e republicanos, a política de impostos é a principal razão para a preferência do mercado financeiro por Trump. Isso porque entre os planos de Biden está a elevação dos impostos corporativos de 21% para 28%, sendo que nos primeiros anos do governo Trump essa mesma taxa foi rebaixada de 35% para 21%.

“Esses cortes de impostos tiveram efeito positivo sobre o mercado acionário e o mercado de crédito americano porque acabaram gerando um fluxo de caixa adicional para as empresas. A reversão de impostos pode ter uma repercussão mais séria sobre as bolsas americanas e, por consequência, nos mercados globais”, diz Clini.

Estímulos

Para tentar recuperar as intenções de voto, espera-se que Trump eleve o tom de seus discursos contra democratas, o que pode inviabilizar estímulos econômicos que vem sendo negociados com a presidente da Câmara e democrata, Nancy Pelosi. Nesta semana, o presidente americano chegou a ordenar que sua equipe interrompesse conversas sobre o tema com líderes do partido rival até as eleições. Embora tenha voltado atrás sobre a decisão horas depois, o mercado vê a possibilidade de, caso perca, os pacotes fiscais fiquem para o ano que vem, após a posse de Biden, em 20 de novembro.

“Se o Trump ganhar, talvez consiga destravar esse pacote mais rapidamente. Se for o Biden e demorar [para o resultado sair] talvez fique só para o ano que vem. Mas parece razoável trabalhar com a premissa de que algum pacote fiscal adicional virá. Se não for nas próximas semanas ou no próximo mês, ele virá no início do ano que vem”, afirma Clini.

A necessidade de novos estímulos também tem sido repetidamente alertada por membros do Federal Reserve (Fed). Nesta semana, o presidente do Fed voltou a falar que uma recuperação econômica “sólida” só poderá ser atingida com mais pacotes fiscais. Para a mais gestora da Europa, a Amundi, com Biden na Casa Branca, os gastos do governo devem ter um aumento significativo. As consequências de curto prazo, nesse cenário, poderiam ser positivas para a economia americana, mas com risco de alta da inflação e, consequentemente, elevação das taxas de juros, afirmam em relatório.

Senado

Ainda que as maiores atenções estejam voltadas para as eleições presidenciais, as disputas pelo Senado, atualmente republicano, e pela Câmara, democrata, também deve ter grande impacto sobre o mercado financeiro. Mas, como a permanência da maioria democrata na Câmara é tida como praticamente certa, a briga pelo Senado ganha ainda mais relevância. Para Clini, o resultado de quem ficará com o Senado pode ter consequências até mais sérias que a eleição presidencial.

“Se tiver controle total das casas por um único partido que também controla a presidência seria mais fácil para qualquer um dos candidatos implementar a plataforma deles em sua totalidade, o que possibilitaria a aprovação de medidas mais radicais.”

Nos cenários traçados pela Amundi, a total tomada dos poderes pelos democratas provocaria os mais negativos efeitos sobre o mercado acionário, embora alguns setores pudessem se beneficiar. Entre eles, estariam os de energia renovável e de infraestrutura.

 

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Economia

Criação de vagas de emprego cresce 1% no estado de São Paulo

Publicado

dia

Percentual é idêntico ao verificado em nível nacional

Entre setembro e outubro, o número de vagas de emprego formal cresceu 1% no estado de São Paulo. Segundo atualização divulgada hoje (4) pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), o crescimento foi o mesmo verificado em âmbito nacional.

No período, foram registradas no estado 513 mil admissões e 394 mil desligamentos. Os 119 mil postos de trabalho criados representam 30% do total gerado no país.

No balanço, a Fundação Seade informa que, apesar do saldo positivo, o estado perdeu 92 mil vagas de emprego com carteira assinada de janeiro a outubro, o que corresponde a 53,8% do total de postos de trabalho pelo regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no Brasil, que são 171 mil.

O impacto foi maior nos segmentos de serviços, comércio e indústria, que fecharam 87 mil, 91 mil e 3 mil vagas, respectivamente. A construção civil e a agropecuária tiveram melhor desempenho, com resultado positivo de 63 mil e 26 mil postos.

O relatório também faz observações em termos de localidade. Os municípios paulistas que mais contribuíram para o índice positivo foram Bauru, São José do Rio Preto, Marília e Araçatuba.

A capital perdeu 55 mil vagas de trabalho formal. No mesmo grupo de municípios que puxam o índice para baixo, estão São José dos Campos, com menos 22 mil postos, e Santos, que perdeu 14 mil.

Ainda segundo a Seade, de abril a outubro, foram celebrados 6,1 milhões de acordos entre empregadores e funcionários, que abrangeram 3,2 milhões de trabalhadores, dos quais 27% eram celetistas, isto é, amparados pela CLT.

Ao todo, 2,5 milhões dos acordos (41%) envolveram a suspensão do contrato de trabalho, autorizada pelo governo federal durante a pandemia de covid-19, mediante a edição da Medida Provisória (MP) 936/20. A MP prevê que a suspensão de contrato pode durar até 60 dias.

Ver mais

Economia

Captação da poupança cai pela primeira vez desde janeiro

Publicado

dia

Depósitos superaram saques em R$ 1,48 bilhão em novembro

Agência Brasil.

Aplicação financeira mais tradicional dos brasileiros, a caderneta de poupança registrou a primeira queda na captação líquida (depósitos menos saques), depois de nove meses consecutivos de melhora. Em novembro, os investidores depositaram R$ 1,48 bilhão a mais do que retiraram da aplicação, informou nesta sexta-feira (4) o Banco Central (BC).

A captação líquida é 39% inferior ao registrado em novembro do ano passado, quando os brasileiros depositaram R$ 2,43 bilhões a mais do que tinham sacado. Nos últimos meses, a caderneta tinha quebrado uma sequência de recordes desde o início da série histórica, em 1995.

Apesar do recuo no mês passado, a poupança acumula entrada líquida de R$ 145,71 bilhões de janeiro a novembro. Esse é o melhor desempenho para o período registrado pela aplicação financeira.

A aplicação começou o ano no vermelho. Em janeiro e fevereiro, os brasileiros retiraram R$ 15,93 bilhões a mais do que depositaram. A situação começou a mudar em março, com o início da pandemia da covid-19, quando os depósitos passaram a superar os saques. A turbulência no Tesouro Direto nos dois primeiros meses da pandemia fez parte dos investidores preferirem a segurança da poupança, mesmo com rendimento menor.

O interesse dos brasileiros na poupança manteve-se apesar da recuperação da bolsa de valores nos últimos meses. No entanto, com a taxa Selic (juros básicos da economia) em 2% ao ano, menor nível da história, e o aumento da inflação decorrente do preço dos alimentos reduziram a demanda pela caderneta.

Rendimento

Com rendimento de 70% da Taxa Selic (juros básicos da economia), rendeu 2,29% nos 12 meses terminados em novembro, segundo o Banco Central. No mesmo período, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), que serve como prévia da inflação oficial, atingiu 3,52%. O IPCA cheio de novembro será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no próximo dia 8.

Para este ano, o boletim Focus, pesquisa com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, prevê inflação oficial de 3,54% pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Com a atual fórmula, a poupança renderia 1,4% este ano, caso a Selic de 2% ao ano estivesse em vigor desde o início do ano. Como a taxa foi sendo reduzida ao longo dos últimos meses, o rendimento acumulado será um pouco maior, mas insuficiente para repor as perdas com a inflação.

Histórico

Até 2014, os brasileiros depositaram mais do que retiraram da poupança. Naquele ano, as captações líquidas chegaram a R$ 24 bilhões. Com o início da recessão econômica, em 2015, os investidores passaram a retirar dinheiro da caderneta para cobrir dívidas, em um cenário de queda da renda e de aumento de desemprego.

Em 2015, R$ 53,57 bilhões foram sacados da poupança, a maior retirada líquida da história. No ano de 2016, os saques superaram os depósitos em R$ 40,7 bilhões. A tendência inverteu-se em 2017, quando as captações excederam as retiradas em R$ 17,12 bilhões, e em 2018, com captação líquida de R$ 38,26 bilhões. Em 2019, a poupança registrou captação líquida de R$ 13,23 bilhões.

Agência Brasil

Ver mais

Economia

Secretaria de Economia e PMDF atingem 100% de transparência

Publicado

dia

Segundo a Controladoria-Geral do DF, as duas instituições conseguiram alcançar a transparência total pelo segundo ano consecutivo

Pelo segundo ano consecutivo, aSecretaria de Economia do Distrito Federal atingiu 100% de transparência ativa em 2020. A Polícia Militar do DF (PMDF) alcançou o mesmo feito neste ano.

A transparência da Economia e da PMDF foi registrada na 5ª edição do Prêmio Índice de Transparência Ativa (ITA), promovido pela Controladoria-Geral do DF (CGDF).

Criada em 2015, a iniciativa reconhece as ações dos órgãos públicos para assegurar a transparência para as informações de interesse público, respeitando as diretrizes da Lei de Acesso à Informação (LAI).

Em 2020, a Economia participou da divulgação de informações no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Neste caso, a secretaria contribuiu com esclarecimentos sobre a legislação específica do combate à Covid-19,

A pasta disponibiliza todos os seus serviços de forma digital. O portal da Receita, que concentra a maior parcela deles, oferta on-line, aproximadamente, 430.

Missão diária

Segundo a PMDF, a instituição busca, diariamente, aprimorar as ferramentas de transparência para a população. “Como a Polícia Militar é uma instituição que está sempre pronta para cumprir missões e alcançar altos índices de satisfação, este prêmio reflete um esforço em conjunto de toda a corporação”, pontuou o chefe da Ouvidoria da PMDF, major Teixeira.

Devido às restrições sanitárias impostas pela pandemia, a entrega dos troféus será realizada no Anexo do Buriti, em 7 e 8 de dezembro, com agendamento de cada órgão.

 Com informações da Secretaria de Economia e a PMDF.

 

Ver mais

Economia

Presidente da Caixa diz que não sabia que brasileiros moram em lixões

Publicado

dia

“Quando nós viajamos pelo Brasil, há três semanas, nós visitamos alguns lixões. E o que a gente viu é algo que eu nunca tinha pensado que existisse. Pessoas morando nos lixões, e vivendo no chorume”, apontou

(crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que não sabia da existência de pessoas vivendo em lixões. Ele comentou a surpresa no final da tarde de ontem, durante solenidade do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.

“Quando nós viajamos pelo Brasil, há três semanas, nós visitamos alguns lixões. E o que a gente viu é algo que eu nunca tinha pensado que existisse. Pessoas morando nos lixões, e vivendo no chorume”, apontou.

“Na nossa opinião, é algo que a gente não pode aceitar”, declarou. Segundo ele, na semana seguinte será aberto o primeiro edital de financiamento aos lixões.

Ver mais

Economia

Construção reage no terceiro trimestre e cresce 5,6% na comparação com o anterior

Publicado

dia

No confronto com o mesmo trimestre de 2019, a Indústria, no geral, teve queda de 0,9% e a construção recuou 7,9%, corroborada pela queda da ocupação nessa atividade

(crédito: Breno Fortes/CB/D.A Press)

Entre as atividades industriais, no terceiro trimestre de 2020, em relação ao segundo trimestre do ano, um dos destaques foi o desempenho da construção, com alta de 5,6%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (3/12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que anunciou alta de 7,7% no PIB brasileiro no terceiro trimestre do ano em relação ao período imediatamente anterior.

No confronto com o mesmo trimestre de 2019, a Indústria, no geral, contudo, teve queda de 0,9% e a construção recuou 7,9%, corroborada pela queda da ocupação nessa atividade.

“Olhando pela ótica produtiva, o destaque foi a Indústria de transformação, até pelo fato de ter caído bastante no segundo trimestre (-19,1%), com as restrições de funcionamento. A Indústria cresceu como um todo 14,8%; e a de transformação, 23,7%, mas voltamos ao patamar do primeiro trimestre”, analisa a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Ver mais

Economia

SPE: PIB indica que auxílio emergencial não será necessário em 2021

Publicado

dia

Secretaria de Política Econômica acredita que a “forte recuperação da atividade” permite que a economia brasileira “continue avançando no primeiro semestre de 2021 sem a necessidade de auxílios governamentais”

(crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia disse que o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre mostra que a economia brasileira está se recuperando de forma vigorosa da crise causada pela pandemia de covid-19. E, por isso, não vai precisar de auxílios governamentais em 2021.

“A forte recuperação da atividade, do emprego formal e do crédito, aliadas ao aumento da taxa de poupança, pavimentam o caminho para que a economia brasileira continue avançando no primeiro semestre de 2021 sem a necessidade de auxílios governamentais”, avaliou a SPE, em nota técnica divulgada nesta quinta-feira (3/12).

A nota foi publicada logo após o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informar que o PIB do Brasil cresceu 7,7% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior. O dado, contudo, veio abaixo do esperado pelo mercado, que projetava uma recuperação mais próxima de 9%. E, segundo os analistas, pode desacelerar após o fim do auxílio emergencial, pois foi influenciado pelo
consumo das famílias, favorecido pelo benefício.

A SPE, por sua vez, avaliou que “a retomada da atividade e do emprego, que ocorreu nos últimos meses, compensará a redução dos auxílios”. A pasta argumentou que a “vigorosa recuperação da atividade” foi “ampla e alcançou praticamente todos os setores e subsetores da oferta, assim como a maioria dos componentes da demanda”. E disse que “os indicadores coincidentes e o carregamento estatístico mostram que a atividade continuará crescendo a taxas elevadas no final do ano”.

“O bom resultado do PIB no segundo semestre de 2020, a retomada dos empregos e a continuidade da expansão do crédito sugerem que a economia continuará avançando em 2021 sem a necessidade de auxílios governamentais”, reforçou.

A pasta, que é chefiada pelo secretário Adolso Sachsida, admitiu que a “retomada mais rápida da atividade econômica” é fruto das medidas emergenciais que foram implementadas com o intuito de atenuar os impactos negativos da pandemia sobre a economia. Porém, disse que não vê necessidade da manutenção dessas medidas em 2021 pois acredita que o setor de serviços, que vem se recuperando mais devagar da pandemia e representa quase 2/3 do PIB do Brasil, vai se recompor dos efeitos da pandemia, e também porque a poupança acumulada pelas famílias de classe média vai compensar a retirada do auxílio emergencial no consumo.

“Melhora das condições financeiras”

“A retomada da atividade e do emprego, que ocorreu nos últimos meses, compensará a redução dos auxílios. Outro fator positivo será a melhora das condições financeiras que continuarão impulsionando a atividade, principalmente com a retomada da agenda de reformas. Ademais, a forte elevação da taxa de poupança no 3T20 (17,3% do PIB), que alcançou o maior valor para o terceiro trimestre desde 2013,
sinaliza que a trajetória de consumo será suavizada no começo de 2021 sem a necessidade de novos auxílios governamentais”, destacou.

A SPE concluiu que “esses dados sinalizam que a economia brasileira vai ganhando tração para manter a retomada econômica em 2021”. E defendeu que “o escudo de políticas sociais criado para amenizar o sofrimento econômico e social causados pela pandemia deve ser desarmado, dando espaço para a agenda de reformas estruturais e consolidação fiscal — único meio para que a recuperação se mantenha pujante”. Para a pasta, “o único caminho que poderá gerar a elevação do bem-estar dos brasileiros serão medidas que consolidem o lado fiscal de nossa economia e corrijam a má alocação de recursos, aumentem a produtividade e incentivem a expansão do setor privado”.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, também avaliou positivamente o resultado do PIB, dizendo que a economia está voltando em V. E alegou que o Brasil está cumprindo as orientações do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao fazer a retirada gradual dos auxílios.

Ver mais

Hoje é

sábado, 5 de dezembro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?