Nossa rede

Saúde

Campanha de vacinação contra a gripe termina nesta sexta; no DF 72% foram imunizados

Publicado

dia

Meta da Secretaria de Saúde é vacinar 778.627 pessoas. Veja onde procurar pela vacina, de graça.

Campanha de vacinação contra a gripe — Foto: Reprodução G1

A campanha de vacinação contra a gripe termina nesta sexta-feira (31). No Distrito Federal, a meta da Secretaria de Saúde é imunizar 778.627 pessoas, o que equivale a 90% da população que se enquadra nas regras estabelecidas pelo Ministério da Saúde (veja abaixo o público-alvo).

Mas até o último levantamento da pasta, feito na última sexta-feira (24), apenas 72,6% do público-alvo havia procurado os postos. Tinham sido imunizadas 572.952 pessoas.

A campanha começou no dia 10 de abril. Ao todo 133 postos atendem ao público do Distrito Federal.

Público-alvo

O público-alvo da campanha é composto por crianças de seis meses a menores de seis anos de idade, gestantes, mulheres com até 45 dias após o parto. Também estão incluídos idosos, professores, profissionais da saúde, população de encarcerados, portadores de doenças crônicas, indígenas e, ainda, bombeiros e policiais civis e militares da ativa.

A vacina se destina, ainda, aos adolescentes e jovens com idade entre 12 e 21 anos em medida socioeducativa.

A expectativa é que até o fim da campanha 59,4 milhões de pessoas tomem a vacina, em todo o país. No entanto, até esta segunda-feira (27), 42,5 milhões haviam sido vacinadas, conforme os dados do governo federal. O número equivale a 71,6%.

Vacina contra influenza. — Foto: Reprodução G1

Vacina contra influenza. — Foto: Reprodução G1

A vacina em 2019

A vacina preparada para 2019 teve alteração em duas das três cepas que a compõem, e protege contra os três subtipos do vírus da gripe, o H1N1, o H3N2 e influenza B, que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, segundo indicação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a área técnica da Secretaria de Saúde, a vacina contra a gripe é segura e reduz as complicações capazes de produzir casos graves da doença.

Segundo a gerente de Imunização da Secretaria de Saúde do DF, Renata Brandão, existem outras medidas preventivas que não servem apenas para a influenza, mas também para todos os vírus respiratórios, mas a vacina é a melhor forma de se evitar a doença.

“É sempre bom manter a etiqueta respiratória: ao tossir, cobrir o nariz e boca com um lenço. É importante descartar esse lenço no lixo e lavar frequentemente as mãos antes de se alimentar. Depois que tossir ou espirrar, lavar as mãos com água e sabão e, se não os tiver, usar álcool gel.”

Apesar de o ministro da Saúde ter anunciado, informalmente, a possibilidade de prorrogar o período de imunização, a Secretaria de Saúde ainda não foi comunicada, de forma oficial. “Enquanto isso, para nós, como área técnica, até o momento, a campanha vai até o dia 31 de maio”, frisou a gerente da Imunização do DF, Renata Brandão.

Comentário

Saúde

DF: 37,6 mil pessoas estão na fila da consulta para cirurgia vascular

Publicado

dia

Segundo a Defensoria Pública do Distrito Federal, existem 17.221 pedidos de ressonância ainda sem resposta

Milhares de brasilienses enfrentam uma longa fila para exames de ressonância magnética e consultas vasculares na rede pública do Distrito Federal. Segundo a Secretaria de Saúde, atualmente, existem 54.899 solicitações pendentes. Por um lado, 37.678 pessoas aguardam o diagnóstico de um cirurgião vascular. Ao mesmo tempo, existem 17.221 pedidos de ressonância sem resposta. Ao longo desse calvário, pacientes esperam por um, dois, até mesmo cinco anos.

A aposentada Auricéia Sampaio, de 46 anos, viveu a angustia da fila. A moradora do Paranoá enfrenta um câncer e, no fim de 2018, precisou pedir um exame de ressonância para mapear o melhor caminho para a quimioterapia. Havia o risco de metástase e, sem conseguir um horário, recorreu à Defensoria Pública do DF. No entanto, mesmo com a judicialização do caso, não recebeu atendimento. Sem opções, decidiu partir para o tratamento químico “às cegas”.

A ressonância saiu apenas no final da quimioterapia. Agora, Auricéia enfrenta um novo desafio: precisa fazer um exame de cintilografia para saber se a doença chegou aos ossos. Segundo a aposentada, as filas da saúde são revoltantes. “É uma situação horrível. As pessoas se sentem lesadas, porque temos nossos direitos e não conseguimos fazer pelo menos um exame, um tratamento digno”, desabafou.

Francisco Dutra/ Metrópoles

Segundo o coordenador do Núcleo de Saúde da Defensoria, Ramiro Sant’Ana, as filas para ressonância se estendem por até dois anos. O exame é fundamental para casos de ortopedia e tratamento de câncer. De acordo com o defensor, a espera por consultas para cirurgia vascular chega até cinco anos. Mesmo nos casos de pacientes em situação de urgência, classificados com risco amarelo, a fila chega a um ano. O procedimento é necessário para resolver desde varizes até trombose, além de acidente vascular cerebral (AVC).

“Basicamente, é uma negativa de acesso. Dizer a uma pessoa que uma consulta vai acontecer em um, dois, três, cinco anos é dizer não a ela efetivamente”, criticou. Segundo Sant’Ana, muitos tratamentos estão parados pela falta de diagnóstico, seja da ressonância ou de consulta vascular. “Isso é completamente inaceitável. Ninguém aceitaria entrar para uma fila de um exame, de uma consulta, que passe dos 60, 90 dias”, argumentou.

Neste contexto, o defensor ressaltou que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determina os prazos para o tratamento na iniciativa privada. O limite de espera para consulta é de 14 dias úteis. Exames para diagnóstico devem ser feitos em 10 dias. “Para lidar com essa possibilidade de tratamento diferente, mas ainda assim dar alguma dignidade para os pacientes do SUS, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) orientou os magistrados do Brasil para que considerem excessiva a espera a partir de 100 dias para consultas e exames e 180 dias para cirurgias”, ponderou.

Para tentar resolver esse problema crônico, que vem se acumulando a cada governo, a Defensoria Pública entrou com duas ações civis públicas coletivas na Justiça. Os processos cobram o mapeamento com detalhes de cada fila. Além disso, recomendam a regularização do sistema de atendimento, planejando e reforçando a rede pública para lidar com o desequilíbrio entre a oferta e a demanda dos atendimentos.

“Não dá para pedir para resolver a demanda reprimida sem antes fechar o problema que vem alimentando esse depósito de gente”, justificou. Na sequência, as peças solicitam ações para acabar com as filas. “A gente pede que o tempo máximo espera seja de 10 dias para exames e 14 para consultas. Ou que, na pior das hipóteses, se atribua os prazos do CNJ”, completou. A Justiça não concedeu tutela de urgência para as ações, mas a ainda não julgou o mérito das causas.

Na avaliação da especialista em Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB) Carla Pintas, o governo deveria fazer uma inspeção da lista. Segundo ela, a Secretaria de Saúde precisa calcular quantos casos estão repetidos e quantos deixaram de existir. “Certamente, a fila está superestimada. É preciso limpá-la. E não adianta pensar em fazer um mutirão. Isso pode parecer bom para a opinião pública, mas vai gerar pouca resolutividade dos problemas dos pacientes”, sugeriu.

Segundo Carla Pintas, o GDF deveria remanejar as filas entre as regionais de Saúde para racionalizar o fluxo de atendimentos. Esse movimento foi iniciado na gestão passada, mas não foi bem recebido pelos servidores. “Temos que lembrar que a Secretaria de Saúde zerou recentemente outras filas, como o caso das mamografias”, contou. A especialista destacou que a regulação da atenção especializada, como são os casos da ressonância e das consultas vasculares, é um dos principais desafios do SUS. Nesse sentido, destacou que, apesar do drama da fila, a rede precisa atender os casos de urgência do dia a dia.

Do ponto de vista do presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM), Farid Buitrago Sánchez, a situação é inaceitável. “Não é razoável a pessoa esperar dois anos por uma ressonância”, pontuou. De acordo com o médico, a crise crônica das filas só será sanada quando o GDF reforçar a rede pública com pessoal, infraestrutura, insumos e equipamentos. “Não adianta simplesmente comprar um equipamento de ressonância novo. Se o governo fizer isso vai deixar o aparelho encaixotado em um corredor”, destacou.

Procurada pelo Metrópoles, a Secretaria de Saúde informou apenas os números atualizados das filas. A pasta não quis se pronunciar sobre o problema nem apontar as soluções.

 

 

Ver mais

Saúde

Sem suporte, a medicina não evolui

Publicado

dia

Nos últimos anos, a medicina tem procurado proporcionar melhor qualidade de atendimento e mais segurança para o paciente. Mas tudo isso tem um custo

Até por ser médico, participo de reuniões e eventos da área de saúde em condição privilegiada e percebo o incômodo dos meus colegas quando o tema é a inflação médica. Isso porque entendemos corretamente que honorários não são os fatores mais relevantes nesta conta e que deveríamos ser muito melhor remunerados. Isso dito, é fundamental entendermos a responsabilidade do ato médico e suas escolhas, no contexto da segurança e qualidade na prestação de serviços em saúde e que não é ele o vilão da inflação do custo médico-assistencial.

Medicina é equipe, é processo e é estrutura. E todo contexto importa para os resultados da assistência. A partir de 2006, iniciou-se em todo o mundo uma marcha para se evitarem mortes por inconformidades e erros que acontecem numa prática assistencial sem rigor métrico e sem ser pautada pelas melhores evidências. Nesse momento nasce o Institute for Health Improvement (IHI). Todo esse movimento tem como objetivo aprimorar os resultados clínicos, reduzir os desperdícios e, o mais importante, aperfeiçoar a experiência dos pacientes.

Melhor atendimento

A busca por maior qualidade na assistência médica, com estabelecimento de uma série de métricas e a realização de suas avaliações, desenvolve enormemente a capacidade de gestão do setor de saúde em vários aspectos. Ela permite uma comparabilidade com transparência e gera a possibilidade de que se confrontem índices de infecção de hospitais, causas de reinternações e dados sobre úlcera de pressão, por exemplo, o que dá melhor poder de escolha ao paciente no momento de decidir onde buscará atendimento e garante um certo protagonismo durante os cuidados com a sua saúde.

Também é possível se questionar se muitos dos avanços que foram alcançados pela medicina nos últimos anos realmente ocorreriam sem uma procura constante por melhor qualidade de atendimento e por mais segurança para o paciente. Em outras palavras: tecnologia não é só aparelho. Deixando essas questões de lado, seria possível trabalhar e alcançar os últimos resultados da redução de úlcera de pressão? E o que falar de diminuição de infecções por Staphylococcus resistente e por pós-ventilação assistida, além de readmissões por insuficiência cardíaca congestiva? E, ainda, de prevenção de dano por uso de medicações de alto risco?

Estima-se que o número de mortes evitadas nos Estados Unidos nos últimos 10 anos somou alguns milhões com o fortalecimento do trabalho focado na medicina baseada em evidências e em valor em saúde com práticas de qualidade. Sistemas de compliance são importantes e times cujos pontos centrais de trabalho são a qualidade e a segurança do cuidado são absolutamente fundamentais. Até porque a experiência do paciente demanda justamente isso.

Sem desperdícios

O que temos de concreto é: a inflação de fato não é somente médica, ela é principalmente assistencial, com contribuição de vários agentes que trabalham em busca de tornar o serviço médico melhor e mais eficiente. E sem esse suporte, acredito que não teríamos evoluído como conseguimos. Mas a inflação médico-assistencial também é fruto de uso abusivo e desnecessário, e isso, sim, que é condenável.

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida

Eduardo Rauen, nutrólogo
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista

Ver mais

Saúde

Aumento em planos de saúde chegou a 382% em 18 anos, aponta pesquisa Ipea

Publicado

dia

Os pesquisadores fizeram críticas ao modelo de cálculo da ANS, que, segundo conclusão, falhou na tentativa de regulação do serviço

Planos de Saúde: mais de 3 milhões de pessoas deixaram de ter planos de assistência médica em função do aumento do desemprego e da queda de renda nos últimos quatro anos, segundo IPEA (megaflopp/Thinkstock)

São Paulo — Os reajustes dos planos de saúde individuais chegaram a 382% entre 2000 e 2018, mais do que o dobro da inflação no setor de saúde no mesmo período (108%). As taxas foram divulgadas em estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). De acordo com o levantamento, mais de 3 milhões de pessoas deixaram de ter planos de assistência médica em função do aumento do desemprego e da queda de renda nos últimos quatro anos.

Os pesquisadores fizeram críticas ao modelo de cálculo da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que, segundo conclusão, falhou na tentativa de regulação do serviço. A metodologia analisada teve início em 2001. “É preciso que a sociedade discuta o assunto, a fim de assegurar que os brasileiros não sejam prejudicados, principalmente porque a maioria do mercado continua desprotegida”, diz o pesquisador Carlos Ocké, coautor do estudo.

A análise aponta que a metodologia de cálculo do reajuste dos planos individuais era “cercada de controvérsias”. “Imaginou-se que os consumidores dos planos coletivos teriam capacidade de barganha para negociar os contratos com as operadoras e as administradoras de benefícios, mas, na prática, não foi isso que aconteceu. Observou-se, ao contrário, um aumento sistemático dos preços dos planos coletivos, os quais, por sua vez, embora não regulados, serviam de referência para o núcleo da política de reajuste de preços dos planos individual e familiar da ANS”, conclui o estudo do Ipea.

Para a melhoria do sistema de cálculo, os pesquisadores propõem estudos para a criação de outro índice de preços para todas as modalidades de planos de saúde. A proposta é que o novo índice tome como base a produção dos serviços médico-hospitalares, para servir de parâmetro, e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do setor da saúde como referência para a política de reajuste.

A ANS alterou a metodologia de cálculo em 2018 – válido para este ano. O novo Índice de Reajuste dos Planos Individuais (IRPI) se baseia na variação das despesas médicas das operadoras nos planos individuais e na inflação geral da economia.

Reação

A ANS considera tecnicamente inadequadas as comparações feitas entre o índice de reajuste dos planos de saúde individuais e índices de preços ao consumidor, sejam eles gerais, como o IPCA, ou específicos.

Cabe destacar ainda que a nova metodologia de cálculo do índice anual de reajuste dos planos individuais, proposta pela ANS e vigente desde dezembro de 2018, já contempla, segundo o órgão, aspectos abordados pelos autores do estudo do Ipea.

A ANS reitera, por fim, que ouviu e debateu com todos os setores da sociedade as mudanças que resultaram no aperfeiçoamento da metodologia.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade