Nossa rede

Economia

Brasil e Argentina fecham acordo para cortar tarifa do Mercosul em 10%

Publicado

dia

O entendimento deverá ser repassado aos demais membros do Mercosul: Paraguai e Uruguai. A TEC funciona como um imposto de importação uniformizado entre os membros do Mercosul

Medida foi anunciada por chanceleres dos dois países. (Mercosul/Divulgação)

Brasil e Argentina anunciaram nesta sexta-feira (8) um acordo para reduzir em 10% a tarifa externa comum do Mercosul “em um universo muito amplo de produtos”, numa guinada após meses de tensões sobre a reforma do bloco.

“O acordo de tarifa externa comum do Mercosul, que será agora levado aos sócios – tão importantes quanto Brasil e Argentina – Paraguai e Uruguai, permitirá a diminuição de 10% de um universo muito amplo de produtos”, anunciou o chanceler brasileiro, Carlos França, após receber, em Brasília, o colega argentino, Santiago Cafiero.

Cafiero ressaltou a importância deste tema vital para a flexibilização do bloco e disse que alguns setores “sensíveis” estão excluídos, como as indústrias têxtil e automotiva.

Os ministros não detalharam em seu comunicado quantos produtos esta redução abrange, mas uma fonte do Itamaraty explicou que inclui 75% do “universo tarifário”.

O chanceler brasileiro disse, ainda, que o acordo, que será apresentado ao Uruguai e ao Paraguai, dá “liberdade para que os países possam, inclusive, ir além desse universo tarifário para a baixa tarifaria”.

A Argentina era tradicionalmente relutante em modificar a redução da tarifa, contrariando o proposto por Brasil e Uruguai, enquanto o Paraguai se mostrou aberto ao diálogo.

A imprensa brasileira interpretou este acordo como uma derrota para o ministro da Economia, o liberal Paulo Guedes, que defendeu primeiro uma redução de 50% e depois de 20% em duas partes.

A redução da elevada tarifa externa comum a importações de países terceiros, que atualmente é de 13% a 14%, em média, tem sido um dos temas mais espinhosos do bloco nos últimos anos.

Economia

Tesouro autoriza ampliação de R$300 mi para censo demográfico em 2022

Publicado

dia

Por

Os recursos complementares sairão do Fundo de Garantia à Exportação (FGE), supervisionado pelo Ministério da Economia

(Licia Rubinstein/Agência Brasil)

A Secretaria Especial do Tesouro e Orçamento autorizou emenda ao projeto Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2022 que amplia em quase 300 milhões de reais os recursos destinados ao censo demográfico, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas nesta sexta-feira.

Segundo o IBGE, em ofício enviado à Advocacia Geral da União (AGU), a secretaria do Tesouro informa que “é possível” a ampliação do orçamento do censo, conforme previsto em comunicado feito ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Os recursos complementares, cerca de 300 milhões de reais, sairão do Fundo de Garantia à Exportação (FGE), supervisionado pelo Ministério da Economia.

O censo, que é uma espécie de fotografia detalhada da sociedade brasileira, não foi realizado no ano passado e nem neste ano por conta da pandemia de Covid-19.

O IBGE demandava mais de 3 bilhões de reais para o censo, mas o governo previu apenas 2 bilhões de reais em seu projeto orçamentário original, que ainda precisará ser aprovada pelo Congresso, agora com a emenda que prevê o recurso adicional.

Dione de Oliveira, representante da associação de funcionários do IBGE, diz que a verba de 2,3 bilhões de reais para o censo ainda está desatualizada e pode ser insuficiente para uma boa pesquisa.

“Ainda assim deixa em risco o censo, porque somente 2 bilhões foram designados para pagar os trabalhadores temporários do censo. Ou seja, 2 bilhões ou 2,3 bilhões é um censo rebaixado. Ele pode ir a campo e não ser concluído”, disse ela à Reuters. “Pode ser um censo inconcluso e mal feito”.

O último censo data de 2010, e o normal é que a pesquisa seja realizada a cada dez anos

 

Ver mais

Economia

4 novos hábitos para se tornar um consumidor consciente

Publicado

dia

Por

No Dia do Consumo Consciente, lista inclui privilegiar a luz natural, repensar a compra de um item novo e evitar o desperdício de alimentos

Desperdício de alimentos: fosse um país, ele seria o 3º maior emissor de GEE do mundo, atrás somente dos EUA e da China (Getty Images/Getty Images).

O consumo consciente, celebrado neste 15 de outubro, é o ato de consumir de um jeito diferente, sem excessos nem desperdícios, buscando um melhor impacto para si mesmo, a sociedade e o meio ambiente. Hábitos de consumo consciente podem ser aplicados em todas as etapas do consumo: compra, uso e descarte.

Para Bruna Tiussu, gerente de comunicação da organização sem fins lucrativos Instituto Akatu, o consumidor brasileiro manifesta a vontade de aderir a práticas mais sustentáveis de consumo, ainda que falte ao país políticas públicas que estimulem a produção mais sustentável e o próprio consumo consciente, além de uma educação para a sustentabilidade.

A Pesquisa Vida Saudável e Sustentável 2020, realizada pelo Instituto Akatu e GlobeScan, apontou um aumento de 41% (2019) para 44% (2020) entre os consumidores que recompensaram empresas socialmente responsáveis no último ano.

“Isso mostra que o consumidor brasileiro valoriza empresas alinhadas com práticas sustentáveis, mas sabemos que ele ainda encontra barreiras para a adoção de hábitos de consumo consciente, como o preço – a percepção que produtos mais sustentáveis são mais caros – e a necessidade de esforço – por exemplo, acesso aos produtos e o processo de mudança de hábito em si”, diz Bruna.

A especialista afirma que, para a mudança acontecer no comportamento do consumidor, é preciso apoio das empresas.

“Elas farão isso fornecendo produtos mais sustentáveis e informações claras e confiáveis sobre os atributos de sustentabilidade de seus produtos ou serviços, mostrando os impactos positivos, ou a diminuição dos impactos negativos, associados a eles”, comenta. “Precisam também comunicar de forma eficaz suas ações em direção à sustentabilidade.”

O que o consumidor pode mudar no dia a dia em prol de um consumo mais sustentável?

  1. Evite o desperdício de alimentos
    Atualmente, 8% das emissões de gases de efeito estufa do mundo originam-se da perda ou do desperdício de alimentos. Se o desperdício de alimentos fosse um país, ele seria o 3º maior emissor de GEE do mundo, atrás somente dos Estados Unidos e da China.Faça a sua parte planejando o cardápio e indo às compras com uma lista para levar para casa só o necessário. Adote o hábito de armazenar os ingredientes considerando a data de validade, para não correr o risco de perdê-los, e adote receitas que façam o uso integral de alimentos.
  2. Antes de decidir pela compra de um novo produto, reflita se você realmente precisa dele
    Você também pode optar pelo conserto do item ou, se for possível, pela compra de um item de segunda mão, que não vai exigir novas emissões relacionadas à sua produção.
  3. Apague as luzes ao sair de um ambiente
    A produção e o consumo de energia elétrica são responsáveis por uma parcela significativa das emissões anuais de GEE do Brasil: 28% do total. Você pode ajudar a reverter esse cenário adotando o hábito de privilegiar a iluminação natural e substituindo lâmpadas fluorescentes comuns por LED, cujo consumo é cerca de 30% menor.
  4. Escolha meios de transporte com melhor impacto
    Das emissões correspondentes ao setor de energia, 49% estão relacionadas ao transporte. E modais movidos a combustível fóssil, como a gasolina, emitem cerca de 25% mais CO2 na atmosfera do que os que utilizam etanol produzido a partir da cana de açúcar.

    No caso de percursos curtos, prefira caminhar. Em percursos médios, tente usar meios de transporte que não dependam da queima de combustíveis, como as bicicletas e os patinetes. E quando o carro for necessário, prefira os movidos a combustíveis renováveis, se isso for uma opção.

Ver mais

Economia

Inflação em setembro foi maior para as famílias de renda menor

Publicado

dia

Por

Índice foi de 1,3% para renda muito baixa e de 1,09% para renda alta

© Marcello Casal jr/Agência Brasil

O Indicador de Inflação por Faixa de Renda acelerou para todas as faixas no mês de setembro, mas revelou uma inflação mais acentuada para as famílias de renda muito baixa, com índice de 1,3%, enquanto o grupo de renda alta ficou em 1,09%. Os dados foram divulgados hoje (15) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A inflação para o segmento de renda baixa foi de 1,2% no mês, para a renda média baixa, 1,21%, e para o segmento de renda média alta foi de 1,04%.

Segundo o instituto, o grupo habitação exerceu a maior pressão inflacionária para as famílias dos três segmentos de renda mais baixa. Para as famílias de renda muito baixa, pesaram os reajustes de 6,5% das tarifas de energia elétrica, de 3,9% do gás de botijão e de 1,1% dos artigos de limpeza. Já os alimentos em domicílio foram puxados especialmente pelas frutas (5,4%), aves e ovos (4%) e leites e derivados (1,6%).

As três faixas de renda mais alta repetiram o impacto sofrido em agosto, com peso maior no grupo de transportes, influenciada pelos reajustes de 2,3% da gasolina, de 28,2% das passagens aéreas e de 9,2% dos transportes por aplicativo.

No acumulado de 12 meses, a inflação para o grupo de renda muito está em 10,98%; a renda baixa acumula 10,72%; a renda média baixa está em 10,64%; a média tem alta de 10,09%; o grupo de renda média alta tem inflação em 12 meses de 9,32% e o grupo de renda alta teve inflação de 8,91%.

O Ipea aponta que para as famílias de renda muito baixa pesaram no acumulado do ano o aumento nos preços dos alimentos no domicílio, como carnes (24,9%), aves e ovos (26,3%) e leite e derivados (9%), além dos reajustes de 28,8% da energia e de 34,7% do gás de botijão.

Para as famílias com maiores rendimentos, a inflação acumulada sofreu impacto das variações de 42% dos combustíveis, de 56,8% das passagens aéreas, de 14,1% dos transportes por aplicativo e de 11,5% dos aparelhos eletroeletrônicos.Agência Brasil

Ver mais

Economia

Consumo nos lares brasileiros recua 2,33% em agosto, mostra pesquisa

Publicado

dia

Por

Queda reflete fatores como alta da inflação e desemprego, diz Abras

© Tânia Rêgo/Agência Brasil

O consumo nos lares brasileiros caiu 2,33% entre julho e agosto deste ano. Conforme levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), na comparação com agosto do ano passado, o consumo caiu 1,78%, mas, no acumulado do ano, houve alta de 3,15%.

Segundo a Abras, os percentuais são reflexo de fatores externos e internos, como a alta da inflação e o desemprego. “Câmbio, geadas e a população, com bolso mais restrito, tiveram influência no resultado de agosto”, afirmou o vice-presidente da Abras, Marcio Milan.

De acordo com entidade, as datas nas quais o consumo tende a aumentar de consumo representam um momento de otimismo para o setor. “Apesar dessa desaceleração, estamos confiantes e manteremos nossa projeção inicial de crescimento de 4,5% para 2021”, reforçou Milan.

A cesta de 35 produtos de largo consumo nos supermercados fechou o mês custando R$ 675,73, com aumento de 1,07% em relação a julho de 2021. No comparativo com o mesmo mês do ano passado, o crescimento foi de 22,23%.

Os produtos que tiveram as maiores altas foram a batata (20,9%), o café torrado e moído (10,7%) e o frango congelado (7,1%). Também aparecem na dos itens cujo preço subiu o sabonete (4,3%) e o ovo (3,7%). As maiores quedas são da cebola (-4,9%), refrigerante pet (-2,8%), tomate (-2,3%), farinha de mandioca (-1,7%) e feijão (-1,5%).

João Pessoa foi a cidade com maior variação entre agosto de 2020 e agosto deste ano, com alta de 32,47%. Com isso, o valor da cesta na capital paraibana ficou em R$ 624,45 contra R$ 471,37 de 2020. Com avanço de 18,12%, Cuiabá aparece com o menor índice entre as capitais brasileiras, com custo de R$ 535,93 ante R$ 453,70 em agosto passado.

“Estamos acompanhando com atenção a questão dos preços e a variedade de marcas no mercado que cabem em todos os bolsos. É necessário o consumidor pesquisar neste momento”, disse Milan.

Ver mais

Economia

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem na última semana

Publicado

dia

Por

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 36 mil, para 293 mil em dado ajustado sazonalmente, na semana encerrada em 9 de outubro

EUA: Esse foi o patamar mais baixo desde meados de março de 2020 (Andrew Kelly/Reuters).

O número de pessoas que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos caiu para perto de uma mínima de 19 meses na semana passada, mais uma evidência de que a escassez de trabalhadores estava por trás do crescimento mais lento do emprego, e não o enfraquecimento da demanda por mão de obra.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 36 mil, para 293 mil em dado ajustado sazonalmente, na semana encerrada em 9 de outubro. Esse foi o patamar mais baixo desde meados de março de 2020. Economistas consultados pela Reuters projetavam 316 mil pedidos para a última semana.

Em outro relatório divulgado nesta quinta-feira, o Departamento do Trabalho informou que seu índice de preços ao produtor para a demanda final aumentou 0,5% em setembro, após avançar 0,7% em agosto.

Nos 12 meses até setembro, o índice acelerou a 8,6%, maior avanço ante o ano anterior desde novembro de 2010, quando a série foi reformulada, e após alta de 8,3% em agosto.

Economistas consultados pela Reuters previam que o índice subiria 0,6% na comparação mensal e 8,7% na base anual.

 

Ver mais

Economia

Ibovespa opera próximo da estabilidade em dia de alta no exterior

Publicado

dia

Por

Dados de inflação e desemprego saem abaixo do esperado nos Estados Unidos e reduzem temores sobre estagflação

Painel de cotações da bolsa brasileira, a B3 | Foto: Germano Lüders/Exame

 

Ibovespa opera próximo da estabilidade nesta quinta-feira, 14, na contramão das altas do mercado internacional, que segue otimista com a temporada de balanços dos Estados Unidos. Às 10h50, o principal índice da B3 subia 0,02% para 113.483 pontos.

Nos Estados Unidos, os índices S&P 500,  Dow Jones e Nasdaq sobem mais de 1%, após grandes bancos do país, como Bank of America, Citigroup, Morgan Stanley e Wells Fargo, terem apresentado balanços melhores do que os esperados nesta manhã. Os resultados chegaram a impulsionar as ações dos bancos brasileiros nos primeiros negócios do dia, mas logo entraram em terreno negativo.

Além dos resultados corporativos, investidores seguem atentos aos dados da inflação americana, que saíram abaixo do esperando, reduzindo os temores sobre a alta de preços no país. Divulgado nesta manhã, o índice de preço ao produtor americano (PPI, na sigla em inglês) cresceu 0,5% na comparação mensal ante a expectativa de 0,6% de alta. Já o núcleo do PPI saiu de 6,7% para 6,8% na comparação anual, abaixo do consenso de 7,1% de alta.

Da frente de crescimento, os pedidos semanais de seguro desemprego caíram de 329.000 para 293.000. Esta foi a primeira vez desde o início da pandemia em que o número ficou abaixo dos 300.000 pedidos. A inflação e o desemprego mais fracos ajudam a reduzir os temores sobre estagflação, que vinha crescendo entre os investidores.

Destaques

Apesar do alívio, investidores seguem atentos aos sinais de disrupção da cadeia de suprimentos, que se refletem nos preços de commodities energéticas. Nesta manhã, o petróleo brent sobe mais de 1% no mercado internacional, superando a marca de 84 dólares por barril. A valorização, porém, contribui para a alta das ações da Petrobras (PETR3/PETR4), que sobem cerca de 1%, ajudando a impedir a queda do Ibovespa. Já a PetroRio (PRIO3), com menor peso, figura entre as maiores as altas do índice, subindo pouco mais de 2%.

Outro setor que ajuda a segurar o Ibovespa é o de mineração, com as ações da Vale (VALE3) subindo 0,9%, antes do balanço de sua concorrente Rio Tinto, previsto para esta noite. Siderúrgicas também são negociadas em alta, com destaque para Usiminas (USIM5) e Gerdau (GGBR4), que avançam cerca de 2%.

Na ponta negativa estão ações que passaram por forte valorização na última sessão. Após disparar mais de 7%, o papel do Pão de Açúcar (PCAR3) cai 1,74%, com investidores realizando lucros. Já a Yduqs (YDUQ3) e Totvs (TOTS3), que terminaram o último pregão com quase 5% de alta caem mais de 1,5%.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade
Publicidade

Viu isso?