Nossa rede

É Destaque

‘Bolsonaro não tem um projeto para o país’, afirma Luciano Huck

Publicado

dia

Para o apresentador, o presidente eleito não indica que vai dar prioridade a um programa de redução da desigualdade social

Huck admite que centro está convergindo para um novo partido e comenta as acusações contra o senador Aécio Neves (PSDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. (foto: Marcelo Chello/CJPress/Folhapress)

O apresentador e empresário Luciano Huck diz não enxergar nas propostas do presidente eleito Jair Bolsonaro “um projeto de país”. Embora afirme que Bolsonaro “não enganou ninguém” durante a eleição e defenda um voto de confiança no futuro presidente, Huck cobra um plano de redução da desigualdade para o País “não ficar andando de lado para sempre”.

O apresentador já admitiu que não tem mais como sair da “caixinha” da política, onde entrou quando passou a ser cotado como um potencial “outsider” na disputa presidencial deste ano. Após muitas especulações, ele não aceitou entrar na arena eleitoral.

Nesta entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, Huck admite que centro está convergindo para um novo partido e comenta as acusações contra o senador Aécio Neves (PSDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O apresentador e empresário Luciano Huck diz não enxergar nas propostas do presidente eleito Jair Bolsonaro “um projeto de País”. Embora afirme que Bolsonaro “não enganou ninguém” durante a eleição e defenda um voto de confiança no futuro presidente, Huck cobra um plano de redução da desigualdade para o País “não ficar andando de lado para sempre”.

O apresentador já admitiu que não tem mais como sair da “caixinha” da política, onde entrou quando passou a ser cotado como um potencial “outsider” na disputa presidencial deste ano. Após muitas especulações, ele não aceitou entrar na arena eleitoral. Nesta entrevista ao Estado, Huck admite que centro está convergindo para um novo partido e comenta as acusações contra o senador Aécio Neves (PSDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em entrevista recente ao Estado, você disse que não conseguiria mais voltar “para a caixinha que estava”. Qual será seu próximo passo na política? Vai se filiar a algum partido?

Minhas intenções não mudaram. Minhas movimentações nesse último ano e meio nunca foram um projeto político, pessoal, uma coisa personalista no sentido de algo que eu estivesse fazendo ao meu favor. Desde o começo foi uma convocação geracional. E eu acho que ela segue sendo assim. Estou há 19 anos viajando o País muito intensamente – de todos os cantos e todos os recortes. Isso ninguém tira de mim. Você pode fazer mestrado em Harvard, mas isso você não vai aprender. E o que me incomoda, há algum tempo e de maneira bem franca, é a desigualdade que a gente tem no País. Então se a gente não tiver um projeto claro e bem desenhado de redução de desigualdades esse País vai ficar andando de lado pra sempre. Acho super legal as iniciativas do terceiro setor e de filantropia. Por outro lado, só quem vai ter o poder, de fato, de reduzir a desigualdade no País é o Estado. Quem toca o Estado é a política.

O tema da desigualdade passou ao largo na última campanha…

Acho que ficou muito claro nessa eleição que as pessoas estavam sedentas por coisas novas. Acho que o Bolsonaro é a cristalização, a materialização desse inconformismo, dessa descrença da política como um todo. Mérito dele. Está eleito presidente. Mas eu não enxerguei na campanha como um todo, de todos os candidatos, e sigo não enxergando, um projeto de País. Eu não consigo ver. A gente fica discutindo aqui a fiação e o encanamento, mas não as reformas estruturais necessárias, que todos concordam, e que são necessárias para o País não quebrar. Mas são discussões de calculista. Não enxergo qual é o projeto de País. E nas agendas que dependem da crença pessoal do Bolsonaro, ele também não está mentindo. A chancelaria, por exemplo, eu posso não concordar. A educação, que quando ele chegou a aventar o nome do Mozart (Neves Ramos), eu disse “caramba bicho!” eu vou festejar o Bolsonaro… Mas, não, ele foi para um caminho que é o que ele pensa.

Não enxerga um projeto de País no futuro governo Bolsonaro?

A gente vive em uma democracia. Ele ganhou a eleição. A eleição está ganha. Ele vai fazer o governo dele com as coisas que ele acredita. Eu acho de verdade que, nesse momento, não é para fazer oposição. Eu acho que a gente tem que dar um voto de confiança para quem ganhou. A beleza da democracia é que a votação é individual, mas a responsabilidade pelo resultado é coletiva. Ele ganhou a eleição legitimamente. Não é hora de fazer oposição. É hora de ter diálogo, é hora de conversar. Não acho que o Bolsonaro enganou ninguém. Ele está fazendo exatamente o que falou que ele ia fazer. A equipe econômica é uma equipe extremamente competente, liberal, com uma cabeça boa, comprometida e com nomes muito bons, começando pelo Paulo (Guedes) de quem eu tenho muito respeito e gosto.

Mas você vê no Bolsonaro um projeto de País?

Eu acho que não. E não estou falando isso como uma coisa negativa. Acho que ele não teve nem tempo. Ele ganhou a eleição agarrado no cangote, com 7 segundos de televisão, sem dinheiro… Ganhou na raça e na marra. Eu não acho que ele tenha um projeto de País, mas as pautas com as quais ele ganhou a eleição, ele vai poder atuar. O Sérgio Moro, de quem eu gosto e tenho muito respeito, acho que ele tem várias funções nesse governo. Primeiro, para quem colocava em xeque a democracia, sob o ponto de vista das coisas que o Bolsonaro disse no passado… o Sérgio Moro é um legalista. Quando você põe um legalista como ministro da Justiça com o poder que ele tem, está claro que as leis serão seguidas. E do outro lado, uma agenda liberal na economia que ele pode fazer virar realidade. Precisa de uma agenda eficiente por um lado, mas ela tem que ser afetiva. Se você não tiver uma agenda social muito focada, com prioridades claras, o País vai continuar sendo desigual. A redução de desigualdade é um problema enorme e de solução complexa. Precisa ser prioridade, mas acho que não vai ser nesse caso.

Em pautas como flexibilizar o estatuto de desarmamento, Escola sem Partido e meio ambiente, há risco de retrocesso?

Vejo risco de retrocesso. Na educação, vejo. A evolução que a gente teve nos últimos 20 anos no Brasil chegou em um nível tão bacana que você pega todos que estudam a educação hoje está tudo meio em um consenso, os discursos estão meio parecidos. Todo mundo sabe os nossos problemas. O nosso problema hoje é o de subir o sarrafo da qualidade. Hoje em dia é qualificar e avaliar professor, é combater evasão escolar, é você fazer alfabetização no tempo correto, é você transformar a escola no epicentro da cidade e da sociedade. Está todo mundo nesse caminho. Agora, a cabeça que o Bolsonaro colocou ali… Para mim, discutir escola sem partido agora é uma bobagem tão grande.

Como tem lidado com o Fla-Flu da política?

Tem que ter meio tom. Mas o meio tom não tem que ser um partido político, do tipo temos que fazer um partido de centro…Eu realmente não tô nessa página. É muito mais fácil eu ficar na televisão fazendo o meu programa e ganhando o meu dinheiro do que estar aqui falando desses assuntos com você. Isso aqui é exatamente fora da minha zona de conforto. O que está acontecendo comigo é que eu não quero me politizar porque eu não quero ser político. Eu quero ser um cidadão atuante que, de fato, vai contribuir para um novo ciclo para o País – trazendo gente, curando gente, trazendo ideias, rodando o mundo, encontrando soluções. Eu quero rodar o Brasil e poder criar um ímã potente para atrair gente afim de fazer diferente. As lideranças, naturalmente, vão aparecer. Dentro desse contexto, que não é simples, eu não estou preocupando se é de direita ou de esquerda. Eu quero ver as boas ideias. No final das contas é sobre como a gente melhora a vida das pessoas, como a gente reduz desigualdade, como que a gente melhora a questão das favelas, como a gente distribui renda, como a gente inclui a dona Maria Inajá, uma analfabeta funcional com 6 filhos, para além do Bolsa Família, como é que os filhos dela podem ter um futuro… A discussão de como a gente pode ter um País menos desigual… e não quer dizer que o rico tem que ficar mais pobre, não, eu só quero que quem esteja embaixo tenha um nível de decência pelo menos . Eu vou chutar com as duas pernas, acho que tem boas cabeças dos dois lados. Eu não estou muito preocupado em tomar um lado não. O meu lado é o lado que faz bem para o País, que faz bem para todo mundo. Eu sou capaz de criticar o que eu não concordo na agenda do Bolsonaro e capaz de apoiar as coisas que acho que são positivas para o País.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse recentemente que é preciso criar um centro radical; políticos como o Paulo Hartung têm liderado conversas…Esse é o seu campo político?

Tenho conversado muito com o Paulo. E eu acho que o que ele fez no Espírito Santo é uma referência importante de gestão pública para o Brasil. O Hartung tem essa característica de não levantar bandeiras e de querer juntar gente boa. O presidente Fernando Henrique, como sempre, é alguém muito lúcido. Acho que essa reorganização partidária vai ser necessária, por causa da cláusula de barreira, por causa de uma série de coisas que estão acontecendo. Eu acho que o centro vai sim se organizar…

Em um novo partido?

Eu acho que sim. Está convergindo pra isso. Os dois maiores ativos que os partidos pequenos tinham para sobreviver era tempo de televisão e Fundo Partidário. Eles perderam.

Os partidos tradicionais fracassaram?

Eu acho que sim. Tem um ciclo partidário que acabou. Você vê pela renovação. O partido do presidente que até ontem era um partido pequeno, hoje tem 52 deputados. Você tem o PT, merecidamente, que perdeu sua relevância. O PSDB não soube dar poder as suas novas lideranças e se colocar de um jeito atuante e reto nas discussões dos últimos anos…

Mantém relações com Aécio Neves?

Não falei mais com o Aécio desde que as acusações que recaem sobre ele vieram à tona. Não me orgulho, nem celebro isso, mas julguei que era o melhor a fazer neste momento. Ao longo das últimas décadas ele teve um papel inegavelmente relevante na política brasileira, no Congresso, em Minas e no Brasil, a ponto de ter tido mais de 50 milhões de votos nas eleições de 2014. No âmbito pessoal, também estivemos próximos. Por isso e por desconhecer e sequer imaginar, fiquei bastante surpreso e decepcionado com os fatos que vieram à tona. Agora cabe a ele provar sua inocência e ao tempo cicatrizar as feridas. Apanhei muito publicamente por erros que nada têm a ver comigo.

Como você vê a prisão do ex-presidente Lula e todo o processo que envolve ele e o PT?

Eu fico muito triste em ver uma figura como o Lula, que teve a relevância mundial do Lula, que teve uma agenda social ativa e que se materializou em vários projetos que melhoraram a vida das pessoas, preso. Mas tá claro, também, por outro lado, que ele não está preso por acaso. Ele está preso por provas muito relevantes e contundentes do que o PT não só aparelhou o Estado como criou uma rede de corrupção para sustentar um projeto político em que muita gente enriqueceu. Não sei se foi o caso do ex-presidente, mas muita gente. Ficou claro que o PT instalou uma quadrilha que assaltou os cofres públicos, que assaltou o erário. Os fins não justificam os meios. Por mais que o PT tenha tido uma agenda social com um olhar importante, isso não significa que você possa roubar o Estado.

Qual a avaliação sobre o resultados dos movimentos de renovação é qual é o passo seguinte?

No Renova a gente fez uma boa reflexão pós-eleição. A gente teve 120 candidaturas no final e elegemos 17 (deputados e senadores). Passada a eleição, a gente viu que tinha uma gama grande de deputados que chegariam pela primeira vez no Congresso, que não sabem como aquilo funciona…Fizemos uma parceria com o Insper para fazer um curso de conhecimento parlamentar. A gente abriu 70 vagas, não teve nenhum deputado que a gente ligou que não topou. Esse curso vai ser a primeira vez que você vai ter deputados eleitos indo para uma sala de aula antes de ir para o Congresso. O papel do Renova: a gente elegeu deputados aliados super alinhados com Bolsonaro e até lideranças indígenas. A formação da liderança independente da sua ideologia e algo super rico. As lideranças naturalmente vão aparecer. O Renova vai ter um papel importante na eleição municipal daqui dois anos. Vai ser importante essa bancada da renovação. A gente articulou uma bancada parlamentar de GovTech, que é liderada pelo deputado (Marcelo) Calero (ex-ministro da Cultura), já com 10, 12 deputados…E essa frente parlamentar essa disposta a contribuir com a agenda que a gente curou. O Agora! que foi um movimento muito horizontal, a gente tá mudando um pouco o enfoque dele para que ele seja um Hub de boas práticas, o lugar que a gente possa fazer a construção dessa agenda de país.

E em relação a Joaquim Barbosa e Marina Silva…

Eu não estive com o Joaquim. Eu gosto muito do Joaquim.Tive boas conversas com ele ao longo da vida, mas não tive com o Joaquim no pós-eleição. Mas é um nome que tem que estar. Quem está próximo do Agora! com a gente é o Armínio (Fraga), (Paulo) Hartung… Alguns nomes que eu gosto e estão se aproximando, mas que vão funcionar como conselho consultivo. A Marina foi pra mim, a pessoa física, foi um presente que a vida me deu nesse período eleitoral. É uma mulher muito correta, muito elegante, muito altruísta, com convicções modernas. A Marina tem um papel importante no Brasil como um todo. Agora, acho que ela não acredita muito em partido. Até que a rede não se estruturou como o partido, era uma rede de gente que pensava parecido…Agora, o Roberto Freire está de volta sentado no PPS disposto a reorganizar, a mudar de nome…O Roberto, o PPS foi, sem dúvida, o partido que mais se abriu para os movimentos cívicos de renovação. Ele entendeu que ali o PPS beberia de novos ares.Os movimenos cívicos tem que respeitar o Roberto nesse sentido, que entendeu e se abriu para a renovação.

Está preparado para daqui a quatro anos ser indagado sobre uma candidatura à Presidência?

Vai ter um projeto de País desenhado. Tenho certeza que lideranças que vão aparecer…

Mas agora todas as suas opiniões serão vistas do ponto de vista da política…

Eu sou muito curioso. Acho que a televisão que eu faço foi apontar soluções para o Brasil. Quando você começa a pensar políticas públicas é algo muito desafiador. Eu realmente quero tentar contribuir da maneira mais intensa possível que eu puder. Para que quando a gente tiver 70 anos, a gente possa olhar para o lado e ver um País menos desigual. E essa contribuição é um ciclo de aprendizado intenso que eu estou me propondo, dedicando tempo de ouvir, ler, trocar ideia, descobrir, encontrar gente, curar gente…Tem tanta gente competente afim de contribuir e que tem sido um aprendizado muito grande. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Agência Estado
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

É Destaque

Arborização de Brasília contribui para minimizar efeitos da seca

Publicado

dia

Por

Responsável pelo cultivo e manutenção de todas as áreas verdes do DF, a Novacap prevê o plantio de mais 100 mil árvores, até 2022

A Novacap tem cerca de 250 mil ipês catalogados em todo o Distrito Federal, de cinco espécies | Foto: Divulgação / Novacap

Se não houvesse tantas árvores em Brasília, a temperatura, que varia entre 24 a 26 graus, poderia chegar a 35 ou mais
O inverno é uma estação que requer muito cuidado por parte dos brasilienses. Nesta época do ano, o Distrito Federal sofre com a baixa temperatura pela manhã e a umidade baixa durante todo dia, que varia entre 16 e 20%, muito abaixo dos 60% recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Durante esse período, as árvores espalhadas pela capital são extremamente importantes para equilibrar o aumento da temperatura e ajudar na melhor qualidade de vida.

Quando a construção de Brasília começou, toda a extensão do que hoje é o Plano Piloto perdeu sua flora natural. Com isso, a Novacap começou um trabalho de arborização que perdura até os dias de hoje.

Mais de cinco milhões de árvores foram plantadas em todo o DF, distribuídas em 150 espécies que florescem durante todo o ano. Ao longo do inverno, mais de 30 espécies florescem, entre elas, os famosos pequizeiros e o pau-brasil.

E os benefícios vão muito além da beleza. Sem a arborização promovida pela Novacap, atravessar o período de seca poderia ser bem mais desagradável. Se não houvesse tantas árvores em Brasília, a temperatura, que varia entre 24 a 26 graus, poderia chegar a 35 graus ou mais. Esse equilíbrio de temperatura é feito pelas árvores através da “troca de calor”, que ocorre por meio da evapotranspiração das plantas (perda de água do solo por evaporação e perda de água da planta por transpiração). Durante esse processo, as árvores liberam vapor de água na atmosfera, ajudando a refrescar o ambiente.

“Um planejamento urbano responsável precisa ter como prioridade a qualidade de vida da população. E a arborização urbana traz inúmeros benefícios: ameniza as questões climáticas, melhora a umidade do ar, protege o solo contra erosões, diminui a poluição sonora, absorve a poluição da atmosfera, entre outros inúmeros benefícios”, pontuou o presidente da Novacap, Fernando Leite.

Quem anda pelas ruas do Distrito Federal se encanta com a florada dos ipês-roxos que começou no final do mês passado.  A espécie, considerada símbolo de Brasília, se torna nesta época do ano a sensação de moradores e visitantes. A Novacap tem catalogados cerca de 250 mil ipês em todo o Distrito Federal, de cinco espécies: roxa, amarela, branca, rosa e o raro ipê-verde.

E, em 2020, a companhia plantou cerca de 30 mil árvores. O Eixo Monumental recebeu mais de 3 mil mudas, e a Estrada Parque Taguatinga (EPTG), 2,5 mil. No programa de arborização deste ano, serão plantados mais de 40 mil ipês em todo o DF.

 Capital das árvores

Programa de arborização da Novacap deste ano prevê que serão plantados mais de 40 mil ipês em todo o DF

A Novacap é responsável pelo plantio e manutenção de 165 milhões de m² de área verde, incluindo área gramada e área de vegetação espontânea. A manutenção é feita diariamente, durante todo o ano – inclusive durante a seca, período em que é feito o combate de pragas e a irrigação dos canteiros.

* Com informações da Novacap

Ver mais

É Destaque

Agências do trabalhador oferecem 248 vagas nesta sexta-feira (23/7)

Publicado

dia

Por

Há vagas tanto para quem está em busca do primeiro emprego quanto para aqueles que já possuem experiência

 (crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

As Agências do Trabalhador do Distrito Federal estão disponibilizando 248 vagas de empregos, nesta sexta-feira (23/7). São mais de 57 profissões com novos postos de trabalho disponíveis para a população. A procura é tanto para quem está em busca do primeiro emprego quanto para aqueles que já possuem experiência.

A maior quantidade de vagas de emprego contempla o profissional que trabalha como promotor de vendas. São 30 oportunidades, com salário de R$ 1.350, e outros benefícios.

Cerca de 17 oportunidades no mercado de trabalho são destinadas às pessoas com deficiência.

Outras vagas

Estão disponíveis nas agências quatro vagas para vendedor de comércio varejista, com salário de R$ 1.646, mais benefícios, com experiência e ensino médio completo; uma para técnico de enfermagem, com remuneração de R$ 1.911, mais benefícios; uma para técnico de apoio ao usuário de informática (helpdesk), que paga R$ 2.852; 10 para operador de atendimento receptivo (telemarketing), com remuneração de R$ 1.150, mais benefícios e, ainda, uma vaga para auxiliar de coordenador escolar, que paga R$ 2.345, mais benefícios.

E para se candidatar?

As Agências do Trabalhador fazem atendimento presencial de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. As vagas de emprego podem também ser acessadas pelo aplicativo do Sine Fácil.

A Secretaria do Trabalho disponibiliza um número de telefone para atendimento em caso de dúvidas referentes a qualquer um dos serviços prestados pela pasta: (61) 99209 – 1135. Agência Brasil

 

Ver mais

É Destaque

Covid-19: fila e espera de três horas marcam mutirão de vacinação no DF

Publicado

dia

Por

Nesta sexta-feira (23/7) e no fim de semana, 100 postos estarão disponíveis para atender a população, a partir de 37 anos. Não é necessário agendamento

No Parque da Cidades, a fila de carros começou a se formar às 6h – (crédito: Marcelo Ferreira/CB )

A alta procura para receber a primeira dose da vacina contra a covid-19 gerou filas enormes no Distrito Federal. Por volta das 6h, centenas de carros ocuparam o estacionamento 13 do Parque da Cidade, um dos postos localizados no centro da capital. O público alvo teve de esperar cerca de três horas para começar a receber o imunizante. A vacinação nesta sexta-feira (23/7) começou às 9h e vai até 17h. A primeira aplicação (D1) no Parque da Cidade está sendo feita com a vacina da plataforma AstraZeneca. Desta vez, não é necessário realizar o agendamento prévio.

Após aguardar três horas e meia, a publicitária Luciana Cruz, 38 anos, ficou muito feliz por receber a vacina. A moça tentou tomar a vacna no estado de Goiás por duas vezes, mas não conseguiu. Por isso, a expectativa estava alta. “Quando cheguei aqui, o céu estava rosa ainda. Eu acho que, de fato, tanto faz a marca da vacina que vou tomar, não precisa escolher, o importante é conseguir”, ressaltou. Para ela, que tem problema de trombose e está de home-office desde o começo da pandemia, a vacina pode significar um recomeço.

Para receber a primeira dose, o público pode procurar diretamente um dos postos em funcionamento e apresentar um documento de identidade com foto que comprove a idade. Cada local aplicará uma dose específica. Foi exatamente isso que a publicitária e moradora da Asa Norte Juliana Faceber, 41, fez na manhã desta sexta (23/7). Ela chegou às 6h na fila e aguardou ansiosamente para receber a D1. “A expectativa é a melhor possível, tô muito feliz que vou vacinar. Tentei fazer o agendamento pelo site, quando abriu para a minha idade, e não consegui. Estou comemorando, se Deus quiser vou vacinar hoje. A gente foi bem privilegiado em casa e minha mãe, que é idosa, já tomou as duas doses”, contou.

Planejamento

Como a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) divulgou na quinta-feira (22/7), o objetivo é que o esquema de vacinação contra a covid-19 para o público acima de 37 anos acelere através do mutirão. Por isso, o funcionamento também começou às 8h, para pedestres, em outros pontos do DF. De acordo com a pasta, 100 locais estão disponíveis. No fim de semana, o atendimento será das 9h às 17h.

Até o momento, a SES-DF aplicou 22.967 doses de imunizantes. Nesta quinta-feira (22/7), 12.452 pessoas receberam a (D1), 8.740 brasilienses foram vacinados com a (D2) e 1.775 cidadãos tomaram o imunizante de dose única (DU). Ao todo, 1.148.771 pessoas no DF estão vacinadas com a D1 — o que representa 39,11% da população. Quanto aos brasilienses com o ciclo de imunização completo, com D2 ou DU, a porcentagem é de 15,63%, o que representa 478.689 pessoas.

Endereços

Confira neste link a lista de locais onde a população pode se vacinar contra a covid-19 no Distrito Federal e os tipos de aplicação por posto de atendimento.

Horários
Sexta-feira: das 8h às 17h
Sábado e domingo: das 9h às 17h

O que levar?
Documento de identidade com foto

Ver mais

É Destaque

Guedes: indicações de Onyx e Nogueira melhoram entendimento com Senado

Publicado

dia

Por

Orientação da política econômica não muda, afirma ministro

© Edu Andrade/Ascom/ME

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje (22) que indicações de políticos para ocuparem cargos de ministros como o do Trabalho ou da Casa Civil são “acomodações políticas inteiramente normais”, e que, no caso específico da indicação de Onyx Lorenzoni e do senador Ciro Nogueira (PP-PI) para essas pastas, decorre da “necessidade de melhorar o arco de alianças e entendimento no Senado”.

O anúncio dos nomes de Lorenzoni e Nogueira para comandar as duas pastas foi feito nesta quinta-feira pelo presidente Jair Bolsonaro. A expectativa é que eles assumam os cargos na semana que vem.

“Para nós, sempre foi importante conseguir a sustentação política para fazer as reformas que estavam andando [na Câmara dos Deputados] e foram bloqueadas por um problema do Senado. A democracia é isso. Quando tem pressão política, o presidente faz movimento político. Toda reforma ministerial é feita com conteúdo político, mas isso não vai mudar a orientação da política econômica”, disse Paulo Guedes hoje a jornalistas na portaria do Ministério da Economia.

“O que aconteceu desta vez foi que há necessidade de melhorar o arco de alianças e entendimento no Senado”, acrescentou Guedes, ao comentar o convite feito a Nogueira que, segundo o ministro, “é um profissional de política”. A entrada do senador na Casa Civil, que tradicionalmente foi um cargo ocupado por políticos, “é um movimento político natural”, disse o ministro.

Para Guedes, a melhor interpretação para o que está acontecendo é que “o presidente não cedeu o coração da política econômica, por pressão política, a outros partidos”. Além disso, as indicações são de pessoas alinhadas com as políticas liberais adotadas pelo governo., acrescentou “Está havendo uma reorganização interna, sem nenhuma ameaça ao coração da política econômica”, disse o ministro, ao negar que o movimento possa ser mal interpretado pelo mercado.

“Às vezes, o governo é criticado porque não tem interlocução política, e por isso estaria isolado. Aí, quando o governo coloca um político lá, dizem que o governo foi capturado. Precisamos de leituras mais construtivas e sofisticadas”, completou.

Mais cedo, Bolsonaro confirmou a recriação do Ministério do Trabalho e Previdência, que, no início do governo, foi agrupado com outros quatro ministérios para a criação do Ministério da Economia, sob o comando do ministro Paulo Guedes. O atual ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni, será o titular do novo ministério, e o atual chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, p substituirá na Secretaria Geral.

De acordo com Bolsonaro, o número de ministérios será restabelecido para o total de 23. Em fevereiro deste ano, com a aprovação da autonomia do Banco Central, o órgão perdeu status de ministério e se transformou em autarquia federal.

Em março deste ano, o presidente já havia promovido uma reforma ministerial, com mudanças em seis ministérios: Casa Civil e Secretaria de Governo, ambas ligadas à Presidência da República, ministérios da Justiça e Segurança Pública, das Relações Exteriores e da Defesa e também da Advocacia-Geral da União (AGU).

Ver mais

É Destaque

Benefício DF Sem Miséria começa a ser pago para 24 mil famílias

Publicado

dia

Por

O auxílio do GDF é um complemento do programa Bolsa Família, do governo federal, que tem como objetivo adequar os valores recebidos ao custo de vida da população do DF

O benefício é destinado a famílias de baixa renda – (crédito: Ana Nascimento/CCE)

 

O Governo do Distrito Federal (GDF) começou a efetuar o pagamento do crédito DF Sem Miséria, na terça-feira (20/7), para mais de 24 mil famílias da chamada folha regular. No total, serão desembolsados R$ 3,7 milhões pelos cofres do poder executivo.

Ao longo dos próximos dias, o GDF deve depositar R$ 9 milhões para mais de 60 mil famílias na mesma situação. Esse grupo também é composto por pessoas que recebem o Auxílio Emergencial do Governo Federal. No entanto, em virtude do benefício nacional, o Bolsa Família fica suspenso temporariamente a esses indivíduos.

A secretária adjunta da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Ana Paula Marra, relata que o governo local pretende creditar o restante de pagamentos do mês de abril, maio e junho, que tiveram problemas por conta desse atrelamento ao Bolsa Família. “O objetivo dessa operacionalização é, justamente, corrigir inadequações passadas, como o caso de quem tenha recebido a menos ou tenha ficado sem receber nesses meses citados”, destaca a secretária de Desenvolvimento Social.

O que é o DF Sem Miséria?

O benefício do GDF é um adicional ao programa Bolsa Família, do governo federal, que tem como objetivo adequar os valores recebidos ao custo de vida na capital federal. Têm direito ao auxílio as famílias beneficiárias do Bolsa Família que, após o recebimento dos benefícios, apresentarem renda per capita inferior a R$ 140. Os valores da suplementação variam de acordo com a situação de pobreza de cada família, proporcionando às mais pobres receberem mais recursos de suplementação do Plano DF sem Miséria.

Fonte: Sedes (DF)

 

Ver mais

É Destaque

Prestes a ingressar no governo, Ciro Nogueira responde a três inquéritos no STF

Publicado

dia

Por

Senador deve ser indicado para comandar a Casa-Civil, no lugar do ministro Luiz Eduardo Ramos. Ele é investigado no âmbito da Lava-Jato

(crédito: Marcos Oliveira/Agencia Senado)

Na mira do presidente Jair Bolsonaro para ser indicado a ministro chefe da Casa Civil, o senador Ciro Nogueira (PP) é investigado em três inquéritos que correm no Supremo Tribunal Federal. Em dois deles, o Ministério Público Federal já ofereceu denúncia, mas ainda não foram aceitas pela Corte. As investigações correm no âmbito da Lava-Jato e ele é acusado de receber e pagar propina.

Em março deste ano, o ministro Edson Fachin determinou o arquivamento parcial do inquérito 4.631, em relação ao senador Ciro Nogueira (PP-PI) e aos deputados federais Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Eduardo Henrique da Fonte (PP-PE). Eles eram investigados por corrupção passiva, corrupção ativa, evasão de divisas e lavagem de capitais.

No entanto, o senador ainda é alvo de acusações no tribunal. No inquérito 4.720, Ciro Nogueira é acusado de obstrução de Justiça por supostamente tentar impedir o avanço de diligências sobre uma organização criminosa.

Na ação, a Procuradoria-Geral da República (PGR) afirma que Ciro Nogueira e Eduardo da Fonte, ameaçaram, deram dinheiro, prometeram cargos e pagaram despesas pessoais a José Expedido, que é testemunha em outro inquérito que envolve os parlamentares e um ex-assessor de Ciro.

As vantagens teriam sido pagas, assim como feitas as ameaças, para que Expedido mudasse um depoimento que prestou à Polícia Federal em 2016. Ciro é acusado pelo Ministério Público de pedir, em 2014, R$ 2 milhões a Ricardo Pessoa, então dono da construtora UTC.

No inquérito 4.407, que tramita no âmbito da Operação Lava-Jato, Ciro Nogueira é acusado de receber R$ 300 mil em propina da Odebrecht, em repasses de campanha não declarados.

“Os colaboradores afirmam que, nos anos de 2010 e 2014, o senador Ciro Nogueira os procurou para pedir que a empresa efetuasse repasses financeiros, a pretexto de sua campanha eleitoral e para o Partido Progressista”, escreve o Ministério público na denúncia, citando delações de Claudio Melo Filho, ex-diretor do Setor de Relações Institucionais da Odebrecht, e Benedicto Barbosa, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura.

Uma das investigações está parada após um pedido de vistas do ministro Gilmar Mendes. Um segundo  inquérito aguarda apresentação da denúncia, e o terceiro, aceitação das acusações pelo Supremo.

O PP é o partido com a maior quantidade de políticos envolvidos na Lava-Jato. Foram 31 processos contra parlamentares da sigla, sendo que 12 obtiveram decisões negativas no Supremo, com a continuidade das investigações ou condenações. Oito alvos tiveram as denúncias rejeitadas e os casos arquivados.

Os demais, que não foram arquivados, ou tiveram denúncia aceita, ainda tramitam na mais alta corte de Justiça do país. A chegada de Ciro Nogueira ao governo, se confirmada, representa o ingresso do Centrão, maior bloco político do Congresso, na cúpula do Poder Executivo.

A nomeação dele seria uma forma de obter apoio no parlamento para evitar um impeachment e reações, caso Bolsonaro vete o aumento do fundo eleitoral para R$ 5,7 bilhões em 2022.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade
Publicidade

Viu isso?