Nossa rede

Brasil

App para smartphones poderá dizer se você foi exposto ao coronavírus

Publicado

dia

Um novo app vai alertar quem esteve perto de alguém com covid-19 e possibilitar que a pessoa tome providências — sem violar sua privacidade

Imagine que você esteja no supermercado e alguém que está logo atrás comece a tossir. Você pode nem escutar a tosse se estiver, digamos, ouvindo música com seus fones de ouvido. Mas, se aquela pessoa tiver coronavírus, o risco de transmissão da doença existe. Um novo app, desenvolvido por voluntários, vai alertá-lo se você tiver passado por uma situação como essa.

O app usa a tecnologia Bluetooth de baixa energia, que possibilita a comunicação entre dois celulares próximos um do outro. Quando dois smartphones com o app se aproximam, ele gera um código criptografado que fica armazenado nos aparelhos. Esse código não permite que humanos identifiquem os usuários, preservando a privacidade deles. Mas registra, de forma cifrada, de quais outras pessoas alguém se aproximou.

Se uma dessas pessoas for diagnosticada com covid-19, essa informação criptografada será encaminhada a um servidor central. O sistema, então, vai enviar um alerta a todos os usuários que estiveram próximos do doente. A ideia é que eles sejam testados; e que providências sejam tomadas se tiverem sido contaminados.

O app foi criado por um grupo de 130 cientistas e desenvolvedores de software europeus. Eles fundaram a organização sem fins lucrativos PEPP-PT, com sede na Suíça. A sigla vem de Pan-European Privacy-Preserving Proximity Tracing (algo como “rastreamento por proximidade pan-europeu com preservação de privacidade”). Depois de três semanas de intenso trabalho voluntário para desenvolver o sistema, eles o estão oferecendo de graça aos governos nacionais.

Para que funcione, será preciso que o processo completo seja implementado: app nos smartphones, servidor central funcionando e testes para os suspeitos de infecção. Os autores preveem, inclusive, que haja intercâmbio de dados entre os países. Isso vai permitir detectar possíveis contaminações em contatos internacionais.

Um desafio previsto por eles será convencer a população a adotar o app. Para que seja efetivo, ele precisará estar em pelo menos 60% dos smartphones. O cuidado com a preservação da privacidade dos usuários é importante para facilitar esse convencimento.

Se funcionar como esperado, esse processo vai permitir detectar o coronavírus antes que os sintomas apareçam e sem que seja necessário testar toda a população (algo que pode ser inviável num país grande e populoso como o Brasil). Isso é importante porque, como já foi observado, pessoas que possuem o coronavírus mas que são assintomáticas podem transmiti-lo a outras.

Comentário

Brasil

MT registra 8 mortes por Covid-19 e número de óbitos chega a 75 no estado

Publicado

dia

Por

Três mortes foram notificadas em Várzea Grande e duas em Cuiabá. Os demais óbitos envolvem moradores de Confresa, Rondonópolis e Tangará da Serra.

Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen) — Foto: Tchélo Figueiredo/SES-MT

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) recebeu, na manhã desta terça-feira (2), a notificação de mais oito mortes por Covid-19 em Mato Grosso nas últimas 24 horas. No total, já são 75 óbitos no estado.

Três mortes foram notificadas em Várzea Grande e duas em Cuiabá. Os demais óbitos envolvem moradores de Confresa, Rondonópolis e Tangará da Serra.

De acordo com os boletins epidemiológicos da SES, as demais mortes causadas em decorrência da Covid-19 em Mato Grosso envolveram pessoas dos municípios de Lucas do Rio Verde, Cáceres, Aripuanã, Rondonópolis, Cuiabá, Barra do Garças, Mirassol D’ Oeste, Sinop, Rio de Janeiro, Nova Mutum, Várzea Grande, Vale de São Domingos, Querência, Ponte Branca, Chapada dos Guimarães, Andradina (SP), Alto Boa Vista, São Pedro da Cipa, Juína e Curvelândia, Cotriguaçu, Pontes e Lacerda, Juara, Alta Floresta, Alto Araguaia, Jauru, Jangada e Acorizal.

As informações oficiais sobre os óbitos constarão no boletim desta terça-feira.

Ver mais

Brasil

100% das vagas de UTI estão ocupadas em Porto Velho: ‘Estamos à beira do colapso’, diz secretário sobre Covid-19

Publicado

dia

Por

Unidade de Terapia Intensiva do Hospital João Paulo II foi ativada para receber 10 pacientes com o novo coronavírus.

UTI’s de Porto Velho estão todas ocupadas — Foto: Diêgo Holanda/G1

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) informou que 100% dos leitos públicos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) estão ocupados em Porto Velho. A informação foi dada pelo secretário estadual de saúde, Fernando Máximo, durante coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira (2).

A possibilidade do ‘lockdown’ em Porto Velho não foi anunciada pela pasta. A capital já tem 3.678 casos confirmados do novo coronavírus. O total de mortes decorrentes da doença chegou a 111 em Porto Velho, segundo o último boletim da Sesau.

O secretário de saúde, Fernando Máximo, demonstrou preocupação com a falta de UTI’s para pacientes infectados pela Covid-19.

“Infelizmente nossos leitos de UTI se esgotaram. Estamos à beira de um colapso, não só na rede pública, mas também na privada de Porto Velho. Ainda tem alguns leitos no interior, mas são poucos. Isso é muito ruim. Precisamos da conscientização das pessoas”, anunciou.

'Estamos a beira de um colapso', diz secretário estadual de saúde que afirma que UTI's estão ocupadas  — Foto: Jheniffer Núbia / G1

‘Estamos a beira de um colapso’, diz secretário estadual de saúde que afirma que UTI’s estão ocupadas — Foto: Jheniffer Núbia / G1.

Sobre os pacientes com a Covid-19 que precisarem de internação nos próximos dias, Máximo diz que ainda há vagas, mas apenas para leitos clínicos. No Centro de Medicina Tropical (Cemetron), 56,7% dos leitos clínicos estão ocupados; no Samar a taxa de ocupação está em 68% e, no Hospital Santa Marcelina, em 90%.

Na necessidade de internação na UTI, o secretário informou que a estratégia de emergência é ativar uma UTI que já foi preparada no Hospital João Paulo II, para receber mais 10 pacientes com a Covid-19. Outra possibilidade são os leitos no Hospital do Amor (que trata pacientes com câncer).

“O Hospital do Amor falou que entre o dia 1ª a 8 de junho estaria entregando 12 leitos para atender os pacientes com o novo coronavírus”, fala o secretário.

Hospital de Campanha

A Maternidade Regina Pacis, em Porto Velho, adquirida pela Sesau, também servirá como um Hospital de Campanha à Covid-19, mas o prédio ainda passa por reformas, segundo a Sesau.

“Regina Pacis é uma obra grande e a chegada de materiais está tendo um pouco de dificuldades, pois a logística no Brasil está muito difícil, mas estamos em fase de conclusão da obra”, afirma Máximo.

Lockdown?

A Sesau explicou que a decisão de se ter o ‘lockdown‘ (bloqueio total ou confinamento), em Rondônia, teria que sair do governo e não da Sesau.

” A secretária não define essa questão do lockdown, é uma questão do governo, que vai conversar com os empresários, cientistas e entender essa possibilidade. O governador deve comunicar nos próximos dias se vai ter ou não”, finaliza o secretário de saúde.

Ver mais

Brasil

‘Nos surpreendeu’, diz prefeito de Sete Lagoas sobre decisão judicial para voltar a fechar comércio

Publicado

dia

Por

Alguns estabelecimentos tinham sido autorizados a reabrir por um decreto municipal, mas agora estão impedidos. Município avisou que vai recorrer da decisão.

Sete Lagoas fica na Região Central de Minas Gerais — Foto: Divulgação/TV Globo

A Justiça determinou que Sete Lagoas, na Região Central, siga o programa “Minas Consciente” do governo do estado, que regulamenta o funcionamento dos setores do comércio, por causa da pandemia do coronavírus. Alguns estabelecimentos tinham sido autorizados a reabrir por um decreto municipal, mas agora estão impedidos. O prefeito da cidade, Duílio de Castro (Patriota), disse, em entrevista ao MG1, ter sido pego de surpresa. E avisou que vai recorrer da decisão.

“Nos surpreendeu porque nós somos hoje uma cidade de quase 250 mil habitantes e estruturamos a cidade pra tratar as pessoas contaminadas. Fomos a primeira cidade do estado de Minas Gerais a fechar, para nos preparar. Somos a única cidade do interior que fez laboratório pra testar a Covid-19, com 200 exames/dia”, destacou Duílio de Castro.

Na avaliação do prefeito de Sete Lagoas, “o Minas Consciente é programa que orienta municípios a tomar decisões”, mas que cada um dos 853 municípios vive “uma situação diferente”.

“Aqui montamos um comitê com nove integrantes, formado pela área de segurança pública e área técnica de saúde. Tomamos decisão em conjunto. E sempre em cima dos nossos índices. Trabalharmos para flexibilizar par tentar salvar a economia também”, ressaltou o prefeito.

Prefeito promete recorrer

De acordo com Duílio de Castro, 20% dos leitos de Sete Lagoas estão ocupados com casos do novo coronavírus. De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado nesta terça-feira (2), a cidade tem 28 casos registrados, com uma morte. Ele promete recorrer.

“Acatamos a decisão, mesmo não concordarmos. E vamos recorrer da decisão”, avisou o prefeito.

Prefeito Duílio de Castro, do Patriotas, promete recorrer da decisão da Justiça — Foto: Reprodução / TV Globo

Prefeito Duílio de Castro, do Patriotas, promete recorrer da decisão da Justiça — Foto: Reprodução / TV Globo

Ver mais

Brasil

Sobe para 10.648 número de infectados pelo coronavírus no DF

Publicado

dia

Por

São 138 casos a mais nesta terça-feira (2). Ao todo, 173 pessoas morreram na capital, sendo 13 moradoras de outros estados.

Testes para Covid-19 no Distrito Federal — Foto: Breno Esaki/Agência Saúde

O último boletim divulgado pelo governo do Distrito Federal registrou, até o início da tarde desta terça-feira (2), mais 138 casos do novo coronavírus. Com isso, a capital federal contabiliza 10.648 infectados.

Entre as regiões administrativas, Ceilândia lidera o ranking de contaminados, com 1.095 casos. Em seguida aparecem o Plano Piloto (969 casos), Taguatinga (702), Samambaia (663 casos) e Águas Claras (457).

Ao todo, 173 pessoas morreram pela Covid-19 no DF. No entanto, 11 pacientes viviam em Goiás e 2 em outros estados. Segundo a Secretaria de Saúde, os óbitos devem ser contabilizados nas estatísticas de onde as vítimas moravam.

Presídios do DF

Os sistema penitenciário do Distrito Federal registra 998 infectados, entre detentos e servidores. O levantamento mais atualizado é da noite desta segunda-feira (1º).

Os dados foram divulgados pelas secretarias de Saúde e de Segurança Pública. Veja abaixo:

  • 764 presos
  • 234 policiais penais

Até esta segunda, um detento e um policial penal haviam morrido por conta da Covid-19. Na última semana, o DF registrou o primeiro caso de uma detenta infectada (veja perfil dos casos abaixo). Até então, todos os contaminados nos presídios eram homens.

Além dos casos nas unidades administradas pelo governo do DF, a Penitenciária Federal de Brasília também registra um infectado.

Dados por região

  • Ceilândia: 1.095 casos e 35 mortes
  • Plano Piloto: 969 casos e 10 mortes
  • Taguatinga: 702 casos e 7 mortes
  • Samambaia: 663 casos e 23 mortes
  • Águas Claras: 457 casos e 10 mortes
  • Gama: 445 casos e 7 mortes
  • Planaltina: 425 casos e 6 mortes
  • Guará: 392 casos e 10 mortes
  • Sobradinho I: 345 casos e 4 mortes
  • Santa Maria: 320 casos e 6 mortes
  • São Sebastião: 239 casos e 3 mortes
  • Paranoá: 239 casos e uma morte
  • Recanto Das Emas: 214 casos e 10 mortes
  • Lago Sul: 205 casos e 2 mortes
  • Sudoeste/Octogonal: 182 casos e 4 mortes
  • Scia (Estrutural): 172 casos e 3 mortes
  • Riacho Fundo I: 161 casos e 5 mortes
  • Brazlândia: 147 casos e 3 mortes
  • Vicente Pires: 139 casos e uma morte
  • Lago Norte: 134 casos e uma morte
  • Jardim Botânico: 113 casos e 2 mortes
  • Cruzeiro: 96 casos, sem mortes
  • Núcleo Bandeirante: 85 casos e 2 mortes
  • Parkway: 70 casos e uma morte
  • Itapoã: 55 casos e uma morte
  • Riacho Fundo II: 54 casos e uma morte
  • Sobradinho II: 46 casos, sem mortes
  • Candangolândia: 36 casos e uma morte
  • Fercal: 11 casos e uma morte
  • Varjão do Torto: 9 casos, sem mortes
  • S I A: 4 casos, sem mortes
Ver mais

Brasil

Migrantes das metrópoles levam covid-19 ao interior do Nordeste

Publicado

dia

Dificuldade de quarentena principalmente em SP forçou brasileiros a voltar para suas cidades, mas transportes clandestinos restringem medidas de prevenção

Transporte: A estimativa da ANTT é de que os ônibus clandestinos tenham transportado cerca de 4.500 pessoas de São Paulo às regiões Norte e Nordeste (Lucas Silva/Getty Images)

Pequenos municípios do Nordeste registram os primeiros casos de coronavírus com migrantes que retornam à terra natal por causa das dificuldades da quarentena nas capitais.

Com as restrições do transporte interestadual, que chegou a ser proibido em 14 estados, muitos migrantes optam por lotações e ônibus clandestinos. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) já autuou 300 ônibus irregulares entre abril e maio.

A estimativa é de que tenham transportado cerca de 4500 pessoas. O itinerário mais comum liga São Paulo às regiões Norte e Nordeste.

São ônibus, vans e caminhões que realizam o transporte interestadual sem autorização. “Há um fluxo significativo do Sudeste para as regiões Norte e Nordeste, sendo grande o número de apreensões nas ações conjuntas da ANTT com as polícias nas barreiras com as vigilâncias sanitárias do Maranhão, Piauí e Bahia”, diz o órgão.

Em São Paulo, muitos desses ônibus saem do Brás, região central da cidade. Existem pelo menos seis agências na rua Paulo Afonso vendendo bilhetes para os mais variados destinos do Nordeste.

Por conta da pandemia, todas funcionam discretamente, com apenas meia porta aberta. Os funcionários evitam entrevistas, mas confirmam aumento de 20% a 30% na procura. Os ônibus saem dali mesmo, das proximidades das agências. O embarque é feito nas calçadas onde se amontoam malas, bolsas e mochilas.

No Brás, passageiros contam que os motoristas exigem o uso de máscaras, mas que nem sempre elas estão usadas corretamente. Nem eles usam a máscara.

Os viajantes não sabem dizer se os bancos foram higienizados corretamente. Alguns ônibus trazem um selo no vidro dianteiro com a inscrição “veículo vistoriado covid-19”.

Primeiros casos

O retorno dos “filhos da terra” desafia os pequenos municípios no enfrentamento da pandemia. Na Bahia, pelo menos 20 cidades do interior já registraram os primeiros casos da doença após a chegada de pessoas dos grandes centros.

Outros estados também já sofrem com o problema. A cearense Cruz, que fica a 260 km de Fortaleza e próxima de Jericoacoara, registrou a chegada de cerca de 300 pessoas nos últimos meses. Setenta e sete casos confirmados estão em quarentena.

Foram registrados ainda outros casos da doença no sertão paraibano. Um deles foi em Sousa, cidade com 60 mil habitantes, distante mais de 430 km de João Pessoa, e outro na vizinha Igaracy, com população de pouco mais de seis mil pessoas.

Em todas as cidades há relação a chegada de viajantes das grandes cidades.

Ver mais

Brasil

Conheça as medidas sanitárias adotadas para a reabertura de shoppings

Publicado

dia

Pias para lavar as mãos ao lado de praça de alimentação

Shopping Iguatemi, em São Paulo: o grupo adiou a cobrança de aluguel de cerca de 3 000 lojistas Kaio Lakaio/Veja.

Há duas semanas, a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) contratou o Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, para elaborar um protocolo com medidas de segurança e higiene para a volta das atividades do setor. A expectativa era de que o setor retomasse as atividades nesta segunda, 1, mas o prefeito Bruno Covas estendeu a quarentena na maior cidade do país até o dia 15 de junho. A administração municipal só dará o aval de abertura após entidades de classe apresentarem o plano de medidas sanitárias. Ainda não se sabe se Covas irá aprovar algum setor em específico antes do dia 15.

Nesta segunda, a Abrasce encaminha à prefeitura um protocolo para a abertura dos 53 shoppings da cidade São Paulo. O setor tem esperança de reabrir a tempo de aproveitar o Dia dos Namorados, dia 12. Sabe-se que, mesmo que os centros de compram retomem, suas praças de alimentação não estarão em funcionamento.

O que é esse protocolo? Temos recebido demandas de uma série de empresas e entidades de classe para atuar como consultoria, como rede de hotel e frigoríficos. Estamos tendo uma demanda brutal de um mês para cá, todos querendo saber como retomar a economia com segurança. A Abrasce nos procurou há duas semanas para ter o melhor sistema para para a reabertura dos shoppings. A entidade queria fazer uma revisão de protocolos já existente e criar outros novos.

E quais são as medidas dos shoppings que vão reabrir? Todos deverão usar máscaras: clientes e colaboradores. Caso alguém queira entrar sem máscara, o shopping deve disponibilizá-la. Também pedimos pontos de lavagem de mãos na praça de alimentação e dispositivos com álcool em gel em diversos pontos. Quem estiver com temperatura acima de 37,2 graus, será encaminhado para um ambulatório. Pedimos para não fazer eventos e para reduzir o número de clientes em corredores e dentro das lojas.

O serviço de valet pode ser mantido? Sim, mas os manobristas deverão passar álcool a cada veículo que estacionarem.

 

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?