Nossa rede

Brasil

Após redução de óbitos, Ceará e Amazonas têm planos de reabertura

Publicado

dia

Amazonas tem 33 mil casos confirmados da doença e 1.891 mortes; comércio reabrirá gradualmente a partir do dia 1º de junho

Enterro em Manaus: no auge da crise, Manaus enfrentou dificuldades para atender pacientes (Bruno Kelly/Reuters)

Após redução no número de óbitos por covid-19 em Manaus, o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), afirmou que o comércio reabrirá gradualmente a partir do dia 1º de junho. No interior, que concentra 54% dos casos de coronavírus do Amazonas a decisão ficará sob critério das prefeituras.

Lima já havia antecipado, no domingo, a retomada do comércio porque, segundo ele, “a vida precisa voltar à normalidade”. Mas em coletiva à imprensa na terça-feira esclareceu que a suspensão das medidas restritivas dependeria da curva de casos do novo coronavírus – caso contrário, o Estado retrocederia com a decisão. O decreto que permite apenas serviços essenciais vai até o dia 31 de maio.

“Tem havido número menor de óbitos e isso tem diminuído ao longo dos últimos 15 dias. Temos um aumento de casos, mas um número alto também de recuperados. Temos mais de 23 mil recuperados. A gente consegue enxergar uma luz no fim do túnel. Todas as decisões de reabertura do comércio estão condicionadas à essa curva.”

Para o infectologista Marcus Lacerda, o momento pede equilíbrio. “É uma decisão complicada. Acho que deve haver meio-termo. Voltar aos poucos com cuidado e acompanhar de perto. Não podemos juntar dados do Amazonas com Manaus; as mortes na capital caíram. Abertura total não pode, nem fechamento total. O comércio de Manaus nunca fechou de fato, apenas uma mínima parcela.”

O Amazonas tem 33 mil casos confirmados da doença e 1.891 mortes. No auge da crise, Manaus enfrentou dificuldades para atender pacientes no sistema público de saúde – profissionais também se queixaram da falta de equipamentos básicos e muitos acabaram contaminados pelo coronavírus.

Ceará

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), também afirmou que pretende iniciar a abertura da economia no Estado a partir da próxima segunda-feira. A retomada será feita considerando indicadores de saúde, com orientações aos municípios de acordo com a incidência do coronavírus em cada região.

O plano de reabertura deve ser divulgado oficialmente nesta semana e foi elaborado em conjunto com as equipes econômica e de saúde. Como uma das justificativas, o governador citou a tendência de estabilização no número de casos da capital, Fortaleza, a terceira cidade do País a implementar o “lockdown”.

A capital cearense ainda encontra dificuldades em se fazer cumprir a determinação. Mais de 2.600 ocorrências por descumprir isolamento social rígido foram registradas até segunda-feira, 25. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Brasil

Caixa esgota novamente o limite de crédito para PMEs pelo Pronampe

Publicado

dia

Banco atingiu o limite autorizado pelo Fundo Garantidor de Operações, que atualmente é de 5,9 bilhões de reais

Caixa Econômica Federal: Caixa foi a primeira instituição financeira a operar com o Pronampe (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Caixa anunciou nesta terça-feira ter atingido o limite de 5,9 bilhões de reais em créditos contratados pelo Programa de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Na última segunda-feira, 13, o banco havia atingido o teto anterior do programa, com isso obteve um acréscimo de 1,66 bilhão de reais junto ao ministério da Economia.

Em menos de 24 horas, a instituição financeira, somando contratos assinados e as propostas em fase final de análise, atingiu novamente o limite. No total, são 8.234 pré-contratos assinados, que totalizam 1,2 bilhão de reais à espera de liberação, além de demandas de clientes que estão com a documentação em análise. Em média, o processo de análise de crédito da Caixa é de cinco dias.

Além do Pronampe, a Caixa oferece outras linhas de créditos para microempreendedores individuais e micro e pequenas empresas, como o Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (Fampe), disponibilizado em parceria com o Sebrae. Somando as duas iniciativas, a Caixa já concedeu mais de 7,7 bilhões de reais em fomento a essa categoria, durante o período de pandemia do novo coronavírus.

Na semana passada, o Banco do Brasil também havia conseguido expandir sua participação no programa. Após ter atingido o teto de 3,74 bilhões de reais na quarta-feira, 8, o banco conseguiu do Tesouro Nacional um novo limite de 1,24 bilhão na última quinta-feira. E, em cerca de 24h, liberou todo o crédito a cerca de 20.000 micro e pequenas empresas.

O Itaú, que começou a operacionalizar o programa na quinta-feira, 9, também já emprestou toda a sua cota de 3,7 bilhões de reais. Enquanto isso, os dois outros grandes bancos privados, Bradesco e Santander, devem começar a trabalhar com a linha somente no final de julho e no começo de agosto.

Preocupado com a continuidade do programa, o governo e os congressistas buscam formas de ampliá-lo. A senadora Kátia Abreu (PP-TO), por exemplo, por meio de emenda à MP 944/20, propõe a transferência de 17 bilhões de reais do Programa Emergencial de Suporte ao Emprego (PESE) ao Pronampe. A movimentação faria sentido, segundo a senadora, porque, do dia 8 de abril ao dia 30 de junho, o PESE concedeu somente 4,5 bilhões de reais, enquanto o Pronampe emprestou mais que o dobro, tendo começado a operar no dia 17 de junho.

 

Ver mais

Brasil

Por que a gasolina deve ficar mais cara a partir de agosto no Brasil

Publicado

dia

Novas especificações da ANP vão contribuir para elevar a qualidade do combustível, por outro lado, o custo também aumentará

Bomba de gasolina: combustível terá mais qualidade, porém, deve ser mais caro (Sol de Zuasnabar Brebbia/Getty Images)

Com as novas especificações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para a gasolina produzida e comercializada no mercado interno, a partir de agosto, o brasileiro terá à disposição um combustível mais eficiente e com menos emissões. Porém, a melhora da qualidade deve trazer aumento de preços – ao menos no curto prazo.

Publicada em janeiro, a resolução deu prazo até 3 de agosto para os produtores de combustíveis se adequarem às regras.  Com a revisão das especificações, a gasolina se adequará aos padrões dos Estados Unidos e da Europa.

Atualmente, somente a Petrobras produz gasolina em seu parque de refino no país. Ela pode importar o insumo, dependendo da sua estratégia de custos em determinado período.

De acordo com Lavinia Hollanda, fundadora e diretora executiva da consultoria Escopo Energia, ajustes no parque de refino levam um certo tempo. Em uma refinaria, a produção é geralmente direcionada para escoar produtos mais nobres, como gasolina, diesel e querosene de aviação e redesenhar este processo todo pode levar ao aumento de custos.

“Em um primeiro momento, o consumidor vai ver um preço maior na bomba. Porém, ao longo do tempo, ele vai perceber que precisará reabastecer menos, porque a nova gasolina é mais eficiente”, diz a especialista.

De acordo com a ANP, a iniciativa é resultado de estudos e pesquisas dos padrões de qualidade internacionais, “bem como de amplos debates com os agentes econômicos do mercado de combustíveis”.

Conforme a autarquia, a mudança nas especificações se mostra necessária também pelas novas tecnologias de motores, o que “resultará em uma gasolina com maior desempenho para o veículo”.

A agência reguladora esclarece que a nova gasolina atende aos atuais requisitos de consumo de combustível dos veículos e de níveis de emissões progressivamente mais rigorosos, considerando programas de controle de emissões do governo para os próximos anos.

Segundo Hollanda, o aumento da exigência por parte da ANP em relação à octanagem do combustível é exatamente o papel da autarquia. “A partir de agora, a gasolina precisará ter uma qualidade mínima no Brasil, a função da ANP é disciplinar o mercado.”

Para ela, a decisão chega um pouco atrasada na comparação com países da Europa e os Estados Unidos. “Estamos atrasados devido ao custo de produção de um combustível de melhor qualidade. Mas o que o consumidor pagar a mais vai se traduzir em eficiência.”

Procurada pela reportagem da EXAME, a Petrobras informou por meio de nota que a nova formulação da gasolina “permite uma redução de 4 a 6% do consumo do combustível nos motores” e que esse ganho de rendimento “compensa a diferença de preço da gasolina, porque o consumidor vai rodar mais quilômetros por litro”.

Segundo a petroleira, embora a nova gasolina apresente um custo de produção maior, não é isso que determina o preço final, que é “definido pela cotação de mercado e outras variáveis como valor do barril, frete e câmbio”.

A companhia acrescenta ser responsável por apenas 28% do preço final da gasolina na bomba, sendo as demais parcelas compostas por tributos, preço do etanol adicionado e margens das distribuidoras e revendedores.

 

Ver mais

Brasil

Economistas preveem 2,5 milhões de casos de covid-19 até o fim do mês

Publicado

dia

De acordo com economistas da PUC-RJ e da FGV, houve uma estabilização no número de mortes no Brasil em patamar muito elevado

Coronavírus: “Não parou de morrer gente e isso vai continuar”, diz o economista (Andre Coelho/Getty Images)

Até o fim de julho o Brasil deve registrar 2,5 milhões de casos de covid-19 e até 90 mil mortes provocadas pela doença. A previsão é do grupo Covid19Analytics, composto de economistas da PUC-RJ e da FGV, que vem tendo um dos melhores índices de acerto nas previsões de curto prazo sobre a epidemia, com margem de erro de apenas 2%.

De acordo com os especialistas, houve uma estabilização no número de mortes, mas em patamar ainda muito elevado, entre 900 e 1,1 mil registros por dia. E não há ainda sinais de queda: até o fim do mês a previsão é de que o gráfico seguirá estável.

“Não parou de morrer gente e isso vai continuar”, diz o economista Marcelo Medeiros, um dos coordenadores do grupo. “Mas o fato é que vinha numa aceleração rápida, exponencial, e deu uma desacelerada.

Pelo último relatório do grupo, divulgado do dia 10, a epidemia está em franca interiorização e é extremamente heterogênea no País – mas quando são comparadas as situações de diferentes Estados, municípios e regiões de uma cidade, as realidades são diferentes.

“São várias ondas diferentes e misturadas”, disse o economista. Ele adverte que os números não refletem ainda a recente flexibilização das medidas de isolamento social em vários Estados. Essa nova realidade só começa a aparecer dentro de pelo menos mais duas semanas.

Ver mais

Brasil

Em alerta, Piracicaba também vai enviar à capital pacientes com covid-19

Publicado

dia

Na semana a passada, a região de Campinas começou a enviar pacientes para o hospital de campanha do Ibirapuera

Hospital de campanha: estrutura construída no Ibirapuera tem 268 leitos. (Miguel Schincariol/Getty Images)

Depois de Campinas, a região de Piracicaba também vai enviar à cidade de São Paulo pacientes com a covid-19. A medida foi anunciada nesta terça-feira, 14, pelo Centro de Contingência do coronavírus após a taxa de ocupação de leitos de UTI ficar perto dos 90%.

Os internados serão transferidos para o hospital de campanha do Ibirapuera, mantido pelo estado. Na semana passada, o governo já tinha anunciado que faria o transporte de pacientes de Campinas para a cidade de São Paulo com o objetivo desafogar o sistema da região que beirava o colapso.

O hospital de campanha do Ibirapuera tem um total de 268 leitos, sendo 240 de enfermaria e 28 de UTI. A taxa de ocupação atual é de 55%. O transporte dos pacientes é gerenciado pela Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (Cross), sempre em UTIs móveis.

“É uma situação de alerta. Houve um aumento no número de internações, principalmente de UTI. Isso nos preocupa porque a região pode chegar a uma máxima de ocupação nos próximos dias. A situação epidemiológica muda constantemente e nós vamos avaliar a fase em que a região se encontra”, disse o coordenador executivo do Centro de Contingência, João Gabbardo.

Na sexta-feira, 10, a região de Piracicaba saiu da fase mais restritiva da quarentena, a chamada vermelha 1, para a fase amarela 2. O governo justificou a decisão por considerar que os índices estavam positivos. Mas desde o fim de semana, a situação mudou.

De acordo com a prefeitura de Piracicaba, na sexta-feira, 10, a cidade tinha 4.230 infectados. No boletim divulgado na segunda, 13, foram registrados 4.733, um aumento de aproximadamente 12% em poucos dias.

O número de internações, tanto em enfermaria quanto em UTI, também aumentou. No começo do mês eram 156 e passou para 188 em nove dias, um aumento de 21,3%. Olhando somente para leitos de UTI, o aumento foi de 37,7%, passando de 61 para 84

Mesmo com a progressão de fase, em que permitia a abertura de comércio e shoppings, a prefeitura de Piracicaba decidiu manter a cidade na quarentena mais restrita, em que somente os serviços essenciais podem funcionar.

“Eu estou muito preocupado com o avanço da doença e com a limitação de leitos. Se retomarmos as atividades neste momento, as consequências serão ainda piores”, disse o prefeito Barjas Negri na segunda-feira, 13, em um vídeo em que justificou a medida.

Falha na atualização de dados

Em entrevista coletiva nesta terça-feira, o governo de São Paulo não atualizou os dados da pandemia referente às últimas 24 horas.

Segundo o secretário executivo da Saúde, Eduardo Ribeiro, houve um problema de acesso ao servidor do Ministério da Saúde que compila todos os dados. A previsão é que até o fim da tarde o boletim seja atualizado.

Na último balanço, divulgado na segunda, o estado tinha 17.907 mortes e 374.607 casos confirmados de covid-19.

Não é a primeira vez que o estado de São Paulo enfrenta problemas para acessar os dados do Ministério da Saúde. No meio de junho, uma falha afetou a atualização no número de casos por dois dias.

Ver mais

Brasil

Ibirapuera recebe 6,5 mil visitantes em 1º dia de reabertura

Publicado

dia

Área de lazer dos paulistanos pode receber até 39 mil pessoas por dia; nesta segunda-feira foram reabertos 70 dos 108 parques municipais em São Paulo

Ibirapuera: maior parque da capital paulista registrou a presença de aproximadamente 6,5 mil pessoas em um período de seis horas (Amanda Perobelli/Reuters)

Fechado desde 21 de março, por conta da pandemia do novo coronavírus, o parque Ibirapuera, em São Paulo, recebeu 6,5 mil visitantes no primeiro dia de reabertura, que aconteceu nesta segunda-feira, 13.

Apesar da quantidade de pessoas, a prefeitura considerou a movimentação como tranquila. “Esse número está dentro da expectativa e do limite de 39 mil pessoas por dia, que é esperado para a área do parque no Ibirapuera”, destacou o prefeito, Bruno Covas.

Nesta segunda-feira foram reabertos 70 dos 108 parques municipais em São Paulo. Os parques do Carmo (zona Leste) e Ibirapuera estão funcionando com horário reduzido, entre as 6h e as 16h; os demais, das 10h às 16h.

Está permitido um índice de ocupação de apenas 40%, e o uso de máscaras é obrigatório. Parques infantis, quadras de esporte e bebedouros continuam sem funcionar.

“É uma compensação por todo esse sacrifício que a população fez ao longo desses meses, por ficar dentro de casa, para evitar contato, para evitar aglomeração. Agora a gente abre 70 dos nossos 108 parques para população”, ressaltou o prefeito.

Bruno Covas disse ainda que a prefeitura multou 140 bares no último fim de semana, em razão de os estabelecimentos terem funcionado após as 17h, fora do horário permitido.

O prefeito ressaltou também que a administração municipal irá apresentar uma decisão, ainda nesta semana, sobre a reabertura de teatros e cinemas.

 

Ver mais

Brasil

Debate sobre sustentabilidade deve crescer no pós-pandemia, diz ministra

Publicado

dia

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que o Brasil deve se preparar para atender as exigências do mercado internacional

Tereza Cristina: ministra está em viagem a países árabes para alavancar exportações do Brasil (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que acredita que, passado o difícil momento de pandemia de covid-19, deve ocorrer um aumento das discussões sobre sustentabilidade, no âmbito de acordos com países e entre consumidores finais. Segundo ela, que participa na manhã desta segunda-feira de “live” com o setor de cafés especiais, isso já pode ser observado atualmente nas preocupações de varejistas do Reino Unido e da Alemanha com aspectos de sustentabilidade da produção agropecuária brasileira.

Conforme a ministra, no cenário pós-covid-19 vão aumentar as exigências de certificação, rastreabilidade e sobre embalagem. “Devemos estar cientes e preparados para atender as exigências do mercado internacional, por meio da cooperação entre governo e a cadeia produtiva”, disse ela.

“Os desafios são grandes e será preciso engajamento do setor privado, em um processo robusto de governança para o País avançar”, acrescentou. Entre os desafios, a ministra citou a necessidade de regularização fundiária, para solucionar conflitos agrários históricos e de avançar na implementação do código florestal.

A ministra disse, ainda, que é preciso impulsionar instrumentos que gerem renda ao produtor pelo correto manejo florestal. Segundo Tereza Cristina, o novo Plano Safra 2020/21 já prevê recursos para garantir a inclusão do agricultor familiar junto às cadeias de maior valor agregado, favorecendo inclusive o pequeno produtor de café.

Ver mais

Hoje é

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?