Nossa rede

Ciência

Animação mostra que comunicação com Marte não será tão simples assim

Publicado

dia

Em seu perfil no Twitter, O’Donoghue afirmou que “a comunicação em velocidade da luz entre a Terra e a Lua não é tão ruim”, mas com Marte…

Marte: comunicação com o planeta pode ser complicada (Getty/Getty Images)

A comunicação com astronautas que estarão em Marte pode não ser tão simples como imaginamos. Isso porque, apesar de estar perto da Terra, a uma distância de 54,6 milhões de quilômetros, é difícil conseguir sinal de 4G em um smartphone no outro planeta. Não, na verdade não é bem isso.

Comunicar-se de forma interplanetária é mais complicado do que sinais de 4G em alguns lugares do Braisl. A velocidade da luz é a forma mais rápida de um objeto viajar pelo espaço, em um vacúo perfeitamente vazio, uma partícula de luz (fóton) pode viajar até 299,792 quilômetros por segundo. Muito rápido, certo? Errado.

A velocidade da luz pode ser muito devagar durante conversas com outros planetas, não importa o quão próximos eles estão um do outro.Um cientista planetário da Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA, na sigla em inglês), James O’Donoghue, fez uma animação para mostrar como a comunicação em Marte deve acontecer — e ser mais complicada do que cientistas e não cientistas haviam imaginado.

 

Em seu perfil no Twitter, O’Donoghue afirmou que “a comunicação em velocidade da luz entre a Terra e a Lua não é tão ruim, mas usá-la para fazer vídeochamadas com astronautas marcianos será uma tarefa complicada, mesmo quando Marte está próximo da Terra”.

Uma dificuldade que pode atrapalhar (ou não) as futuras missões ao planeta vermelho.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Ciência

Com vacinas aprovadas, imunidade de rebanho chega em um ano, prevê Citi

Publicado

dia

Por

Área de pesquisa do banco americano levou em conta cenário em que 3 vacinas são aprovadas até janeiro e aplicação no mundo rico acontece até setembro

A vacina da Pfizer com a BioNTech é uma das que podem receber aprovação para uso comercial entre o fim de 2020 e o início de 2021, abrindo caminho para a imunização da população (Dado Ruvic/Reuters)

A perspectiva de aprovação para uso em escala comercial de ao menos três vacinas para o novo coronavírus animou a população global e investidores quanto ao fim da pandemia e a retomada da vida como era antes. Para a área de pesquisa de um dos maiores bancos globais, o Citi, a chamada imunidade de rebanho poderá ser alcançada no fim de 2021.

É o que aponta um estudo divulgado pelo banco de investimentos americano nesta segunda-feira, 23. O estudo tem como base um cenário em que três vacinas são aprovadas neste fim de 2020 ou até janeiro do próximo ano: a da Pfizer com a BioNTech, a da AstraZeneca com a Universidade de Oxford e a da empresa de biotecnologia Moderna.

Nesse cenário, países desenvolvidos como Estados Unidos, Reino Unido, países da União Europeia e Japão sairiam na frente, uma vez que, segundo cálculos do Citi, tais governos respondem por 85% dos pedidos de doses previamente acertados com os laboratórios. A vacinação em massa no mundo rico aconteceria do segundo para o terceiro trimestre de 2021, com a imunidade de rebanho sendo alcançada nos três meses finais do ano.

A imunidade de rebanho é o termo que expressa a condição em que a população de um país ou uma região está protegida de forma tão disseminada que a propagação do vírus é reduzida a percentuais muito mais baixos.

No mesmo estudo, a área de pesquisa do Citi aponta os ganhos para a economia global — e, por tabela, para os investidores: o PIB mundial teria um acréscimo de 0,7 ponto percentual em 2021 e de 3 pontos percentuais em 2022 com a ampla vacinação.

Os efeitos econômicos positivos sobre a economia serão mais amplos em economias desenvolvidas do que em emergentes e no mundo pobre, segundo o estudo.

Incertezas

Os pesquisadores do Citi fazem ressalvas em relação aos fatores que mais podem impactar o cenário-base montado: a eficácia da vacina quando aplicada em larga escala — os dados existentes são de testes –, a taxa de contágio do vírus (algo do qual ainda existem dúvidas), a capacidade de aumento da produção da vacina por laboratórios e governos e a aceitação das mesmas pela população.

Este último ponto causa preocupação: “Em geral, a vacina precisa alcançar 70% de cobertura (da população) para gerar algum efeito de imunidade de rebanho”, aponta o estudo, que apresenta a seguir dados de uma pesquisa da Ipsos com o Fórum Econômico Mundial conduzida em outubro em 15 países: 73% dos entrevistados dizem que pretendem ser vacinados. Três meses antes, eram 77%.
Ver mais

Ciência

Estudo de Oxford indica imunidade de, ao menos, seis meses ao coronavírus

Publicado

dia

Por

A análise com dados de 12 mil pessoas ajuda a entender melhor a resposta imune para a covid-19

Um novo estudo conduzido pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, com 12 mil pessoas, indica que a imunidade ao novo coronavírus dura, ao menos, seis meses. Ou seja, quem já teve covid-19 provavelmente estará protegido de uma reinfecção por um semestre. “Esta é uma notícia realmente boa, porque podemos ter certeza de que, pelo menos no curto prazo, a maioria das pessoas que teve covid-19 não a terá de novo”, afirma David Eyre, professor do Departamento de Saúde Populacional de Nuffield em Oxford, um dos líderes do estudo, segundo a Reuters.

A conclusão do estudo de Oxford está em linha com outro estudo divulgado há algumas semanas e traz novas evidências a respeito da imunidade ao coronavírus, ainda que não seja uma análise conclusiva sobre o assunto.

No estudo, que ainda não foi analisado por pares (um importante processo de validação na comunidade científica), os testes de anticorpos indicaram que 1.246 participantes tinham criado anticorpos contra a covid-19. Durante o período do estudo, de abril a novembro, somente três pessoas foram reinfectadas pelo novo coronavírus. No entanto, elas não apresentaram sintomas.

O levantamento de Oxford aponta ainda que, entre 11.052 pessoas analisadas, apenas 89 sem anticorpos tiveram quadros de covid-19 com manifestação de sintomas, enquanto outros 76 tiveram quadros infecciosos assintomáticos.

Apesar do estudo ter uma das maiores amostragens em testes de imunização, ainda não está claro para os pesquisadores de Oxford qual porcentagem das pessoas infectadas efetivamente criam anticorpos contra a covid-19. O esforço da comunidade científica mundial para entender a covid-19 ainda não acabou.

 

Ver mais

Ciência

Vacina desenvolvida pela Sinovac é incluída no programa da China

Publicado

dia

Por

De acordo com estudo publicado na terça-feira (17), a vacina da Sinovac gerou resposta imunológica rápida em seus dois primeiros estágios de testes

(Thomas Peter/Reuters)

O primeiro lote da vacina contra covid-19 da farmacêutica chinesa Sinovac com o Instituto Butantan acaba de chegar em São Paulo. Na terceira fase de testes, o imunizante ainda não obteve autorização para ser aplicada no Brasil. No entanto, a vacina já vem sendo aplicada em grupos de alto risco na província da China oriental sob o esquema de uso emergencial.

A notícia, publicada nesta quinta-feira pelo South China Morning Post, informa que o imunizante foi incluído no programa de uso de emergência da China. De acordo com a publicação, não se sabe exatamente quantos cidadãos receberam a dose da vacina.

A justificativa de Pequim para o uso da vacina – que ainda não teve sua eficácia comprovada -, foi de que sua aplicação foi restrita a indivíduos do grupo de alto risco. Esse grupo incluí, além de profissionais de saúde da linha de frente, funcionários de escolas, supermercados e transportes públicos.

De acordo com estudo publicado na terça-feira (17), a vacina da Sinovac gerou resposta imunológica rápida em seus dois primeiros estágios de testes. O resultado positivo dos testes, realizados na China, Brasil, Indonésia e Turquia, apoiou a aprovação do uso emergencial da CoronaVac na país. Os resultados provisórios dos testes clínicos da fase final da vacina ainda não foram divulgados.

Ver mais

Ciência

K2-141b, o planeta onde chove pedra, os ventos são supersônicos e os oceanos são feitos de lava

Publicado

dia

Por

Bem-vindo ao planeta K2-141b, uma ‘super-Terra’ tão quente que a rocha vaporiza e chove do céu, os oceanos são feitos de lava e os ventos atingem velocidades supersônicas; e você pensou que 2020 na Terra era difícil!

Há muitos anos, a Terra não era muito diferente de K2-141b — Foto: Nasa

Em K2-141b, a chuva é feita de rochas, há um oceano de lava com mais de 100 km de profundidade e os ventos sopram a uma velocidade quatro vezes maior que o som.

“Este é um planeta muito emocionante, com clima extremo, chuva mineral e neve e vento supersônico”, diz o astrônomo Tue Giang Nguyen à BBC.

“Não é um lugar feliz para se viver, mas é um planeta legal para estudar coisas estranhas“, acrescenta seu colega, o professor Nicolas Cowan.

Junto com uma equipe de astrônomos da Índia e do Canadá, eles publicaram um novo artigo com as últimas descobertas em K2-141b, um planeta rochoso como a Terra … ou talvez não exatamente como ela.

O planeta está 'escondido' na constelação de Aquário, a cerca de 202 anos-luz de distância — Foto: Getty Images via BBC

O planeta está ‘escondido’ na constelação de Aquário, a cerca de 202 anos-luz de distância — Foto: Getty Images via BBC.

Bem-vindo ao ‘planeta lava’

K2-141b, também conhecido pelo nome mais poético de EPIC 246393474.01, fica a 202 anos-luz da Terra, na constelação de Aquário.

Este é um mundo incandescente e inóspito, onde o tempo realmente voa: K2-141b orbita tão perto de sua estrela que um ano termina em menos de sete horas.

Sua estrela é o que os astrônomos chamam de “anã laranja” — consideravelmente mais fria que o nosso Sol — e é tão opaca que não pode ser vista da Terra.

K2-141b “é um planeta de lava”, dizem os cientistas que analisam e interpretam os dados no Instituto Indiano de Educação e Pesquisa Científica (Calcutá, Índia), Universidade de York (Toronto, Canadá) e Universidade McGill (Montreal, Canadá).

É também uma “super-Terra”, porque embora não seja muito maior que o nosso planeta, sua massa é cerca de cinco vezes maior (ou seja, a atração gravitacional do K2-141b é cinco vezes maior do que a da Terra).

Embora o K2-141b tenha sido descoberto em 2018 pela “missão K2” do Telescópio Espacial Kepler, os pesquisadores só agora estão começando a descobrir suas maravilhas.

Imagine uma paisagem de magma e rochas geladas e você terá uma ideia aproximada de como é a superfície de K2-141b — Foto: Getty Images via BBC

Imagine uma paisagem de magma e rochas geladas e você terá uma ideia aproximada de como é a superfície de K2-141b — Foto: Getty Images via BBC

 

Então, como é o clima?

Embora K2-141b gire em torno de sua estrela em questão de horas, ele não gira em torno de seu eixo, como a Terra.

“Isso significa que dois terços do planeta estão sempre expostos à luz em um dia eterno, e as temperaturas ali podem chegar a até 3.000ºC”, diz Cowan.

Já o lado oposto está sempre no escuro e as temperaturas despencam para -200ºC.

Essas mudanças drásticas de temperatura resultam em condições climáticas extremas … e o que os astrônomos chamam de “chuva rochosa”.

Imagine o ciclo da água na Terra por um minuto: a água evapora do solo, forma nuvens na atmosfera, chove para reabastecer lagos e oceanos e o processo recomeça.

“Bem, em K2-141b é a mesma coisa, mas com pedras”, diz Cowan.

'Como chuva, mas com pedras e ventos supersônicos' — Foto: INPHO via BBC

‘Como chuva, mas com pedras e ventos supersônicos’ — Foto: INPHO via BBC

‘Estranho e emocionante

“O que é preciso ter em mente é que, neste planeta, tudo é feito de rocha“, afirma.

O calor no lado diurno do planeta é “tão ridiculamente intenso que a rocha se vaporiza e os minerais sobem para sua fina atmosfera. É estranho, mas emocionante”.

“Mas literalmente não há atmosfera no lado noturno do planeta, que é superfrio e congelado em estado sólido”, acrescenta.

Essa mudança drástica de pressão e temperatura entre o lado claro [quente] e o lado escuro [frio] do planeta gera ventos supersônicos — estamos falando de velocidades de até 5 mil km/h.

Estes “transportam o vapor de rocha para o lado noturno do planeta, onde se condensa em gotas de rocha”, diz Cowan.”Basicamente, você acaba com chuva de rocha, e às vezes até neve de rocha, caindo no oceano de magma abaixo”, acrescenta.”Este estudo é o primeiro a fazer previsões sobre as condições meteorológicas no K2-141b”, diz Nguyen, que está animado com o que pode ser detectado “a centenas de anos-luz de distância com telescópios de próxima geração”.

Muito pode ser aprendido com planetas distantes — Foto: Getty Images via BBC

Muito pode ser aprendido com planetas distantes — Foto: Getty Images via BBC

Devemos nos importar?

Tudo isso é muito interessante, mas por que isso importa para nós, terráqueos?

“Estudar o K2-141b pode nos ajudar a entender mais sobre o passado da Terra, já que ela já foi um mundo envolto em magma”, diz Nguyen, o autor principal do estudo.

“Os planetas de lava nos dão um raro olhar neste estágio da evolução planetária“, afirma Cowan. “Todos os planetas rochosos, incluindo a Terra, começaram como mundos derretidos, mas depois esfriaram e se solidificaram rapidamente.”

Portanto, descobrindo mais sobre o K2-141b, poderíamos desenvolver um melhor entendimento de como a Terra surgiu. Mas há um incentivo adicional para continuar procurando…

“Pode servir de base para estudos futuros de incontáveis planetas de lava ainda a serem descobertos. É um passo para uma maior exploração de planetas semelhantes à Terra ou de mundos habitáveis além do nosso Sistema Solar”, diz Nguyen.

“Esses planetas de lava são muito divertidos e nos permitem estudar todo tipo de coisas estranhas” acrescenta Cowan.

Se você não tem acesso a um telescópio multimilionário, mas gostaria de mergulhar em um pouco de astronomia, você ainda pode verificar o K2-141b e seus arredores no catálogo da NASA que oferece um close-up fantástico com modelos cientificamente precisos.

Ver mais

Ciência

Vacina de Harvard contra o câncer é 100% eficaz em animais

Publicado

dia

Por

A vacina do câncer começou a ser desenvolvida em 2009 e, desde então, tem se mostrado promissora para o tratamento de diversas variações da doença

Câncer: vacina de Harvard foi 100% eficaz em animais (Reprodução/Thinkstock)

Uma vacina contra o câncer pode estar mais perto do que se imagina. Desenvolvida pela universidade americana de Harvard, a imunização é baseada no poder matador de células cancerígenas da quimeoterapia e na eficácia duradoura da imunoterapia. A pesquisa teve 100% de sucesso em camundongos com câncer de mama triplo negativo.

Segundo o coautor do estudo, Hua Wang, o câncer de mama triplo negativo não estimula respostas fortes o suficiente do sistema imunológico, o que faz com que as imunoterapias existentes não consigam combatê-lo, ao mesmo tempo que a quimioterapia “produz um número grande de células cancerígenas mortas”, que o mesmo sistema imunológico pode detectar e formar um tumor como resposta. A vacina, então, seria o melhor dos dois mundos justamente por ter uma abordagem menos agressiva.

A vacina do câncer começou a ser desenvolvida em 2009 e, desde então, tem se mostrado promissora para o tratamento de diversas variações da doença em camundongos, sendo inclusive testada em casos de melanoma no Dana Farber Cancer Institute, nos Estados Unidos.

Com a formulação original da vacina, as moléculas encontradas em diversas células cancerígenas chamadas de antígenos associados a tumores (TAAs, na sigla em inglês), foram incorporadas dentro de um pequeno espaço do tamanho de uma aspirina para que as células dendríticas (que protegem o corpo de invasores, tanto exteriores quanto internos) conseguissem reconhecê-los rapidamente como algo estrangeiro ao corpo humano, criando uma resposta imune para lutar contra o tumor.

Segundo o estudo, os TAAs podem ser isolados de tumores colhidos ou identificados por uma sequência de genomas e, depois disso, manufaturados. Apesar de promissor, o processo para criar vacinas personalizadas para cada tipo de câncer pode ser longo e caro — uma limitação grande no desenvolvimento de uma vacina.

“Um dos fatores críticos que limitam o desenvolvimento de uma vacina do câncer é a seleção dos TAAs, porque, atualmente, temos apenas uma pequena biblioteca de antígenos conhecidos para apenas algumas pequenas linhas específicas celulares de alguns tumores, e é díficil prever qual pode construir uma resposta imune eficaz. Implementar drogas da quimioterapia dentro da vacina pode criar um grande número de células mortas que pode liberar os TAAs direto do tumor para as células dendríticas, cortando a parte longa e cara de produzir um antígeno”, garante Alex Najibi, coautor do estudo.

A ideia do grupo de cientistas, então, foi aplicar essa nova tática de vacina também em casos de câncer de mama triplo negativo. Para isso, primeiro eles adicionaram um componente chamado de Fator Estimulador de Colônias de Granulócitos e Macrófagos (ou fator estimulador de colônias 2), capaz de estimular o desenvolvimento e a concentração das já citadas células dendríticas, o que pegaria os antígenos de tumores e de outros invasores, inserindo neles as células T (linfócitos com capacidade imunológica) presentes em linfonodos e no baço para iniciar uma resposta imunológica.

Outra droga usada na quimioterapia (a doxorrubicina, ou Dox) também foi adicionada, ligada a um peptídeo chamado de iRGD, conhecido por pentrar tumores e ajudar a Dox a atingir os tumores uma vez que é administrada.

Os camundongos com os câncer de mama triplo negativo, assim que receberam a dose com o fator estimulador de colônia 2 e com a Dox-iRGD, tiveram um resultado melhor na penetração da droga em seus tumores, o que aumentou a taxa de células cancerígenas mortas, e reduziu os riscos da produção de tumores metastáticos nos pulmões do que aqueles que receberam uma dose que continha apenas a Dox ligada a uma molécula de peptídeo, ou com o Dox não modificado, ou sem nenhum tipo de tratamento.

As análises mostraram, então, que ambas as partes da vacina — a ligada à imunoterapia e a ligada à quimioterapia — estavam ativas.

Com os bons resultados, os cientistas adicionaram ainda mais um componente para  avacina, uma bactéria sintética chamada de CpG, cujo DNA é conhecido por aumentar a resposta imune dos humanos. Com essa dose da imunização, os camundongos demonstraram um crescimento mais lento em seus tumores e sobreviveram mais tempo do que aqueles que receberam a vacinação sem o componente adicional. Uma dose extra administrada 12 dias depois da primeira foi capaz de aumentar o tempo de sobrevivência em ainda mais tempo.

Mas isso não foi o suficiente para os cientistas.

Eles também queriam entender como a vacina funcionava na área onde os tumores estavam. Daí veio a descoberta de que os tumores tratados com um gel contendo GM-CSF, Dox-iRGD, e CpG aumentaram a quantidade da proteína calreticulina em suas superfícies — um indicador da morte das células. Os animais que receberam a vacina com as três partes mostraram um nível mais alto de células brancas associadas a uma melhora na atividade anticancer e maior tempo de sobrevivência.

Nem isso foi o suficiente. Eles descobriram que administrar um tratamento inibidor capaz de bloquear a invasão do sistema imune com a vacina seria capaz de aumentar ainda mais a sua eficácia. Então os animais receberam uma dose triplíce da vacina, e adicionaram uma injeção anti-PD-1 (ou seja, anti proteína de morte celular). Com essa combinação, o tumor dos camundongos foi reduzido em tamanho e número, e eles sobreviveram 40 dias, enquanto ratos que não foram tratados sobreviveram por 27 dias, e aqueles que receberam somente a dose anti-PD-1 viveram por 28 dias. Para os pesquisadores, a descoberta sugeriu que “a vacina pode ser usada de forma ainda mais eficaz com uma combinação de terapias inibidoras”.

Para entender como a vacina poderia funcionar em pacientes humanos, os cientistas administraram uma dose da vacina após um tumor ser retirado dos camundongos. Com o tratamento, tanto da vacina de três partes em gel quanto na vacina líquida, os animais tiveram uma recorrência de tumores reduzida, sendo que a vacina em gel reduziu significativamente o crescimento de tumores e aumentou os números de sobrevivência. Então, os camundongos receberam uma injeção de células do câncer, e 100% daqueles tratados com a vacina em gel sobreviveram sem o retorno da doença, enquanto os que não foram tratados, morreram.

O próximo passo para os pesquisadores é continuar a estudar a combinação das terapias para produzir vacinas contra o câncer e esperam conseguir produzir uma proteção eficaz para outros tipos de tumores. Eles também querem chegar a fase pré-clínica de testes e, eventualmente, aos testes em humanos. De todo modo, uma boa notícia para a ciência.

Ver mais

Ciência

Risco de pegar covid-19 é mais alto em hotéis, academias e restaurantes

Publicado

dia

Por

Os pesquisadores das universidades de Stanford e de Northwestern observaram, principalmente, dados de localizações dos indivíduos estudados

Academia: estudo aponta que risco de pegar covid-19 aumenta no local (Asanka Ratnayake/Getty Images)

Um estudo realizado pelas universidades de Stanford e de Northwestern aponta que o risco de contrair o novo coronavírus é maior em hóteis, academias e restaurantes. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram os dados dos smartphones de mais de 98 milhões de pessoas a fim de conseguir criar um modelo que indicasse em quais locais as pessoas correm mais risco de infecção.

Os pesquisadores observaram, principalmente, dados de localizações dos indivíduos estudados, quanto tempo eles passaram nos hóteis, restaurantes e academias, quantas outras pessoas estavam no mesmo local e em quais vizinhanças os estabelecimentos estavam localizados.

O estudo previu que em Chicago, por exemplo, se os restaurantes fossem abertos e voltassem a sua capacidade máxima de ocupação, eles iam gerar mais de 600.000 novas infecções — três vezes mais do que em outras categorias. Cerca de 10% das localizações examinadas foram responsáveis por 85% das infecções previstas. Na hipótese de os locais terem sua ocupação reduzida em 20%, as novas infecções previstas caem mais de 80%.

A ideia dos pesquisadores não é a de que um lockdown precisa ser adotado para evitar o vírus. Segundo eles, máscaras, distanciamento social e capacidade reduzidas nos estabelecimentos em questão podem manter a covid-19 sob controle e evitar novos contágios.

Já a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) afirmou que “o setor de bares e restaurantes vem adotando uma série de protocolos baseados nas recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Entre as principais regras está o uso de máscara, tanto pelos clientes quanto pelos funcionários desses estabelecimentos”. “No Brasil, a realidade vivenciada é muito distinta da apresentada por esse estudo norte-americano. Diferente dos Estados Unidos, onde muitos restaurantes são fechados, com uso de ar condicionado ou sistema de aquecimento, por aqui os restaurantes utilizam espaços abertos, arejados, com mesas nas calçadas”, disse.

Outra pesquisa, outros lugares

Em julho deste ano, a Associação Médica do Texas, nos Estados Unidos, criou uma cartilha para definir quais são os lugares mais perigosos em termos de infecção pelo SARS-CoV-2.

Além de shows lotados (um local até óbvio de contágio pela covid-19), bares, cultos religiosos com mais de 500 pessoas e academias também representam um alto risco para as pessoas. Ir ao shopping, por exemplo, é uma atividade que tem um risco médio de contágio. Já outras tarefas do dia a dia, como receber encomendas, fazer caminhadas ou corridas e abastecer o tanque do carro apresentam riscos menores.

 

Ver mais

Hoje é

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?