Nossa rede

Tecnologia

YouTube investirá US$ 25 milhões para combater fake news

Publicado

dia

YouTube proporcionará links para a Wikipedia ou para a Enciclopédia Britânica em vídeos de temas controversos

O YouTube anunciou nesta segunda-feira que investirá US$ 25 milhões para lutar contra a propagação de notícias falsas, especialmente em coberturas urgentes e de última hora, informou a plataforma no seu blog oficial.

O YouTube, propriedade do Google, disse que este investimento será parte da plataforma Google News Initiative (GNI), apresentada em março pelo gigante do setor de tecnologia para ajudar os veículos de imprensa e para enfrentar as chamadas fakenews.

Além disso, o YouTube apresentou uma série de novidades no seu site para ajudar os usuários para que não caiam em mentiras.

A partir das próximas semanas, os usuários de YouTube nos Estados Unidos, quando procurarem vídeos sobre temas de última hora, verão no portal links com pequenos extratos de notícias sobre esses assuntos publicadas em diferentes veículos de comunicação.

Além disso, o YouTube proporcionará links para a Wikipedia ou para a Enciclopédia Britânica em vídeos de temas controversos ou dados às conspirações, como a chegada do homem à Lua.

“Vamos continuar comprometidos a trabalhar com a comunidade jornalística para construir um ecossistema de vídeo mais sustentado para a imprensa”, afirmaram o diretor de produto do YouTube, Neal Mohan, e o diretor de negócio da companhia, Robert Kyncl.

Estes executivos acrescentaram que são conscientes de que resta “muito trabalho a ser feito”, mas destacaram seu interesse em proporcionar aos usuários do YouTube “uma melhor experiência” quando buscarem informações e notícias em seu site.

Comentário

Tecnologia

Publicidade de apps em celulares pode movimentar US$ 64 bi em 2020

Publicado

dia

Número mantém o ritmo recente de crescimento de 34 por cento ao ano, refletindo em parte o custo de mídia mais alto, incluindo campanhas pagas

Gastos com publicidade para instalação de aplicativos em celulares devem chegar a 64 bilhões de dólares em 2020 (Wikipedia Commons/Reprodução)

São Paulo – Os gastos globais com publicidade para instalação de aplicativos em telefones móveis devem subir chegar a 64 bilhões de dólares em 2020, segundo a empresa israelense de análise de dados para aplicativos AppsFlyer.

O número mantém o ritmo recente de crescimento de 34 por cento ao ano, refletindo em parte o custo de mídia mais alto, incluindo campanhas pagas. A estimativa tem como base modelos estatísticos e dados da indústria, com uma amostra de 70 mil aplicativos.

“Tem havido um constante crescimento de investimento em publicidade e isso parece que vai continuar assim.

Em um dos mercados de aplicativos mais predominantes, a América do Norte, o crescimento de gasto para instalação de apps deve dobrar em 2020, atingindo 12,9 bilhões de dólares, segundo a AppsFlyer.

Segundo Daniel Junowicz, diretor da AppsFlyer para a América Latina, entre os segmentos que devem dar suporte ao avanço dos investimento com anúncios para dispositivos móveis e instalações, estão os mercados de games e o apps de comércio e destreaming de vídeo e música.

Fonte Exame

 

Ver mais

Tecnologia

Tesla tem novo concorrente elétrico tem três rodas e preço de Ford Fiesta

Publicado

dia

A Electra Meccanica afirma que sua visão peculiar de um automóvel visa a redefinir a categoria

(Ben Nelms/Bloomberg)

Ele é 100 por cento elétrico como um Tesla. Tem o preço de um Ford Fiesta. Tem um dos visuais mais estranhos que você já viu – e pode simplesmente redefinir o conceito de carro para o dia a dia.

No momento em que a General Motors se prepara para fechar a fábrica perto de Toronto que deu início à indústria automotiva no Canadá, há mais de um século, um novo modelo ganha forma em uma minúscula instalação de produção nos arredores de Vancouver.

Conheça o Solo — um veículo de um assento fabricado pela Electra Meccanica Vehicles que custa US$ 15.500.

Em dezembro, 5.000 unidades estarão percorrendo as ruas de Los Angeles e mais 70.000 serão entregues nos próximos dois anos na costa oeste dos EUA. A Electra Meccanica pode ter um valor de mercado de apenas US$ 44 milhões, mas tem também US$ 2,4 bilhões em pré-encomendas.

O peculiar triciclo pode até servir de tábua de salvação para a condenada fábrica da General Motors em Oshawa, Ontário, no Canadá, que deverá fechar neste ano e deixar 3.000 desempregados.

“Tivemos algumas discussões em torno disso”, disse o CEO da Electra Meccanica, Jerry Kroll, acrescentando que nenhuma decisão foi tomada. “Nada me faria mais feliz do que recontratar todas aquelas pessoas, com um veículo desenhado e projetado no Canadá.”

Impulso elétrico

Fabricantes de automóveis como Tesla, Nissan Motor e Volkswagen estão correndo para fabricar o carro do futuro. Até o momento, elas produziram versões mais limpas e silenciosas, mas mais caras, dos modelos que já rodam por aí. A rentabilidade tem sido difícil de alcançar — muitas fabricantes provavelmente estão perdendo dinheiro em cada unidade, mas vendem em busca de participação de mercado futura, segundo a Bloomberg New Energy Finance.

A Electra Meccanica afirma que sua visão peculiar de um automóvel visa a redefinir a categoria.

“A Tesla está fazendo um bom trabalho em termos de fabricação de carros grandes — carros convencionais que são elétricos”, diz Kroll, que trabalhou em sistemas de propulsão elétrica na Nasa na Califórnia e fez amizade com os cofundadores da Tesla Marc Tarpenning e Martin Eberhard.

“Esta empresa está produzindo o carro que Elon Musk desejaria estar construindo”, disse Kroll, em entrevista separada à Bloomberg Television. “É ótimo produzir um carro de US$ 45.000, US$ 100.000 ou US$ 250.000. Mas para o grande público? Um carro de US$ 15.000 capaz de fazer com que deixem de usar gasolina. Isso é criativo.”

E qual é o desempenho? O modelo vai de zero a 60 milhas (97 quilômetros) por hora em oito segundos, não muito diferente de um Porsche Cayenne. É recarregado em três horas, tem autonomia de 160 quilômetros e atinge uma velocidade máxima de mais de 130 quilômetros por hora. E consegue transportar o conteúdo de um carrinho de supermercado totalmente carregado em compartimentos de armazenagem na frente e atrás.

Fonte Exame

 

Ver mais

Tecnologia

Google e Amazon querem coletar mais dados de alto-falantes inteligentes

Publicado

dia

Até dispositivos tão simples quanto lâmpadas permitem que empresas de tecnologia preencham lacunas sobre seus clientes e usem os dados para marketing

Mário Queiroz: VP global de produtos do Google apresentando o alto-falante inteligente Google Home (Reprodução/Getty Images)

Enquanto a Amazon e o Google trabalham para colocar seus alto-falantes inteligentes no centro da casa conectada à internet, as duas gigantes da tecnologia estão ampliando a quantidade de dados que coletam de clientes que usam seus softwares de voz para controlar outros dispositivos.

Há vários anos a Amazon e o Google coletam dados toda vez que alguém usa um alto-falante inteligente para acender a luz ou trancar uma porta. Agora, eles estão pedindo às fabricantes de aparelhos para casas inteligentes, como a Logitech e a Hunter Fan, que enviem um fluxo contínuo de informações.

Em outras palavras, depois que uma luminária for conectada à Alexa, a Amazon vai querer saber quando a luz está acesa ou apagada, mesmo se você não pediu à Alexa que ativasse ou desativasse o interruptor. Os televisores deverão informar o canal em que estão ligados. Fechaduras inteligentes deverão informar à empresa se a porta da frente da casa está trancada ou não.

Essa informação pode parecer banal em comparação com o software de geolocalização dos smartphones que acompanha a pessoa ou com a quantidade de dados pessoais que o Facebook absorve com base na sua atividade. Mas até dispositivos tão simples quanto lâmpadas podem permitir que as empresas de tecnologia preencham lacunas sobre seus clientes e usem os dados para fins de marketing. Tendo acumulado um cadastro digital de atividade em espaços públicos, dizem os críticos, agora as empresas de tecnologia estão empenhadas em estabelecer um contato dentro dos lares.

“Você pode aprender os comportamentos de uma casa com base em padrões”, diz Brad Russell, que rastreia produtos para casas inteligentes para a empresa de pesquisa Parks Associates. “Uma das coisas fundamentais é a ocupação. As empresas podem fazer muito com isso.”

Novo relacionamento

A Amazon e o Google dizem que coletam os dados para facilitar o gerenciamento dos eletrodomésticos. As atualizações automáticas de status reduzem o tempo necessário para processar comandos de voz e permitem que os hubs de casas inteligentes apresentem informações atualizadas em uma tela ou aplicativo de smartphone. Uma maior conscientização sobre o que está acontecendo também permite que eles sugiram proativamente usos úteis para seus assistentes de voz e desenvolvam novos.

Quando os alto-falantes inteligentes chegaram ao mercado, eles comandavam outros dispositivos da seguinte maneira. Depois de receber o comando “Alexa, acenda a luz”, o software perguntava aos servidores da fabricante de lâmpadas qual era o status atual da lâmpada. Após receber a confirmação de que o interruptor estava desligado, Alexa instruía a luz a acender.

Agora, em uma campanha que foi acelerada no ano passado, a Amazon e o Google estão recomendando — e, em alguns casos, exigindo — que os fabricantes de produtos para casas inteligentes ajustem seus códigos para reverter esse relacionamento. A lâmpada deve informar seu status ao hub o tempo todo.

“Fazer um compartilhamento excessivo de dados simplesmente por fazer um compartilhamento excessivo de dados provavelmente nunca é bom”, diz Ian Crowe, diretor sênior da Logitech International, fabricante de acessórios para computadores e eletrodomésticos. “Devemos ter um bom motivo para isso e os nossos usuários devem estar de acordo de que esse é um bom motivo” antes de compartilhar dados.

Fonte Exame

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade