Nossa rede

É Destaque

Onyx Lorenzoni acena com cargos no MEC para acalmar base aliada

Publicado

dia

Vagas abertas na pasta com demissões após polêmicas seriam suficientes para conter onda de parlamentares descontentes

Lorenzoni: ministro da Casa Civil vê disponibilidade de cargos como possível respiro para governo (Adriano Machado/Reuters)

Brasília – O desgaste do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, passou a ser considerado pelo governo como uma oportunidade para assegurar apoio no Congresso à reforma da Previdência. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tem dito que os postos do MEC poderiam acalmar os ânimos e abrir caminho entre parlamentares. O respiro viria em boa hora para os articuladores políticos.

A bancada evangélica, por exemplo, discute divulgar nas próximas semanas um manifesto de “independência” em relação ao governo. O grupo, um dos pilares da eleição do presidente Jair Bolsonaro, reclama da falta de diálogo e também de espaço na Esplanada.

Os cargos disponíveis no MEC seriam suficientes para conter a onda de descontentes e desarmar aquelas que estão em formação. Além da própria cadeira de Vélez, que não está garantido no cargo, a pasta da Educação conta com uma extensa lista de postos que poderiam ser preenchidos com indicações de parlamentares.

Estariam disponíveis, por exemplo, escritórios regionais do ministério, instalados nos Estados. Há ainda os Instituto Benjamim Constant e o Instituto Nacional de Educação de Surdos, localizados no Rio e que poderiam atender especialmente a bancada fluminense. Para completar, a Fundação Joaquim Nabuco, com mais de 200 postos e a Capes, que cuida de bolsas de pesquisa na área de pós-graduação.

Todo esse potencial para aplacar os ânimos têm sido colocado na balança para definir o destino de Vélez. Bombardeado por duas das três alas que integram sua equipe, o professor colombiano procurou na última semana realizar uma profunda mudança nos quadros do MEC para tentar recuperar a estabilidade. Sete pessoas próximas foram exoneradas.

As mudanças, no entanto, ocorreram num momento em que Vélez já estava com a credibilidade abalada, sem aliados no Planalto, e não tiveram o efeito esperado. Vulnerabilidade que cresce com o apetite pelos cargos.

Embora Bolsonaro tenha confirmado formalmente nesta semana a sua permanência no posto, o professor colombiano está abalado. Ele tem feito uso de remédios para depressão desde a repercussão negativa da declaração que deu à revista Veja, quando comparou viajantes brasileiros a canibais. Nesta semana, o ministro teve uma crise hipertensiva.

Evangélicos

O Ministério da Educação sempre foi um posto cobiçado pela bancada evangélica. Parlamentares não escondem a frustração de não terem sido contemplados com postos na área, que foi dividida entre militares, um grupo ligado ao escritor e “guru” bolsonarista Olavo de Carvalho e a um grupo de técnicos. Seria o momento da reparação.

O descontentamento, contudo, vai além do MEC. A mais recente baixa na conta dos evangélicos, dentro do governo, foi a exoneração, na semana passada, de Pablo Tatim, ex-subchefe de Ações Governamentais, cuja indicação foi referendada pela frente.

A bancada evangélica já havia afinado o discurso e decidiu votar alinhada com o governo apenas nas pautas relativas a temas de costumes. Na semana passada, o deputado Marco Feliciano (Podemos-SP) usou o Twitter para mandar um recado. “Vocês não pediram minha opinião, mas deixo aqui humildemente a mesma. A comunicação está péssima”, escreveu. Emendando um apelo: “Quando o governo resolve governar sozinho, se torna um gigante com pés de barros. O que adianta ter a estrutura que tem se o alicerce é frágil? O presidente tem que cimentar os pés. E isso se faz chamando as bancadas para conversar”, disse. Após a publicação, Feliciano foi escolhido para ser um dos vice-líderes do governo na Câmara e pondera que pode usar a posição para reaproximar a frente do governo. “Talvez o manifesto não seja necessário”, disse.

Atualmente, os deputados da frente reclamam que não conseguem ser recebidos por ministros e não têm respostas às demandas que fazem. O deputado Sóstenes Cavalcanti (DEM-RJ), um dos cotados para liderar a bancada, por exemplo, diz que não consegue agenda com Velez. Embora o parlamentar tenha feito discurso, no plenário da Câmara, em defesa do ministro, segue sem ser recebido.

A bancada se reuniu nesta quarta-feira, 13, em Brasília para alinhar seus posicionamentos. Estavam presentes cerca de 30 parlamentares dos 108 da frente.

A partilha dos cargos do MEC é vista com naturalidade por grupos que já estão na pasta. Para militares, a exigência maior é de que os postos atualmente ocupados pelo grupo não sejam alterados. Está sob responsabilidade de militares a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, o Inep e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pela transferência de recursos a Estados e municípios para a compra de livros didáticos, merenda e transporte escolar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Fonte Exame

Comentário

É Destaque

Crianças entre 6 meses e 1 ano devem tomar vacina contra sarampo no DF

Publicado

dia

Nesta semana, a Secretaria de Saúde confirmou três casos de brasilienses infectados por sarampo

A vacina pode ser encontrada em todos os postos de saúde do Distrito Federal
(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil – 18/8/18 )

Crianças de 6 meses a 1 ano de idade começam a ser vacinadas contra o sarampo. No Distrito Federal, há 14 mil meninos e meninas nessa faixa etária. A expectativa da Secretaria de Saúde é de que a maioria receba a “dose zero” da tríplice viral. O nome da proteção se deve ao fato de ela só ser aplicada a partir de 1 ano, mas o governo antecipará como forma de proteção. Essa imunização, porém, não substitui nem é considerada válida no calendário nacional de vacinação. Significa que, quando ela atinge 1 ano, precisa tomar a primeira dose válida e, com 1 ano e três meses, deve receber a tetra viral. A proteção continua sendo contraindicada para crianças de menos de 6 meses, gestantes e imunodeprimidos.
A ação de antecipar a vacina em crianças tem relação com o surto da doença em diversas unidades federativas. Nesta semana, a Secretaria de Saúde confirmou três casos de brasilienses infectados por sarampo. Eles contraíram a doença em São Paulo. Outros cinco estão em investigação. Em todo o país, são 1.388 diagnósticos confirmados desde a primeira semana de 2019.
Enfermeira da área de imunização da Vigilância Epidemiológica, Rosa Maria Mossri destaca a importância de os pais imunizarem as crianças. “É importante a adesão para evitar o adoecimento dos seus filhos, bem como suas complicações e o surgimento de novos casos de sarampo no DF”, explica.
Atualmente, estão disponíveis 19 mil doses da tríplice viral no estoque da Secretaria de Saúde, fornecidas pelo Ministério da Saúde. Para garantir um bloqueio adequado, a meta é atingir 95% do público-alvo. Até o primeiro semestre do ano, a imunização atingiu 84,4% da população infantil.
Distribuição
Ainda não há uma campanha de vacinação específica na capital. No entanto, os surtos em São Paulo, que concentra 99,5% das confirmações, têm levado mais pessoas a procurarem os postos de saúde. A distribuição mensal da tríplice viral, segundo dados do setor, é de 12 mil doses. Com o alerta, o número subiu para 17 mil, somente na primeira quinzena de agosto.
A vacina contra o sarampo é encontrada em todos os postos de saúde. Pessoas entre 1 e 29 anos e que não foram vacinadas anteriormente, ou que não têm como comprovar a imunização, recebem duas doses da tríplice viral, com intervalo de 30 dias entre elas. Para quem tem entre 30 e 49 anos, é aplicada uma dose. Após essa idade, o Ministério da Saúde não disponibiliza as vacinas.
14 mil
Crianças de 6 meses a até 1 ano que devem ser vacinadas contra o sarampo
Ver mais

É Destaque

Sob pressão mundial, Bolsonaro convoca ministros para tratar da Amazônia

Publicado

dia

Mobilização do presidente acontece em meio ao aumento da pressão internacional por causa do aumento das queimadas na região amazônica

Bolsonaro: presidente vai reunir ministros para debater questão das queimadas na Amazônia (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

São Paulo — O presidente Jair Bolsonaro editou decreto na noite de quinta-feira determinando que todos os ministros façam levantamentos sobre os incêndios na Amazônia e adotem medidas para preservar a floresta, além de se reunir na tarde desta sexta com ministros para tratar do aumento nas queimadas, em meio ao aumento da pressão internacional sobre o assunto.

“Determino a todos os ministros de Estado que adotem, no âmbito de suas competências, medidas necessárias para o levantamento e o combate a focos de incêndio na região da Amazônia Legal para a preservação e a defesa da floresta amazônica, patrimônio nacional”, determinou o presidente em despacho assinado na noite da véspera

 Bolsonaro também se reunirá às 15h desta sexta em Brasília com os ministros Fernando Azevedo (Defesa), Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Jorge Antonio de Oliveira (Secretaria-Geral da Presidência), além do secretário-executivo da Casa Civil, José Vicente Santini.

A mobilização de Bolsonaro acontece em meio ao aumento da pressão internacional por causa do aumento das queimadas na Amazônia, especialmente após o presidente da França, Emmanuel Macron, classificar o caso de “emergência internacional” e pedir que o assunto seja discutido na reunião do G7, no fim de semana, na França.

Bolsonaro rebateu o presidente francês, afirmando que ele manifesta uma “mentalidade colonialista” ao defender que a questão amazônica seja discutida em um encontro sem a presença de países que abrigam a floresta, mas afirmou estar aberto ao diálogo, “com base no respeito mútuo”.

Além de Macron, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, também defendeu que o aumento das queimadas na Amazônia seja discutida na reunião do G7, grupo formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália e Reino Unido.

“Não poderia concordar mais com Emmanuel Macron. Fizemos muito para proteger o meio ambiente ano passo no G7 em Charlevoix e precisamos continuar neste fim de semana. Precisamos agir pela Amazônia e agir pelo nosso planeta –nossos filhos e netos contam conosco”, escreveu o líder canadense no Twitter.

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, também manifestou preocupação com a Amazônia na mesma rede social.

“Se a floresta tropical está em chamas por semanas, isso não pode nos deixar indiferentes… A Alemanha está pronta para fornecer ajuda e apoio para combater o incêndio”, escreveu.

Outras lideranças mundiais também se manifestaram, como o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, e o presidente do Chile, Sebastián Piñera, que disse ter conversado com Bolsonaro e com o presidente da Bolívia, Evo Morales, para oferecer no combate aos incêndios.

A situação levou o governo a lançar uma ofensiva diplomática para tentar mostrar ao mundo que defende a Amazônia e distribuiu uma circular de 12 páginas para todos os postos diplomáticos como subsídios para a defesa do governo.

Ameaça à soberania

A pressão internacional por causa do aumento das queimadas gerou reações de autoridades brasileiras. O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente e que será em breve indicado para a embaixada do Brasil nos Estados, disse ter um “recado” a Macron ao retuitar um vídeo em que o presidente francês é chamado de “idiota”.

 

O ex-comandante do Exército e assessor do Gabinete de Segurança Institucional, general Eduardo Villas Boas, disse que Macron usa o Exército francês para ameaçar o Brasil.

“Com uma clareza dificilmente vista, estamos assistindo a mais um país europeu, desta vez a França, por intermédio do seu presidente Macron, realizar ataques diretos à soberania brasileira, que inclui, objetivamente, ameaças de emprego do poder militar”, escreveu no Twitter.

“A questão ultrapassa os limites do aceitável na dinâmica das relações internacionais. É hora do Brasil e dos brasileiros se posicionarem firmemente diante dessas ameaças, pois é o nosso futuro, como nação, que está em jogo.”

 

Araújo também usou a rede social para rebater a pressão internacional sobre o Brasil na área ambiental.

“Por que o Brasil está sendo alvo de uma campanha internacional tão feroz e injusta no tema ambiental? Simples. Porque o governo do presidente Bolsonaro está reerguendo o Brasil. A ‘crise ambiental’ parece ser a última arma que resta no arsenal de mentiras da esquerda para abafar esse fato”, afirmou.

 

 

Ver mais

É Destaque

Maia sugere que fundo de R$ 2,5 bi da Petrobras seja usado na Amazônia

Publicado

dia

O presidente da Câmara dos Deputados afirmou que sua proposta “para o combate às queimadas é efetiva”

Maia e Bolsonaro: mais cedo, o presidente afirmou que o problema para a Amazônia é a falta de recursos (Agência Brasil/Agência Brasil)

São Paulo — O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, sugeriu que parte dos R$ 2,5 bilhões do fundo da Petrobras seja direcionado para conter as queimadas na Amazônia, que se proliferam há cerca de três semanas e têm chamado atenção de países estrangeiros.

O parlamentar publicou em seu perfil do Twitter, nesta sexta-feira (23), que sua proposta “para o combate às queimadas é efetiva”.

A iniciativa precisa ser peticionada no Supremo Tribunal Federal (STF), que detém a decisão de liberar as verbas ou não.

 

Segundo Maia, a proposta é dividir o valor da reparação da estatal por fraudes no Brasil com áreas da educação. Esse direcionamento já vem sendo desenhado desde maio pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Em meio a críticas contra o governo Jair Bolsonaro na área ambiental, o presidente da Câmara afirmou nesta quinta-feira (22), que pretende dialogar com parlamentos europeus sobre a Amazônia.

Reação de Bolsonaro

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro fez uma ironia e perguntou a jornalistas se é verdade que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) vai dar R$ 2 bilhões do fundo público de campanha para ajudar a combater os incêndios.

Bolsonaro disse que viu “uma notinha” sobre a suposta iniciativa de Maia na imprensa. O montante representa o aumento defendido por Maia e parlamentares no fundo partidário, que pode chegar a R$ 3,7 bilhões nas eleições municipais do ano que vem.

Bolsonaro reagiu ao ser indagado se a liberação de recursos estaria entre as iniciativas do governo para ajudar no combate às queimadas na região amazônica. “O problema é recurso”, respondeu.

No início de agosto, após ser criticado pela Alemanha, Bolsonaro afirmou que não precisava dos recursos estrangeiros no Fundo Amazônia.

Repercussão

Imagens da floresta amazônica em chamas rondam o Planeta através das redes sociais. A comoção social colocou o assunto entre os mais comentados no mundo, aumentando a pressão sobre o governo Bolsonaro.

Nesta manhã, o presidente francês Emmanuel Macron afirmou que Bolsonaro “mentiu” sobre seus compromissos com o meio ambiente e anunciou que, sob essas condições, a França se opõe ao controverso tratado de livre comércio UE-Mercosul.

“Dada a atitude do Brasil nas últimas semanas, o presidente da República só pode constatar que o presidente Bolsonaro mentiu para ele na cúpula (do G20) de Osaka”, declarou o palácio do Eliseu, estimando que “o presidente Bolsonaro decidiu não respeitar seus compromissos climáticos nem se comprometer com a biodiversidade”.

Já a Finlândia, que detém a Presidência rotativa da União Europeia, pediu que o bloco avalie a possibilidade de banir a carne bovina do Brasil devido à devastação causada pelas queimadas na Amazônia.

O primeiro-ministro da Irlanda também ameaçou votar contra o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não respeitar seus “compromissos ambientais”.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade