Nossa rede

Brasil

Mesmo com políticas públicas, casos de abuso sexual no transporte crescem 61% em 2017

Publicado

dia

É preciso que a mulher quebre o silêncio e denuncie sempre que for vítima de abuso sexual - seja no transporte público ou em qualquer outro lugar

É preciso que a mulher quebre o silêncio e denuncie sempre que for vítima de abuso sexual – seja no transporte público ou em qualquer outro lugar

Você não está enganado(a), muito menos é impressão sua ao ver o noticiário. Casos relacionados a abuso sexual nos trens, metrôs e ônibus da cidade de São Paulo realmente tiveram um aumento em 2017 em relação ao mesmo período do ano passado. Entre os meses de janeiro até o dia 25 de setembro deste ano foram registrados 388 casos ante 240 no mesmo período de 2016.

O número representa uma alta expressiva de 61%. Nos casos citados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-SP) estão importunação ofensiva ao pudor, ato obsceno, estupro, assédio sexual, violação sexual mediante fraude e corrupção de menores.

Em nota, a SSP-SP afirma que o Estado é “pioneiro no aprimoramento de políticas de segurança no combate à violência sexual e de gênero e adota medidas para o combate a esse tipo de crime”. A entidade afirma, também, que existem 133 Delegacias de Defesa da Mulher (DDM), sendo nove delas na capital paulista.

A promotora do Ministério Público, Fabíola Sucasas – que lançou, junto à jurista Tatiane Moreira Lima, a campanha “Juntos Podemos Parar o Abuso Sexual nos Transportes” -, afirma que é preciso “repensar e reavaliar, em termos de sociedade, qual valor se dá à dignidade da mulher”.

“Nós precisamos realmente repensar nossa legislação. Obviamente que agora, no ano de 2017, vivendo no Brasil, existe uma mulher muito diferente daquela que existia em 1940. A todo momento, quando falamos em violência de gênero, é como se a sociedade nos impusesse o padrão da ‘bela, recatada e do lar’”, diz. “E que se não seguir o padrão, ela merece ser violada, merece o assédio, o estupro, as cantadas de rua, o assédio sexual no espaço do trabalho. Ela é vista como alguém que pede para ser violada quando deve ou quando usa roupa curta, ou que não merece respeito porque se envolve com mais de um homem, ou eventualmente porque perdeu a virgindade merece ser espancada pelo próprio pai.”

Falta punição?

Um dos casos que gerou repercussão nacional no que trata da punição aos agressores foi com Cíntia Souza. Ela foi abusada sexualmente dentro de um ônibus em São Paulo. Um homem ejaculou em seu braço. A decisão da Justiça? Para ela, nula. O juiz José Eugenio do Amaral Souza Neto, do Tribunal de Justiça de São Paulo, do Foro Criminal da Barra Funda decidir por não indiciar e soltar o agressor Diego Ferreira de Novais, por não ter observado crime de estupro. Segundo o magistrado, não houve “constrangimento e tampouco violência” do acusado.

“O crime de estupro tem como núcleo típico constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso. Na espécie, entendo que não houve o constrangimento, tampouco violência ou grave ameaça, pois a vítima estava sentada em um banco do ônibus cheio, em cima de uma passageira, que ficou, logicamente, bastante nervosa e traumatizada”, escreveu o juiz.

A decisão causou revolta da sociedade como um todo e até críticas por parte de famosos. A vítima afirmou à Jovem Pan Online, na época, ter “se sentido um lixo”. Após este episódio, mais casos passaram a ser noticiados quase que diariamente pela imprensa, muitos deles sem resolução.

A promotora Fabíola Sucasas ressalta que não é apenas a falta de punição que gera mais casos, mas sim a ausência de uma resposta imediata. “Nós sabemos que quando a Justiça tarda, ela falha. É preciso repensar não só na pena que se dará ao agressor, porque a pena tem o caráter preventivo, mas também temos que repensar as respostas processuais. Quando falo de resposta processual foco em eventual prisão, eventual impedimento de se colocar a vítima e agressor em mesma mesa para se reconciliar (…) É claro que nós precisamos nos aparelhar para que essa resposta seja uma que não cause revolta à sociedade civil, porque a sociedade tem visto que precisamos repensar quais são essas medidas”.

Faltam políticas públicas?

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública esclarece que os policiais civis do Estado passam por aulas específicas para prestar um melhor atendimento às vítimas, além de cursos de atualização sobre o assunto através do Projeto Integrar – parceria entre o Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica (Gevid) com a Secretaria.

Enquanto isso, a Procuradoria Geral de Justiça realizou comissão para discutir e apresentar projeto de lei sobre molestamento sexual, e apresentou a proposta definindo tal ato. “Neste sentido é preciso destacar que essa proposta é de um crime subsidiário, ou seja, se for adequado a um crime mais grave, aí apreciamos como crime mais grave”, explica a promotora.

É preciso repensar condutas

Quando falamos em políticas públicas há o foco em ações para diminuir, prevenir e reprimir tais atos, mas, além de olharmos para o perfil do agressor, é preciso que observemos o perfil da sociedade, da vítima, além da medição do problema, onde ele mais ocorre, quais mulheres que mais utilizam tal transporte, os horários em que os crimes são mais recorrentes, quem são as pessoas mais vulneráveis, entre outros pontos.

“Quando se trata da questão ampla de gênero estamos ainda sob o que chamamos da ‘cultura do estupro’. E o assédio, desde sua menor potencialidade ofensiva até o abuso sexual em sua maior potencialidade ofensiva, está inserido nesta cultura. Esta cultura é justamente aquela que aponta comportamentos que silenciam ou normalizam a violência sexual contra a mulher, porque essa violência é muitas vezes normalizada, romantizada, alvo de piadas”, aponta Sucasas.

É preciso, portanto, olhar a nossa cultura, e repensar as condutas que caracterizam essa cultura do estupro. Ou será que estamos ensinando mulheres a se comportarem de determinada forma e deixando de olhar a conduta do agressor? O questionamento é feito a todo momento, não só pela sociedade, mas por especialistas.

Por que as vítimas não denunciam?

Medo, vergonha, “isso não está acontecendo comigo”, “denunciar não vai levar a lugar nenhum”, “e se o agressor estiver armado?”. Esses são apenas alguns dos pensamentos que passam pela cabeça de uma mulher abusada sexual ou fisicamente – seja em casa, no trabalho ou no transporte público.

Por sua vez, o autor da violência não parece se intimidar e acredita que nada irá acontecer com ele, já que as penas, pelo menos aparentemente, são brandas. Além disso, muitas vezes ele é visto como alguém que tem um problema mental, o que patologiza a violência.

“Mesmo reconhecendo que o homem é agressor, ainda assim se coloca em dúvida a sua responsabilidade (…) Não é só a dignidade sexual da mulher que se viola, se viola o direito dela de utilizar o espaço público. A todo momento se força que ela se torne aquela mulher de 1940, bela, recatada e do lar”, explica Fabíola Sucasas.

A delegada de polícia titular da 2ª Delegacia de Defesa da Mulher de São Paulo, Jacqueline Valadares, esclarece, entretanto, que as delegacias não possuem atendimento psicológico, e possuem como finalidade a investigação criminal. “O que a vítima tem que esperar da delegacia é investigação criminal. O que fazemos de fornecer subsídios para as vítimas é dar encaminhamentos para outros órgãos que podem dar assessoria psicológica”, aponta.

Mulheres, não fiquem em silêncio

Em torno de 52% das mulheres que são vítimas de assédio dentro do transporte público ficam em silêncio, segundo a promotora. Mas não é apenas o medo que inibe uma mulher de denunciar, existe uma série de situações que paralisam a vítima. Entre as já citadas, há ainda o medo de represália por parte de um “reencontro” com o agressor no transporte público.

“A mulher precisa denunciar. O silêncio é um aliado do agressor. O silêncio é irmão da impunidade e caminha junto com a impossibilidade de transformação das pessoas e da própria sociedade. Se o silêncio for mantido, nós não conseguimos agir e nem reagir. É preciso que ela quebre esse silêncio, fazer denúncia para a polícia, se estiver dentro do transporte público, chamar a atenção que aquele fato está acontecendo, para que o agressor pare o que está fazendo, para que as pessoas no entorno possam ajudá-la”, recomenda Sucasas.

Jacqueline Valadares explica que as mulheres vítimas de abusos sexuais podem procurar as DDMs ou até mesmo delegacias “de bairro”, que possuem atribuições para investigar esse tipo de crime. “Vai ser feito boletim de ocorrência, oportunidade na qual ela vai receber as devidas orientações sobre procedimento naquele crime que ela está registrando. Alguns casos a vítima tem prazo de seis meses pra processar. Em outras hipóteses o inquérito é instaurado automaticamente e independentemente da vontade da vítima”, diz.

Caso seja necessário, a vítima é encaminhada para exames e tratamento no Hospital Pérola Byington, na região central da cidade. Em casos de denúncia pelo 180, a vítima será intimada e precisará comparecer à delegacia para corroborar o que foi denunciado.

Legítima defesa ou vingança?

Note: existe uma grande diferença entre o que se encaixa como uma legítima defesa da mulher e o que é caracterizado como uma vingança. Se a mulher comete uma agressão para repelir a agressão de quem a viola, está dentro da legítima defesa, desde que a agressão seja proporcional.

Entretanto, a recomendação é que a revolta não se transfigure em uma prática ilícita. “Se for para reagir, que se reaja em legítima defesa. Nós sabemos que a legítima defesa tem alguns requisitos, e quando a repulsa é realizada muito tempo depois deixa de ser repulsa e se torna vingança. Então é preciso cuidar para que não façamos justiça pelas próprias mãos”, destaca a promotora.

“A insegurança fica”

Jovem Pan Online teve uma conversa exclusiva com Cíntia, que foi abusada sexualmente dentro do ônibus que fazia a rota Metrô Ana Rosa – Morro Grande. O caso ocorreu no dia 29 de agosto e teve repercussão nacional, o que pode ter ajudado muitas mulheres que são assediadas diariamente a denunciarem mais casos.

Comentário

Brasil

Em média 180 Crianças Venezuelanas cruzam a fronteira do Brasil diariamente

Publicado

dia

Migração em massa. Crianças venezuelanas comem cachorro-quente entregue em ação social em Boa Vista: elas representam 15% dos imigrantes que chegam ao país. Capital de Roraima alerta para falta de vagas em escolas – Jorge William / Agência O Globo

BOA VISTA, PACARAIMA (RR) E SÃO PAULO — Junto com os venezuelanos que atravessam a fronteira em busca de refúgio no Brasil, chegam, por dia, 180 crianças com idade entre zero e 14 anos. Segundo a Polícia Federal, 15 % dos refugiados estão nessa faixa etária. Somam-se a elas os bebês filhos dos imigrantes que nascem em território brasileiro. Dados obtidos pelo GLOBO junto à Secretaria estadual de Saúde de Roraima mostram que, a cada quatro horas, nasce um bebê filho de pais venezuelanos em Boa Vista.

Somente em janeiro, foram realizados 183 partos, seis vezes mais que os 30 registrados há dois anos, em janeiro de 2016, quando o fluxo migratório rumo a Boa Vista não era tão intenso. A reportagem teve acesso, anteontem, à única maternidade pública da capital, a Nossa Senhora de Nazaré. Encontrou, em apenas um corredor, oito mães venezuelanas que poucas horas antes haviam dado à luz.

Em um dos quartos, o pequeno Luiz Samuel, com um dia de vida, ainda se esforçava para abrir os olhos. A mãe, Ana Maria, de 20 anos, saiu há uma ano da cidade Santa Elena, no país vizinho. Assim como as demais venezuelanas atendidas na maternidade, ela pretende, quando receber alta, procurar um cartório para dar nacionalidade brasileira ao filho.

— Não pretendo voltar com meu filho para a Venezuela. Lá falta comida, e não se consegue medicamento para as crianças — diz a jovem.

No quarto ao lado, Luizana Medina, de 24 anos, faz carinho na cabeça de Santiago, que nasceu com síndrome de Down. O diagnóstico do filho aumentou a preocupação da mãe sobre o futuro. Luizana não sabe como vai custear a educação e a saúde do menino.

A mãe deixou Puerto La Cruz, distante 1,2 mil quilômetros de Boa Vista, há um ano. Atravessou a fronteira com o marido, que logo conseguiu emprego como entregador de água mineral. Com o dinheiro que ele ganha, o casal conseguiu alugar uma casa simples no bairro Cambará, região central de Boa Vista.

— Estamos bem aqui no Brasil. Apesar de todas as dificuldades, não está pior que a Venezuela — afirma Luizana.

Para atender à demanda por partos de venezuelanas, a maternidade pública desocupou um prédio anexo há quatro meses. Porém, a necessidade de leitos permanece crescendo, e a direção do hospital teme a superlotação.

RUA É O DESTINO DA MAIORIA

Ao sair da maternidade, parte dos filhos de venezuelanos que nascem no Brasil passa a viver em alojamentos insalubres ou nas ruas de Roraima. O mesmo destino é reservado a algumas crianças que cruzam a fronteira. O crescente fluxo de menores rumo a Boa Vista revela outro problema: a rede pública de ensino não tem capacidade para receber todos eles.

O ano letivo de 2018 começou com 1,2 mil venezuelanos matriculados em escolas municipais, segundo levantamento da prefeitura de Boa Vista. No ano passado, o município atendia a 564 alunos imigrantes. Em 2016, eram apenas 53 crianças da Venezuela.

Ana Maria e o filho Luiz Samuel em seu primeiro dia de vida na maternidade Nossa Senhora de Nazaré – Jorge William / Agência O Globo

Os governantes reconhecem que a rede de ensino suporta menos de 10% das crianças que chegaram ao país. Apenas na Praça Simón Bolivar, onde está instalado um acampamento provisório, sem banheiro e água potável, cem menores vivem o drama do afastamento da escola. Além das vagas nas unidades de ensino, as mães venezuelanas cobram demandas mais urgentes. As crianças dormem sobre pedaços de papelão e lonas, sujeitos às intempéries do clima e ao barulho estridente do trânsito de caminhões pesados. A alimentação é escassa: resume-se, basicamente, a pedaços de pão e sopa doados por ONGs.

Na lateral da praça, uma árvore serve de abrigo, há duas semanas, para o pequeno Jhomdairon Herrera, de dois meses. O espaço reservado pela mãe para ser a “cama” do filho fica a menos cinco metros do fluxo pesado de carros. A árvore, explica ela, ajuda a protegê-lo do sereno. Jani Herrera revela que Jhomdairon nasceu com deficiência visual e precisa, com urgência, de atendimento médico.

— Me sinto muito mal por ver meu pequeno nesta situação. Ele chora muito porque não consegue ver a luz, e talvez uma cirurgia possa resolver isso — lamenta a mãe, que morava no estado venezuelano de Bolívar.

ABRIGO INSALUBRE E SUPERLOTADO

Nos superlotados abrigos para refugiados, a situação não é muito diferente. Eram 23h quando a reportagem chegou ao acampamento do ginásio Tancredo Neves, no Centro de Boa Vista. Encontrou o pequeno André, de 6 anos, e outras 15 crianças correndo descalços em volta de uma lareira acesa para espantar os mosquitos. Dos 600 refugiados que vivem no local, 80 são crianças. Quinze delas foram atendidas no hospital, na última semana, apresentando sintomas como desidratação, febre e diarreia. Quatro grávidas também foram hospitalizadas com infecção vaginal.

No local, falta água potável. O calor dentro dos barracos é insuportável, e o odor de fezes (os banheiros estavam entupidos e inutilizáveis há uma semana), comida estragada e lixo deixa o ambiente ainda mais insalubre. Apenas um terço dos refugiados dorme em área coberta. O restante vive debaixo de barracos de lona improvisados no pátio do ginásio. Em apenas um deles, 22 pessoas se amontoam sob oito metros quadrados de lona, todas da mesma família. Seis são crianças.

— Estamos nesta situação há 25 dias. Sem banho, sem água e com fome — reclama Luiz Garcio, de 41 anos.

O venezuelano deixou Puerto La Cruz com a família em busca de trabalho no Brasil. Foram três dias viagem debaixo de muito sol, pegando carona em caminhões e andando com as crianças pelas margens das rodovias.

O ambiente insalubre dos alojamentos também ajudou a aumentar o fluxo de crianças nos hospitais. Segundo a prefeitura, somente o Hospital da Criança Santo Antônio realizou, no ano passado, 2.969 atendimentos a crianças venezuelanas.

O capitão dos bombeiros César Medrano deixou o país de Nicolás Maduro há quatro meses. Mudou-se para o Brasil com a missão de ajudar a Defesa Civil de Boa Vista no atendimento aos refugiados. Segundo ela, os principais problemas para as crianças imigrantes são a água suja e os mosquitos.

— Os alojamentos têm gente acima da capacidade, e as maiores vítimas são as crianças. Quando se fala em vir para o Tancredo, muitas mães têm horror — alega o bombeiro. — Temos quatro acampamentos que abrigam hoje 1,2 mil pessoas. Esse é o mesmo número de venezuelanos que atravessa todos os dias as fronteiras. Ou seja, só temos capacidade para atender um dia de migração.

Por meio de nota, a prefeitura de Boa Vista afirmou que a imigração “sem controle” tem impactado a rotina da cidade e causado sérios problemas sociais e humanitários. “O município tem se esforçado para auxiliar as famílias venezuelanas que procuram ajuda em Boa Vista, com ações em diversas áreas, como Educação, Saúde e o social”, diz um trecho da nota.

Ver mais

Brasil

Márcio França começa a montar governo pós-Alckmin

Publicado

dia

Com a candidatura do governador de São Paulo para presidência, seu atual vice comandará as 25 secretarias estaduais até dezembro

São Paulo – A um mês e meio de assumir o cargo de governador de São Paulo, Márcio França (PSB), atual vice de Geraldo Alckmin (PSDB), já começa a montar a equipe interina que comandará as 25

Com a provável desincompatibilização do tucano no dia 7 de abril para a disputa presidencial, França planeja abrir as portas do Bandeirantes a partidos hoje distantes do Palácio, como PR e PROS – que já anunciaram apoio à sua reeleição -, e até a legendas que carregam bandeiras de esquerda, a exemplo do PDT e do PCdoB.

A chegada dos novos aliados deve movimentar a composição da máquina estadual. O governo tucano é sustentado por seis partidos, além do PSDB e do PSB – França acumula o cargo de vice e secretário estadual de Desenvolvimento Ecoômico, Ciência, Tecnologia e Inovação.

O PR, por exemplo, deve ser convidado a comandar a pasta de Logística e Transportes, hoje sob a gestão de Laurence Casagrande, aliado de Saulo de Castro, atual secretário de Governo e um dos homens de confiança de Alckmin.

Logística e Transportes foi pleiteada pelo PR ano passado, mas Saulo, que comandou a pasta entre 2011 e 2014, venceu a queda de braço partidária e indicou Laurence para o cargo.

A secretaria, por meio da Dersa, é a responsável por algumas das principais obras do Estado, como a construção do Rodoanel e a nova Tamoios. Além de recursos, ainda tem força política por operar obras rodoviárias em todo o Estado.

Na pasta do Emprego e Relações do Trabalho, já sob influência do Solidariedade, o que deve mudar não é o secretário – José Luiz Ribeiro -, mas o orçamento.

A pedido do presidente nacional da sigla, deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, França estuda aumentar a fatia de recursos destinada a custear cursos profissionalizantes no Estado.

“O Márcio é outro nível na área social e essa pasta (Trabalho) foi bem desmontada nos últimos anos. No governo Márcio pode ser melhorada pela questão social, porque isso é destaque na atuação dele”, disse Paulinho. O Solidariedade ainda pode levar a pasta de Turismo.

Presidente estadual do PROS, terceiro partido a declarar apoio oficial a França, o vereador paulistano Ricardo Teixeira afirma que a posição de seu partido não prevê participação no governo como contrapartida.

“Nosso namoro com o PSB vem desde o ano passado e é explicado pela nossa estratégia eleitoral. Precisamos crescer no Estado e para isso temos de nos aliar a um partido médio, um pouco só maior que o nosso, como o PSB. Se escolhêssemos um partido grande iríamos sumir, especialmente por causa da reforma política (e a aprovação da cláusula de barreira)”, diz. “Mas é claro que podemos conversar a respeito.

“França diz que as negociações para formação de governo ainda não começaram. “Nenhum apoio que fechamos teve essa exigência, mas é natural que os partidos queiram participar da gestão.”Aliado a bandeiras de esquerda, o PCdoB tem conversado com o vice-governador de olho das eleições de outubro.

Presidente da sigla em São Paulo, o deputado federal Orlando Silva tem comandado essa aproximação. Outros partidos que namoram o atual vice são o PV e o PPS, que já participam do governo. O PSC também abriu um canal com o atual vice de olho nas eleições.

Continuidade

Para não passar a imagem de ruptura, o plano é dar à gestão França uma marca de continuidade. O futuro governador pretende substituir o secretariado aos poucos, começando pelos nomes que sairão de forma voluntária, seja para compor a equipe de campanha de Alckmin seja para disputar um cargo eletivo em outubro.

Rodrigo Garcia (DEM), enquadrado nesse segundo grupo, foi o primeiro da fila: exonerado a pedido, o então secretário estadual de Habitação já reassumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados na semana passada. O parlamentar também tem se colocado como pré-candidato ao governo estadual.

Outros que necessariamente vão sair do governo em abril são os secretários da Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim (PPS); de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro (PSDB) – também pré-candidato -; e o responsável pela Casa Civil, Samuel Moreira (PSDB). Todos são deputados federais.

Alckmin teria pedido a França para manter alguns quadros técnicos, como Mágino Alves, secretário da Segurança Pública, Lourival Gomes, da Administração Penitenciária; e Benedito Braga, de Saneamento. As áreas são consideradas essenciais para o governador, que, durante a eleição, não pode correr o risco de ver seus programas desfeitos ou suas estatísticas, desmentidas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Ver mais

Brasil

SP: protestos contra Previdência fecham estradas e paralisam terminais de ônibus

Publicado

dia

Professores da rede municipal da capital paulista também aderiram à paralisação e algumas escolas estão sem aula nesta segunda. JORGE FERREIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

 

As principais centrais sindicais do País convocaram para esta segunda-feira, 19, um dia de paralisações em todo o País para protestar contra a reforma da Previdência. Em São Paulo, durante a manhã, manifestantes da CUT e CTB fecharam trechos das rodovias Regis Bittencourt, no Km 274, e Dutra, no Km 214. Às 8h, a Polícia Militar liberou a pista.Professores da rede municipal da capital paulista também aderiram à paralisação e algumas escolas estão sem aula nesta segunda. Um protesto dos trabalhadores suspendeu a coleta de lixo em Sorocaba, no interior do Estado. A previsão é de que o serviço seja normalizado ainda pela manhã.

Os motoristas e cobradores de ônibus das cidades de Santo André, São Bernardo do Campo e Guarulhos também protestaram contra a reforma da Previdência no início da manhã.

Em Santo André, o sindicato da categoria não deixou os ônibus municipais e intermunicipais saírem do Terminal Oeste. Às 7h30 acabou a paralisação e houve a liberação dos coletivos. Longas filas de ônibus se formaram nos terminais.

Em São Bernardo do Campo, os trólebus ficaram parados no terminal intermunicipal e os ônibus movidos à diesel fizeram trajetos alternativos. Em Guarulhos, 85 linhas intermunicipais não saíram da garagem. Ônibus voltaram a circular a partir das 7h30.

“Enterrar a reforma”

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, as centrais definiram uma estratégia de intensificar as ações nas ruas e nas redes sociais. “Nossa luta é para enterrar de vez a reforma da Previdência”, afirmou.

Logo no início da manhã, manifestantes da CTB, Intersindical e CPSConlutas ocuparam o saguão principal do aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital. Durante o protesto, o presidente da CTB, Adilson Araújo, condenou o governo, que, segundo a central, quer aprovar a toque de caixa uma Previdência “regressiva”, que penalizará o trabalhador mais pobre. “Essa paralisação tem o intuito de levar ao conhecimento da população o intento dessa agenda ultralibertal do governo”, afirmou.

Ver mais
Publicidade

Assine a nossa newsletter

Escolha o assunto

Publicidade