Nossa rede

Espaço Mulher

Tudo sobre depressão pós-parto: o que é, sintomas e tratamento

Publicado

dia

Perceber a doença não é fácil, mas quanto antes isso acontece, melhor para se curar e aproveitar a nova etapa de vida.

Mãe e bebê no colo (Reprodução/Getty Images)

O bebê chegou e com ele vem a maior alegria da vida, não é? Nem sempre! O problema é que muita mãe se cobra demais, acha que a tristeza e o misto de sentimentos estão relacionados apenas com o esgotamento provocado pela nova fase de vida e demora a perceber que pode estar com depressão pós-parto.

É estimado que cerca de 25% mães brasileiras apresentem sinais de depressão entre 6 e 18 meses após o parto, conforme constatou o estudo da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz.

Os sintomas da doença se aproximam bastante ao de um quadro de depressão comum, com tristeza e fadigas intensas e persistentes, humor instável, perda de interesse, distúrbios de sono e no apetite.

Mas será que não é só baby blues?

É preciso cuidado para distinguir! O baby blues tem os mesmos sintomas, mas é passageiro (é só uma questão de tempo para o corpo encontrar o equilíbrio dos hormônios) e não precisa de tratamento. Uma boa rede de apoio nessa fase ajuda a resolver a questão.

Conforme explica a ginecologista Beatrice Nóbrega, “baby blues ou blues puerperal é a alteração psiquiátrica mais comum após o parto, atingindo até 80% das mães”. Seus sintomas costumam aparecer nas duas primeiras semanas após o parto e são provocados pelo reequilíbrio hormonal, desaparecendo após o fim deste período.

Caso os sintomas persistam por mais tempo, fica o alerta de depressão pós-parto.

O que pode levar à depressão pós-parto

“Todas as doenças psiquiátricas precisam de uma combinação entre a predisposição genética e o ambiente onde se encontra o indivíduo. Na depressão pós-parto, isso não é diferente”, explica Antônio Geraldo da Silva, presidente da Associação Psiquiátrica da América Latina – APAL, diretor e superintendente técnico da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Durante a gravidez e o puerpério, o corpo sofre uma série de alterações hormonais. Logo após o parto, por exemplo, há uma queda drástica do nível dos hormônios progesterona e estrogênio, algo que pode levar a problemas como insônia, irritabilidade e outros sinais característicos de depressão. A redução desses hormônios também é responsável por diminuir a ação da serotonina, neurotransmissor que regula o humor.

Além das mudanças no corpo, a maternidade causa alterações emocionais profundas, que podem dar início a crises de ansiedade e esgotamento. É comum que após o nascimento do bebê, a mãe passe por privação de sono, estresse ao lidar com as novas responsabilidades e se sinta pressionada, seja por ela mesma ou por outras pessoas, a desempenhar esse novo papel perfeitamente, sem cometer erros e precisar descansar.

“Quando a mulher tem um bebê, muda tudo, corpo, hormônios, prioridades e a vida em si. Mas a sociedade cobra uma felicidade absoluta, como se ela tivesse que estar feliz o tempo todo. Nem sempre as pessoas entendem que a mãe pode ter saudades de quando ela não tinha o bebê e conseguia dormir. E isso fica tão demarcado que a própria mulher, mesmo fazendo tudo que ela já faz para o filho, continua se cobrando mais, a ponto de se questionar se está sendo uma boa mãe”, conta Alberto Guimarães, ginecologista, obstetra e percursor do projeto Parto Sem Medo.

Fatores de risco

Todo mundo está sujeito a desenvolver depressão, mas existem vários fatores que tornam uma pessoa mais predisposta do que outra a desenvolver o transtorno. No caso da depressão pós-parto, situações como problemas psiquiátricos prévios, falta de apoio, dificuldades financeiras, gravidez não planejada e cesariana de emergência elevam as chances.

É importante lembrar que a atenção deve ser redobrada caso a mulher já tenha passado por uma depressão pós-parto anteriormente, pois as chances de repetição nas gestações seguintes são altas.

Como ajudar?

Em primeiro lugar, é preciso identificar com antecedência a presença de fatores de risco e oferecer o tratamento adequado. Além disso, há enorme importância em oferecer apoio à gestante, antes e depois do parto, com ou sem a existência de predisposição.

“Apoio nesse momento é fundamental! Dar suporte, ajudar a mãe com o recém-nascido ou com as tarefas domésticas, e deixá-la descansar auxilia na prevenção!”, constata a dra. Beatrice.

Diagnóstico e tratamento

Dificilmente a mamãe perceberá primeiro que está com depressão pós-parto. O mais comum é que os sinais sejam identificados por familiares ou por quem convive com ela. “Quem está em uma situação de depressão pós-parto pode não se dar conta e, muitas vezes, a mulher sofre calada sem pedir ajuda. Por isso, o entorno tem que estar atento“, esclarece o ginecologista do Parto Sem Medo, Alberto Guimarães.

Então, se houver uma suspeita, é preciso buscar ajuda de um psiquiatra, para que ele avalie o caso conversando com a mulher e, se houver necessidade, com seus familiares.

Um método bastante utilizado internacionalmente para rastrear os sintomas e sua intensidade é a Escala de Depressão Pós-parto de Edimburgo. “Esse é um questionário simples que visa identificar sentimentos de culpa, distúrbios do sono, baixa energia, perda do interesse nas atividades prazerosas e a ideação suicida”, explica o presidente da Associação Psiquiátrica da América Latina.

Já o tratamento consiste em sessões de psicoterapia e, em casos mais graves, uso de medicamentos prescritos pelo médico especialista. Os remédios receitados não devem apresentar riscos para a mãe ou bebê, principalmente se ela estiver amamentando. A duração do período de tratamento é variável, dependendo do quadro de cada paciente.

O importante é saber que dá para tratar e curtir essa nova fase de vida!

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Espaço Mulher

3 tutoriais de nail arts fáceis para ousar no design das unhas

Publicado

dia

Por

Reprodução/Instagram
Leia mais em: https://claudia.abril.com.br/beleza/tutoriais-nail-arts-instagram/

Nem só de coreografia e receita, os reels e vídeos do Instagram são abastecidos. Os conteúdos de beleza também são bem explorados na rede social, principalmente os tutoriais, que ensinam as etapas por trás dos resultados inacreditáveis. Com as nail arts, isso não é diferente. Aquela unha decorada, que no primeiro momento parece impossível de ser feita, torna-se palpável com o passo a passo no vídeo.

Se você tem esmalte, fita adesiva, palito e vontade de arriscar algo diferente, te convidamos para assistir a esses seis tutoriais de nail art publicados no Instagram e tentar fazer arte nas suas próprias unhas. Se joga!


&

 

 

 


 

Ver mais

Espaço Mulher

Cílios híbrido: tudo que você precisa saber sobre essa técnica

Publicado

dia

Por

 

A extensão dos cílios não causa queda dos fios naturais, desde que seja feita de forma correta
Monet / stock.adobe.com

ISTOCK

Está perdida ou com dúvidas sobre o mundo dos alongamentos? Hoje, você vai conhecer os cílios de volume híbrido, uma técnica inovadora. Separamos dicas, informações e relatos sobre o assunto, para você ficar por dentro e tirar todas as suas dúvidas. Acompanhe:

O que é o alongamento de cílios de volume híbrido?

GRACIELLE SANTOS LASH DESIGN

De acordo com Bruna Coelho, especialista em alongamento de cílios e design de sobrancelhas, o alongamento de cílios híbrido é a fusão do clássico fio a fio com o volume russo. Assim, é possível aproveitar a sutileza do fio a fio e o glamour do russo.

Qual a diferença entre o alongamento de cílios de volume híbrido e o alongamento fio a fio?

No alongamento de cílios fio a fio, a profissional inclui cerca de 80 a 100 fios em cada olho. Já no volume russo, a quantidade é de 500 a 700 fios. Portanto, o volume de cílios híbrido fica entre essas duas quantidades de fios – entre 200 e 400.

Cuidados e dúvidas sobre o alongamento de cílios de volume híbrido
A seguir, trouxemos dúvidas respondidas por Bruna Coelho sobre a técnica, para ajudar você que deseja fazer o alongamento. Confira os cuidados necessários e as contraindicações relacionadas aos cílios de volume híbrido:

Como tirar cílios híbrido? Com o uso de um removedor e um cotonete. A profissional aplica o produto nos fios da cliente, que deve manter os olhos fechados, e aguarda de 10 a 15 minutos. Em seguida, ela dá início à remoção de cada fio.
Após a aplicação, há riscos de queda dos fios? Os fios que caem são aqueles que já iriam cair mesmo, para que outros possam nascer.
Quanto tempo após a aplicação se deve fazer a manutenção? Entre 15 a 20 dias. Se a cliente perceber que o volume está reduzindo, ela pode procurar a profissional para realizar a manutenção.
Alongamento de cílios híbrido dói? Não, o procedimento é completamente indolor.
Como higienizar a região dos olhos após o alongamento? É superimportante usar apenas removedores de maquiagem à base de água nessa região. Shampoo neutro e sabonetes faciais também podem ser utilizados.
Contraindicações: não é recomendado para mulheres grávidas, pessoas com câncer (devido à queda dos fios) e pessoas com alergia a esmalte, pois, normalmente, também são alérgicas à cola utilizada.
Viu só? Basta se atentar a esses detalhes para que seus cílios permaneçam firmes e fortes por bastante tempo. Além disso, não se esqueça de procurar um bom profissional para realizar a aplicação: faz toda a diferença e você ficará muito feliz com o resultado.

Vídeos e relatos sobre o alongamento de cílios de volume híbrido
Agora que você já está por dentro de tudo sobre a técnica, confira relatos de experiência com esse tipo de alongamento. Os vídeos abaixo estão recheados de dicas e detalhes sobre os cílios volumosos que a gente ama! Acompanhe:

Aplicação de cílios híbrido

 

Tereza Dayla vai te levar para ver tudo sobre o alongamento de cílios de volume híbrido que ela fez. Ela também menciona o material do fio utilizado, o tempo de duração da aplicação e fala brevemente sobre a diferença entre essa técnica e outros tipos de alongamento

Relato completo sobre alongamento híbrido

Kamila Haiducki fala abertamente sobre todos os processos de sua experiência: como foi a aplicação, como é a manutenção e muito mais. Ela também dá várias dicas sobre cuidados necessários e valores. Confira!

Tudo que você precisa saber sobre os cílios híbrido

 

 

Confira a experiência da Barbara Ribeiro com o alongamento de cílios de volume híbrido. O vídeo traz uma conversa completa, explica os 3 modelos de alongamento e tudo que você precisa saber sobre a aplicação.

Pronta para marcar sua sessão de alongamento de cílios? Certamente, você ficará ainda mais maravilhosa com eles. E se ainda não for o que você está procurando, não se preocupe: temos outras superdicas sobre cílios longos que você vai adorar!

 

Ver mais

Espaço Mulher

Sobrancelha esfumada: tire todas as suas dúvidas sobre a técnica

Publicado

dia

Por

 

PINTEREST

A micropigmentação esfumada também é conhecida como shadow e é, basicamente, esse o resultado da técnica: uma sombra realista. A sobrancelha fica com um aspecto sombreado bastante natural. As sobrancelhas esfumadas ficam bem preenchidas e disfarçam falhas, mas o aspecto não fica artificial.

Como é feita a sobrancelha esfumada?

Primeiro, é realizada uma análise e medição do rosto da pessoa, para fazer o desenho mais harmônico possível. Depois, é feita a pigmentação, seguindo o formato natural da sobrancelha e utilizando tonalidades mais próximas. Em muitos casos, até três cores são combinadas para atingir maior naturalidade. Diferente do fio a fio, que faz traços como se fossem os fios da sobrancelha, na shadow, o movimento com as agulhas é de toques leves.

Dúvidas sobre a sobrancelha esfumada

A especialista Paola Wagner respondeu as cinco questões mais comuns quando se trata de micropigmentação. Acompanhe:

    • Quanto tempo dura a micropigmentação esfumada? Conforme Paola, hoje em dia, as micropigmentações de sobrancelhas têm durabilidade de 1 ano a 1 ano e 6 meses, pois os pigmentos utilizados têm tecnologia avançada.
    • Para quem é indicada? Paola explica que a técnica shadow, mais conhecida como esfumada, é indicada para qualquer pessoa, desde que a mesma goste de sobrancelhas mais marcantes.
    • Qualquer pessoa pode fazer? Existem algumas restrições referentes ao procedimento de micropigmentação de sobrancelhas. “Pessoas diabéticas podem realizar, desde que estejam com a diabetes controlada e tenham autorização médica. Grávidas não podem realizar o procedimento e, lactantes, somente depois do sexto mês”, explica a especialista.
    • Em quanto tempo cicatriza? A cicatrização completa leva em média de 30 a 45 dias em peles jovens; já em peles maduras, pode durar até 60 dias.
    • Precisa de retoque? Sim. Cerca de 45 dias após o procedimento é necessário fazer uma nova avaliação e retoque, analisando se algum ponto ficou com falhas ou se é necessário utilizar uma cor um pouco mais intensa.

Ao fazer a micropigmentação, é importante que você tire todas as suas dúvidas com a(o) profissional que realizará o procedimento. Assim, você fica tranquila e sabe direitinho como será cada etapa!

Cuidados importantes

Depois de realizar o procedimento, é necessário esperar 24 horas para molhar o local. É preciso manter a pele sempre hidratada e não realizar tratamentos com ácidos e peeling, para que não interfiram no resultado. Além disso, também é importante deixar que as casquinhas da cicatrização caiam naturalmente, sem arrancá-las.

Fotos de micropigmentação esfumada

Ainda não tem uma opinião formada sobre a micropigmentação esfumada? Deixe que essas imagens comprovem a sua beleza!

 A sobrancelha esfumada é uma ótima opção para quem tem falhas

ANA LUIZA MARIN

 E procura um resultado bem natural

GIIRH_PORTO

 A técnica também é conhecida como micropigmentação esfumada

LUANA MAFFEI

 E, ainda, micropigmentação shadow

CAROLINE SEGATTO

 O procedimento ajuda a valorizar o olhar

RAFAELA MIRANDA

 E fica realista, ao seguir o mesmo tom dos fios existentes

WANESSA ALMEIDA

Ela também pode ser combinada com a técnica fio a fio

SILVANA LINO

 Lembre-se de que optar por um profissional capacitado é essencial

BRUNA ROBERTA

 Assim, o resultado atingirá suas expectativas

GABI KIRCH

 E você ficará linda com suas sobrancelhas esfumadas!

VALENTINA KONRATH

Gostou das dicas? A mão para ligar para a esteticista chega a coçar, não é mesmo?

Vídeo e relatos sobre a micropigmentação esfumada

A técnica esfumada traz resultados incríveis e valoriza o olhar. E, para saber mais, nada melhor que conferir as experiências de pessoas que tiveram suas sobrancelhas transformadas com o procedimento. Confira:

Cicatrização da micropigmentação e do retoque

Depois de fazer a micropigmentação, muita gente já ama o resultado e acha que nem precisa fazer retoque. No entanto, esse cuidado a mais faz diferença, sim. Acompanhe as etapas e a cicatrização do procedimento no vídeo acima!

Principais dúvidas sobre micropigmentação 3D esfumado

Como é feita a micropigmentação de sobrancelhas? Como fica depois? É dolorido? Essas e outras perguntas comuns sobre o assunto são respondidas no vídeo da Karen Vanessa, que apostou na técnica 3D esfumada.

Micropigmentação passo a passo

Antes de fazer qualquer procedimento de beleza, você gosta de saber direitinho quais são todas as etapas? Então, não pode perder a explicação acima, que vai do desenho da sobrancelha no rosto até todos os cuidados que devem ser tomados posteriormente.

Cuidados para a micropigmentação durar mais tempo

Os cuidados com a cicatrização de uma sobrancelha são essenciais para atingir o melhor resultado possível. Confira as dicas passadas pela esteticista Thassia Piezzaroli, que traz as principais informações sobre esse tópico.

Para escolher a melhor técnica para a sua sobrancelha, é importante conhecer um pouco mais sobre todos os tipos que existem por aí – e contar com a opinião de quem entende do assunto, claro. Por isso, não deixe de conferir mais informações sobre a sobrancelha fio a fio!

Ver mais

Espaço Mulher

Unhas para formatura: inspirações para celebrar em grande estilo

Publicado

dia

Por

Pinterest

Chegar ao fim dos estudos, seja na escola ou na faculdade, é um momento muito desejado e que merece ser celebrado com atenção a cada detalhe – da festa ao look. É por isso que as buscas por unhas para formatura são tão frequentes. É justamente por ideias assim que você está procurando? Então, inspire-se com as fotos abaixo!

Tanto para quem gosta da simplicidade

 Quanto para quem quer unhas decoradas para formatura

 

Um momento de celebração combina com brilho

E muita pedraria

Há quem prefira algo mais chamativo

 

Que tal unhas azuis para formatura?

 

Ver mais

Espaço Mulher

‘Mulheres maravilhas da história’: personalidades integram livro da DC

Publicado

dia

Beyoncé, Janelle Monáe e Alexandria Ocasio-Cortez integram série de livros como super-heroínas da vida real

Beyoncé terá a história contada em livro como super-heroína da vida real – (foto: AFP / Gabriel BOUYS)

Uma nova série da DC Comics dará atenção às “super-heroínas da vida real”, como Beyoncé, Janelle Monáe e a política americana Alexandria Ocasio-Cortez. A coletânea de livros Mulheres Maravilhas da história apresenta personalidades mulheres e artistas não binárias que atuam como a Mulher Maravilha em várias situações. Ao todo, serão 17 histórias inspiradoras.

Também são homenageadas na história outras figuras relevantes como a senadora Elizabeth Warren, a ativista de direitos LGBTQ+ Edith Windsor, a ativista transgênero Marsha P. Johnson, a ativista de controle de armas Emma Gonzalez, a ativista pelos direitos dos deficientes físicos Judith Heumann, a comediante Tig Notaro e Dominique Dawes, a primeira ginasta afroamericana a ganhar uma medalha olímpica individual.

A escritora Laurie Halse Anderson foi a responsável pela edição dos perfis. “(Anderson) reuniu escritoras e artistas mulheres e não-binárias para revelar as mulheres tornando nosso mundo melhor a cada dia. Heroínas do mundo real nas áreas de política, negócios, ativismo, ciência e cultura pop estão tomando decisões difíceis todos os dias e nós as celebramos aqui”, informou um comunicado no site oficial da DC Comics.

A coletânea será lançada em 1º de dezembro.

Ver mais

Espaço Mulher

Sexo oral ligado à vaginose bacteriana da vagina

Publicado

dia

O sexo oral pode criar um ambiente para uma condição vaginal comum chamada vaginose bacteriana ou BV, de acordo com uma pesquisa na revista PLoS Biology.

Bactéria BV cobrindo células

BV não é uma infecção sexualmente transmissível. É um desequilíbrio das bactérias comuns encontradas na vagina.

As mulheres que a apresentam podem não apresentar sintomas, mas algumas apresentam secreção com cheiro forte.

Os pesquisadores exploraram o efeito que as bactérias bucais têm sobre os micróbios que vivem e crescem na vagina.

Sobre BV

A VB geralmente não é grave, mas deve ser tratada porque ter VB torna as mulheres mais vulneráveis ​​a contrair doenças sexualmente transmissíveis e infecções urinárias.

Se a mulher estiver grávida, aumenta o risco de parto prematuro.

Como você pode saber se tem?

É bastante comum e as mulheres que a apresentam podem notar uma secreção incomum com um forte cheiro de peixe.

Você pode notar uma mudança na cor e na consistência do seu corrimento, como tornar-se branco-acinzentado e fino e aguado.

O seu médico de família ou clínica de saúde sexual pode providenciar um teste de cotonete para ver se você tem VB.

Se o resultado for positivo, pode-se tratar com comprimidos, géis ou cremes antibióticos.

O que a nova pesquisa encontrou?

Mulheres sem VB tendem a ter muitas bactérias “boas” chamadas lactobacilos que mantêm a vagina mais ácida, com um pH mais baixo.

Às vezes, esse equilíbrio saudável pode desequilibrar e permitir que outros microrganismos vaginais prosperem.

O que faz com que isso aconteça não é totalmente conhecido, mas é mais provável que você pegue BV se:

  • você é sexualmente ativo (mas mulheres que não fizeram sexo também podem contrair BV)
  • você teve uma mudança de parceiro
  • você tem um DIU (dispositivo contraceptivo)
  • você usa produtos perfumados dentro ou ao redor de sua vagina

O estudo da PLoS Biology mostrou como um tipo comum de bactéria encontrada na boca que está associada a doenças gengivais e placa dentária pode apoiar a BV.

Eles fizeram experimentos em espécimes vaginais humanos e em camundongos para observar o comportamento bacteriano.

A bactéria da boca, Fusobacterium nucleatum , parece auxiliar no crescimento de outras bactérias implicadas na VB.

Os pesquisadores, a Dra. Amanda Lewis da Universidade da Califórnia e colegas, dizem que as descobertas mostram como o sexo oral pode contribuir para alguns casos de BV.

Os especialistas já sabem que a VB pode ser desencadeada pelo sexo, inclusive entre mulheres.

A professora Claudia Estcourt, porta-voz da Associação Britânica para Saúde Sexual e HIV, disse que pesquisas como essa eram importantes para aumentar a compreensão do BV.

“Sabemos que o BV é uma entidade realmente complexa com muitos fatores contribuintes.”

Ela disse que o sexo oral pode transmitir infecções sexualmente transmissíveis e outras bactérias que podem ou não ser importantes em outras condições de saúde.

bbc news

Ver mais

Hoje é

sábado, 28 de novembro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?