Nossa rede

É Destaque

Toffoli suspende julgamento sobre restrição do foro privilegiado

Publicado

dia

Com pedido de vista do ministro, decisão fica suspensa até que ele conclua seu entendimento. STF tem maioria para impor restrições ao foro

 

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu vista no julgamento que analisa a restrição do foro privilegiado de deputados e senadores. O pedido de vista significa que ele precisa de mais tempo para construir seu entendimento e a decisão fica suspensa, embora já haja maioria no plenário do STF para restringir o foro privilegiado dos parlamentares a crimes cometidos durante o exercício do mandato e em função dele, conforme o voto do relator, Luís Roberto Barroso. A análise da limitação da prerrogativa, retomada nesta quinta-feira, havia sido iniciada em junho, mas foi adiada na ocasião por um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

Ao pedir vista, Toffoli alegou que tinha um compromisso no posto médico do STF e que precisava “refletir melhor” sobre a decisão. “Conforme a deliberação que nós tomarmos aqui, os advogados são criativos, talvez possa ter como consequência atrapalhar as investigações e não acelerar as decisões. Esses questionamentos eu gostaria de refletir melhor sobre eles, sem prejuízo de, evidentemente, dialogar sempre com os meus colegas”. Antes do pedido, o ministro havia argumentado durante cerca de uma hora sobre a celeridade na análise dos casos sob sua responsabilidade e criticou “mentiras” de que, com o foro privilegiado, “há impunidade neste tribunal”. “Este tribunal trabalha, este tribunal investiga”, afirmou.

Os sete ministros que seguiram integralmente o voto do relator foram Rosa Weber, Marco Aurélio Mello, a presidente do STF, Cármen Lúcia, Edson Fachin, Luiz Fux e o decano da Corte, Celso de Mello. Alexandre de Moraes propôs uma restrição menor do foro, divergindo de Barroso no sentido de que todos os crimes comuns cometidos após a diplomação no mandato, mesmo que não relacionadas a ele, devam ser abarcadas pelo foro privilegiado, enquanto infrações antes da diplomação no mandato, não.

Os oito ministros que votaram concordaram que o juiz ou o tribunal responsável por julgar um processo não podem ser alterado em função do foro privilegiado após a conclusão da instrução processual, fase em que são ouvidos testemunhas de acusação, de defesa e os réus.

Além de Toffoli, faltam os votos dos ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, que está de licença médica.

O caso concreto julgado pelo STF nesta quinta-feira envolve a restrição de foro privilegiado do atual prefeito de Cabo Frio (RJ), Marcos da Rocha Mendes, o Marquinho Mendes (PMDB). Ele é réu por comprar votos na eleição municipal de 2008, ano em que se reelegeu prefeito da cidade. Quando Mendes concluiu o mandato, em 2012, o caso foi remetido à primeira instância e, em 2016, passou a ser conduzido pelo STF depois que ele assumiu a cadeira do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Câmara. Mendes, entretanto, renunciou ao mandato ao ser eleito novamente prefeito, no ano passado, e o processo voltou à segunda instância, a quem cabe processar e julgar prefeitos.

Conforme uma estimativa do ministro Luís Roberto Barroso, o Supremo tem 528 inquéritos e ações penais envolvendo autoridades com foro privilegiado, que podem ser reduzidos em 90% caso a mudança entre em vigor e os processos sejam enviados a outras instâncias.

Os votos até agora

Em seu voto, dado no início do julgamento, em junho, Luís Roberto Barrososustentou que a revisão do alcance do foro é “um interesse do país, é uma demanda da sociedade”. O relator entende que “resguardar com foro um agente público por atos que ele praticou e que não têm nada a ver com a função que o foro quer resguardar é a concessão de um privilégio”.

Ainda para o relator, o modelo de foro privilegiado brasileiro cria situações que constrangem o Supremo. “É tão ruim o modelo, que a eventual nomeação de alguém para um cargo que desfrute de foro é tratada como obstrução de Justiça. É quase uma humilhação ao STF. Eu penso que é preciso dar à cláusula do foro privilegiado uma interpretação restritiva e a interpretação que propus no meu despacho e reitero é de que o foro só prevaleça em fatos praticados pelo agente beneficiário do foro no cargo e em razão do cargo. Portanto, como é o caso concreto, se o fato foi praticado quando o individuo era candidato a prefeito e se o foro beneficia quem é deputado, nesse caso não se aplica o foro”.

Após o pedido de vista de Moraes, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Marco Aurélio Mello adiantaram seus votos e anunciaram que seguiriam o relator.

Nesta quinta-feira, Alexandre de Moraes argumentou pela restrição do foro a todos os crimes comuns cometidos no exercício do mandato, sejam eles relacionados ou não ao cargo. “Aquele que praticou o crime antes de ser parlamentar não sabia que seria parlamentar. Ele praticou o crime antes da diplomação, antes de se tornar parlamentar, não há relação com a finalidade protetiva do mandato. Se o ato foi praticado quando não era parlamentar, quantas e quantas vezes se busca um determinado mandato para se alterar o foro e depois se busca outro, vai mudando de mandato”, afirmou Moraes.

Para o ministro, a mudança do foro conforme mandatos políticos assumidos favorece os réus em relação à prescrição dos crimes. “Não é porque um é melhor que o outro tribunal, é porque nesse trança-trança, ele vai ganhando tempo em relação à prescrição”, completou.

Edson Fachin, que deu um voto breve, resumido em treze orações, concordou com Luís Roberto Barroso e ponderou que “resta evidente que a cláusula de prerrogativa [de foro privilegiado] deve ser restringida aos casos em que essa função esteja ameaçada. Apenas atos ilícitos praticados no âmbito de sua própria função é que dão margem à prerrogativa”.

Em manifestação ainda mais enxuta, de cerca de três minutos, Luiz Fux também seguiu o relator e declarou que “a competência do Supremo é preservada quando o ato ilícito é praticado no exercício do cargo e em razão do cargo. Isso eu não tenho a menor dúvida”.

Para o decano do STF, Celso de Mello, que decidiu antecipar seu voto após o pedido de vista de Dias Toffoli, o entendimento de Luís Roberto Barroso guarda “absoluta e estrita fidelidade ao princípio da República”.

“Os parlamentares devem estar submetidos às mesmas leis dos demais cidadãos da República no que concerne à sua submissão à jurisdição ordinária dos magistrados de primeiro grau”, declarou Mello.

Antes de encerrar a sessão, Cármen Lúcia concordou com o decano e afirmou que “o foro privilegiado é uma contradição nos termos, porque privilegiar é discriminar, e a República não admite discriminação”.

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

É Destaque

Governo prorroga prazo para empresas do Simples regularizarem débitos

Publicado

dia

Por

A prorrogação do prazo era fundamental para que o Congresso Nacional derrube o veto presidencial ao Refis das micro e pequenas empresas em fevereiro

(Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) aprovou nesta sexta-feira, 29, a prorrogação do prazo de regularização de dívidas até o dia 31 de março. A data limite para a solicitar a adesão ao Simples em 2022 continua sendo 31 de janeiro.

A prorrogação do prazo era fundamental para que o Congresso Nacional derrube o veto presidencial ao Refis das micro e pequenas empresas em fevereiro. Com o prazo para regularizar as pendências prorrogado até o fim de março, as companhias terão tempo suficiente para renegociarem seus débitos no âmbito do Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no âmbito do Simples Nacional (Relp).

“Neste momento de retomada da economia, a deliberação do Comitê proporciona, aos contribuintes do regime, o fôlego necessário para que se reestruturem, regularizem suas pendências e retomem o desenvolvimento econômico que foi afetado devido à pandemia de covid-19”, considerou a Receita Federal, em nota.

O relator do Refis na Câmara dos Deputados, Marco Bertaiolli (PSD-SP), avaliou que a extensão de prazo para as empresas se regularizarem dá agora a tranquilidade necessária para que parlamentares derrubem o veto presidencial já no retorno do recesso do Congresso.

Vencida essa necessária etapa, todos nossos esforços voltam-se à derrubada do veto assim que retomados os trabalhos do Legislativo. Contamos com a mobilização da Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE), parlamentares e com o apoio de diversas entidades, como a Confederação das Associações Comerciais do Brasil (CACB), que somam-se a nós em nosso abaixo-assinado para demonstrar a importância da derrubada do veto para os pequenos negócios em 2022″, completou ele.

Ver mais

É Destaque

Rodrigo Maia coordenará programa de governo em campanha eleitoral de Doria

Publicado

dia

Por

Rodrigo Maia coordenará programa de governo em campanha eleitoral de Doria

(Sergio Andrade/Divulgação)

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia coordenará o programa de governo da campanha à Presidência da República do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na eleição deste ano, informou a pré-campanha tucana em nota.

Deputado federal licenciado pelo Rio de Janeiro e sem filiação partidária desde que foi expulso do DEM em junho do ano passado após troca de farpas pública com o presidente da legenda ACM Neto, Maia comanda atualmente a Secretaria de Projetos e Ações Estratégicas do governo Doria em São Paulo.

“A experiência de Rodrigo Maia, seu brilhante desempenho como secretário de Ações Estratégicas e seu traquejo político, além do amplo conhecimento das necessidades do povo brasileiro, são fundamentais para fortalecer nosso projeto”, disse Doria segundo nota de sua pré-campanha.

Em sua conta no Twitter, Maia também comentou a nova função e agradeceu Doria pelo convite.

“Agradeço ao João Doria pelo convite. Os políticos precisam compreender que é muito importante que participemos da construção dos programas dos nossos candidatos”, disse.

“É preciso compreender a realidade de cada área e construir soluções baseadas em dados concretos, em programas que possam de fato ser viabilizados, e não em projetos populistas.”

Doria, que no final do ano passado venceu as prévias do PSDB para ser o candidato do partido na eleição presidencial de outubro, tem tido desempenho fraco nas pesquisas de intenção de voto para o pleito, sem chegar a 5% da preferência do eleitorado.

De acordo com os levantamentos mais recentes, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera com folga a disputa, seguido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em uma distante e isolada segunda posição.

Ver mais

É Destaque

Reinfecção por Covid: qual a probabilidade de você pegar o vírus várias vezes?

Publicado

dia

Por

Omicron pode ter afetado o risco na Inglaterra, mas outros fatores podem incluir vacinação e gravidade da infecção anterior

Com poucas pessoas na comunidade tendo acesso aos testes na primeira onda, muitas primeiras infecções podem não ter sido contadas. Fotografia: Ben Stansall/AFP/Getty Images

Relatos anedóticos de reinfecção por Covid no Reino Unido estão crescendo, incluindo pessoas com teste positivo com apenas algumas semanas de intervalo em dezembro e janeiro, ou que tiveram o vírus três ou até quatro vezes. As crianças também estão sendo vistas com reinfecções. Vamos dar uma olhada na ciência por trás da captura do Covid várias vezes.

O que é uma reinfecção?

Os números de reinfecção tendem a se referir à detecção de uma segunda ou subsequente infecção por Covid, independentemente da variante envolvida. É provável que o risco de reinfecção dependa de uma série de fatores: por exemplo, os dados sugerem que é maior em pessoas não vacinadas e potencialmente naquelas cuja infecção anterior foi mais leve com uma resposta imune mais baixa.

Também depende da variante – um especialista disse que o risco de reinfecção com Omicron logo após uma primeira infecção Omicron seria menor do que Delta seguido por Omicron – e há quanto tempo alguém foi vacinado. Especialistas dizem que a dose à qual alguém está exposto também pode ser importante.

A Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA) usa a definição de uma possível reinfecção como um caso 90 dias ou mais após uma infecção anterior confirmada por Covid, em parte porque exclui aqueles que simplesmente espalham o vírus por mais tempo após a infecção.

Quantas reinfecções ocorreram?

De acordo com os números mais recentes para a Inglaterra da UKHSA, desde o início da pandemia até 9 de janeiro deste ano havia 425.890 possíveis reinfecções, com 109.936 encontradas na semana que terminou em 9 de janeiro, representando quase 11% de todos os casos naquela semana.

Muito poucas reinfecções possíveis são “confirmadas”, pois isso requer sequenciamento genético. Além disso, com poucas pessoas na comunidade tendo acesso aos testes na primeira onda, muitas primeiras infecções podem não ter sido contadas.

“Com a combinação de dois anos de pandemia, algumas rodadas de diminuição de anticorpos, duas grandes ondas de evasão imunológica pela Delta e depois pela Omicron, há uma reinfecção bastante desenfreada”, disse o professor Danny Altmann, professor de imunologia do Imperial College London. .

É mais fácil ser reinfectado com algumas variantes?

Em suma, sim. De acordo com cientistas do Imperial College London , depois de levar em conta uma série de fatores, o Omicron foi associado a um risco de reinfecção 4,38 e 6,63 vezes maior, em comparação com o Delta.

A equipe acrescenta que isso significa que a proteção contra a infecção pelo Covid, decorrente de uma infecção anterior nos últimos seis meses, caiu de cerca de 85%, antes da Omicron aparecer, para algo entre 0% e 27%. A queda não é surpreendente, uma vez que se descobriu que o Omicron tem a capacidade de evitar as respostas imunológicas do corpo em um grau significativo.

As reinfecções Omicron acontecem em um espaço de tempo mais curto?

Potencialmente, sim. Os dados da UKHSA mostram que, para casos com data de amostra entre 1º de novembro e 29 de dezembro de 2021, houve 2.855 reinfecções prováveis ​​29 a 89 dias após uma infecção anterior – embora algumas delas possam refletir a detecção contínua de uma infecção inicial.

Embora a UKHSA observe que é difícil comparar diretamente a situação entre as variantes – pois há muitos fatores de mudança importantes em jogo, incluindo os níveis gerais de imunidade na população – os poderes de esquiva de imunidade da Omicron provavelmente desempenharão um papel nessas reinfecções.

Ainda não está claro como as respostas imunes ao Omicron protegem contra uma segunda infecção por Omicron ou infecções com novas variantes. “Eu esperaria que o risco de uma segunda infecção por Omicron seja muito menor do que o risco de Omicron após Delta, depois de tudo que você desenvolveu anticorpos para a proteína Omicron real”, disse Paul Hunter, professor de medicina da Universidade de East Anglia. .

Por que meu filho teve Covid duas vezes neste inverno?

Isso pode muito bem ser devido a diferentes variantes: de acordo com dados do Escritório de Estatísticas Nacionais divulgados em dezembro, as crianças em idade escolar com Covid naquela época tinham muito menos probabilidade de ter Omicron do que adultos positivos para Covid. Em outras palavras, uma infecção recente anterior poderia muito bem ter sido Delta, enquanto a mais recente é Omicron.

Um porta-voz da UKHSA disse: “Os dados mostram que aqueles que testam positivo para coronavírus entre 29 e 89 dias de uma infecção anterior representam uma pequena proporção de todas as reinfecções. Muitas dessas reinfecções de intervalo mais curto provavelmente são crianças em idade escolar porque tiveram os níveis mais altos de infecção em setembro e outubro, pouco antes do surgimento do Omicron”.

As reinfecções são mais leves?

Isso pode parecer lógico, dada a resposta imune prévia do corpo, e Hunter observa que os dados sugerem que a carga viral nas reinfecções é menor do que nas infecções primárias, sugerindo que a doença pode, em geral, ser menos grave. No entanto, a gravidade de uma reinfecção depende de muitos fatores, incluindo a variante envolvida e o estado de vacinação de uma pessoa.

Os dados do ONS sugerem que quando a variante Alpha se tornou dominante, os sintomas eram menos comuns para reinfecções – mas isso se inverteu quando a Delta se tornou dominante. Quando o Omicron se tornou dominante, os dados sugerem que as pessoas eram tão propensas a ter sintomas de Covid em sua segunda infecção quanto na primeira infecção. “Não faltam reinfecções, algumas bem graves, embora não exijam hospitalizações”, disse Altmann.

Quantas vezes as pessoas podem pegar Covid?

Entre aqueles que tiveram Covid duas vezes estão os políticos Kier Starmer e Matt Hancock, enquanto também houve relatos de pessoas com infecção por Covid três ou até quatro vezes, algumas com apenas algumas semanas de intervalo.

O UKHSA não detalha as reinfecções por episódio, embora tenha identificado algumas possíveis terceiras reinfecções. O que está claro é que quanto mais tempo o Covid estiver conosco, mais reinfecções uma pessoa pode experimentar.

Ver mais

É Destaque

Barroso nega que TSE exigirá passaporte da vacina nas eleições deste ano

Publicado

dia

Por

No texto divulgado pelo TSE, Barroso explica que o colegiado ainda não se reuniu para definir o protocolo sanitário a ser adotado nas eleições deste ano

(crédito: Antonio Augusto/secom/TSE)

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, se manifestou, ontem, a respeito de notícias falsas que circulam nas redes sociais sobre a exigência de apresentação do chamado “passaporte da vacina” por parte dos eleitores para que seja possível votar no pleito deste ano. Em nota, o ministro disse que o boato “simplesmente não tem qualquer fundamento”.

No texto divulgado pelo TSE, Barroso explica que o colegiado ainda não se reuniu para definir o protocolo sanitário a ser adotado nas eleições deste ano. O presidente da Corte eleitoral enfatiza que, “na ocasião própria, com a consultoria de especialistas, como foi feito em 2020, serão tomadas as medidas sanitárias que vierem a ser recomendadas”.

Na eleição municipal de 2020, a primeira realizada em meio à pandemia, o plano de segurança sanitário só foi divulgado em setembro, quando faltavam cerca de dois meses para o dia da votação. O TSE finaliza a nota divulgada, ontem, com a mensagem de que, assim que for estabelecido o procedimento para as eleições deste ano, as informações serão amplamente divulgadas.

“Nas últimas eleições, para conter a disseminação da covid-19, o TSE ouviu diversos médicos, cientistas e autoridades em saúde antes de adotar o protocolo para que os cidadãos pudessem exercer o direito ao voto e escolher prefeitos e vereadores nos 5.567 municípios brasileiros”, afirmou o TSE. “Portanto, qualquer decisão para as eleições deste ano seguirá o mesmo roteiro com o devido embasamento científico e seguindo recomendações feitas por especialistas.”

O surto de casos com a chegada da variante ômicron ao país colocou as autoridades em alerta sobre a realização de grandes eventos neste ano, como o carnaval de rua, que foi cancelado em quase todas as capitais. Apesar dos níveis alarmantes de contaminação, a ampla cobertura vacinal e os nove meses restantes até as eleições dão margem para o TSE avaliar os riscos que estarão presentes neste ano.

Ver mais

É Destaque

Irritação, estresse ou doença: por que o olho treme?

Publicado

dia

Por

Mioquimia da pálpebra geralmente não é sinal de nada sério e desaparece sozinha sem intervenção médica, dizem especialistas

Não há solução rápida para a contração da pálpebra (Peter Finch/Getty Images)

Espasmos nas pálpebras, embora irritantes, “raramente são um sinal de algo sério”, disse Stephanie Erwin, optometrista do Cole Eye Institute da Cleveland Clinic. O tipo mais comum de tremor ocular é uma série de contrações musculares chamadas mioquimia palpebral, que produz contrações involuntárias e intermitentes da pálpebra, normalmente a inferior.

Apenas um olho é afetado por vez porque a contração se origina no músculo ao redor do olho, e não no nervo que controla o reflexo de piscar, que envia a mesma mensagem para ambos os olhos simultaneamente, acrescentou Erwin.

Os espasmos podem durar de horas a dias e meses.

— Se a contração persistir por um longo período de tempo ou for acompanhada de sintomas adicionais, é uma boa ideia ser examinado por um oftalmologista para garantir que nada mais esteja acontecendo — disse ela.

Se os espasmos se espalharem para outros músculos do rosto ou se você notar que os dois olhos estão se contraindo ao mesmo tempo, esses são indícios de um problema mais sério. Outros sinais de alerta incluem uma pálpebra caída ou um olho vermelho.

Mas se apenas uma pálpebra está se contraindo, geralmente é um caso inofensivo (e muitas vezes exasperante) de mioquimia palpebral.

Quanto ao por que isso acontece:

— Ninguém sabe exatamente por quê — disse a Dra. Alice Lorch, oftalmologista do Massachusetts Eye and Ear, em Boston. — Às vezes, decorre de uma pequena irritação, por exemplo, uma lente de contato esfregando na pálpebra.

Hidratação e descanso

Não há solução rápida para a contração da pálpebra quando ela começa, disse Lorch. Mas lágrimas artificiais, colírios que lubrificam o olho, podem ajudar. O ideal é escolher aqueles que não contenham conservantes, porque os conservantes químicos às vezes podem ser irritantes. Você também pode tentar massagear os olhos no chuveiro ou cobrir os olhos com um pano úmido e quente antes de dormir, acrescentou ela, o que ajudará a relaxar os músculos dos olhos e abrir as glândulas nas margens das pálpebras. Isso aumenta o fluxo de óleo nos olhos e retarda a evaporação da lágrima.

Outras medidas preventivas incluem descansar mais e reduzir o estresse.

— A contração é um sinal do seu corpo pedindo para você desacelerar — disse o Dr. Raj Maturi, porta-voz da Academia Americana de Oftalmologia.

Diminuir a ingestão de cafeína também pode ajudar a evitar espasmos nos olhos, porque grandes quantidades de cafeína podem levar à tensão muscular. Tomar uma ou duas xícaras de café por dia deve ser bom, disse Lorch

Também é importante manter-se hidratado e ter uma dieta balanceada que inclua alimentos ricos em potássio (batatas, bananas e lentilhas são ótimas fontes), magnésio (encontrado em vegetais de folhas verdes, grãos integrais, feijão, nozes e peixes) e cálcio (experimente laticínios, sardinha, folhas verdes escuras ou cereais matinais fortificados), uma vez que desequilíbrios nesses minerais podem levar a espasmos.

A água tônica às vezes é apontada como um remédio para espasmos nas pálpebras porque contém uma pequena quantidade de quinina. A quinina, um medicamento aprovado pela FDA dos EUA para tratar a malária, também tem sido usado off-label para tratar cãibras nas pernas noturnas, algo que o FDA diz não ser seguro nem eficaz. Não há evidências científicas de que a água tônica previna ou alivie a contração das pálpebras.

Raramente, os oftalmologistas usam Botox para interromper a contração injetando uma pequena quantidade no músculo orbicular que envolve as pálpebras, mas isso é feito “apenas em casos graves”, disse Erwin.

A mioquimia da pálpebra geralmente desaparece sozinha sem intervenção médica, disseram os especialistas. Para a maioria dos pacientes, é apenas uma questão de descansar, tomar medidas para reduzir o estresse, lubrificar o olho e esperar.

Ver mais

É Destaque

A próxima pandemia vai ser mais mortal do que covid’, diz Bill Gates

Publicado

dia

Por

Gates pediu aos principais países que contribuam com bilhões de dólares para se preparar para a próxima epidemia global

Gates teria declarado que as prioridades do mundo são “estranhas” e que cabe a filantropos e governos ricos combater a desigualdade de vacinas (NICHOLAS KAMM/AFP/Getty Images)

Para Bill Gates a próxima pandemia poderá ser muito pior que a do coronavírus (covid-19).

Gates não é estranho a esses alertas. Já no passado ele havia falado sobre riscos de pandemia, e muitos consideram uma previsão do que ocorreu com a covid-19.

O fundador da Microsoft disse que, embora as variantes Ômicron e Delta do coronavírus sejam alguns dos vírus mais transmissivos já vistos, o mundo pode enfrentar um patógeno igualmente contagioso, mas com uma taxa de mortalidade muito maior.

Por isso, um dos homens mais ricos do mundo salientou como é necessário que os governos adotem medidas para prevenir os riscos potencialmente muito mais destrutivos de uma próxima pandemia com índice de letalidade mais agressivo que o da covid.

Gates pediu aos principais países que contribuam com bilhões de dólares para se preparar para a próxima epidemia global.

Segundo o Financial Times, Gates teria declarado que as prioridades do mundo são “estranhas” e que cabe a filantropos e governos ricos combater a desigualdade de vacinas.

“Quando se trata de gastar bilhões para salvar trilhões em danos econômicos e dezenas de milhões de vidas, eu diria que é uma apólice de seguro muito boa”, disse Gates, observando como esforços aparentemente enormes, mesmo em termos econômicos, evitariam danos muito piores.

Ele acrescentou que grande parte da inovação para se preparar para uma futura pandemia também pode ser útil para lidar com outros problemas existentes de saúde globais.

Por exemplo, criando uma vacina para o HIV e melhores vacinas para tuberculose e malária.

A Fundação Bill & Melinda Gates e o Wellcome Trust do Reino Unido estão doando US$ 300 milhões para a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (Cepi), que ajudou a formar o programa Covax para fornecer vacinas a países de baixa e média renda.

A organização busca arrecadar US$ 3,5 bilhões com o objetivo de reduzir o tempo necessário para desenvolver uma nova vacina para apenas 100 dias.

O objetivo é que, se não prevenir novas e devastadoras pandemias, limitar seus efeitos sobre a população e a economia por meio de novas vacinas.

“Foi o dinheiro em risco que fez com que os testes ocorressem. Portanto, houve um enorme benefício global. Estamos todos muito mais inteligentes agora. E precisamos de mais capacidade para a próxima vez”, disse Gates.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?