Nossa rede

Notícias DF

Secretaria orienta grávidas a evitarem o Hospital Regional de Ceilândia

Publicado

dia

O coordenador do Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Regional de Ceilândia, Antônio Nóbrega, orientou as grávidas a não procurarem o hospital em caso de trabalho de parto. A Rede de Vigilância em Saúde notificou seis mortes de recém-nascidos nos últimos 12 dias no hospital que fica em uma cidade do Distrito Federal. A média é entre quatro e cinco mortes por mês. Em duas das crianças que morreram foi detectada a presença da bactéria serratia. A causa da morte de outras duas está em fase de investigação, enquanto duas morreram por outros motivos. Ainda há dois bebês infectados pela serratia internados no hospital. Segundo o secretario da Saúde, Rafael Barbosa, eles respondem bem ao tratamento.

 Para evitar a proliferação da serratia, a unidade neonatal está bloqueada para novos pacientes.“Diante de uma situação dessas, diante de um surto, a ação é conter a demanda”, disse Barbosa.

 Ele destacou que se chegar uma grávida precisando de atendimento, ela vai ser atendida, porém, se o bebê precisar ser internado vai ser encaminhado para outra unidade. De acordo com o secretário, com 470 partos por mês, o hospital da Ceilândia é o que faz o maior número de partos na rede de saúde do DF. Segundo Antônio Nóbrega, a fonte da bactéria e a forma de propagação serão investigadas. Por enquanto, o hospital está reforçando as medidas de prevenção, “a principal delas é a higienização das mãos”. O coordenador explicou que a serratio é uma bactéria presente no tubo digestivo de grande parte das pessoas e que na maioria das vezes não causa danos à saúde.

Comentário

Aconteceu

Propina no Detran: delegados e policiais embolsam mais de R$ 19 milhões

Publicado

dia

Grupo envolvia também a participação de despachantes, donos de pátios de apreensão e comerciantes.

Um total de R$ 842 mil em dinheiro foi apreendido na operação, sendo R$ 558 mil na casa de uma servidora
(foto: Ministério Público de Minas Gerais/Divulgação)

Mais de R$ 19 milhões foram desviados em propinas por organização criminosa composta por delegados, policiais civis e militares, despachantes, comerciantes e donos de pátios de apreensão de veículos em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Minas Gerais (RMBH).

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) denunciou nesta quinta-feira (12/12) 16 pessoas que participavam das irregularidades envolvendo o Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG). Foram recolhidos mais de R$ 840 mil pela força-tarefa, a maior apreensão feita neste ano pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

O esquema é antigo e foram identificados crimes cometidos pelo menos desde 2011. A investigação apontou que a organização atuava em praticamente todos os serviços do Detran em Santa Luzia: liberação e transferências de veículos, realização de vistoria e leilões e contava até com a participação de policiais nos lucros de pátios de apreensão do município, licenciados ilicitamente.

Há imagens que mostram o desvio de peças e equipamentos de veículos apreendidos. A organização também fazia blitzes pela Polícia Militar (PM) para a apreensão de veículos.

“Com a liberação, ganhavam propina. Além disso, identificamos a apreensão simulada de veículos no sistema, com o objetivo de acelerar a liberação. Ele era apreendido no sistema da Polícia Civil (PC) e, em seguida, a apreensão era cancelada. O carro nem chegava a ir para o pátio”, afirma a promotora de Justiça do Gaeco Paula Ayres Lima.

A cobrança de propina era a condição para que serviços fossem executados com rapidez. De acordo com a denúncia, o delegado de polícia Christian Nunes de Andrade chefiava o esquema, ficando com metade da propina desviada e 10% dos valores dos leilões. Na casa dele, foram apreendidos carros e motos de luxo. O delegado e mais oito presos estão presos.

“O delegado Christian é o chefe do esquema e o principal beneficiário”, diz promotora.

Penas somam 208 anos

A operação, batizada de “Cataclisma”, identificou crimes de corrupção ativa, passiva, organização criminosa, peculato, inserção de dados falsos nos sistemas de informação e lavagem de dinheiro, com penas que somam 208 anos.

As investigações começaram há três anos, a partir de denúncias anônimas de pessoas lesadas pelo grupo, formado por policiais civis, militares, despachantes, comerciantes e donos de pátios de apreensão de veículos em Santa Luzia.

Segundo a força-tarefa, um dos denunciantes, um homem cuja renda é de um salário mínimo, precisou pagar R$ 140 para a liberação do documento do veículo, que havia comprado para trabalhar. Os valores de propina cobrados eram variáveis, a partir de R$ 20.

Em 28 de novembro, foram cumpridos 46 mandados de busca e apreensão e 13 mandados de prisão temporária. Somente na residência de uma servidora pública a força-tarefa encontrou a quantia de R$ 558 mil em dinheiro.

“É difícil precisar quanto foi embolsado, mas pela quebra de sigilo fiscal e bancário, os envolvidos apresentaram uma movimentação bancária incompatível”, afirma.

O grupo estima montante de R$ 19 milhões. A operação foi realizada em conjunto com o MPMG, PC, PM e Receita Estadual. A investigação também identificou esquema semelhante em Lagoa Santa, na Grande BH, ainda em apuração.

Denunciados pela Operação Cataclisma

Christian Nunes de Andrade, delegado de polícia

Marcelo Nonato Magalhães, investigador de polícia

Cláudia Márcia da Silva, investigadora de polícia

Emerson Rodrigues, servidor público municipal

Paulo Roberto Ferreira Rosa, policial civil

Wagner Tadeu Pereira Seixas, policial civil

Rodrigo Palhares Horta, policial civil

Nélio Aristeu Zeferino, policial militar

João Pedro Martins, empresário

Bárbara Flaviane dos Santos, empresária

José Moreira de Souza, gerente de pátio de apreensão

Ida do Carmo Bacelete, delegada de polícia

Any Aparecida Fernandes Bacelete Belchior Roberto de Rezende Lara, vigilante

Gliber Dias Machado, comerciante

Ver mais

Notícias DF

Novos ônibus passarão a rodar na EPTG a partir de 1º de janeiro

Publicado

dia

 A Urbi e a Expresso São José, empresas de transporte coletivo, receberam nesta terça-feira (10/12) novos modelos de ônibus que passarão a rodar na Estrada Parque Taguatinga (EPTG) em 1º de janeiro de 2020

Os veículos são adequados para a entrada e a saída de passageiros em ambos os lados da via
(foto: Urbi/Divulgação)

A partir de 1º de janeiro de 2020, ônibus com portas também na lateral esquerda começarão a rodar na Estrada Parque Taguatinga (EPTG). As empresas Urbi Mobilidade e Expresso São José foram as primeiras a receber os novos modelos, que terão permissão para trafegar a partir da saída do centro de Taguatinga e acessar a bifurcação para o Setor de Indústrias Gráficas (SIG) e o Setor Policial Sul e para fazer o trajeto de volta. De acordo com a Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob), cerca de 40 coletivos com porta dos dois lados chegaram ao Distrito Federal. Ao todo, serão 160 novos veículos das empresas Urbi, São José e Marechal. Eles rodarão em 47 linhas, para atender a cerca de 56 mil passageiros.

Até esta terça-feira (10/12), a Urbi Mobilidade recebeu 10 novos ônibus. A previsão é de que cheguem mais 36 até o fim de dezembro. Cada um deles custou R$ 380 mil para a empresa. Na garagem da Expresso São José, estão 30 novos coletivos. Até 31 de dezembro, chegarão mais 30 ônibus exclusivos para trânsito na EPTG. O investimento total foi de R$ 25 milhões. O diretor da operadora, Adriel Lopes, conta que aguarda uma vistoria que será feita pela Semob em cada um dos veículos. “À medida que forem chegando, já serão avaliados. Com a aprovação, as mais de 15 linhas da São José que rodam na EPTG entrarão em operação na primeira semana de janeiro. Nenhum ônibus começa antes do outro. Todos começarão juntos”, explica Adriel.

Ele destaca que a empresa tem um leiaute diferente para os novos modelos de ônibus. Enquanto outras operadoras adotarão coletivos com cinco portas — três do lado direito e duas do esquerdo —, a Expresso São José adota uma entrada e uma saída em cada lado do veículo. “A gente quis fazer diferente para manter a maior quantidade de assentos. Quanto mais portas, menos cadeiras. Os nossos terão 36 assentos”, disse Adriel.

O diretor da São José avalia a medida como positiva para a população. Assim, segundo ele, será possível usar o corredor da EPTG de forma plena, já que haverá, pelo menos, três opções de linhas para quem utiliza a rodovia: semiexpressas, marginais e os novos com entrada e saída pelos dois lados. “Com isso, haverá diminuição, de fato, do tempo de viagem dos passageiros que utilizam a EPTG”, garante.

Fluidez

Para o professor de engenharia de tráfego da Universidade de Brasília (UnB) Paulo César Marques, essa é uma medida importante e que deveria existir há mais de 10 anos, “desde que a EPTG foi aberta naquela configuração”. Ele ressalta que é um atraso bem-vindo para a população e que o impacto vai ser positivo tanto para quem usa o transporte público quanto para quem anda em carro particular.

No entanto, segundo o especialista, uma nova mudança em menos de um ano pode causar confusão na cabeça de quem passa pela rodovia diariamente. “A reversão das faixas exclusivas não foi uma boa medida. Quando o GDF pensou que ajudaria no fluxo, não adiantou. Não trouxe benefícios”, avalia o professor. “Agora, os motoristas estão acostumados com o formato atual e vai mudar novamente. Haverá uma resistência inicial, mas acontecerá finalmente. É, sem dúvidas, algo positivo para toda a população”, afirma o professor Paulo César.

Memória

» Com 12,6km de extensão, a Estrada Parque Taguatinga
(EPTG) foi inaugurada em setembro de 1977, com três faixas em cada sentido. Mas a Linha Verde, iniciada em 2009 na gestão de José Roberto Arruda, modificou completamente a via.
» O projeto original previa 17 passarelas, ciclovia, pista de rolamento exclusiva próximo ao corredor central e paradas de ônibus. A ideia era acabar com os engarrafamentos e incentivar o uso do transporte coletivo.
» Em 18 de março deste ano, o Governo do Distrito Federal iniciou um novo esquema. Nos horários de pico, as faixas exclusivas funcionam em sentido contrário para ônibus. As três faixas no sentido da via funcionam normalmente. A princípio, as alterações serão mantidas até 18 de março de 2020, prazo dado pelo governo às operadoras para que adquiram ônibus com portas de ambos os lados.

Dados

47: número de linhas que terão os novos ônibus
160: total de coletivos que rodarão pela EPTG
Ver mais

Notícias DF

Distritais definem limites das regiões administrativas do DF

Publicado

dia

Projeto de lei que trata dos limites das regiões administrativas do Distrito Federal foi aprovado em dois turnos nesta terça-feira (10/12). Outras 12 proposições do Executivo local receberam o aval dos parlamentares

Deputados no primeiro dia de votação da última semana de trabalho em 2020: recesso começa na sexta-feira
(foto: Isis Dantas/Divulgação)

O primeiro dia de votação da última semana de trabalho na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) neste ano começou com os ânimos exaltados nesta terça-feira (10/12). Das 13 propostas do Executivo aprovadas na casa, alguns temas suscitaram debates entre os distritais, e outros não enfrentaram resistências. Uma das decisões importantes foi sobre as poligonais que definem os limites das regiões administrativas do DF.

As fronteiras definidas levaram em conta barreiras naturais (córregos e morros) e viárias (estradas e vias), contexto histórico, realidade econômica e setores censitários (mesma faixa de renda, por exemplo). Elas se aplicam a Águas Claras, Fercal, Itapoã, Jardim Botânico, Park Way, Riacho Fundo II, Setor Complementar de Indústria e Abastecimento (SCIA), Setor de Indústria e Abastecimento (SIA),  Sudoeste/Octogonal, Varjão e Vicente Pires. O Projeto de Lei Complementar nº 19/2019, que trata do assunto, foi aprovado nos dois turnos.
A proposta de remanejamento de cerca de R$ 360 milhões do Fundo de Apoio à Pesquisa (FAP) para o pagamento de servidores de diversas áreas também não causou polêmica entre os parlamentares e foi aprovada em segundo turno. Ela deve seguir agora para a sanção do governador. Na última semana, a oposição acrescentou à matéria uma emenda que restringe a ação do governo para o ano de 2019. Em 2020, o governo não terá acesso à verba do FAP.
A sessão começou com atraso e colocou, sobretudo, a base aliada para correr atrás do quórum necessário para a aprovação dos projetos do governo. Além da espera, a mesa diretora teve que acelerar as votações principalmente após pautar os assuntos mais polêmicos. Parte da sessão foi destinada ao debate sobre a aprovação do projeto de lei que prevê a construção de sete unidades de pronto-atendimento (UPAs) na capital do país. Aprovado em segundo turno, o PL nº 748/2019 passa a responsabilidade de construção das unidades ao Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (Iges).
Contrário a essa ação, o deputado Fábio Félix (PSOL) propôs um requerimento de retirada da pauta por avaliar que o projeto abre a possibilidade para fraudes contratuais, mas teve o pedido negado. “Nós somos absolutamente favoráveis à construção de UPAs. A questão é que nós aprovamos hoje aqui a possibilidade de construção sem licitação. Nós estamos entregando ao Iges essa possibilidade. Isso vai tirar transparência, além de abrir precedente gravíssimo para terceirização da saúde no Distrito Federal”, avaliou Félix.
Para o deputado Claudio Abrantes (PDT), líder do governo na Câmara Legislativa, o modelo de gestão implementado nas outras seis UPAs do DF justifica que o IGES seja o responsável pela construção das novas unidades. “A CLDF faz a fiscalização do Iges, e o relatório de atuação deste ano já chegou a esta Casa. Nós podemos observar que as unidades de saúde sob a gestão da Secretaria de Saúde continuam da mesma forma e, com a gestão do Iges, houve melhora. Então, nada mais lógico que as UPAs também sejam construídas e geridas pelo instituto”, defendeu. A proposta foi aprovada nos dois turnos com 14 votos favoráveis e agora segue para a sanção do governador.
Os deputados também voltaram na discussão da venda de bebidas alcoólicas em estádios de futebol. O Projeto de Lei nº 324 foi aprovado. Para o deputado Agaciel Maia (PDT), os distritais poderão ser responsáveis por possíveis acidentes em decorrência dessa lei. Segundo a deputada Júlia Lucy (Novo), não há sentido em proibir a venda sendo que a comercialização de bebidas é legalizada em vários outros ambientes no Brasil.
Também foram aprovados no Plenário da Câmara Legislativa os PLs nº 813/2019, que dispõe sobre as negociações de dívida ativa de empresas e civis por meio do Refis (Programa de Recuperação Fiscal),  e nº 698/2019, que define as características que qualificam as organizações sociais.
Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade