Nossa rede

Brasil

Prefeitura de SP suspende aulas presenciais em toda rede de ensino da cidade de 17 de março a 1° de abril

Publicado

dia

Anúncio foi feito pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) em coletiva virtual nesta sexta (12). Recesso de julho será antecipado na rede municipal, que retoma as atividades no dia 5 de abril. Escolas privadas poderão adotar outra medida, desde que não recebam alunos presencialmente.

Governo de SP aumenta restrições de 14 atividades; veja a lista — Foto: Divulgação Governo de SP

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta sexta-feira (12) a suspensão das aulas presenciais na rede municipal, estadual e particular a partir do dia 17 de março até 1° de abril.

Segundo o prefeito Bruno Covas (PSDB), a medida tenta frear o avanço da pandemia e ajudar a diminuir a circulação de pessoas nas ruas.

“Essa medida se faz necessária para que a gente possa conter o avanço do coronavírus na cidade. A suspensão de aulas presenciais vale para a rede privada, para a rede pública estadual e rede pública municipal na cidade de São Paulo a partir da próxima quarta-feira”, disse Covas.

Nas escolas municipais, a gestão municipal decidiu antecipar o recesso de julho durante o período. As aulas serão retomadas no dia 5 de abril.

A rede particular, entretanto, poderá adotar outra medida, desde que respeite a determinação de não receber alunos presencialmente.

“Essa opção pela antecipação do recesso é uma opção da rede pública municipal. A rede privada pode adotar outra saída, mas a partir do dia 17 não pode aula presencial”, afirmou Covas.

De acordo com o secretário municipal da Educação, Fernando Padula, as escolas municipais ficarão abertas nos dias 15 e 16 para receber os alunos, fazer a comunicação com as famílias e oferta de merenda.

Segundo a gestão municipal, o crédito do cartão merenda será depositado às famílias do dia 22 de março e permanecerá sendo feito durante a pandemia.

Durante o período, a parte administrativa das escolas funcionará em esquema de rodízio. Além das equipes de limpeza, também permanecerão trabalhando as mãe contratadas como agentes de protocolo contra Covid.

“Na segunda e na terça tem atividade nas escolas com merenda. Por determinação do prefeito Bruno Covas, continua o cartão merenda enquanto estiver a pandemia, o crédito será depositado no dia 22 de março e continua todos os meses. As escolas, a parte administrativa, funcionará em esquema de rodízio do trio gestor e as mães guardiãs, a limpeza também continua”, disse Padula.

“Vale reforçar o porque dessa opção de trazer o recesso é que a expectativa é que em julho a situação esteja muito melhor e todo mundo sabe a importância, e a ciência aponta isso, de ter aula presencial”, defendeu o secretário.

Justiça

 

Durante a coletiva, o prefeito Bruno Covas afirmou que a prefeitura irá recorrer da decisão da Justiça, que vetou as aulas presenciais na rede estadual de São Paulo e na rede municipal da capital paulista durante as fases vermelha e laranja do plano de flexibilização econômica do governo paulista.

“Nossas decisões aqui são analisadas de acordo por critérios elencados pela Vigilância Sanitária. Se a Vigilância Sanitária entende que é possível abrir uma atividade, a gente encomenda a abertura, observados os protocolos. Quando a vigilância entende que é o momento de retroceder, a gente também segue essa orientação. A prefeitura não vai abrir mão da sua obrigação de fazer exatamente esse papel de seguir a Vigilância Sanitária, senão, daqui a pouco vai caber ao Judiciário estabelecer atividade por atividade, qual pode funcionar e qual não pode na cidade de São Paulo. A gente entende que é um ato do poder Legislativo”, defendeu Covas.

Publicada na noite desta quinta (11), a liminar só irá impactar na rede após o final de março e nas cidades que permanecerem nas fases mais restritivas da proposta após o recesso escolar. Atualmente, todo o estado está na fase vermelha.

Na mesma data, o governo de São Paulo decidiu antecipar o recesso escolar de abril e outubro para 15 a 28 de março, período nomeado como fase emergencial do plano São Paulo de combate ao coronavírus (leia mais abaixo).

Com isso, as aulas presenciais nas escolas estaduais serão suspensas e as unidades ficarão abertas apenas para merenda dos alunos e retirada de chips a partir do dia 15 de março.

Embora tenha recomendado que as demais redes de ensino priorizem a educação a distância, as prefeituras têm autonomia para definir se as unidades, sejam elas estaduais, municipais ou privadas, mantêm ou não as aulas presenciais.

Fase emergencial

 

A fase emergencial, que prevê regras mais rígidas de funcionamento da fase vermelha da quarentena. As medidas passam a valer a partir de 15 de março e devem permanecer até o dia 30.

A gestão de João Doria (PSDB) suspendeu a liberação para realização de cultos, missas e outras atividades religiosas coletivas, além de todos os eventos esportivos, como jogos de futebol, e instituiu o toque de recolher das 20h às 5h, que prevê maior fiscalização para evitar a circulação de pessoas nas ruas.

Alguns serviços que estavam na lista dos considerados essenciais, como lojas de materiais de construção, foram excluídos e deverão permanecer fechados.

Foi ainda determinado o teletrabalho obrigatório para atividades administrativas não essenciais, e vetada a retirada presencial de mercadorias em lojas ou restaurantes. Apenas serviços de delivery poderão operar.

O que muda:

 

  • Atividades religiosas como missas e cultos não poderão mais ocorrer presencialmente
  • Campeonatos esportivos, como jogos de futebol, ficam suspensos
  • Escolas da rede estadual ficarão abertas apenas para oferta de merenda. Rede privada e municipal poderá atender alunos de pais que precisam trabalhar fora, com limite de 35% da capacidade
  • Lojas de material de construção não poderão abrir
  • Teletrabalho obrigatório para atividades administrativas não essenciais
  • Estabelecimentos não poderão operar com serviço de retirada presencial, apenas delivery

 

O fechamento de todos os setores, inclusive das escolas, chegou a ser defendido pelo procurador-geral de Justiça, Mario Luiz Sarrubbo, que enviou uma recomendação ao governador.

Desde o último sábado (6), todo o estado está na fase vermelha, considerada até então a mais restritiva pelo Plano SP.

Pela regra, a fase vermelha autoriza apenas o funcionamento de setores da saúde, transporte, imprensa, estabelecimentos como padarias, mercados, farmácias e postos de combustíveis.

As escolas e atividades religiosas tinham sido incluídas na lista por meio de decretos estaduais.

O que pode funcionar na fase vermelha:

 

  • Escolas privadas e municipais, com 35% da capacidade
  • Hospitais, clínicas, farmácias, dentistas e estabelecimentos de saúde animal (veterinários)
  • Supermercados, hipermercados, açougues e padarias, lojas de suplemento, feiras livres
  • Delivery e drive-thru para bares, lanchonetes e restaurantes: permitido serviços de entrega
  • Cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária e agroindústria, transportadoras, armazéns, postos de combustíveis
  • Empresas de locação de veículos, oficinas de veículos, transporte público coletivo, táxis, aplicativos de transporte, serviços de entrega e estacionamentos
  • Serviços de segurança pública e privada
  • Construção civil e indústria
  • Meios de comunicação, empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens
  • Outros serviços: lavanderias, serviços de limpeza, hotéis, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica e bancas de jornais.

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Brasil

MEC facilita a criação de mais vagas em cursos de Medicina pelo Brasil

Publicado

dia

Por

A medida vale para as escolas criadas por chamamento público, no âmbito do Mais Médicos

(Getty Images/Morsa Images)

Uma portaria do Ministério da Educação (MEC) publicada na segunda-feira, 16, liberou o pedido de novas vagas em cursos de Medicina até o limite de mais cem alunos. A medida vale para as escolas criadas por chamamento público, no âmbito do Mais Médicos. Desde 2013, quando a iniciativa foi criada, o número de escolas no Brasil passou de 210 para 354, um crescimento de 69%. De um lado, as entidades médicas apontam o risco de precarizar as condições da formação. De outro, entidades ligadas ao ensino, principalmente o privado, reclamam do engessamento do processo para criar vagas.

Em nota pública, o Conselho Federal de Medicina (CFM) pediu a imediata revogação da portaria. “Lamentavelmente, essa decisão foi tomada sem consulta ao CFM e às demais entidades médicas. Isso expressa uma opção excludente, autoritária e pouco transparente na condução de tema delicado e com consequências para a vida da população e dos profissionais”, afirmou. Conforme o conselho, a portaria possibilita a criação de 37 mil vagas em cursos já existentes, “milhares delas em municípios que não oferecem condições necessárias para o pleno processo de ensino e aprendizagem”.

Conforme a Associação Médica Brasileira (AMB), o País tem 570 mil médicos distribuídos de forma inadequada, problema que a portaria do MEC não corrige. “Considerando que não temos uma carreira nacional do médico, o que facilitaria a correta distribuição dos profissionais, a AMB se posiciona contra a abertura de novas escolas médicas ou o aumento de vagas nos cursos de Medicina. A AMB entende que a prioridade neste momento é a melhoria da qualificação da graduação médica das instituições de ensino já existentes”, disse.

DIVERGÊNCIA

Consultor em ensino superior, o advogado Edgar Jacobs acredita, porém, que se abre a possibilidade de melhorar a distribuição de médicos e suprir a falta deles pelo País. “Quando comparamos com outros países, o Brasil é apenas o 79.º em densidade médica (médicos por mil habitantes), e eles estão mal distribuídos. Essa medida reconhece a dinâmica da oferta de leitos e espaços de treinamento na área de saúde, na medida em que permite que cursos que obtiveram aportes menores, de 30 ou 50 vagas, possam requerer novamente a ampliação, quando o contexto da oferta de saúde mudar”, disse.

Já para o professor Mario Scheffer, pesquisador e docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), é muito preocupante a decisão. “Do início do governo Bolsonaro até agora, o MEC liberou 37 novos cursos de Medicina, dos quais apenas três em universidades públicas. Foram autorizadas 4.500 vagas de graduação, 96% delas privadas, que cobram R$ 8.500 de mensalidade, em média. Com Temer (ex-presidente Michel Temer), em 2018, o MEC chegou a suspender novos editais para criação de cursos e vagas durante cinco anos. Decretou-se uma ‘moratória’ de araque, pois foram abertos cursos e vagas sem parar.” Segundo ele, antes da Lei do Mais Médicos, da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2013, o Brasil formava 20 mil médicos por ano. “Hoje vai formar 40 mil por ano.”

Segundo Scheffer, o atual governo seguiu abrindo muitas vagas, mas abdicou da avaliação da qualidade do ensino médico. “Não sabemos como estarão sendo formados milhares de jovens médicos que passam a atender a população imediatamente após a formatura. Também registramos que não há vagas de residência médica para boa parte dos formados em Medicina. Isso é seriíssimo, abriram a torneira da graduação sem se preocupar com a necessidade de, proporcionalmente, ampliar a oferta da formação especializada via bolsas de residência médica.”

Para o diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedores de Ensino Superior (Abmes), Sólon Caldas, a portaria só regulamenta a de 2018 e não vai precarizar a educação médica, uma vez que todos os cursos são constantemente avaliados pelo MEC. “Está apenas trazendo uma regulamentação”, ressalta.

Segundo ele, a pandemia deixou evidente a falta de profissionais sobretudo na área de saúde. “A possibilidade de abertura de vagas para formação médica é um benefício para a sociedade como um todo, que precisa de mais e melhores profissionais.” A reportagem entrou em contato com o Ministério da Educação e com o Conselho Nacional de Saúde (CNS), mas não obteve resposta até as 19 horas.

 

Ver mais

Brasil

Conheça a Starlink, empresa que Elon Musk vai apresentar para Bolsonaro

Publicado

dia

Por

Empresário chega ao Brasil nesta sexta-feira e deve discutir uso da Starlink para conexão de escolas rurais com banda larga e monitoramento da Amazônia

Bolsonaro irá se encontrar com Elon Musk nesta sexta-feira (20). (AFP/EVARISTO SA and ANGELA WEISS)

Elon Musk, o homem mais rico do planeta, dono de uma fortuna de US$ 210 bilhões, deve apresentar nesta sexta-feira sua empresa Starlink para o presidente Jair Bolsonaro. Sua chegada ao Brasil está prevista para hoje de manhã.

De acordo com a coluna do Lauro Jardim, o encontro, até então mantido em sigilo pelo Palácio do Planalto, acontecerá no hotel Fasano Boa Vista, no interior paulista, onde se realizará um almoço com empresários e alguns ministros do governo. Veja aqui a lista dos empresários brasileiros e executivos que se reunirão com Musk.

O bilionário dono da Tesla, SpaceX e candidato a dono do Twitter, deve apresentar sua rede de satélites Starlink. A empresa prevê oferecer internet de alta velocidade a regiões onde a fibra óptica, mesmo com o advento do 5G no mundo, não deve ser alcançada pelo custo de infraestrutura.

A Starlink promete velocidades de download entre 100 Mb/s e 200 Mb/s, e latência de até 20 ms na maioria dos locais. O projeto prevê levar 42 mil satélites para a órbita da Terra, sendo que pelo menos 1,8 mil já foram enviados.

Chegada ao Brasil

Em novembro do ano passado, Elon Musk se encontrou com o ministro das Comunicações, Fábio Faria, onde apresentou seus planos para conectar as escolas rurais com banda larga e também de sistemas de monitoramento da Amazônia.

Em janeiro deste ano, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deu aval para a Starlink operar satélites de órbita baixa no Brasil. Pouco mais de uma semana após a autorização da Anatel, a Starlink divulgou os preços de seus serviços de assinatura e equipamentos para fornecimento de internet via satélite no mercado brasileiro.

Quem é Elon Musk?

Aos 50 anos, Elon Musk é a pessoa mais rica do mundo, com fortuna avaliada em US$ 263 bilhões, segundo a Forbes. O dono da Tesla deve ainda conquistar seu primeiro trilhão em 2024. Considerado um dos maiores empreendedores do século XXI, Musk fez fortuna com a criação do PayPal, sistema de pagamentos on-line.

Ele também é dono de uma série de empresas. É o fundador e CEO da SpaceX, além de liderar a start-up de chips cerebrais Neuralink e a empresa de infraestrutura The Boring Company.

O empresário de tecnologia, contudo, também coleciona controvérsias. É chamado de gênio e louco no mundo dos negócios por suas ideias fora da caixa. Costuma dar opiniões polêmicas no Twitter – onde tem vasta influência entre seus mais de 83 milhões de seguidores, tendo inclusive se tornado o maior acionista da empresa e agora novo dono da rede social.

No ano passado, a revista Time ressaltou que Elon Musk é uma pessoa com influência na Terra e também fora dela.

Conheça a história de Elon Musk e entenda como o empresário e investidor se tornou um dos homens mais ricos do mundo:

Origem

Elon Musk nasceu em Pretória, África do Sul, em 1971. É um dos três filhos do casal Errol e Maye Musk. Sua mãe era nutricionista e seu pai engenheiro e dono de uma mina de esmeraldas. Aos doze anos, Elon engatou na programação ao escrever um código de videogame aos doze anos.

Aos 17, Musk deixou o país para evitar ser recrutado pelas forças armadas. Foi morar no Canadá, onde ingressou na Faculdade de Queens University, em Ontario. Depois de dois anos estudando na instituição, Musk transferiu para a Universidade da Pensilvânia onde se formou em Física. Fez o segundo grau de barechal em Economia, na Wharton School of Business.

Aos 24, em 1995, Musk foi morar na Califórnia para começar um doutorado em física aplicada, mas abandonou o programa em Stanford para dar seus passos como empreendedor. Em 2002, se tornou cidadão americano.

Seu primeiro negócio foi a Zip2, empresa que fundoucom seu irmão Kimbal e com o sócio Greg Kouri.

X.com e PayPal

Com a venda da Zip2 para a Compaq Computer, que pagou US$ 305 milhões, Musk co-fundou a X.com em 1999, empresa de pagamento de serviços financeiros on-line e de e-mail. Ele era o CEO e o maior acionista da empresa.

Um ano depois da criação, sua empresa X.com se fundiu com a Confinity, uma instituição de operações financeiras. A fusão entre as duas companhias deu origem ao Paypal.

Por conta de desentendimentos com outras lideranças, porém, Musk foi destituído de seu cargo no mesmo ano. Ele continuou como um dos maiores acionistas da empresa, e lucrou com a venda do PayPal para o Ebay por US$ 1,5 bilhão em 2002. Musk recebeu US$ 165 milhões pela transação.

SpaceX

Depois de acumular uma fortuna de cerca de US$ 100 milhões, Musk fundou a Space Exploration Technologies Corp., conhecida como SpaceX, em maio de 2002. O magnata sempre teve interesse em explorar soluções que ajudassem a melhorar a condição da vida humana na Terra ou que ao menos evitassem a sua extinção.

Com sua reserva, Musk criou a sua própria empresa para fomentar a indústria aeroespacial a custos mais acessíveis. Seu desejo é levar a humanidade para colonizar Marte por meio da SpaceX.

Tesla

A Tesla, maior montadora de veículos elétricos do mundo, passou a fazer parte dos planos de Musk em 2004. A fabricante foi fundada em 2003 por Martin Ebergard e Marc Tarpenning, que financiou a empresa até à rodada Série A de investimento.

Musk liderou a rodada de investimento e em fevereiro de 2004 se tornou presidente do conselho de administração da Tesla. O objetivo de aquisição da empresa guarda relação com um dos seus princípios ao realizar negócios: diminuir os efeitos do aquecimento global.

Atualmente, a Tesla produz centenas de milhares de carros elétricos todos os anos e conseguiu evitar problemas na cadeia de suprimentos melhor do que muitos de seus rivais, enquanto pressiona muitos consumidores jovens a migrar para veículos sustentáveis e montadoras tradicionais para mudar o foco para veículos EV.

O valor de mercado da Tesla subiu para mais de US$ 1 trilhão este ano, tornando-a mais valiosa do que a Ford e a General Motors juntas. Sua avaliação fez de Musk a pessoa mais rica do mundo.

Preocupação com o futuro da civilização humana

Na esteira da preocupação com o aquecimento global e com o futuro da civilização humana, Musk também lidera outras start-ups focadas em soluções disruptivas para a sociedade.

A Neuralink, criada em 2016, visa unir a mente humana a computadores. O projeto da start-up inclui implantar chips com milhares de eletrodos no cérebro com o intuito de ajudar a curar doenças neurológicas como Alzheimer, demência e lesões na medula espinhal e, finalmente, fundir a humanidade com a inteligência artificial.

Musk, que frequentemente alerta sobre os riscos da inteligência artificial, disse que a conquista mais importante do implante além das aplicações médicas seria “algum tipo de simbiose de IA onde você tem uma extensão de si mesmo”.

Em julho do ano passado, a Neuralink informou ter arrecadado mais de US$ 200 milhões de investidores, incluindo nesta lista o Google Ventures.

Outra start-up com viés inovador de Musk é a Boring Company, empresa de infraestrutura que tem o objetivo de melhorar a mobilidade nas cidades a partir da construição de redes de transporte em túneis subterrâneos profundos.

Diferentemente do sistema do metrô, o mecanismo da The Boring Company prevê que passageiros se desloquem de um ponto a outro sem paradas intermediárias.

A companhia levantou US$ 675 milhões em uma rodada de financiamento liderada pela Vy Capital e pela Sequoia Capital nas últimas semanas, levando a empresa a ser avaliada em US$ 5,7 bilhões.

A empresa já possui um sistema de túneis no Las Vegas Convention Center e transportou passageiros na conferência da CES no início deste ano. A empresa pretende se expandir em outras cidades nos próximos anos e disse que usaria o novo financiamento para “aumentar significativamente as contratações”.

Personalidade do ano

Musk foi nomeado “Personalidade do Ano” pela revista Time em 2021, ano em que sua empresa de carros elétricos se tornou a montadora mais valiosa do mundo e sua empresa de foguetes foi ao espaço com uma tripulação totalmente civil.

“Por criar soluções para uma crise existencial, por incorporar as possibilidades e os perigos da era dos titãs da tecnologia, por impulsionar as transformações mais ousadas e disruptivas da sociedade, Elon Musk é a Personalidade do Ano de 2021 da TIME”, disse o editor-chefe da revista, Edward Felsenthal.

Ver mais

Brasil

Termômetro no Parque Nacional do Itatiaia registra -6,5 ºC

Publicado

dia

Por

Termômetro do parque nacional registrou temperatura por volta das 6h. Visitantes precisaram deixar de lado planos para acampar

Passagem de uma massa de ar polar, vinda da Argentina, e do ciclone Yakecan, derrubam as temperaturas (Reprodução/Instagram)

Que Fernanda Abreu não saiba, mas no Rio há um lugar onde a temperatura fica longe dos 40 graus e desce ao ponto de passar da casa dos 6 graus negativos. O dia amanheceu com o termômetro do abrigo para visitantes do Parque Nacional do Itatiaia marcando 6,5 graus abaixo de zero. A baixa temperatura, menor que registrado, nesta quinta-feira, surpreendeu até mesmo os visitantes que vieram em busca do frio.

Antes mesmo do nascer do sol, o engenheiro florestal Carlos Beluco subiu um pequeno monte para apreciar os primeiros raios de sol que refletiam no Pico das Agulhas Negras, o mais alto do Brasil. Ele chegou ao parque na última quarta-feira com a intenção de acampar com um amigo de infância, mas as condições climáticas fizeram a dupla mudar de ideia e pagar pela diária no abrigo.

— Ontem fizemos trilha e a vegetação estava toda branca por causa do frio. Aqui o visual é muito lindo. Agora por causa do frio estou com três meias, quatro camisas e duas toucas — conta Carlos contemplando a vista e aquecendo as mãos.

Com as baixas temperaturas, o encanamento do abrigo congelou e obrigou quem queria beber um café logo cedo a buscar água na represa que fica no parque. Os carros dos visitantes também sofreram com a geada e não há um veículo que não amanheceu com placas de gelos por toda lataria e vidros.

A queda nas temperaturas é reflexo da passagem de uma massa de ar polar, vinda da Argentina, e do ciclone Yakecan, que está se afastando da costa sul do Brasil, mas tem provocado ventos de mais de 100km/h, com efeitos ainda sentidos. Os termômetros com marcações bem abaixo do comum colocou 17 estados em todas as regiões do país estão em zona de “perigo”, como apontou o Instituto Nacional de Meteorologia, por conta da onda de frio que começou esta semana.

Nesta semana, a estação meteorológica do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou em Itatiaia, na quarta-feira, às 6h, 3,2 graus negativos, e sensação térmica de 12,7 negativos. Ontem, quinta-feira, à 1h chegou a 2,4 graus negativos, com sensação de 10,4 graus negativos.

Caçando o frio, o engenheiro florestal Ciro Moura não pensou duas vezes para tentar chegar ainda com as menores temperaturas. Morador de Volta Redonda, no Sul Fluminense, ele chegou em Itatiaia ainda na tarde desta quarta-feira (18) para retomar o contato com a natureza.

— É a primeira vez em 25 anos que venho ao parque que consigo pegar essa janela de maior frio. Assim que soube que o ciclone estava provocando essas temperaturas, peguei a moto e vim com roupa, biscoitos e vinho. Vim tomar um banho de floresta — diz o engenheiro que marcou de se encontrar no parque com dois amigos da época da faculdade.

Ver mais

Brasil

Covid-19: Fiocruz alerta para estagnação na cobertura vacinal

Publicado

dia

Por

Terceira dose nos grupos mais jovens segue abaixo da média considerada satisfatória

(AFP/AFP)

A estagnação do crescimento da cobertura vacinal contra a covid-19 na população adulta, além da desaceleração da curva de cobertura de terceira dose, é motivo de preocupação, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O alerta faz parte da nova edição do Boletim do Observatório Covid-19, divulgado nesta quinta-feira, 19.

De acordo com os dados da Fiocruz, na população acima de 25 anos, a cobertura no território nacional para o esquema vacinal completo é de 80%. No entanto, a terceira dose nos grupos mais jovens segue abaixo da média considerada satisfatória.

“A análise aponta cobertura de 63,9% na faixa etária de 55 a 59 anos; 57,9% na de 50 a 54 anos; 52,8% de 45 a 49 anos. O percentual diminui gradualmente: a partir de 40 a 44 anos é de 49,8%; de 35 a 39 anos é de 44,7%; de 30 a 34 anos é de 40,3%; de 25 a 29 anos é de 35,5%; de 20 a 24 anos é de 30,4%; e de 18 a 19 anos é de 25,2%”, destacou a Fiocruz.

No período de 24 de abril a 14 de maio, o boletim sinaliza que, em relação à quarta dose, na faixa etária de maiores de 80 anos é de 17,7%; de 75 a 79 anos é de 12,4%; de 70 a 74 anos é de 12%; de 65 a 69 anos é de 6,4%; e de 60 a 64 anos é de 3,4%.

Em relação à terceira dose, nas faixas etárias acima de 65 anos, a cobertura está acima de 80%.

Nas crianças entre 5 e 11 anos, 60% tomaram a primeira dose e 32% estão com esquema vacinal completo.

“O cenário atual ainda é motivo de preocupação. A ocorrência de internações tem sido consistentemente maior entre idosos, quando comparados aos adultos. Além disso, o surgimento de novas variantes, que podem escapar da imunidade produzida pelas vacinas existentes, constitui uma preocupação permanente”, explicam os pesquisadores da Fiocruz.

O boletim alerta que, diante da falta de incentivo do uso de máscaras como medida de proteção coletiva e a não obrigatoriedade da apresentação do passaporte vacinal, a discussão sobre a vacinação torna-se ainda mais importante.

A íntegra do último boletim pode ser acessada na página da Fiocruz na internet.

(Agência Brasil)

Ver mais

Brasil

Cracolândia: polícia realiza nova operação em rua do centro de São Paulo

Publicado

dia

Por

Durante a ação, que está ocorrendo nas proximidades da Avenida São João, nos Campos Elíseos, zona central da cidade, a polícia visa cumprir 32 mandados de prisão, além de realizar detenções em flagrante

(Estadão Conteúdo/ROBERTO COSTA/CÓDIGO19/)

A Polícia Civil de São Paulo deflagrou no final da tarde desta quinta-feira, 19, uma nova fase da Operação Caronte, para combater o tráfico de drogas na região da Cracolândia. Com a ação, que está ocorrendo nas proximidades da Avenida São João, nos Campos Elíseos, zona central da cidade, a polícia visa cumprir 32 mandados de prisão, além de realizar detenções em flagrante.

A ação desta quinta é um desdobramento da megaoperação realizada pela Polícia Civil na madrugada do último dia 11, que resultou na prisão de pelo menos sete suspeitos de integrar o tráfico de drogas na Praça Princesa Isabel, local que passou a ser conhecido como a “nova Cracolândia”. Desde então, a praça está fechada.

Na semana passada, a concentração de pessoas passou a se localizar na Rua Helvétia. Nos últimos dias, o grupo de centenas de usuários se deslocou para a Rua Frederico Steidel, próximo ao cruzamento com a Avenida São João, onde seguiam até a tarde desta quinta-feira, 19. Com a operação, parte das pessoas voltou a se espalhar por vias da região.

Há uma semana, a operação retirou usuários da Praça Princesa Isabel.

Além de retirar barracas da Praça Princesa Isabel, o objetivo da última ação era cumprir 37 mandados de prisão e mais dez mandados de busca e apreensão na região da Praça Princesa Isabel. A ação, que foi conduzida pelo 77º DP (Santa Cecília), contou com mais de 600 policiais civis e militares, além de membros da Guarda Civil Metropolitana (GCM).

Na ocasião, foram presos suspeitos como o “Filé com Fritas”, condinome de Lucas Felipe Macedo Marques, de 22 anos. Conforme o delegado Roberto Monteiro, da 1ª Seccional Centro, ele era considerado um “traficante relevante” na região.

Apesar de algumas prisões, a ação, contudo, não conseguiu cumprir a maior parte dos mandados de prisão, o que teria motivado a nova incursão da polícia desta quinta. Até o momento, ainda não há relatos sobre novos detidos.

Conforme a polícia, após a fase desta quinta da operação, será realizada pela prefeitura de São Paulo uma grande ação social e de saúde pública no Serviço Integrado de Acolhida Terapêutica (Siat) emergencial, que está instalado em terreno anexo ao 77º DP.

 

Ver mais

Brasil

Safra de café em 2022 pode chegar a 53,4 milhões de sacas

Publicado

dia

Por

Clima adverso impacta produção no país

(Reuters/FRINJ Coffe)

A estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a produção de café é de 53,4 milhões de sacas, na safra deste ano. O volume representa acréscimo de cerca de 5,7 milhões de sacas em relação ao ciclo anterior.

Se comparado com a colheita de 2020, último ano de bienalidade positiva, a produção esperada para este ano é 15,3% inferior, o que representa 9,65 milhões de sacas. O ciclo bienal é uma característica da cultura e consiste na alternância de um ano com grande florada seguido por outro com florada menos intensa.

“A recuperação é limitada, uma vez que a estiagem e as geadas ocorridas ainda no ano passado, principalmente em Minas Gerais, no Paraná e em São Paulo, debilitaram as plantas, influenciando no desempenho produtivo das lavouras de café”, diz o presidente da Conab, Guilherme Ribeiro, em nota.

Café arábica

De acordo com a companhia, o café do tipo arábica é aquele que mais deve ser influenciado pelo clima adverso, pois a sua concentração ocorre nas regiões mais impactadas pelas baixas temperaturas e pela escassez hídrica. Mas a expectativa ainda é de recuperação na produção em relação à safra passada, podendo chegar a 35,7 milhões de sacas do produto beneficiado. “Porém, era esperado um potencial produtivo maior, por se tratar de um ciclo de bienalidade positiva. Se comparado com a safra 2020, a sinalização é de diminuição de 23,6% do volume total estimado”, acrescenta a Conab.

Segundo a companhia, para a produtividade média, o último ano de bienalidade positiva alcançou cerca de 32,21 sacas por hectare para o mesmo café arábica. Já na atual safra, a estimativa é de um rendimento médio de 24,6 sacas por hectare. Minas Gerais continua como o maior produtor de café do Brasil com 24,7 milhões de sacas produzidas, destas 24,4 milhões são de arábica.

Café Conilon

Em movimento oposto ao arábica, a produção de café conilon deve atingir novo recorde, com colheita de 17,7 milhões de sacas beneficiadas – um aumento de 8,7% em relação à safra anterior, puxado pelo incremento de produtividade que tem sido recorrente a cada ano.

No Espírito Santo, principal estado produtor de conilon, a produção tende a ultrapassar as 12 milhões de sacas. “Não houve registro de extremos climáticos no estado capixaba. Pelo contrário, o volume de chuvas e as temperaturas foram favoráveis para a cultura. O mesmo cenário foi verificado na Bahia. Em Rondônia, além das boas condições climáticas, os produtores seguem investindo em melhorias nos pacotes tecnológicos. Já os estados de Mato Grosso e Amazonas apresentam grande potencial para ampliar a produtividade e consequentemente a produção”, ressalta o diretor de Informações Agropecuárias e Políticas Agrícolas da Conab, Sergio De Zen, em nota.

Área

Segundo o levantamento da Conab, a área destinada para o café está estimada em 2,2 milhões de hectares, aumento de 1,9% em relação a 2021. A elevação é esperada tanto para o espaço destinado para as plantas em formação como para aquelas em produção. Para a área em formação, que contempla plantios novos e áreas esqueletadas ou recepadas, a Conab estima cerca de 401,2 mil hectares, enquanto as lavouras em produção devem se estender por 1,84 milhão de hectares, alta de 2,5% e 1,8% respectivamente.

Mercado externo

Nos quatro primeiros meses deste ano, o Brasil exportou 14,1 milhões de sacas de 60 quilos de café. O volume é 10,8% menor do que o exportado em igual período do ano passado, resultado influenciado pela queda na produção de café em 2021 e redução dos estoques internos nos primeiros meses de 2022.

“Atualmente, a oferta restrita do produto continua influenciando os preços. Por outro lado, a pressão baixista sobre o consumo aumenta as incertezas e a tendência atual é de muita volatilidade. Porém a recuperação limitada da produção brasileira impede quedas mais expressivas nas cotações de café e sustenta os valores praticados no mercado em patamares elevados”, pondera o superintendente de Estudos de Mercado e Gestão da Oferta da Conab, Allan Silveira.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?