Nossa rede

Aconteceu

Polícia Militar prende autor de latrocínio em Brazlândia

Publicado

dia

O suspeito roubou um Fiat/Palio e, em seguida, atirou no dono do veículo. Depois fugiu para Águas Lindas (GO)

(foto: PMDF/Divulgação)

A Polícia Militar prendeu um homem suspeito de latrocínio (roubo seguido de morte) em Brazlândia, na manhã de quinta-feira (20/3). O criminoso teria roubado um Fiat/Palio vermelho e, em seguida, atirado no dono do veículo, na quadra 37, da Vila São José e fugido para Águas Lindas (GO).

O crime aconteceu por volta das 6h e o suspeito foi preso no fim da tarde do mesmo dia, após uma ação conjunta da PM, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal (PRF). Agentes da última força de segurança localizaram o veículo em uma estrada de chão após ser capotado.

A PM continuou as buscas na área de Brazlândia e localizou o criminoso na mesma quadra onde aconteceu o crime. Policiais da 18ª Delegacia de Polícia (Brazlândia) localizaram uma testemunha, que reconheceu o suspeito e informou que ele ainda tentou vender as peças do carro durante o dia. Os dois foram encaminhados para a delegacia.

Comentário

Aconteceu

Homem é preso no DF após dar 4 tiros dentro de casa; mulher estava trancada em quarto

Publicado

dia

Caso aconteceu na madrugada desta terça-feira (7), no Guará. Companheira do suspeito não se feriu; ela prestou queixa na Delegacia da Mulher.

Porta de casa ficou cravada de balas; autor tem 44 anos e é companheiro da dona da casa, no DF — Foto: PMDF/Divulgação

Um homem de 44 anos foi preso na madrugada desta terça-feira (7), no Distrito Federal, após efetuar pelo menos quatro tiros dentro da própria casa. Os disparos atingiram a porta do quarto da residência, no Guará II. Segundo a PM, a mulher do autor estava trancada no cômodo “por medo” do companheiro. Ela não se feriu.

O caso aconteceu na QI 27, por volta das. Os policiais que faziam o patrulhamento na área foram acionados por testemunhas que denunciaram que havia um homem embriagado, com uma arma, dentro do prédio.

Os PMs foram até o local, bateram na porta do imóvel e foram atendidos pelo suspeito. Após a abordagem, ele mostrou a arma deixada em cima do sofá. Além do revólver, foram apreendidos três carregadores e 16 munições.

Munição e carregadores apreendidos pela PM em casa no Guará II, no DF — Foto: PMDF/Divulgação

A mulher, que permaneceu trancada no cômodo, disse à polícia que ouviu quatro disparos e por isso ficou “com medo de sair”. O homem foi detido, e a vítima encaminhada para prestar depoimento na Delegacia Especial de Atendimento a Mulher (DEAM), na Asa Sul.

Como ninguém se feriu, o caso foi registrado como disparo de arma de fogo. Nesses casos, a pena pode chegar a quatro anos de prisão, além de multa.

Veja como denunciar

O Distrito Federal tem uma Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), na Asa Sul, mas os casos de violência podem ser denunciados em qualquer unidade.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) também recebe denúncias e acompanha os inquéritos policiais, auxiliando no pedido de medida protetiva na Justiça.

Em casos de flagrante, qualquer pessoa pode pedir o socorro da polícia, seja testemunha ou vítima. Veja telefones abaixo:

  • Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM):
    Endereço: EQS 204/205, Asa Sul, Brasília-DF
    Telefones: 3207-6195 / 3207-6212
  • Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)
    Endereço: Eixo Monumental, Praça do Buriti, Lote 2, Sala 144, Sede do MPDFT
    Telefones: 3343-6086 e 3343-9625. Fax: 3343-9948
  • Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar
  • Contato: 3190-5291
  • Central de Atendimento à Mulher do Governo Federal
  • Contato: 180

Ver mais

Aconteceu

Homicídios, furtos, roubo e estupros caem durante isolamento social no DF

Publicado

dia

Em março de 2019 foram, no total, 4,5 mil ocorrências; neste ano número caiu para 3,4 mil. Somente latrocínios aumentaram.

Local onde adolescente foi encontrado morto no Areal, no DF, em março de 2020. — Foto: TV Globo/Reproduções.

O Distrito Federal registrou redução de 24,5% nas ocorrências criminais durante o primeiro mês de isolamento social por conta da pandemia do novo coronavírus. De acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP-DF), divulgados nesta terça-feira (7), em março de 2019 foram 4.525 ocorrências, já no mesmo período deste ano foram 3.414 .

O balanço aponta que homicídios, furtos, roubo e estupros tiveram queda. Somente os crimes de latrocínio aumentaram.

Em março de 2019 foram quatro ocorrências. Em março de 2020, o número subiu para seis latrocínios (veja tabela abaixo).

Ao G1, o secretário de Segurança Pública do DF Anderson Torres, afirmou que o mês foi atípico. De acordo com ele, a Secretaria de Segurança atribui os números ao isolamento social.

“As lojas fechadas, as pessoas sem circulação, a diminuição no número de veículos nas ruas, tudo isso teve um impacto muito grande na segurança pública. Houve uma queda significativa nos crimes contra o patrimônio”.

Segundo o secretário, com menos pessoas nas ruas, o policiamento está sendo readequado. “Pessoas mais em casa, pessoas mais recolhidas, menos crimes na cidade, o resultado foi imediato”, afirmou Anderson Torres.

Secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, em entrevista à TV Globo — Foto: TV Globo/Reprodução

Crimes em números

Durante isolamento social crimes registram queda no DF

Crime Março de 2019 Março de 2020
Homicídio 47 44
Latrocínio 4 6
Lesão corporal seguida de morte 1
Roubo a pedestre 2.607 1.893
Roubo a veículo 283 267
Roubo a transporte coletivo 144 84
Roubo em comércio 101 110
Roubo em residência 47 44
Furto em veículos 778 722
Tentativa de homicídio 73 57
Tentativa de latrocínio 30 16
Estupro 62 23
Furto a pedestre 348 148
Total 4.525 3.414

O número de roubos a pedestres teve uma redução de 27,3% se comparado ao mesmo período de 2019. Segundo a SSP, foram 2.607 em 2019 e 1.893 em 2020.

No roubo a transporte coletivo houve uma diminuição de 41,6 %. As ocorrências de estupro caíram 62,9% e os furtos a pedestres diminuíram 57,4%.

O número de homicídios também caiu. Foram 47 em 2019 e 44 em 2020. Até o dia 27 de março, o G1 contabilizou 31 mortes violentas no DF (veja lista abaixo).

O que dizem especialistas ?

De acordo com Nelson Gonçalves, professor e pesquisador em segurança pública, “é evidente o impacto da pandemia no comportamento da população”, por conta das medidas de isolamento.

“Com menos pessoas circulando, reduzem-se, também, os bens de interesse dos criminosos e, portanto, as possibilidades de crime.”

Policiais no local onde homem foi encontrado morto no porta-malas de um veículo na região do Arapoanga, em Planaltina, no DF, em março de 2020 — Foto: TV Globo/Reprodução

O especialista alerta que, se por um lado, a redução de pessoas circulando pode ter ajudado diminuir a quantidade de crimes, por outro, a violência contra as vítimas pode ser maior. “Essa mesma ausência de bens disponíveis torna os marginais mais ávidos e, possivelmente, mais violentos, o que pode explicar, por exemplo, um aumento na taxa de latrocínios”, apontou.

Para Arthur Trindade, professor da Universidade de Brasília (UnB) e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a redução dos crimes durante o isolamento social mostra que nem todos estão cumprido a medida de prevenção contra o coronavírus.

“A pequena redução dos crimes durante o período de quarentena aponta que o isolamento social não está acontecendo em todas as áreas do DF, especialmente nas áreas tradicionalmente mais violentas.”

Cronologia dos crimes

Durante o mês de março, o G1 noticiou, pelo menos, 31 mortes violentas capital. Confira abaixo os crimes registrados pela reportagem até 27 de março:

Local onde idoso de 60 anos foi morto a pedradas no DF, em imagem de arquivo — Foto: Corpo de Bombeiros do DF

Local onde idoso de 60 anos foi morto a pedradas no DF, em imagem de arquivo — Foto: Corpo de Bombeiros do DF

  1. 1º de março: Um homem de 27 anos morreu após ser baleado na cabeça por dois suspeitos que queriam roubar a bicicleta da vítima, no Paranoá;
  2. 1º de março: Jhonata Lopes Barbosa, de 24 anos, que era cadeirante, foi morto a tiros em frente a uma distribuidora de bebidas em Brazlândia;
  3. 2 de março: Homem entre 30 e 40 anos foi morto a facadas na Estrutural;
  4. 2 de março: O empresário Robenilson Oliveira Machado, de 32 anos, morreu após ficar uma semana internado. Ele foi baleado após impedir um cliente de entrar em um bar com lança-perfume, em São Sebastião;
  5. 3 de março: Mulher de 33 anos foi morta pelo namorado, que abandonou o corpo em um matagal na BR 060, próximo ao Recanto das Emas;
  6. 5 de março: Igor Henrique Oliveira dos Santos, de 27 anos, foi morto com dois tiros ao sair de uma igreja, em Taguatinga;
  7. 5 de março: O servidor do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) Reginaldo Fernandes Guedes, de 54 anos, foi morto a facadas por um “amigo de bar”, em Planaltina;
  8. 7 de março: Em Samambaia, na madrugada de sábado, um jovem de 19 anos foi morto com um tiro na cabeça;
  9. 7 de março: Na Rodoviária do Plano Piloto, também na madrugada de sábado, o estudante universitário Márcio Ribeiro Rocha Júnior, de 28 anos, morreu após ser esfaqueado em um assalto;
  10. 7 de março: Após cinco dias internado, o professor Hebert Silva Miguel, de 26 anos, morreu. Ele havia sido esfaqueado, em uma parada de ônibus, durante um assalto em Taguatinga;
  11. 7 de março: Na Fercal, na noite de sábado, um homem de 35 anos foi assassinado a facadas em um bar;
  12. 8 de março: Em Samambaia, um jovem de 23 anos foi morto, por volta das 4h. Ele foi atingido por tiros;
  13. 9 de março: No Areal, um homem de 29 anos foi esfaqueado na madrugada desta segunda-feira (9). Ele morreu.
  14. 9 de março: Na quadra 9, do Setor Sul do Gama, um homem foi encontrado com ferimentos de faca pelo corpo. De acordo com a polícia, houve uma briga entre o autor do crime e a vítima.
  15. 10 de março: Um homem foi encontrado morto no porta-malas de um veículo na região do Arapoanga, em Planaltina.
  16. 10 de março: Corpo carbonizado foi encontrado dentro de veículo incendiado no Morro da Capelinha, em Planaltina.
  17. 12 de março: Em Planaltina, um homem de 27 anos morreu a tiros e golpes de martelo. Dois adolescentes, de 15 e 16 anos, foram apreendidos.
  18. 12 de março: No Areal, um adolescente de 17 anos foi esfaqueado na madrugada desta quinta-feira (12). Ele morreu.
  19. 13 de março: No Riacho Fundo II, um jovem de 24 anos foi morto a pauladas. O corpo do rapaz estava em um matagal próximo ao Conglomerados Agrourbanos de Brasília (CAUB).
  20. 13 de março: Em Sobradinho, um corpo foi encontrado na carroceria de um veículo. De acordo com a Polícia Civil, a vítima foi baleada em Planaltina de Goiás.
  21. 15 de março: No Sol Nascente, um jovem de 19 anos levou cinco tiros após uma discussão em uma festa no domingo (15). Ele foi levado a um hospital, mas chegou morto.
  22. 16 de março: Mateus Araújo, de 20 anos, morreu após ser baleado na cabeça, na porta de uma boate Setor de Indústrias do Gama. O crime ocorreu na madrugada de sábado (14).
  23. 17 de março: No Sol Nascente, um homem de 38 anos foi morto a golpes de martelo e de faca e, sem seguida, carbonizado. Um homem foi preso em flagrante.
  24. 18 de março: Rafael Gomes dos Santos, de 25 anos. morreu após levar 10 tiros na cabeça e no tórax. O crime ocorreu em uma rua, na quadra 8 do Gama.
  25. 19 de março: Um homem foi morto com três tiros no tórax. Ele chegou a ser socorrido pelos bombeiros e levado ao Hospital Regional de Brazlândia, mas não resistiu.
  26. 20 de março: O corpo de um idoso de 80 anos foi encontrado em uma cisterna na área rural do Paranoá, após um assalto. Dois suspeitos foram presos.
  27. 21 de março: Um homem de 20 anos foi assassinado em uma quadra de esportes, em Brazlândia. Ele foi baleado no tórax, na coxa direita e no abdômen.
  28. 21 de março: No Núcleo Rural Sucupira, no Riacho Fundo I, um homem de 33 anos foi encontrado morto pelo Corpo de Bombeiros, com marcas de tiros na cabaça.
  29. 23 de março: No Paranoá, um homem de 30 anos foi assassinado na quadra 10 da Avenida Paranoá.
  30. 26 de março: No Gama, um homem de 43 anos foi assassinado na quadra 2 do Setor Norte. Um adolescente de 17 anos foi apreendido suspeito pelo crime.
  31. 27 de março: No Setor de Múltiplas Atividades Sul, idoso de 60 anos foi morto a pedradas. Homem de 27 anos foi preso em flagrante após confessar o crime.
Ver mais

Aconteceu

Cadeirante morde e arranca parte da orelha de PM em abordagem no DF

Publicado

dia

Caso ocorreu na Estrutural, nesta segunda-feira (6). Homem foi preso em flagrante.

Cadeirante morde e arranca parte da orelha de PM em abordagem no DF — Foto: Arquivo pessoal

Um cadeirante foi preso em flagrante, após morder e arrancar parte da orelha de um policial militar, durante uma abordagem, no Distrito Federal. A prisão foi nesta segunda-feira (6), na região da Estrutural.

De acordo com a Polícia Militar, o cadeirante, de 20 anos, estava com outras duas pessoas e foi abordado por suspeita de tráfico de drogas. Segundo a PM, o jovem resistiu e mordeu a orelha do policial.

“O cadeirante começou a xingar a guarnição de diversos nomes e cuspir. Quando demos voz de prisão, a rua foi tomada por populares que tentaram resgatar o preso”, afirmou o PM ferido.

A corporação informou que os outros dois homens fugiram. O soldado ferido foi levado para o Hospital de Base, onde passou por cirurgia.

Ao G1, o militar afirmou disse que o grupo abordado é conhecido por ter passagens na polícia por tráfico de drogas.

Cadeirante morde e arranca parte da orelha de PM em abordagem no DF — Foto: Polícia Militar/Divulgação

O cadeirante foi autuado por lesão corporal grave contra agente de estado, ameaça, resistência e desacato. Até a última atualização desta reportagem, ele permanecia detido na 1ª Delegacia de Polícia, na Asa Sul.

Ver mais

Aconteceu

Sem gás, pessoas fazem fila em frente a distribuidoras no DF; vídeo

Publicado

dia

Há revendedoras sem o produto há 10 dias. Segundo a Petrobras, a situação deve ser normalizada nos próximos dias

(foto: Reprodução/YouTube)

Há pelo menos 15 dias, consumidores do Distrito Federal estão sofrendo com a falta de gás de cozinha. De acordo com revendedores ouvidos pelo Correio, os consumidores têm feito fila na porta de distribuidoras à espera das poucas unidades que chegam. Assim, os revendedores nem chegam a sair para entregar o produto nas casas.

“Parece que a Petrobras diminuiu a quantidade de funcionários e a demanda aumentou, porque as pessoas estão ficando mais em casa e muita gente começou a comprar o botijão de reserva. O gás que chega é pouco. As pessoas já vêm para a porta da empresa esperar o caminhão chegar. Só dá para abastecer o pessoal que está na portaria, estamos nem conseguindo sair para fazer a entrega”, conta um revendedor que atua em Taguatinga e preferiu não se identificar. Ele fez um vídeo mostrando a situação em Taguatinga, nesta segunda-feira (6/4):

Em uma pesquisa rápida por algumas distribuidoras, a situação se repete: não há gás nem previsão de chegada. No fim de março, o fornecimento chegou a ser interrompido para não correr o risco de desabastecimento.

O presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras e Revendedoras de Gás (Sindvargas), Sérgio Costa, afirmou por meio de nota que muitas revendedoras passam oito a 10 dias sem receber o produto.

“Fazemos parte do grupo de serviços essenciais e muitas vezes nem somos reconhecidos pela nossa excelência em atender o consumidor de domingo a domingo. Mesmo com toda a população em isolamento, estamos exercendo nossa cidadania e responsabilidade com a sociedade, nos arriscando todos os dias frente à epidemia da Covid-19. E nessa crise o revendedor sofre acusações absurdas, sobre estarmos escondendo o produto e até mesmo sendo taxados de ladrões. Um absurdo!”, diz.

De acordo com ele, a situação está sendo monitorada de perto, mas o problema seria a queda na produção de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). “Não há nenhuma previsão de retorno de produção normal. Tudo depende da volta do consumo e principalmente que nível a pandemia da Covid-19 atingirá”, completa.

Petrobras nega desabastecimento

Por meio de nota, a Petrobras informou que não há risco de desabastecimento de gás de cozinha. Segundo a empresa, o que aconteceu foi o aumento de demanda durante a pandemia de coronavírus.

“No mês de março, as vendas de GLP totalizaram 615 mil toneladas, 8 mil toneladas acima da quantidade inicialmente acordada com as distribuidoras. A procura por GLP aumentou, ao contrário dos demais combustíveis, como gasolina, diesel e querosene de aviação, que tiveram grande queda nas vendas. Com a demanda acima das expectativas, o pedido de GLP pelas distribuidoras, para o mês de abril, aumentou para 618 mil toneladas. Devido a essa contração da demanda dos demais combustíveis, o processamento das refinarias foi reduzido. No caso do GLP, a redução da produção será compensada por importação do produto, e as entregas estão garantidas”, diz o texto encaminhado pela Petrobras (leia íntegra abaixo).

A empresa ainda informou que um primeiro navio com 20 milhões do produto chegou ao porto de Santos na segunda-feira passada (30/3). E mais dois devem chegar nesta segunda (6/4) e sexta-feira (10/4).

Preços

revendedores podem estar praticando preços abusivos, o que é repudiado pelo sindicato. Segundo ele, porém, não há nenhuma tabelação de preços.

De acordo com pesquisa Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio do produto é de R$ 70,64. Além disso, a Petrobras disse que os preços do produto tiveram uma redução de 21%. Das refinarias, ele sai ao preço de R$ 21,85.

Íntegra da nota da Petrobras

A Petrobras continua reforçando o abastecimento de GLP (gás de cozinha) para atender ao aumento da demanda, no período de maior consumo devido à pandemia de Covid-19. As entregas do gás estão garantidas e não há risco de falta do produto no mercado nem há qualquer necessidade de estocar botijões de GLP.

No mês de março, as vendas de GLP totalizaram 615 mil toneladas, 8 mil toneladas acima da quantidade inicialmente acordada com as distribuidoras. A procura por GLP aumentou, ao contrário dos demais combustíveis como gasolina, diesel e querosene de aviação que tiveram grande queda nas vendas. Com a demanda acima das expectativas, o pedido de GLP pelas distribuidoras, para o mês de abril, aumentou para 618 mil toneladas.

Devido a essa contração da demanda dos demais combustíveis, o processamento das refinarias foi reduzido. No caso do GLP, a redução da produção será compensada por importação do produto e as entregas estão garantidas.

O primeiro navio, com capacidade adicional de 20 milhões de quilos de GLP (equivalente a 1,6 milhão de botijões P13), chegou ao porto Santos no dia 30/03 e os próximos têm previsão de chegada nos dias 06/04 e 10/04, em Santos e Mauá. Além disso, a partir do dia 7 de abril, um novo duto também ampliará a oferta de GLP para a região de São Paulo. 

Redução nos preços

O preço médio do GLP nas refinarias da Petrobras é equivalente a R$21,85 por botijão de 13kg. No acumulado do ano, a redução é de cerca de -21%.

A Petrobras conta com as distribuidoras e revendedores para que as reduções do preço do botijão de gás cheguem até o consumidor final. 

Íntegra da nota do Sindvargas

O Consumidor do Distrito Federal sofre com o desabastecimento de gás de cozinha e empresários do setor de revendas sofrem pressão frente a população.

As revendas de gás de cozinha do Distrito Federal, desde o início da pandemia não medem esforços em dar continuidade ao abastecimento a população do DF, porém as distribuidoras não estão abastecendo normalmente e muitas vezes deixando revendas sem gás durante 8 a 10 dias, caminhões de revendedores ficam na fila em frente às distribuidoras engarrafadoras até 5 dias esperando o produto para carregar sem nenhum tipo de estrutura física para os motoristas e ajudantes. Fazemos parte do grupo de serviços essências e muitas vezes nem somos reconhecidos pela nossa excelência em atender o consumidor de domingo a domingo, mesmo toda a população em isolamento estamos exercendo nossa cidadania e responsabilidade com a sociedade nos arriscando todos os dias frente a epidemia do COVID-19 e nessa crise o revendedor sofre acusações absurdas sobre estarmos escondendo o produto e até mesmo sermos tachados de ladrões, um absurdo! Contribuímos para a alimentação de famílias! Lembrem disso!

Segundo informações a situação está sendo monitorada todos os dias pelos órgãos competentes junto com as entidades do setor, mas enfrentamos várias barreiras e  questionamentos que só a Petrobras pode responder. As distribuidoras informaram que o bombeamento de GLP da Petrobras não está normal, está sendo reduzido porque as unidades da Petrobras estão produzindo menos GLP devido à redução de venda de combustíveis nos postos, em especial a gasolina, alguns postos chegaram a atingir 80% de queda nas vendas, a média geral está em torno de 50%, os tanques das refinarias não devem estar suportando mais armazenamento de combustíveis e por isso se reduziu a produção. A Petrobras está importando mais GLP para tentar suprir a necessidade do mercado, a medida que a produção reduz, ela aumenta a importação de diversos lugares como da Argentina, Golfo e de outros polos produtores. Importante salientar que a logística brasileira está estrangulada, muitos problemas com dutos, faltam caminhões tanques para o transporte de GLP, além de muitos motoristas estarem no grupo de risco, o que leva ao atraso o processo de abastecimento. As distribuidoras também podem importar o GLP, algumas já fazem, mas de forma muito tímida ainda, o armazenamento ainda é um gargalo não resolvido. A importação da Bolívia feita por uma distribuidora parou por 15 dias, devido a redução do fornecimento de gás natural que fez reduzir a oferta de GLP na fronteira.

E eis a pergunta: Quando a Petrobras vai voltar à sua produção normal de GLP?

Não há nenhuma previsão de retorno de produção normal, tudo depende da volta do consumo e principalmente que nível a pandemia COVID-19 irá atingir e que curva teremos no gráfico no próximos dias.

Preços abusivos

O Sindvargas repudia qualquer conduta em relação a abuso de preços, ressaltamos que os preços dos combustíveis e derivados são livres. Desde 2002, vigora no Brasil o regime de liberdade de preços em toda cadeia de produção, distribuição e revenda de combustíveis e derivados de petróleo. Isto significa que não há qualquer tipo de tabelamento nem fixação de valores máximos e mínimos, ou qualquer exigência de autorização oficial prévia para reajuste. Em outro estado um governador e diretor do Procon estão induzindo ao consumidor um valor tabelado do gás de cozinha o que é ilegal. Segundo a pesquisa realizada pela ANP – Agência Nacional do Petróleo o preço médio no Distrito Federal é de R$70,64 podendo variar de R$63,99 a R$ 95,00.  O segmento é de utilidade pública e não parou um dia se quer por conta da pandemia, mesmo diante dos riscos de contaminação. Lamentável o oportunismo político.

Sérgio Costa

 

Ver mais

Aconteceu

Sobe para 10 número de mortes por coronavírus no DF; 475 estão infectados

Publicado

dia

Até a noite de domingo (5/4), a capital federal tinha sete óbitos pela Covid-19. Os novos dados foram divulgados pela Secretaria de Saúde na tarde desta segunda-feira (6/4)

Hran é hospital de referência na rede pública do DF para o combate ao coronavírus
(foto: Ed Alves/CB/D.A. Press)

As mortes pelo novo coronavírus aumentaram de sete para 10 na capital federal, de acordo com dados divulgados pela Secretaria de Saúde (SES-DF) na tarde desta segunda-feira (6/4). Os sete óbitos tinham sido informados pela pasta na noite de domingo (5).
Conforme os novos dados, o número de infectados pela pandemia também cresceu: subiu de 468 para 475. Destes, 14 pacientes estão em estado grave e 40 apresentam quadro moderado da doença.
Em entrevista ao CB.Poder — parceria do Correio com a TV Brasília —  desta segunda-feira (6), o secretário de Saúde, Francisco Araújo, criticou a informação do Ministério da Saúde sobre Brasília estar em uma transição para a fase de aceleração descontrolada da Covid-19. O titular da pasta afirmou ter tido problemas com os pedidos para combater a pandemia no DF.
“O Ministério da Saúde mandou para cá aventais que não são ideais para o ambiente hospitalar, álcool em gel saneante, que é usado para a limpeza, e 7 mil testes rápidos quebrados, que não funcionam. Tudo o que estamos fazendo é com recurso da secretaria e do governo (GDF), com a força de trabalho de todos os trabalhadores”, destacou.
Segundo Francisco Araújo, desde o início da crise, a pasta solicitou a habilitação de 320 leitos de UTI com suporte respiratório. No entanto, nenhum destes pedidos chegou a ser aprovado pelo ministério.
Ver mais

Aconteceu

Brasil tem 486 mortes e 11.130 casos confirmados de coronavírus

Publicado

dia

De acordo com balanço do Ministério da Saúde, volume de contaminações cresceu 8,2% entre sábado e domingo

BRASÍLIA — O número de pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus no Brasil subiu para 11.130,  e o total de mortes chegou a 486. Os dados foram divulgados neste domingo pelo Ministério da Saúde. A taxa de letalidade no país é de 4,4%.

No balanço de sábado, o total de infectados era de 10.278, e os mortos eram 433. De um dia para o outro, a quantidade de contaminados subiu 8,2% — 852 novos casos — e mais 54 óbitos foram registrados. Dois estados (Acre e Tocantins) permanecem sem mortes provocadas pela infecção viral.

São Paulo tem o maior número de casos, com 4.620, seguido por Rio (1.394) e Ceará (823). Em relação às mortes, já houve 275 em São Paulo, 64 no Rio e 26 no Ceará.

A região Sudeste concentra 60% dos casos do país. De acordo com o Ministério da Saúde, levando-se em consideração a projeção do IBGE para a população brasileira em 2020, o Brasil tem uma taxa de 5,3 casos por 100 mil habitantes.

Na análise de 388 das 486 mortes já registradas, o Ministério da Saúde informou que em 312 casos (o equivalente a 83%), as vítimas tinham mais de 60 anos. Houve 54 óbitos na faixa etária entre 40 e 59 anos, 20 mortes de pessoas entre 20 e 39 anos e dois óbitos de crianças e jovens de 6 a 19 anos.

Ainda de acordo com o boletim do Ministério da Saúde, dentro dos mesmos 388 casos, 79% das vítimas apresentavam pelo menos um fator de risco, como cardiopatia (211 casos) e diabetes (151).

No mundo, a taxa de infecções e mortes pelo novo coronavírus diminuiu novamente neste domingo na Itália, Espanha e Alemanha, mantendo o ritmo de desaceleração dos últimos dias. Na Itália, foram 525 vítimas fatais nas últimas 24 horas, índice mais baixo em duas semanas — uma redução de 25% em relação às mortes anunciadas no sábado.

Na Espanha,  o número de pessoas que morreram nas últimas 24 horas também caiu em relação ao sábado: 674 pessoas frente as 809 do dia anterior, e bem abaixo do recorde diário de 950 da última quinta-feira. Na Alemanha, o número de infectados aumentou 5.936 nas últimas 24 horas, chegando a 91.714 casos, a terceira queda direta na taxa diária de novos casos, segundo dados do Instituto Robert Koch, do governo.

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?