Nossa rede

Saúde

Governo encomendou 100 milhões de doses da vacina de Oxford, diz Saúde

Publicado

dia

Secretário de vigilância em saúde afirmou que o Brasil deve receber um primeiro lote, de 15 milhões de vacinas, em dezembro

Vacina: governo já encomendou 100 milhões de unidades da vacina experimental para a covid-19 da AstraZeneca (Taechit Taechamanodom/Getty Images)

O secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, afirmou em entrevista à CNN que o governo já encomendou 100 milhões de unidades da vacina experimental para a covid-19 da AstraZeneca, desenvolvida na Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Segundo Medeiros, o Brasil deve receber um primeiro lote, de 15 milhões de vacinas, em dezembro e, caso os testes e estudos sobre a eficácia do medicamento sejam aprovados até lá, a aplicação da imunização deverá ser iniciada. A vacina está na terceira e última fase de testes.

“Fechamos acordo para o envio de 100 milhões de doses da vacina em três lotes. O primeiro lote deve chegar na primeira quinzena de dezembro, com 15,2 milhões de doses, e o segundo chega entre dezembro em janeiro. Muito em breve, se tudo der certo, nós teremos a vacina em dezembro com a ajuda de Deus e o esforço e trabalho de toda a comunidade científica”, explicou.

O secretário lembrou do acordo feito entre o governo brasileiro e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com a Universidade de Oxford e a AstraZeneca, que garante ao Brasil a transferência da tecnologia do medicamento, que poderá ser produzido no laboratório de Bio Manguinhos, da Fiocruz.

“Nessa encomenda com a Oxford e a AstraZeneca, o governo brasileiro assumiu compromisso de transferência de tecnologia para termos autonomia de produção da vacina, que será produzida no (laboratório) Biomanguinhos.”

De acordo com o secretário, os primeiros grupos a receberem a vacina serão os idosos, pessoas com comorbidades e profissionais da saúde da linha de frente no combate à pandemia.

Testes da vacina chinesa

Além da vacina de Oxford, o país testa também a Coronavac, vacina chinesa que vem sendo testada no país desde a semana passada. Os testes são fruto de uma parceria do Instituto Butantã e a empresa Sinovac Biotech.

A vacina começou a ser testada na terça-feira passada em voluntários no Hospital da Clínicas.

A partir desta quinta e sexta-feira, dias 30 e 31, a vacina passará a ser testada em outros quatro centros: Instituto Emílio Ribas, Hospital das Clínicas da Faculdade de Ribeirão Preto da USP, Universidade Municipal de São Caetano do Sul e Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fármacos da Universidade Federal de Minas Gerais.

Ao todo, nove mil voluntários, somente profissionais de saúde, vão receber a vacina em 11 centros de pesquisa.

Segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se os testes derem certo, essa vacina pode estar disponível para a população a partir de janeiro de 2021.

“Se os testes forem concluídos com bons resultados, ela já poderá ser produzida, mediante autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, na segunda quinzena do mês de novembro, ou nos primeiros dias de dezembro. Aí teríamos uma quantidade necessária para iniciar a imunização de brasileiros de todo o país no início de janeiro de 2021 pelo Sistema Único de Saúde“, disse Doria no início da semana.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Saúde

Vacina da Novavax apresenta resultado positivo em 1ª fase de testes

Publicado

dia

Por

Nos últimos três meses, a ação da empresa subiu mais de 700%

Nos últimos três meses, a ação da empresa subiu mais de 700%. A companhia nunca conseguiu desenvolver com sucesso uma vacina em mais de três décadas de existência, mas agora recebeu recursos da Fundação Bill & Melinda Gates e do governo americano para buscar a imunização contra a covid-19. Além de ter sucesso na fase 1, é preciso que uma candidata a vacina se saia bem nas fase 2 e 3 dos ensaios clínicos para ser utilizada.

O teste contou com cerca de 130 voluntários saudáveis e deu a eles um placebo ou uma das quatro doses de sua vacina. Todos que receberam a vacina desenvolveram anticorpos neutralizantes contra o SARS-CoV-2, que podem ajudar a prevenir a infecção. As melhores respostas vieram de voluntários que receberam duas injeções da vacina da Novavax com três semanas de intervalo. Após 35 dias, esses participantes tinham níveis de anticorpos neutralizantes que eram, em média, quatro vezes mais altos do que o observado em um grupo de 32 pacientes que haviam se recuperado da doença.

Cerca de 80% desses voluntários tiveram efeitos colaterais no local da injeção, incluindo dor e sensibilidade. Mais de 60% teve outros efeitos colaterais, principalmente dores de cabeça, dores musculares e fadiga. A maioria das reações foi leve ou moderada, mas oito pacientes tiveram efeitos colaterais que foram classificados como graves; Novavax afirmou que nenhum deles exigia hospitalização. Todas as reações foram resolvidas após alguns dias, e nenhuma apresentou risco de vida.

Outras farmacêuticas como Moderna, AstraZeneca e Pfizer estão recrutando mais de 30.000 voluntários para os testes de fase 3, destinados a determinar se suas vacinas podem impedir a covid-19. A Novavax planeja iniciar um estudo semelhante no outono, acompanhado por Johnson&Johnson, Sanofi, entre outros.

A vacina da Novavax está entre as poucas financiadas pela operação “Warp Speed” — um esforço dos EUA para desenvolver tratamentos e vacinas para o novo coronavírus até o final deste ano.

A empresa vai receber US$ 1,6 bi em financiamento do governo americano, que pagará 100 milhões de doses de NVX-CoV2373, se as vacinas se provarem seguras e eficazes. A empresa também está recebendo mais de US$ 388 milhões da Coalition for Epidemic Preparedness Innovations, uma organização sem fins lucrativos financiada em parte pela Fundação Bill e Melinda Gates.

Ver mais

Saúde

EUA paga US$ 2,1 bi e reserva até 100 milhões de vacinas da covid-19

Publicado

dia

Acordo dos EUA com as farmacêuticas Sanofi e GlaxoSmithKline (GSK) acontece dias após aposta semelhante na Pfizer

EUA vai pagar US$ 1,6 bilhãopor vacina contra covid-19 (SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images)

Os Estados Unidos irão pagar 2,1 bilhões de dólares para a Sanofi e a GlaxoSmithKline criarem e entregarem 100 milhões de doses de uma vacina contra o novo coronavírus.

Grande parte do montante, 1,5 bilhão de dólares, será usado para o desenvolvimento da vacina em ritmo acelerado.

“A necessidade global de uma vacina para ajudar a prevenir o COVID-19 é enorme, e nenhuma vacina ou empresa será capaz de atender somente à demanda global”, afirmou, em nota, Thomas Triomphe, vice-presidente executivo e chefe global da divisão de vacinas da Sanofi.

O investimento bilionário do governo dos Estados Unidos é para que a economia possa retornar ao normal. Autoridades de saúde do país afirmam que a normalidade só serã restabelecida quando houver uma vacina.

O anúncio do governo americano acontece poucos dias depois de ter dito que pagaria 1,95 bilhão por uma vacina feita pela farmacêutica Pfizer em parceria com a empresa de biotecnologia alemã BioNTech. Nesse acordo, seriam encomendadas 100 milhões de vacinas.

 

 

Ver mais

Saúde

EUA compra mais 100 milhões de doses de vacina contra covid-19

Publicado

dia

Acordo dos Estados Unidos com as farmacêuticas Sanofi e GlaxoSmithKline (GSK) custou US$ 2,1 bilhões

Sanofi e GSK informaram ainda que pretendem ampliar gradativamente a capacidade de produção do antígeno e oferecer até um bilhão de doses por ano globalmente, caso os estudos se mostrem eficazes.

“A necessidade global de uma vacina para ajudar a prevenir a covid-19 é enorme, e nenhuma vacina ou empresa será capaz de atender sozinha a demanda global”, diz Thomas Triomphe, vice-presidente executivo da Sanofi, no comunicado.

Recentemente, os EUA fecharam um acordo com as farmacêuticas Pfizer e BioNTech para entrega de outras 100 milhões de doses de uma futura vacina contra o novo coronavírus.

Ver mais

Saúde

Pacientes graves podem transmitir covid-19 por até 3 semanas, diz OMS

Publicado

dia

Período para pacientes com a forma leve ou moderada é de até nove dias

Ver mais

Saúde

Chocolate faz bem para o coração, diz estudo

Publicado

dia

O estudo indica que é melhor comer o doce por pelo menos uma vez na semana — sem exageros

Chocolate: alimento pode fazer bem para o coração (Baibaz/Getty Images)

Um estudo publicado no European Society of Cardiology (ESC) apontou que o chocolate, ao contrário do que muitos pensam, pode ser benéfico para o coração humano. Segundo o autor do do estudo Dr. Chayakrit Krittanawong da Universidade de Medicina de Baylor, em Houston, no Texas, Estados Unidos, o “chocolate é capaz de manter as veias do coração saudáveis”.

Os pesquisadores analisaram estudos de décadas passadas para examinar a associação entre o consumo do alimento e a doença doença arterial coronariana e incluiu ao todo 336.289 participantes que afirmaram ingerir chocolate em doses variadas. Em uma média de nove anos, 14.043 participantes tiveram a doença e 4.667 tiveram ataques cardíacos.

O estudo, então, aponta que comer chocolate por mais de uma vez na semana reduziu em 8% o risco da doença. “O chocolate contém nutrientes saudáveis para o coração que reduzem a inflamação e aumentam o colesterol bom”, afirmou Krittanawong.

É lógico que não vale comer uma barra inteira de chocolate durante a tarde. O estudo indica que é melhor comer o doce por pelo menos uma vez na semana — sem exageros.

Ver mais

Saúde

Canabidiol ajuda a reduzir consumo de maconha, diz estudo

Publicado

dia

Pesquisa britânica aponta que doses mais altas de cannabis tiveram melhores resultados para redução de uso

Maconha: participaram da pesquisa apenas pessoas que foram diagnosticadas com uso extremo da droga (Jordan Siemens/Getty Images)

Um estudo mostra que o canabidiol (CBD) encontrado na cannabis não produz nenhum dos efeitos encontrados na droga. Pelo contrário: na medicina, o canabidiol é frequentemente usado para o tratamento de diversos problemas, como psiquiátricos e neurológicos. Agora um estudo feito pela Kings College London e pela Universidade de Bath, ambas na Inglaterra, aponta que o canabidiol pode ser usado também para reduzir o uso excessivo da maconha.

O estudo, publicado na revista científica The Lancet Psychiatry, foi duplo-cego (quando nem os médicos e nem os pacientes sabem qual medicamento está sendo administrado), com grupo de controle usando placebo, e aleatório.

A pesquisa indica que os efeitos da droga estão mais ligados ao THC, outra substância encontrada na cannabis. O objetivo era identificar o melhor tratamento para os viciados em determinadas drogas, como é o caso da maconha.

Os voluntários tinham de preencher requisitos de problemas de uso com a maconha e foram selecionados aleatoriamente no primeiro estágio do teste de quatro semanas, nas quais foram administradas três diferentes doses do canabidiol — 200mg, 400mg, ou 800mg — e também o placebo para 82 pessoas que já haviam tentado parar de consumir maconha, mas não conseguiam. Todos eles também receberam diagnósticos de uso extremo da droga.

A pesquisa aponta que as doses mais altas de cannabis (como a de 400mg e de 800mg) tiveram melhores resultados em pessoas que têm problemas com o uso de maconha. O canabidiol não apresentou nenhum efeito colateral e 94% dos participantes completaram o tratamento sem maiores problemas.

Os resultados, por fim, apontam que o canabidiol foi um grande responsável pela redução do consumo exagerado da maconha e as doses mais altas foram mais eficazes do que o placebo ou as doses mais leves.

Ver mais

Hoje é

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?