Nossa rede

Brasília

GDF confirma Ivete Sangalo no show ‘Renato Russo Sinfônico’, em Brasília

Publicado

dia

O Governo do Distrito Federal informou que a cantora Ivete Sangalo confirmou sua participação no show “Renato Russo Sinfônico”, que acontece no próximo dia 29 de junho, no estádio Mané Garrincha. Segundo a produção do evento, que marca a inauguração do espaço como arena multi-uso, também já confirmaram presença o cantor Lobão, a cantora Zélia Duncan e o ex-baterista do Sepultura, Iggo Cavalera.

O show “Renato Russo Sinfônico” vai reunir a Orquestra do Teatro Nacional de Brasília, sob regência do maestro Claudio Cohen, e diversos artistas brasileiros interpretando músicas da banda de Brasília e da carreira-solo do cantor e compositor. O ex-líder da banda Legião Urbana vai aparecer como holograma em uma ou duas músicas.

A tecnologia usada para trazer o cantor ao palco do Estádio Mané Garrincha é inédita no Brasil, segundo os produtores do evento. A projeção está a cargo do produtor e diretor Mark Lucas, que já trabalhou com bandas como Pearl Jam e Red Hot Chili Peppers.

21859

Segundo o produtor executivo do show, André Noblat, que também faz parte do movimento “Brasília Capital do Rock”, o valor do espetáculo ainda não está definido. “Não dá para dizer quanto vai custar o show porque depende de uma série de fatores, como o cachê dos músicos convidados e o desenho do palco.”

A tecnologia vai permitir absorver a energia do meu pai no palco. Será uma homenagem à cidade e ao meu pai. Escolhemos o Mané Garrincha porque foi o lugar onde houve o último show e teve aquela confusão. Esse evento, na verdade, era um sonho do meu pai”
Giuliano Manfredini,
filho do cantor Renato Russo

O evento foi contemplado pela Lei Rouanet, com financiamento de R$ 4,5 milhões. Os produtores estão captando recursos. Os valores do evento não foram divulgados.

O show foi anunciado pelo filho de Renato Russo, Giuliano Manfredini, a Legião Urbana Produções e o governador Agnelo Queiroz, no fim de fevereiro. “O GDF entra nessa parceria oferecendo o estádio, como parte dos eventos de inauguração do Mané Garrincha, para mostrar que ele é realmente multiuso. O Renato projetou o nome de Brasília, que é a cidade do rock. A tecnologia vai permitir por alguns minutos tê-lo de volta com a gente”, afirmou o governador Agnelo.

“A tecnologia vai permitir absorver a energia do meu pai no palco. Será uma homenagem à cidade e ao meu pai. Escolhemos o Mané Garrincha porque foi o lugar onde houve o último show e teve aquela confusão. Esse evento, na verdade, era um sonho do meu pai, junto com o maestro Silvio Barbato. Infelizmente não foi possível realizar com ele em vida, mas agora estamos realizando essa vontade dele”, afirmou Manfredini.

O show
De acordo com o produtor musical Rafael Ramos, o show terá uma hora e meia de música e exibição de vídeos com entrevistas e depoimentos. Está prevista a apresentação de 16 a 20 composições. Os músicos que fizeram parte da Legião Urbana, como o guitarrista Dado Villa-Lobos e o baterista Marcelo Bonfá, ainda não estão confirmados.

Segundo a produção, nomes internacionais como o do guitarrista do Eurythmics, Dave Stewart, estão sendo cogitados. “Estamos em fase final de negociação”, disse Ramos.

A cantora italiana Laura Pausini, de quem Renato gravou a canção “Strani Amore”, também será convidada. Laura e o líder da Legião  apareceram juntos em uma versão da música, lançada pouco depois da morte do cantor, em outubro de 1996.

No mesmo palco
O show vai acontecer exatamente 25 anos e 11 dias depois da última apresentação da Legião Urbana em Brasília. No dia 18 de junho de 1988, uma grande confusão se formou depois que a banda decidiu deixar o palco após 50 minutos de música.

Um fã invadiu o local de apresentação e agarrou o cantor no meio da música “Conexão Amazônica”. Antes disso, bombinhas e outros objetos foram atirados contra os músicos. Renato xingou o público e também foi xingado. No momento da confusão, ele gritou contra os policiais.

O público começou a promover um quebra-quebra a entrar em confronto com a Polícia Militar. Mais de 50 mil pessoas lotavam o estádio na ocasião. Muitos acabaram entrando sem pegar.

Em entrevistas concedidas à imprensa, o cantor Renato Russo sempre dizia que nunca mais voltaria a cantar em Brasília porque a cidade não oferecia estrutura para um evento de grandes proporções.

Comentário

Política BSB

ONGs pedem que Salles seja investigado por descaso ambiental

Publicado

dia

Razão do pedido é o aumento da devastação da floresta amazônica e “omissão do ministério diante da gravidade da situação”

Ricardo Salles: ministro vem sendo criticado por supostamente fazer vista grossa para problemas ambientais do país (Fundo Amazônia/Agência Brasil)

O Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam), aliado a outras 50 organizações não governamentais (ONGs), protocolou nesta terça-feira, 20, representação na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão com um pedido de averiguação de improbidade administrativa do ministro do Meio Ambiente,Ricardo Salles (Novo-SP).

A razão do pedido é o aumento da devastação da floresta amazônica e a “omissão do ministério diante da gravidade da situação, além da redução das multas aplicadas na região pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), diz nota do Proam.

Para Luiz Mourão de Sá, da coordenação do Fórum de ONGs do Distrito Federal, “o grau de devastação demonstra que as Unidades de Conservação da Amazônia vêm sendo desguarnecidas e com notícias de agentes intimidados em sua função precípua de fiscalização”.

A representação será entregue pessoalmente à procuradora Deborah Duprat, coordenadora da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, amanhã às 9h, durante o seminário “Participação Social em Conselhos Ambientais: Aspectos Conceituais e Legais”, promovido pelo Ministério Público de SP, Ministério Público Federal e Proam.

 

Ver mais

Política BSB

Frota critica governo Bolsonaro: “Não pode opinar que é expulso”

Publicado

dia

Deputado federal foi expulso do PSL na terça-feira, 13 e, três dias depois, se filiou ao PSDB, com apoio do governador de São Paulo, João Doria

Deputado Alexandre Frota: “Bolsonaro quer fazer as coisas do jeito dele, ouve muito pouco aqueles que querem se posicionar” (Valter Campanato/Agência Brasil)

São Paulo — O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP), expulso na última semana do PSL, o partido do presidente Jair Bolsonaro, criticou o que chamou de “ditadura bolsonariana” na noite de segunda-feira, 19, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

Segundo Frota, que apoiou o presidente durante a disputa eleitoral, não existe abertura ao diálogo e nem espaço para quem pensa diferente.

“Bolsonaro quer fazer as coisas do jeito dele, ouve muito pouco aqueles que querem se posicionar. E a gente tem que procurar um diálogo, ele não está aberto a isso, ele está aberto só para determinadas pessoas que ele acha que fazem parte do mundo dele” afirmou, citando que o presidente ouve o filho Carlos Bolsonaro vereador no Rio, o filósofo Olavo de Carvalho e o assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Filipe Martins.

Segundo ele, o comportamento de apoiadores do presidente nas redes sociais configuraria uma “ditadura”. “Você não pode falar nada, não pode criticar, não pode opinar, que você é expulso. Haja vista o que passou o Santos Cruz, o (Gustavo) Bebianno (ministros demitidos).

Todo mundo que esbarra em alguma coisa, que cria uma divergência, que dá uma opinião contrária, se torna a ovelha negra. Não pode falar nada. Eu acho isso uma ditadura bolsonariana, não existe diálogo, não existe uma democracia ali”.

Questionado se não foi possível perceber isso durante a campanha Frota negou e disse que o presidente mudou. “É uma outra pessoa. Era aberto, comunicativo. Vejo ele tomando atitudes e interferindo no Coaf, na Receita, na PF.

Se algo não o agrada, ele muda”, afirmou. “Pelo menos comigo e com algumas pessoas que você conversa, elas têm esse mesmo entendimento da maneira como ele se comporta, com determinadas ações, coisas combinadas que se perderam no meio do caminho”, afirmou.

Expulsão do PSL e filiação ao PSDB

O deputado federal foi expulso do PSL na terça-feira, 13 e, três dias depois, se filiou ao PSDB, com apoio do governador de São Paulo, João Doria. Em relação à saída do partido, disse que é necessário respeitas as legendas, “mas não se tornar um fantoche do partido”.

Sobre o novo partido, disse que não retira nenhuma das críticas que fez no passado, mas que agora é outro momento. “Estou começando agora dentro desse partido, um partido renovado, a convite do João Doria e do Bruno Araújo (presidente do PSDB). Acho que vou ter mais independência, mais liberdade”, disse.

Equilíbrio

O deputado defendeu a abertura de diálogo e o equilíbrio na relação com a oposição. “Se eu colocar fogo de um lado e o Paulo Pimenta (líder do PT na Câmara dos Deputados) colocar fogo do outro lado, as coisas não andam. Quando tiver que bater eu vou bater, mas quando tiver que trabalhar em cima de um equilíbrio, eu vou fazer isso”.

 

Ver mais

Política BSB

Moro e Araújo proíbem entrada de altos funcionários de Maduro no Brasil

Publicado

dia

Portaria editada pelos ministros prevê o “impedimento” de ingresso no país de “altos funcionários do regime venezuelano de Nicolás Maduro”

Moro – Araújo: ministros editaram portaria que impede a entrada de alto escalão de Maduro no Brasil (Alan Santos/PR – Marcos Corrêa/PR/Site EXAME)

Os ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Ernesto Araújo(Relações Exteriores) editaram nesta segunda-feira, 19, portaria que prevê o “impedimento” de ingresso no País de “altos funcionários do regime venezuelano de Nicolás Maduro, que, por seus atos, contrariam princípios e objetivos da Constituição Federal, atentando contra a democracia, a dignidade da pessoa humana e a prevalência dos direitos humanos”.

“Os nomes das pessoas de que trata o caput constarão de rol taxativo a ser elaborado pelo Ministério das Relações Exteriores e, posteriormente, encaminhado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública”, diz o ato dos ministros.

Segundo o texto, “as pessoas listadas no rol taxativo não poderão ingressar no território nacional”.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade